domingo, 31 de janeiro de 2016

Em defesa de Dom Williamson (I), por D. Tomás de Aquino

Dom Williamson escreveu no seu Comentário Eleison 438: “Se a evidência dos milagres ocorridos dentro da Igreja do Novus Ordo é tão séria quanto parece, então os católicos têm de conformar suas mentes à mente de Deus, e não o inverso."



Muitos atacaram Dom Williamson por causa destes comentários a respeito do possível milagre eucarístico ocorrido em Buenos Aires. Entre os argumentos utilizados retenho os seguintes:

1- Fora da Igreja não pode haver milagres. A Igreja conciliar não é a Igreja católica. Logo não houve milagre em Buenos Aires.

2-Ninguém age sem um fim. Um milagre na Missa Nova não poderia ter outro fim senão induzir os fiéis a assistirem a Missa Nova. Logo não houve milagre em Buenos Aires.

3-O milagre é a assinatura de Deus. Deus não pode assinar uma heresia. A Missa Nova favorece a heresia. Logo não houve milagre em Buenos Aires.

Vejamos cada um desses argumentos.

1- O primeiro simplifica em demasia a questão e simplificando-a ele confunde duas questões. Uma é a de saber se pode ou não haver milagres fora da Igreja. A outra é a de se saber se a Igreja conciliar é totalmente alheia à Igreja católica ou não.

À primeira questão deve-se responder com santo Tomás que sim. Pode haver milagres "fora da Igreja" dentro de certas condições. Veja-se os artigos do Prof. Carlos Nougué a esse respeito. O que Deus não faz é confirmar o erro ou o vício com um milagre, mas ele pode confirmar a verdade ou a virtude com um milagre, e isto, mesmo entre os pagãos. Se alguns bens foram realizados entre os pagãos, estes bens foram realizados por inspiração ou ação de Deus (cf. De Potentia, questão VI, artigo V, ad 5um). No mesmo artigo santo Tomás diz ser possível que Deus tenha feito um milagre para atestar a castidade de uma virgem pagã. Pode-se lembrar também o milagre da mula de Balaão que falou distintamente como se lê nas Sagradas Escrituras. Ora Balaão era um mago pagão. A mula falou porque Deus queria adverti-lo de não levar adiante seu intento de amaldiçoar os judeus. (Num XXII)

À segunda pergunta deve-se responder que as autoridades da Igreja conciliar, constituem uma seita modernista a qual, ocupando os postos chaves da Igreja, a mantêm cativa. Não se pode dizer de maneira absoluta nem que a Igreja conciliar seja a Igreja católica, nem que ela não o seja. Pela doutrina modernista e a intenção de destruir a Igreja católica ela não o é, evidentemente; mas pelo fato de deter em seu poder uma jurisdição que pertence à Igreja católica, ela tem algo de católico em seu poder. Se o Papa atual se convertesse ele exerceria catolicamente um poder que hoje ele exerce modernisticamente.

Esta parece-me ter sido a posição que Dom Lefebvre sempre adotou.

2- Ninguém age sem um fim. Mas que fim Deus poderia ter fazendo um milagre na Missa Nova?

Dom Faure já respondeu a esta pergunta. Se Nosso Senhor está presente na hóstia consagrada numa Missa Nova com o agravante desta hóstia ter sido profanada não parece absurdo que Deus faça um milagre para indicar a gravidade desta profanação.

Mas, dirão alguns, Dom Williamson citou também um suposto milagre ocorrido na Polônia. O mesmo raciocínio se impõe. Onde há presença real pode haver milagre sem se faltar com a verdade.

Mas não seria isso aprovar a Missa Nova?

Não, assim como não é aprovar o paganismo que demostrar, através de um milagre, a inocência de uma virgem pagã.

3- O milagre é uma assinatura de Deus e Deus não pode assinar uma heresia. Mas este milagre, se milagre houve, não é uma assinatura do novo rito da missa mas sim da presença real. O sacramento recebido na Igreja conciliar pode ser verdadeiro e a doutrina que o acompanha pode ser falsa. Mas são duas coisas distintas. Uma não anula a outra. Afirmar um, mesmo com milagre, não é afirmar o outro, como provar a inocência de uma virgem pagã não é aprovar o paganismo.

Os argumentos apresentados não me parecem conclusivos. Seja como for, eles não podem servir para desacreditar Dom Williamson que permanece o Bispo que se opôs à política suicidária dos acordistas e que sagrou Dom Faure, ordenou padres para a Resistência, confirmou inúmeros fieis dando assim a todos a esperança de continuar o bom combate de Dom Lefebvre que não é outro senão o bom combate da Santa Igreja una, católica, apostólica e romana e, como dizia São Pio X, perseguida.

Ir. Tomás de Aquino O.S.B

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

31 de janeiro dia do Santo São João Bosco, Confessor.

