terça-feira, 30 de agosto de 2016

Comentários Eleison - por Dom Williamson CDLXXVI (476) - (27 de Agosto de 2016):



CONTRA O  N.O.M.


Se se pretende o sacrifício da Missa descartar,
Como poderão os pobres católicos não errar?

            O princípio, em tese, é claro: Para seguir Nosso Senhor, nas palavras imortais de Santo Agostinho, precisamos “matar os erros, mas amar os que erram”. Isso significa que nós jamais devemos matar os erros matando também os que erram (ou seja, aqueles que estão em erro, a menos que sejam perigosos e incorrigíveis), e não devemos jamais amar os que erram e então amar também os seus erros. Na prática pode ser muito fácil de escorregar da matança do erro para a matança do que erra, ou escorregar do amor ao que erra para o amor ao seu erro. Em outras palavras: “A Igreja é intolerante nos princípios porque crê, e é tolerante na prática porque ama. Os inimigos da Igreja são tolerantes nos princípios porque eles não creem, e intolerantes na prática porque não amam”. Isto está bem dito.

            No caso de alguém ainda pensar que o autor destes “Comentários” escorrega da compaixão pelas ovelhas desgarradas no Novus Ordo para o amor aos erros da Missa Nova de Paulo VI, vão aqui extratos da carta de um leitor mais velho cuja própria amarga experiência levou-o à conclusão de que aos católicos Novus Ordo não merece ser demasiadamente concedido o benefício da dúvida.. Obviamente ele deparou com algo do pior da Neoigreja. Por seus frutos...

            Eu era uma criança típica da escola primária em uma paróquia de duas mil e quinhentas famílias em um bairro que era quase 60% católico. Todos nós éramos formados na antiga religião, e quando a revolução conciliar começou a destruir a Igreja nos anos setenta, todos nós tínhamos a sensação de que alguma coisa ia mal. Pois bem, todo católico tem o dever de ser fiel à Tradição e de descobrir onde ela se encontra, por exemplo, nos materiais de leitura disponíveis para todos. Por cinquenta anos eu mesmo tenho argumentado, rogado e orado para que meus amigos católicos e suas famílias leiam as coisas que já li, mas eles simplesmente não querem fazê-lo. A grande maioria gosta da religião conciliar: divórcio e anulações fáceis, pregadores acomodatícios, feminismo, democracia, adultério, homossexualismo e amor meloso mantêm a todos no Novus Ordo, refletindo o oposto de um amor à verdade.

            Eu diria que conheço a mentalidade Novus Ordo porque por mais de dois anos eu tive contato próximo com juízes, sacerdotes e leigos do Novus Ordo. Posso assegurar ao senhor que não é o amor pela verdade que os motiva. Pode-se confiar nessas autoridades da Igreja para fazer exatamente o que quase todos, se não todos, os católicos Novus Ordo querem que façam, que é ignorar suas vidas pecaminosas. Parece que os únicos “pecadores” que elas pretendem admoestar, instruir ou aconselhar são os fumantes, poluidores, católicos tradicionalistas insensíveis e responsáveis por famílias numerosas. Lembro que mais de 90% dos católicos casados usam algum tipo de controle de natalidade e ensinam as suas crianças a fazerem o mesmo. O Novus Ordo tornou-se uma organização global de apaziguamento de consciências e fonte de novidades em larga escala. Os católicos Novus Ordo realmente acreditam que todo mundo vai para o Céu. “Trabalhar sua salvação com temor e tremor” (Fl 2, 12) não é um pensamento que os entretenha.

            O controle de natalidade foi nos tempos modernos um marco na virada da vontade Deus para a vontade do homem. Não usar controle de natalidade para aqueles que vivem em uma cidade grande pode parecer quase impossível, mas quem está errado: Deus ou a cidade moderna? Deus deu a Sua igreja em 1968 uma grande oportunidade para manter-se nos trilhos quando Ele inspirou um Paulo VI relutante a permanecer fiel à doutrina imutável da Igreja, mas uma grande quantidade de homens da Igreja foram prontamente infiéis ao Papa. E o resultado foi essa “organização de apaziguanemento da consciência” denunciada acima. E quem pode negar que a substituição do verdadeiro sacrifício da Missa tem contribuído imensamente desde 1969 para que um grande número de católicos abandonem suas vidas sacrificatórias que conduzem ao Céu, desfrutar da vida fácil e ir para o Inferno? Que responsabilidade a dos sacerdotes!

Kyrie eleison.  

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Padres que imitam o mundo?

Sim.
 Estão são modelos modernistas da moda indecente.
 http://mlb-d2-p.mlstatic.com/revista-veja-so-paulo-47-n51-dez14-padre-elvis-595001-MLB20261683197_032015-F.jpg?square=false
  Padres em vez ter modelos santos tem modelos os artistas do mundo que não tem nada ver com a santidade e a penitencia.
O romeno Antoniu Petrescu acredita que você pode venerar Deus e Elvis Presley ao mesmo tempo.
 Foto: Dario Pignatelli/Reuters 
 Disse: Petrescu, que veste suas roupas com glitter e requebra os quadris quando não está trabalhando como padre na cidade italiana de Avezzano. 

