quarta-feira, 30 de julho de 2014

Monumentos Catolicos.

Mostério da Santa Cruz na serra de Sintra Portugal
O Convento da Santa Cruz, popularmente conhecido como Convento dos Capuchos, localiza-se na Serra de Sintra, na freguesia de São Martinho, concelho de Sintra, distrito de Lisboa, Portugal.
  De acordo com a tradição oral, durante uma caçada na serra de Sintra, quando em perseguição a um veado, o 4º vice-rei da Índia, D. João de Castro, se terá perdido vindo a adormecer de cansaço debaixo de um penedo. Em sonho, ter-lhe-á sido revelada então a necessidade de se erigir um templo cristão naquele local.
Capela

Sino do mosteiro

Vindo a falecer mais tarde (1548), sem que tivesse tido oportunidade de cumprir essa obrigação, transmitiu-a ao filho. Desse modo, um convento da Ordem dos Frades Menores foi fundado em 1560 por D. Álvaro de Castro, Conselheiro de Estado de Sebastião I de Portugal e administrador da Fazenda.

A primitiva comunidade era composta por oito frades, sendo o mais conhecido Frei Honório que, de acordo com a tradição oral, viveu até perto dos 100 anos de idade, apesar de ter passado as últimas três décadas da sua vida a cumprir penitência habitando uma pequena gruta dentro da cerca do convento.
Cova de Frei Honório durante 30 anos viveu.

Com a extinção das ordens religiosas masculinas no país (1834), a comunidade de franciscanos foi expropriada e viu-se obrigada a abandonar as dependências do convento. Posteriormente, ainda no século XIX, o espaço foi adquirido pelo Visconde de Monserrate.
Ermida do Senhor do Horto

A pobreza foi levada ao extremo na construção deste convento. O conjunto edificado possui uma área relativamente reduzida e várias das suas celas têm portas revestidas a cortiça com altura inferior à de um homem, de modo a induzir a genuflexão. Os elementos decorativos são também escassos, tendo sido mantidos ao mínimo. No refeitório existe uma grande laje de pedra a servir de mesa, oferta do cardeal-rei D.Henrique.
Refeitorio

Após uma vista ao convento em 1581, Filipe I de Portugal terá comentado: "De todos os meus reinos, há dois lugares que muito estimo, o Escorial por tão rico e o Convento de Santa Cruz por tão pobre".


30 de julho Santo dia de Abdão e Santo Sénen, Mártires

30/07 Quarta-feira     
Festa de Quarta Classe
 Paramentos Verdes
O imperador Décio(200-251), inimigo dos cristãos, tinha derrotado o rei da Pérsia e tornar-se mestre de vários países sobre os quais ele reinou. Ele já tinha condenado à tortura e morte cinco membros de seu clero. São Abdão e Santo Sénnen, ilustres dignitários persas do século III a quem o rei da Pérsia tinha muito honrado, eram secretamente Cristãos, mas foram eles que tinham tomado o corpo do bispo mártir, que havia sido fundido com desprezo antes de um templo de Saturno, para enterrá-lo em noite, com honra. Agora caídos sob a dominação de Roma, foram pegos para testemunhar a crueldade do imperador para com os cristãos. Com tal situação acreditava serem seus deveres dar a conhecer o seu amor por Jesus Cristo, portanto, sem medo de seu novo soberano, comprometeram-se por todos os meios possíveis para difundir e fortalecer a fé, para encorajar os confessores e enterrar o mártires.

Décio, ficou extremamente irritado pois sua lição em mostrar sua crueldade não diminui assim suas dedicações como cristão. Então ele chamou os dois irmãos a comparecer perante o seu tribunal para tentá-los conquistá-los para oferecer sacrifico aos deuses, apelando à sua recente vitória como um sinal de seu favor. Os Santos responderam, no entanto, que esta vitória não estava em tudo uma prova de tal poder, pois o único Deus verdadeiro, Criador do céu e Terra com Seu Filho, Jesus Cristo, dá a vitória para uns e derrota para outros, por razões ocultas de seus desígnios e da sua providência. Eles disseram que nunca poderia adorar qualquer ídolo, mas Ele, e Décio aprisionaram os dois irmãos. Logo depois, quando soube da morte do vice-rei que ele havia deixado para governar em sue lugar em Roma, ele voltou a Roma e levou seus dois cativos com ele para servir como troféus esplêndidos de sua vitória persa. Com efeito, estes magistrados usavam joias e tecidos ricos em suas cadeias. 
Eles acusados perante o Senado novamente testemunharam para qual era a única Divindade; que é Nosso Senhor Jesus Cristo, dizendo o qual eles só poderiam adorar nenhum outro. Então firmes na presença do Senado continuam a se recusaram, de acordo com a prática de sacrificar aos ídolos. Foram assim condenados à morte e levados no anfiteatro Flaviano, foram açoitados onde ficava o Colosso de Nero e do Templo de Vênus, e depois  serem  devorados por animais selvagens, os dois leões e quatro ursos foram liberado para devorá-los. Mas milagrosamente as feras se deitaram a seus pés e tornaram-se seus tutores, e ninguém se atreveu abordagem por um tempo. Finalmente o prefeito enviando gladiadores para matá-los com a espada, que com a permissão de Deus foi feito. Seus corpos depois de decapitados pelos gladiadores  foram jogados na frente da estátua do Sol, onde ficaram três dias sem enterro, até que o diácono Quirino recolheu os santos mártires, escondendo-os em sua casa, onde permaneceram por um longo tempo. Depois sob o império de Constantino, o Grande, os túmulos foram descobertos por divina revelação e suas relíquias enterradas no cemitério Ponciano, que mais tarde foi chamada pelos seus nomes. Nós os vemos em um quadro das catacumbas, coroado pelo próprio Nosso Senhor. Seu martírio glorioso ocorreu em no ano 254.
Leitura da Epístola dos 

Romanos 6,19-23                                                                                                                       
19.Vou-me servir de linguagem corrente entre os homens, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois, como pusestes os vossos membros a serviço da impureza e do mal para cometer a iniquidade, assim ponde agora os vossos membros a serviço da justiça para chegar à santidade.20.Quando éreis escravos do pecado, éreis livres a respeito da justiça.21.Que frutos produzíeis  então? Frutos dos quais agora vos envergonham. O fim deles é a morte.22.Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes por fruto a santidade; e o termo é a vida eterna.23.Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 7,15-21                                                                                                             


15.Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores.16.Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos?17.Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos.18.Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos.19.Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo.20.Pelos seus frutos os conhecereis.21.Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Sermões Dom Tomás de Aquino na Capela Santa Teresinha Campo Grande-MS



Sermão do dia de Santa Ana - Dom Tomás de Aquino

Sermão do VII Domingo Depois de Pentecostes - Dom Tomás de Aquino


Abjuração dos erros anti-católicos e Profissão de Fé 
no Convento das Escravas de Maria

29 de Julho dia deSanta Marta,Virgem.

29/07 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
                                              
Os primeiros a dedicarem uma festa litúrgica a santa Marta foram os frades franciscanos, em 1262, e o dia escolhido foi 29 de julho.
As Escrituras contam que, em seus poucos momentos de descanso ou lazer, Jesus procurava a casa de amigos em Betânia, local muito agradável há apenas três quilômetros de Jerusalém. Lá moravam Marta, Lázaro e Maria, três irmãos provavelmente filhos de Simão, o leproso. Há poucas mas importantíssimas citações de Marta nas Sagradas Escrituras ;trata-se de mais uma importante passagem , pois do evento tira-se um momento em que Jesus chora: "O pranto de Maria provoca o choro de Jesus". E o milagre de reviver Lázaro, já morto e sepultado, solicitado com tamanha simplicidade por Marta, que exemplifica a plena fé na omnipotência do Senhor. Outra passagem é a ceia de Betânia, com a presença de Lázaro ressuscitado, uma prévia da última ceia, pois ali Marta serve a mesa e Maria lava os pés de Jesus, gesto que ele imitaria em seu último encontro coletivo com os doze apóstolos. A tradição nos diz que diante da perseguição dos judeus, Santa Marta, Maria e Lázaro,  foram banidos de Judeia por ocasião da primeira perseguição. Não podiam os judeus sofrer a presença de Lázaro, porque era um testemunho vivo da divindade daquele a quem tinham dado a morte; não ousando todavia tirar-lhe a vida com receio de que lhe fosse restituído uma segunda vez para vergonha sua, lembraram-se de meter toda aquela família numa barca sem mastros, sem leme e sem velas.Deus levou-os para França.
É de antiga e respeitável tradição, que parece estar autorizada pela igreja, que Santa Marta anunciara a fé de Jesus Cristo em Marselha, Aix, Avinhão e em toda a Provença; e que por toda a parte efectuara muitas conversões.
  Conta-se, explicando aos povos de Avinhão as verdades da nossa religião Cristã, um mancebo que estava da banda de além do Ródano, desejava com paixão ouvir Marta; tentou pois atravessar o rio a nado, mas tendo sido arrastado pela rapidez das águas, fora submergido. Deram notícia à santa desta desgraça, e esta dizendo a uns pescadores que tirassem para fora o cadáver, depois de uma breve oração restituiu-o à vida .Fez grande ruído este milagre. Os habitantes de Tarascon e as povoações vizinhas vieram então pedir o socorro da santa contra um dragão que fazia enormes estragos. Como Marta não tinha outro fim do que a glória de Jesus Cristo e a salvação das almas, reconheceu que um milagre causaria a satisfação sobre aqueles pagãos.          
Embrenhou-se por um bosque vizinho e achou o dragão que estava a devorar um homem. Fez o sinal da cruz, aspergiu-o com algumas gotas de água benta, atou-o com o seu próprio cinto e trouxe-o à cidade, como se fora um manso cordeiro. Atónito o povo acudia a presenciar esta maravilha, e, depois de terem morto o dragão a pau e à pedrada, lançaram-se todos aos pés da santa, pedindo-lhe que os não abandonassem.

A Santa Marta permaneceu nesse lugar, tendo criado uma comunidade de donzelas convertidas e que quiseram acompanha-la. Refere-se que edificaram nesse sítio um mosteiro, onde como esposas de Jesus Cristo viviam à maneira de anjos debaixo da direcção daquela que fora hospedeira e discípula do Senhor.

Todos os anos os habitantes de Tarascon organizam uma grande festa em honra de Santa Marta, protectora da sua cidade, no dia 29 de Julho.

Leitura da Epístola dos 

II Coríntios 10, 17-18; 11,1-2
 17 Ora, quem se gloria, glorie-se no Senhor. 18 Pois merece a aprovação não aquele que se recomenda a si mesmo, mas aquele que o Senhor recomenda.1 Oxalá suportásseis um pouco de loucura de minha parte! Oh, sim! Tolerai-me. 2 Eu vos consagro um carinho e amor santo, porque vos desposei com um esposo único e vos apresentei a Cristo como virgem pura.

 Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 10,38-42
38 Estando Jesus em viagem, entrou numa aldeia, onde uma mulher, chamada Marta, o recebeu em sua casa. 39 Tinha ela uma irmã por nome Maria, que se assentou aos pés do Senhor para ouvi-lo falar. 40 Marta, toda preocupada na lida da casa, veio a Jesus e disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe só a servir? Dize-lhe que me ajude. 41 Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; 42 no entanto, uma só coisa é necessária; Maria escolheu a boa parte, que lhe não será tirada.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Catecismo do Concílio Vaticano II e seu veneno VII.