Visão de Dom Bosco

 João Melchior Bosco SDB (Castelnuovo d'Asti, 16 de agosto de 1815 — Turim, 31 de janeiro de 1888)Nasceu do segundo casamento de Francesco Bosco, tendo por mãe Margherita Occhiena. A família era ainda composta pelo irmão do primeiro casamento do pai, Antônio, e seu irmão mais velho, José.
   Ficou órfão de pai quando tinha apenas dois anos de idade. Diante da difícil situação econômica porque passava o norte da Itália, sua infância foi marcada pela pobreza da família.
  Começou a estudar por volta dos nove anos, aos dezesseis anos passa a frequentar a escola de Castelnuovo D'Asti e aos vinte ingressa no Seminário de Chieri, sendo ordenado sacerdote em 5 de junho de 1841, pelo bispo Luigi Fransoni. Após a ordenação, transfere-se para Turim.
  No contexto da revolução industrial na Itália, havia grande contingente de jovens sem família nas grandes cidades. Desde 1809, em Milão, a Igreja  mantinha obra assistencial para jovens denominada oratório, que se ocupava de lazer, educação e catequese. O primeiro oratório de Turim foi fundado em 1841, pelo padre Giovanni Cochi. Influenciado por essas iniciativas, São João Bosco funda em 8 de dezembro de 1841 um oratório em Turim, quando atende e ensina o jovem Bartolomeo Garelli na sacristia da Igreja de São Francisco de Assis. Em 8 de dezembro de 1844, esse oratório passa a denominar-se 'Oratório de São Francisco de Sales e em 1846 passou a ter sua sede numa propriedade de Francisco Pinardi, no bairro turinense de Valdocco.
 São João Bosco propõe a Sociedade de São Francisco de Sales, que seria vista como uma associação de cidadãos aos olhos do Estado e como uma associação de religiosos perante a Igreja. Após consultar o Papa Pio IX, Bosco recebeu de seus companheiros padres, seminaristas e leigos a adesão à Sociedade de São Francisco de Sales em 18 de dezembro de 1859 e em 14 de março de 1862, os primeiros salesianos fizeram os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência. A partir de 1863, além dos oratórios, os salesianos passam a se dedicar também aos colégios e escolas católicas para meninos e jovens. na educação infanto-juvenil e o ensino profissional, sendo um dos criadores do sistema preventivo em educação. Dedicou-se também ao desenvolvimento da imprensa católica. É o fundador da Pia Sociedade de São Francisco de Sales (1859), conhecida por salesianos, co-fundador da congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, conhecidas por irmãs salesianas em 1861, na cidade italiana de Mornese, Maria Domingas Mazzarello convida sua amiga Petronilla para juntas organizarem uma oficina de costura para meninas. Em 1863 a oficina começa a acolher meninas órfãs. O seu trabalho é superviosionado pelo Pe. Domingos Pestarino, que havia se associado aos salesianos. Com o auxílio de Pestarino, Bosco propõe às jovens que se organizem como uma congregação religiosa, com o nome de Filhas de Maria Auxiliadora e em 5 de agosto de 1872 as primeiras salesianas fazem seus votos. Maria Mazzarello foi a primeira superiora da congregação.e também fundador da Associação Internacional dos Cooperadores Salesianos que foi aprovada em 1876 pelo Papa Pio IX. O objetivo era o mesmo da Sociedade de São Francisco de Sales, a saber: o trabalho educativo e catequético junto aos meninos e aos jovens. Em sua forma de associação, tornou-se uma sociedade mista, com homens e mulheres leigos.
  Com ataques da revolução Francesa maçonica deu-se a crise da separação entre Estado e Igreja na Itália, mais mesmo assim há forte demanda por escolas católicas, fazendo com que esse tipo de instituição se dissemine rapidamente. As regras da Sociedade, chamadas de Constituições, foram aprovadas pela Igreja em 1874. Em sua morte, em 1888, a Sociedade contava com 768 membros, com 26 casas fundadas nas Américas e 38 na Europa.São João  Bosco é o padroeiro da capital federal do Brasil, Brasília.
O Sonho de São João Bosco e as semelhanças com a Aparição de Fátima.
  São João Bosco teve o sonho descrito abaixo em 1862,semelhante a Aparição de Nossa Senhora à irmã Lúcia em  Fátima, em que o Papa morre onde os Modernitas disseram ter revelado tudo é a verdade,mais ocultaram a explicação do papa de branco cai atingido.

  São João Bosco, no dia dia 30 de maio, pois, contou, seu sonho.
  É verdade que conto isso para utilidade espiritual de vocês. O sonho, eu o tive há alguns dias.
  Imaginem vocês estarem comigo numa praia do mar, ou antes, sobre um escolho isolado, e de não ver outro espaço de terra a não ser aquele que lhes está sob os pés. Em toda aquela vasta superfície das águas se via uma multidão inumerável de navios em ordem de batalha, cujas proas eram terminadas por um agudo esporão de ferro em forma de lança, que, onde era dirigido, feria e traspassava qualquer coisa. Estes navios estavam armados com canhões, carregados com fuzis e armas de todo gênero, com matérias incendiárias, e também com livros, e avançavam contra um navio muito maior e mais alto que todos eles. Por meio do esporão, tentam chocar‑se com ele, incendiá‑lo, ou ao menos causar‑lhe todo o dano possível.
    Aquela nave majestosa, ricamente adornada, era escoltada por muitas navezinhas que recebiam dela os sinais de comando e executavam manobras para se defender das frotas adversárias.
    O vento lhes era desfavorável e o mar agitado parecia favorecer os inimigos. No meio da imensa extensão do mar elevavam‑se acima das ondas duas robustas colunas, altíssimas, pouco distantes uma da outra. Sobre uma delas havia a imagem da Virgem Imaculada, em cujos pés pendia um longo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum (Auxílio dos Cristãos). Sobre a outra, que era muito mais alta e mais grossa, havia uma Hóstia de grandeza proporcional à coluna, e debaixo um outro cartaz com as palavras: Salus Credentium (Salvação dos que crêem).
  

  O Pontífice Romano, Comandante supremo da grande nau, vendo o furor dos inimigos e a má situação em que se achavam as suas fiéis navezinhas, decide reunir junto de si os pilotos dos navios auxiliares, para acordarem sobre o que se deveria fazer. Todos os pilotos sobem e se reúnem em torno do Papa. Mantêm uma reunião, mas, enfurecendo‑se cada vez mais o vento e a tempestade, eles são mandados de volta para dirigir seus próprios navios.
  Ocorrendo um pouco de calmaria, o Papa reúne pela segunda vez em torno de si todos os pilotos, enquanto a nau capitania segue o seu curso. Mas a borrasca volta espantosa. O Papa permanece no timão, e todos os seus esforços são dirigidos a levar a nau para o meio daquelas duas colunas, de cujo cimo pendem, em toda a volta delas, muitas âncoras e grossos ganchos presos a correntes.
   Os navios inimigos manobram para assaltá‑la, e empregam todos os meios possíveis para detê‑la e fazê‑la afundar, algumas com livros e escritos; outras procurando lançar a bordo as matérias incendiárias de que estão cheias; outras com os canhões, com os fuzis, e com os esporões.
   O combate se torna cada vez mais encarniçado. As proas inimigas se chocam violentamente com o navio do Pontífice, mas seus esforços e seu ímpeto se revelam inúteis. Em vão repetem o ataque e esgotam seu poder e munições. A grande nau prossegue segura e ilesa seu caminho. Ocorre por vezes que os golpes formidáveis descarregados em seus flancos abrem largas e profundas brechas, mas em seguida sopra um vento e as brechas se fecham e os furos se obstruem.
  E explodem os canhões dos assaltantes, despedaçam‑se os fuzis, e todas as outras armas e os esporões; são destruídos muitos navios que se afundam no mar. Então, os inimigos, furibundos, começam a combater com armas brancas; e com as mãos, com os punhos, com blasfêmias e com maldições.

 Eis que o Papa, ferido gravemente, cai. Os que estão junto a ele correm a ajudá‑lo e o levantam, mas o Papa é ferido pela segunda vez, cai de novo e morre.(irmã Lucia recebe a mesma profecia que os modernista tentam ocultar)

  Um grito de alegria e de vitória ressoa entre os inimigos; sobre os seus navios se dá um louco frenesi. Mas tão logo morto o Pontífice, um outro Papa o substitui em seu posto. Os pilotos reunidos o elegeram tão subitamente que a notícia da morte do Papa chegou com a notícia da eleição do Sucessor. Os adversários começam a perder o ânimo.
   O novo Papa dispersa e supera todos os obstáculos e guia o navio até as duas colunas. Chegando junto a elas, o ata com uma corrente que pendia da proa a uma âncora da coluna sobre a qual estava a Hóstia; e com uma outra corrente que pendia da popa o ata a uma outra âncora, que pendia da coluna sobre a qual estava colocada a Virgem Imaculada.
   Então, aconteceu uma grande reviravolta. Todos os navios, que até aquele momento tinham combatido a nau do Papa, fogem, se dispersam, se chocam entre si e se despedaçam. Uns naufragam e arrastam a outros. Muitas navezinhas que tinham combatido valorosamente com o Papa se aproximam das duas colunas atando‑se a elas com correntes. Muitas outras naus que por temor tinham se afastado e se encontravam a grande distância ficam prudentemente observando, até que, desaparecidos nos abismos do mar os restos de todos os navios destroçados, com grande vigor vogam em direção daquelas duas colunas, onde, chegando, se prendem aos ganchos pendentes das mesmas colunas, e aí ficam tranquilas e seguras, junto com a nau principal, sobre a qual está o Papa. No mar se produz uma grande calma.
Dom Bosco, neste ponto, interrogou Dom Miguel Rua: Que pensa o Sr. deste relato?
Dom Rua respondeu: Parece‑me que a nau do Papa seja a Santa Igreja, da qual ele é o Chefe: os navios, os homens, o mar são este mundo. Aqueles que defendem o grande navio são os bons defendem à Santa Tradição, os outros são os seus inimigos que com toda sorte de armas tentam aniquilá‑la. As duas colunas de salvação, me parece que sejam a devoção a Maria Santíssima e ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.

  Dom Rua não disse nada sobre o Papa caído e morto, e Dom Bosco calou‑se também sobre isso. Somente acrescentou: Disseste bem. É preciso somente corrigir uma expressão: as naus dos inimigos são as perseguições [à Santa Igreja]. Preparam‑se gravíssimos sofrimentos para a Igreja. O que até agora aconteceu é quase nada comparado com aquilo que deve acontecer. Os seus inimigos são figurados pelos navios, que tentam afundar, se pudessem, a nau capitania. Só restam dois meios para salvar‑se entre tanta confusão: a devoção a Maria Santíssima e à Comunhão.

 obs: Pior que a revolução Francesa maçonica de 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, é esta revolução ter conseguido entrado no seio da Santa Igreja pelo Concílio Vaticano II,esta revolução dando força aos  modernistas que estão nos mais altos posto da hierarquia. Onde tudo pode mesnos ser cátolico tradicional, se defende a doutrina dogmaticas e rotulado de fundamentalista,cismatico e etc.

 Todos devemos nos empenhar em os empregarmos e fazer com que sejam empregados em toda parte, e por todos.
Essa visão de Dom Bosco, narrada e resumida em poucas palavras, é própria para os nossos tempos. Do muito que se poderia dizer, o que nos cabe salientar aqui é que Deus está mostrando aos homens, através do sonho de Dom Bosco, que existem dois pilares, os quais nós não poderemos nunca deixar que se percam, que sejam suprimidos, que sejam eliminados, que são a EUCARISTIA(Santa Missa Trindentia que trata a Eucaristia com dignidade e toda adoração e Gloria e não a Missa modernista que agrada prostestantes e maçons) e a poderosa proteção da VIRGEM MARIA(Rezando diariamente seu Santo Rosário e meditando 15 minutos dos 15 mistério do seu Santo Rosário nos primeiros sabados do mês e não vinte mistério).
   

 Nossa Senhora pediu aos pastorzinho a meditação de 15 mistérios e não 20 mistérios.  Os modernistas mexeram e mexem em tudo que Deus e a Virgem Maria ensinam para desviar a atenção da verdade ensinada. 
 
Mateus 24,9-13
9 Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações. 10 Muitos sucumbirão, trair-se-ão mutuamente e mutuamente se odiarão. 11 Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. 12 E, ante o progresso crescente da iniquidade, a caridade de muitos esfriará. 13 Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

29 de janeiro dia de São Francisco de Sales, Bispo, Confessor e Doutor.

29/01 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos

   São Francisco de Sales nasceu no castelo da sua família, os barões de Boisy, em Thorens (Saboia) em 1567, primogênito de treze irmãos, foi educado no Colégio de Clermont, dirigido pelos jesuítas, em Paris, estudou em Annecy e na Universidade de Pádua, na Itália, onde recebeu o doutoramento em Direito Canônico com 24 anos. Recusou uma brilhante carreira e resolveu estudar para ser sacerdote apesar da oposição da família. Foi ordenado em 1593, tornando-se reitor em Genebra, Suíça. Após, foi para Chablais, cantão suíço na região da Sabóia, onde foi pároco, e onde converteu 8.000 calvinistas de volta à Santa Igreja. Ali escreveu diversos textos em defesa da fé, que foram publicados com o título "'Controvérsias e Defesa do Estandarde da Santa Cruz".
    Em 1599 Francisco foi indicado como bispo coadjutor em Genebra, tendo sucedido como bispo em 1602. Sua diocese tornou-se conhecida pela organização e pela formação do seu clero e leigos. Isto era uma grande realização diante da Igreja da época. fundou várias escolas e estabilizou a Igreja na região.
Era famoso diretor espiritual e pela sabedoria dos seus escritos. Ele e Santa Joana Francisca de Chantal, de quem foi diretor espiritual, fundaram a Ordem da Visitação, uma Ordem religiosa contemplativa. Foi também diretor espiritual de São Vicente de Paulo. Tornou-se uma figura líder e ficou famoso pela sua sabedoria e ensinamentos.
  Em 1609, seus escritos (cartas, pregações) foram reunidos e publicados com o título "'Introdução à vida devota" ou "Filotéia", que é a sua obra mais importante e editada até hoje. Outra obra que também é ainda editada é o "Tratado do Amor de Deus", fruto de sua oração e trabalho. Estes dois livros são considerados clássicos espirituais. Além destes livros, a coletânea de cartas, pregações e palestras alcança 50 volumes. A popularidade e o valor destes escritos fez com que fosse considerado padroeiro dos escritores católicos.
Faleceu em Lyon em 1622. Os seus restos mortais se encontram na Igreja da Visitação em Annecy.
Foi beatificado no ano em que faleceu e foi a primeira beatificação a ser formalizada na Basílica de São Pedro. Foi canonizado em 1655 pelo Papa Alexandre VII e em 1867 foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio IX. Foi declarado em 1923, pelo Papa Pio XI, patrono da imprensa católica.

 O Bispo São Francisco de Sales convertou 8.000 calvinista enquanto os modernistas elogiam a heresia Calvinista.

Leitura da Epístola São Paulo 

II Timóteo 4,1-8.
1 Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: 2 prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. 3 Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. 4 Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. 5 Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. 6 Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. 7 Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. 8 Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição. 

 Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 5,13-19.
13 Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha 15 nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. 16 Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. 17 Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. 18 Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei. 19 Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos céus.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.
 

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Sermão do Monsenhor Dom Faure a respeito da possibilidade de milagres no âmbito do Novus Ordo

E veja-se a transcrição e tradução:
Dom Michel Faure
 
Carta de apoio ao Mons. Williamson“Ultimamente se falou de alguns aparentes milagres eucarísticos na nova missa. É possível, não é impossível, já que sempre consideramos que não todas mas muitas missas do Novus Ordo são válidas. Então, não impede em princípio que haja um milagre. Agora, é interessante, publicaram-se num site da Internet importante, ‘Non Possumus’, os últimos Comentários de Dom Williamson, e por ocasião disso se publicou também que se pode ver uma quantidade enorme, dezenas, mais, centenas de milagres eucarísticos nestes 2.000 anos e que a maioria destes milagres ocorreu depois de um sacrilégio, com hóstias roubadas, hóstias profanadas, etc. E qualquer um pode ver coisas extraordinárias, como, por exemplo, que uma Hóstia escondida irradia uma luz na noite, permite que se volte a encontrar, muitíssimas destas hóstias roubadas foram encontradas, e muitas vezes com sangue, e, assim, isso nos recorda bem que realmente na Missa temos um sacrifício, uma renovação, uma renovação do sacrifício da cruz. Por exemplo, houve sacrílegos que deram punhaladas na Hóstia, e derramou-se sangue por todo o altar. Então, quando alguém vê todos esses milagres, ou, por exemplo, em outro caso, uma mulher que havia roubado uma Hóstia e a havia escondido no estábulo... Cada vez que o asno entrava, fazia uma genuflexão na direção em que estava a Hóstia.  Coisas... e coisas que foram gravadas por notários, por autoridades do povo, sacerdotes, párocos, etc., bispos... não se pode pôr em dúvida.  
Tudo isso para fortalecer nossa fé. E, claro, se alguém ouve falar rapidamente disso, pode argumentar dizendo: ‘Como é possível? Melhor não falar disso, porque isso leva água ao moinho do Novus Ordo. Não, não se trata de estimular as pessoas a ir, aos tradicionalistas, naturalmente, a ir à nova missa. De nenhuma maneira. Ao contrário, todos esses milagres mostram quão grave é a comunhão na mão. Porque hoje há muitos casos disto. Então as pessoas, por respeito humano, para com todo o mundo, vão receber a Hóstia na mão. Mas depois não têm escrúpulos, porque não estão na graça de Deus, ou porque não têm fé, e jogam a Hóstia no chão, como aconteceu neste milagre em Buenos Aires.
Mas a pergunta que podemos nos fazer é: ‘Mas Deus nos abandonou?...’ É possível que Deus tenha abandonado a 98% dos católicos do mundo, que estão do outro lado do planeta e que nunca ouviram falar da Tradição, nem da obediência e dos limites da obediência? E que então toda essa gente não tenha a graça de Deus, não tenha acesso a nenhuma graça que poderia advir de alguns sacramentos, particularmente o sacramento da penitência, a confissão. É evidente que em muitos lugares onde não existe sacerdote tradicional um verdadeiro católico pode buscar e encontrar algum sacerdote que tenha ainda a fé, e que utilize a fórmula válida da penitência, da absolvição. Esta é a realidade de muitos fiéis em países onde quase não há sacerdotes da Tradição. Esses fiéis recuperam a graça de Deus, dão-se conta disso. Então seria grave dizer: ‘Não, não vão nunca mais. Acabou-se. Se não há missa da Resistência, acabou-se. Nunca mais vão confessar-se, etc.’ Isso é um excesso. Pensar que Deus se esqueceu de 98% dos católicos e que eles vão então condenar-se... Isso não é racional. Deus é mais poderoso do que isso e sabemos que quer infinitamente o nosso bem... ‘Eu sou a bondade e a misericórdia.’ Então, em meio a esse mistério de iniquidade tremendo, desta traição por parte das mais altas autoridades da Igreja de Roma, Deus, no entanto, pode sempre ajudar, claro, a muitos fiéis em toda a terra. Mas isso não diminui, de nenhuma maneira, a gravidade da nova religião. Nós sabemos que é um veneno que causou a perda da fé a milhões e milhões de pessoas. Por isso elas vão para as testemunhas de Jeová, para os mórmons... quantos milhões na América do Sul? Porque perderam a fé. E por que perderam a fé? Geralmente por causa da nova religião, da nova missa, de tudo isso. Então, há que ler, detidamente, e entender o que quer dizer Dom Williamson. É certo que pode haver entre nós um perigo de radicalização. Então nos fechamos e pensamos: que bom, agora Deus já não atua senão dentro da Resistência. Mas quantos sacerdotes nós somos? É certo que é uma graça muito grande, imensa, que Deus nos tenha feito entender que a fé está em jogo, e é evidente que nós [...] somos deste pequeno resto de que Nosso Senhor falou: ‘Confiança pequeno rebanho, Eu venci o mundo’.”
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.
 

