sexta-feira, 6 de março de 2015

Sexta-feira da 2ª Semana da Quaresma

06/03 Sexta-feira 
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos

Leitura da Epístola do livro do 

Genesis 37,6-22 
6 ?Ouvi, disse-lhes ele, o sonho que tive: 7 estávamos ligando feixes no campo, e eis que o meu feixe se levantou e se pôs de pé, enquanto os vossos o cercavam e se prostravam diante dele.? 8 Seus irmãos disseram-lhe: ?Quererias, porventura, reinar sobre nós e tornar-te nosso senhor?? E odiaram-no ainda mais por causa de seus sonhos e de suas palavras. 9 José teve ainda outro sonho, que contou aos seus irmãos. ?Tive, disse ele, ainda um sonho: o sol, a lua e onze estrelas prostravam-se diante de mim.? 10 Ele contou isso ao seu pai e aos seus irmãos, mas foi repreendido por seu pai: ?Que significa, disse-lhe ele, este sonho que tiveste? Viremos, porventura, eu, tua mãe e teus irmãos, a nos prostrar por terra diante de ti?? 11 Seus irmãos ficaram, pois, com inveja dele, mas seu pai guardou a lembrança desse acontecimento. 12 Os irmãos de José foram apascentar os rebanhos de seu pai em Siquém. 13 Israel disse a José: ?Teus irmãos guardam os rebanhos em Siquém. Vem: vou mandar-te a eles.? ?Eis-me aqui?, respondeu José. 14 ?Vai, pois, ver se tudo corre bem a teus irmãos e ao rebanho, e traze-me notícias deles.? Enviou-o do vale de Hebron, e José foi a Siquém. 15 Um homem encontrou-o errando pelo campo: ?Que buscas?? perguntou ele. 16 ?Busco meus irmãos, respondeu ele. Dize-me onde apascentam os rebanhos.? 17 E o homem respondeu: ?Partiram daqui e ouvi-os dizer: Vamos a Dotain.? Partiu então José em busca dos seus irmãos e encontrou-os em Dotain. 18 Eles o viram de longe. Antes que José se aproximasse, combinaram entre si como o haveriam de matar; 19 e disseram: ?Eis o sonhador que chega. 20 Vamos, matemo-lo e atiremo-lo numa cisterna; diremos depois que uma fera o devorou; e então veremos de que lhe aproveitaram os seus sonhos.? 21 Ouvindo-o, porém, Rubem, quis livra-lo de suas mãos: ?Não lhe tiremos a vida, disse ele. 22 Não derrameis sangue. Jogai-o naquela cisterna, no deserto, mas não levanteis vossa mão contra ele.? Pois Rubem pensava livrá-lo de suas mãos para o reconduzir ao pai. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 21,33-46 
33 Ouvi outra parábola: havia um pai de família que plantou uma vinha. Cercou-a com uma sebe, cavou um lagar e edificou uma torre. E, tendo-a arrendado a lavradores, deixou o país. 34 Vindo o tempo da colheita, enviou seus servos aos lavradores para recolher o produto de sua vinha. 35 Mas os lavradores agarraram os servos, feriram um, mataram outro e apedrejaram o terceiro. 36 Enviou outros servos em maior número que os primeiros, e fizeram-lhes o mesmo. 37 Enfim, enviou seu próprio filho, dizendo: Hão de respeitar meu filho. 38 Os lavradores, porém, vendo o filho, disseram uns aos outros: Eis o herdeiro! Matemo-lo e teremos a sua herança! 39 Lançaram-lhe as mãos, conduziram-no para fora da vinha e o assassinaram. 40 Pois bem: quando voltar o senhor da vinha, que fará ele àqueles lavradores? 41 Responderam-lhe: Mandará matar sem piedade aqueles miseráveis e arrendará sua vinha a outros lavradores que lhe pagarão o produto em seu tempo. 42 Jesus acrescentou: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra rejeitada pelos construtores tornou-se a pedra angular; isto é obra do Senhor, e é admirável aos nossos olhos (Sl 117,22)? 43 Por isso vos digo: ser-vos-á tirado o Reino de Deus, e será dado a um povo que produzirá os frutos dele. 44 [Aquele que tropeçar nesta pedra, far-se-á em pedaços; e aquele sobre quem ela cair será esmagado.] 45 Ouvindo isto, os príncipes dos sacerdotes e os fariseus compreenderam que era deles que Jesus falava. 46 E procuravam prendê-lo; mas temeram o povo, que o tinha por um profeta.