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/45/34/5d/45345d27597ba68731c8d3f221c99a3e.jpg
Jesus não pode ser comparado com Elvis pois este não é modelo de santidade e nem e Deus.
 Nosso Senhor Jesus Cristo e sim modelo de penitencia e renuncia e deve ser adorado pois não é ídolo pagão sim verdadeiro Deus.

 http://1.bp.blogspot.com/-8l8mMbD_TXY/VIUqKAld8MI/AAAAAAAAb9U/tA74VbDCqy4/s1600/1654278_502339606554438_761297376_n.jpg 
Os modernos renunciaram a penitencia pois isto criaram este padrão de padres sem penitencia.
Mais sem penitencia como se salvar a si e a almas.
8 Dai, pois, frutos de verdadeira penitência.
(Mateus 3,8)

 https://c1.staticflickr.com/9/8729/17020336257_f1ed31abc1_z.jpg
Façam reparação e penitencia pela conversão destes padre escandalosos.
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

domingo, 28 de agosto de 2016

Dom Tomás de Aquino faz cantar o Te Deum

Pela fundação da SSAJM 

 http://nonpossumus-vcr.blogspot.com.br/2016/08/mons-tomas-de-aquino-hace-cantar-el-te.html


 
 
 
Toda a comunidade Beneditina cantou o Te Deum, depois do ofício de Vésperas, pela fundação da SSAJM. Damos todo o nosso apoio a Monsenhor Faure com nossas orações e palavras."

Deus os abençoe. 
Dom Tomás de Aquino "
 
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

28 de agosto Santo Agostinho, Bispo, Confessor e Doutor



  Santo Agostinho nascido norte da África na cidade africana de Tagaste,na atual Argélia, filho de pai pagão, chamado Patrício e mãe católica, Mônica. Teve uma juventude viciosa e cheia de desvios doutrinários. 
  Aurélio Agostinho, o Santo Agostinho de Hipona foi um importante bispo cristão e teólogo. Nasceu na região norte da África em 354 e morreu em 430.  Logo, em sua formação, teve importante influência do maniqueísmo (sistema religioso que une elementos cristãos e pagãos).
  Converteu-se por influência de Santo Ambrósio, bispo de Milão, e sobretudo graças às orações e lágrimas de sua mãe Santa Mônica. Ordenado sacerdote, foi durante 34 anos bispo de Hipona, no norte da África. Além de pastor dedicado e zeloso, foi intelectual brilhantíssimo, dos maiores gênios, já produzidos em dois mil anos de História da Igreja. Escreveu numerosas obras de filosofia. Teologia e Espiritualidade, que exerceram e ainda exercem enorme influência. 
  Santo Agostinho ensinou retórica nas cidades italianas de Roma e Milão.      Nesta última cidade teve contato com o neoplatonismo cristão.
Viveu num monastério por um tempo. Em 395, passou a ser bispo, atuando em Hipona (cidade do norte do continente africano). Escreveu diversos sermões importantes. Em “A Cidade de Deus”, Santo Agostinho combate às heresias e a paganismo. Na obra “Confissões” fez uma descrição de sua vida antes da conversão ao cristianismo.
Santo Agostinho analisava a vida levando em consideração a psicologia e o conhecimento da natureza. Porém, o conhecimento e as idéias eram de origem divina.
Combateu vigorosamente as heresias de seu tempo como verdadeiro bispo, nada era mais importante do que a fé Catolica. 
   As obras de Santo Agostinho influenciaram muito o pensamento teológico da Igreja Católica na Idade Média.
Morreu em 28 de agosto (dia suposto) de 420, durante um ataque dos vândalos (povo bárbaro germânico) ao norte da África.
Santo Agostinho é considerado o santo protetor dos teólogos, impressores e cervejeiros. Seu dia é 28 de agosto, dia de sua suposta morte.

Algumas obras de Santo Agostinho:
- Da Doutrina Cristã (397-426)
- Confissões (397-398)
- A Cidade de Deus (413-426)
- Da Trindade (400-416)
- Retratações
- De Magistro
- Conhecendo a si mesmo

Frases e Pensamentos de Santo Agostinho:
- "Milagres não são contrários à natureza, mas apenas contrários ao que entendemos sobre a natureza."
- "Certamente estamos na mesma categoria das bestas; toda ação da vida animal diz respeito a buscar o prazer e evitar a dor."
- "Se você acredita no que lhe agrada nos evangelhos e rejeita o que não gosta, não é nos evangelhos que você crê, mas em você."
- "Ter fé é acreditar nas coisas que você não vê; a recompensa por essa fé é ver aquilo em que você acredita."
- "A pessoa que tem caridade no coração tem sempre qualquer coisa para dar."
- "A confissão das más ações é o passo inicial para a prática de boas ações."
- "A verdadeira medida do amor é não ter medida."
- "Orgulho não é grandeza, mas inchaço. E o que está inchado parece grande, mas não é sadio."

  De Santo Agostinho, disse o Papa Leão XIII: "É um gênio vigoroso que, dominando todas aas ciências humanas e divinas, combateu todos os erros de seu tempo". 
 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

sábado, 27 de agosto de 2016

27 de agosto dia de São José Calasânsio, Confessor

27/08 Sábado
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos


Nasceu em Peralta de la Sal, Aragão, Espanha, o ano de 1557.
S. José Calasâncio foi com S.João Baptista de la Salle, um dos grandes educadores da juventude no século XVII. Nasceu em 1556 na província de Huesca, Espanha. Desde muito novo foi muito devoto. Estudo direito civil e canónico. Faz o doutorado em Alcalá, mas terminando volta para a sua terra e funda as "academias" para jovens. Em 1583, recebe o sacerdócio. Tinha apenas 28 anos quando o bispo de Jaca o nomeou seu teólogo. Com a morte do pai em 1586, José viu-se com uma notável riqueza que começou a distribuir por esmolas. Em 1590 foi nomeado vigário-geral para toda a diocese devido às reformas eclesiásticas que foi obtendo. Movido por uma inquietação interior pediu ao seu director autorização para ir a Roma, licença que lhe foi dada. Chegou na quaresma de 1592. Durante cinco anos teve uma vida oculta. Levanta-se cedo para fazer a peregrinação das basílicas antes da aurora. Ajudava nos hospitais e prisões e quando em 1596 surge a peste em Roma, ajuda S.Camilo de Léllis a combatê-la. Não gostava de ver a ignorância religiosa das pessoas e por isso em 1597 criou a primeira "escola pia" no presbitério de Santa Doroteia, no Transtévere, perto da ponte Sisto. Em 1617 o papa Paulo V, criou, com o pessoal de Calasâncio, uma congregação pulina dos Pobres da Mãe de Deus das Escolas pias. Em 1621, foi erecta como congregação de votos solenes por Gregório XV soa nome de Clérigos Pobres da Mãe de Deus. José foi nomeado Geral em 1622. Estas escolas se propagaram com muitas rapidez: Itália, Alemanha, Boémia, Polónia. Surgiram graves problemas nesta obras ao ponto de José e todo a cúria generalícia serem presos. José tinha na altura 86 anos. Foi ovido pelo Santo Ofício. Foram momentos de grande provação, em que viu a sua obra quase completamente destruída. São José Calasâncio, entretanto, não desanimou..Manteve-se sereno e tranquilo e confiante em Deus. E a sua obra novamente surgiu das cinzas. Entretanto, somente oito anos após a sua morte, José tinha-o profetizado.O papa Alexandre VI, em 1656, aprovava definitivamente o Instituto. São José Calasâncio morreu aos noventa anos de idade, em 1648.



Leitura da Epístola dos 
                                                                                                                                                         
Sabedoria 10,10-14                                                                                 
 10.foi ela que guiou por caminhos retos o justo que fugia à ira de seu irmão; mostrou-lhe o reino de Deus, e deu-lhe o conhecimento das coisas santas; ajudou-o nos seus trabalhos, e fez frutificar seus esforços;11.cuidou dele contra ávidos opressores e o fez conquistar riquezas;12.ela o protegeu contra seus inimigos e o defendeu dos que lhe armavam ciladas; e no duro combate, deu-lhe vitória, a fim de que ele soubesse quanto a piedade é mais forte que tudo.13.Ela não abandonou o justo vendido, mas preservou-o do pecado.14.Desceu com ele à prisão, e não o abandonou nas suas cadeias, até que lhe trouxe o cetro do reino e o poder sobre os que o tinham oprimido; revelou-lhe a mentira de seus acusadores, e conferiu-lhe uma glória eterna.

Sequência do Santo Evangelho   

São Mateus 18,1-5                                                                               
1.Neste momento os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Quem é o maior no Reino dos céus?2.Jesus chamou uma criancinha, colocou-a no meio deles e disse:3.Em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos céus.4.Aquele que se fizer humilde como esta criança será maior no Reino dos céus.5.E o que recebe em meu nome a um menino como este, é a mim que recebe.
  
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Comentários Eleison - por Dom Williamson CDLXXV (475) - (20 de Agosto de 2016):



 BISPO  FELLAY  –  III


Três Bispos disseram a verdade, mas “Ninguém tão cego
Como aquele que não quer ver” – ele se encerra em seu ego.