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A Familia Catolica




Edição 30

EXCELÊNCIA DO CATECISMO

El catequista instruído– método para enseñar bien el catecismo
Pe. Ciriaco Santinelli
Jornal "A Família Católica"Tradução: Capela Nossa Senhora das Alegrias
CAPELA NOSSA SENHORA DAS ALEGRIAS
Dom Antônio de Castro Mayer, herói da fé em nossa pátria, preservou a diocese de Campos dos erros modernos, o que fez dela a última diocese integralmente católica do mundo. Filho de pai alemão, João Mayer, e de mãe brasileira, Francis-ca de Castro, Dom Antônio entrou cedo no Semi-nário Menor e pouco depois de ingressar no Mai-or foi enviado à Roma para aí terminar os seus estudos, voltando ao Brasil já ordenado e com o diploma de Doutor em Teologia com apenas 24 anos de idade.

Toda a sua vida Dom Antônio a consagrou na defesa da fé católica e da formação intelectual e moral das almas, tanto em São Paulo, como pa-dre secular, como em Campos, como Bispo dioce-sano.
Por ocasião do Concílio Vaticano II Dom Antônio lutou ao lado de Dom Lefebvre e de grande nú-mero de Bispos que defendiam a doutrina da Igreja contra os modernistas que dominaram o Concílio graças ao apoio dos Papas João XXIII e Paulo VI.
De volta à sua diocese Dom Antônio continuou esta luta pela preservação da fé fundando o Se-minário Maior de Campos e opondo-se às refor-mas inspiradas pelo Concílio. Assim como Dom Lefebvre, Dom Antônio se dava conta que mais do que alguns erros doutrinais era uma nova igreja, uma nova religião que se formava e toma-va o lugar da religião Católica. A responsabilidade deste desastre recaía e recai até hoje sobre as mais altas autoridades da Igreja e, acima de to-das, sobre o Soberano Pontífice.
Por esta razão Dom Antônio fez questão de estar presente na cerimônia da Sagração dos quatro Bispos da Fraternidade São Pio X no dia 30 de junho de 1988, em Ecône.
Com a morte de Dom Antônio de Castro Mayer em 1991 os padres de Campos pediram aos Bispos da Fraternidade que sagrassem um Bispo para os padres e fiéis de Campos. Dom Licínio Rangel foi escolhido e sagrado em São Fidélis, Rio de Janeiro, por Dom Tissier de Mallerais sen-do Dom Richard Williamson e Dom Galarreta os bispos co-consagrantes.
Tudo corria muito bem em Campos. A Tradição crescia, os fiéis se instruíam, a devoção ao Ima-culado Coração de Maria era propagada, voca-ções sacerdotais e religiosas surgiam em grande número.
No entanto na Europa algo ocorria que teria em breve consequências nefastas para Campos. Dom Bernard Fellay entendia-se com as autorida-des romanas e obtinha, pouco a pouco, alguns “trunfos” que pareciam ser conquistas da Tradi-ção. Mas, na verdade, eram pedras de tropeço nas quais Campos iria sucumbir muito em breve.
No ano 2000 uma brilhante peregrinação da
Tradição à Roma encheu os olhos de todos. A força da Tradição se manifestava com entusias- mo e piedade na própria basílica de São Pedro.


Nota: Esta matéria que aqui disponibilizamos nada mais é que um resumo da Conferência “Subversão em Campos: de Dom Antônio a Dom Rifan”, dada por Dom Tomás de Aquino nas Jorna-das Jean Vaquié de 2015, em Avrillé, França.