06 de março dia das Santas Perpétua e Felicidade


No ano de 202, o imperador Severo mandou que aqueles que seguissem sendo cristãos e não quisessem adorar aos deuses romanos deveriam morrer. Perpétua estava celebrando uma reunião religiosa em sua casa quando chegou a polícia do imperador e a levou presa, junto com sua escrava Felicidade, e os escravos Revocato, Saturnino e Segundo. Diz Perpétua em seu diário: "Nos colocaram no cárcere e fiquei consternada porque nunca havia estado em local tão escuro. O calor era insuportável e havia muitas pessoas em um subterrâneo muito estreito. Parecia que morreria de calor e asfixia, mas sofria muito mais por não poder estar junto de meu filho, que tinha tão poucos meses e muito necessitava de mim. O que mais pedia a Deus era que nos desse grande virtude para sermos capazes de sofrer e lutar por nossa santa religião". 
No dia seguinte chegaram alguns diáconos católicos e deram dinheiro aos carcereiros para que passassem os presos a outra cela, menos sufocante e escura. Foram levados a um local onde entrava um raio de sol e não ficaram tão incômodos. Também permitiram que levassem o filho de Perpétua, que estava se deixando morrer. Ela disse em seu diário: "Desde que tive meu filho em minhas mãos, aquele cárcere me pareceu um palácio e sentia-me plena de alegria. E a criança também retomou a alegria e vigor". As tias e a avó encarregaram-se depois da criança e sua educação. O chefe do governo de Cártago chamou a juízo Perpétuo e seus servidores. Na noite anterior Perpétua teve uma visão na qual lhe foi dito que teriam que subir uma escada cheia de sofrimentos, mas que ao final de tão dolorosa subida, o Paraíso Eterno as esperava. Ela narrou a seus companheiros a visão e todos se entusiasmaram e se propuseram permanecer fiéis à Igreja até o fim. Primeiro foram chamados os escravos e o diácono. Todos proclamaram ante as autoridades que eram cristãos e preferiam morrer antes que adorar a falsos deuses.

Logo chamaram a Perpétua. O juiz lhe pedia que deixasse a religião de Cristo e passasse a religião pagã, que assim salvaria sua vida. E lhe recordava que era mulher muito jovem e de família rica. Porém Perpétua proclamou que estava decidida a ser fiel a Jesus Cristo até a morte. Neste momento, trouxeram seu pai, o único na família que não era cristão, e ajoelhado ele e suplicou que não persistisse em chamar-se cristã, que aceitasse a religião do imperador, que o fizesse por amor a seu pai e seu filhinho. Ela se comoveu imensamente, mas terminou dizendo-lhe: "Pai, como se chamada este objeto a sua frente?". "Uma bandeja, minha filha.", respondeu ele. "Pois bem, a esta bandeja há de chamar-se bandeja, porque é uma bandeja. E sou cristã, não posso me chamar pagã, porque sou cristã e quero sê-lo para sempre." E acrescentou em seu diário: "Meu pai era o único na família que não se alegrava porque nós seríamos mártires em Cristo". 
O juiz decretou que os três homens deveriam ser levados ao circo e ali, em frente à multidão, seriam destroçados por feras no dia da festa do imperador; e que as mulheres seriam amarradas frente a uma vaca furiosa. Porém, havia um inconveniente: Felicidade estava grávida e a lei proibia matar a quem estava por dar à luz. E ela desejava ser martirizada por amor a Cristo. Então os cristãos oraram com fé e Felicidade deu a luz a uma linda menina, que foi confiada às mulheres cristãs, e assim Felicidade pode ser martirizada. Um carcereiro fazia pouco caso dela, dizendo-lhe: "Agora te queixas das dores do parto, como farás frente às dores do martírio?". Ele lhe respondeu: "Agora sou fraca porque sofro por minha natureza. Porém, quando chegar o martírio, me acompanhará a graça de Deus, que me encherá de fortaleza.". Aos condenados à morte permitia-se fazer uma ceia de despedida. Perpétua e seus companheiros organizaram uma ceia eucarística. Dois santos diáconos lhes levaram a comunhão, e depois de orar e animarem-se uns aos outros, abraçaram-se e despediram com o ósculo da paz. Todos estavam animados, alegremente bem dispostos a entregarem a vida por proclamar a fé em Jesus Cristo. Antes de levarem-nos ao circo, os soldados queriam que os homens vestissem como sacerdotes dos falsos deuses e as mulheres como sacerdotisas pagãs. 
Porém Perpétua se opôs e ninguém conseguiu lhes vestir aquelas roupas. Os escravos foram jogados às feras, que os destroçaram e eles derramaram assim valentemente seu sangue por nossa religião. O Diácono Sáturo conseguiu converter um dos carcereiros, chamado Pudente, ao Cristianismo. Disse-lhe: "Para que vejas que Cristo é Deus, te anuncio que colocaram frente a um urso feroz, mas esta fera não me fará nenhum mal." E assim aconteceu: amarraram-lhe e colocaram em frente à jaula de um urso muito agressivo. O animal feroz não lhe fez nenhum mal, e ainda deu uma tremenda dentada no seu tratador, que o atiçava contra o santo diácono. Então soltaram a um leopardo, que com uma dentada destroçou Sáturo. Quando o diácono estava moribundo, molhou com seu sangue um anel, colocou-o no dedo de Pudente, que então aceitou definitivamente converter-se ao Cristianismo. A Perpétua e Felicidade amarram com arame, colocaram-nas no centro e soltaram uma vaca bravíssima, que as atacou sem misericórdia. Perpétua unicamente se preocupava em ir-se cobrindo, com os restos de tecido que sobravam, para que não desse espetáculo por estar desnuda. Ajeitava os cabelos, para que não parecesse uma pagã chorona. O povo emocionado, ao ver a valentia das jovens mães, pediu que as retirassem pela porta onde saiam os gladiadores vitoriosos. Perpétua, então saiu de seu êxtase, e perguntou onde estava a tal vaca que lhes atacaria. Mas logo após o povo cruel pediu que as trouxessem para lhes cortar a cabeça em frente a todos. Ao saber desta notícia, as jovens abraçaram-se emocionadas e retornaram a praça. À Felicidade cortaram a cabeça com um golpe de machado, porém o verdugo que deveria matar Perpétua estava muito nervoso e errou o primeiro golpe. Ela deu um grito de dor, porém posicionou melhor a cabeça para facilitar o trabalho do verdugo e lhe indicou onde dveria atingi-la. Assim, esta mulher corajosa mostrou até o último instante que morria mártir por sua própria vontade e com toda generosidade.

quinta-feira, 5 de março de 2015

Pensamentos deSanta Teresinha do Mês de Março

Resumiremos a cada mês os excertos do livro
"Pensamentos de Santa Teresinha"
Mais informações sobre a venda do nosso livro clique aqui!



1. O verdadeiro amor se nutre de sacrifícios e quando mais se priva a alma das satisfações naturais, mais a sua ternura tornam-se fortes e desinteressadas. (Conselhos e Lembranças)

2. Sejamos ciosas das menores ocasiões de nos sacrificar e nada recusemos a Jesus. Ele tem tanta necessidade de amoré!(6ª carta a Celina)

3. Ó meu Jesus, parece-me impossível que uma alma chegue a caber mais amor do que vós pusestes na minha; eis por que me animo a suplicar-vos que ameis todos aqueles que me tendes amado Amim. (Historia de uma alma, c. X)

4. Não vá lá imaginar que eu estou nadando em consolação; oh! Isso não; a minha consolação consiste em não ter nenhuma neste mundo. (História de uma alma, c.IX)

5. Jesus se compraz em indigitar-me a única senda que leva a essa fornalha Divina; esta senda é o abandono, a despreocupação da criancinha que sem temor adormece entre os braços de seu Pai. (Historia de uma alma, c.IX)

6. Havemos de auxiliar os Missionários por meio da oração e sacrifícios. (Historia de uma alma, c.X)

7. Si eu fosse rica não poderia ver um pobre com fome sem que lhe desse de comer. Assim faço na minha vida espiritual. Á medida que ganho alguma coisa, sabendo que as almas estão preste a cair no inferno, dou-lhes os meus tesouros não encontro um momento, que possa dizer: agora vou trabalhar para mim. (Conselhos e Lembranças) 

8. Nesta terra é preciso não se apegar a nada, ainda ás coisas inocentes, porque quando menos pensamos elas nos faltam. Só o que é eterno nos pode contentar. (1ª cata a Irmã Maria do Sagrado Coração)

9. Si soubésseis até que ponto desejo ser indiferente ás coisas da terra! Que me importam todas as belezas criadas? Seria bem desgraçada si as possuísse! (2ª carta á Madre Inez de Jesus)

10. Escrever livros de piedade, compor as mais sublimes poesias; tudo isto não vale o mais pequenino ato de renuncia. (Conselho e Lembrança)

11. Não sou capaz de procurar nos livros de piedade belas orações. Como não sei qual escolher, faço como as crianças que não sabem ler: digo simplesmente a Deus tudo que lhe queria dizer, e Ele me compreende sempre. (Historia de uma alma, c X)

12. Muitas vezes durante minhas ações de graças eu repetia esta passagem da Imitação: “Ó Jesus, doçura inefável, muda-me em amargura todas as consolações da terra”. Estas palavras saiam sem esforço de meus lábios, e eu as pronunciava como uma criança sem compreender o que uma pessoa amiga lhe inspirava. (Historia de uma alma, c IV)

13. A gota de fel deve estar misturada em todos os cálices, pois eu acho que provações ajudam muito a se desapegar da terra; fazem olhar mais o céu que este mundo. (1ª carta á Madre Inez de Jesus)


14. Sim, desejo estas feridas do coração, estes golpes de espinhos que fazem sofrer tanto... A todos os êxtases prefiro o sacrifício. (3ª carta á Madre Inez de Jesus)

15. Não temo senão o único dia desta vida para salvar as almas e dar assim ao Senhor prova de nosso amor. (2ª carta aos Missionários)


