sexta-feira, 7 de maio de 2021

07 de maio dia de Santo Estanislau. Bispo e Mártir.

07/05 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe 
Paramentos Vermelhos

 Bispo e Mártir. Polonês de origem, nasceu Estanislau em Sczepenow, de pais piedosos e ricos, que consideravam o primogênito como um presente do Céu, visto que o matrimônio tinha ficado sem filhos, durante trinta anos. Estanislau r ecebeu uma educação primorosa, graça esta que retribuiu com um procedimento exemplaríssimo, dando, criança ainda, provas indubitáveis de futura santidade. Amor à oração, delicadeza de consciência e uma grande compaixão pelos pobres, eram-lhe os traços característicos da alma juvenil.Para completar os estudos, os pais mandaram-no para Paris. Passados uns anos, na volta para Polônia, não encontrou mais os pais em vida. Tomou a resolução de realizar um plano, havia muito por ele acariciado: de entrar para o convento. Com este intuito, fez distribuição de seus bens entre os pobres. O Arcebispo de Cracóvia Lamberto, porém, conhecendo o grande talento de Estanislau e julgando-lhe utilíssima a cooperação na diocese, ofereceu-se o título de cônego. Neste encargo trabalhou até à morte do santo bispo, quando foi eleito sucessor do mesmo. Aos 42 anos, foi nomeado bispo de Cracóvia por Alexandre II. Sua nomeação agradou a todos, até mesmo ao rei Boleslau (1058-1079), que a princípio apoiou suas iniciativas pastorais. Esta harmonia haveria de se romper, em conseqüência do desmando e corrupção dos costumes da corte. O próprio rei tinha conduta leviana, reprovável e escandalosa. Santo Estanislau denunciou-o publicamente e lançou sobre ele a excomunhão. Foi morto, então, quando celebrava a eucaristia na igreja de São Miguel e, segundo consta, pelas próprias mãos de Boleslau. Era o dia 8 de maio de 1097. Santo Estanislau não somente é venerado na Polônia, mas também na Europa e nas Américas.

Leitura da Epístola do livro da 

Sabedoria 5,1-5
1.Então, com grande confiança, o justo se levantará em face dos que o perseguiram e zombaram dos seus males aqui embaixo.2.Diante de sua vista serão presos de grande temor e tomados de assombro ao vê-lo salvo contra sua expectativa;3.tocados de arrependimento, dirão entre si, e, gemendo na angústia de sua alma, dirão:4.Ei-lo, aquele de quem outrora escarnecemos, e a quem loucamente cobrimos de insultos! Considerávamos sua vida como uma loucura, e sua morte como uma vergonha. 5.Como, pois, é ele do número dos filhos de Deus, e como está seu lugar entre os santos?

Sequência do Santo Evangelho

São João 15,1-7
1.Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará;2.e podará todo o que der fruto, para que produza mais fruto.3.Vós já estais puros pela palavra que vos tenho anunciado.4.Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim.5.Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.6.Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á.7.Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quinta-feira, 6 de maio de 2021

06 de maio dia de São Domingo Sávio,Confessor.

06/05 Quinta-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Brancos
“Antes morrer do que pecar”
   São Domingos Sávio, em italiano: Domenico Savio, (Riva presso Chieri, 2 de abril de 1842 — Mondonio di Castelnuovo d'Asti, 9 de março de 1857) foi aluno de São João Bosco, e toda a sua vida foi composta por uma busca da santidade seguindo fielmente a fé católica.

   O amado e jovem São Domingos Sávio teve uma vida de muita sensibilidade e em pouco tempo percorreu um longo caminho de santidade, obra mestra do Espírito Santo e fruto da pedagogia de São João Bosco.




Nasceu em uma família pobre em bens materiais (ferreiro e costureira) porém rica de fé. Sua infância ficou marcada pela primeira comunhão, feita com a fervor aos sete anos, e se distingue pelo cumprimento do dever em seu lema: "Antes morrer que pecar".

Aos doze anos de idade ocorreu um fato decisivo em sua vida:o encontro com São João Bosco, que o acolhe, como padre e diretor, em Valdocco (Turim) convidando-o para cursar os estudos secundários. Ao descobrir então os altos ideais de sua vida como filho de Deus, apoiando-se na amizade com Jesus e Maria, segue caminho da santidade, entendida como entrega total a Deus por amor. Reza, coloca empenho nos estudos, sendo o companheiro mais amável. Sensibilizado no ideal de são João Bosco, "Dai-me almas" deseja salvar a alma de todos e funda a companhia da Imaculada, da qual sairão os melhores colaboradores do fundador dos salesianos. Tomado por uma grave enfermidade aos quinze anos, regressa ao lar paterno da aldeira de Mondonio (município de Castelnuovo d'Asti), onde morre serenamente com a alegria de ir ao encontro do Senhor, exclamando aos seus pais: " adeus queridos pais, estou tendo uma visão linda! Que lindo!"

O papa Pio XII o proclamou santo em 12 de junho de 1954.

Leitura da Epístola dos

São Tiago 1,17-21
17.Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem mesmo aparência de instabilidade.18.Por sua vontade é que nos gerou pela palavra da verdade, a fim de que sejamos como que as primícias das suas criaturas.19.Já o sabeis, meus diletíssimos irmãos: todo homem deve ser pronto para ouvir, porém tardo para falar e tardo para se irar;20.porque a ira do homem não cumpre a justiça de Deus.21.Rejeitai, pois, toda impureza e todo vestígio de malícia e recebei com mansidão a palavra em vós semeada, que pode salvar as vossas almas.

Sequência do Santo Evangelho

São João 16, 5-14
5.Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: Para onde vais?6.Mas porque vos falei assim, a tristeza encheu o vosso coração.7.Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.8.E, quando ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo.9.Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em mim. 10.Ele o convencerá a respeito da justiça, porque eu me vou para junto do meu Pai e vós já não me vereis;11.ele o convencerá a respeito do juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado. 12.Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora.13.Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.14.Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. 


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário. .

quarta-feira, 5 de maio de 2021

Pensamentos de Santa Teresinha

"Pensamentos de Santa Teresinha"
Mais informações sobre a venda do nosso livro clique aqui!

Mês de Maio

1. Hoje tive meu coração todo repleto de uma alegria celeste... Ontem á noite eu rezei tanto á Santíssima Virgem pensando que o seu belo mês ia começar! (Novíssima verba, 1° de Maio de 1897).

2. Oh! Como eu amo a Santíssima Virgem! Se eu fosse padre, falaria muito sobre Ela! (História de uma alma, c. XII).

3. Nesta terra, onde tudo muda, uma só coisa fica estável: o procedimento do Rei dos céus para com seus amigos. Desde que Ele levantou o estandarte da cruz, é á sua sombra que todos devem combater e alcançar a vitória. (6ª carta aos Missionários)

4. A Virgem Maria! Parece-me que sua vida era tão simples. (História de uma alma)

5. Neste triste exílio, ó minha Mãe querida, eu quero viver contigo e te seguir cada dia. (Poesias)

6. Muitas vezes eu me surpreendo a dizer á Santíssima Virgem: “Sabeis, ó minha Mãe querida, que eu me julgo mais feliz do que vós? Eu vos tenho por Mãe, e vós não tendes como eu, uma Santa Virgem para amar!... (13ª carta a Celina)

7. Dos pequenos o bando é bem considerável.

Eles podem sem medo a ti erguer o olhar

Para guiá-los aos céus, ó Mãe incomparável,

Pela estrada comum quiseste caminhar. (Poesias – Porque te amo, ó Maria)

8. Ah! Que dose foi o primeiro osculo de Jesus á minha alma! Sentia--me estremecida e repetia: “Amo-vos e a vós me entrego para todo o sempre, ó meu Jesus!” (História de uma alma, c. IV )

9. Não me dirigi diretamente a Deus, porque quero deixá-lo agir com toda liberdade; pedi essa graça á Santíssima Virgem, o que está longe de ser a mesma coisa. Ela cuida dos meus pequeninos desejos, apresenta-os ou não a Deus; a Ela cabe pensar como há de fazer para não forçá-lo a me ouvir.

10. Quando nos dirigimos aos Santos, fazem-nos algo esperar, sente--se que vão primeiro apresentar o nosso pedido; mas quando pedimos alguma graça á Santíssima Virgem, e um socorro imediato o que se recebe. Ainda não o observaste? Fazei a experiência e vereis!

11. Neste exílio tão triste, ó minha Mãe querida, contigo hei de viver, seguir-te com fervo. (Poesias)

12. Praticando as pequenas virtudes, a Santa Virgem tornou visível o caminho do céu. (Poesias)

13. A Santíssima Virgem adiantou-se para mim! Sorriu-me... Que ventura a minha! (História de uma alma)

14. Minha Mãe, olhando esta tarde a Santíssima Virgem, eu compreendi que ela sofreu não somente na alma, mas também no corpo. Sofreu nas viagens, o frio, o calor, a fadiga... Jejuou muitas vezes... Sim, ela sabe o que é sofrer!


15. Virgem, ao contemplar-te, enlevo-me embebida, Vendo em teu coração, Mãe, pélagos de amor... (Poesias – Porque te amo)

16. Outrora, na vossa humildade, desejastes, ó Maria, ser a escravasinha da Mãe de Deus; e eu; podre criaturinha, eu não sou vossa serva, mas vossa filha! Sois a Mãe de Jesus e sois minha Mãe.(13ª carta a Celina)

17. Como de teu silêncio, ó Mãe, amo a eloqüência! Parece-me um concerto, um cântico sem par. Que me diz a grandeza – e, mais – a onipotência. Da alma que só do céu sabe o auxilio esperar. (Poesias – Porque te amo, ó Maria!)

18. Que graça de escol – ser virgem, ser esposa de Jesus! Certamente há nisso algo de mui sublime, pois a mais pura, a mais inteligente de todas as criaturas preferiu permanecer virgem a tornar-se Mãe de Deus. (Espírito de Santa Teresinha do M. Jesus)

19. Quando não sou compreendida de minhas noviças, lanço meu olhar interior á Virgem Maria, e Jesus triunfa sempre. (História de uma alma, c. X)

20. Depois de termos invocado a Nossa Senhora, si não somos atendidos, é sinal certo que Ela tem alguma razão muito seria para não nos ouvir: e, portanto, não convêm insistir. (Espírito de Sta. Teresinha do M. Jesus)

21. Como eu quisera tanto ser padre para pregar sobre a Virgem Maria! Parece-me que não me bastaria uma só vez para fazer compreender o meu pensamento neste assunto. (Novíssima verba, pg. 154)

22. Para que um sermão sobre Santa Virgem produza frutos, é mister que ele mostre a sua vida real,tal como o Evangelho a faz entender, e não a sua vida suposta. Percebe-se muito bem que a vida de Maria, em Nazaré, devia ser toda ordinária. . .”Ele lhes estava sujeito” (Lucas, 11.35). Como isto é simples! (Novíssima verba, pg. 155)


23. Sabe-se que a Santíssima Virgem é Rainha do céu e da terra, mas ela é mais Mãe do que rainha, e não devemos crer (como eu tenho ouvido muitas vezes) que por causa de suas prerrogativas ela eclipsa a gloria de todos os Santos, como o sol, ao levantar-se, faz desaparecer as estrelas. Meu Deus, como isto é esquisito! Uma Mãe que faz desaparecer a gloria de seus filhos! Eu penso o contrario, e creio que ela aumentará muito o esplendor dos eleitos. (Novíssima verba, pg. 157).

24. E’ verdade, ó Maria, que vós sois a Mãe, que vós sois a Mãe de Jesus, mas vós o tendes dado a mim, e Ele, sobre a cruz, deu a vós como nossa Mãe, e assim somos mais ricos do que vós. (13ª carta a Celina).


25. Oh! Como eu amo a Santíssima Virgem!(Novíssima verba, pg1580)

26. Quando se pediu alguma coisa á Santa Virgem, e que Ela não nos ouviu, é mister deixá-la fazer, sem insistir e não se inquietar mais. (Novíssima verba,pg.158)

27. Pois á angustia interior e á noite mais escura sujeitar a sua Mãe celeste quis, Não é porque sofrer na terra é uma ventura? Oh! Sim... Sofrer é a sorte mais feliz! (Poesias - Porque te amo, ó Maria)

28. Teu olhar maternal expulsa meus temores: Ensina-me a sofrer, ensina-me a gozar. (Poesias)

29. Mostra-nós quase sempre a Santíssima Virgem inacessível, e seria mister mostrá-la imitável, praticando as virtudes ocultas, dizer que Ela vivia de fé, como nós. (Novíssima verba,pag.155)

30. Chegados que fomos a Paris, o papai tratou de nos mostrar todas as maravilhas daquela capital; eu cá encontrei uma só: Nossa Senhora das Vitórias. Exprimir o que em mim se passou no seu Santuário é coisa impossível. As graças que me concedeu faziam lembrar as da Primeira Comunhão: transbordava-me o coração de paz e felicidade... Foi ali que a Virgem Maria, minha Mãe, me disse claramente como Ela mesma fora quem me havia socorrido e amado... (Historia de uma alma,c VI)


31. Ó meu Deus!...Eu o amo... Ó minha boa Santíssima Virgem, vinde em meu socorro! (Palavras da agonia de Santa Terezinha, pronunciada no dia 30 de Setembro de1897, muitas vezes).


 Kit Santa Teresinha vai seu livrinho.

http://lojinhadoconvento.blogspot.com.br/2012/01/quite-santa-teresinha.html

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

05 de maio dia do São Pio V.Papa e Confessor.Defensor da Liturgia Católica.

05/05 Quarta-feira  
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
Papa São Pio V, (nascido Antonio Ghisleri, Michele O.P.; Bosco, 17 de Janeiro de 1504 — Roma, 1 de maio de 1572), foi papa de 7 de Janeiro de 1566 até a sua morte. Nascido da família nobre Ghisleri.

Nascido no norte da Itália, ingressou aos 14 anos na Ordem Dominicana e fez uma brilhante carreira eclesiástica, como bispo, cardeal, sob o título de Santa Maria Sopra Minerva, inquisidor-mor e por fim Papa.
Foi Beatificado no dia 27 de Abril de 1672 e foi Canonizado no dia 22 de Maio de 1712.



Tradução da Bula:
Pio Bispo
Servo dos Servos de Deus

Para perpétua memória

Desde que fomos elevados ao ápice da Hierarquia Apostólica, de bom grado aplicamos nosso zelo e nossas forças e dirigimos todos os nossos pensamentos no sentido de conservar na sua pureza tudo o que diz respeito ao culto da Igreja; o que nos esforçamos por preparar e, com a ajuda de Deus, realizar com todo o cuidado possível.Ora, entre outros decretos do Santo Concílio de Trento cabia-nos estabelecer a edição e correção dos livros santos: Catecismo, Missal e Breviário.Com a graça de Deus, já foi publicado o Catecismo, destinado à instrução do povo, e corrigido o Breviário, para que se tributem a Deus os devidos louvores. Outrossim, para que ao Breviário correspondesse o Missal, como é justo e conveniente (já que é soberanamente oportuno que, na Igreja de Deus, haja uma só maneira de salmodiar e um só rito para celebrar a Missa), parecia-nos necessário providenciar, o mais cedo possível, o restante desta tarefa, ou seja, a edição do Missal.Para tanto, julgamos dever confiar este trabalho a uma comissão de homens eruditos. Estes começaram por cotejar cuidadosamente todos os textos com os antigos de nossa Biblioteca Vaticana e com outros, quer corrigidos, quer sem alteração, que foram requisitados de toda parte. Depois, tendo consultado os escritos dos antigos e de autores aprovados, que nos deixaram documentos relativos à organização destes mesmos ritos, eles restituíram o Missal propriamente dito à norma e ao rito dos Santos Padres.
Este Missal assim revisto e corrigido, Nós, após madura reflexão, mandamos que seja impresso e publicado em Roma, a fim de que todos possam tirar os frutos desta disposição e do trabalho empreendido, de tal sorte que os padres saibam de que preces devem servir-se e quais os ritos, quais as cerimônias, que devem observar doravante na celebração das Missas.
E a fim de que todos, e em todos os lugares, adotem e observem as tradições da Santa Igreja Romana, Mãe e Mestra de todas as Igrejas, decretamos e ordenamos que a Missa, no futuro e para sempre, não seja cantada nem rezada de modo diferente do que esta, conforme o Missal publicado por Nós, em todas as Igrejas: nas Igrejas Patriarcais, Catedrais, Colegiais, Paroquiais, quer seculares quer regulares, de qualquer Ordem ou Mosteiro que seja, de homens ou de mulheres, inclusive os das Ordens Militares, igualmente nas Igrejas ou Capelas sem encargo de almas nas quais a Missa conventual deve, segundo o direito ou por costume, ser celebrada em voz alta com coro, ou em voz baixa, segundo o rito da Igreja Romana, ainda quando estas mesmas Igrejas, de qualquer modo isentas, estejam munidas de um indulto da Sé Apostólica, de costume, de um privilégio, até de um juramento, de uma confirmação apostólica ou de quaisquer outras espécies de faculdades. A não ser que, ou por uma instituição aprovada desde a origem pela Sé Apostólica, ou então em virtude de um costume, a celebração destas Missas nessas mesmas Igrejas tenha um uso ininterrupto superior a 200 anos. A estas Igrejas Nós, de maneira nenhuma, suprimimos nem a referida instituição, nem seu costume de celebrar a Missa; mas, se este Missal que acabamos de editar lhes agrada mais, com o consentimento do Bispo ou do Prelado, junto com o de todo Capítulo, concedemos-lhes a permissão, não obstante quaisquer disposições em contrário, de poder celebrar a Missa segundo este Missal.
Quanto a todas as outras sobreditas Igrejas, por Nossa presente Constituição, que será valida para sempre, Nós decretamos e ordenamos, sob pena de nossa indignação, que o uso de seus missais próprios seja supresso e sejam eles radical e totalmente rejeitados; e, quanto ao Nosso presente Missal recentemente publicado, nada jamais lhe deverá ser acrescentado, nem supresso, nem modificado. Ordenamos a todos e a cada um dos Patriarcas, Administradores das referidas Igrejas, bem como a todas as outras pessoas revestidas de alguma dignidade eclesiástica, mesmo Cardeais da Santa Igreja Romana, ou dotados de qualquer outro grau ou preeminência, e em nome da santa obediência, rigorosamente prescrevemos que todas as outras práticas, todos os outros ritos, sem exceção, de outros missais, por mais antigos que sejam, observados por costume até o presente, sejam por eles absolutamente abandonados para o futuro e totalmente rejeitados; cantem ou rezem a Missa segundo o rito, o modo e a norma por Nós indicados no presente Missal, e na celebração da Missa, não tenha a audácia de acrescentar outras cerimônias nem de recitar outras orações senão as que estão contidas neste Missal.
Além disso, em virtude de Nossa Autoridade Apostólica, pelo teor da presente Bula, concedemos e damos o indulto seguinte: que, doravante, para cantar ou rezar a Missa em qualquer Igreja, se possa, sem restrição seguir este Missal com permissão e poder de usá-lo livre e licitamente, sem nenhum escrúpulo de consciência e sem que se possa encorrer em nenhuma pena, sentença e censura, e isto para sempre.
Da mesma forma decretamos e declaramos que os Prelados, Administradores, Cônegos, Capelães e todos os outros Padres seculares, designados com qualquer denominação, ou Regulares, de qualquer Ordem, não sejam obrigados a celebrar a Missa de outro modo que o por Nós ordenado; nem sejam coagidos e forçados, por quem quer que seja, a modificar o presente Missal, e a presente Bula não poderá jamais, em tempo algum, ser revogada nem modificada, mas permanecerá sempre firme e válida, em toda a sua força.Não obstante todas as decisões e costumes contrários anteriores, de qualquer espécie: Constituições e Ordenações Apostólicas, ou Constituições e Ordenações, tanto gerais como especiais, publicadas em Concílios Provinciais e Sinodais; não obstante também o uso das Igrejas acima enumeradas, ainda que autorizado por uma prescrição bastante longa e imemorial, mas que não remonte a mais de 200 anos.Queremos e, pela mesma autoridade, decretamos que, depois da publicação de Nossa presente Constituição e deste Missal, todos os padres sejam obrigados a cantar ou celebrar a Missa de acordo com ele: os que estão na Cúria Romana, após um mês; os que habitam aquém dos Alpes, dentro de três meses; e os que habitam além das montanhas, após seis meses ou assim que encontrem este Missal à venda.
E para que em todos os lugares da Terra este Missal seja conservado sem corrupção e isento de incorreções e erros, por nossa Autoridade Apostólica e em virtude das presentes, proibimos a todos os impressores domiciliados nos lugares submetidos, direta ou indiretamente, à Nossa autoridade e à Santa Igreja Romana, sob pena de confiscação dos livros e de uma multa de 200 ducados de ouro, pagáveis à Câmara Apostólica, bem como aos outros domiciliados em qualquer outro lugar do mundo, sob pena de excomunhão ipso facto e de outras penas a Nosso alvitre, se arroguem, por temerária audácia, o direito de imprimir, oferecer ou aceitar esta Missa, de qualquer maneira, sem nossa permissão, ou sem uma licença especial de um Comissário Apostólico por Nós estabelecido, para estes casos, nos países interessados, e sem que antes, este Comissário ateste plenamente que confrontou com o Missal impresso em Roma, segundo a impressão típica, um exemplar do Missal destinado ao mesmo impressor, que lhe sirva de modelo para imprimir os outros, e que este concorda com aquele e dele não difere absolutamente em nada.E como seria difícil transmitir a presente Bula a todos os lugares do mundo cristão e leva-la imediatamente ao conhecimento de todos, ordenamos que, segundo o costume, ela seja publicada e afixada às portas da Basílica do Príncipe dos Apóstolos e da Chancelaria Apostólica, bem como no Campo de Flora. Ordenamos igualmente que aos exemplares mesmo impressos desta Bula, subscritos pela mão de um tabelião público e munidos, outrossim, do Selo de uma pessoa constituída em dignidade eclesiástica, seja dada, no mundo inteiro, a mesma fé inquebrantável que se daria à presente, caso mostrada ou exibida.Assim, portanto, que a ninguém absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição.

  Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo.
Dado em Roma perto de São Pedro, no ano da Encarnação do Senhor mil quinhentos e setenta, no dia 14 de Julho, quinto de Nosso Pontificado - Pio Papa V.

Leitura da Epístola dos

I Pedro 5,1-4 e 10-11
1 Eis a exortação que dirijo aos anciãos que estão entre vós; porque sou ancião como eles, fui testemunha dos sofrimentos de Cristo e serei participante com eles daquela glória que se há de manifestar. 2 Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação; 3 não como dominadores absolutos sobre as comunidades que vos são confiadas, mas como modelos do vosso rebanho. 4 E, quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de glória.10 O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará. 11 A ele o poder na eternidade! Amém

Sequência do Santo Evangelho


São Mateus 16, 13-19
13 Chegando ao território de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? 14 Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou um dos profetas. 15 Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? 16 Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! 17 Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. 18 E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. 19 Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

terça-feira, 4 de maio de 2021

04 de maio dia de Santa Mônica. Viúva.

04/05 Terça-feira
Festa de Terceira Classe 
Paramentos Brancos
   http://2.bp.blogspot.com/-dxzJihTSrq4/Tldx_p7gAdI/AAAAAAAAA7w/yHJ9cK9SWWY/s640/3+sta_monica.jpg
 A Igreja venera Santa Mônica, Santa esposa e viúva, não só por dar vida corporal a um dos mais importantes doutores da Igreja, Santo Agostinho, mas também também porque foi o principal instrumento do qual Deus se valeu para dar a este o dom da Fé.
 Agostinho tinha 17 anos e estudava retórica. Dois anos mais tarde, Mônica teve a pena de saber que seu filho levava uma vida dissoluta e tinha abraçado a heresia maniqueísta. Por esta razão e como maneira de motivá-lo ao arrependimento, Mônica lhe fechou as portas de sua casa durante algum tempo. Uma visão fez a Santa tratar menos severamente o filho. Sonhou que se achava no bosque, chorando a queda de Agostinho, quando lhe aproximou um personagem resplandecente que lhe perguntou a causa de sua pena. Este, depois de escutá-la e lhe secar as lágrimas, disse-lhe: "Seu filho está contigo". Quando Mônica contou a Agostinho o sonho, o jovem respondeu que Mônica não tinha mais que renunciar ao cristianismo para estar com ele; mas a Santa respondeu: "Não me disse que eu estava contigo, mas sim você estava comigo".
 O grande bispo Santo Ambrósio, que tinha se tornado muito amigo de Agostinho e sua mãe, teve também um papel muito importante na conversão do futuro santo. Finalmente, em agosto do ano 386, Agostinho anunciou sua completa conversão ao catolicismo. O santo deixou em suas "Confissões" algumas das conversações espirituais e filosóficas em que passou o tempo de preparação para o batismo. Santo Ambrósio batizou Agostinho na Páscoa do ano 387.

Os fiéis se encomendam, há muitos séculos, às orações de Santa Mônica, já que esta é padroeira das mulheres casadas e modelo das mães cristãs.
Santa Mônica, rogai pelas moças católicas.

Leitura da Epístola extraída do livro do 

I Timóteo 5,3-10
3 Não deve ser dado a bebidas, nem violento, mas condescendente, pacífico, desinteressado; 4 deve saber governar bem a sua casa, educar os seus filhos na obediência e na castidade. 5 Pois quem não sabe governar a sua própria casa, como terá cuidado da Igreja de Deus? 6 Não pode ser um recém-convertido, para não acontecer que, ofuscado pela vaidade, venha a cair na mesma condenação que o demônio. 7 Importa, outrossim, que goze de boa consideração por parte dos de fora, para que não se exponha ao desprezo e caia assim nas ciladas diabólicas. 8 Do mesmo modo, os diáconos sejam honestos, não de duas atitudes nem propensos ao excesso da bebida e ao espírito de lucro; 9 que guardem o mistério da fé numa consciência pura. 10 Antes de poderem exercer o seu ministério, sejam provados para que se tenha certeza de que são irrepreensíveis.

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 7,11-16
11 No dia seguinte dirigiu-se Jesus a uma cidade chamada Naim. Iam com ele diversos discípulos e muito povo. 12 Ao chegar perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto a ser sepultado, filho único de uma viúva; acompanhava-a muita gente da cidade. 13 Vendo-a o Senhor, movido de compaixão para com ela, disse-lhe: Não chores! 14 E aproximando-se, tocou no esquife, e os que o levavam pararam. Disse Jesus: Moço, eu te ordeno, levanta-te. 15 Sentou-se o que estivera morto e começou a falar, e Jesus entregou-o à sua mãe. 16 Apoderou-se de todos o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta surgiu entre nós: Deus voltou os olhos para o seu povo.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

segunda-feira, 3 de maio de 2021

3 de maio Encontro da Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

03/05 Segunda-feira
Festa de Quarta Classe 
Paramentos Brancos 

Relíquia da Cruz de Nosso Senhor 
no Mosteiro da Santa Cruz
  Esta festa é também chamada da Cruz Gloriosa. E os Orientais denominam-na «da preciosa Cruz Portadora de Vida». É uma das mais antigas solenidades litúrgicas da Igreja; celebrava-se já em Jerusalém no tempo de Constantino (337). A Cruz que «se exaltava» neste dia era menos a de Jesus a sofrer no Calvário que a de Cristo glorioso subindo para o seu Pai, depois de vencer a morte e salvar o mundo. O que se recorda na festa de hoje é portanto o triunfo de Cristo e a mudança por ele causada na condição humana; isto tinha-o Jesus anunciado repetidamente. Por exemplo, quando dizia: «Quando elevardes o Filho do Homem, então sabereis quem sou» (Jo 8, 28); e ainda: «Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também tem de ser levantado o Filho do Homem, a fim de que todo aquele que n 'Ele crer tenha a vida eterna» (Jo 3, 14); e por fim: «Eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a Mim» (Jo 12,32). Começou a celebrar-se o aniversário da invenção ou encontro da Santa Cruz (cf. Santa Helena) e a dedicação da Basílica do Santo Sepulcro na primeira metade do século IV, no dia 14 de Setembro. 
  Eusébio de Cesaréia conta-nos, na Vida que escreveu do primeiro Imperador cristão, as festas celebradas em sua honra, ao completar treze anos de reinado. Durante esse período realizou-se a dedicação da Basílica do Salvador, em Jerusalém. Era um conjunto de Santuários destinados a perpetuar a memória dos fatos mais importantes da Paixão e da Ressurreição do Senhor. Sobressaíam o Martyrium, grande átrio central com o seu oratório adjacente, e a Anástasis ou Santuário da Ressurreição, o Santo Sepulcro. A dedicação desta imponente Basílica cristã realizou-se a 14 de Setembro de 335, na presença de tudo quanto havia de maior na corte e de centenas de bispos. A peregrina Etéria, do Ocidente ibérico, descreve-nos a cidade de Jerusalém no dia e na noite de dedicação do Santo Sepulcro. Para lá convergem multidões de monges de toda a parte, da Mesopotâmia e da Síria, do Egito e da Tebaida. Vão leigos de todas as províncias, homens e mulheres de alma fiel e devota. 
  Os bispos com o seu clero atingem sempre número muito alto, considerando-se serem pouquíssimos quando não passam de 40 ou 50. A festa de 14 de Setembro passou de Jerusalém a todo o Oriente; e depois ao Ocidente. Roma recebeu-a no século VII. E, tirando-lhe todo o caráter local palestinense, reduziu-a à festa do triunfo e Exaltação da Santa Cruz. Tinha a sua razão. O mais característico da dedicação da Basílica de Jerusalém era a apresentação solene da verdadeira cruz. Esta manifestação da cruz autêntica, em que morrera o Salvador, era o que arrebatava e levava a Jerusalém as multidões. Santa Maria Egipcíaca foi vê-Ia por curiosidade e com isso curou a sua vida desregrada e converteu-se. Por todo o mundo cristão depressa se espalharam relíquias da verdadeira cruz e as Igrejas particulares gostavam de reproduzir a solenidade de Jerusalém, mostrando ao povo fiel a parte que elas possuíam da cruz, bandeira triunfal da salvação humana. No Ocidente confundiu-se mais tarde esta primeira festa da Dedicação da Basílica de Jerusalém, ou da Exaltação da Santa Cruz, com a invenção ou encontro da mesma, quando o Imperador Heráclio a recuperou dos Persas, que a tinham furtado. O Imperador em pessoa levou-a às costas desde Tiberíades até Jerusalém, onde a entregou ao Patriarca Zacarias, a 3 de Maio de 630. A recuperação da Cruz encheu de alegria os corações cristãos, sobretudo ocidentais. Por isso, ao mesmo tempo que os Orientais continuaram a celebrar com grande esplendor a Dedicação da Basílica do Salvador em Jerusalém, a 14 de Setembro, no Ocidente deu-se maior atenção à festa de 3 de Maio ou à invenção, que recebeu o título de dia da Santa Cruz ou Invenção da Santa Cruz.
 O trono a que Nosso Senhor Jesus Cristo quer ser elevado, para triunfar da soberba e da sensualidade, é a Cruz, selo de inramia para Ele, mas sede de misericórdia para nós. Nesse trono O sentaram um dia os Judeus por malícia e nele se sentam cada dia a fé cristã, que no Crucifixo adora o seu Deus e Redentor.
 Num túmulo do cemitério de Ciríaca, encontrou Pio IX uma cruz antiga de ouro, na qual estava gravada esta inscrição: CRUX EST VITA MIHI (a cruz é vida para mim), MORS INIMICE TIBI (e morte para ti, ó inimigo).
 Esta preciosa inscrição conserva-se hoje na Biblioteca Vaticana.
Formosa e densa de sentido são também a seguinte inscrição beneditina, expoente de grande fé e devoção:
Crux saneta sit mihi lux (a Santa Cruz seja para mim luz), Numquam Daemon sit mihi dux (e o demônio nunca seja o meu guia).

Com grande concisão, expressaram os antigos a eficácia da Cruz de Cristo, sinal triunfal da nossa redenção, no anagrama grego que significa: A Cruz é luz e é vida.

Leitura da Epístola dos

São Tiago 1,17-21
17.Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem mesmo aparência de instabilidade.18.Por sua vontade é que nos gerou pela palavra da verdade, a fim de que sejamos como que as primícias das suas criaturas.19.Já o sabeis, meus diletíssimos irmãos: todo homem deve ser pronto para ouvir, porém tardo para falar e tardo para se irar;20.porque a ira do homem não cumpre a justiça de Deus.21.Rejeitai, pois, toda impureza e todo vestígio de malícia e recebei com mansidão a palavra em vós semeada, que pode salvar as vossas almas.

Sequência do Santo Evangelho

São João 16, 5-14

5.Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: Para onde vais?6.Mas porque vos falei assim, a tristeza encheu o vosso coração.7.Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.8.E, quando ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo.9.Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em mim. 10.Ele o convencerá a respeito da justiça, porque eu me vou para junto do meu Pai e vós já não me vereis;11.ele o convencerá a respeito do juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado. 12.Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora.13.Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.14.Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário. 

domingo, 2 de maio de 2021

Quarto Domingo depois da Páscoa

02/05 4º Domingo depois da Páscoa
Festa de Segunda Classe
Paramentos Brancos 

São João diante da Porta Latina

  Apóstolo São João, diante da Porta Latina de Roma; tradição conta ocorreu então o martírio de São João, que é comemorado hoje. O Imperador Domiciano o fez prender e levar a Roma. Na Cidade Eterna, ele foi flagelado e colocado num caldeirão de azeite fervendo. Mas o Apóstolo virgem saiu dele rejuvenescido e sem sofrer dano algum. Domiciano, espantado com o grande milagre, não ousou atentar uma segunda vez contra ele, mas o desterrou para a ilha de Patmos, que era pouco mais do que um rochedo. Foi ali, segundo a Tradição, que São João escreveu o mais profético dos livros das Sagradas Escrituras, o Apocalipse.

Após a morte de Domiciano, o Apóstolo voltou a Éfeso. É lá que, segundo vários Padres e Doutores da Igreja, para combater as doutrinas nascentes de Cerinto e de Ebion — que negavam a natureza divina de Cristo — escreveu ele seu Evangelho 4. Ordenou antes a todos os fiéis um jejum que ele mesmo observou rigorosamente, para em seguida ditar a seu discípulo Prócoro, no alto de uma montanha, o monumento que é seu Evangelho. Transportado em Deus, com um vôo de águia, ele o começa de uma altura sublime: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus”. Este Evangelho, dos mais sublimes textos jamais escritos, era tido em tanta veneração pela Igreja, que figura no ordinário da Missa promulgada por São Pio V, pela fundamental doutrina que contém. Segundo São João Crisóstomo, os próprios Anjos aí aprenderam coisas que não sabiam. São João escreveu também três Epístolas, sempre visando estabelecer a verdadeira doutrina contra erros incipientes que se infiltravam na Igreja. Segundo uma tradição, o discípulo que Jesus amava teria morrido em Éfeso, provavelmente em 27 de dezembro do ano 101 ou 102.

Leitura da Epístola dos

São Tiago 1,17-21
17.Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem mesmo aparência de instabilidade.18.Por sua vontade é que nos gerou pela palavra da verdade, a fim de que sejamos como que as primícias das suas criaturas.19.Já o sabeis, meus diletíssimos irmãos: todo homem deve ser pronto para ouvir, porém tardo para falar e tardo para se irar;20.porque a ira do homem não cumpre a justiça de Deus.21.Rejeitai, pois, toda impureza e todo vestígio de malícia e recebei com mansidão a palavra em vós semeada, que pode salvar as vossas almas.

Sequência do Santo Evangelho

São João 16, 5-14

5.Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: Para onde vais?6.Mas porque vos falei assim, a tristeza encheu o vosso coração.7.Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.8.E, quando ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo.9.Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em mim. 10.Ele o convencerá a respeito da justiça, porque eu me vou para junto do meu Pai e vós já não me vereis;11.ele o convencerá a respeito do juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado. 12.Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora.13.Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.14.Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário. 

02 de maio dia de Santo Atanásio.

 

"Se o mundo for contra a Verdade... então eu serei contra o mundo"
(Santo Atanásio de Alexandria)
Exemplo de Resistência Católica em tempos de Crise.

   Nascido no Egito presenciou ainda jovem ao Concílio de Nicéia, onde foi definida a Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, consubstancial ao Pai. Como bispo de Alexandria, durante 45 anos combateu arduamente o erro, pela pregação e por meio de escritos, e sofreu por isso cruéis perseguições e calúnias, sendo cinco vezes desterrado. Toda a vida de Santo Atanásio pode resumir-se como a proclamação dessa grande verdade de fé contra a heresia ariana, que chegou a dominar a hierarquia eclesiástica de quase todo o mundo. 
    Santo Atanásio, defensor do homoousios em latim «consubstantialis»: indica que o Filho, o «Logos», é «da mesma natureza» do Pai, é Deus de Deus, é sua natureza, destroçando a Heresia de Ário, daqui por diante torna se, esta declaração Concíliar a reta doutrina professada a qual ante tinha sido vista no Sínodo Local de Alexandria que condenara Ário em 319. Significava que o Filho é da mesma natureza (= Divindade) que o Pai; não saiu do nada como as criaturas, mas desde toda a eternidade foi gerado sem dividir a natureza divina. Neste mesmo Concílio que abrangeria a catolicidade na época a Heresia de Ário é condenada pelos representantes Papais e por todos os outros Bispos menos dois.


  Exemplo de fidelidade em defesa da Fé Única.

  O que estamos vivendo desde 1962 até hoje é algo pior, pois é uma crise sem precedentes instalada pelos neomodernista e os modernista que hoje dominam a hierarquia eclesiástica que é um resumo de várias heresias; pois na época de Santo Atanásio era uma só heresia do arianismo, hoje, são várias heresias espalhadas por toda a parte.
   Os Modernistas conciliares  aprovaram o Concílio Primaveril espalham e ensinam dentro da Igreja erros modernistas e não defendendo a sã doutrina.  Assim são os Modernistas.
     Fizeram o Concílio Vaticano II para que seja sinal de estarem corretos.              Quem não aceita o Concílio Vaticano II com seus vários textos cheios de suas heresias; são condenados, exiliados e caluniados como Monsenhor Dom Marcel Lefebvre, Monsenhor Dom Antônio de Castro Mayer e nós que seguimos fielmente nesta mesma linha Católica em defesa da Fé Tradicional contra o Modernismo.


"Levemos em conta que a própria tradição, ensinamento e fé da Igreja Católica 
desde o principio dada pelo Senhor, foi pregada pelos apóstolos e 
foi preservada pelos pais, nisto foi fundada a Igreja e se alguém se 
afasta dela não deve ser chamado de CRISTÃO.''
(Santo Atanásio de Alexandria)

       Somos poucos, com a graça divina e a intercessão Santo Atanásio combateremos arduamente as varias negações de dogmas definidos e de documentos da Santa Igreja, não tenhamos medo de defender a Santa Doutrina Tradicional contra os erros modernistas consumado em textos do Concílio Vaticano II.
    Santo Atanásio não vacilou defendeu mesmo custando sua prisão, exílio e excomunhão. 
    E depois de anos, mais tarde, foi considerado reabilitado e injustamente condenado.
    Santo Atanásio é um GRANDE SANTO da Santa Igreja, seu nome está escrito no can. dos Santos.
   O papa Libério foi considerado errado e um mau papa por não defender a Santa Doutrina.
    
    Tenhamos certeza que estamos certos nesta defesa pois o Santo Papa São Pio X já condenou os erros modernistas; quem segue ESTES erros Modernistas contidos em vários textos do Concílio Vaticano II está em grave desobediência e coloca em jogo sua salvação ETERNA por não defender a Santa Doutrina Tradicional. 
  

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário. 

sábado, 1 de maio de 2021

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCCXVIII (718) – 17 de abril de 2021

 

DESINTEGRAÇÃO DO PAPA – I

Devemos temer os gregos, mesmo quando nos trazem presentes?

Dos modernistas, mesmo aqueles gregos não chegam nem perto!


 Numa entrevista que divulgou no início do mês passado, o Superior Geral da Fraternidade São Pio X, o Pe. Davide Pagliarani, abordou com suas próprias palavras um tema de suma importância na Igreja e no mundo de hoje, mas que nem sempre se aborda, por ser tão impensável, a saber, a desintegração do pensamento. Ao tentar analisar o pensamento do Papa Francisco, o Pe. Pagliarani conclui que o Papa, em seu desejo de chegar ao homem moderno onde quer que este esteja, abandonou todo sistema de pensamento, toda filosofia ou teologia católica no sentido clássico dessas duas palavras. Isso significaria que, para chegar ao homem moderno, o Papa Francisco está renunciando à doutrina católica. Segue-se o argumento do S. G.

O Papa Francisco está “acima” de todos os sistemas de pensamento. Enquanto para João Paulo II certas doutrinas eram intocáveis, e enquanto Bento XVI sempre se preocupou em parecer fiel à Tradição, o Papa Francisco, pelo contrário, está demolindo todos os bastiões católicos do passado. Na verdade, era inevitável que como o Vaticano II (1962-1965) com sua liberdade religiosa e seu ecumenismo minou o dogma da Igreja, com o passar das décadas, seu ensino moral sem base no dogma também cedesse. Assim, com sua Amoris Laetitia de 2016, o Papa Francisco ensinou, como doutrina solene da Igreja, uma abordagem completamente nova da moral, a saber, a Santa Madre Igreja deve enfrentar os fatos modernos e tornar-se um tipo totalmente diferente de mãe. Ela não pode mais impor-se a si mesma e impor suas leis como sempre fez. Agora ela deve ouvir, compreender e acompanhar seus filhos, adaptando-se passivamente ao que eles fazem. Obviamente, os princípios morais vão mudar com a mudança da prática dos homens segundo a evolução das circunstâncias históricas.

Assim, Francisco interpreta mal o amor, pois nenhuma mãe ama seu filho que se afoga em um rio perigoso pulando para afogar-se com ele. Ele entende mal a misericórdia: não é ter misericórdia de um homem deixá-lo em um estado de pecado que desagrada a Deus. Com tal falsificação do verdadeiro amor e da verdadeira misericórdia de Deus, a Igreja não só renuncia a toda a ordem sobrenatural, mas também deixa o homem "livre" na ordem natural, de modo que nenhum bastião permanece, porque a Santa Madre Igreja se adaptou aos pecados do mundo, não fazendo mais exigências a seus filhos. Com o Vaticano II, ela se adaptou ao mundo. Com o Papa Francisco ela vai mais longe, adaptando-se aos pecados do mundo, deixando seus filhos, profundamente feridos pelo pecado original, sem nenhuma graça sobrenatural que os cure.

O que então o Papa Francisco propõe em vez disso como objetivo ou como metas para a Igreja e o mundo? Em primeiro lugar, a imposição universal de uma ecologia integral utópica, para cuidar da Mãe Terra (Pachamama) em todos os aspectos materiais (Laudato Sí, 2015), e, em segundo lugar, uma irmandade universal quase maçônica para cuidarmos de nossos semelhantes (Fratelli Tutti, 2019). Assim, a Santa Madre Igreja se reduz a um sacerdócio puramente natural, despojado de todo poder sobrenatural, a serviço do estado laico em todo o seu humanismo secular supostamente superior.

O Superior Geral conclui que a verdadeira resposta para todos os problemas modernos é que a Santa Madre Igreja volte a pregar a doutrina infalível, ou seja, a dimensão sobrenatural e o destino do homem no Céu eterno, a Queda do homem no tempo com sua consequência duradoura do Pecado Original, e a necessidade absoluta da graça de Cristo para vencer o pecado. A doutrina de Cristo Rei encarna por si mesma a eternidade do Céu, a vitória do Redentor sobre o pecado e a ajuda indispensável da graça sobrenatural que Ele trouxe como Redentor para permitir que os homens cheguem ao céu. E Sua Mãe terá um papel muito especial no que será a vitória final da Igreja sobre o triunfo passageiro de erros tão sutis e perniciosos.

Essa análise do Superior Geral sobre o pensamento e a ação do Papa apresenta uma coerência e uma lógica pela qual todos devemos ser gratos. Certamente há alguma luz na cúpula da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Dizemos, sinceramente, graças a Deus. Mas isso significa que a Fraternidade está fora de perigo? Isso ainda está por ver-se. O Doutor não tem enquanto tal as virtudes do Mártir. Queira Deus...

Kyrie eleison.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário. 


Solenidade São José Operário Castíssimo Esposo da Santíssima Virgem

01/05 Sábado
Festa de Primeira Classe
Paramentos Brancos

  São José o Castíssimo Esposo de Maria Santíssima e pai adotivo de Nosso Senhor Jesus vêm das Escrituras. Casou-se com Maria por volta de 30 anos de idade e, por seu caráter, foi escolhido a dedo por Deus para guardar a virgindade de nossa Mãe Maria Santíssima. Diz-se também que morreu aos 60 anos de idade, antes do início da vida pública de seu Filho Jesus Cristo. Foi Carpinteiro, tanto que, em Nazaré, perguntaram em relação a Jesus, "Não é este o filho do carpinteiro?" (Mateus 13,55). Apesar de seu humilde trabalho e suas condições,São José veio de uma linhagem real. São Lucas e São Mateus dão genealogia de São José, ambos marcam sua descendência a partir de Davi, o maior rei de Israel (Mateus 1,1-16 e Lucas 3,23-38). Realmente o anjo que primeiro conta a São José sobre Nosso Senhor Jesus o saúda como "filho de Davi," um título real usado também para Nosso Senhor Jesus. Sabemos que São José foi um homem Justo. 
  Quando ele soube que Maria estava grávida, não era dele mas desconhecia, até então, que ela estava carregando o Filho de Deus. Ele planejou separar-se de Maria de acordo com a lei, mas temeu pela segurança e o sofrimento dela e do bebê. Ele sabia que mulheres acusadas de adultério poderiam ser apedrejadas até a morte, então ele decidiu deixá-la silenciosamente e não expor Maria a vergonha ou crueldade (Mateus 1,19-25). Sabemos que São José temente e firme na fé, obediente a tudo o que Deus pedisse a ele sem preocupar-se com os resultados. Quando o anjo apareceu a José em um sonho e contou-lhe a verdade sobre a criança que Maria estava carregando, São José imediatamente e sem questionar torne seu guardião. Quando o anjo reapareceu para dizer-lhe que sua família estava em perigo, ele imediatamente deixou tudo o que possuía, todos os seus parentes e amigos, e escapou para um país estranho, desconhecido, com sua jovem esposa e o bebê. Ele aguardou no Egito sem questionar até que o anjo disse a ele que já era seguro retornar (Mateus 2,13-23). 
 Sabemos que São José amava Jesus. Sua única preocupação era com a segurança desta criança confiada a ele. Ele não apenas deixou seu lar para proteger Jesus mas na ocasião de seu retorno fixou residência na obscura cidade de Nazaré sem temer por sua vida. Quando Nosso Senhor Jesus ficou no Templo, São José (junto com Maria) procurou por ele com grande ansiedade por três dias (Lucas 2,48). Sabemos também que São José tratava a Nosso Senhor Jesus como seu próprio filho tanto que as pessoas de Nazaré constantemente repetiam com relação a Nosso Senhor Jesus, "Não é este o filho de José?" (Lucas 4,22) Ele levava sua família a Jerusalém todo ano para a Páscoa, algo que não poderia ter sido fácil para um Carpinteiro. Já que São José não aparece na vida pública de Nosso Senhor Jesus Cristo, em sua morte, ou ressurreição, muitos historiadores acreditam que José provavelmente havia morrido antes que Nosso Senhor Jesus iniciasse seu sacerdócio.

Celebramos dois dias festivos para São José: 19 de março para São José o Castissimo Esposo de Maria Santissima e 1 de maio para São José o Operario. 

Leitura da Epístola de São Paulo aos

Colossense 3,14-15,17,23-24 14.
Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição.15.Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 17.Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 23.Tudo o que fizerdes, fazei-o de bom coração, como para o Senhor e não para os homens,24.certos de que recebereis, como recompensa, a herança das mãos do Senhor. Servi a Cristo, Senhor.

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 13,54-58
54.Foi para a sua cidade e ensinava na sinagoga, de modo que todos diziam admirados: Donde lhe vem esta sabedoria e esta força miraculosa?55.Não é este o filho do carpinteiro? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?56.E suas irmãs, não vivem todas entre nós? Donde lhe vem, pois, tudo isso?57.E não sabiam o que dizer dele. Disse-lhes, porém, Jesus: É só em sua pátria e em sua família que um profeta é menos prezado.58.E, por causa da falta de confiança deles, operou ali poucos milagres.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.