Lendo as duas questões recentes destes “Comentários” sobre a mentalidade que induz o Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X a buscar implacavelmente a um acordo meramente prático com as autoridades da Igreja em Roma, um bom amigo recordou-me de que as ideias foram expressas há quatro anos em sua Carta de 14 de abril de 2012, na qual ele responde aos outros três bispos que o havido advertido seriamente contra a tentativa de qualquer acordo meramente prático com Roma. Muitos dos atuais leitores destes “Comentários” podem ter esquecido, quiçá nunca souberam, daquele aviso ou da resposta do Bispo Fellay. Certamente, a troca das cartas diz muita coisa que vale a pena recordar. Aqui estão elas, resumidas tão cruelmente como de costume, com breves comentários:

A principal objeção dos três bispos a qualquer acordo prático com Roma realizado sem um acordo doutrinal era o abismo doutrinal entre a Roma Conciliar e a Fraternidade Católica Tradicional. Meio ano antes da morte do Arcebispo Lefebvre, ele disse que quanto mais se analisa os documentos e a repercussão do Vaticano II, mais se percebe que o problema é menos os erros clássicos em particular, mesmo a liberdade religiosa, a colegialidade e o ecumenismo, do que “uma total perversão da mente” em geral, subjacente a todos os erros específicos e procedendo de “uma nova filosofia completa fundada no subjetivismo”. Contra o argumento-chave do Bispo Fellay de que os Romanos já não são tão hostis, mas benevolentes para com a Fraternidade, os três bispos responderam com outra citação do Arcebispo: tal benevolência é apenas uma “manobra”, e nada poderia ser mais perigoso para o “nosso povo” do que “colocar-nos nas mãos dos bispos conciliares e da Roma modernista”. Os três bispos concluíram que um acordo meramente prático destroçaria a Fraternidade e a destruiria.

Para esta profunda objeção, tão profunda quanto o abismo entre o subjetivismo e a verdade objetiva, o bispo Fellay respondeu (google Bispo Fellay, 14 de abril de 2012): — 1 que os bispos estavam sendo “muito humanos e fatalistas”. 2 A Igreja é guiada pelo Espírito Santo. 3 Por trás da benevolência real de Roma pela FSSPX está a Providência de Deus. 4 Equivaler os erros do Concílio a uma “super-heresia” é uma exageração inapropriada, 5 o que logicamente irá conduzir os tradicionalistas ao cisma. 6 Nem todos os Romanos são modernistas, pois cada vez menos deles acreditam no Vaticano II, 7 a tal ponto que se o Arcebispo estivesse vivo hoje, não teria hesitado em aceitar o que está sendo oferecido para a FSSPX. 8 Na Igreja sempre haverá o joio e o trigo, então o joio Conciliar não é motivo para um recuo. 9 Como eu desejo aconselhá-los aos três, mas cada um dos senhores em diferentes posições “forte e apaixonadamente não conseguiram me compreender”, e até me expuseram em público. 10 Opor a Fé à Autoridade é “contrário ao espírito sacerdotal”.

E finalmente, os brevíssimos comentários sobre cada um dos argumentos do Bispo Fellay:

1 “Muito humano”? Como disse o Arcebispo, o grande abismo em questão é mais filosófico (natural) do que teológico (sobrenatural). “Muito fatalista”? Os três bispos foram muito mais realistas que fatalistas. 2 Os homens da Igreja conciliar estão guiados pelo Espírito Santo enquanto eles destroem a Igreja? 3 Por trás da malevolência real de Roma está a firme resolução de dissolver a resistência da FSSPX contra a nova religião Conciliar – assim como aconteceu com as Congregações Tradicionais no passado! 4 Apenas os mesmos subjetivistas não conseguem enxergar o abismo entre subjetividade e Verdade. 5 Os católicos objetivistas firmes na Verdade estão longe do cisma. 6 Os maçons mantêm um cinturão em Roma. Ninguém que não seja modernista possui poder para falar ali. 7 Acreditar que o Arcebispo teria aceitado as ofertas atuais de Roma é equivocar-se completamente sobre ele. O problema básico só tem piorado desde a sua época. 8 A colher do Bispo Fellay está muito curta para ele cear com os (objetivos) demônios Romanos. 9 Os três bispos compreenderam muito bem o Bispo Fellay, mas ele não quis dar ouvidos ao que os três diziam a ele. Terá sido por ele considerar-se infalível? 10 São Paulo certamente imaginou que a Autoridade poderia se opor à Fé – (Gl I, 8-9 e II, 11). São Paulo carecia de “espírito sacerdotal”?

Kyrie Eleison.

Traduzido por Christoph Klug
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

domingo, 21 de agosto de 2016

21 de agosto dia de Santa Joana Francisca Frémiot de Chantal, Viuva e fundadora.


  Filha de Benigno Frémiot, presidente do Parlamento de Borgonha e de Margarida de Berbizym, nasceu em Dijon a 28 de janeiro de 1572. No batismo recebeu o nome de Joana, ao qual acrescentou o de Francisca, por ocasião de sua confirmação. Teve esmerada educação. Recusou desposar um fidalgo rico, por ser ele protestante calvinista mas aceitou casar-se com o barão de Chantal, católico fervoroso, com quem levou uma vida profundamente religiosa e feliz.   
 Santa Joana nasceu em Dijon, França, em 28 de janeiro de 1572, filha de Benigno Frèmiot, presidente do parlamento de Borgonha. Após seu casamento, foi morar no castelo de Bourbillye, e sua primeira ordem na nova casa sinalizou qual seria o estilo de vida que se viveria ali. Mandou que, diariamente, fosse rezada uma missa e que todos os servidores domésticos participassem. Ocupou-se, pessoalmente, da educação religiosa dos serviçais, ajudando-os em todas as suas necessidades materiais.           
  Quando o barão feriu-se gravemente durante uma caçada, no castelo só se rezava por sua saúde. Mas logo veio a falecer. Joana ficou viúva aos vinte e oito anos de idade, com os filhos para criar. Dedicou-se, inteiramente, à educação das suas crianças, abrindo espaço em seus horários apenas para a oração e o trabalho. Nessa época, conheceu o futuro são Francisco de Sales, então bispo de Genebra. Escolheu-o para ser seu diretor espiritual e fez-se preparar para a vida de religiosa.                     
  Passados nove anos de viuvez e depois de ter muito bem casado as filhas, deixou o futuro barão de Chantal, então um adolescente de quinze anos, com o avô Benigno no castelo de Dijon e retirou-se em um convento. No ano seguinte, em 1610, junto com Francisco de Sales, fundou a Congregação da Visitação de Santa Maria, destinada à assistência aos doentes. Nessa empreitada juntaram-se, à baronesa de Chantal, a senhora Jacqueline Fabre e a senhorita Brechard. Joana, então, professou os votos e foi a primeira a vestir o hábito da nova Ordem. Eleita a madre superiora, acrescentou Francisca ao nome de batismo e dedicou-se, exclusivamente, à Obra, vivendo na sua primeira sede, em Anecy. Fundou mais setenta e cinco Casas para suas religiosas com toda a sua fortuna. Mas não sem dificuldades e sofrimentos, e sofrendo muitas perseguições em Paris, sem nunca esmorecer.   
  Depois de uma dura agonia motivada por uma febre que pôs fim à sua existência, morreu em Moulins no dia 13 de dezembro de 1641.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

sábado, 20 de agosto de 2016

20 de agosto dia de São Bernardo, Abade e Doutor.

20/08 Sábado
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
“Deus quis que não recebêssemos nada que não passe pelas mãos de Maria”
“Por vós, Maria, temos acesso ao Filho, por vós que achaste a graça, Mãe da Salvação, para que por vós nos receba Aquele que por vós nos foi dado”.
 (São Bernardo)

 Nascido numa grande família nobre da Borgonha, no castelo de Fontaine-lès-Dijon, Bernardo foi o terceiro de sete filhos de Tescelin o Vermelho (Tescelin Sorrel) e de Aleth de Montbard. Com a idade de nove anos, é enviado para a Escola Canônica de Châtillon-sur-Seine, onde mostra um gosto particular pela literatura. Em 1112, decide entrar na Abadia de Cister, fundada em 1098 por São Roberto de Molesme, e na qual Santo Estevão Harding havia acabado de ser eleito Abade. Convence vários amigos, irmãos e parentes a ingressarem com ele na vida monástica e chega assim com outros 30 candidatos para entrar na Abadia. Em 1115, Estevão Harding envia-o jovem à frente de um grupo de monges para fundar uma nova casa cisterciense no vale de Langres, em Ville-sous-la-Ferté. A fundação é chamada "Vale Claro", ou Clairvaux – Claraval. Bernardo é nomeado Abade desta nova Abadia, e confirmado por Guilherme de Champeux, bispo de Châlons e célebre teólogo.                                                    
Os primórdios de Claraval são difíceis: a disciplina imposta por São Bernardo é bastante severa. Bernardo busca formação nas Sagradas Escrituras e nos Padres da Igreja. Ele tem uma predileção quase exclusiva pelo Cântico dos Cânticos e por Santo Agostinho. O livro e o autor correspondem às tendências da época. Muitas pessoas afluem à nova abadia e Bernardo acaba de converter toda sua família: seu pai, Tescelin, e seus cinco irmãos tornam-se monges em Claraval. Sua irmã, Umbelina, toma igualmente o hábito no priorado de Jully-les-Nonnains. A partir de 1118, novas casas são fundadas (a exemplo da Abadia Nossa Senhora de Fontenay, para evitar a superlotação de Claraval. Em 1119, Bernardo faz parte do Capítulo Geral dos Cistercienses convocado por Estevão Harding, que dá sua forma definitiva à Ordem. A Carta da Caridade, que é então redigida, é confirmada pouco depois pelo papa Calisto II. É nesta época que Bernardo escreve suas primeiras obras, tratados e homilias e, sobretudo, uma Apologia, escrita a pedido de Guilherme de Saint-Thierry, que defende os beneditinos brancos (os cistercienses segundo a cor de seu hábito) contra os beneditinos negros (cluniacenses). Pedro, o Venerável, abade de Cluny, lhe responde amigavelmente, e apesar de suas diferenças ideológicas, os dois homens tornam-se amigos. Envia igualmente numerosas cartas para incentivar à reforma o resto do clero, em particular os bispos. Sua carta ao arcebispo de Sens, Henrique de Boisrogues chamada mais tarde de De Officiis Episcoporum (Da conduta dos Bispos) é reveladora do importante papel dos monges no século XII, e das tensões entre o clero regular e secular. Em 1128, Bernardo participa do concílio de Troyes, convocado pelo papa Honório II e presidido por Matthieu d’Albano, legado do papa. Bernardo é nomeado secretário do concílio, mas ao mesmo tempo é contestado por uma parte do clero, que pensa que por ser monge, que se intromete em coisas que não são lhe concernem. Ele termina por se desculpar, mas o concílio é fortemente influenciado por sua atuação. Torna-se uma personalidade importante e respeitada na Cristandade; ele intervém em assuntos públicos, defende os direitos da Igreja contra os príncipes seculares e aconselha papas e reis. Em 1130, depois da morte de Honório II, durante o cisma de Anacleto II, é a sua voz que faz com que Inocêncio II seja aceito. Em 1132, ele consegue do papa a independência de Claraval em relação a Cluny. Nesse período de desenvolvimento das escolas urbanas, no qual os novos problemas são discutidos na forma de questões (quaestio), de argumentação e busca de uma conclusão (disputativo), São Bernardo é defensor de uma linha tradicionalista. Ele combate as posições de Abelardo, e as faz ser condenadas no concílio de Sens em 1140.                                                    
Em 1145, Claraval dá um papa à Igreja, Eugênio III. Quando o reino de Jerusalém é ameaçado, Eugênio III, ele mesmo um cisterciense, pede a Bernardo que pregue a segunda cruzada em Vézelay em 31 de março de 1146 e mais tarde em Spire. Ele o faz com tanto sucesso que o rei de França Luís VII o Jovem e o imperador do Sacro Império Conrado III tomam eles mesmos a cruz. No concílio de Reims, em 1148, ele faz uma acusação de heresia contra Gilbert de la Porre é, bispo de Poitiers. Não obtém grande sucesso e seu adversário conserva sua posição e prestígio. São Bernardo fundou 72 mosteiros, espalhados por toda Europa: 35 na França, 14 na Espanha, 10 na Inglaterra e Irlanda, 6 em Flandres, 4 na Itália, 4 na Dinamarca, 2 na Suécia e 1 na Hungria, além de muitos outros que se filiaram à Ordem. Em 1151, dois anos antes de sua morte, existem 500 abadias cistercienses. Havia 700 monges ligados a Claraval. Bernardo morre em 1153 com 63 anos.
Leitura da Epístola dos

Eclesiástico 39,6-14 
6.Desde o alvorecer aplica o coração à vigília para se unir ao Senhor que o criou, e ora na presença do Altíssimo.7.Abre sua boca para orar, e pede perdão de seus pecados,8.pois se for da vontade do Senhor que é grande, ele o cumulará do espírito de inteligência.9.Então ele espargirá como uma chuva palavras de sabedoria, e louvará o Senhor em sua oração.10.O Senhor orientará seus conselhos e seus ensinamentos, e ele meditará nos mistérios (divinos).11.Ensinará ele próprio o conhecimento de sua doutrina. Porá sua glória na lei da aliança do Senhor. 12.Muitos homens louvarão sua sabedoria: jamais cairá ela no esquecimento.13.A sua memória não desaparecerá; seu nome será repetido de geração em geração.14.As nações proclamarão sua sabedoria, a assembléia apregoará seu louvor.
Sequência do Santo Evangelho                                                                                                                  
São Mateus 5,13-19                                                            
13.Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens.14.Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha15.nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa.16.Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus.17.Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição.18.Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei.19.Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar serão declarados grandes no Reino dos céus.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Comentários Eleison - por Dom Williamson CDLXXIV (474) - (13 de Agosto de 2016):

 
BISPO FELLAY – II

Sejamos cabeças-duras, mas de maneiras gentis.   
A suavidade da mente faz o tolo, o sentimental.  

Um erro nunca é propriamente refutado até que seja desraigado. Em outras palavras, para verdadeiramente se superar um erro, alguém precisa mostrar não somente que ele é um erro, mas por que é um erro. Suponhamos, com o “Comentário” da última semana, que a declaração do dia 28 de junho do Superior Geral da Fraternidade São Pio X, esperando que o pio sacerdócio da Fraternidade resolverá a crise da fé na Igreja, comete o erro de colocar a carroça do sacerdócio antes do cavalo da fé. Mostremos que este erro tem suas raízes na quase universal subvalorização da mente e supervalorização da vontade de nossa época, que resultam, mesmo que inconscientemente, num desprezo pela doutrina (exceto pela doutrina dos Beatles de “tudo do que você precisa é amor”).

E já no início da Declaração há um indício desse erro quando ela diz que o princípio central condenado na Pascendi, a grande condenação do modernismo por Pio X, é o da “independência”. Não. O princípio que ele constantemente condena como sendo a raiz do modernismo é antes o agnosticismo, a doutrina pela qual a mente não pode conhecer nada além do que aparece aos sentidos. Sobre esse desconhecimento segue a independência da mente em relação a seu objeto, seguido, por sua vez, pela declaração de independência da vontade em relação a todas as outras coisas das quais não quer depender. Está na natureza das coisas que a mente deve primeiro suicidar-se antes que a vontade possa declarar sua independência. Então, quando a Declaração põe no coração da Pascendi a independência antes do agnosticismo, este é um indício de que a Declaração é antes uma parte do problema da Igreja do que de sua solução.

E de onde vem, por sua vez, essa degradação da mente e da doutrina? Principalmente de Lutero, que chamou a razão humana de “prostituta” e que, mais que qualquer outro, lançou a Cristandade no caminho sentimental para sua autodestruição hodierna. Mas isto levou todos os 500 anos? Sim, porque houve uma resistência natural e católica ao longo do caminho. Mas Lutero estava certo quando disse ao Papa que, no final, iria destruí-lo - “Pestis eram vivus, functus tua mors ero, Papa” – Na vida, fui tua peste; morto, serei tua morte, Papa”.

A este radical e gigante erro da degradação da mente e da doutrina podem ser atribuídos dois sub-erros no caso do autor da Declaração de 28 de junho: em primeiro lugar, sua má compreensão de Monsenhor Lefebvre, e, em segundo lugar, sua muito grande compreensão da Senhora Cornaz (pseudônimo Rossinière).

Como muitos de nossos seminaristas em Écône, quando o mesmo Monsenhor Lefebvre presidia lá, Bernard Fellay estava, com razão, fascinado e encantado pelo notável exemplo, ante nossos próprios olhos, de o que um sacerdote católico pode e deve ser. Mas a coluna vertebral do sacerdócio de Monsenhor e de sua heroica luta pela Fé não foi sua piedade – muitos modernistas são “piedosos” – mas sua doutrina, doutrina do eterno sacerdócio, profundamente alérgica ao liberalismo e ao modernismo. Tampouco Monsenhor disse alguma vez que sua Fraternidade salvaria a Igreja. Antes, que seus sacerdotes deveriam salvaguardar os incalculáveis tesouros da Igreja para tempos melhores.
A pessoa que realmente disse que os sacerdotes da Fraternidade salvariam a Igreja, como o Pe. Ortiz nos lembrou, foi a Senhora Cornaz, uma mãe de família de Lausanne, Suíça, cuja vida abarcou a maior parte do século XX e quem, entre 1928 e 1969, recebeu comunicações supostamente do céu sobre como os casais deveriam santificar o sacerdócio (!). As comunicações começaram novamente em 1995 (!), quando ela encontrou um sacerdote da Fraternidade a quem ela persuadiu, e, através dele, Monsenhor Fellay, de que eram os sacerdotes da FSSPX que estavam destinados pela Providência a salvar a Igreja propagando as “Moradas de Cristo Sacerdote” dela. Com toda sua autoridade, o Superior Geral apoiou seu projeto, mas a reação negativa dos sacerdotes da Fraternidade fê-lo rapidamente renunciá-lo em público. Interiormente, entretanto, terá a visão mística dela sobre o exaltado futuro da Fraternidade permanecido nele? Parece bem possível. Como Martin Luther King, o Superior Geral “tem um sonho”.

Kyrie eleison.

Traduzido por Leticia Fantin
 
 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

sábado, 13 de agosto de 2016

13 de agosto dia de São Hipólito e Santo Cassiano, Mártires.

13/08 Sábado
Festa de Quarta Classe
Paramentos Verdes
 São Hipólito e Santo Cassiano, Mártires

São Hipólito, que havia sido batizado por São Lourenço, foi preso em sua casa quando recebeu a Santa Eucaristia e levado perante o imperador Valeriano, que lhe perguntou o que a religião que professava. Ele respondeu enfaticamente que ele era um cristão. Ele foi imediatamente açoitado com varas, mas desde que os tiros meados, sua fé era mais firme, o imperador tentou seduzi-lo com presentes e promessas de honras. Todos os esforços têm sido em vão, ele enviou ao prefeito para ser condenado à morte. Este último, depois de ter ido à residência de Hipólito de aplicar o confisco de sua propriedade, descobriu que toda a sua família era cristã. Ele tentou desviá-los de sua fé, mas, não conseguindo, ele matou sob os chicotes de chumbo, Concordia, a enfermeira de Hipólito, que incentivou todos eles, ele matou o outro fora da porta Tiburtino São Hipólito, amarrado a cavalos selvagens foi arrastado para um lugar coberto de cardos e plantas espinhosas, eo corpo mutilado, ele entregou a alma a Deus como um mártir para 258. Ele foi enterrado com o outro, o sacerdote por Justin, no Verano Agro.