16. Desde que compreendi o amor do Coração de Jesus, confesso que expulsei do meu coração todo temor. A lembrança de minhas faltas me humilha, leva-me a não me apoiar em minha força, que não é senão fraqueza; mas esta lembrança me fala mais ainda da misericórdia e do amor. (5ª carta aos Missionários)

17. Eis o caráter de Nosso Senhor; Ele dá como Deus, mas quer a humildade de coração. ( 17ª carta a Celina)

18. A única coisa que eu desejo é a vontade de Deus. (4ª carta aos Missionários)

19. Desde a mais tenra infância que na minha alma se confundem a devoção a Maria e a São José.

20. Eu só tenho necessidade de resignação para viver... Para morrer é só alegria que sinto. (Historia de uma alma, c VIII)

21. Está escrito no catecismo que a morte é a separação da alma e do corpo e é certo!Pois bem, eu não tenho medo de uma separação que me unirá para sempre ao bom Deus. (Conselhos e Lembranças)

22. A vida não é triste! Ao contrario, ela é muito alegre. Si dizeis: “A vida na terra é o exílio e triste”, eu vos compreendo. Este nome de vida só deveu dar ás coisas do céu, que nuca se hão de acabar. (Conselhos e Lembranças)

23. O rosto é o reflexo da alma; dáveis ter um rosto calmo e sereno, como uma criancinha que está sempre contente. Quando estiveres só, procede da mesma maneira, porque é sempre espetáculo dos anjos. (Conselhos e Lembrança)


24. Jesus gosta dos corações alegres, e ama uma alma sempre sorridente. (Conselho e Lembrança)

25. O único crime imputado a Nosso Senhor por Herodes foi o de ser louco... E, francamente, Ele o era na verdade! Sim, era a loucura de viver procurar os pobres corações dos mortais para deles fazer seus tronos, Ele, o Rei da Gloria, que está assentado acima dos Querubins. (20ª carta a Celina)

26. Deus nos disse que no ultimo dia Ele enxugará todas as lagrimas de nossos olhos; e, não há duvida, quanto mais lagrimas houver para enxugar, maior será a consolação. (3ª carta a Irmã Maria do Sagrado Coração)

27. Tudo é puro para os puros. A alma simples e reta não vê mal em nada, pois o mal só existe nos corações impuros, e não nos objetos insensíveis. (Historia de uma alma, c VI)


28. Uma alma no estado de graça não deve ter medo dos demônios, que são patifes e capazes de fugir diante do olhar de uma criança. (Historia de uma alma, c I)

29. Só no céu veremos a verdade absoluta de todas as coisas. Na terra, mesmo na Sagrada Escritura, há o lado obscuro e tenebroso. (Conselho e Lembrança)


30. Guardar a palavra de Jesus, eis a única condição da nossa felicidade, a prova de nosso amor para com Ele; e esta palavra parece-me que é Ele; e esta palavra parece-me que é Ele mesmo, pois se chama o Verbo ou Palavra Incriada do Pai. (18ª carta a Celina)

31. Jesus não veio procurar nem o espírito nem os talentos neste mundo... Ele se fez a Flor dos Campos, a fim de nos mostrar como lhe é querida a simplicidade. (14ª carta a Celina)

Quinta-feira da 2ª Semana da Quaresma

05/03 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos

Leitura da Epístola do livro do profeta

Jeremias 17,5-10 
5 Eis o que diz o Senhor: Maldito o homem que confia em outro homem, que da carne faz o seu apoio e cujo coração vive distante do Senhor! 6 Assemelha-se ao cardo da charneca e nem percebe a chegada do bom tempo, habitando o solo calcinado do deserto, terra salobra em que ninguém reside. 7 Bendito o homem que deposita a confiança no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. 8 Assemelha-se à árvore plantada perto da água, que estende as raízes para o arroio; se vier o calor, ela não temerá, e sua folhagem continuará verdejante; não a inquieta a seca de um ano, pois ela continua a produzir frutos. 9 Nada mais ardiloso e irremediavelmente mau que o coração. Quem o poderá compreender? 10 Eu, porém, que sou o Senhor, sondo os corações e escruto os rins, a fim de recompensar a cada um segundo o seu comportamento e os frutos de suas ações

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 16,19-31 
19 Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho finíssimo, e que todos os dias se banqueteava e se regalava. 20 Havia também um mendigo, por nome Lázaro, todo coberto de chagas, que estava deitado à porta do rico. 21 Ele avidamente desejava matar a fome com as migalhas que caíam da mesa do rico... Até os cães iam lamber-lhe as chagas. 22 Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. 23 E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio. 24 Gritou, então: - Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua, pois sou cruelmente atormentado nestas chamas. 25 Abraão, porém, replicou: - Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em vida, mas Lázaro, males; por isso ele agora aqui é consolado, mas tu estás em tormento. 26 Além de tudo, há entre nós e vós um grande abismo, de maneira que, os que querem passar daqui para vós, não o podem, nem os de lá passar para cá. 27 O rico disse: - Rogo-te então, pai, que mandes Lázaro à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos, 28 para lhes testemunhar, que não aconteça virem também eles parar neste lugar de tormentos. 29 Abraão respondeu: - Eles lá têm Moisés e os profetas; ouçam-nos! 30 O rico replicou: - Não, pai Abraão; mas se for a eles algum dos mortos, arrepender-se-ão. 31 Abraão respondeu-lhe: - Se não ouvirem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite algum dos mortos.

05 de março dia de Santo Adriano, Mártir.

5.jpg

Santo Adriano,Martir. 
+ Palestina, 308. Sabendo que os cristãos eram perseguidos em Cesaréia, para lá se dirigiu Santo Adriano a fim de prestar-lhes auxílio.Logo descoberto foi preso, por causa da Fe em Cristo,o prefeito Firmiliano ordenou que o açoitassem e depois lançado aos leões, e que correram para ele milagrosamente não para o devorar mas foram submissos. Teve então a cabeça degolada pela espada.Assim alcançou ele a coroa do martírio, na perseguição de Diocleciano.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Quarta-feira 2ª Semana da Quaresma

04/03 Quarta-feira 2ª Semana da Quaresma 
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos

http://www.laywhispers.com/uploads/4/8/1/0/4810238/9716765_orig.jpg

Epístola extraída do

Ester 13, 8-11 e 15-17
8 Então Mardoqueu orou ao Senhor, recordando tudo o que havia feito: 9 Senhor, disse, Senhor, rei todo-poderoso, tudo está realmente no vosso poder, e ninguém pode resistir à vossa vontade, se tendes resolvido salvar Israel. 10 Fizestes o céu e a terra e todas as maravilhas que se acham sob a abóbada celeste. 11 Sois o Senhor universal e ninguém poderia opor-se a vós, o Senhor. 15 E agora, Senhor, que sois meu Deus e meu rei, Deus de Abraão, poupai vosso povo, pois nossos inimigos nos querem arruinar e destruir vossa antiga herança. 16 Não desprezeis a vossa porção, que vós resgatastes do Egito. 17 Ouvi minha oração! Sede propício para com a partilha de vossa herança, e mudai em gozo nossa dor, a fim de vivermos para celebrar vosso nome, Senhor, e não fecheis a boca daqueles que vos louvam, ó Senhor!


Sequência do Santo Evangelho 
 

São Mateus, 20,17-28
17 Subindo para Jerusalém, durante o caminho, Jesus tomou à parte os Doze e disse-lhes: 18 Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes e aos escribas. Eles o condenarão à morte. 19 E o entregarão aos pagãos para ser exposto às suas zombarias, açoitado e crucificado; mas ao terceiro dia ressuscitará. 20 Nisso aproximou-se a mãe dos filhos de Zebedeu com seus filhos e prostrou-se diante de Jesus para lhe fazer uma súplica. 21 Perguntou-lhe ele: Que queres? Ela respondeu: Ordena que estes meus dois filhos se sentem no teu Reino, um à tua direita e outro à tua esquerda. 22 Jesus disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu devo beber? Sim, disseram-lhe. 23 De fato, bebereis meu cálice. Quanto, porém, ao sentar-vos à minha direita ou à minha esquerda, isto não depende de mim vo-lo conceder. Esses lugares cabem àqueles aos quais meu Pai os reservou. 24 Os dez outros, que haviam ouvido tudo, indignaram-se contra os dois irmãos. 25 Jesus, porém, os chamou e lhes disse: Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. 26 Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, se faça vosso servo. 27 E o que quiser tornar-se entre vós o primeiro, se faça vosso escravo. 28 Assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate por uma multidão.



04 de março dia de São Casimiro, Rei e Confessor.


   São Casimiro, príncipe da Polônia e rei eleito da Hungria, o terceiro filho do rei Casimiro IV da Polônia e Isabel da Áustria, nasceu em 14 de outubro de 1458. Não só recebeu uma educação primorosíssima de sua santa mãe, mas teve também excelentes mestres que o introduziram nas ciências; entre eles merece atenção o célebre Longino, homem de grande saber e virtude. 
    O maior prazer de Casimiro era rezar e estudar e seu lugar predileto era a Igreja. "Em parte alguma me sinto tão bem - dizia - como nos degraus do altar. Tendo para escolher entre a casa, o jogo, a dança e outros divertimentos, dispenso-os todos, se puder ficar na Igreja". À santa Missa assistia Casimiro com um recolhimento admirável. Tendo mais idade, levantava-se durante a noite, para fazer uma visita à Igreja; se a achava fechada, ficava de joelhos na porta, em profunda adoração ao Santíssimo Sacramento. Terníssima era sua devoção à Sagrada Paixão e Morte de Jesus Cristo. Os olhos enchiam-se lhe de lágrimas, todas as vezes que olhava para o crucificado. A Maria Santíssima não chamava de outro nome senão o de "minha querida Mãe". 
   O hino predileto, que muitas vezes recitava era: "Omni die dic Mariae", pérola preciosíssima da literatura cristã, não da sua lavra, como muitos pretendem que seja, mas provavelmente de autoria de Santo Anselmo de Canterbury. Uma cópia deste hino achava-se no túmulo do Santo, quando aberto em 1604. O corpo estava perfeitamente conservado e o hino encontrou-se debaixo da cabeça. Como o amor a Jesus e Maria ligava Casimiro uma grande caridade aos pobres, o que lhe valeu o título de "pai dos pobres"
   A algumas pessoas da corte, que achava essa caridade um tanto exagerada, Casimiro respondeu: "Melhor aplicação da nobreza um príncipe não pode fazer, senão servindo aos pobres. Quanto a mim, maior honra não aspira que fazer-me servo do mais pobre". O desprezo que tinha pelas honras e grandezas do mundo é bem caracterizada pelo modo porque se houve na campanha contra Matias, rei da Hungria. Matias tinha perdido o trono, e representantes da nação húngara ofereceram a Casimiro a coroa de Santo Estevão. O pai apoiava fortemente o pedido dos embaixadores e determinou ao filho, que contava apenas 13 anos, que com força armada entrasse na Hungria, onde Matias o aguardava com poderoso exército, esperando a entrada do jovem príncipe. 
   Nesse meio tempo, como o povo declarou-se novamente a favor de Matias para que retornasse, o Papa Sixto IV também manifestou a intenção de vê-lo de volta ao trono. Em consideração a estes fatos, Casimiro retirou-se para o castelo de Dobzki, onde passou uns meses às práticas da mais austera penitência. Um segundo convite de políticos húngaros não mais foi tomado em consideração, e o desejo do santo de alcançar a coroa da glória eterna aumentou consideravelmente. Apesar de rodeada de todo o conforto, a vida se  São Casimiro foi acompanhado de um espírito de penitência que não é comum entre os homens. Extremamente rigoroso consigo, Casimiro trazia sempre um cilício para castigar o corpo e cada semana dedicava uns dias ao jejum. 
   Os dias de jejum e abstinência por mandamento da Igreja eram observados com toda a pontualidade, mesmo na doença. Ao sono eram reservadas poucas horas e, embora lhe tivesse à disposição um leito que em comodidade nada deixava a desejar, Casimiro escolhia de preferência o chão para o repouso do corpo. A prática de todas estas virtudes mereceram ao príncipe a fama de grande Santo. Entre as virtudes que lhe adornavam o coração, foi a da santa pureza que Casimiro exercia com especial esmero, e à qual se obrigou por um voto. É admirável que o jovem príncipe pudesse chegar a um grau tão elevado, principalmente nesta virtude, quando se via, dia por dia, rodeado de perigos e seduções. A chave deste segredo estava na recepção dos Sacramentos, na devoção à Santíssima Virgem, na mortificação constante do corpo e na fuga das más ocasiões. Em sua presença ninguém ousava proferir palavra que ofendesse a moral. 
   Quando contava 24 anos, lhe apareceram no organismo todos os sintomas da tuberculose. Os médicos vendo já esgotados todos os recursos da ciência, deram ao príncipe, como última esperança de salvar a vida, o conselho de se casar. Casimiro, mal tinha ouvido esta proposta, declarou: "Antes prefiro morrer; e se tivesse de perder mil vidas, todas perderiam, para guardar a castidade virginal". Por um favor especial de Deus, Casimiro soube o dia de sua morte, para ela se preparou com muito fervor. As últimas palavras que disse, foram, depois de ter beijado o Crucifixo: "Em vossas mãos, ó Jesus, entrego o meu espírito". Casimiro morreu em 1484, sendo sua festa celebrada no dia 04 de março. São Casimiro goza de grande veneração na Polônia, onde sua festa é comemorada com oitava.

terça-feira, 3 de março de 2015

Terça-feira 2ª Semana da Quaresma

03/03 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos


Leitura da Epístola do livro do profeta


I Reis, 17,8-16
8.Então o Senhor disse-lhe:
9. Vai para Sarepta de Sidon e fixa-te ali: ordenei a uma viúva desse lugar que te sustente.10. Elias pôs-se a caminho para Sarepta. Chegando à porta da cidade, viu uma viúva que ajuntava lenha. Chamou-a e disse-lhe: Por favor, vai buscar-me um pouco de água numa vasilha para que eu beba.
11. E indo ela buscar-lhe a água, gritou-lhe Elias: Traz-me também um pedaço de pão.12. Pela vida de Deus, respondeu a mulher, não tenho pão cozido: só tenho um punhado de farinha na panela e um pouco de óleo na ânfora; estava justamente apanhando dois pedaços de lenha para preparar esse resto para mim e meu filho, a fim de o comermos, e depois morrermos.
13. Elias replicou: Não temas; volta e faze como disseste; mas prepara-me antes com isso um pãozinho, e traze-mo; depois prepararás o resto para ti e teu filho.14. Porque eis o que diz o Senhor, Deus de Israel: a farinha que está na panela não se acabará, e a ânfora de azeite não se esvaziará, até o dia em que o Senhor fizer chover sobre a face da terra.
15. A mulher foi e fez o que disse Elias. Durante muito tempo ela teve o que comer, e a sua casa, e Elias.16. A farinha não se acabou na panela nem se esgotou o óleo da ânfora, como o Senhor o tinha dito pela boca de Elias.

