sexta-feira, 31 de julho de 2015

31 de julho dia de Santo Inácio de Loiola, Confessor

31/07 Sexta-feira
 Festa de Terceira Classe   
Paramentos Brancos
Iñigo Lopez de Loyola, este era o seu nome de batismo, nasceu numa família cristã, nobre e muito rica, na cidade de Azpeitia, da província basca de Guipuzcoa, na Espanha, no ano de 1491. O mais novo de treze filhos, foi educado, com todo cuidado, para tornar-se um perfeito fidalgo. Cresceu apreciando os luxos da corte, praticando esportes, principalmente os equestres, seus preferidos.
Em 1506, a família Lopez de Loyola estava a serviço de João Velásquez de Cuellar, tesoureiro do reino de Castela, do qual era aparentada. No ano seguinte, Iñigo tornou-se pagem e cortesão no castelo desse senhor. Lá, aprimorou sua cultura, fez-se um exímio cavaleiro e tomou gosto pelas aventuras militares. Era um homem que valorizava mais o orgulho do que a luxúria.
Dez anos depois, em 1517, optou pela carreira militar. Por isso foi prestar serviços a um outro parente, não menos importante, o duque de Najera e vice-rei de Navarra, o qual defendeu em várias batalhas, militares e diplomáticas.

Mas, em 20 de maio de 1521, uma bala de canhão mudou sua vida. Ferido por ela na tíbia da perna esquerda, durante a defesa da cidade de Pamplona, ficou um longo tempo em convalescença. Nesse meio tempo, meio por acaso, trocou a leitura dos romances de infantaria e guerra, por livros sobre a vida dos santos e a Paixão de Cristo. E assim foi tocado pela graça. Incentivado por uma de suas irmãs, que cuidava dele, não voltou mais aos livros que antes adorava, passando a ler somente livros religiosos. Já curado, trocou a vida de militar por uma vida de dedicação a Deus. Foi, então, à capela do santuário de Nossa Senhora de Montserrat, pendurou sua espada no altar e deu as costas ao mundo da corte e das pompas.
Durante um ano, de 1522 a 1523, viveu retirado numa caverna em Manresa, como eremita e mendigo, o tempo todo em penitência, na solidão e passando as mais duras necessidades. Lá, durante esse período, preparou a base do seu livro mais importante: "Exercícios espirituais". E sua vida mudou tanto que do campo de batalhas passou a transitar no campo das ideias, indo estudar filosofia e teologia em Paris e Veneza. Em Paris, em 15 de agosto de 1534, juntaram-se a ele mais seis companheiros, e fundaram a Companhia de Jesus. Entre eles estava Francisco Xavier, que se tornou um dos maiores missionários da Ordem e também santo da Igreja. Mas todos só se ordenaram sacerdotes em 1537, quando concluíram os estudos, ocasião em que Iñigo tomou o nome de Inácio. Santo Inácio de Loyola queria uma companhia de escol, para combater os erros da época, principalmente os de Lutero e Calvino, e por isso estipulou que, diferentemente das outras congregações ou ordens religiosas, o noviciado seria de mais de um ano. Dizia no fim da vida, quando sua Companhia estava já estendida por quase todos os continentes. Três anos depois, o papa Paulo III aprovou a nova Ordem e Inácio de Loyola foi escolhido para o cargo de superior-geral.
Ele preparou e enviou os missionários jesuítas ao mundo todo, para fixarem o cristianismo, especialmente aos nativos pagãos das terras do novo continente. Entretanto, desde que esteve no cargo de geral da Ordem, Inácio nunca gozou de boa saúde. Muito debilitado, morreu no dia 31 de julho de 1556, em Roma, na Itália.
A sua contribuição para a Igreja e para a humanidade foi a sua visão do catolicismo, que veio de sua incessante busca interior e que resultou em definições e obras cada vez mais atuais e presentes nos nossos dias. Foi canonizado pelo papa Gregório XV em 1622. A sua festa é celebrada, na data de sua morte, nos quatro cantos do planeta onde os jesuítas atuam. O Papa Pio XI publicou por ocasião de seu jubileu sacerdotal, em 1929, a Encíclica "Mens nostra: Sobre os Exercícios Espirituais", na qual comunicava aos fiéis a sua decisão de estabelecer anualmente um retiro baseado nos Exercícios Espirituais para o Papa e membros da Cúria Romana. Desde então, salvo algumas exceções, retiros inacianos são realizados todos os anos no Vaticano. Inicialmente ocorriam na primeira semana do Advento. Santo Inácio de Loyola foi declarado Padroeiro de Todos os Retiros Espirituais pelo papa Pio XI em 1922.

Sequência do Santo Evangelho

II Timóteo 2,8-10 e 3,10-12                                                         
8.Lembra-te de Jesus Cristo, saído da estirpe de Davi e ressuscitado dos mortos, segundo o meu Evangelho,9.pelo qual estou sofrendo até as cadeias como um malfeitor. Mas a palavra de Deus, esta não se deixa acorrentar.10.Pelo que tudo suporto por amor dos escolhidos, para que também eles consigam a salvação em Jesus Cristo, com a glória eterna.  10.Tu, pelo contrário, te aplicaste a seguir-me de perto na minha doutrina, no meu modo de vida, nos meus planos, na minha fé, na minha paciência, na minha caridade, na minha constância,11.nas minhas perseguições, nas provações que me sobrevieram em Antioquia, em Icônio, em Listra. Que perseguições tive que sofrer! E de todas me livrou o Senhor.12.Pois todos os que quiserem viver piedosamente, em Jesus Cristo, terão de sofrer a perseguição.

Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                                     
São Lucas 10,1-9       
1.Depois disso, designou o Senhor ainda setenta e dois outros discípulos e mandou-os, dois a dois, adiante de si, por todas as cidades e lugares para onde ele tinha de ir.2.Disse-lhes: Grande é a messe, mas poucos são os operários. Rogai ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe.3.Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos.4.Não leveis bolsa nem mochila, nem calçado e a ninguém saudeis pelo caminho.5.Em toda casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa!6.Se ali houver algum homem pacífico, repousará sobre ele a vossa paz; mas, se não houver, ela tornará para vós.7.Permanecei na mesma casa, comei e bebei do que eles tiverem, pois o operário é digno do seu salário. Não andeis de casa em casa.8.Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que se vos servir.9.Curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: O Reino de Deus está próximo.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Kit São Tomas de Aquino

PREÇO DO KIT R$15,00
Frete incluso
 

Kit São Tomas de Aquino preço individual:
 
Cordão de São Tomas:
R$5,00

Coroinha da Imaculada Conceição
Oração no folheto do Cordão de São Tomas de Aquino   
R$1,00


 
 Catecismo da Doutrina Cristã dito de São Pio X
vem anexo o notas biográficos.
 R$15,00


 
Como Tornaras Feliz?
Conselhos para Donzelas
 R$2,00 

Folhetos Seja Pura e Cordão de São Tomas de Aquino.
  R$2,00



terça-feira, 28 de julho de 2015

Comentários Eleison: A Confiança Suplica

Comentários Eleison - por Dom Williamson
CDXIX (419) - (25 de julho de 2015): 
A CONFIANÇA SUPLICA
A loucura parece na Igreja agora reinar.    
Da confiança do salmista precisamos, em meio ao nosso penar.
            Quando o mundo, nos tempos modernos, começou a virar as costas para Deus, achou realmente que Ele não notaria ou não se importaria? A loucura de hoje está alcançando um clímax no qual mais e mais almas devem estar percebendo que uma intervenção divina se tornou uma absoluta necessidade, e será um grande ato de misericórdia. Contudo, a fim de não nos desanimarmos, vamos ver como ainda nos tempos do Antigo Testamento, o salmista pediu a Deus que interviesse, sem duvidar por um momento sequer de Seu poder para fazê-lo. Os Salmos são uma escola de oração divinamente inspirada para todas as épocas, e eles aplicam-se tanto ao Novo Testamento como ao Antigo. Aqui está o Salmo 73 (N.T.: Cópia da tradução da Vulgata pelo Pe. Matos Soares):
A. A ANSIEDADE
            “[1] Por que razão, ó Deus, nos desamparaste para sempre? (Por que razão) se antecede a tua ira contra as ovelhas do teu pasto? [2] Lembra-te da tua família (católicos), que fundaste desde a antiguidade, da tribo que para propriedade tua resgataste, do monte de Sião (Igreja Católica), em que estabeleceste a tua morada. [3] Dirige os teus passos para essas ruínas irreparáveis: o inimigo tudo devastou no santuário (por exemplo, pelo Novus Ordo). [4] Rugiram os teus adversários no lugar da tua assembleia (por exemplo, a liturgia), arvoraram os seus estandartes como troféu. [5] Pareciam-se com os que no bosque vibram o machado, [6] e com o machado e o martelo despedaçam as suas portas. [7] Puseram fogo ao teu santuário; na terra profanaram o tabernáculo do teu nome. [8] Disseram no seu coração: ‘Destruamo-los todos juntamente: incendiai todos os santuários de Deus (igrejas católicas) na terra’. [9] Não vemos mais os nossos estandartes, já não há um profeta (que nos guie); nem há entre nós quem saiba até quando. [10] Até quando, ó Deus, nos insultará o inimigo? O adversário há de blasfemar sempre o teu nome? [11] Por que retrais a tua mão? Por que reténs a tua direita no teu seio?”
B. A CONFIANÇA
            “[12] Mas Deus é meu rei desde outrora, ele que opera a salvação no meio da terra. [13] Tu com o teu poder abriste o mar (Vermelho), pisaste as cabeças dos dragões nas águas. [14] Tu quebraste as cabeças do Leviatã, deste-o por comida aos monstros marinhos. [15] Tu fizeste brotar fontes e torrentes; tu secaste os rios caudalosos. [16] Teu é o dia, e tua é a noite; tu fixaste a lua e o sol.  [17] Tu estabeleceste todos os limites da terra, o estio e o inverno, tu os formaste.”
C. A SÚPLICA
            “[18] Lembra-te disto: o inimigo ultrajou-te, Senhor, e um povo insensato blasfemou o teu nome. [19] Não abandones ao abutre a vida da tua rola (os católicos que mantêm a Fé), e não esqueças para sempre as vidas dos teus pobres. [20] Olha para a tua aliança (a Igreja Católica), porque todos os esconderijos do país e os campos (católicos humildes) estão cheios de violência (por exemplo, provocada pela Nova Ordem Mundial). [21] Não se volte confundido o humilde: o pobre e o desvalido louvam teu nome. [22] Levanta-te, ó Deus, defende a tua causa; lembra-te do ultraje que o néscio te dirige continuamente. [23] Não te esqueças dos gritos dos teus adversários: o tumulto dos que se insurgem contra ti aumenta continuamente.”


Kyrie eleison.

Reze todos os dia Santo Rosário.

São Nazário e Celso, Mártires; São Vítor, Papa e Martir; São Inocêncio, Papa e Confessor.

29/07 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos

Nazário nasceu em Roma, ainda no primeiro século da era cristã. O pai era um pagão e chamava-se Africano. A mãe, de nome Perpétua, era uma católica fervorosa. Enquanto ele desejava tornar o filho um sacerdote a serviço de um dos muitos deuses pagãos, ela o queria temente a Deus, no seguimento de Cristo, por isso o educou dentro da religião católica. Assim, com apenas nove anos de idade, o menino pediu para ser batizado, definindo a questão e sendo atendido pelo pai, que algum tempo depois também se converteu.
Nazário foi batizado pelas mãos do próprio papa são Lino, o primeiro sucessor de são Pedro, que fez dele um dos seus auxiliares diretos. Ingressou no exército romano e com ele percorreu toda a Itália, onde também pregava o Evangelho. Mas, ao ser descoberto, foi levado à presença do imperador, que o mandou prender. Conseguindo fugir, abandonou Roma e tornou-se um pregador itinerante, até que, durante um sonho, Deus lhe disse para sair da Itália.
Assim, foi para a Gália, hoje França, sempre pregando a palavra de Cristo. Em Cimiez, próximo de Nice, depois de converter uma nobre e rica senhora e seu filho, um adolescente de nome Celso, ela confiou o jovem a Nazário, que o fez seu discípulo inseparável. Juntos, percorreram os caminhos da Gália, deixando para trás cidades inteiras convertidas, pois, durante as suas pregações, aconteciam muitos milagres na frente de todos os presentes.
Depois, foram para Treves, atualmente Trier, na Alemanha, onde fundaram uma comunidade cristã que se tornou tão famosa que os dois acabaram sendo denunciados e presos. Condenados à morte, foram jogados na confluência dos rios Sarre e Mosel. E novo milagre ocorreu: em vez de afundar, os dois flutuaram e andaram sobre as águas. Assustados, os pagãos não tentaram mais matá-los, apenas os expulsaram do país.
Nazário e Celso foram, então, para Milão, onde mais uma vez viram-se vítimas da perseguição pagã, imposta pelo imperador Nero. Presos e condenados, desta vez foram decapitados em praça pública.Passados mais de dois séculos, em 396, os corpos dos dois mártires foram encontrados pelo próprio bispo de Milão, Ambrósio, também venerado pela Igreja. Durante suas orações, teve uma visão, que lhe indicou o local da sepultura de Nazário. Mas, para surpresa geral, a cabeça do mártir estava intacta, com os cabelos e a barba preservados, e ainda dela escorria sangue, como se fora decapitado naquele instante. A revelação foi mais impressionante porque, durante as escavações, também encontraram o túmulo do jovem discípulo Celso, martirizado junto com ele.Também foi por inspiração de santo Ambrósio que esta tradição chegou até nós, pois ele a contou a são Paolino de Nola, seu discípulo e biógrafo. As relíquias de são Nazário e são Celso foram distribuídas às igrejas de várias cidades da Itália, França, Espanha, Alemanha, África e Constantinopla. Dessa maneira, a festa dos dois santos difundiu-se por todo o mundo católico, sendo celebrados no dia em que santo Ambrósio teve a revelação: 28 de julho.



São Vítor I  foi o décimo quarto papa da Santa Igreja Católica Apostólica Romana entre (datas aproximadas) 189 e 199. Vítor nasceu na província romana de Tunísia; esta notícia é bastante certa, pois na Catedral Católica de Tunes, à esquerda do altar, tem um mosaico com o rosto dele. De seu pai sabe-se somente que se chamava Félix.           





Decretos importantes estabelecidos por São Vitor e confirmado no Concílio de Nicéia(325): Estabeleceu que em caso necessidade ou urgência e  faltar água batismal feita Sábado Santo qualquer tipo de água, quer seja de um rio, mar ou outras fontes, pode ser utilizada na administração baptismo. Outra contribuição importante foi que tomou a resolução do estabelecimento do domingo (em substituição do sábado) como dia sagrado, em memória da Ressurreição de Jesus Cristo, embora a prática só se tornou universal no Primeiro Concílio de Nicéia. Determinou que a Páscoa seria celebrada sempre neste dia da semana, excomungando todos os bispos que se opuseram à mudança. O Primeiro Concílio de Nicéia (325) confirmou sua decisão. É também sua a decisão de realizar as Santas Missas em latim em vez de grego. Além disso, tornou herética a doutrina do adocionismo no ano de 190. 
Papa Inocêncio I italiano, nasceu em Albano, uma província romana do Lazio. Ele foi eleito no ano 401 e governou a Igreja por dezesseis anos, num período dos mais difíceis para o cristianismo. A sua primeira atividade foi uma intervenção direta no Oriente, tendeu a unificar a Igreja ocidental em torno da "praxis romana", estabelecendo a observância dos ritos romanos no Ocidente, o catálogo do livros canônicos e as regras monásticas exortando a população de Constantinopla a seguir as orientações do seu bispo, são João Crisóstomo, e assim viver em paz. Mas um dos maiores traumas de seu pontificado foi a invasão e o saque de Roma, cometidos pelos bárbaros godos, liderados por Alarico. Roma estava cercada por eles desde o ano 408 e só não tinha sido invadida graças às intervenções do papa junto a Alarico. Pressionado pelo invasor, e tentando salvar a vida dos cidadãos romanos, Inocêncio viajou até a diocese de Ravena, onde se escondia o medroso imperador Honório. O papa tentava, há muito tempo, convencê-lo a negociar e conceder alguns poderes especiais a Alarico, para evitar o pior, que ele saqueasse a cidade e matasse a população. Não conseguiu e o saque teve início. Foram três dias de roubo, devastação e destruição. Os bárbaros respeitaram apenas as igrejas, por causa dos anos de contato e mediação com o papa Inocêncio I. Mesmo assim, a invasão foi tão terrível que seria comentada e lamentada depois, por santo Agostinho e São Jerônimo. Apesar de enfrentar inúmeras dificuldades, conseguiu manter a disciplina e tomou decisões litúrgicas que perduram até hoje. Elas se encontram na inúmera correspondência deixada pelo papa Inocêncio I. Aliás, com essas cartas se formou o primeiro núcleo das coleções canônicas, que faz parte do magistério ordinário dos pontífices, alvo de estudos ainda nos nossos dias. Durante o seu pontificado difundia-se a heresia pelagiana, condenada no ano 416 pelos concílios regionais de Melevi e de Cartago, convocados por iniciativa de santo Agostinho e com aprovação do papa Inocêncio I, que formalmente sentenciou Pelágio e seu discípulo Celestio, tendo ratificado a condenação deste; defendeu São João Crisóstomo. Foi no seu pontificado que São Jerônimo terminou a revisão da tradução latina da Bíblia conhecida como Vulgata Latina, em 404. Enfrentou Conseguiu que o imperador Flávio Honório proibisse as lutas de gladiadores. O papa Inocêncio I morreu no dia 28 de julho de 417, sendo sepultado no cemitério de Ponciano, na Via Portuense, em Roma.
Leitura da Epístola dos 

Sabedoria 10, 17-20                                                     
17.Deu aos santos o galardão de seus trabalhos, conduziu-os por um caminho miraculoso; durante o dia serviu-lhes de proteção, e deu-lhes a luz dos astros, durante a noite.18.Fê-los atravessar o mar Vermelho, e deu-lhes passagem através da massa das águas,19.ao passo que engoliu seus inimigos, e depois os tirou das profundezas do abismo.20.Também os justos, depois de despojados os ímpios, celebraram, Senhor, vosso santo nome, e louvaram, unidos num só coração, vossa mão protetora,
Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                                     
São Lucas 21,9-19                                                                        
9.Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis; porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas não virá logo o fim.10.Disse-lhes também: Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino.11.Haverá grandes terremotos por várias partes, fomes e pestes, e aparecerão fenômenos espantosos no céu.12.Mas, antes de tudo isso, vos lançarão as mãos e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença dos reis e dos governadores, por causa de mim.13.Isto vos acontecerá para que vos sirva de testemunho.14.Gravai bem no vosso espírito de não preparar vossa defesa,15.porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria, à qual não poderão resistir nem contradizer os vossos adversários.16.Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parentes e vossos amigos, e matarão muitos de vós.17.Sereis odiados por todos por causa do meu nome.18.Entretanto, não se perderá um só cabelo da vossa cabeça.19.É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

O Mundo segundo Jesus Cristo

Que pensou Nosso Senhor Jesus Cristo a respeito do Mundo?

Disse:Nosso Senhor Jesus Cristo Bem-aventurados os puros!
 http://2.bp.blogspot.com/-CCxyXPvL_rI/UJmWFM7YC0I/AAAAAAAACFM/RXEh3dxvryM/s1600/Fernando_Aguado-Cristo-.jpg
O mundo contradiz a Nosso Senhor Jesus Cristo.

O mundo diz: sacia suas paixões.
Mundo manda:
 Seja homossexual ou lésbica
Adultero com casamento de segunda união.
União estável sem o Sacramento do Matrimonio.
Namoro sem guardar a castidade.  

E preciso escolher,não se pode servir as dois senhores,não pode ter dois  mestres,
não se deve pode dividir o coração entre duas doutrinas tão diretamente opostas.
Carregue sua cruz como Nosso Senhor. 

Por isto o mundo legaliza tudo contra a pureza e o senhor 
ai  vai seguir o mundo ou a Nosso Senhor.
Reze todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 26 de julho de 2015

26 de julho dia de Santa Ana, Mãe da Santíssima Virgem.


Santa Ana ou Sant'Ana (do latim Anna, por sua vez do hebraico transliterado Hannah, "Graça") foi mãe de Maria, mãe de Jesus Cristo. São João Damasceno exorta Joaquim e Ana como modelos de pais e esposos cujo principal dever era educar seus filhos. São Paulo diz que a educação dos filhos pelos pais é sagrada.

A tradição diz que Joaquim nasceu em Nazaré, e casou-se com Anna quando ele era jovem. Ele era um rico fazendeiro e possuía um grande rebanho. Como não tivessem filhos durante muitos anos Joaquim era publicamente debochado, (não ter filhos era considerado na época uma punição de Deus pela sua inutilidade). Um dia o padre do templo recusou a oferta de Joaquim de um cordeiro e Joaquim foi para o deserto e jejuou e rezou por 40 dias. O Pai de Ana teria sido um judeu nômade chamado Akar que trouxe sua mulher para Nazaré com sua filha Anna. Após o casamento de sua filha com Joaquim tambem ficou triste de não terem sido agraciados com netos. Ana chorava e orava a Deus para atende-la. Um dia ela estava orando e um anjo disse a ela que Deus atenderia as suas preces. Ela estava sob uma árvore pensando que Joaquim a havia abandonado(ele estava no deserto). O anjo disse ainda que o filho que teriam seria honrado e louvado por todo o mundo. Anna teria respondido; "Se Deus vive e se eu conceber um filho ou filha será um dom do meu Deus e eu servirei a Ele toda a minha vida."

O anjo disse a ela para ir correndo encontrar com o seu marido o qual, em obediência a outro anjo, retornava com o seu rebanho. Eles se encontraram em um local que a tradição chama de Portão de Ouro. Santa Anna deu a luz a Maria quando ela tinha 40 anos. É dito que Anna cumpriu a sua promessa e ofereceu Maria a serviço de Deus, no templo, quando ela tinha 3 anos. De acordo com a tradição ela e Joaquim viveram para ver o nascimento de Jesus e Joaquim morreu logo após ver o seu Divino neto presente no templo de Jeruzalém.
O Imperador Justiniano construiu em Constantinopla, uma igreja em honra de Santa Anna lá pelo anos de 550.Seu corpo foi trasladado da Palestina para Constantinopla em 710 e algumas porções de suas relíquias estão dispersas no Oeste. Algumas em Duren (Rheinland-Alemanha), em Apt-en-Provence, (França) e Canterbury (Inglaterra).
O culto litúrgico de Santa Ana apareceu no sexto século no leste e no oitavo século no Ocidente. No século décimo a festa da concepção de Santa Anna era celebrada em Nápoles e se espalhou para Canterbury lá pelos anos de 1100 DC e daí por diante até século 14, quando o seu culto diminui pelo crescente interesse pela sua filha, a Virgem Maria.O culto a Santa Ana chegou a ser até atacada por Martinho Lutero, especialmente as imagens com Jesus e Maria, um objeto favorito dos pintores da Renascença. A devoção aos pais de Nossa Senhora é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no Ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do Ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Düren, Renânia, Alemanha. Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879. Na França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623.

Ladainha de Santa Ana
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo , tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai Céu, tende piedade de nós.
Deus filho Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Deus Uno e Trino, tende piedade de nós.
Nossa Senhora filha de Santa Ana, rogai por nós.
Santa Ana, Mãe de Maria Virgem, rogai por nós.
Santa Ana, avó de Jesus Cristo, rogai por nós.
Santa Ana, esposa digníssima de Joaquim, rogai por nós.
Santa Ana, sogra do santo patriarca José, rogai por nós.
Santa Ana, arca de Aliança, rogai por nós.
Santa Ana, monte de Horeb, rogai por nós.
Santa Ana, raiz de José, rogai por nós.
Santa Ana, descendente de estirpe real de Davi, rogai por nós.
Santa Ana, alegria dos Anjos, rogai por nós.
Santa Ana, filha dos Patriarcas, rogai por nós.
Santa Ana, oráculo dos Profetas, rogai por nós.
Santa Ana, glória dos Santos, rogai por nós.
Santa Ana, alegria dos Sacerdotes e Levitas, rogai por nós.
Santa Ana, nuvem resplandecente, rogai por nós.
Santa Ana, cheia e cumulada de graças, rogai por nós.
Santa Ana, espelho de devoção, rogai por nós
Santa Ana, espelho de ternura, rogai por nós
Santa Ana, espelho de obediência, rogai por nós
Santa Ana, espelho de misericórdia, rogai por nós
Santa Ana, espelho de bondade, rogai por nós
Santa Ana, espelho de misericórdia, rogai por nós
Santa Ana, modelo acabado de paciência, rogai por nós.
Santa Ana, baluarte da Santa Igreja, rogai por nós
Santa Ana, Refúgio de todos os pecadores, rogai por nós.
Santa Ana, protetora dos cristãos, rogai por nós.
Santa Ana, padroeira do parto, rogai por nós
Santa Ana, patrono das mãe cristãs, rogai por nós
Santa Ana, padroeira das viúvas, rogai por nós
Santa Ana, protetora das mulheres que procuram a maternidade, rogai por nós
Santa Ana, mestra e educadora das Virgens, rogai por nós.
Santa Ana, protetora eficaz dos navegantes, rogai por nós.
Santa Ana Porto de salvação, rogai por nós.
Santa Ana Padroeira da boa morte, rogai por nós.
Santa Ana, especialíssima advogada de seus devotos, rogai por nós.
Santa Ana, alívio e alegria dos aflitos, rogai por nós.
Santa Ana, luz e refúgio de todos que a invocam, rogai por nós.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, escutai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.
Senhor tende piedade de nós.
Jesus Cristo, compadecei-vos de nós.
V. Amou Deus a Santa Ana.
R. E teve muitas virtudes. 
 

Rogai por nós  Santa Ana para que sejam dignos das promessas de Cristo.                                                   
Oremos: 
Senhor, seja eternamente bendita a gloriosa Senhora Santa Ana, por ter tido a tarefa de levar em seu seio a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus.                             
A acompanhamos a tão grande Santa com todo nosso afeto e particular devoção na alegria que experimentou sua bendita alma no nascimento de sua Filha e a felicitamos pelo generoso sacrifício que fez ao Altíssimo quando a presentou no Templo. Dignai-vos, grande Santa, apresentarmos com vossas mãos a Jesus e a Maria, e sede perante eles nossa especial protetora e advogada terníssima.Tudo devemos esperar, amada Santa minha, de vosso eficaz valimento e poderoso patrocínio, e temos a tarefa de dar graças em vossa soberana presença. Não é em vão que colocamos em vos toda nossa confiança. Amém. 
Oração: 
Oh! Deus que Vos dignastes fazer a Senhora Santa Ana a graça de ser mãe da Mãe de teu Unigênito filho! 
Concedei-nos por tua bondade e misericórdia que nós que veneramos a tão grande Santa com particular devoção na terra, mereçamos ter seu poderoso patrocínio, para depois estarmos em sua companhia na eterna bem-aventurança do céu. Amém.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Comentários Eleison: Papas Conciliares - V

Comentários Eleison - por Dom Williamson
CDXVIII (418) - (18 de julho de 2015): 
PAPAS CONCILIARES – V
É claro que ao menos a Sua Igreja Deus virá resgatar
Mas os católicos devem, até que fiquem roucos, gritar.
                Os “Comentários” da semana passada foram longe, chegando a sugerir que começar a compreender a mentalidade liberal é importante para manter a Fé nos dias de hoje. Vendo como o liberalismo dissolve a Verdade, entende-se como ele está minando a Fé e destruindo a Igreja. Ao mesmo tempo, vendo como ele corrompe as mentes, compreende-se como os homens da Igreja de hoje estão “diabolicamente desorientados” sem necessariamente estar completamente conscientes de como eles mesmos estão destruindo a Igreja. Então, não é preciso ser nem liberal nem sedevacantista. Vamos dar uma olhada em outro texto clássico de Dom Lefebvre, um trecho do Capítulo XVI, Eles O Destronaram, onde ele examina “A Mentalidade Liberal Católica”:
                “Uma enfermidade da mente. ‘Mais que uma confusão mental, o catolicismo liberal é uma enfermidade da mente’ (Pe. A. Roussel, em seu livro Liberalismo e Catolicismo): a mente é incapaz de permanecer simplesmente na verdade. Não pode afirmar nada sem pensar imediatamente na contra-afirmação que se sente igualmente obrigada fazer. O Papa Paulo VI foi um clássico exemplo de tal mente dividida, de ser um duas caras – podia-se mesmo ler fisicamente em suas feições –, em perpétuo balanço entre duas posições contraditórias e levada por um movimento pendular, oscilando regularmente entre a Tradição e a novidade. A isso não chamariam alguns de esquizofrenia intelectual?
                Penso que o Pe. Clérissac viu mais profundamente a natureza dessa enfermidade. Ela é uma falta de integridade da mente (O Mistério da Igreja, Capítulo VII), de uma mente sem suficiente confiança na verdade...  Quando o liberalismo prevalece, essa falta de integridade da mente mostra-se psicologicamente em duas claras características: liberais são maleáveis e ansiosos: maleáveis porque facilmente assumem o estado de espírito daqueles que estão ao seu redor; ansiosos porque, pelo medo de contrariar esses diferentes estados de espírito, estão continuamente preocupados em justificarem-se a si mesmos; parecem sofrer das dúvidas contra as quais eles mesmos combatem; não têm confiança suficiente na verdade; estão preocupados em justificar sua posição, demonstrando, adaptando ou até mesmo se desculpando.
                Muito preocupados em estar em harmonia com o mundo; desculpando-se! São boas colocações. Eles querem desculpar-se por todo o passado da Igreja: pelas Cruzadas, pela Inquisição, etc. Quando justificam e demonstram, fazem-no muito timidamente, especialmente quando se trata dos direitos de Jesus Cristo; e então buscam adaptar-se ao mundo, e eles o fazem, pois é seu princípio básico. Eles partem do que consideram ser um princípio prático, e de um fato que consideram inegável, a saber, que a Igreja não pode ser concebida nas circunstâncias atuais, nas quais ela tem de cumprir sua missão divina, sem que esteja em harmonia com elas”.
                Desde o tempo de Pe. Clérissac e de Dom Lefebvre, a dissolução das mentes e corações pelo liberalismo só tem feito grandes avanços. No século XXI, há ainda menos traços do antigo sistema de verdades objetivas e de moralidade objetiva que havia no século XX. Assim, a adaptação da Igreja ao ambiente torna-se cada vez mais mortal para a Fé e para a moral católica, que não são nada se não forem objetivas. Como temos sofrido por causa de uma mente que alterna continuamente afirmações e contra-afirmações, uma mente continuamente ansiosa para convencer a ambas as partes, completamente opostas uma a outra, para reconciliar o que é irreconciliável – uma mente que carece não apenas de confiança na verdade, mas até mesmo, tal como parece, de qualquer conhecimento da verdade –, por essa mesma mente poder fazer uma imitação tão boa da verdade! Costumava-se dizer antigamente que uma mente assim pertenceria a um “mentiroso”. E hoje?
                Podemos apenas gritar como o Salmista: Senhor, vossos próprios católicos tornaram-se motivo de zombaria para os não católicos. Por Vossa própria honra e glória, apressai-Vos em resgatar-nos!
Kyrie eleison.

Reze todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 19 de julho de 2015

19 de julho dia de São Vicente de Paula, Confessor.

  São Vicente de Paulo nasceu em uma terça-feira de Páscoa, em 24 de abril de 1581, na aldeia Pouy, sul da França. Vicente foi batizado no mesmo dia de seu nascimento. Era o terceiro filho do casal João de Paulo (Jean de Paul) e Bertranda de Moras (Bertrande de Moras), camponeses profundamente católicos. Seus seis filhos receberam o ensino religioso em casa através de Bertranda. Desde cedo destacou-se pela notável inteligência e devoção. Fez seus primeiros estudos em Dax, onde, após 4 anos, tornou-se professor. Isto lhe permitiu concluir os estudos de teologia na Universidade de Toulouse. Foi ordenado sacerdote, aos dezenove anos, em 23 de setembro de 1600. Ordenou-se padre e logo passou pela primeira provação: uma viúva que gostava de ouvir as suas pregações, ciente de que ele era pobre, deixou para ele sua herança - uma pequena propriedade e determinada importância em dinheiro, que estava com um comerciante em Marselha. No retorno desta viagem a Marselha, em 1605, o navio em que se encontrava foi atacado por piratas turcos. Pe. Vicente sobreviveu ao ataque, mas foi feito prisioneiro. Os turcos o conduziram a Túnis, onde foi vendido como escravo para um pescador, depois para um químico; com a morte deste, foi herdado pelo sobrinho do químico, que o vendeu para um fazendeiro, um renegado, que antes era católico e, com medo da escravidão, adotara a religião muçulmana. Ele tinha três esposas: uma era turca e esta, ouvindo os cânticos do escravo, sensibilizou-se e quis saber o significado do que ele cantava. Ciente da história, ela censurou o marido por ter abandonado uma religião que para ela parecia tão bonita. O patrão de Pe.Vicente arrependeu-se e propôs a ele uma fuga para a França, que só se realizou dez meses depois, já em 1607. Eles atravessaram o Mar Mediterrâneo em uma pequena embarcação e conseguiram chegar à costa francesa. De Aigues-Mortes foram para Avinhão, onde encontraram o Vice-Legado do Papa. Vicente voltou à condição de padre e o renegado abjurou publicamente, retornando à Igreja Católica. Vicente e o renegado ficaram vivendo com o Vice-Legado e, quando este precisou viajar a Roma, levou-os em sua companhia. Durante a estada na cidade, Pe. Vicente frequentou a universidade e se formou em Direito Canônico. E o renegado foi admitido em um mosteiro, onde se tornou monge. O Papa precisou mandar um documento sigiloso para o Rei Henrique IV da França e Pe. Vicente foi escolhido como fiel depositário. Devido a sua presteza, o Rei Henrique IV nomeou-o Capelão da Rainha Margarida de Valois, a rainha Margot. Pe. Vicente era encarregado da distribuição de esmolas aos pobres e fazia visitas aos enfermos no hospital de caridade em nome da rainha. Após o assassinato de Henrique IV da França, em 1610, São Vicente passou um ano na Sociedade do Oratório, fundada pelo Cardeal Pierre de Bérulle. Mais tarde, padre Bérulle foi nomeado Bispo de Paris e indicou Vicente de Paulo para vigário de Clichy, subúrbio de Paris. Vicente fundou a Confraria do Rosário e todos os dias visitava os doentes. Atendendo a um pedido de padre Berulle, partiu e foi ser o preceptor dos filhos do general das galés e residir no Palácio dos Gondi. Naquele período, a Marinha francesa estava em expansão e, para resolver o problema da mão-de-obra necessária para o remo, era costume a condenação às galés por delitos comuns. Vicente empenhou-se nesta missão, lutando por mais dignidade para estes prisioneiros, que viviam em condições sub-humanas. No trabalho em favor dos condenados às galés chegou até a se colocar no lugar de um deles para libertá-lo. As propriedades da família dos Gondi eram muito grandes e Pe. Vicente e a senhora de Gondi faziam visitas às famílias que residiam nestas propriedades. Foi assim que o Pe. Vicente percebeu como era necessária a confissão deste povo. Conseguiu outros padres para as confissões, pois eram muitos os que queriam esse sacramento. Pe. Vicente esteve nas terras da família Gondi por cinco anos. Foi a Paris e, mais tarde, a pedido do Pe. Berulle, voltou para a casa dos Gondi por mais oito anos. Sua piedade heróica conferiu-lhe o cargo de Capelão Geral e Real da França. Vendo o abandono espiritual dos camponeses, fundou a Congregação da Missão, que são os Padres Lazaristas, para evangelização do "pobre povo do interior". A Congregação da Missão demorou de 1625 até 12 de janeiro de 1633 para receber a Bula do Papa Urbano VIII, reconhecendo-a.Em 1643, Luís XIII pediu para ser assistido, em seu leito de morte, por Vicente, tendo morrido em seus braços. A seguir foi nomeado pela Regente Ana d'Áustria, de quem era o confessor, para o Conselho de Consciência (para assuntos eclesiásticos dessa Regência).Num apelo que o padre Vicente fez durante sermão em Châtillon, nasceu o movimento das Senhoras Damas da Caridade (Confraria da Caridade). A primeira irmã de caridade foi a camponesa Margarida Nasseau, que contou com a orientação de Santa Luísa de Marillac e que, mais tarde, estabeleceu a Confraria das Irmãs da Caridade, atuais Filhas da Caridade. De apenas quatro irmãs no começo, a Confraria conta, hoje, com centenas delas. Foi também ele o responsável pela organização de retiros espirituais para leigos e sacerdotes, através das famosas conferências das terças-feiras (Confraria de Caridade para homens).Inspirado por seu amor a Deus e aos pobres, Vicente de Paulo foi o criador de muitas obras de amor e caridade. Sua vida é uma história de doação aos irmãos pobres e de amor a Deus. Existem diversas biografias suas, mas sabemos que nenhuma delas conseguirá descrever com total fidelidade o amor que tinha por seus irmãos necessitados. Muitos acham que a maior virtude de São Vicente é a caridade, mas sua humildade suplantava essa virtude. Sempre buscava o bem da Igreja. São Vicente de Paulo foi um pai dos Pobres e um reformador do clero. Basta dizer que as Conferências Vicentinas, fundadas por Antônio Frederico Ozanam e seus companheiros, em 23 de abril de 1833, foram inspiradas por ele. Espalhadas no mundo inteiro, vivem permanentemente de seus exemplos e ensinamentos. Segundo São Francisco de Sales, Vicente de Paulo era o "padre mais santo do século". Faleceu em 27 de setembro de 1660 e foi sepultado na capela-mãe da Igreja de São Lázaro, em Paris. Foi canonizado pelo Papa Clemente XII em 16 de junho de 1737. Em 12 de maio de 1885 é declarado patrono de todas as obras de caridade da Igreja Católica, por Leão XIII. 




Seu corpo está in corrupto.