O cardeal Castrillon Hoyos entra em con-tato com os bispos da Fraternidade. À per-gunta ou reflexão do cardeal sobre o que nos separa, Dom Williamson responde: “Duas religiões.” Mas Dom Fellay não pare-ce tirar as conclusões que se impõem des-ta constatação. Dom Fellay vai iniciar uma série de contatos e conversações com Roma. Campos será chamado a participar. Há uma esperança infundada de um triun-fo da verdade em Roma, um início de con-versão de Roma. Na realidade Roma não muda e a Fraternidade é obrigada a recuar para não cair numa armadilha1. Campos porém não recua e já em 2001 a Santa Sé retira, sem publicidade, a excomunhão que pesava sobre Dom Licínio. Mas que exco-munhão é esta? Dom Licínio estava exco-mungado? Dom Antônio de Castro Mayer e Dom Lefebvre estariam também excomun-gados? A Santa Igreja Católica excomunga-ra seus melhores defensores? Claro que não. Mas Campos entrara na engrenagem modernista. Campos aceitara a idéia de que Dom Licínio estava excomungado e que era necessário se re-integrar na igreja conciliar, na igreja oficial, ou seja, se entre-gar nas mãos dos inimigos de Nosso Se-nhor que ocupam os pontos chaves da Santa Igreja.
Campos abandonava então a luta e no início de 2002, na Catedral de Campos, foi tornado público os acordos entre os mo-dernistas e a última diocese católica do mundo. É isto que nós chamamos de sub-versão em Campos. Campos traia assim Dom Antônio de Castro Mayer. Campos traia a causa de Nosso Senhor Jesus Cris-to.
Como assim? Campos seria por acaso contra Nosso Senhor Jesus Cristo? Sim. Vejamos isto de mais perto. Vejamos quais são os interesses de NSJC, quais os seus privilégios, quais os seus direitos, sobera-nos e inamissíveis e vejamos o que fez Campos.
Não julgamos o interior das almas e sa-bemos muito bem que muitos padres e a quase totalidade dos fiéis de Campos pen-saram numa vitória da Tradição a qual teria sido reconhecida e aprovada por Ro-ma. Infelizmente não é isso o que aconte-cera.
O que sucedeu então foi uma revolução em Campos. O que era a glória de Cam-pos, tornou-se a vergonha de Campos e o que era abominável aos olhos de Campos tornou-se o modelo, a regra, a nova lei dos padres de Campos.
Dom Antônio dizia: “Não se deve assistir à Missa nova. Ela é neo-modernista.” Dom Rifan diz que quem se nega a rezar esta missa tem espírito cismático. Dom Antônio diz não e Dom Rifan diz sim, sim à nova Missa que ele já concelebra como todos os “ralliés” acabam fazendo ou aprovando os que o fazem.
Dom Antônio objeta que a Liberdade Reli-giosa é uma doutrina já condenada pela Igreja. Dom Rifan defende o documento do Concílio que a promulgou, documento que é um atentado ao direito de Nosso Senhor de reinar sobre as nações.
Dom Antônio escreveu a João Paulo II que se ele continuasse pelo caminho das reuni-ões ecumênicas de Assis, ele não seria mais o Bom Pastor. Dom Rifan venera João Paulo II assim como João XXIII como santos e ensi-na aos fiéis a fazerem o mesmo.
Para resumir. A obra de Dom Antônio está destruída e o modernismo já penetrou na Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney.
Falando de algumas afirmações as mais importantes e verdadeiras de Dom Lefebvre Dom Rifan as qualifica de erros graves e mesmo de heresias.
Para Dom Rifan não há duas igrejas que se chocam neste momento: a Igreja Católica e a Nova Igreja Neo-Modernista e Neo-Protestante que se manifestou no Concílio Vaticano II e nas reformas inspiradas por ele. Afirmar que há duas igrejas seria um erro.
Para Dom Rifan dizer que os sinais da verdadeira Igreja estão na Tradição e não na Igreja oficial é uma heresia, uma heresia de Dom Lefebvre. Erros e heresias, eis o que Dom Rifan vê no ensinamento de Dom Lefe-bvre.
Que se passou com Campos? Que se pas-sou com o ensinamento de Dom Antônio de Castro Mayer e de Dom Marcel Lefebvre? Campos não lê mais a “Conjuração Anti-Cristã” de Mons. Delassus? Eles se esque-ceram da Pascendi de São Pio X? Eles igno-ram a “Humani Generis” de Pio XII?
O que se passou em Campos foi uma sub-versão, uma revolução, uma inversão. Os que eram tido por modelos tornaram-se condenáveis e os que eram condenáveis se tornaram modelos. Hoje se fala em São João XXIII, São João Paulo II, esperando poder falar e invocar São Paulo VI. É a eficácia do erro da qual fala São Paulo que toma conta de Campos.
Mas como Campos pôde mudar da água para o vinho, ou melhor, do vinho para a
água?
Talvez o fato de Dom Antônio de Castro Mayer ter hesitado entre uma posição sedevacantista e, ao mesmo tempo, de estreito juridismo tenha debilitado o clero de Campos. Antes de falecer, ou melhor, a partir de 1988 até seu falecimento em 1991, Dom Antônio aproximou-se de Dom Lefebvre, abandonando cada vez mais o sedevacantismo e este juridismo que o havia parcialmente paralisado durante algum tempo. Foi assim que Dom Antônio, depois das sagrações de 1988, ordenou em Varre-Sai o Pe. Manoel.
Este exemplo de sabedoria e de humilda-de que fez Dom Antônio aproximar-se do modo de pensar e de agir de Dom Lefebvre não foi seguido pelos padres de Campos, ou melhor, foi seguido durante dez anos (de 1991 a 2001), mas depois eles aban-donaram este belo equilíbrio e raciocina-ram com os sedevacantistas:
“Se o Papa é Papa temos que obedecê-lo. Se não obedecemos então ele não é Papa.” Como para Campos o Papa é Papa, então Campos obedece. O ponto de equilí-brio não está em nenhuma destas duas opções. Se o Papa age mal, se ele ordena coisas más, não se deve obedecê-lo nem imitá-lo. Nada mais. A questão é simples. Saber se o Papa perdeu ou não perdeu o pontificado é outra questão. Questão gra-ve, sem dúvida. Mas é uma outra questão. Questão secundária, se a compararmos com o nosso dever. Nosso dever é o de guardar a fé e a moral, de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos e assim salvarmos nossas almas e ajudar o próximo a salvar a sua. As outras questões vêm depois.
Assim fez Dom Lefebvre. Assim também fez Dom Antônio de Castro Mayer. Assim não fez Dom Rifan que acabou obedecen-do quando não tinha que obedecer e aca-bou aceitando o modernismo que ele tinha obrigação de não aceitar.
Dom Fellay vai pelo mesmo caminho, ele que, de certa forma, o abriu para Campos. Que ele se arrependa e faça penitência pois a Fraternidade corre para o mesmo abismo no qual se precipitou Dom Rifan.
Que o Imaculado Coração de Maria pro-teja a Tradição, fortifique a Resistência e não deixe se perder o exemplo de nossos pais na fé, nesta fé sem a qual é impossí-vel agradar a Deus e salvar nossas almas.
***
1- O que talvez não tenha sido senão um recuo tático de Dom Fellay

Página 2

A Família Católica

Nota: Fazemos eco às palavras do Pe. Santinelli e outro objetivo não temos que auxiliar aos nossos leitores na tomada de consciência da urgente necessidade de se estudar o catecismo tanto em nossas capelas, como no interior de nossas famí-lias. São Pio X dizia que “nossos povos perdem a fé porque uma praga corrói os fundamentos em que ela se apoia: a igno-rância religiosa. É necessário ensinar o catecismo”. Que os pais de família não negligenciem em ponto tão importante, nem julguem que tão “sublime ministério” é de exclusiva obrigação dos catequistas. Não! É no seio da família que as crianças deverão primeiramente aprender o cate-cismo e, principalmente, ver resplandecer os ensinamentos de tão incomparável obra.
***
Um grande problema se apresenta hoje à humanidade. Imensa praga de males intelectuais e morais se estende pelo mundo e faz pressagiar espantoso porvir. Se tantas desgraças devemos deplorar no presente, por parte de pessoas que rece-beram uma educação cristã, o que não devemos esperar da juventude que se vai formando, cujo coração está viciado e o juízo pervertido pelas falsas, nefandas e subversivas doutrinas das seitas ímpias, inimigas declaradas de Deus e de sua religião? Questão de suma importância e, por assim dizer, de vida ou morte, é a que se deve resolver em nossa época: a sa-ber, de difundir ideias profundamente cristãs na geração presente.
Para restaurar a sociedade enlouqueci-da, para remediar os males sem número que a rodeiam, não cabe outro recurso que educar catolicamente a juventude. É mister proporcionar a ela uma educação moral e religiosa, a única que pode lhe dar a verdadeira sabedoria e uma sólida virtude.
A boa educação é tão necessária às crianças assim como o cultivo é à terra.
O fim a que deve se propor todo educa-dor é cultivar o espírito da juventude, in-formando-o com os divinos ensinamentos, únicos que podem conter a corrente impe-tuosa dos males que tanto deploramos. Também é manifesto que somente dos ensinamentos do divino Redentor ema-nam os puros costumes, e que somente neles se apascenta abundantemente a alma e se estabelece a paz nas famílias e a felicidade de todas as classes sociais. Mas que meios deverão ser utilizados para conseguir tão grandes bens? A razão e a experiência afirmam que o mais segu-ro é o ensinamento do Catecismo: código sublime e de incomparável verdade. Mag nífica síntese que explica todos os enigmas, dissipa todas as dúvidas, rebate todas as dificuldades; laço misterioso que une o homem a Deus, o céu com a terra, o tempo com a eternidade; e todo esforço de palavras, sem rodeios, com suma clareza de tal modo que basta ter ouvidos para escutar e coração dócil para crer e amar.
Nem Sócrates, nem Platão, nem sábio algum da antiguidade vislumbraram uma obra semelhante. É indispensável portanto dar a este estudo a importância que mere-ce, pois não há outro mais útil nem mais necessário, uma vez que é o fundamento, a âncora de salvação, a tocha de luz para alumiar nosso caminho, dissipar as trevas ameaçadoras e permitir-nos entrever tem-pos melhores. Honroso é imitar ao que é a honra da raça humana e o exemplo de toda verdadeira grandeza, Nosso Senhor Jesus Cristo.
Pois, que fez Cristo senão, primeiro com exemplo e depois com palavras, ensinar-nos sua doutrina salvadora, a doutrina cristã? Que fizeram os Apóstolos? São Paulo o disse com singular delicadeza: “Nos fizemos pequenos no meio de vós, como uma mãe que está acalentando cheia de ternura a seus filhos; de tal ma-neira apaixonados por vós que desejamos com ânsia comunicar-vos, não só o Evan-gelho de Deus, mas também dar-vos nossa vida (1Tes 2,7-8).”
Desde que o Divino Redentor manifestou sua predileção pelas crianças, os maiores santos e gênios mais ilustres consagraram-lhes fortemente seu zelo, abnegação e solicitude. Orígenes era catequista em Alexandria; São Cirilo, em Jerusalém; Santo Agostinho, sem falar nos demais Santos Padres da Igreja, o foi brilhantemente, tanto por palavras como por escrito. Com que gama de argumentos e belíssimas comparações prova o ilustre Bispo de Hi-pona, não só a dignidade da tarefa de catequizar aos brutos, senão também a suavidade e doçura com que falam em tão santos exercícios os que de fato tem amor às almas dos pobres e pequeninos! Para São Carlos Borromeu, São Francisco de Sales e outros mil, ensinar o Catecismo era sua obra predileta.
Tal tem sido o pensamento invariável desde Santo Agostinho até Bossuet, e desde Orígenes até Fenelón e Dupanloup. Este célebre Bispo de Orleáns, ao publicar seu Método de Catecismo, dizia: “ Confessa-mos com ingenuidade: esta obra tem todas as predileções de nossa alma; a ela temos dedicado a melhor parte de nossa vida; é a mais importante de quantas nos haveremos de ocupar; é a obra fundamental”.
E o apóstolo da infância em nosso século, o insigne Dom Bosco, acaso não encer-rou toda sua honra na imitação de Cristo e
de seus Apóstolos, deixando, não só que as crianças se aproximassem dele, mas também indo atrás delas para ensiná-las e transformá-las a seu tempo em catequistas e missionários?
Mas, para que aludir a outros exemplos, quando a Igreja por meio de seus Pontífices, há exortado sempre aos fiéis que estudem o Catecismo? Com este fim veio à luz para um grande número o grande Catecismo do Concílio de Trento, fruto de grandes e profundos estudos, e publicado por ordem de São Pio V. Extenso seria enumerar os decretos e exortações dos Sumos Pontífices sobre a importância do Catecismo, e como em todas as partes do mundo cristão os pastores eclesiásticos promulgaram leis, sancionadas com penas, estimulando a sacerdotes e leigos, grandes e pequenos para que se empenhem no ensino e estudo da Doutrina Católica. Ainda mais: a Igreja, sumamente compadecida, há aprovado congregações, associações, confrarias, etc., que tem por fim instruir à juventude na Doutrina Cristã. Por isso, Santo Inácio não só exercia este santo Ministério, mas quis obrigar com voto a seus filhos para que se dedicassem a catequizar. Edificantes, sem dúvida, são os fatos que sobre isso se leem na vida de São Francisco de Borja e na de tantos outros. São Francisco Xavier balbuciou com as crianças os primeiros rudimentos da fé cristã, “andava por todas as ruas da cidade de Goa e pedia por Deus, e em voz alta, aos pais de família, que enviassem seus filhos e criados ao Catecismo”.
Desde o tempo de São Pio V se fundou em Roma a congregação dos catequistas, com o título de Padres da Doutrina Cristã e, pouco depois, o Oratório de São Felipe Neri. Na França, V. César de Bus, que foi chamado o apóstolo da infância, fundou também uma congregação. Na mesma França São João Batista de la Salle instituiu uma congregação chamada Irmãos das Escolas Cristãs.
Do exposto até aqui, deve-se deduzir necessariamente a importância do Catecismo e a necessidade de aplicarmo-nos com zelo em tão sublime ministério.

EXCELÊNCIA DO CATECISMO

El catequista instruído– método para enseñar bien el catecismo
Pe. Ciriaco Santinelli
Tradução: Capela Nossa Senhora das Alegrias

O CÉU É O PRÊMIO
O Céu é o prêmio.
A matraca sonora
Que chega antes da hora
Faz-me saltar do leito.
O Céu é o prêmio.
E logo ao despertar,
Se vêem outras maravilhas
Que não são as de Paris.
O Céu é o prêmio.
Em minha pobre cela
Não há cortinas de tule,
Nem espelhos nem tapetes.
O Céu é o prêmio.
Não há mesa nem cadeira.
A felicidade aqui
É não estar à vontade.
O Céu é o prêmio.
Descubro, sem alarme,
Minhas luzentes armas
E amo o ruído que fazem.
O Céu é o prêmio.
Venha a mim o sacrifício,
Cadeias, cruz e cilício:
São estas as minhas armas.
O Céu é o prêmio.
Logo depois da oração,
Deve-se beijar o chão,
Porque a regra assim ordena.
O Céu é o prêmio.
Escondo minha armadura
Debaixo do meu burel
E de meu véu abençoado.
O Céu é o prêmio.
Se a “senhora” natureza
Manifesta alguma queixa,
Eu lhe respondo sorrindo:
O Céu é o prêmio.
Jejuar é muito fácil,
Pois deixa a gente mais ágil;
Mas, se vem fome... azar nosso!
O Céu é o prêmio.
Nós aqui não respeitamos
Os nabos, as batatinhas,
Cenouras, couves, rabanetes.
O Céu é o prêmio.
Ninguém jamais se espanta
Se, à noite, só se nos dão
Um pouco de pão e frutas.
O Céu é o prêmio.
Às vezes, sem exagero,
O pão passa e também deixo
As frutas dentro do prato.
O Céu é o prêmio.
Meu prato é feito de barro,
Minha mão serve de garfo
E a colher é de madeira.
O Céu é o prêmio.
Enfim, quando nos reunimos,
Podemos conversar juntas
Sobre as alegrias do Céu.
O Céu é o prêmio.
Trabalhando conversamos,
Uma coze e a outra corta
Os paramentos do altar.
O Céu é o prêmio.
Vê-se uma alegria santa
Que deixa sua bela marca
Nas frontes claras e abertas.
O Céu é o prêmio.
Uma hora passa logo,
E eu volto a ser ermitã
Sem franzir as sobrancelhas.
O Céu é o prêmio.
O silêncio se interrompe
Com ruídos de penitência
Que nos deixam meio surdas.
O Céu é o prêmio.
Vão desfilando meus golpes:
Sessenta e seis mil por ano
é uma conta bem exata.
O Céu é o prêmio.
É em favor dos missionários
Que fazemos estas guerras
Sem tréguas nem compaixão.
Santa Terezinha do Menino Jesus e da Sagrada Face

Homenagem a Santa teresa de Jesus (D’Ávila)
Por ocasião do V centenário de seu nascimento

A F a m í l i a C a t ó l i c a - e d i ç ã o 3 0

P á g i n a 5

Como disse em outro lugar, não quero nem me cabe determinar a cada um como agir concretamente com respeito às redes sociais (Facebook, etc.). Mas, ainda que muito brevemente, quero e devo alertar a todos sobre os riscos que me parece elas implicam.
Como nunca fiz parte de nenhuma, só as tratarei a partir de dois de seus efeitos visíveis: o tempo que se perde em tais redes; o fato notório de que, muito ao contrário do que se anuncia, elas são lugar de inimizades, rixas, contendas, detrações, injúrias.
1) O mundo atual, tanto o capitalista como o comunista ou a mescla de ambos, com sua transformação das pessoas em engrenagens de uma imensa máquina de fazer dinheiro, tirou ao homem grandíssi-ma parte do tempo de ócio, exatamente aquele em que podia viver segundo o que é superior em sua alma: aplicando-se à contemplação, sobretudo de Deus. Impe-diu, assim, o que para Aristóteles era a vida feliz: a bíos theoretikós (exatamente, a vida contemplativa). Que dizer então do que aconteceu à religião e suas práticas, esta mesma religião que, por virtude so-brenatural, constitui o ápice da vida con-templativa – e de que depende nada me-nos que a salvação eterna das almas?
Mas há mais. Já desde a revolução in-dustrial e da Lei Le Chapelier, a vida fami-liar pelo menos se fragilizou imensamen-te. O divórcio, que veio a tornar-se uma permanente espada de Dâmocles sobre sua cabeça, agravou muito a situação, e é fato que a família está hoje em franca dissolução. Mas some-se a tudo isso a
televisão, por exemplo, e tem-se um qua-dro dramático: os cônjuges ou estão tra-balhando, ou estão vendo televisão – ou, ainda, fazendo desta a baby-sitter eletrô-nica de seus filhos. Como pôr em ação, assim, o tear que dia a dia tece e retece a solidez da família e da criação dos filhos?
Pois somem-se agora a todo o anterior as redes sociais! O imenso tempo que se perde nelas é como a pá de cal sobre a vida contemplativa e sobre a familiar. Em nome de quê? De um simulacro, aliás feio, da vida social autêntica e sã. Já não se trata das boas risadas que se podem dar junto com o amigo; já não se trata da conversa maravilhada no intervalo de um concerto (de música boa, é claro); já não se trata pois da vivência direta de algo a que tendemos naturalmente. Trata-se de algo como um fantasma. Com efeito, para a vida social autêntica e sã, é essencial o contato direto, o rosto amigo diante dos olhos, o enlevo sentido em comum diante do belo. Mas para o sucedâneo de vida social que são as redes sociais basta o virtual, o espectral – uma imagem de rosto, por exemplo. E por aí se vê que tais redes são tudo, menos verdadeiramente sociais.
2) E é daí que decorre o segundo efeito acima enunciado. Neste sucedâneo de “relação social” constituído pelas redes, entre tais imagens fantasmáticas que pretendem substituir-se à presença efeti-va do outro, e por trás do biombo da tela do computador, é muito fácil à natureza caída do homem sentir-se todo-poderosa e, em vez de iludir-se com um espectro de relação social, passar a fazer dele um poderoso instrumento de inimizade.
Atrás desse diabólico biombo, quantos não se sentem no direito de afrontar e injuriar o outro? Não raro por “motivos nobres”: defender a religião, uma doutri-na, etc. Tal nobreza, porém, muito amiúde se perde totalmente, porque aquela mes-ma sensação de todo-poder, como parte de algo fantasmático, acaba por logo substituir qualquer motivo nobre – e o que era nobre torna-se ignóbil. Com efei-to, o exercício autêntico de qualquer po-der requer, necessariamente, a posse do conhecimento que permite esse mesmo exercício. Qualquer poder é tirânico se não fundado em conhecimento o mais perfeito possível. Que se vê nada rara-mente, todavia, nas redes sociais? Exata-mente inimizades, injúrias, detrações, etc., essas pequenas tiranias em nome da defesa de uma doutrina. Mas a defesa de uma doutrina requer conhecimento dela, o qual só se adquire por estudo. Como, contudo, encontrar tempo para tal estudo se ele é consumido por aquelas mesmas redes?
Some-se tudo o que se disse acima e ter -se-á, parece, a razão principal do triste espetáculo de inimizades, contendas, injúrias que vemos transbordar de um espaço virtual e fantasmático para o que nos resta de vida social real. Sim, porque é este um dos efeitos mais malignos das redes sociais: não só roubar à vida social autêntica grande parte do pouco tempo que lhe resta, mas empeçonhar e enfer-mar cada dia mais este mesmo restante.

Os riscos das Redes Sociais
Carlos Nougué
 
Edição:
Capela Nossa Senhora das Alegrias - Vitória, ES.
http:/www.nossasenhoradasalegrias.com.br
Entre em contato conosco pelo e-mail:
jornalafamiliacatolica@gmail.com



Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.