segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

19 de dezembro dia dos Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, Mártires.

19/12 Segunda-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos
    Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, viveram no século III, quando reinava Diocleciano. Timóteo era natural de Panapeis, região da Tebáida, e grande estudioso eclesiásticoe recebeu dos pais educação esmeradamente cristã. Com apenas 20 dias de casado Timóteo e Maura é o glorioso casal que no quarto século, em 19 de dezembro, recebeu as palmas do martírio. Era o tempo das perseguições religiosas, e bem implantadas deviam ser as máximas da religião no coração da criança, que mais tarde havia de defendê-las e sustentá-las na luta contra a heresia. Desde bem cedo, existiu na alma de Timóteo o desejo ao martírio, aspiração esta que depois teve sua plena satisfação. Apareceu em Perape, Ariano, governador pagão daquela região, com o intuito de exterminar o cristianismo. Foi dado aos cristãos um determinado prazo, dentro do qual haveriam de abandonar a religião Catolica e oferecer o incenso aos ídolos. Timóteo foi um dos primeiros chamados à presença do governador. Declarando que preferia antes morrer do que se tornar apóstata, negou também a entrega dos livros de religião, dizendo a Ariano: “Os livros são meus queridos filhos; monstro seria o pai que entregasse os filhos aos inimigos”.   Esta resposta enfureceu o tirano que deu uma ordem para que as orelhas de Timóteo fossem furadas com ferro em brasa. No meio desta tortura, Timóteo continuou a louvar a Deus em alta voz. Ariano, ainda mais excitado, ordenou então que o mártir fosse pelos pés pendurado numa coluna e amarrada ao pescoço uma pedra pesada.
Houve quem suscitasse em Ariano a lembrança de Maura, jovem esposa de Timóteo, que sem dúvida teria grande influência sobre o mártir e com facilidade o moveria à renúncia da fé. Chamada Maura, esta de fato prometeu ao governador envidar todos os esforços para conservar a vida do marido. Maura era cristã, mas faltava-lhe a coragem de sofrer pela fé; além disto, tinha um grande amor ao marido, com quem estava casada havia três semanas apenas. Vendo Timóteo em tão miserável estado, fugiram-lhe as forças.  Apenas voltando a si, deram-lhe a oportunidade de falar então ao marido, que tinha sido tirado do trono. Impressionada pelo que vira, esqueceu-se Maura das obrigações de cristão, e entre soluços e lágrimas, começou a insistir com Timóteo, para que se poupasse e obedecesse às ordens do governador. Timóteo, porém, indignado com o modo da esposa, disse-lhe: “Maura, já não te conheço! És então pagã ou cristã? É esta a linguagem de uma esposa educada na religião? Em vez de animar-me, ajudar-me a levar a cruz, vens para me desviar? Queres que perca minha alma, em troca de um prazer passageiro, que me livre de um curto martírio, para sofrer penas eternas?”
    Reconhecendo Maura o erro, prostrou-se aos pés do marido, pediu-lhe perdão e conselho sobre o que devia fazer. “O que deves fazer? – respondeu Timóteo – Vai ao governador e diz-lhe que, longe de demover teu marido, estás resolvida a acompanhá-lo no martírio e morrer com ele”. Maura assustou-se com estas palavras, mas Timóteo animou-a, despertando na alma da esposa, a confiança em Deus e mostrando-lhe o exemplo de tantas outras senhoras da mesma idade, que prontamente se sujeitaram às atrocidades do martírio. Ajoelhados, em oração fervorosa, pediram a Deus força e graça para a luta. Enquanto rezavam, desfizeram-se os temores na alma de Maura. Resoluta levantou-se, dirigiu-se ao governador e comunicou-lhe que, em vez de dissuadir o marido, pronta estava para compartilhar com ele as dores do martírio. Ariano mandou que lhe fossem arrancados os cabelos, cortados os dedos e o corpo queimado com exofre e pixe. A sentença final, porém, foi que Maura, fosse como o marido, crucificada. Os patíbulos foram colocados de maneira que um visse os sofrimentos do outro.
Assim morreram os dois esposos, unidos pelos laços do matrimônio e na morte unidos por um glorioso martírio.
  
  Que Timóteo inflame os modernistas da mesma forma inflamou sua esposa na virtude da fortaleza em defender Santa Tradição Católica, e assim se converterem, para não perderem a salvação de suas almas, em troca de um prazer passageiro deste mundo, este prazer levam ao sofrimento e as penas eternas.

Leitura da Epístola

I Coríntios 4, 1-5

1Que os homens nos considerem, pois, como simples operários de Cristo e administradores dos mistérios de Deus.2Ora, o que se exige dos administradores é que sejam fiéis.3A mim pouco se me dá ser julgado por vós ou por tribunal humano, pois nem eu me julgo a mim mesmo.4De nada me acusa a consciência; contudo, nem por isso sou justificado. Meu juiz é o Senhor.5Por isso, não julgueis antes do tempo; esperai que venha o Senhor. Ele porá às claras o que se acha escondido nas trevas. Ele manifestará as intenções dos corações. Então cada um receberá de Deus o louvor que merece.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 3,1-16
 1No ano décimo quinto do reinado do imperador Tibério, sendo Pôncio Pilatos governador da Judéia, Herodes tetrarca da Galiléia, seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da província de Traconites, e Lisânias tetrarca da Abilina,2sendo sumos sacerdotes Anás e Caifás, veio a palavra do Senhor no deserto a João, filho de Zacarias.3Ele percorria toda a região do Jordão, pregando o batismo de arrependimento para remissão dos pecados,4como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías (40,3ss.): Uma voz clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.5Todo vale será aterrado, e todo monte e outeiro serão arrasados; tornar-se-á direito o que estiver torto, e os caminhos escabrosos serão aplainados.6Todo homem verá a salvação de Deus.7Dizia, pois, ao povo que vinha para ser batizado por ele: Raça de víboras! Quem vos ensinou a fugir da ira iminente?8Fazei, pois, uma conversão realmente frutuosa e não comeceis a dizer: Temos Abraão por pai. Pois vos digo: Deus tem poder para destas pedras suscitar filhos a Abraão.9O machado já está posto à raiz das árvores. E toda árvore que não der fruto bom será cortada e lançada ao fogo.10Perguntava-lhe a multidão: Que devemos fazer?11Ele respondia: Quem tem duas túnicas dê uma ao que não tem; e quem tem o que comer, faça o mesmo.12Também publicanos vieram para ser batizados, e perguntaram-lhe: Mestre, que devemos fazer?13Ele lhes respondeu: Não exijais mais do que vos foi ordenado.14Do mesmo modo, os soldados lhe perguntavam: E nós, que devemos fazer? Respondeu-lhes: Não pratiqueis violência nem defraudeis a ninguém, e contentai-vos com o vosso soldo.15Ora, como o povo estivesse na expectativa, e como todos perguntassem em seus corações se talvez João fosse o Cristo,16ele tomou a palavra, dizendo a todos: Eu vos batizo na água, mas eis que vem outro mais poderoso do que eu, a quem não sou digno de lhe desatar a correia das sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo.
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário