quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

05 de janeiro dia de São Simeão Estila, Eremita

  05/01 Quinta-feira
Festa de Quarta Classe
 Paramentos Brancos
 Simeão Estilita, o Antigo (Sis, ca. 389 - Telnessin, 459) um asceta cristão sírio, que viveu no cimo de uma coluna de pedra. É chamado de "Antigo" para distingui-lo de São Simeão Estilita, o Moço, que viveu no século VI.
     Simeão nasceu no norte da Síria, perto da moderna Alepo, tendo começado a sua vida como pastor. Em 403 a.C. teria 23 anos e ingressou como monge em Teleda, tendo adoptado práticas de austeridade extremas que geraram critícas e o afastamento da comunidade. Mudou-se então para Telnessin por volta do ano 412. Viveu como eremita numa cela e depois passou a viver no topo de uma coluna preso por uma corrente (tornou-se um estilita), para “se aproximar de Deus, e se afastar dos pecados do mundo”.
      Foi adoptando cada vez colunas mais elevadas, tendo a última onde viveria durante trinta anos (entre 429-459) dezessete metros de altura. O que era necessário à sobrevivência era levado através de uma escada.


O local onde se erguia a coluna tornou-se alvo de peregrinação de doentes e de pessoas que procuravam aconselhamento espiritual. Aparentemente a sua influência atingiu imperadores, como Leão I de Bizâncio, ao qual escreveu uma carta na qual se pronunciava a favor do Concílio de Calcedónia.
   



  O Padre António Vieira, no Sermão de Todos os Santos, VII, fala dele assim:
       "Mais fazia Simeão Estilita, a quem com razão podemos chamar Anacoreta do Ar, e não da terra. Vivia sobre uma coluna de trinta e cinco côvados de alto, onde perseverou oitenta anos ao sol, ao frio, à neve, aos ventos, comendo uma só vez na semana, e orando de dia e de noite, quase sem dormir. Umas vezes orava de joelhos e prostrado, outras em pé e com os braços abertos, e nesta postura estava reverenciando continuamente a Deus com tão profundas inclinações, que dobrava a cabeça até os artelhos. (...)"

  A ascese (do grego ἄσκησις, derivado di ἀσκέω, “exercitar”) consiste na prática da renúncia do prazer ou mesmo a não satisfação de algumas necessidades primárias, com o fim de atingir determinados fins espirituais. 
  A Ascética consiste no esforço metódico e continuado, com a ajuda da graça, para favorecer o pleno desenvolvimento da vida espiritual, aplicando meios e superando obstáculos. Aqui actuam e organizam-se os grandes meios e práticas da vida espiritual: oração, penitência, retiro, exame de consciência, direcção espiritual, sacramentos. Como também uso de métodos, projectos, disciplina interior, para um maior aproveitamento da graça e dos meios. Este sentido amplo é o que normalmente tem a palavra, quando se encontra em títulos de manuais, ou se contrapõe a Mística.
   Ascese, em sentido mais restrito, é o conjunto dos exercícios mortificantes, aplicados directamente a eliminar vícios, dominar e reorientar tendências desordenadas, robustecer a liberdade. É o que normalmente se expressa em termos como abnegação, mortificação, penitência, renúncia.

Leitura da Epístola

Tito 2,11-15
 11 Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. 12 Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, 13 na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, 14 que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniqüidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. 15 Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 2,21
21 Completados que foram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes de ser concebido no seio materno. 


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dia Santo Rosário.