Sequência do Santo Evangelho 


São Mateus, 23,1-12

1. Dirigindo-se, então, Jesus à multidão e aos seus discípulos, disse:
2. Os escribas e os fariseus sentaram-se na cadeira de Moisés.3. Observai e fazei tudo o que eles dizem, mas não façais como eles, pois dizem e não fazem.4. Atam fardos pesados e esmagadores e com eles sobrecarregam os ombros dos homens, mas não querem movê-los sequer com o dedo.
5. Fazem todas as suas ações para serem vistos pelos homens, por isso trazem largas faixas e longas franjas nos seus mantos.
6. Gostam dos primeiros lugares nos banquetes e das primeiras cadeiras nas sinagogas.7. Gostam de ser saudados nas praças públicas e de ser chamados rabi pelos homens.8. Mas vós não vos façais chamar rabi, porque um só é o vosso preceptor, e vós sois todos irmãos.
9. E a ninguém chameis de pai sobre a terra, porque um só é vosso Pai, aquele que está nos céus.10. Nem vos façais chamar de mestres, porque só tendes um Mestre, o Cristo. 11. O maior dentre vós será vosso servo.
12. Aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que se humilhar será exaltado.

03 de março dia de Santa Cunegundes,Viuva.

 Santa Cunegundes viveu na realeza. Nasceu no ano 988, era filha de Sigfredo, conde de Luxemburgo e Asdvige, que transmitiu pessoalmente à ela os profundos ensinamentos cristãos. Desde pequena a menina desejava se tornar religiosa.
  Porém casou-se com Henrique, duque da Baviera, que era católico e em 1002 se tornou rei da Alemanha. Em 1014 o casal real recebeu a coroa imperial das mãos do Papa Bento VIII, em Roma. Para o povo, foi um tempo de paz e prosperidade. O casal ficou famoso pela felicidade que proporcionava aos seus súditos, o que chamou a atenção dos inimigos do reino e do imperador. Mas também porque a população e a corte diziam que eles haviam feito um "matrimonio de São José", casamento Josefino vivendo ambos em perfeita continência. Mais tarde, os inimigos da corte espalharam uma forte calúnia contra a imperatriz, dizendo que ela havia traído seu marido. A princípio os dois não se importaram, mas os boatos começaram a rondar o próprio palácio e Cunegundes resolveu acabar com a maledicência. Numa audiência pública, negou a traição e evocou Deus para comprovar que dizia a verdade. Para isso, mandou que colocassem à sua frente grelhas quentes. Rezou, fechou os olhos e pisou descalça sobre elas várias vezes, sem que seus pés se queimassem. Isso bastou para o imperador, a corte e o povo admirar ainda mais a santidade da imperatriz, que vivia trabalhando para atender os pobres e doentes, crianças e idosos abandonados, com suas obras religiosas assistenciais.
   Em 1021 o casal imperial fundou um mosteiro beneditino em Kaufungen, em agradecimento à Deus pela cura completa de uma doença grave que Cunegundes havia contraído. Quatro anos depois, quando Henrique faleceu, ela retirou-se para esse mosteiro, abdicando do trono e da fortuna, onde viveu como religiosa por quinze anos.
   Até hoje o mosteiro possui em seu acervo os riquíssimos e belos paramentos que Cunegundes costurava. Contudo, ela própria usava somente um hábito muito simples, também feito com as próprias mãos. Com ele trabalhava diariamente e com ele fez questão de ser enterrada, embora suas companheiras tivessem preparado cobertas ricamente bordadas e enfeitadas com jóias preciosas para seu velório.
   Antes de morrer, no dia 03 de março de 1039, pediu que a enterrassem como uma simples monja e ao lado da sepultura do esposo, na Catedral de Bamberg, que eles também haviam construído. O local foi palco de numerosos prodígios e graças, por isso seu culto correu entre os fiéis e se propagou por toda a Europa. O Papa Inocêncio III a canonizou em 1200, autorizando sua festa para o dia de sua morte. Santa Cunegundes é padroeira de Luxemburgo, da Lituânia e da Polônia o que faz com que sua devoção se mantenha ainda muito forte e intensa.


segunda-feira, 2 de março de 2015

Missa do Papa Paulo VI, para que fim foi criada? (2)

A liturgia Modernista da CNBB tem péssimas qualidades criada para ser a renovação mais sem pé e sem cabeça.Subsídios para uma anti-formação.
 Uma verdadeira revolução observem o nome irracional: Formação Litúrgica em Mutirão.

l LITURGIA
UM DESAFIO:O QUE FAZER COM O DOMINGO?
 Este livrinho é direcionado:Elaborado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia, com orientações práticas para a organização e animação das celebrações litúrgicas. É destinado às equipes de pastoral litúrgica, diáconos, presbíteros e bispos.http://www.edicoescnbb.com.br/loja/produto-302647-1140-liturgia_em_mutirao_i__subsidios_para_formacao
http://paroquiasaopedroesaopaulo.com.br/wp-content/uploads/2013/04/liturgia-em-mutir%C3%A3o.jpeg
Formação Litúrgica em Mutirão
CNBB - rede celebra - revista de liturgia

 A CNBB trata sua Liturgia modernista como mutirão:

O que é Mutirão?
Mutirão é o nome dado no Brasil a mobilizações coletivas para lograr um fim, baseando-se na ajuda mútua prestada gratuitamente. É uma expressão usada originalmente para o trabalho no campo ou na construção civil de casas populares, em que todos são beneficiários e, concomitantemente, prestam auxílio, num sistema de rodízio e sem hierarquia.http://pt.wikipedia.org/wiki/Mutir%C3%A3o
http://www.arquidioceseolindarecife.org/wp-content/uploads/2011/04/mutir%C3%A3o-macei%C3%B3.jpg 
Esta palavra também está sendo usada no setor também da tal pastoral da comunicação. 


O fim da liturgia modernista é mesmo um mutirão.Sua liturgia da sua missa do Papa Paulo VI não segue a santa hierarquia da tradição da Santa Igreja.



Depois falam que não rompem com a tradição.

CNBB - rede celebra - revista de liturgia


Durante longo percurso histórico (sobretudo no segundo milênio), em nossa Igreja, uma grande maioria de cristãos viu no domingo apenas o frio cumprimento da "lei" do descanso e do culto, sem motivação teológico-espiritual. Simplesmente se guardava o domingo e se ia à missa neste dia porque existia uma lei da Igreja que obrigava...
http://www.acheoracao.com.br/ficha1.html
E perguntamos porque é frio?Qual a intenção desta palavra.


Formadores eclesiásticos que tem a função de Bispos é alertar, dar o alarme como sentinela posta por Deus para resguardar o seu rebanho, mostrando-lhes o reto caminho nesses momentos de crise. 
  
  O frio é simplesmente a ausência de Deus por isto que agora bom final de semana fruto modernista de seus ecumenismos pois para o adventistas, judeus e etc...guardam o sábado e outros guardam o dinheiro. 
  Deus não criou o frio no homem em obedecer sua Lei.

  O frio resulta de sua humanidade decaída que não quer lutar contra este sentimento frio de não obedecer as lei de Deus.
  Deus deu este mandamento em suas leis senão haveria de dita-las. 
  A nossa Santa Religião e mais do que sentimentos de liturgia de mutirão.
  Sentimento de frio ou de calor não tem nada a ver se tenho que obedecer a Lei pois quem não segue esta colocando em jogo sua salvação.Então para não se condenar não siga tais sentimentos obscuros.
 Então se digo no Pai-Nosso seja feita sua vontade.Para que sua vontade seja obedecida é também em suas leis e ponto.Que esse negocio de que agora é outra situação; Deus é o mesmo ontem,hoje e sempre.

Advertia Dom Antônio de Castro Mayer “Ninguém tem o direito de julgar a palavra do Papa e só aceita-la se receber seu beneplácito”
  A liturgia virou mutirão como é?Outra situação expliquem.Como hoje os modernista julgam e vão além substituem o ensinamentos de São Pio X e dos outros papas.
Ou pecado não é o mesmo.
 
 Porque para explicar as coisas que estão contidas no Depósito da Fé, não foi aos julgamentos privados dos Modernistas que o Nosso Salvador as confiou, mas sim ao Magistério Eclesiástico ininterrupto.



  O Catecismo de São Pio X, a doutrina católica foi ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo para mostrar aos homens o caminho da salvação e da vida eterna. As suas partes mais importantes e necessárias são quatro: o Credo, o Pai Nosso, os Dez Mandamentos e os sete sacramentos.
 31. Que pedimos na terceira petição do Pai Nosso: Seja feita a vossa vontade,assim na terra como no céu?

Na terceira petição pedimos a Deus que seja feita a sua santíssima vontade, isto é, que seja executada a sua lei e respeitados os seus mandamentos

 Sua santíssima vontade tem ser respeitada não é fria e nem uma liturgia em mutirão a Santa Liturgia de Sempre nunca será movida pelo mutirão modernista.

 Nesta Santa quaresma façam reparação dos que chamam o mal de bem.

REZEM TODOS OS DIAS O SANTO ROSÁRIO,façam penitência.