No mesmo dia, Cassiano obteve a palma do martírio, depois de uma tortura muito cruel sofrida no Fórum de Sulla. Depois de ter amarrado as mãos atrás das costas, que entregou-o aos filhos de sua própria escola, acusado de quebrar e rasgar sua carne com seus sapatos de salto alto. Essa punição foi a mais terrível e durou até mais, que as crianças não tinham a força para completar a mártir. Sua palma foi ainda mais glorioso, cerca de 320.

Leitura da Epístola dos  
II Coríntios 3,4-9                                                                                            
4.Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo.5.Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus.6.Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.7.Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório),8.quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito!9.Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação !

Sequência do Santo Evangelho
São Lucas 10,23-37  
23.E voltou-se para os seus discípulos, e disse: Ditosos os olhos que vêem o que vós vedes,24.pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram.25.Levantou-se um doutor da lei e, para pô-lo à prova, perguntou: Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?26.Disse-lhe Jesus: Que está escrito na lei? Como é que lês?27.Respondeu ele: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu pensamento (Dt 6,5); e a teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18).28.Falou-lhe Jesus: Respondeste bem; faze isto e viverás.29.Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: E quem é o meu próximo?30.Jesus então contou: Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de ladrões, que o despojaram; e depois de o terem maltratado com muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o meio morto.31.Por acaso desceu pelo mesmo caminho um sacerdote, viu-o e passou adiante.32.Igualmente um levita, chegando àquele lugar, viu-o e passou também adiante.33.Mas um samaritano que viajava, chegando àquele lugar, viu-o e moveu-se de compaixão.34.Aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho; colocou-o sobre a sua própria montaria e levou-o a uma hospedaria e tratou dele.35.No dia seguinte, tirou dois denários e deu-os ao hospedeiro, dizendo-lhe: Trata dele e, quanto gastares a mais, na volta to pagarei.36.Qual destes três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?37.Respondeu o doutor: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Então Jesus lhe disse: Vai, e faze tu o mesmo.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Não é justo associar Islã e violência.

 O que não é justo uma menina de 4 anos ser obrigada a casar e depois fazer sexo.

Esta foto abaixo é dum casamento coletivo tinha meninas de 4 anos

http://www.fatonews.com.br/wp-content/uploads/2014/11/001.jpg

 E pergunto:Isto não é também terrorismo sexual?O casamento pedófilo dos muçulmanos.

Garotinhas palestinasSe isto também não e motor de atos de violência?Então e o que? 

É ato de paz?E um ato simplesmente de uma homenagem dos islâmicos ao Profeta Maomé que amava CASAR COM CRIANCINHAS e assim seus seguidores fazem o mesmo.

“O Profeta Maomé é o modelo que seguimos”, 
Informa neste vídeo acima o saudita Ahmad Al Mu’bi. “Ele tomou Aisha como sua esposa quando tinha 6 anos, mas só fez sexo quando ela tinha 9 anos″. 
Profeta Maomé já tinha mais de 50 anos.
Ele fala que ate com 1 ano pode casar

E o  nosso Papa Francisco diz esta aberração  ‘Não é justo associar Islã e violência’

 http://www.agoraja.net/noticia/22252/-nao-e-justo-associar-o-isla-ao-terrorismo-diz-papa

Depois quer justificar sua aberração e vem dizer que católicos também fazem atos de violência.

Pergunto quando nosso fundador Nosso Senhor Jesus Cristo ensinou  pedofilia?

Se um católico que faz tal ato impudico esta seguindo Nosso Senhor Jesus Cristo?Não.Deve estar sendo sim, seguidor de Maomé.

E mais na onde que esta escrito na Bíblia, no direito canônico ou na regra de moral de nossa Santa Religião  tal ato impudico é digno de ser seguido?

Quando um católico faz tal ato impudico

peca mortalmente e vai para prisão da terra se não se arrepende vai para prisão eterna que é castigo do inferno.

 http://catolicosribeiraopreto.com/wp-content/uploads/2016/05/inferno.jpg

No islã ao contrario não tem punição e seu fundador o Mamoé que fez tal ato

impudico e digno de ser seguido.

 https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/cc/e7/e2/cce7e2d591133bc2aa5b6dcf4b4e4ad2.jpg

Papa Francisco com seu ecumenismo de demagogia do Vaticano II diz palavras que escandaliza em vez de pregar a moral cristã.

Rezemos pela conversão do papa.

 A resposta de Nosso Senhor Jesus Cristo ao papa: "Retira de mim, Satanás! Tu serve-me de escândalo, porque não tens a sabedoria das coisas de Deus, mais das coisas dos homens" (Mateus 16:23).

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dia Santo Rosário

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Missa da Transfirguração de Nosso Senhor e Aniversário de Mons. Faure

Feliz Aniversário Mons. Faure!!!
Obrigada.
Rezemos o Santo Rosário pelo nosso Bispo.

Deus e Maria o abençoe e o  persevere nesta condução das almas, do seminario da França e na continuação da obra de Marcel Lefebvre.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário