segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

18 de fevereiro dia de São Simeão,Bispo e Martir

18/02 Segunda-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos

São Simeão saudamos um parente próximo de Nosso Senhor Jesus Cristo. O pai, Cleófas, era irmão de São José, e sua mãe , Maria, parenta muito chegada da SS.Virgem. Era irmão do Apóstolo São Tiago Menor, amigo muito dedicado de Nosso Senhor, testemunha ocular de sua Paixão e Ressurreição.
Com os demais Apóstolos recebeu o Espírito Santo no dia de Pentecostes, e quando estes procuraram cada um o campo de sua ação evangélica, Simeão ficou em Jerusalém, com seu irmão Tiago, primeiro Bispo daquela cidade. São Tiago sucumbiu à sanha feroz dos judeus e morreu mártir. São Simeão, por ordem do Conselho dos Apóstolos, continuou a obra do irmão, sucedendo-lhe como Bispo de Jerusalém. 
Com um zelo verdadeiramente apostólico, pregou a doutrina de Cristo a judeus e pagãos, e pelo exemplo edificou a jovem Igreja. Sob seu governo cumpriu-se a terrível profecia de Nosso Senhor sobre Jerusalém. Os judeus, em vez de ouvir os conselhos dos Apóstolos, correram atrás de falsos profetas e levantaram-se contra os romanos, o que foi sua perdição. Antes, porém, do imperador Vespasiano cercar e atacar a cidade, os cristãos, por um aviso que receberam do céu, tiveram tempo de providenciar o seu êxodo. Simeão, obedecendo à voz de Deus, retirou-se para a cidade de Pela, onde, com toda a calma, pode dedicar- se ao munus apostólico, enquanto em Jerusalém não ficou pedra sobre pedra. Mais de um milhão de homens morreram de fome, de miséria, vitimados por doenças, ou crucificados pelos romanos; cem mil judeus foram levados à escravidão. Tendo terminado o terrível castigo, com que Deus profligou a cidade deicida, os cristãos voltaram, e por entre os escombros e ruínas construíram casas e continuaram a viver em paz, servindo a Deus Nosso Senhor. Muitos judeus, vendo os grandes milagres que o Apóstolo fazia, converteram-se ao cristianismo. O demônio, inimigo de todo o bem, observou com maus olhos o progresso da religião de Cristo na Capital da Judéia. Não lhe sendo possível causar maiores males, semeou cizânia que medrou produzindo várias heresias, as quais S. Simeão pode logo abafar.

Trajano era imperador de Roma. Na perseguição que decretou contra os cristãos, visou principalmente evitar, que a família e os descendentes daquela estirpe pudessem conceber a ideia de restaurar o reino dravídico ou de proclamar um novo Messias, e levar os judeus a uma grande rebelião. Foi bastante esta preocupação do monarca, para os judeus e hereges de Jerusalém lhe denunciarem o nome de Simeão, que realmente era da família de Davi.

Simeão, ancião de 120 anos, recebeu ordem de prisão e intimação de prestar homenagem aos deuses. “Nunca, nunca – foi à resposta do venerável Apóstolo – nunca jamais farei tal coisa, negando e traindo assim meu Mestre e Senhor Jesus Cristo. Teus deuses têm sido entes infames e ímpios; Jesus Cristo, porém, é Deus verdadeiro”. – No meio da cruel flagelação, a que o desumano governador o sujeitou, Simeão louvou e bendisse o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Vendo que nada conseguia, o governador condenou-o à morte da cruz. Honra maior não lhe podia ser dispensada, e por isso Simeão, ouvindo esta sentença, exultou de alegria. Ele próprio se estendeu sobre o instrumento do martírio e ofereceu aos algozes as mãos e os pés. Do alto da cruz ainda confessou o nome do divino Mestre, rezou pelos inimigos e entregou o espírito.

Leitura da Epístola de São Paulo aos

II Coríntios 11,19-30
e 12,1-9 
19 Vós, sendo homens sensatos, suportais de boa mente os loucos... 20 Sim, tolerais a quem vos escraviza, a quem vos devora, a quem vos faz violência, a quem vos trata com orgulho, a quem vos dá no rosto. 21 Sinto vergonha de o dizer; temos mostrado demasiada fraqueza... Entretanto, de tudo aquilo de que outrem se ufana (falo como um insensato), disto também eu me ufano. 22 São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. 23 São ministros de Cristo? Falo como menos sábio: eu, ainda mais. Muito mais pelos trabalhos, muito mais pelos cárceres, pelos açoites sem medida. Muitas vezes vi a morte de perto. 24 Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta açoites menos um. 25 Três vezes fui flagelado com varas. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei, uma noite e um dia passei no abismo. 26 Viagens sem conta, exposto a perigos nos rios, perigos de salteadores, perigos da parte de meus concidadãos, perigos da parte dos pagãos, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos! 27 Trabalhos e fadigas, repetidas vigílias, com fome e sede, freqüentes jejuns, frio e nudez! 28 Além de outras coisas, a minha preocupação cotidiana, a solicitude por todas as igrejas! 29 Quem é fraco, que eu não seja fraco? Quem sofre escândalo, que eu não me consuma de dor? 30 Se for preciso que a gente se glorie, eu me gloriarei na minha fraqueza.1 Importa que me glorie? Na verdade, não convém! Passarei, entretanto, às visões e revelações do Senhor. 2 Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. 3 E sei que esse homem - se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe - 4 foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. 5 Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas. 6 Pois, ainda que me quisesse gloriar, não seria insensato, porque diria a verdade. Mas abstenho-me, para que ninguém me tenha em conta de mais do que vê em mim ou ouve dizer de mim. 7 Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. 8 Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. 9 Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 8, 4-15
4 Havia se reunido uma grande multidão: eram pessoas vindas de várias cidades para junto dele. Ele lhes disse esta parábola: 5 Saiu o semeador a semear a sua semente. E ao semear, parte da semente caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram. 6 Outra caiu no pedregulho; e, tendo nascido, secou, por falta de umidade. 7 Outra caiu entre os espinhos; cresceram com ela os espinhos, e sufocaram-na. 8 Outra, porém, caiu em terra boa; tendo crescido, produziu fruto cem por um. Dito isto, Jesus acrescentou alteando a voz: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 9 Os seus discípulos perguntaram-lhe a significação desta parábola. 10 Ele respondeu: A vós é concedido conhecer os mistérios do Reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendam. 11 Eis o que significa esta parábola: a semente é a palavra de Deus. 12 Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem; mas depois vem o demônio e lhes tira a palavra do coração, para que não creiam nem se salvem. 13 Aqueles que a recebem em solo pedregoso são os ouvintes da palavra de Deus que a acolhem com alegria; mas não têm raiz, porque crêem até certo tempo, e na hora da provação a abandonam. 14 A que caiu entre os espinhos, estes são os que ouvem a palavra, mas prosseguindo o caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas e prazeres da vida, e assim os seus frutos não amadurecem. 15 A que caiu na terra boa são os que ouvem a palavra com coração reto e bom, retêm-na e dão fruto pela perseverança. 

  Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCII (602) (26 de janeiro de 2019)

MACABEUS? ONDE?


"Onde estarão hoje os heroicos Macabeus?",
Gritou o Arcebispo. Resposta: saíram para jogar.
O que significa a reunificação da Fraternidade Sacerdotal São Pio X com Roma para a grande multidão de habitantes do mundo, e mesmo para o grande número de seus católicos? A resposta deve ser: muito pouco. Da mesma forma, quando os passageiros do Titanic viram uma equipe de engenheiros descendo ao convés para investigar alguma coisa, eles podem não ter demonstrado muito interesse, mas assim que souberam que seu grande navio estava condenado, o interesse deles deve ter crescido bastante. A Igreja Católica atingiu o iceberg do Vaticano II a mais de 50 anos atrás. Um grande engenheiro da Igreja avisou o Capitão da Igreja sobre o que havia acontecido e qual seria o resultado, e mostrou como fazer a Igreja parar de afundar. Infelizmente, o Arcebispo Lefebvre não foi ouvido pelos capitães nem então nem desde então, e seus sucessores desencorajados preferem hoje ouvir os capitães equivocados, que são, se a Fraternidade já não mostra a verdadeira saída, dignos de pena.
Vamos recordar os últimos seis anos do processo de reunificação e analisar a situação atual.
O passo decisivo nesse processo foi o Capítulo Geral da Fraternidade de 2012, em que ela renunciou ao princípio fundamental do Arcebispo de que sem um acordo doutrinal entre a Fraternidade e Roma, nenhum acordo meramente prático poderia servir à Igreja. Isto se dá porque um católico é católico em primeiro lugar por sua virtude subjetiva de fé, submetendo sua mente e sua vontade ao credo objetivo da Fé da Igreja. O que o erro do subjetivismo faz é transformar a Fé objetiva em subjetiva, para que eu fique livre para acreditar no que eu quiser e, consequentemente, comportar-me como eu quiser. Como acreditar que 2 e 2 são 4, ou 5 ou 6 ou 6.000.000. Esta infidelidade do Vaticano II foi adotada essencialmente pela Fraternidade em 2012, ainda que os líderes da Fraternidade tenham imediatamente começado a assegurar a seus sacerdotes e leigos de que nada essencial havia mudado na mesma Fraternidade. MAS:
Em 2013, começou uma série de reuniões publicamente admitidas em Roma com as autoridades romanas, para preparar um processo gradual de reconhecimento pleno. Este processo foi devidamente seguido.
Em 2014, ocorreram visitas de dignitários romanos aos seminários da FSSPX, e houve a "concessão" temporária do Jubileu da jurisdição oficial para Confissões da FSSPX.
Em 2015, a "concessão" para Confissões e para extrema-unção tornou-se permanente.

Em 2016, as Ordenações sacerdotais na FSSPX não deveriam mais ser punidas com a suspensão "a divinis".
Em 2017, os Matrimônios dentro da Fraternidade se tornaram "lícitos" com a participação de um sacerdote da Neoigreja como testemunha.
Em 2018, o Capítulo Geral da FSSPX elegeu para seu Conselho Geral três homens que não são tigres da Fé, e criou duas novas posições ao lado deles (Conselheiros Gerais) para permitir que o Bispo Fellay e o Pe. Schmidberger conservassem seu poder como os dois principais tigres da reunificação.
E em 2019? – Roma realizou a reabsorção da Comissão Ecclesia Dei (ED) para dentro da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), da qual foi retirada em 1988 para reincorporar a Roma os católicos tentados, pelas consagrações episcopais da Fraternidade, a seguir o Arcebispo em vez de Roma. Como tal, a ED foi concebida para ser relativamente gentil com os tradicionalistas. Mas o Papa Francisco não está nem aí para a Tradição. Portanto, como a Neofraternidade agora concorda com Roma que não há mais o conflito com Roma que havia em 1988, ele pôs fim à ED. Mas a ED foi gentil com a Tradição, enquanto os da CDF são tigres da Neoigreja. Como Chapeuzinho Vermelho, a Neofraternidade está se lançando nas mandíbulas de Roma – "Oh, doce Lobo Romano, para que esses dentes tão grandes?!", "É para ter devorar melhor, sua criancinha tola!".
E a Fraternidade? Assim como estará feliz por Roma ter dissolvido a ED porque a CFD a tratará então como pertencente plenamente à Igreja, também arrisca a ficar feliz se Roma vincular a ela dois Neobispos relativamente decentes para que cuidem das Ordenações e das Confirmações, mas de fora da Fraternidade e sempre sob o controle mesmo de Roma. Da parte de Roma, seria uma jogada inteligente, fechando ainda mais a arapuca sobre o que resta da Fraternidade do Arcebispo. E quantos sacerdotes da Neofraternidade sequer veriam que aqui há "um mar de problemas", e menos ainda se poriam a "pegar em armas, para acabar com eles"(Hamlet)? Não muitos, pode-se temer.
Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

Domingo da Sexagésima

17/02 Domingo da Sexagésima 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos  
     Sexagésima ou, na íntegra, Sexagésima domingo , é o nome para o segundo domingo antes da quarta- feira de cinzas no rito gregoriano do calendário Liturgico da Igreja Católica Romana. O nome "Sexagésima" é derivado do latim sexagesimus, que significa "sexagésimo", e parece ser uma volta formação de Quinquagésima , o termo usado antigamente para designar o último domingo antes da Quaresma (o último nome em alusão ao fato de que há cinqüenta dias entre o domingo da Páscoa, e se contarmos os dois dias próprios no total). Através do mesmo processo, no domingo antes Sexagésima foi anteriormente conhecido como Septuagésima Domingo , e marcou o início da Quaresma , que acabou se tornando o tempo de Carnaval celebrações em toda a Europa , este costume sendo posteriormente exportados para lugares assentados e/ ou colonizados pelos europeus. Enquanto Quinquagésima (dia 50) é matematicamente correta (permitindo a contagem inclusiva), Sexagésima e Septuagesima são apenas aproximações (o número exato de dias é de 57 e 64 respectivamente). A primeira Sexagésima pode ocorrer em 25 de janeiro e a última em 28 de fevereiro (ou 29 de fevereiro em um ano bisexto ).
Leitura da Epístola de São Paulo aos

II Coríntios 11,19-30
e 12,1-9 
19 Vós, sendo homens sensatos, suportais de boa mente os loucos... 20 Sim, tolerais a quem vos escraviza, a quem vos devora, a quem vos faz violência, a quem vos trata com orgulho, a quem vos dá no rosto. 21 Sinto vergonha de o dizer; temos mostrado demasiada fraqueza... Entretanto, de tudo aquilo de que outrem se ufana (falo como um insensato), disto também eu me ufano. 22 São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. 23 São ministros de Cristo? Falo como menos sábio: eu, ainda mais. Muito mais pelos trabalhos, muito mais pelos cárceres, pelos açoites sem medida. Muitas vezes vi a morte de perto. 24 Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta açoites menos um. 25 Três vezes fui flagelado com varas. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei, uma noite e um dia passei no abismo. 26 Viagens sem conta, exposto a perigos nos rios, perigos de salteadores, perigos da parte de meus concidadãos, perigos da parte dos pagãos, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos! 27 Trabalhos e fadigas, repetidas vigílias, com fome e sede, freqüentes jejuns, frio e nudez! 28 Além de outras coisas, a minha preocupação cotidiana, a solicitude por todas as igrejas! 29 Quem é fraco, que eu não seja fraco? Quem sofre escândalo, que eu não me consuma de dor? 30 Se for preciso que a gente se glorie, eu me gloriarei na minha fraqueza.1 Importa que me glorie? Na verdade, não convém! Passarei, entretanto, às visões e revelações do Senhor. 2 Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. 3 E sei que esse homem - se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe - 4 foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. 5 Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas. 6 Pois, ainda que me quisesse gloriar, não seria insensato, porque diria a verdade. Mas abstenho-me, para que ninguém me tenha em conta de mais do que vê em mim ou ouve dizer de mim. 7 Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. 8 Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. 9 Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 8, 4-15
4 Havia se reunido uma grande multidão: eram pessoas vindas de várias cidades para junto dele. Ele lhes disse esta parábola: 5 Saiu o semeador a semear a sua semente. E ao semear, parte da semente caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram. 6 Outra caiu no pedregulho; e, tendo nascido, secou, por falta de umidade. 7 Outra caiu entre os espinhos; cresceram com ela os espinhos, e sufocaram-na. 8 Outra, porém, caiu em terra boa; tendo crescido, produziu fruto cem por um. Dito isto, Jesus acrescentou alteando a voz: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 9 Os seus discípulos perguntaram-lhe a significação desta parábola. 10 Ele respondeu: A vós é concedido conhecer os mistérios do Reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendam. 11 Eis o que significa esta parábola: a semente é a palavra de Deus. 12 Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem; mas depois vem o demônio e lhes tira a palavra do coração, para que não creiam nem se salvem. 13 Aqueles que a recebem em solo pedregoso são os ouvintes da palavra de Deus que a acolhem com alegria; mas não têm raiz, porque crêem até certo tempo, e na hora da provação a abandonam. 14 A que caiu entre os espinhos, estes são os que ouvem a palavra, mas prosseguindo o caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas e prazeres da vida, e assim os seus frutos não amadurecem. 15 A que caiu na terra boa são os que ouvem a palavra com coração reto e bom, retêm-na e dão fruto pela perseverança. 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

17 de fevereiro dia de São Flaviano de Constantinopla, Bispo, Mártir, Santo

São Flaviano, rogai por nós!
Nesta crise que hoje também enfrentamos dentro do seio da Igreja.

Flaviano, sucessor de São Proclo, ocupou a sede patriarcal de Constantinopla durante os três anos de 446-449. Seu governo coincidiu com uma época agitadíssima da Igreja Oriental. Heresias, graves dissensões e lutas intensas perturbavam a paz e tornavam quase insuportáveis a permanência na capital do império grego. Flaviano, envolvido fatalmente nas agitações político-religiosas daquele tempo, com a solidez de suas virtudes, com a firmeza de seu carácter, conservando-se sempre superior e absoluto senhor da situação, apresenta a figura dum grande Patriarca, digno da admiração de todos os tempos. A modéstia, unida à firmeza, à paciência imperturbável nas situações mais críticas, fizeram com que não se esquecesse nunca de sua alta posição e das obrigações a ela ligadas.

Logo após a sua eleição para Patriarca se deu um fato: presságio de lutas vindouras. Segundo o costume daquele tempo, o Patriarca eleito enviara ao Imperador os tais chamados eulógias, isto é, pão bento, símbolo da paz e concórdia. A oferta de Flaviano foi devolvida, com a retificação que só seriam aceitas eulógias de ouro. O Patriarca respondeu: “Ouro e prata não me pertencem”.

Quando a heresia monofisítica do arquimandrita Eutiches começou a ganhar terreno em Constantinopla, Flaviano se lhe opôs, com toda a energia e franqueza apostólica. Principiou com esta campanha a subida para o Calvário do intemerato antístite. Eusébio de Doriléia, com um solene protesto contra a nova doutrina, dera sinal de alarme. Flaviano convocou um Concílio local em Constantinopla (448); que examinou a doutrina eutichiana e a condenou. Contra o autor foi lançada a excomunhão. Tendo na questão o apoio incondicional do grande Papa Leão I, Flaviano não mais hesitou em entrar em luta aberta contra os poderosos amigos de Eutiches. Os que como tais se revelaram, eram o eunuco Crisáfio, favorito e tesoureiro do Imperador Teodósio II e Dioscuro, Bispo de Alexandria; dois formidáveis adversários, cuja política outra mira não visava, a não ser deposição e expulsão do Patriarca. Para alcançar este fim, todos os meios, por mais indignos que fossem, eram lhes aceitáveis. Vendo que o Patriarca não cedia, nem ameaças com o desagrado do Imperador lhe faziam modificar a atitude, trataram de alcançar de Teodósio a autorização para convocar um concílio, com o intuito de, como diziam, restabelecer a paz religiosa. O Concílio, chamado o latrocínio de Éfeso, realizou-se (449), sob a presidência de Dioscuro. Compareceram 135 Bispos. De um sínodo, onde só inimigos tinham representação, que justiça Flaviano podia esperar? De fato o sínodo de Éfeso foi a expressão da paixão, do ódio, do despotismo sem freio contra o Bispo católico.

A primeira humilhação foi à absolvição solene de Eutiches e a reabilitação de sua doutrina condenada. Seguiu-se a vergonha de Bispos subalternos declararem deposto o superior e pronunciarem contra ele a sentença da excomunhão. De nada valeu a apelação de alguns Bispos, que de joelhos suplicaram a Dioscuro que não cometesse tamanha injustiça e retirasse a sentença pronunciada contra Flaviano. A injustiça aí não parou. De oportuno apareceu um bando de gente armada, entre outros, monges fanatizados chefiados pelo afamado Barsumas, que com paus e facas se atiraram aos Bispos católicos, exigindo-lhes debaixo de terríveis ameaças, a assinatura do documento da deposição e condenação de Flaviano. Sem exemplo na história eclesiástica foi o tratamento bárbaro que Flaviano mesmo sofreu, no meio dos inimigos. O próprio Dioscuro (segundo outros Barsumas) pisou-o com os pés e as feridas que recebeu dos outros fanáticos foram tão graves, que morreu três dias depois.

O triunfo dos inimigos teve pouca duração. Dois anos depois se realizou o Concílio ecumênico de Calcedônia, que restabeleceu a honra do grande Patriarca, dando-lhe o título de Mártir glorioso, que morreu em testemunho da fé verdadeira. O Papa Hilário, que, como comissário apostólico, tinha presenciado as cenas horríveis do sínodo de Éfeso, construiu uma Igreja em honra do Bispo Mártir. Nela se vê um quadro artístico que representa o martírio de S. Flaviano.

Defendia São Flaviano o que a Igreja ensina:

A Igreja ensina que há em Jesus Cristo duas naturezas, a Divina e a Humana. A pessoa, porém, é uma só, a de Nosso Senhor Jesus Cristo, Homem-Deus.

A heresia de Nestório, condenada pela Igreja, vê em Jesus Cristo duas pessoas, uma divina e uma humana, uma bem diferente da outra. Eutiches ensinou, contrariamente a fé católica, e ao Nestorianismo que em Jesus Cristo há só uma natureza.

Em nossos dias os denfessores da Fé, como sempre ensinou a Tradição da Santa Igreja Catolica são os dois Grandes Bispos, Monsenhor Marcel Lefebvre e Monsenhor Dom Antônio de Castro Maia.


 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Nossa Senhora no Sábado

 16/02  Sábado
Festa de Quarta Classe
Paramentos Brancos
Epístola extraída do

Eclesiástico 24, 14-16
14 Desde o início, antes de todos os séculos, ele me criou, e não deixarei de existir até o fim dos séculos; e exerci as minhas funções diante dele na casa santa. 15 Assim fui firmada em Sião; repousei na cidade santa, e em Jerusalém está a sede do meu poder. 16 Lancei raízes no meio de um povo glorioso, cuja herança está na partilha de meu Deus; e fixei minha morada na assembléia dos santos. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 11, 27-28 

27 Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! 28 Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam! 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

16 de fevereiro dia de Santo Onésio,Bispo e Martir

http://liturgy.slu.edu/23OrdC090813/images/Apostle%20Paul%20in%20Prison.jpg

Santo Onésimo se converteu e era conhecido como o “coração de São Paulo”Onésimo de Bizâncio (54 - 68)

Onésimo era escravo de Filemon, cristão convertido por São Paulo, natural da Frigia, em Colossos. Tendo prestado maus serviços ao amo, a quem subtraira uma certa quantia de dinheiro e receando castigo, fugiu para Roma, onde se encontrou com São Paulo, que ali se achava preso no cárcere. Conhecendo a São Paulo por bom amigo de Filemon, contou-lhe sua infelicidade e o motivo da fuga. São Paulo, vendo em todos os homens irmãos em Jesus Cristo, para quem não havia distinção entre romano e grego, escravo e senhor, acolheu-o com caridade, instruiu-o na religião cristã e recebeu-o na Igreja, pelo santo Batismo. Desde aquele dia, Onésimo foi dedicado servidor do Apóstolo que o chamava de caríssimo filho.


Embora fosse de grande utilidade, não quis São Paulo conservá-lo em sua companhia, sem que para isto tivesse o consentimento de Filemon. Tendo ocasião de enviar Tychico a Colossos, com ele mandou também Onésimo, não deixando de recomendá-lo ao amo. Nada prova melhor a grande caridade do Apóstolo das gentes, que este documento em que pede a Filemon que perdoe ao antigo escravo e o aceite novamente em sua graça, como se fosse a ele, Paulo. “Tive grande alegria e consolação – assim escreve São Paulo a Filemon – pela tua caridade, porquanto os corações dos Santos por ti foram confortados.”

Assim, tendo embora em Cristo Jesus muita liberdade, para ordenar-te o que te convém, prefiro rogar-te por caridade, tal sendo tu, como Paulo, já velho e agora está preso de Jesus Cristo. Rogo-te por meu filho, que gerei entre as algemas, Onésimo, o qual outrora te foi inútil, mas agora é útil a mim e a ti; que eu te remeti. Acolhe-o pois, como vísceras minhas. Quisera retê-lo comigo, para que me servisse por ti, nas cadeias do Evangelho. Nada, porém, quis fazer sem o teu consentimento, para que a tua obra não fosse como forçada, e sim, voluntária.

Porque ele talvez se apartou de ti uns tempos, a fim de que viesses a recobrá-lo para sempre. Já não apenas como um servo, mas em vez do servo, um irmão muito amado, principalmente para mim, e quanto mais para ti, assim na carne como no Senhor? Portanto, se me tens por amigo, recebe-o como a mim próprio: e, se te fez algum dano ou te é devedor, põe isso à minha conta. Eu, Paulo, escrevi por meu punho: eu pagarei, para não te dizer que também tu mesmo te deves a mim. Sim, irmão, recebe em ti essa alegria no Senhor; alenta o meu coração no Senhor. “Confiando na tua obediência, escrevi-te sabendo que farás até ainda mais do que digo”. (Filemon, 7 – 22). Com efeito, correspondendo ao nobre pedido de Paulo, Filemon não só perdoou a Onésimo, como se fosse um filho querido, mas deu-lhe liberdade, para voltar a Roma e continuar na companhia do Apóstolo, servindo-lhe nos trabalhos apostólicos.

Quão sólida foi essa conversão, prova a grande confiança de que gozava do Apóstolo São Paulo, que lhe confiou importantes missões e o aceitou como ministro da Igreja, fazendo-o Bispo de Éfeso, onde em seguida trabalhou junto com o Apóstolo São João, como sucessor de São Timóteo. Nas assim chamadas Constituições Católicas, Santo Onésimo era bispo de Berea, na Macedônia. Preso em 109, foi levado a Roma, onde sofreu o martírio de apedrejamento.

Oração: São Onésimo que tivestes a graça de terdes como um grande amigo, ao apóstolo São Paulo através de quem renascestes para um outra vida, daí a graça a todos esses que por falta de oportunidade de conhecer a Nosso Senhor Jesus Cristo perambulam pelas ruas da cidade a cometer graves delitos. Inspirai aos cristãos, a Igreja e aos governantes para que através da graça de Deus possam eles também obter de Nosso Senhor uma nova vida em Cristo Jesus. Amém!
 
 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

15 de fevereiro dia de dos Santos Faustino e Jovita (Mártires)

15/02 Sexta-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Verdes
 
"Rezai pelos inimigos da Santa Religião"


  São Faustino nasceu em 90 e São Jovita em 96, na cidade e Bréscia, na Lombardia, Itália. Eram cristãos e foram martirizados no século II, durante os tempos sangrentos das perseguições. Os outros dados sobre eles nos foram transmitidos pela tradição, pois quase todos os registros eram queimados ou confiscados durante as inúmeras perseguições contra a Igreja dos primeiros séculos.
  Segundo os devotos eles eram irmãos e pregavam livremente a religião apesar das perseguições decretadas pelos imperadores Trajano e Adriano. As prisões estavam repletas de cristãos que se não renegassem a fé publicamente eram martirizados. E na Lombardia a situação não era diferente. Isto preocupava o bispo Apolônio da Bréscia, que precisava de confessores e sacerdotes que exortassem o ânimo e a fé dos cristãos, para se manterem firmes nas orações.
  Secretamente, o bispo ordenou Faustino sacerdote e Jovita diácono, que continuaram no meio da comunidade operando milagres, convertendo os pagãos e destruindo os ídolos. Acusados pelo prefeito, foram espancados, submetidos a atrozes torturas, mas sobreviveram a tudo. Foram então levados para Roma, julgados e condenados a morrer na cidade natal. Em 15 de fevereiro de 146 e foram decapitados.
  O primeiro testemunho destes dois santos mártires foi encontrado no livro dos "Diálogos" de São Gregório Magno. Entre 720 e 730 houve a translação dos corpos dos Santos Faustino e Jovita do cemitério de São Latino, para a Igreja de Santa Maria, depois chamada de São Faustino e Jovita. Outra particularidade histórica e religiosa foi a troca de relíquias feita entre os monges beneditinos de Monte Cassino e o bispo de Bréscia. Eles ficaram com uma de Faustino e a Catedral de Bréscia recebeu uma de São Bento.
 Nas pinturas tradicionais, São Faustino e Jovita são representados vestidos de guerreiros. Em 1438, a cidade de Bréscia foi salva da invasão das tropas do comandante milanês Nicolau Picinino, pelos dois santos que apareceram vestidos de guerreiros para lutar ao lado da população bresciana. No dia 10 de janeiro de 1439, o bispo de Bréscia escrevia ao amigo, bispo de Vicenza a narração desta tremenda invasão. Esta carta se encontra na Biblioteca de São Marco, no Vaticano.
  Uma das maiores festas que acontece na Lombardia é a de São Faustino e São Jovita, na Bréscia, quando a população reverencia seus Patronos no dia 15 de fevereiro.

Leitura da Epístola de São Paulo aos

Colossenses 3, 12-17
12 Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. 13 Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. 14 Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. 17 Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 18,1-5
24 Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. 25 Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. 26 O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. 27 Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? 28 Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? 29 - Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. 30 Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCI (601) (19 de janeiro de 2019)

 
Incêndios Californianos
Cuidado com qualquer coisa que sobre suas cabeças esteja a voar.
Os novos mundialistas agora apontam – para matar!    
 
Se alguém, especialmente nos EUA, mas também em qualquer parte do mundo, ainda pensa que as
Nações Unidas são uma organização benevolente, ou que os incêndios mais recentes
que assolaram o Estado da Califórnia são incêndios florestais normais, têm de
pensar melhor em ambos os casos. Há sérios indícios de que os incêndios que
destruíram no mês passado as cidades de Paradise e Malibu, e mataram só Deus
sabe quantas centenas de pessoas, foram iniciados artificialmente, e há uma
suspeita razoável de que eles faziam parte de um plano da ONU para reduzir o
número da população dos EUA e expulsá-la do campo para as grandes cidades.
Paranoia? Ou um novo paradigma? Sigam lendo.
 Por uma larga experiência que se têm no estado da Califórnia, as características de um
incêndio florestal normal são bem conhecidas. As temperaturas não costumam ser
tão altas a ponto de derreterem metais ou pneus de borracha, os incêndios nunca
começam repentinamente em vários lugares de uma vez só, as árvores que cercam as
casas raramente permanecem intactas quando as casas queimam, e as casas
normalmente não desmoronam deixando um monte de cinzas, principalmente e cor
branca. Mas estas são características dos incêndios que destruíram Malibu e o
Paradise. Além disso, as estradas pelas quais os habitantes tentavam deixar as
cidades em chamas foram transformadas em cemitérios, com destroços de carros com
seus motoristas sendo queimados até as cinzas, enquanto as árvores nas beiras
das mesmas estradas se mantinham intactas. Na Internet há uma grande
quantidade de provas visuais
. Para terem apenas um exemplo, vejam themillenniumreport.com.
  De longe, a explicação mais provável é a de que os incêndios foram causados ​​por armas DEW,
armas de energia dirigida, por exemplo, armas de laser disparadas do alto, de
helicópteros ou aviões. Os raios de algumas dessas armas, que existem há
décadas, foram capturados pelas câmeras de celular de alguns habitantes, e
explicariam o superaquecimento e a seletividade da queimada. Mas quem na terra
programaria um satélite ou pilotaria um avião para assassinar deliberadamente
seus concidadãos? Leitores, a menos que suas cabeças estejam enterradas na
areia, vocês já devem saber que poucas pessoas ainda acreditam que o 11 de
setembro foi obra de dezenove árabes. A maioria das pessoas agora admite que as
evidências apontam para um trabalho interno, se não do governo público ou das
forças armadas, em alguma medida do que agora está sendo chamado "Estado
Profundo", em outras palavras, o governo privado oculto dentro do governo
público, e que governa o governo público. E o 11 de setembro foi em 2001. Quão
mais assassinos esses quase jogadores de Nintendo se tornaram desde
então...!

Mas por que o Estado Profundo faria tal coisa? Para cumprir qualquer um dos inúmeros planos
para a tirania da Nova Ordem Mundial. Em 1992 foi realizada uma importante
reunião das Nações Unidas no Rio de Janeiro, onde 178 governos votaram pela
adoção da Agenda 21, um plano de
“desenvolvimento sustentável” para o futuro do mundo. Um candidato a presidente
dos EUA, Albert Gore, não propôs ali uma redução de nove décimos da população
mundial? Por que não fritar essa parcela com jogos de Nintendo lá do céu? É uma
séria pergunta para esses futuros gerentes do nosso mundo sem Deus! Se vocês
amam a Deus, despertem e sintam o cheiro do incêndio!

O Objetivo 15 da Agenda 2030 da ONU, adotada em 2015 para
substituir a Agenda 21 é o seguinte:
proteger, restaurar e promover o uso
sustentável dos ecossistemas terrestres, manejar florestas de forma sustentável,
combater a desertificação e deter e reverter a degradação da terra, e
interromper a perda da biodiversidade
. Em linguagem simples, obrigar os
seres humanos a se mudarem para grandes conurbações, onde podem “empacotar e
empilhar” e serem mais facilmente controlados; criminalizar a propriedade
privada da terra; criminalizar a autossuficiência e forçar a completa
dependência do governo. Mas talvez o mais provável é que haja um quarto
propósito: aterrorizar a população desde cima com armas precisas de raio
superpotentes, contra as quais não há defesa. Afinal de contas, o objetivo é uma
tirania mundial, e como vai a Califórnia, assim vão os EUA, e como vão os EUA,
assim vai o mundo.
Agora os leitores veem por que Nossa Senhora disse em 1973 em Akita, no Japão: "Só eu
posso ajudá-los agora"?
Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário



14 de fevereiro dia de São Valentim,Confessor e Martir.

14/02 Quinta-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Verdes
Na Bíblia João 15: 13 diz: "Ninguém tem maior amor que o daquele que da sua vida pelos seus amigos". E isso é exatamente o que fez São Valentim.
São Valentim foi um padre próximo a Roma por volta do ano 270 d.C na época do imperador romano Aureliano, que aprisionou os cristãos por não adorar os deuses romanos. Durante esta perseguição, Valentin foi preso. Alguns escrevem que ele foi preso porque ele estava realizando casamentos cristãos, mas outros dizem que foi para ajudar na fuga de outros cristãos.
Durante o julgamento, pediram a Valentin que ele adorasse os deuses romanos Júpiter e Mercúrio. Valentin disse que eles eram falsos deuses e que o Deus é Jesus com Pai e o Espirito Santo, o único Deus verdadeiro. Por isso foi preso por insulto aos deuses romanos.
Enquanto estava na prisão, Valentin continuou a ministrar. Testemunhou para os guardas. Um dos quais eraa um bom homem que havia adotado uma menina cega. Ele perguntou a Valentin se o seu Deus poderia ajudar a filha. Valentin rezou e à menina foi dada a visão. O guarda e toda sua família, 46 pessoas, começaram a acreditar em Jesus Cristo e foram batizados. Valentim exercia com afinco suas atividades cristãs a dar testemunho de Cristo na prisão, fazia com que seus captores ficassem com raiva. Mas, continuou, porque amava o Senhor e seus companheiros. E estava disposto a arriscar sua vida para libertar os prisioneiros e espalhar a Boa Nova de Jesus Cristo àqueles que precisavam ouvir.

Quando o imperador soube que Valentin convertia as almas para Jesus Cristo mesmo na prisão, então mandou decapitá-lo.

Leitura da Epístola de São Paulo aos

Colossenses 3, 12-17
12 Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. 13 Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. 14 Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. 17 Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 18,1-5
24 Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. 25 Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. 26 O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. 27 Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? 28 Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? 29 - Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. 30 Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário
 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

13 de fevereiro dia de Santo Ágabo

 13/02 Quarta-feira 
Festa de Quarta Classe
Paramentos Roxos
No Martirológico comemora 13 de fevereiro. Ágabo é reverenciado como um santo na maioria dos ramos do cristianismo. São Ágabo (grego : Ἄγαβος) era um seguidor precoce do cristianismo mencionado nos Atos dos Apóstolos como um profeta . Ele é tradicionalmente lembrado como um dos setenta discípulos descritos em Lucas 10:1-24 .
 De acordo com Atos 11:27-28 , ele era de um grupo de profetas que vieram à Antioquia de Jerusalém . Lá, ele previu uma grave fome sob o reinado do imperador romano Cláudio 45 d.C. E ela foi tão ruim em Jerusalém que muitas pessoas morreram na cidade.
 Atos 21:10-12 registra que muitos anos depois, em 58, Ágabo encontrou Paulo de Tarso em Cesaréia Marítima e avisou-o de sua captura. Amarrou suas mãos e os pés com o cinto de Paulo para demonstrar o que o judeus fariam se Paulo continuasse sua viagem para Jerusalém. Paulo, porém, não desistiu de sua viagem.
 De acordo com a tradição, Ágabo morreu como um mártir em Antioquia.
 A Historia diz que Santo Ágabo estava na Ordem Carmelita atribuída à fundação de uma Igreja em honra à Mãe de Deus, por isso é dado com um hábito característico da Ordem do Carmo e uma pequena igreja com a inscrição "Virgini Matri".


Leitura da Epístola de São Paulo aos

Colossenses 3, 12-17
12 Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. 13 Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. 14 Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. 17 Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 18,1-5
24 Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. 25 Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. 26 O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. 27 Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? 28 Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? 29 - Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. 30 Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário
.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

12 de fevereiro dia dos Sete Santos fundadores dos Servitas da B.V.M, Confessores

12/ 02 Terça-feira
Festa de Terceira Classe

Paramentos Brancos
“Eis os Servos de Maria!”
  Nos princípios do século 13 viviam em Florença sete fidalgos, igualmente distintos pela riqueza, pela posição social e pela piedade, mas principalmente pela devoção extraordinária que tinham a Nossa Senhora. Seus nomes eram: Bonfílio Monáldio, Bonajuncta, Manetto Antellense, Amidéo, Ugúccio, Sosteneo e Aleixo.
  O povo italiano, devido a uma política mal orientada, achava-se dividido em muitos partidos que se odiavam e se perseguiam. Destes sete nobres cidadãos, Deus se serviu para, no meio de uma sociedade dilacerada pelo fanatismo e pelo ódio, estabelecer exemplos vivos de caridade e verdadeira fraternidade. Quando, no dia 15 de agosto de 1233 todos se achavam reunidos em fervorosas orações, a cada um Maria Santíssima apareceu exortando-os a abraçarem um gênero de vida mais perfeito. Fizeram comunicação disto ao Bispo. Trocaram sua vestimenta de nobres com um hábito pobre, usando ainda um cilício por cima e foram residir numa casa de campo, formando assim uma santa comunidade. Escolheram para este seu passo o dia da natividade de Maria Santíssima. Pouco tempo passara, o povo florentino viu-se diante o espetáculo de ver estes mesmos homens andar de porta em porta pedir esmolas. A atitude dos homens, de fidalgos que ontem foram, se transformar em mendigos, causou sensação. Censurados por uns, ridicularizados por outros, pela maioria porém admirados e reverenciados, tiveram uma prova da beneplacência Divina, quando inesperadamente, com estupefação de todos que presenciaram a cena, vozes de crianças os aclamaram, dizendo: “Eis os Servos de Maria!” Entre estas crianças se achava São Felipe Benício. O nome que as crianças, por inspiração divina lhes deram, lhes ficou para sempre.

Como a sua residência se tornasse alvo de verdadeiras romarias e assim não pudessem levar a vida de solidão, de penitência, oração e meditação que a Deus tinham prometido, retiraram-se para o monte Senário, quatro léguas distante de Florença. No ermo daquela região se entregaram aos exercícios da mais rigorosa penitência e por assunto quase único e predileto das suas meditações tomaram a Paixão de Nosso Senhor e as Dores de sua Mãe Santíssima.
  À Santa Sé pediram, se dignasse dar-lhes uma Regra escrita. Em fervorosas orações se dirigiram a Jesus e Maria recomendando à sua Providência e ao amor esta importante causa. Foram atendidos de uma maneira maravilhosamente encantadora. Na madrugada de 28 de fevereiro de 1239 – que era a terceiro Domingo da quaresma, apresentou-se-lhes a sua vinha, havia pouco plantada, em toda pujança, toda verde, as parreiras carregadas de cachos de uvas maduras, quando os campos e as montanhas da redondeza se achavam cobertas de gelo e neve. Sua admiração diante deste milagre cresceu ainda, quando o Bispo, a quem relataram o fenômeno lhes disse que ele, na mesma noite em sonho tinha visto uma parreira viçosa com sete galhos, cada um trazendo sete cachos; e a Maria ouvira dizer que esta parreira iria crescer ainda. A interpretação que o Prelado deu a este seu extraordinário sonho, foi, ser da vontade de Deus e de Nossa Senhora, a Ordem se estender, e os “Servos de Maria” não continuar na atitude de negar admissão, a quem se lhes quisesse associar. Os santos homens prometeram se conformar com este alvitre e aceitar candidatos.
  Na noite de Sexta-feira Santa viram-se diante de um outro milagre. Maria Santíssima apareceu aos seus Servos, vestida de pesado luto. Em sua companhia viram anjos, dos quais alguns com instrumentos martirizantes da Sagrada Paixão e Morte de Jesus, outro com o livro aberto da Regra de Santo Agostinho, e ainda outro com o título escrito em ouro: “Servos de Maria”. Seguiam mais anjos trazendo um hábito preto e uma palma. O hábito com a palma, Maria deu-os aos Religiosos, dizendo estas palavras: “Escolhi-vos meus Servos, para que, usando do meu nome, vades trabalhar na Vinha de meu Filho. Eis aqui o hábito, que vos dou. Sua cor negra vos lembrará as dores que hoje sofri ao pé da Cruz, assistindo a agonia de meu Filho, Jesus.   A Regra de Santo Agostinho recebei-a por norma da vossa vida; a palma far-vos-á lembrar a glória eterna, prêmio da perseverança fiel no meu serviço”. Maria também apareceu ao Bispo e ordem lhe deu, para proceder a solene vestição do hábito preto aos seus Servos. Esta se realizou logo no dia da páscoa. O Papa Inocêncio IV em 1251 deu a aprovação eclesiástica à Ordem dos Servitas. Esta rapidamente se desenvolveu. Setenta anos depois de sua fundação contava já 10.000 Religiosos em diversos estados da Europa. No Brasil se estabeleceu em 1920. 

Epístola extraída do livro do

Eclesiástico 44, 1-15
1 Façamos o elogio dos homens ilustres, que são nossos antepassados, em sua linhagem. 2 O Senhor deu-lhes uma glória abundante, desde o princípio do mundo, por um efeito de sua magnificência. 3 Eles foram soberanos em seus estados, foram homens de grande virtude, dotados de prudência. As predições que anunciaram adquiriram-lhes a dignidade de profetas: 4 eles governaram os povos do seu tempo e, com a firmeza de sua sabedoria, deram instruções muito santas ao povo. 5 Com sua habilidade cultivaram a arte das melodias, publicaram os cânticos das escrituras. 6 Homens ricos de virtude, que tinham gosto pela beleza, e viviam em paz em suas casas. 7 Todos eles adquiriram fama junto de seus contemporâneos, e foram a glória de seu tempo. 8 Aqueles que deles nasceram deixaram um nome que publica seus louvores. 9 Outros há, dos quais não se tem lembrança; pereceram como se nunca tivessem existido. Nasceram, eles e seus filhos, como se não tivessem nascido. 10 Os primeiros, porém, foram homens de misericórdia; nunca foram esquecidas as obras de sua caridade. 11 Na sua posteridade permanecem os seus bens. 12 Os filhos de seus filhos são uma santa linhagem, e seus descendentes mantêm-se fiéis às alianças. 13 Por causa deles seus filhos permanecem para sempre, e sua posteridade, assim como sua glória, não terá fim. 14 Seus corpos foram sepultados em paz, seu nome vive de século em século. 15 Proclamem os povos sua sabedoria, e cante a assembléia os seus louvores!

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 19, 27-29
27 Pedro então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos tudo para te seguir. Que haverá então para nós? 28 Respondeu Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. 29 E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida eterna.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Comentários Eleison – por Dom WilliamsonNúmero DC (600) (12 de janeiro de 2019)


Algo deve ceder, e não será a Verdade,

Mesmo quando desprezada, sua juventude mantém a imortalidade.

E assim, a Igreja e o mundo passaram outro ano do calendário com todos os preparativos para uma terceira Guerra Mundial que tende a varrer a humanidade da face da terra. E estes "Comentários" chegaram ao número 600, quando parece que ontem mesmo eles estavam celebrando o número 500. O mundo está girando em um ritmo vertiginoso – em latim, "volvitur orbis" –, mas Deus Todo-Poderoso segue plenamente no comando, e Sua Cruz firmemente plantada, sem mover-se – "stat crux". Ele dá um grande grau de liberdade para Seus inimigos, para que atuem como seu flagelo sobre uma geração ateia. Mas o flagelo é para o bem, para separar as ovelhas das cabras, e para impedir que as ovelhas deslizem para o inferno. E que seus inimigos não pensem que obterão o melhor d’Ele – Ele usou os assírios para castigar os israelitas, mas ai dos assírios que pensaram que escapariam de Sua Justiça (Isaías X, especialmente o versículo 15)! De Deus não se escarnece.

Mas no centro mesmo dos problemas do mundo está o problema sem precedentes da Igreja Católica. A Igreja depende de sua hierarquia de Bispos e sacerdotes, pela qual seria lógico que se Deus planejou que Sua Igreja sofresse uma decadência antes do fim do mundo (Lc. XVIII, 8), então a hierarquia deveria estar envolvida, e esse foi o Concílio Vaticano II (1962-1965). O tempo de sua fortaleza durou desde a Contrarreforma nos anos de 1500, fazendo quatro séculos admiráveis de catolicismo, Mas depois dessa resistência a hierarquia cedeu, e substituiu a Igreja Católica de Deus por sua própria igreja nova ou conciliar. Na década de 1970 ainda havia fé suficiente nos católicos para tornar possível uma continuação séria da resistência, para a qual o Arcebispo Lefebvre e sua Fraternidade Sacerdotal São Pio X forneceram orientação, mas depois de mais quarenta anos seus sucessores renunciaram a esse esforço, e então os católicos se encontraram mais abandonados do que nunca.

Hoje em dia parece que a vida ainda está sendo drenada para fora deles. É uma ilusão agir ou reagir como se ainda estivéssemos na década de 1970. "Volvitur orbis". O mundo seguiu em frente, e com ele, a Igreja. Condições extremas exigem medidas extremas. Assim como as anteriormente prósperas instituições católicas se transformam lentamente em uma farsa atrás da outra, os católicos se transformaram lentamente em fantasmas ambulantes daquilo que eram antes, e parece que há muito pouco que podem fazer a respeito. Nem a retórica nem as palavras bonitas são a solução. As palavras bonitas estão desgastadas, e a retórica é oca. Os católicos dependem de sua hierarquia, e sua hierarquia está abatida. O Pastor foi ferido, as ovelhas estão dispersas, e de nada adianta se voltarem para o pastor atingido. Ele se foi!

Uma notícia recente, ou rumor – a geometria varia, segundo a reação do público –, é que a subcongregação romana, Ecclesia Dei (ED), fundada por Roma imediatamente após as Consagrações de 1988 da Fraternidade para alcançar os católicos tentados a ssguir o Arcebispo Lefebvre em vez de Roma, vai ser reabsorvida na Congregação para a Doutrina da Fé (CDF). Aparentemente, a reabsorção deveria ter sido anunciada em 20 de dezembro, mas Roma talvez tenha pensado duas vezes. Porque enquanto os próprios líderes atuais da Fraternidade podem estar muito felizes por renunciarem ao alcance especial da ED, e de porem fim assim ao seu próprio “cisma” (segundo sua visão) ao permanecerem completamente sob a CDF “normal”, pode ser que ainda haja um número suficiente de católicos que queira que Roma faça pelo menos algum gesto em favor da Tradição e mantenha a ED. Mas esta é há muito tempo um engano. Tanto Roma como os líderes da Fraternidade querem que se feche a arapuca romana...

Então, o que devem fazer os católicos que têm a Fé e querem mantê-la? Antes de tudo, avaliem a situação. O edifício da Igreja em Roma foi cimentado por duzentos e cinquenta anos de sangue de mártires, sangue jorrado de homens, mas também de muitas moças. Onde estão os potenciais mártires de hoje? Deus Todo-Poderoso está farto dos católicos que se tornaram mais e mais fracos na Fé através dos séculos, e está trazendo de volta os leões para formar alguns candidatos dignos para o Céu. Em segundo lugar, cinjamos nossos lombos de acordo com isto, e nos humilhemos ante a Sabedoria e a Justiça de Deus. Em terceiro lugar, lembremo-nos de que muitos dos últimos podem prontamente serem os primeiros, e vice-versa. E em quarto lugar, sempre: "Vigiai e orai, vigiai e orai; todos os dias quinze mistérios deveis rezar".

Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

Aparição da Virgem Imaculada em Lourdes.

 11/02 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe

Paramentos Brancos


"Eu sou a Imaculada Conceição"
  A Imaculada Conceição, dogma católico declarado em 1854, que consolida formalmente a pureza da Mãe de Jesus, Aquela que concebeu o filho de Deus e foi isenta da pecado. O título litúrgico da Imaculada Conceição que nós católicos invocamos, professam a prerrogativa concedida unicamente a Nossa Senhora: Maria foi concebida sem a mancha do pecado original desde sua mãe Santa Ana, e nasceu portanto, sem o pecado original. O título expressa portanto que a Mãe de Jesus é toda Santa, a cheia de graça, desde o momento de sua Concepção. Pura, sem culpas, para gerar o Salvador.
  O dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora foi proclamado pelo papa Pio IX, em 1854, com a bula Ineffabilis Deus, resultado da devoção popular aliada a intervenções papais e infindáveis debates teológicos. O calendário romano já devotava uma festa em seu calendário em 1476; entretanto nos anos 700 esta celebração já existia no Oriente. Em 1570, São Pio V publicou o novo Ofício e em 1708 Clemente XI estendeu a festa, tornando-a obrigatória a toda cristandade. Quatro anos após a proclamação do dogma por Pio IX, Maria Santíssima apareceu a Bernadette Soubirous dizendo: "Eu sou a Imaculada Conceição".
  A primeira imagem do Brasil da Imaculada Conceição chegou em uma das naus de Pedro Álvares Cabral. O culto à Imaculada Conceição no Brasil teve início na Bahia, quando Tomé de Souza chegou a Salvador trazendo uma escultura da Santa. Ela foi protetora do nosso país no período colonial e foi proclamada Padroeira do Império Brasileiro por Dom Pedro I. O título cedeu lugar a Nossa Senhora de Aparecida, que é imagem da Imaculada Conceição encontrada nas águas do rio Paraíba do Sul.


Sequência das Aparições de Lourdes 1858:

1ª aparição - 11 defevereiro 

2ª aparição - 14 de fevereiro

3ª aparição - 18 de fevereiro 

4ª aparição - 19 de fevereiro 

5ª aparição - 20 de fevereiro

6ª aparição - 21 de fevereiro 

7ª aparição - 23 de fevereiro

8ª aparição - 24 de fevereiro 

9ª aparição - 25 de fevereiro 

10ª e 11ª aparições - 27 e 28 de fevereiro 

12ª aparição - 1º de março 

13ª aparição - 2 de março 

14ª aparição - 3 de março 

15ª aparição - 4 de março 

16ª aparição - 25 de março 

17ª aparição - 7 de abril 

18ª aparição - 16 de Julho


SÃO PIO X: LOURDES É PROMESSA DA VITÓRIA IMINENTE SOBRE OS ÍMPIOS

“É preciso acrescentar que Pio IX não muito antes [das aparições] havia declarado ser de fé católica a Conceição Imaculada de Maria que, na cidade de Lourdes, começaram maravilhosas manifestações da Virgem, e foi, como se sabe, a origem dessas igrejas elevadas em honra da Imaculada Mãe de Deus, obra de alta magnificência e de imensos trabalhos, onde prodígios quotidianos, devidos à sua intercessão, fornecem esplêndidos argumentos para prostrar na confusão a incredulidade moderna. “Tantos e tão insignes benefícios concedidos por Deus pelas piedosas solicitações de Maria, durante os cinquenta anos transcorridos, não deveriam nos fazer esperar a salvação num tempo ainda mais curto do que nós acreditávamos? Da mesma maneira, há como uma lei da Providência divina, a experiência ensina-nos isto, segundo a qual entre os extremos derradeiros do mal e a liberação jamais há muita distância. “O tempo de sua vinda está próximo. Pois o Senhor terá piedade de Jacob, e em Israel terá seu eleito” (Is. XIV, 1).“É pois com inteira confiança que nós mesmos podemos esperar que dentro em breve exclamemos: “O Senhor quebrou o cetro dos ímpios. A terra está em paz e silêncio, ela se regozija e ela exulta” (Is. XIV, 5 e 7). Carta encíclica Ad diem illum, de 2 de fevereiro de 1904: Acta Pii X, vol. 1, p.149.

PIO XI: LOURDES CONFIRMOU A PROCLAMAÇÃO 
DO DOGMA DA IMACULADA CONCEIÇÃO

“O que em Roma, pelo seu magistério infalível, o sumo pontífice definia, a Virgem Imaculada Mãe de Deus, a bendita entre as mulheres, quis, ao que parece, confirmá-lo por sua boca, quando pouco depois se manifestou por uma célebre aparição na gruta de Massabielle”. “Certamente, a palavra infalível do pontífice romano, intérprete autêntico da verdade revelada, não necessitava de nenhuma confirmação celeste para se impor à fé dos fiéis. Mas com que emoção e com que gratidão o povo cristão e seus pastores não recolheram dos lábios de Bernadete essa resposta vinda do céu: "Eu sou a Imaculada Conceição"! Decreto De Tuto para a canonização de santa Bernadete, 2 de julho de 1933: AAS 25(1933), p. 377.

PIO XII: A MALÍCIA DOS ADVERSÁRIOS PERMITIU 
QUE A APARIÇÃO DE LOURDES BRILHASSE COM MAIS EVIDÊNCIA
 
Epístola extraída do

Apocalipse de São João 11, 19 e 12, 1-10
19 Abriu-se o templo de Deus no céu e apareceu, no seu templo, a arca do seu testamento. Houve relâmpagos, vozes, trovões, terremotos e forte saraiva. 1 Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. 2 Estava grávida e gritava de dores, sentindo as angústias de dar à luz. 3 Depois apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão vermelho, com sete cabeças e dez chifres, e nas cabeças sete coroas. 4 Varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu, e as atirou à terra. Esse Dragão deteve-se diante da Mulher que estava para dar à luz, a fim de que, quando ela desse à luz, lhe devorasse o filho. 5 Ela deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono. 6 A Mulher fugiu então para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um retiro para aí ser sustentada por mil duzentos e sessenta dias. 7 Houve uma batalha no céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate, 8 mas não prevaleceram. E já não houve lugar no céu para eles. 9 Foi então precipitado o grande Dragão, a primitiva Serpente, chamado Demônio e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Foi precipitado na terra, e com ele os seus anjos. 10 Eu ouvi no céu uma voz forte que dizia: Agora chegou a salvação, o poder e a realeza de nosso Deus, assim como a autoridade de seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que os acusava, dia e noite, diante do nosso Deus.

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 1, 26-31 
26 No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. 28 Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. 29 Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30 O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário