terça-feira, 15 de novembro de 2016

Pensamentos de Santa Teresinha

"Pensamentos de Santa Teresinha"
Mais informações sobre a venda do nosso livro clique aqui!

Mês de Novembro


1. Oh! O céu! O céu! Sim, quanto suspiro por ele para ver a Face de Jesus e contemplar eternamente a sua maravilhosa beleza; mas enquanto espero desejo sofrer muito e ser desprezada nesta terra. (Carta á Madre Inez de Jesus)


2. Não, não posso temer o purgatório, pois sei que o fogo do amor é mais santificador; sei que Jesus não pode querer sofrimentos inúteis e que não me havia de inspirar os desejos que me abrasam si os não quisesse realizar. (Historia de uma alma)


3. Não esqueçamos que Jesus é um tesouro escondido: poucas almas sabem descobri-lo. Pois geralmente ama-se só o que brilha. Para acharmos uma coisa oculta é preciso que nos ocultemos também, que a nossa vida seja um mistério... (Carta a Celina, dois de agosto de 1893)


4. Não quero mais nada senão o esquecimento... Não aspiro aos desprezos, ás injuria tudo isso seria demasiadamente glorioso para o “Gao de areia”, pois si alguém desprezasse um grão de areia seria sinal de que o via e pensava nele. (Carta á Madre Inez de Jesus)  


5. Quando nos sentimos totalmente miseráveis, não nos queremos mais considerar, olhamos somente para o nosso único Amado. (Carta a M ária Guerin, 1894)


6. Não imaginemos encontrar o amor sem sofrimento; a nossa natureza está viva e não é em vão que está viva; mas que tesouro nos faz adquirir. É ela a nossa riqueza, nosso meio de subsistência. (Carta a Celina, 12 de março de 1898)


7. Sim, a felicidade encontra-a na dor sem mistura de consolação. (Carta á Madre Inez de Jesus)


8. É preciso lutar para vencer: É cedo para as palmas e coroas, Cumpre nos campos da honra merecer. (Poesias, Cântico a Santa Joana d’Arc)


9. Sou uma pobre bolinha crivada de picadas de alfinetes, e já não agüento mais. É verdade que os frutos são bem pequenos, mas sofro mais assim do que com um maior, feito de uma só vez. Oh! A bolinha treme! No entanto, sinto-me feliz de sofrer tudo que Jesus permite... (Carta á Madre Inez de Jesus)


10. Viver de amor, não é neste degredo. Fixar-se no Tabor; é com Jesus. Subir pelo Calvário sem ter medo. E olhar como maior tesouro a cruz. Hei de viver, de gozar lá no Império. Então terá fugido a dor. Mas cá na terra quero em meu martírio. Viver de amor. (Poesias, Viver de amor)


11. Nenhuma tribulação é demasiada para conquistar a palma. (Carta á Madre Inez de Jesus)


12. Um dia sem sofrimento é para mim um dia perdido. (Carta a Celina, 14 de julho de 1888)  


13. Que fez Jesus para desprender a nossa alma de todas as coisas? Ele nos feriu profundamente, mas foi um golpe de amor. . . Deus é admirável; mas, sobretudo, Ele é amável. (Carta a Celina, 14 de julho de 1889)


14. E’ uma grande provação ver tudo negro; mas isso não depende de nós inteiramente; fazei o que puderdes para desapegar o vosso coração das preocupações terrenas e, sobretudo das criaturas, e ficai certas que Jesus fará o resto. ( Conselhos e lembranças)


15. Quão poucas são as almas que nenhuma ação fazem com negligencia e imperfeição! Como são raras as que fazem tudo do melhor modo possível!


16. Li outrora que os Israelitas, quando construíram os muros de Jerusalém, trabalharam com uma das mãos, tendo na outra a espada.E’ a perfeita imagem do que devemos fazer: Trabalhar apenas com uma das mãos, e com a outra defender a nossa alma da dissipação que a impede de unir-se a Deus. ( Conselhos e lembranças)


17. Deus faz-se representar por quem lhe apraz, essa escolha não tem importância. Sim, eu sei já me persuadi que Deus não precisa de ninguém, muito menos de mim, para fazer bem á terra. ( Historia de uma alma, c. IX)


18. Muitas vezes as belas palavras que se escrevem são apenas troca de moeda falsa. (Novíssima verba)


19. Ah! Que veneno feito de louvores é ofertado diariamente àqueles que ocupam os primeiros lugares! Que funesto incenso! E quando deve estar desprendida de tudo a alma para não experimentar com isso prejuízo! (Conselhos e lembranças)


20. Oh! É bem grande a minha dor! Sou, porém, a bolinha do Menino Jesus: si lhe apraz quebrar o seu brinquedo, pode fazê-lo, é livre; sim, não quero senão o que ele quer (Carta á M. Inez de Jesus, 1887)


21. Com as almas que dirigimos, devemos ser verdadeiros e dizer o que pensamos, assim procedi sempre; si não sou estimada, pouco importa, não é a estima que procuro. Não venham ter comigo, si não querem ouvir a verdade por completo. (Conselhos e lembranças)


22. Não posso pensar na querida Santa Cecília, sem sentir-me encantada! Que modelo! No meio de um mundo pagão, no meio do perigo, no momento em que tinha de se unir a um mortal que não respira senão amor profano parece-me que ela deveria temer e chorar. Mas não, enquanto os instrumentos de alegria celebravam as núpcias, Cecília cantava em seu coração. Que abandono! (17ª carta a Celina)


23. Deus fez-me a graça de não ter nenhum medo á guerra; custe o que custar, é preciso que cumpra o meu dever. Mas o que, sobretudo me custa é observar as faltas, as mais leves imperfeições e fazer-lhes guerra de morte. Preferia receber mil repreensões a ter que dar uma só. (Historia de uma alma, c. X)


24. Na direção das almas não devemos deixar correr as coisas com fim de conservar o nosso repouso; combatamos sem trégua, ainda mesmo sem esperança de ganhar a batalha. Que importa o sucesso! Si encontrarmos uma alma de natural difícil não digamos: ”Aqui nada há a fazer!... Não tem compreensão!... é melhor deixá-la... não posso mais...”. Oh! É covardia falar deste modo, é preciso cumprir o dever até ao fim. (Conselhos e lembranças)


25. E’ unicamente pela oração e o sacrifício que podemos ser uteis á Igreja.(Novíssima verba)


26. E’ absolutamente indispensável na direção das almas, prescindir do próprio gosto, das idéias pessoais, e guiá-las não pela vereda que se segue, não pelo próprio caminho, mas pela senda especial que lhes traça Jesus. ( Historia de uma alma, c X)    
          
27. ”Meu gozo, minha dor, meus leves sacrifícios, Eis minhas flores”. ( Poesias - Atirar flores)


28. Quando formos mal compreendidos e julgados desfavoravelmente, de que servirá nos defendermos e entrarmos em explicações? Deixemos passar tudo, não digamos: é tão doce o deixar-se julgar, pouco importa como! O silencio bem-aventurado, que tanta paz dá á alma. (Conselhos e lembrança)      


29. Faz-nos tanto bem, e dá-nos tanta força calar nossas penas! (Novíssima verba)


30. Jesus deseja que a salvação das almas dependa de nossos sacrifícios de nosso amor. (Historia de uma alma, c. X)
Viva Cristo Rei e Maria Rainha. 
Rezem todos os dia Santo Rosário