Catecismo da Igreja Católica Modernista.
Vamos expor  
 OS ERROS DO ANTI-CATECISMO MODERNISTA

CATECISMO MODERNISTA 

PRIMEIRA PARTE-A PROFISSÃO DA FÉ
SEGUNDA SECÇÃO
A PROFISSÃO DA FÉ CRISTÃ
CAPÍTULO SEGUNDO

ARTIGO 3
PARÁGRAFO 2
«... CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO,
NASCIDO DA VIRGEM MARIA»
http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p1s2cap2_422-682_po.html

506. Maria é virgem,porque a virgindade é nela o sinal da sua fé,sem a mais leve sombra de dúvida» (177II Concílio do Vaticano, Const. dogm. Lumen Gentium, 63: AAS 57 (1965) 64) e da sua entrega sem reservas à vontade de Deus (178). 
   Vimos nos estudos passados:

Para os modernistas Maria é virgem, porque a virgindade é nela o sinal da sua fé?

O Catecismo Tradicional foi elaborado para expor com clareza a Fé católica e bem diferente dos modernista. 

Catecismo São Pio X 67. Como se fez homem o Filho de Deus?
O Filho de Deus se fez homem, tomando corpo e alma humanos nas puríssimas entranhas da Virgem Maria, por obra do Espírito Santo.

 Maria é virgem por causa de sua maternidade divina, este é o ensinamento Tradicional.
 Sempre se ensinou que MÃE DE DEUS é Sempre Virgem por singular graça e privilégio de Deus Onipotente em previsão dos méritos de Cristo Jesus.
 Isto já afirmado na Sagrada Escritura temos o trecho de O profeta Isaías escreveu: “Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel [Deus conosco].” (Is 7,14).

 Catecismo São Pio X 68. Como se chama este mistério?
Chama-se mistério da Encarnação.

No Evangelho também cita-se esta profecia (Mt. 1, 18-23) e se conta com exatas palavras o nascimento virginal de Jesus, por obra do Espirito Santo.
  Deus ja havia reservada a sua Mãe Santissima a dignidade de ser  Sempre Virgem Maria em sentido próprio é a integridade física.
  A defenição da Virgindade de Maria não e clara pelos Modernistas dizendo que é virgem porque a virgindade é nela o sinal da sua fé.

Profecia antes de seu nascimento e antes de sua Fé.

  Querem deixar com nuvens a verdade da Fé católica que Nossa Senhora ficou perfeitamente Sempre Virgem, antes do parto, no parto e depois do parto por obra singular graça de Deus por ser MÃE DE DEUS.

Catecismo São Pio X 76. Maria, sendo Mãe, ficou sempre virgem?
  Sim; Maria foi Virgem antes do parto, Virgem no parto e Virgem depois do parto.
  
No Símbolo apostólico ensina e se diz: "Nascido de Maria Virgem"; nas antigas liturgias é frequente o titulo de Maria sempre virgem. No Concílio Romano do ano 649 se defini Maria Imaculada, Sempre Virgem, que concebeu sem concurso de homem e ficou também intacta depois do parto.
   Os Padres da Igreja, no trecho de Ez. 44,2 veja a virgindade de Maria depois do parto: "este pórtico ficará fechado. Não se abrirá e ninguém entrara por ele, porque por ele entrara Deus, o Deus de Israel, pelo que permanecera fechado".
   Toda a Tradição e concorde em defender a virgindade perpetua de Maria: Santo Agostinho afirma: "A Virgem concebeu, a Virgem ficou gravida, a Virgem deu a luz, a Virgem é virgem perpetua". A razão teológica deste dogma é clara e tão simples, ela esta na divindade do Verbo e na maternidade de Maria, ao qual repugnou toda a corrupção.

  Catecismo de Nossa Senhora – Virgindade perpétua de Maria Santíssima

40 – Maria Santíssima tornou-se Mãe como as outras mulheres?
Por um singular privilégio de Deus, Maria Santíssima foi mãe conservando sua virgindade antes do parto, durante e depois do parto, durante toda a sua vida conservou intacta sua pureza original e virginal.

41 – A Virgindade perpétua de Maria Santíssima é um dogma de fé?
Sim, é uma verdade de fé católica definida pela Igreja em seus concílios, especialmente o de Latrão (649) e o III de Constantinopla (680) que definiram a “ilibada virgindade de Maria Santíssima, antes do parto, durante e depois do parto”.

42 – Em que se baseou a Igreja para essa definição dogmática?
Como sempre, a igreja foi conferir essa verdade na Bíblia e na Tradição. Os textos da Bíblia são claros:
“Eis que a Virgem conceberá e dará a luz e o nome deste será Emanuel” (Isaías 7,14). Pelo contexto se vê que Isaías designa esse acontecimento como um grande sinal de Deus, como um grande prodígio. Ora não há prodígio algum quando uma mulher tem filho deixando de ser virgem. O sentido desse oráculo de Isaías é confirmado por São Mateus que, depois de relatar a anunciação do anjo a Maria, acrescenta: E tudo aconteceu para que se cumprisse o que foi dito por Deus ao profeta: “Eis que uma virgem…” (Mat. 1,22)

43 – Poderia especificar melhor os textos que se referem a Virgindade perpétua de Maria Santíssima?
a) Antes do parto: (além do texto de Isaías já citado) “O anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma Virgem (…) e o nome da Virgem era Maria … Maria disse ao anjo: Como se faria isso, pois eu não conheço varão? Respondendo o anjo disse-lhe: O Espírito Santo descerá sobre ti e a virtude do altíssimo te cobrirá com a sua sombra” (Lc. 1,26 e 34-35). E Virgem permaneceu, quando concebeu em seu seio o Filho de Deus, pois essa conceição foi “por obra do Espírito Santo” (Mat. 1,18), sem conhecer homem.

b) Durante o parto: com uma descrição delicadíssima, São Lucas nos persuade de que Maria Santíssima conservou sua virgindade no ato mesmo de tornar-se Mãe do salvador: “Chegou para ela o tempo do parto e deu à luz seu filho primogênito, envolveu-o em faixas e pôs numa manjedoura” (2,6). Maria Santíssima, nesse relato, não aparece como sujeita às dores e fraquezas que são o preço natural da maternidade. São Lucas não poderia ter falado assim, se Ela tivesse dado à luz da maneira comum.

c) Depois do parto: é o que conclui do mesmo texto de São Lucas já citado. Pelas palavras de Maria Santíssima ao anjo vê-se claramente seu propósito de virgindade. Estando já desposada com José, Ela diz: “Como se fará isso, pois eu não conheço varão?” Em outras palavras: “Como me tornarei mãe, tendo o propósito de não conhecer varão?”

Como seria possível que, depois do parto milagroso, Ela deixasse esse propósito, esse voto de virgindade? Tamanha ingratidão para com Aquele que milagrosamente lhe conservara a virgindade antes e durante o parto é inconcebível na Mãe de Deus.
Além disso, era de suma conveniência que o Filho Unigênito do Pai eterno fosse também, segundo a carne, o Unigênito da Mãe.

44 – Mas a Bíblia fala que Jesus teve irmãos. Logo, Maria teve outros filhos?
A Bíblia se refere a quatro pessoas como “irmãos de Jesus”. Mas, isso não permite concluir que sejam irmãos carnais de Jesus.

De fato, três desses “irmãos de Jesus” tem seus pais nomeados na Bíblia:
1)  Tiago – é Tiago, o apóstolo (Gal 1.19); o Menor (Mc. 15.40), cujo pai é Alfeu (Mat. 10,3)
2)  José – é irmão carnal de Tiago, pois ambos são filhos de uma das 3 Marias que estiveram ao pé da Cruz (Mt. 27,56) e cujo pai é também Alfeu.

3) Judas, o Tadeu é também irmão de Tiago (Jd 1.1), cujo pai é Alfeu. São Lucas o chama de Judas de Tiago (6.16).
Os quarto “irmãos de Jesus” é Simão, cujos pais não estão na Bíblia. Mas o antigo historiador Hegezipo (séc II) informa que ele é filho de Cléofas, esposo de Maria, irmã da Mãe de Jesus (Jo. 19,25). É, pois, primo de Jesus.

45 – São Mateus (1,25) diz: “José não a conheceu até que ela deu à luz”. Isso não quer dizer que depois de dar à luz José a teria conhecido?

A expressão “até que” é um hebraísmo da Bíblia que significa “sem que”, invertendo-se os termos da frase. Significa, então, que Maria Santíssima “deu à luz sem que José a tivesse conhecido”.

São incontáveis os exemplos disso na Bíblia. Eis apenas um “O coração do justo está firme e não temerá até que veja confundidos seus inimigos” (sl 111. 8). Ora, se não temeu antes, não temerás depois. O sentido da frase é “os inimigos serão confundidos sem que o coração do justo tema”.
Assim, São Mateus quis apenas afirmar que “Maria concebeu sem que José a tivesse conhecido”.

Fonte: Catecismo de Nossa Senhora – resumo do livro “Maria ensinada à Mocidade – pequeno Catecismo de Nossa Senhora” publicado em 1915.  

Dai-me um exército que 
reze o Santo Rosário e vencerei o mundo. 
(São Pio X)

REZEM TODOS OS DIAS O SANTO ROSÁRIO pelo “Triunfo da Verdade Católica sobre o erros modernistas”.
 PARA O TRIUNFO DO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA,


   PELA SALVAÇÃO DAS ALMAS DOS MODERNISTAS JUDEUS,MUÇULMANOS,CISMÁTICOS,HEREGES, E INFIÉIS.

São Nazário e Celso, Mártires; São Vítor, Papa e Martir; São Inocêncio, Papa e Confessor.

28/07 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos

Nazário nasceu em Roma, ainda no primeiro século da era cristã. O pai era um pagão e chamava-se Africano. A mãe, de nome Perpétua, era uma católica fervorosa. Enquanto ele desejava tornar o filho um sacerdote a serviço de um dos muitos deuses pagãos, ela o queria temente a Deus, no seguimento de Cristo, por isso o educou dentro da religião católica. Assim, com apenas nove anos de idade, o menino pediu para ser batizado, definindo a questão e sendo atendido pelo pai, que algum tempo depois também se converteu.
Nazário foi batizado pelas mãos do próprio papa são Lino, o primeiro sucessor de são Pedro, que fez dele um dos seus auxiliares diretos. Ingressou no exército romano e com ele percorreu toda a Itália, onde também pregava o Evangelho. Mas, ao ser descoberto, foi levado à presença do imperador, que o mandou prender. Conseguindo fugir, abandonou Roma e tornou-se um pregador itinerante, até que, durante um sonho, Deus lhe disse para sair da Itália.
Assim, foi para a Gália, hoje França, sempre pregando a palavra de Cristo. Em Cimiez, próximo de Nice, depois de converter uma nobre e rica senhora e seu filho, um adolescente de nome Celso, ela confiou o jovem a Nazário, que o fez seu discípulo inseparável. Juntos, percorreram os caminhos da Gália, deixando para trás cidades inteiras convertidas, pois, durante as suas pregações, aconteciam muitos milagres na frente de todos os presentes.
Depois, foram para Treves, atualmente Trier, na Alemanha, onde fundaram uma comunidade cristã que se tornou tão famosa que os dois acabaram sendo denunciados e presos. Condenados à morte, foram jogados na confluência dos rios Sarre e Mosel. E novo milagre ocorreu: em vez de afundar, os dois flutuaram e andaram sobre as águas. Assustados, os pagãos não tentaram mais matá-los, apenas os expulsaram do país.
Nazário e Celso foram, então, para Milão, onde mais uma vez viram-se vítimas da perseguição pagã, imposta pelo imperador Nero. Presos e condenados, desta vez foram decapitados em praça pública.Passados mais de dois séculos, em 396, os corpos dos dois mártires foram encontrados pelo próprio bispo de Milão, Ambrósio, também venerado pela Igreja. Durante suas orações, teve uma visão, que lhe indicou o local da sepultura de Nazário. Mas, para surpresa geral, a cabeça do mártir estava intacta, com os cabelos e a barba preservados, e ainda dela escorria sangue, como se fora decapitado naquele instante. A revelação foi mais impressionante porque, durante as escavações, também encontraram o túmulo do jovem discípulo Celso, martirizado junto com ele.Também foi por inspiração de santo Ambrósio que esta tradição chegou até nós, pois ele a contou a são Paolino de Nola, seu discípulo e biógrafo. As relíquias de são Nazário e são Celso foram distribuídas às igrejas de várias cidades da Itália, França, Espanha, Alemanha, África e Constantinopla. Dessa maneira, a festa dos dois santos difundiu-se por todo o mundo católico, sendo celebrados no dia em que santo Ambrósio teve a revelação: 28 de julho.



São Vítor I  foi o décimo quarto papa da Santa Igreja Católica Apostólica Romana entre (datas aproximadas) 189 e 199. Vítor nasceu na província romana de Tunísia; esta notícia é bastante certa, pois na Catedral Católica de Tunes, à esquerda do altar, tem um mosaico com o rosto dele. De seu pai sabe-se somente que se chamava Félix.           





Decretos importantes estabelecidos por São Vitor e confirmado no Concílio de Nicéia(325): Estabeleceu que em caso necessidade ou urgência e  faltar água batismal feita Sábado Santo qualquer tipo de água, quer seja de um rio, mar ou outras fontes, pode ser utilizada na administração baptismo. Outra contribuição importante foi que tomou a resolução do estabelecimento do domingo (em substituição do sábado) como dia sagrado, em memória da Ressurreição de Jesus Cristo, embora a prática só se tornou universal no Primeiro Concílio de Nicéia. Determinou que a Páscoa seria celebrada sempre neste dia da semana, excomungando todos os bispos que se opuseram à mudança. O Primeiro Concílio de Nicéia (325) confirmou sua decisão. É também sua a decisão de realizar as Santas Missas em latim em vez de grego. Além disso, tornou herética a doutrina do adocionismo no ano de 190. 
Papa Inocêncio I italiano, nasceu em Albano, uma província romana do Lazio. Ele foi eleito no ano 401 e governou a Igreja por dezesseis anos, num período dos mais difíceis para o cristianismo. A sua primeira atividade foi uma intervenção direta no Oriente, tendeu a unificar a Igreja ocidental em torno da "praxis romana", estabelecendo a observância dos ritos romanos no Ocidente, o catálogo do livros canônicos e as regras monásticas exortando a população de Constantinopla a seguir as orientações do seu bispo, são João Crisóstomo, e assim viver em paz. Mas um dos maiores traumas de seu pontificado foi a invasão e o saque de Roma, cometidos pelos bárbaros godos, liderados por Alarico. Roma estava cercada por eles desde o ano 408 e só não tinha sido invadida graças às intervenções do papa junto a Alarico. Pressionado pelo invasor, e tentando salvar a vida dos cidadãos romanos, Inocêncio viajou até a diocese de Ravena, onde se escondia o medroso imperador Honório. O papa tentava, há muito tempo, convencê-lo a negociar e conceder alguns poderes especiais a Alarico, para evitar o pior, que ele saqueasse a cidade e matasse a população. Não conseguiu e o saque teve início. Foram três dias de roubo, devastação e destruição. Os bárbaros respeitaram apenas as igrejas, por causa dos anos de contato e mediação com o papa Inocêncio I. Mesmo assim, a invasão foi tão terrível que seria comentada e lamentada depois, por santo Agostinho e São Jerônimo. Apesar de enfrentar inúmeras dificuldades, conseguiu manter a disciplina e tomou decisões litúrgicas que perduram até hoje. Elas se encontram na inúmera correspondência deixada pelo papa Inocêncio I. Aliás, com essas cartas se formou o primeiro núcleo das coleções canônicas, que faz parte do magistério ordinário dos pontífices, alvo de estudos ainda nos nossos dias. Durante o seu pontificado difundia-se a heresia pelagiana, condenada no ano 416 pelos concílios regionais de Melevi e de Cartago, convocados por iniciativa de santo Agostinho e com aprovação do papa Inocêncio I, que formalmente sentenciou Pelágio e seu discípulo Celestio, tendo ratificado a condenação deste; defendeu São João Crisóstomo. Foi no seu pontificado que São Jerônimo terminou a revisão da tradução latina da Bíblia conhecida como Vulgata Latina, em 404. Enfrentou Conseguiu que o imperador Flávio Honório proibisse as lutas de gladiadores. O papa Inocêncio I morreu no dia 28 de julho de 417, sendo sepultado no cemitério de Ponciano, na Via Portuense, em Roma.

Leitura da Epístola dos 

Sabedoria 10, 17-20                                                     
17.Deu aos santos o galardão de seus trabalhos, conduziu-os por um caminho miraculoso; durante o dia serviu-lhes de proteção, e deu-lhes a luz dos astros, durante a noite.18.Fê-los atravessar o mar Vermelho, e deu-lhes passagem através da massa das águas,19.ao passo que engoliu seus inimigos, e depois os tirou das profundezas do abismo.20.Também os justos, depois de despojados os ímpios, celebraram, Senhor, vosso santo nome, e louvaram, unidos num só coração, vossa mão protetora,

Sequência do Santo Evangelho

                                                                                                                     
São Lucas 21,9-19                                                                        
9.Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis; porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas não virá logo o fim.10.Disse-lhes também: Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino.11.Haverá grandes terremotos por várias partes, fomes e pestes, e aparecerão fenômenos espantosos no céu.12.Mas, antes de tudo isso, vos lançarão as mãos e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença dos reis e dos governadores, por causa de mim.13.Isto vos acontecerá para que vos sirva de testemunho.14.Gravai bem no vosso espírito de não preparar vossa defesa,15.porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria, à qual não poderão resistir nem contradizer os vossos adversários.16.Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parentes e vossos amigos, e matarão muitos de vós.17.Sereis odiados por todos por causa do meu nome.18.Entretanto, não se perderá um só cabelo da vossa cabeça.19.É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação.

domingo, 27 de julho de 2014

Sétimo Domingo depois de Pentecoste

27/07 Domingo 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Verdes

Leitura da Epístola dos 

Romanos 6,19-23                                                                                                                      
19.Vou-me servir de linguagem corrente entre os homens, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois, como pusestes os vossos membros a serviço da impureza e do mal para cometer a iniquidade, assim ponde agora os vossos membros a serviço da justiça para chegar à santidade.20.Quando éreis escravos do pecado, éreis livres a respeito da justiça.21.Que frutos produzíeis então? Frutos dos quais agora vos envergonham. O fim deles é a morte.22.Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes por fruto a santidade; e o termo é a vida eterna.23.Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 7,15-21                                                                                                             
15.Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores.16.Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos?17.Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos.18.Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos.19.Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo.20.Pelos seus frutos os conhecereis.21.Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

27 dia de São Pantaleão, Mártir




Viveu entre os séculos III e IV, durante o período de grande perseguição contra os cristãos realizada pelos romanos. Seus pais se chamavam Eustóquio e Êubola, e foi a sua mãe que o inseriu na fé cristã por meio da catequese. Com a morte de sua mãe, seu pai estimulou seu filho para se dedicar aos estudos, o fruto deste ato foi à construção de um orador, filósofo e médico. Assim foi Pantalenta, nome que significa em tudo como um leão. Quando a perseguição explodiu em Nicomédia, realizada pelo governador Maximiano, no tempo do Imperador Diocleciano, Pantalenta conheceu Hermelaus, sacerdote, que o instruiu para ser um médico caridoso, e meio a isto, mostrou Jesus como o Médico dos médicos, assim como, apresentou São Lucas, o Evangelista que motivado por São Paulo, Apóstolo, tornou-se, por assim dizer, o primeiro médico cristão.Como não conhecia outros médicos cristãos, e conhecedor do testemunho e da fama de São Lucas, o Evangelista Médico, Pantaleão sentiu-se tocado em ser, pelo que se pode perceber o segundo médico cristão da história. Meio a dúvida entre o poder de Jesus Cristo, o Grande Médico e a medicina que este conheceu com seus estudos, Pantaleão se deparou, em uma das suas consultas, com uma criança mordida por uma cobra venenosa. Vendo incapaz de dar continuidade ao tratamento, ele lembrou-se das palavras de Hermelaus. Nisto veio a orar, dirigindo-se para a criança, dizendo: “Em nome de Jesus Cristo, levanta-te! E tu, animal peçonhento, sofre o mal que fizestes!”. Meio a expressão, afirma a Tradição, que a criança levantou-se e a víbora, levada ao médico, morreu diante do santo. Com isto, Pantaleão decide verdadeiramente abraçar o cristianismo, vindo a pedir o batismo para Hermelaus, e aceitou ser chamado de Pantaleão, que quer dizer cheio de misericórdia. Ao se batizar, converteu o seu pai, que era médico e não era batizado. Juntos, começaram a fazer obras de caridade pela cidade. Não cobrava o tratamento, e fazia de sua casa um consultório, além de visitar pessoalmente, os enfermos que a ele eram encaminhados. A sua forma de atuar como médico, o tornou conhecido na região. Tamanho foi o seu conhecimento, que o governador Maximiano o contratou como sendo o seu médico pessoal. Para o imperador, todos os médicos não eram cristãos, eles apenas exerciam suas funções a fim de garantirem o seu sustento (o que de fato era evidenciado naquela época, contudo, pelo que se vê na história, Pantaleão era verdadeiramente, um médico e não um interesseiro e egoísta). O imperador não sabia que Pantaleão era cristão. Todavia, lidando com a inveja de outros médicos de sua época, estes denunciam o santo ao imperador, e meio a isto, o líder manda prendê-lo. Na prisão é torturado, e depois, deixado entre leões que não o atacam. No dia seguinte, em praça pública, tentam afogá-lo, mas não conseguem; depois, o colocam em uma fogueira, mas as chamam não o queimam. Diante destes feitos, o amarram a uma árvore e o degolam, e esquartejando-o em seguida. Assim veio o santo, conhecer o martírio. Isto aconteceu por volta do ano 305. Com o ato cruel que fizeram, os moradores da localidade, recolheram o seu sangue e guardaram e frascos, distribuindo-os por todo o império. Historicamente, ele teve sua devoção divulgada entre os cristãos que se dedicaram as ciências da saúde e biológicas, sendo reconhecido como Padroeiro dos Biólogos e Biomédicos. Esta mesma devoção foi difundida de forma significativa na Europa, no tempo da epidemia da Peste Negra (1393-1396), onde, junto com outros 13 santos são considerados como Santo Auxiliar, ganhando assim, o reconhecimento da Igreja. Todavia, os créditos dado a este santo não está pelo fato de ser um dos santos auxiliares, mas que, por volta do século XVII os fracos com seu sangue chegou às mãos dos líderes da Igreja. Hoje, as relíquias se encontram na Igreja de São Severino, em Roma, Itália; e no Mosteiro da Encarnação, em Madrid, sendo neste mosteiro, guardadas pelas freiras Agostinianas, na Capela as Relíquias. E o que acontece com este foi causa de estudo no ano de 1718: a liquefação do sangue do santo martirizado. Este mesmo fenômeno também acontece com o de São Januário, contemporâneo de São Pantaleão. Todavia, o dia em que o de São Januário se liquefaz é aos 19 de Setembro, já o de São Pantaleão, 27 de Julho. E o que chama atenção é o fato de ocorrer nos dois locais onde o sangue do Mártir se encontra. No caso, na Espanha e na Itália. Diante do fato, o Arcebispo de Compostela, Dom Miguel Herrero Esqueva, nomeou uma comissão científica para estudar o caso. O resultado do estudo é publicado no ano de 1724, onde os pesquisadores da época consideraram como autêntico a liquefação do sangue de São Pantaleão.
Associação com fatos históricos revela alguns mistérios os quais são compreendidos de forma mais ampla com os olhos da fé. Como destaque, relatos enfatizam que o sangue de São Pantaleão ficou liquefeito não somente durante o dia 27 de julho, mas por todo o período em que se deu a Guerra Espanhola (1936-1939), onde os comunistas incendiaram Igrejas e Conventos, e assassinaram vários sacerdotes e religiosos no país. Nesta mesma Guerra, os soldados católicos lutavam gritando, segundo relatos: “Viva Cristo Rei”. Os comunistas perderam a Guerra. Outro relato do mesmo sangue, no século XX, é o fato de que durante a Primeira (1914-1918) e Segunda (1939-1945) Guerras Mundiais, o sangue permaneceu liquefeito. Outro dado ainda interessante, é que no ano de 1939, o sangue se solidificou aos 1º de abril, dia em que se oficializou o fim da Guerra Espanhola, e no dia 1º de setembro permaneceu liquefeito até o fim da Segunda Guerra Mundial. No ano de 1979 o sangue voltou a ficar liquefeito, vindo a perdurar durante os anos seguintes da década de 1980. Desde 1989, anualmente, aos 27 de julho, o sangue de São Pantaleão se liquefaz. São estes alguns fenômenos que nos ajudam a analisar mais a ação de Deus na história.
Por fim, por trás de todos estes, estão as honras a este santo, cujo testemunho é considerado. De forma bem específica, por sua vez, o que acontece ainda hoje, por volta desta data, 27 de julho, é mais um fato de que os santos são os Profetas de Deus. Nisto, cabe ao mesmo, a colocação da magna máxima da história: “quando se cala a voz de um profeta, as pedras falarão”.

sábado, 26 de julho de 2014

26 de julho dia de Santa Ana, Mãe da Santíssima Virgem.

26/07 Sabado
Festa de Segunda Classe
Paramentos Brancos

Santa Ana ou Sant'Ana (do latim Anna, por sua vez do hebraico transliterado Hannah, "Graça") foi mãe de Maria, mãe de Jesus Cristo. São João Damasceno exorta Joaquim e Ana como modelos de pais e esposos cujo principal dever era educar seus filhos. São Paulo diz que a educação dos filhos pelos pais é sagrada.

A tradição diz que Joaquim nasceu em Nazaré, e casou-se com Anna quando ele era jovem. Ele era um rico fazendeiro e possuía um grande rebanho. Como não tivessem filhos durante muitos anos Joaquim era publicamente debochado, (não ter filhos era considerado na época uma punição de Deus pela sua inutilidade). Um dia o padre do templo recusou a oferta de Joaquim de um cordeiro e Joaquim foi para o deserto e jejuou e rezou por 40 dias. O Pai de Ana teria sido um judeu nômade chamado Akar que trouxe sua mulher para Nazaré com sua filha Anna. Após o casamento de sua filha com Joaquim tambem ficou triste de não terem sido agraciados com netos. Ana chorava e orava a Deus para atende-la. Um dia ela estava orando e um anjo disse a ela que Deus atenderia as suas preces. Ela estava sob uma árvore pensando que Joaquim a havia abandonado(ele estava no deserto). O anjo disse ainda que o filho que teriam seria honrado e louvado por todo o mundo. Anna teria respondido; "Se Deus vive e se eu conceber um filho ou filha será um dom do meu Deus e eu servirei a Ele toda a minha vida."
O anjo disse a ela para ir correndo encontrar com o seu marido o qual, em obediência a outro anjo, retornava com o seu rebanho. Eles se encontraram em um local que a tradição chama de Portão de Ouro. Santa Anna deu a luz a Maria quando ela tinha 40 anos. É dito que Anna cumpriu a sua promessa e ofereceu Maria a serviço de Deus, no templo, quando ela tinha 3 anos. De acordo com a tradição ela e Joaquim viveram para ver o nascimento de Jesus e Joaquim morreu logo após ver o seu Divino neto presente no templo de Jeruzalém.
O Imperador Justiniano construiu em Constantinopla, uma igreja em honra de Santa Anna lá pelo anos de 550.Seu corpo foi trasladado da Palestina para Constantinopla em 710 e algumas porções de suas relíquias estão dispersas no Oeste. Algumas em Duren (Rheinland-Alemanha), em Apt-en-Provence, (França) e Canterbury (Inglaterra).
O culto litúrgico de Santa Ana apareceu no sexto século no leste e no oitavo século no Ocidente. No século décimo a festa da concepção de Santa Anna era celebrada em Nápoles e se espalhou para Canterbury lá pelos anos de 1100 DC e daí por diante até século 14, quando o seu culto diminui pelo crescente interesse pela sua filha, a Virgem Maria.O culto a Santa Ana chegou a ser até atacada por Martinho Lutero, especialmente as imagens com Jesus e Maria, um objeto favorito dos pintores da Renascença. A devoção aos pais de Nossa Senhora é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no Ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do Ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Düren, Renânia, Alemanha. Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879. Na França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623.

Ladainha de Santa Ana
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo , tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai Céu, tende piedade de nós.
Deus filho Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Deus Uno e Trino, tende piedade de nós.
Nossa Senhora filha de Santa Ana, rogai por nós.
Santa Ana, Mãe de Maria Virgem, rogai por nós.
Santa Ana, avó de Jesus Cristo, rogai por nós.
Santa Ana, esposa digníssima de Joaquim, rogai por nós.
Santa Ana, sogra do santo patriarca José, rogai por nós.
Santa Ana, arca de Aliança, rogai por nós.
Santa Ana, monte de Horeb, rogai por nós.
Santa Ana, raiz de José, rogai por nós.
Santa Ana, descendente de estirpe real de Davi, rogai por nós.
Santa Ana, alegria dos Anjos, rogai por nós.
Santa Ana, filha dos Patriarcas, rogai por nós.
Santa Ana, oráculo dos Profetas, rogai por nós.
Santa Ana, glória dos Santos, rogai por nós.
Santa Ana, alegria dos Sacerdotes e Levitas, rogai por nós.
Santa Ana, nuvem resplandecente, rogai por nós.
Santa Ana, cheia e cumulada de graças, rogai por nós.
Santa Ana, espelho de devoção, rogai por nós
Santa Ana, espelho de ternura, rogai por nós
Santa Ana, espelho de obediência, rogai por nós
Santa Ana, espelho de misericórdia, rogai por nós
Santa Ana, espelho de bondade, rogai por nós
Santa Ana, espelho de misericórdia, rogai por nós
Santa Ana, modelo acabado de paciência, rogai por nós.
Santa Ana, baluarte da Santa Igreja, rogai por nós
Santa Ana, Refúgio de todos os pecadores, rogai por nós.
Santa Ana, protetora dos cristãos, rogai por nós.
Santa Ana, padroeira do parto, rogai por nós
Santa Ana, patrono das mãe cristãs, rogai por nós
Santa Ana, padroeira das viúvas, rogai por nós
Santa Ana, protetora das mulheres que procuram a maternidade, rogai por nós
Santa Ana, mestra e educadora das Virgens, rogai por nós.
Santa Ana, protetora eficaz dos navegantes, rogai por nós.
Santa Ana Porto de salvação, rogai por nós.
Santa Ana Padroeira da boa morte, rogai por nós.
Santa Ana, especialíssima advogada de seus devotos, rogai por nós.
Santa Ana, alívio e alegria dos aflitos, rogai por nós.
Santa Ana, luz e refúgio de todos que a invocam, rogai por nós.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, escutai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.
Senhor tende piedade de nós.
Jesus Cristo, compadecei-vos de nós.
V. Amou Deus a Santa Ana.
R. E teve muitas virtudes. 
 

Rogai por nós  Santa Ana para que sejam dignos das promessas de Cristo.                                                   
Oremos: 
Senhor, seja eternamente bendita a gloriosa Senhora Santa Ana, por ter tido a tarefa de levar em seu seio a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus.                             
A acompanhamos a tão grande Santa com todo nosso afeto e particular devoção na alegria que experimentou sua bendita alma no nascimento de sua Filha e a felicitamos pelo generoso sacrifício que fez ao Altíssimo quando a presentou no Templo. Dignai-vos, grande Santa, apresentarmos com vossas mãos a Jesus e a Maria, e sede perante eles nossa especial protetora e advogada terníssima.Tudo devemos esperar, amada Santa minha, de vosso eficaz valimento e poderoso patrocínio, e temos a tarefa de dar graças em vossa soberana presença. Não é em vão que colocamos em vos toda nossa confiança. Amém. 
Oração: 
Oh! Deus que Vos dignastes fazer a Senhora Santa Ana a graça de ser mãe da Mãe de teu Unigênito filho! 
Concedei-nos por tua bondade e misericórdia que nós que veneramos a tão grande Santa com particular devoção na terra, mereçamos ter seu poderoso patrocínio, para depois estarmos em sua companhia na eterna bem-aventurança do céu. Amém.

Leitura da Epístola dos 


Provérbios  31,10-31 
10.Uma mulher virtuosa, quem pode encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor.11.Confia nela o coração de seu marido, e jamais lhe faltará coisa alguma.12.Ela lhe proporciona o bem, nunca o mal, em todos os dias de sua vida.13.Ela procura lã e linho e trabalha com mão alegre.14.Semelhante ao navio do mercador, manda vir seus víveres de longe.15.Levanta-se, ainda de noite, distribui a comida à sua casa e a tarefa às suas servas.16.Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos.17.Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços.18.Alegra-se com o seu lucro, e sua lâmpada não se apaga durante a noite.19.Põe a mão na roca, seus dedos manejam o fuso.20.Estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente.21.Ela não teme a neve em sua casa, porque toda a sua família tem vestes duplas.22.Faz para si cobertas: suas vestes são de linho fino e de púrpura.23.Seu marido é considerado nas portas da cidade, quando se senta com os anciãos da terra.24.Tece linha e o vende, fornece cintos ao mercador.25.Fortaleza e graça lhe servem de ornamentos; ri-se do dia de amanhã.26.Abre a boca com sabedoria, amáveis instruções surgem de sua língua.27.Vigia o andamento de sua casa e não come o pão da ociosidade.28.Seus filhos se levantam para proclamá-la bem-aventurada e seu marido para elogiá-la.29.Muitas mulheres demonstram vigor, mas tu excedes a todas.30.A graça é falaz e a beleza é vã; a mulher inteligente é a que se deve louvar.31. Dai-lhe o fruto de suas mãos e que suas obras a louvem nas portas da cidade.  
Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 13,44-52 
44.O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo.45.O Reino dos céus é ainda semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas.46.Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra.47.O Reino dos céus é semelhante ainda a uma rede que, jogada ao mar, recolhe peixes de toda espécie.48.Quando está repleta, os pescadores puxam-na para a praia, sentam-se e separam nos cestos o que é bom e jogam fora o que não presta.49.Assim será no fim do mundo: os anjos virão separar os maus do meio dos justos50.e os arrojarão na fornalha, onde haverá choro e ranger de dentes.51.Compreendestes tudo isto? Sim, Senhor, responderam eles.52.Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas.