sábado, 31 de janeiro de 2015

31 de janeiro dia de São João Bosco, Confessor

31/01 Sábado
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
Visão de Dom Bosco

 João Melchior Bosco SDB (Castelnuovo d'Asti, 16 de agosto de 1815 — Turim, 31 de janeiro de 1888)Nasceu do segundo casamento de Francesco Bosco, tendo por mãe Margherita Occhiena. A família era ainda composta pelo irmão do primeiro casamento do pai, Antônio, e seu irmão mais velho, José.
   Ficou órfão de pai quando tinha apenas dois anos de idade. Diante da difícil situação econômica porque passava o norte da Itália, sua infância foi marcada pela pobreza da família.
  Começou a estudar por volta dos nove anos, aos dezesseis anos passa a frequentar a escola de Castelnuovo D'Asti e aos vinte ingressa no Seminário de Chieri, sendo ordenado sacerdote em 5 de junho de 1841, pelo bispo Luigi Fransoni. Após a ordenação, transfere-se para Turim.
  No contexto da revolução industrial na Itália, havia grande contingente de jovens sem família nas grandes cidades. Desde 1809, em Milão, a Igreja  mantinha obra assistencial para jovens denominada oratório, que se ocupava de lazer, educação e catequese. O primeiro oratório de Turim foi fundado em 1841, pelo padre Giovanni Cochi. Influenciado por essas iniciativas, São João Bosco funda em 8 de dezembro de 1841 um oratório em Turim, quando atende e ensina o jovem Bartolomeo Garelli na sacristia da Igreja de São Francisco de Assis. Em 8 de dezembro de 1844, esse oratório passa a denominar-se 'Oratório de São Francisco de Sales e em 1846 passou a ter sua sede numa propriedade de Francisco Pinardi, no bairro turinense de Valdocco.
 São João Bosco propõe a Sociedade de São Francisco de Sales, que seria vista como uma associação de cidadãos aos olhos do Estado e como uma associação de religiosos perante a Igreja. Após consultar o Papa Pio IX, Bosco recebeu de seus companheiros padres, seminaristas e leigos a adesão à Sociedade de São Francisco de Sales em 18 de dezembro de 1859 e em 14 de março de 1862, os primeiros salesianos fizeram os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência. A partir de 1863, além dos oratórios, os salesianos passam a se dedicar também aos colégios e escolas católicas para meninos e jovens. na educação infanto-juvenil e o ensino profissional, sendo um dos criadores do sistema preventivo em educação. Dedicou-se também ao desenvolvimento da imprensa católica. É o fundador da Pia Sociedade de São Francisco de Sales (1859), conhecida por salesianos, co-fundador da congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, conhecidas por irmãs salesianas em 1861, na cidade italiana de Mornese, Maria Domingas Mazzarello convida sua amiga Petronilla para juntas organizarem uma oficina de costura para meninas. Em 1863 a oficina começa a acolher meninas órfãs. O seu trabalho é superviosionado pelo Pe. Domingos Pestarino, que havia se associado aos salesianos. Com o auxílio de Pestarino, Bosco propõe às jovens que se organizem como uma congregação religiosa, com o nome de Filhas de Maria Auxiliadora e em 5 de agosto de 1872 as primeiras salesianas fazem seus votos. Maria Mazzarello foi a primeira superiora da congregação.e também fundador da Associação Internacional dos Cooperadores Salesianos que foi aprovada em 1876 pelo Papa Pio IX. O objetivo era o mesmo da Sociedade de São Francisco de Sales, a saber: o trabalho educativo e catequético junto aos meninos e aos jovens. Em sua forma de associação, tornou-se uma sociedade mista, com homens e mulheres leigos.
  Com ataques da revolução Francesa maçonica deu-se a crise da separação entre Estado e Igreja na Itália, mais mesmo assim há forte demanda por escolas católicas, fazendo com que esse tipo de instituição se dissemine rapidamente. As regras da Sociedade, chamadas de Constituições, foram aprovadas pela Igreja em 1874. Em sua morte, em 1888, a Sociedade contava com 768 membros, com 26 casas fundadas nas Américas e 38 na Europa.São João  Bosco é o padroeiro da capital federal do Brasil, Brasília.
O Sonho de São João Bosco e as semelhanças com a Aparição de Fátima.
  São João Bosco teve o sonho descrito abaixo em 1862,semelhante a Aparição de Nossa Senhora à irmã Lúcia em  Fátima, em que o Papa morre onde os Modernitas disseram ter revelado tudo é a verdade,mais ocultaram a explicação do papa de branco cai atingido.

  São João Bosco, no dia dia 30 de maio, pois, contou, seu sonho.
  É verdade que conto isso para utilidade espiritual de vocês. O sonho, eu o tive há alguns dias.
  Imaginem vocês estarem comigo numa praia do mar, ou antes, sobre um escolho isolado, e de não ver outro espaço de terra a não ser aquele que lhes está sob os pés. Em toda aquela vasta superfície das águas se via uma multidão inumerável de navios em ordem de batalha, cujas proas eram terminadas por um agudo esporão de ferro em forma de lança, que, onde era dirigido, feria e traspassava qualquer coisa. Estes navios estavam armados com canhões, carregados com fuzis e armas de todo gênero, com matérias incendiárias, e também com livros, e avançavam contra um navio muito maior e mais alto que todos eles. Por meio do esporão, tentam chocar‑se com ele, incendiá‑lo, ou ao menos causar‑lhe todo o dano possível.
    Aquela nave majestosa, ricamente adornada, era escoltada por muitas navezinhas que recebiam dela os sinais de comando e executavam manobras para se defender das frotas adversárias.
    O vento lhes era desfavorável e o mar agitado parecia favorecer os inimigos. No meio da imensa extensão do mar elevavam‑se acima das ondas duas robustas colunas, altíssimas, pouco distantes uma da outra. Sobre uma delas havia a imagem da Virgem Imaculada, em cujos pés pendia um longo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum (Auxílio dos Cristãos). Sobre a outra, que era muito mais alta e mais grossa, havia uma Hóstia de grandeza proporcional à coluna, e debaixo um outro cartaz com as palavras: Salus Credentium (Salvação dos que crêem).
  

  O Pontífice Romano, Comandante supremo da grande nau, vendo o furor dos inimigos e a má situação em que se achavam as suas fiéis navezinhas, decide reunir junto de si os pilotos dos navios auxiliares, para acordarem sobre o que se deveria fazer. Todos os pilotos sobem e se reúnem em torno do Papa. Mantêm uma reunião, mas, enfurecendo‑se cada vez mais o vento e a tempestade, eles são mandados de volta para dirigir seus próprios navios.
  Ocorrendo um pouco de calmaria, o Papa reúne pela segunda vez em torno de si todos os pilotos, enquanto a nau capitania segue o seu curso. Mas a borrasca volta espantosa. O Papa permanece no timão, e todos os seus esforços são dirigidos a levar a nau para o meio daquelas duas colunas, de cujo cimo pendem, em toda a volta delas, muitas âncoras e grossos ganchos presos a correntes.
   Os navios inimigos manobram para assaltá‑la, e empregam todos os meios possíveis para detê‑la e fazê‑la afundar, algumas com livros e escritos; outras procurando lançar a bordo as matérias incendiárias de que estão cheias; outras com os canhões, com os fuzis, e com os esporões.
   O combate se torna cada vez mais encarniçado. As proas inimigas se chocam violentamente com o navio do Pontífice, mas seus esforços e seu ímpeto se revelam inúteis. Em vão repetem o ataque e esgotam seu poder e munições. A grande nau prossegue segura e ilesa seu caminho. Ocorre por vezes que os golpes formidáveis descarregados em seus flancos abrem largas e profundas brechas, mas em seguida sopra um vento e as brechas se fecham e os furos se obstruem.
  E explodem os canhões dos assaltantes, despedaçam‑se os fuzis, e todas as outras armas e os esporões; são destruídos muitos navios que se afundam no mar. Então, os inimigos, furibundos, começam a combater com armas brancas; e com as mãos, com os punhos, com blasfêmias e com maldições.

 Eis que o Papa, ferido gravemente, cai. Os que estão junto a ele correm a ajudá‑lo e o levantam, mas o Papa é ferido pela segunda vez, cai de novo e morre.(irmã Lucia recebe a mesma profecia que os modernista tentam ocultar)

  Um grito de alegria e de vitória ressoa entre os inimigos; sobre os seus navios se dá um louco frenesi. Mas tão logo morto o Pontífice, um outro Papa o substitui em seu posto. Os pilotos reunidos o elegeram tão subitamente que a notícia da morte do Papa chegou com a notícia da eleição do Sucessor. Os adversários começam a perder o ânimo.
   O novo Papa dispersa e supera todos os obstáculos e guia o navio até as duas colunas. Chegando junto a elas, o ata com uma corrente que pendia da proa a uma âncora da coluna sobre a qual estava a Hóstia; e com uma outra corrente que pendia da popa o ata a uma outra âncora, que pendia da coluna sobre a qual estava colocada a Virgem Imaculada.
   Então, aconteceu uma grande reviravolta. Todos os navios, que até aquele momento tinham combatido a nau do Papa, fogem, se dispersam, se chocam entre si e se despedaçam. Uns naufragam e arrastam a outros. Muitas navezinhas que tinham combatido valorosamente com o Papa se aproximam das duas colunas atando‑se a elas com correntes. Muitas outras naus que por temor tinham se afastado e se encontravam a grande distância ficam prudentemente observando, até que, desaparecidos nos abismos do mar os restos de todos os navios destroçados, com grande vigor vogam em direção daquelas duas colunas, onde, chegando, se prendem aos ganchos pendentes das mesmas colunas, e aí ficam tranquilas e seguras, junto com a nau principal, sobre a qual está o Papa. No mar se produz uma grande calma.
Dom Bosco, neste ponto, interrogou Dom Miguel Rua: Que pensa o Sr. deste relato?
Dom Rua respondeu: Parece‑me que a nau do Papa seja a Santa Igreja, da qual ele é o Chefe: os navios, os homens, o mar são este mundo. Aqueles que defendem o grande navio são os bons defendem à Santa Tradição, os outros são os seus inimigos que com toda sorte de armas tentam aniquilá‑la. As duas colunas de salvação, me parece que sejam a devoção a Maria Santíssima e ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.

  Dom Rua não disse nada sobre o Papa caído e morto, e Dom Bosco calou‑se também sobre isso. Somente acrescentou: Disseste bem. É preciso somente corrigir uma expressão: as naus dos inimigos são as perseguições [à Santa Igreja]. Preparam‑se gravíssimos sofrimentos para a Igreja. O que até agora aconteceu é quase nada comparado com aquilo que deve acontecer. Os seus inimigos são figurados pelos navios, que tentam afundar, se pudessem, a nau capitania. Só restam dois meios para salvar‑se entre tanta confusão: a devoção a Maria Santíssima e à Comunhão.

 obs: Pior que a revolução Francesa maçonica de 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, é esta revolução ter conseguido entrado no seio da Santa Igreja pelo Concílio Vaticano II,esta revolução dando força aos  modernistas que estão nos mais altos posto da hierarquia. Onde tudo pode mesnos ser cátolico tradicional, se defende a doutrina dogmaticas e rotulado de fundamentalista,cismatico e etc.

 Todos devemos nos empenhar em os empregarmos e fazer com que sejam empregados em toda parte, e por todos.
Essa visão de Dom Bosco, narrada e resumida em poucas palavras, é própria para os nossos tempos. Do muito que se poderia dizer, o que nos cabe salientar aqui é que Deus está mostrando aos homens, através do sonho de Dom Bosco, que existem dois pilares, os quais nós não poderemos nunca deixar que se percam, que sejam suprimidos, que sejam eliminados, que são a EUCARISTIA(Santa Missa Trindentia que trata a Eucaristia com dignidade e toda adoração e Gloria e não a Missa modernista que agrada prostestantes e maçons) e a poderosa proteção da VIRGEM MARIA(Rezando diariamente seu Santo Rosário e meditando 15 minutos dos 15 mistério do seu Santo Rosário nos primeiros sabados do mês e não vinte mistério).
   

 Nossa Senhora pediu aos pastorzinho a meditação de 15 mistérios e não 20 mistérios.  Os modernistas mexeram e mexem em tudo que Deus e a Virgem Maria ensinam para desviar a atenção da verdade ensinada. 
 
Mateus 24,9-13
9 Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações. 10 Muitos sucumbirão, trair-se-ão mutuamente e mutuamente se odiarão. 11 Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. 12 E, ante o progresso crescente da iniquidade, a caridade de muitos esfriará. 13 Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo.

Leitura da Epístola de São Paulo aos

Filipenses 4, 4-9.
4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus. 8 Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos. 9 O que aprendestes, recebestes, ouvistes e observastes em mim, isto praticai, e o Deus da paz estará convosco. 

Sequência do Santo Evangelho
São Mateus 18,1-5.
1 Neste momento os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Quem é o maior no Reino dos céus? 2 Jesus chamou uma criancinha, colocou-a no meio deles e disse: 3 Em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos céus. 4 Aquele que se fizer humilde como esta criança será maior no Reino dos céus. 5 E o que recebe em meu nome a um menino como este, é a mim que recebe.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

30 de janeiro dia da Santa Martinha, Virgem e Mártir.

30/01 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos
 http://www.radiocatedral.com.br/two/home/images/santo_dia/janeiro/martinha.png
  Conhecida também como Santa Martinha de Roma, recebeu uma educação esmerada, baseada na doutrina do Cristianismo, seus pais entregaram sua alma a Deus quando era muito jovem. Inflamada de amor a Jesus Cristo, deu todos os bens aos pobres, fez voto de castidade e em atenção à sua vida santa e exemplar, foi recebida entre as diaconistas, honra com que pessoas de muita probidade eram distinguidas..
  Tinha o imperador Alexandre Severo (222-235) concebido o plano de exterminar os Galileus  (assim alcunhava aos cristãos). Conhecendo a formosura, nobreza e bondade de Martinha, tudo fez para afastá-la da religião cristã e chegou até a oferecer a dignidade de Imperatriz, caso se decidisse sacrificar a Apolo. Martinha respondeu: “O meu sacrifício pertence a Deus imaculado; a Ele sacrificarei, para que confunda e aniquile a Apolo e, este deixe de perder almas”.  Alexandre Severo, interpretando esta resposta em seu favor, organizou uma grande festa no templo de Apolo, para onde levou Martinha, na presença dos sacerdotes e de muito povo. Os olhos de todos estavam dirigidos para a jovem que, no meio  do grande silêncio que reinava, fez o sinal da cruz, elevou olhos e braços ao céu e disse em alta voz: “Ó Deus e meu Senhor !  Ouvi esta minha súplica e fazei com que se despedace este ídolo cego e mudo, para que todos, imperador e povo, conheçam, que só Vós sois o único Deus verdadeiro e que não é licito adorar senão a Vós !”  No mesmo instante a cidade inteira foi sacudida por um forte terremoto, a imagem de Apolo caiu do seu lugar; parte do templo ruiu por terra, sepultando nos escombros os sacerdotes e muita gente.
   O imperador ordenou que Martinha fosse esbofeteada, flagelada e tivesse as carnes dilaceradas com torqueses. Os algozes porém não puderam cumprir a ordem, porque um Anjo de Deus defendia a donzela e esta, no meio dos maus tratos , entoava cânticos de louvor a Jesus Cristo e convidava  os algozes a se converterem à religião de Jesus. Deus abençoou-lhes as palavras: oito algozes caíram de joelhos, pediram perdão à Mártir e confessaram alto a fé em Jesus Cristo. O imperador, ainda mais enraivecido com este incidente, mandou levá-los todos ao cárcere, torturar barbaramente os oito algozes, os quais, por uma graça especial divina, ficando fiéis a fé, receberam a palma do martírio, pela decapitação. No dia seguinte a “feiticeira” foi citada ao palácio do Imperador, que a recebeu com estas palavras:
  “Basta de embustes. Dize-me, para que eu saiba com quem estou tratando: Sacrificas aos deuses ou preferes aderir ao feiticeiro, ao Cristo?”  Com santa indignação respondeu Martinha: “Não admito que insultes a meu Deus!  Se queres aplicar-me novas torturas, aqui estou;  não as temo; pois sei que Deus me dá força”.   A resposta do imperador foi a condenação da Mártir a suplícios crudelíssimos e desumanos. Martinha, no meio das dores, glorificou a Deus e as feridas exalavam-lhe um suave perfume. Grande foi o espanto de Alexandre Severo ao ouvir, no dia seguinte, a notícia de que Martinha que se achava no cárcere, estava perfeitamente curada das feridas  e não só isto: Os guardas viram, durante a noite, o cárcere iluminado por uma luz maravilhosa e ouviram, extasiados, cânticos celestiais.
   O furor do imperador chegou ao extremo. Não mais senhor de sua paixão, condenou Martinha às feras no anfiteatro, e fez timbre de achar-se entre os espectadores.
    Novo milagre. Martinha, de uma beleza sobrenatural encantadora, ajoelhada na “arena”, calma se achava à espera do leão . Este, o indômito rei do Saara, possante e belo em sua força, se anuncia com rugido aterrador e em dois saltos se acha ao lado da vítima. Como que, domado por uma força invisível, arroja-se aos pés de Martinha, manso como um cordeiro. De repente se levanta, e num salto medonho ganha a barreira, entrando no recinto dos espectadores, matando alguns deles. O pânico foi indescritível. O imperador, longe de convencer da intervenção divina na defesa da mártir, atribui o fato extraordinário às forças mágicas de Martinha, as quais, segundo sua opinião, teriam sua sede na rica cabeleira da Santa. Deu ordem para a rica cabeleira ser-lhe cortada imediatamente e a donzela, assim profanada, ser fechada no templo de Júpiter. Nos dois dias seguintes Alexandre Severo, acompanhado de sacerdotes e muito povo, se dirigiu ao templo. Não entrou, porém, porque teve a impressão de ouvir vozes masculinas e julgou que fossem os deuses, que se tivessem reunido para converter Martinha. Aberto o templo no terceiro dia, ao imperador apresentou-se um espetáculo estranho: Achavam-se derrubados ao chão todas as imagens dos deuses. À sua pergunta onde estava a estátua de Júpiter, Martinha respondeu sorrindo: “Tendo ele que dar satisfação a Cristo, porque não salvou estes doze ídolos?  Meu Deus entregou-o aos demônios, que dele fizeram o que vedes”.
  Fulo de raiva por este escárnio, Severo  ordenou que se despejasse banha fervente sobre o corpo de Martinha e a entregassem às chamas. Veio, porém, uma grande chuva apagar a fogueira. Restava então o pro cônsul encarregado do martírio, furioso, mandou que a decapitassem. Santa Martinha aceitou a sentença, com toda submissão e gratidão para com Deus. Espontaneamente ofereceu a cabeça  ao algoz, que a fez entrar nas eternas núpcias do Senhor Jesus É contado que durante o seu martírio leite saia pelo seu corpo, em vez de sangue. .Isto ocorreu em 228 DC.
   Os cristãos apoderaram-se clandestinamente do corpo da Santa e sepultaram-no com todas as honras. As relíquias de Santa Martinha foram encontradas em 1634 e acham-se hoje na Igreja do mesmo nome, a qual se ergue perto do arco do triunfo de Severo.
   Em 1634 o Papa Urbano VIII decidiu reconstruir uma antiga igreja me honra de Santa Martinha que fica em baixo da Capitol Hill em Roma com vista para o Fórum. Os trabalhadores descobriram uma tumba cristã contendo ossos de uma mulher romana e seus dois irmãos. As relíquias de Santa Martinha, Concordius e Epiphanius. Bernini criou um magnífico santuário em bronze para as relíquias e hoje em dia, elas estão na igreja de Luca e Martinha, em Roma e lâmpadas ficam continuamente acesas em volta do santuário. Em 1558 o Papa Sixtus V adicionou São Lucas como co-titular da igreja e a doou para o edifício que estava sendo construído ao lado, o da Academia de San Luca.
 
 Leitura da Epístola extraída do livro do 

Eclesiástico 51,1-8,12.
1 Glorificar-vos-ei, ó Senhor e Rei, louvar-vos-ei, ó Deus, meu salvador. 2 Glorificarei o vosso nome, porque fostes meu auxílio e meu protetor. 3 Livrastes meu corpo da perdição, das ciladas da língua injusta, e dos lábios dos forjadores de mentira. Fostes meu apoio contra aqueles que me acusavam. 4 Libertastes-me conforme a extensão da misericórdia de vosso nome, dos rugidos dos animais ferozes, prestes a me devorar; 5 da mão daqueles que atacavam a minha vida, do assalto das tribulações que me aturdiam, 6 e da violência das chamas que me rodeavam. Em meio ao fogo não me queimei. 7 Libertastes-me das profundas entranhas da morada dos mortos, da língua maculada, das palavras mentirosas, do rei iníquo e da língua injusta. 8 Minha alma louvará ao Senhor até a morte, 12 pois libertais, Senhor, aqueles que esperam em vós, e os salvais das mãos das nações.
  
Sequência do Santo Evangelho segundo
São Mateus 25,1-13
1 Então o Reino dos céus será semelhante a dez virgens, que saíram com suas lâmpadas ao encontro do esposo. 2 Cinco dentre elas eram tolas e cinco, prudentes. 3 Tomando suas lâmpadas, as tolas não levaram óleo consigo. 4 As prudentes, todavia, levaram de reserva vasos de óleo junto com as lâmpadas. 5 Tardando o esposo, cochilaram todas e adormeceram. 6 No meio da noite, porém, ouviu-se um clamor: Eis o esposo, ide-lhe ao encontro. 7 E as virgens levantaram-se todas e prepararam suas lâmpadas. 8 As tolas disseram às prudentes: Dai-nos de vosso óleo, porque nossas lâmpadas se estão apagando. 9 As prudentes responderam: Não temos o suficiente para nós e para vós; é preferível irdes aos vendedores, a fim de o comprardes para vós. 10 Ora, enquanto foram comprar, veio o esposo. As que estavam preparadas entraram com ele para a sala das bodas e foi fechada a porta. 11 Mais tarde, chegaram também as outras e diziam: Senhor, senhor, abre-nos! 12 Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: não vos conheço! 13 Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

29 de janeiro dia de São Francisco de Sales, Bispo, Confessor e Doutor.

29/01 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos

   São Francisco de Sales nasceu no castelo da sua família, os barões de Boisy, em Thorens (Saboia) em 1567, primogênito de treze irmãos, foi educado no Colégio de Clermont, dirigido pelos jesuítas, em Paris, estudou em Annecy e na Universidade de Pádua, na Itália, onde recebeu o doutoramento em Direito Canônico com 24 anos. Recusou uma brilhante carreira e resolveu estudar para ser sacerdote apesar da oposição da família. Foi ordenado em 1593, tornando-se reitor em Genebra, Suíça. Após, foi para Chablais, cantão suíço na região da Sabóia, onde foi pároco, e onde converteu 8.000 calvinistas de volta à Santa Igreja. Ali escreveu diversos textos em defesa da fé, que foram publicados com o título "'Controvérsias e Defesa do Estandarde da Santa Cruz".
    Em 1599 Francisco foi indicado como bispo coadjutor em Genebra, tendo sucedido como bispo em 1602. Sua diocese tornou-se conhecida pela organização e pela formação do seu clero e leigos. Isto era uma grande realização diante da Igreja da época. fundou várias escolas e estabilizou a Igreja na região.
Era famoso diretor espiritual e pela sabedoria dos seus escritos. Ele e Santa Joana Francisca de Chantal, de quem foi diretor espiritual, fundaram a Ordem da Visitação, uma Ordem religiosa contemplativa. Foi também diretor espiritual de São Vicente de Paulo. Tornou-se uma figura líder e ficou famoso pela sua sabedoria e ensinamentos.
  Em 1609, seus escritos (cartas, pregações) foram reunidos e publicados com o título "'Introdução à vida devota" ou "Filotéia", que é a sua obra mais importante e editada até hoje. Outra obra que também é ainda editada é o "Tratado do Amor de Deus", fruto de sua oração e trabalho. Estes dois livros são considerados clássicos espirituais. Além destes livros, a coletânea de cartas, pregações e palestras alcança 50 volumes. A popularidade e o valor destes escritos fez com que fosse considerado padroeiro dos escritores católicos.
Faleceu em Lyon em 1622. Os seus restos mortais se encontram na Igreja da Visitação em Annecy.
Foi beatificado no ano em que faleceu e foi a primeira beatificação a ser formalizada na Basílica de São Pedro. Foi canonizado em 1655 pelo Papa Alexandre VII e em 1867 foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio IX. Foi declarado em 1923, pelo Papa Pio XI, patrono da imprensa católica.

 O Bispo São Francisco de Sales convertou 8.000 calvinista enquanto os modernistas elogiam a heresia Calvinista.

L'Osservatore Romano elogia Calvino, na celebração de seus 500 nos (03/07/2009) http://www.ihu.unisinos.br/noticias/noticias-anteriores/24102-%60reformador-genial%60-l%60osservatore-romano-elogia-calvino
  Reformador Genial?
CIDADE DO VATICANO, Santa Sé — O jornal do Vaticano, L'Osservatore Romano, elogiou nesta sexta-feira "a extraordinária" figura do protestante francês João Calvino (Jean Calvin, 1509-1564), "um cristão" que deixou "marca profunda na face da terra", escreveu.
O elogio a Calvino, o teólogo que durante a Reforma Protestante defendeu uma férrea disciplina chamada calvinismo, foi escrito pelo historiador Alain Besançon, por ocasião do 500 aniversário de nascimento do célebre pensador.
Segundo o jornal, "dois homens tiveram a força de mudar o destino europeu: Jean-Jacques Rousseau que transformou (com suas ideias) o século XIX e o XX, e Calvino, ainda mais".
O jornal do Vaticano sustenta que "a organização calvinista é uma genial criação", que soube "resistir a todas as mudanças e revoluções da modernidade" graças a sua "superioridade e eficácia, comparada ao rígido autoritarismo do mundo luterano".
Calvino nasceu no dia 10 de julho de 1509, na Picardia, norte da França e morreu em Genebra no dia 27 de maio de 1564.
O movimento calvinista conta, atualmente, 600 milhões de fiéis em todo o mundo.
Assim como seu contemporâneo Martim Lutero (1483-1546), a quem nunca conheceu pessoalmente, Calvino privilegiou a leitura bíblica, o desapego a bens materiais e a "saúde pela fé".
Em 1533, tornou-se adversário da Igreja Católica e condenou, assim como Lutero, o poder do Papa e dos concílios, assim como a confissão.
Sua obra-prima, "L'Institution de la religion chrétienne" (1536), A Instituição da Religião Cristã, preconiza um protestantismo rigoroso.
O chamado calvinismo, uma variante do protestantismo viria a ser bem sucedida em países como a Suíça (país de origem), Holanda, África do Sul (entre os africânderes), Inglaterra, Escócia e Estados Unidos da América.
Foi batizado com o nome de Jean Cauvin. A tradução do nome de família "Cauvin" para o latim Calvinus deu a origem a "Calvin", pelo qual se tornou conhecido.
Vítima das perseguições aos protestantes na França, fugiu para Genebra em 1536, onde faleceu em 1564. Genebra havia se tornado, definitivamente, um centro do protestantismo europe.

Ódio a Nossa Senhora vem de todos lado como já vimos nesta duas situação, como admitir que o Espirito Santo está com os protestantes  
são sim inspirado pela serpente caída como este nu.
Martim Lutero escreveu as suas 95 teses em 1517, quando Calvino tinha oito anos de idade.

O indiferentismo religioso dos modernistas.
Os primeiros protestantes admitiam, como os católicos, que para a salvação é obrigatório pertencer à verdadeira Igreja de Jesus Cristo. “Fora do seio da Igreja, diz Calvino, não se pode esperar a remissão dos pecados nem a salvação”, e as confissões helvécia e écossaise retomam a mesma doutrina. Nesta época, cada seita se pretendia a verdadeira Igreja e condenava todas as outras.
Mas o princípio do livre exame, reivindicado igualmente por todas as seitas, iria fatalmente levar ao indiferentismo eclesiástico relativo, que consiste em admitir a possibilidade da salvação em todas as confissões cristãs: luteranismo, calvinismo, anglicanismo e etc.

II.Vejamos o que nos ensina a doutrina católica sobre a necessidade de pertencer à Igreja.
  A Igreja é, segundo a doutrina de São Paulo, um corpo vivo, de que Jesus Cristo é a cabeça, o chefe. Deve-se pois distinguir nela uma alma e um corpo. Mas, assim como, no homem, certas funções da alma, como a razão e a vontade, não dependem necessariamente do corpo, e assim como um membro, um braço morto, por exemplo, faz parte do corpo humano sem ser vivificado pela alma, assim se pode pertencer à alma da Igreja sem pertencer ao seu corpo, e pertencer a seu corpo sem pertencer à sua alma.
  
·       Pertencer à alma da Igreja é estar unido a Jesus Cristo pela Fé junto à graça santificante. ·       Pertencer ao corpo da Igreja é professar exteriormente a doutrina de Jesus Cristo, participar de seus sacramentos e obedecer a seus ministros que obedecem a puresa da Tradição.
Posto isto, diga-se que, para a salvação, é necessário,
- como necessidade de meio, pertencer à alma da Igreja;
- como necessidade de preceito, pertencer ao corpo da Igreja.
Prova desta doutrina pela Santa Escritura:
a)Para salvar-se, é necessário, como necessidade de meio, pertencer à alma da Igreja:
Nossa salvação, com efeito, não vem senão de Jesus Cristo:
“Deus enviou seu Filho ao mundo... para que o mundo seja salvo por ele” (S. João, III, 17).
“Não há salvação senão por Cristo; seu nome é, sob o céu, o único nome que nos pode salvar” (Atos, IV, 12).
Se pois não há salvação fora de Jesus Cristo, não há salvação fora da alma da Igreja, que não é, essencialmente, senão a participação na vida sobrenatural de Jesus Cristo.
A necessidade, para a salvação, de pertencer à alma da Igreja é necessidade de meio, ou seja, todo homem está irrevogavelmente excluído do reino dos céus se privado da graça santificante, seja isto por sua culpa ou não, conheça ele ou ignore a existência da Igreja.  

b)Para salvar-se, é necessário, como necessidade de preceito, pertencer ao corpo da Igreja.
“O que tiver crido, diz o Salvador, e tiver sido batizado, será salvo; mas o que não tiver crido será condenado”. (S. Marc, XVI, 16).
“Se alguém não renasce da água e do Espírito Santo, não pode entrar no reino de Deus” (S. João, III, 5).
“Se alguém não escuta a Igreja, que ele vos seja como um pagão e um publicano” (S. Mat. XVIII, 17).
Vê-se por estes textos que não poderá salvar-se ninguém que não se tenha unido à Santa Igreja por estes três laços que lhe constituem o corpo, a saber: a profissão exterior da Fé, a participação dos sacramentos e a submissão aos legítimos pastores que obeçam os Santos, dogmas e doutrina tradicional.

 Prova pela Tradição:
Para os Padres da Igreja, é a arca de Noé: aquele que nela não está corre perigo nas águas do dilúvio; é o corpo de cristo: aquele que dele está separado não pode ser vivificado pelo Redentor.
A necessidade, para a salvação, de pertencer ao corpo da Igreja é necessidade de preceito, ou seja, todo homem que, por uma negligência gravemente culpável, deixa de buscar a verdadeira Igreja de Jesus Cristo, ou que, após a ter reconhecido com certeza, recusa professar exteriormente seu símbolo, participar de seus sacramentos, obedecer a seus pastores, é excluído da salvação eterna.
III.      Condenação do indiferentismo pelo Syllabus
 Proposições XV, XVI, XVII, XVIII.
IV.        Uma objeção!
A esta doutrina católica sobre a necessidade de pertencer à Igreja e que nos deu o dogma de fé “fora da Igreja não há salvação” nos vem uma forte objeção:
Se houvesse uma religião na terra fora da qual não houvesse senão uma pena eterna, e da qual em qualquer lugar do mundo um só mortal de boa-fé não tivesse sido tocado por sua evidência, o Deus desta religião seria o mais cruel e o mais iníquo dos tiranos” (J.J. Rousseau).
R. Esta objeção supõe que a doutrina católica envie sem remissão às chamas eternas todos os que vivem fora da Igreja romana, os heréticos, os cismáticos, os infiéis, as crianças mortas sem o batismo. Isso é puro sofisma, o sofisma chamado pelos lógicos ignorância da questão, sofisma habitual entre os inimigos da Santa Igreja, que blasfemam o que ignoram.
       Segundo a doutrina exposta mais acima, não há nada na máxima incriminada que implique nem o mais leve atentado à justiça e à bondade de Deus.
 a)Com relação à alma da Igreja
Esta máxima não exclui da visão beatífica senão as crianças mortas antes de ser regeneradas. Sendo esta felicidade um dom puramente gratuito, Deus não é de modo algum injusto e cruel a este respeito; ele absolutamente não lhes deve uma felicidade que não tem relação com sua natureza. Teria sido necessário um milagre para que elas não fossem privadas da graça batismal. Pode-se exigir que Deus intervenha sobrenaturalmente, para suprir a falha das diversas causas que levam a tal privação? Ademais, esta espécie de crianças não é a dos condenados ao fogo eterno. Pode-se afirmar sem ferir a Fé que não somente elas não estão submetidas a penas sensíveis, mas também, sem ter idéia alguma dos desfrutes da visão intuitiva, elas não experimentarão nenhuma aflição da privação de tão grande bem, e são felizes de toda a felicidade natural de que é capaz a natureza humana.
       A máxima em questão não exclui necessariamente da visão beatífica nenhum dos que vivem fora da comunhão eclesiástica, nem os heréticos, nem os cismáticos, nem os infiéis. Eles podem, sendo de boa-fé, pertencer à alma da Igreja pela Fé, pela Esperança e pela Caridade, alma que se estende bem além de seu organismo visível, de sua hierarquia oficial.
 Quanto aos que, diz o papa Pio IX, “ignoram invencivelmente a religião católica mas observam a lei natural e os mandamentos que Deus inscreveu no coração de todo homem, obedecem prestamente a Deus e levam uma vida honesta e direita podem, sob a ação da luz e da graça divina, obter a vida eterna; pois Deus, que perscruta as almas, vê claramente e conhece os sentimentos, os pensamentos, as disposições, não pode de modo algum sofrer; em sua suprema bondade e clemência, que alguém seja punido com as penas eternas se não se afastou d’Ele por uma falta voluntária” (encíclica de 10 de agosto de 1863). Se pois um herético, um cismático, um infiel é condenado, tal não se deve propriamente ao fato da heresia, do cisma ou da infidelidade, mas a faltas não expiadas. Deus não condena a ignorância invencível, mas somente a violação voluntária do dever. Onde está aqui a injustiça, a crueldade?

b)com relação ao corpo da Igreja
A máxima: Fora da Igreja não há salvação, não condena senão os adultos de má-Fé. Deus estabeleceu, como meio ordinário para nos comunicar e manter a Fé e na graça santificante, o magistério doutrinador TRADICIONAL, o ministério santificante e a autoridade governamental do Papa e dos bispos. Ele instituiu o preceito de crer neste magistério, de receber deste ministério os sacramentos, e de obedecer às leis que edita esta autoridade. Este preceito, por ser positivo, absolutamente não obriga os que o ignoram invencivelmente, é só os condena por sua próprias faltas. Mas, para quem o conheça, há a obrigação grave de observá-lo. Por conseguinte, o herético, o cismático, o infiel que, supondo e, com mais razão ainda, sabendo que está num caminho ruim, se recusa a esclarecer-se, a render-se à verdade, desobedecendo gravemente a Deus, encontrará a sanção terrível.
É injusto, é cruel que Deus grite a todos os homens de má-fé: Fora da Igreja não há salvação? Há injustiça em excluir da beatitude os que dela se excluem voluntariamente, conscientemente? Há barbárie em recusar uma salvação aos que absolutamente não a querem?
Sejamos apóstolos como São Francisco de Sales, façamos o dever de caridade de esclarecer os que estão nas trevas da ignorância e da morte, repetindo-lhes alto e bom som esta bela e grande máxima, este dogma de Fé, razão de ser de todas as obras missionárias da Igreja, que é Uma, Santa, Católica e Apostólica: Fora da Igreja não há salvação!

Leitura da Epístola São Paulo 

II Timóteo 4,1-8.
1 Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: 2 prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. 3 Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. 4 Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. 5 Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. 6 Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. 7 Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. 8 Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição. 

 Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 5,13-19.
13 Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha 15 nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. 16 Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. 17 Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. 18 Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei. 19 Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos céus. 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Comentários Eleison: Hebdomania

Comentários Eleison – por Dom Williamson

Atualmente as coisas nunca são o que aparentam.   
Os hábeis mentirosos ao povo sem Deus estimam.  

            O ataque ao Charlie Hebdo em 7 de janeiro no qual dois muçulmanos armados mataram uma dúzia de cartunistas e jornalistas no escritório de uma revista francesa semanal de humor satírico em Paris, e o enorme protesto público de 11 de janeiro contra o ataque no qual os líderes de muitas nações europeias foram oportunamente fotografados como partícipes, são melhor compreendidos se considerados como mais um episódio na guerra que vem sendo travada pelos inimigos de Deus contra o pouco que ainda resta da civilização cristã. Vamos considerar em ordem: os cartunistas, os homens armados, os políticos fantoches, as pessoas que serviam de instrumento para o islã e os manipuladores de fantoches por trás de todos eles.

            Os cartunistas satirizaram não apenas o islã e os muçulmanos, mas também a única verdadeira religião do mundo, a Santíssima Trindade, nosso divino Salvador e a Santíssima Virgem Maria. Pois bem, o único Deus verdadeiro é extremamente paciente, mas não se deixa ser alvo de zombarias (Gl 6, 7). Assim como os homens têm um direito de não ser vítimas de terrorismo, o verdadeiro Deus tem o direito de não suportar a repetição pública de caricaturas obscenas e blasfemas. Então, ninguém justifica o terrorismo enquanto tal, mas diante do fato de que a Igreja e as autoridades do Estado franceses se recusaram a censurar blasfêmias obscenas, seria surpresa se Deus permitisse que os muçulmanos vingassem a sua honra?

Os atiradores, dois jovens muçulmanos, devem ter agido religiosamente, porque politicamente era totalmente previsível que sua ação poderia despertar a opinião pública contra o islã. Ainda assim, como se atreveram a atacar? Porque através da Europa os muçulmanos estão, segundo a sua taxa de natalidade e de imigração, constantemente se fortalecendo em número, e eles não fazem segredo do fato de que, tão logo se tornem fortes o suficiente, irão, se necessário por um banho de sangue, islamizar as nações outrora cristãs da Europa.  

            Então, quem persuadiu essas nações a adotar a política suicida de imigração quase sem restrições e com inacreditáveis benefícios de bem estar social para os de fato inassimiláveis imigrantes, e assim por diante? Quem além de nossos subornados ou intimidados políticos fantoches? Há cerca de um ano, em um momento de verdade, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, admitiu que o “multiculturalismo”, a mistura de culturas completamente diferentes, não funciona. Mas há cerca de uma semana, em conexão com o ataque ao Charlie Hebdo, não proclamou ela que “o islã pertence à Alemanha”? Ela foi forçada a obedecer. É um fantoche, pois está constantemente agindo contra os verdadeiros interesses da Alemanha. Por exemplo, se não houvesse muitos muçulmanos na França, teria mesmo o Charlie Hebdo se preocupado em ridicularizar o islã? E quem são os que votam nesses políticos fantoches? Pessoas fantoches, que permitem que seu pensamento seja escravizado por seus meios vis de comunicação.
 
            Quem são então os manipuladores de fantoches? São os inimigos de Deus que pretendem estabelecer sua própria Nova Ordem Mundial sem Deus, um Estado policial designado para garantir que nenhuma alma viva escape do Inferno eterno. Vamos chamá-los de “globalistas”. Foi, portanto, o ataque ao Charlie Hebdo trabalho seu, um de seus eventos tais como o 11 de setembro nos EUA e o 7 de julho no Reino Unido, planejado para manipular a opinião pública em direção à liberdade para blasfemadores e à guerra civil? Muito provavelmente. O evento não foi certamente aquilo que foi feito para parecer. Um famoso exemplo: o vídeo de três minutos mostrando um homem armado atirando à queima-roupa na cabeça de um “policial muçulmano” caído na calçada, sem sangue, sem recuo da arma, e com muito pouco movimento da “vítima”. O vídeo pode ainda ser encontrado aqui: http://youtu.be/gobYWXgzWgY
           
            E o Bom Deus no meio de toda essa loucura? “Aqueles que Ele quer destruir, Ele primeiro enlouquece”, diz o velho ditado. Rezem os 15 Mistérios por dia pelo triunfo que Ele obterá, apenas por meio de Sua Mãe. Que surpresa ainda terão os pobres globalistas!


Kyrie eleison.     

28 de janeiro dia de São Pedro Nolasco,Confessor.

28/01 Quarta-feira
 Festa de Terceira Classe 
Paramentos Brancos

  Nasceu 1190 no século XII Condado da Provença, no sul da França. Seu pai, de origem anglo-normanda, chama-se Guillaume de Bigot (era filho de Hugh Bigot, 1º conde de Norfolk). Sua mãe, de origem italiana, chama-se Catarina, e era descendente de Filipe I de França através dos Saint-Gilles. Sua mãe provinha de Nola, Itália, donde o santo recebeu o nome.
    Desde pequeno, um homem centrado no essencial, na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo; um homem devoto da Santíssima Virgem.Os pais constatavam com muita satisfação, que ao desenvolvimento físico do filho, correspondia igual progresso moral. Era admirável a terna compaixão que Pedro, criança ainda, revelava pelos pobres. O Aspecto da miséria causava-lhe tanta tristeza, que os pais, querendo consolá-lo, haviam de dar-lhe esmolas para os pobres. Mais tarde, quando estudante, repartia com os pobres tudo que dos pais recebia. Com o maior cuidado guardava o tesouro da pureza do coração, e todo o seu desejo era poder servir a Deus do modo mais perfeito. Daí a fuga de tudo que pudesse desagradar a Deus, ou ser um perigo para a sua alma. Pedro tinha 15 anos quando perdeu o pai. A mãe, desejando ter uma auxiliar no governo da casa, insistiu com Pedro para que estabelecesse família, ao que este se opôs terminantemente. Mais ainda: fez os votos de castidade e de pobreza, com o propósito de repartir os bens entre os pobres.
    No período de São Pedro Nolasco, muitos cristãos eram presos, feitos escravos por povos não-cristãos.A França, naquela época, estava tomada por sérias desordens que infestavam todo o território sul, dentre as quais os abusos dos albigenses (facção maniqueísta que alastrou-se pelo país). Para evitar qualquer contato com os hereges, Pedro associou-se ao conde Simão Monfort, comandante do Exército Católico. Com ele mudou-se para a Espanha, onde lhe foi confiada a educação do príncipe Jaime de Aragão
  Ofereceu-se-lhe ocasião de observar a tristíssima sorte dos cristãos que tiveram a infelicidade de cair no poder dos muçulmanos, que corriam grande perigo de perder a fé. Diante disto Pedro aplicou toda a sua fortuna no resgate daqueles infelizes, mas como a quantidade de escravos era enorme, acabou tendo de recorrer à caridade de outras pessoas que, caridosamente contribuíram com elevadas somas para a redenção dos pobres cativos.
Em primeiro de agosto de 1223, Pedro teve uma revelação da Santíssima Virgem, a qual mostrando grande satisfação pelo bem que fizera aos cristãos, deu-lhe a ordem de fundar uma congregação com o fim determinado da redenção dos cativos. Pedro comunicou este fato a São Raimundo de Penaforte, seu confessor e ao Rei Jaime, e grande surpresa teve, quando deles soube, que ambos, na mesma noite, haviam tido a mesma aparição. Tendo assim tão claramente a revelação da vontade divina, Pedro sem demora pôs mãos à obra e emitiu os três votos, de pobreza, castidade e obediência, acrescentando o quarto, de sacrificar os bens e a própria liberdade, se necessário fosse, pela redenção dos cativos. Do bispo Berengário, de Barcelona, recebeu estes seus votos.São Raimundo de Penaforte, por sua vez, organizou as constituições da regra da nova ordem, e impôs a Pedro o hábito nomeando-o primeiro Superior. A nova instituição teve gratíssimo acolhimento da parte do povo e com Raimundo, mais dois fidalgos receberam o hábito.A nova regra obteve, já em 1235, a aprovação da Santa Sé. Durante o espaço de trinta e um anos dirigiu os destinos da Ordem, e por milhares contaram-se os cristãos que lhe deveram a libertação do cativeiro mourisco.Grande desejo tinha tinha de visitar o túmulo do apóstolo São Pedro, a quem dedicava especial devoção. Quando, na hora das matinas apresentou a Deus o pedido de ver realizado esse desejo, apareceu-lhe São Pedro, fazendo-lhe ver que não era a vontade de Deus que fizesse aquela viagem. Pedro contentou-se inteiramente com esta resposta.Os últimos anos de sua vida foram-lhe amargurados pela impossibilidade de trabalhar. Sentindo-se ao fim da peregrinação terrena, reuniu todos os religiosos de sua Ordem, para lhes dar os últimos conselhos e a bênção. As últimas palavras que disse, foram: "Eu vos louvarei, Senhor, porque a salvação trouxestes ao povo". São Pedro Nolasco morreu em 25 de dezembro de 1256.   

Leitura da Epístola de 

São Paulo Apóstolo aos I Coríntios 4,9-14.
9 Porque, ao que parece, Deus nos tem posto a nós, apóstolos, na última classe dos homens, por assim dizer sentenciados à morte, visto que fomos entregues em espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens. 10 Nós, estultos por causa de Cristo; e vós, sábios em Cristo! Nós, fracos; e vós, fortes! Vós, honrados; e nós, desprezados! 11 Até esta hora padecemos fome, sede e nudez. Somos esbofeteados, somos errantes, 12 fatigamo-nos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Insultados, abençoamos; perseguidos, suportamos; caluniados, consolamos! 13 Chegamos a ser como que o lixo do mundo, a escória de todos até agora... 14 Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar, mas admoesto-vos como meus filhos muitos amados. 

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Lucas 12,32-34
32 Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino. 33 Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói. 34 Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

26 de janeiro dia de São Policarpo, Bispo e Mártir.

26/01 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe
 Paramentos Brancos

Le martyre de saint Polycarpe en l

   São Policarpo, converteu-se ao cristianismo no ano de 80, e teve a grande dita de ter sido discípulo do grande Apóstolo São João Evangelista, de quem recebeu o espírito e a doutrina de Jesus Cristo. Em 96 recebeu a sagração episcopal e foi-lhe confiada a diocese de Smirna. É possível que São João Evangelista no livro Apocalipse tenha-se referido a Policarpo quando escreveu: “Sei tua tribulação e pobreza, porém, és rico”, e mais adiante: “Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida”. (Apoc. 2,  9.).  O santo Bispo-mártir de Antioquia Inácio, alegrou-se muito com a visita de Policarpo, e escreveu duas epístolas importantes, uma a Policarpo e outra aos fiéis de Smirna, em que lhe dá sábios ensinamentos sobre a santa doutrina. 
  São Policarpo administrou a diocese como verdadeiro Apóstolo, com firmeza e caridade, pela palavra e pelo exemplo. De sua  autoria existe uma epístola preciosíssima aos  Filipenses, cheia do mais belos ensinamentos e sábios conselhos. No tempo de São Jerônimo esta epístola costumava ser lida publicamente nas igrejas. Muitos infiéis converteram-se ao cristianismo, e para os fiéis Policarpo era verdadeiro Pastor. Já provecto em idade, fez uma viagem a Roma, para tratar com o Papa Aniceto sobre a célebre questão da Páscoa. Em Roma encontrou muitos cristãos, que se tinham deixado enganar pelos hereges Valentim e Marcion, e conduziu-os ao caminho da verdade. Por Marcion perguntado, se  o conhecia, respondeu prontamente, que o conhecia, o filho mais velho de Satanás. De volta para a Ásia, encontrou na diocese o decreto de perseguição, publicado pelo imperador Marco Aurélio. Foi o princípio de horrores para a jovem Igreja. O governador de Smirna preludiou a perseguição, pela condenação de doze cristãos, que foram atirados às feras. Policarpo, vendo o rebanho em perigo, redobrou os esforços para conservá-lo na Fé e confortá-lo na hora da tribulação. Os cristãos, por seu turno, inquietavam-se muito pela sorte do venerável Bispo. Para salvar-lhe a vida, levaram-no a um sítio fora da cidade, onde o esconderam aos olhos dos fiscais do governo. Três dias antes da sua prisão teve a revelação do martírio que o esperava. Em sonhos viu o travesseiro rodeado de fogo e disse aos amigos: “Meus irmãos, sei  que serei condenado à morte pelo fogo. Deus seja bendito, porque se digna de dar-me a coroa do martírio”. Três dias depois se cumpriu o que tinha predito.  
  A polícia do governador descobriu-lhe o esconderijo e Policarpo, embora lhe fosse fácil efetuar a fuga, entregou-se à autoridade. No caminho para a cidade se encontrou com Herodes, juiz de paz e com Nicetas, pai do mesmo. Estes homens, sem dúvida bem intencionados, insistiram com ele para que conservasse a vida e obedecesse à lei do imperador. Depois de muito discursar, o Bispo disse: “Não farei o que me aconselhais. Nem espada, nem fogo ou qualquer outra tortura, me fará renunciar a Cristo”.
  Apresentado ao governador, este lhe perguntou se era Policarpo e ordenou-lhe que abjurasse a religião e injuriasse a Cristo. Policarpo respondeu: “Sim, sou Policarpo. Oitenta e seis anos são que completo no serviço de Jesus Cristo e Ele nunca me fez mal algum; como poderia injuriá-lo?” O governador, porém, continuou a insistir com muito empenho e disse: “Tenho as feras à minha disposição; se não obedeceres, serás atirado a elas!”  Policarpo: “Deixa-as vir!  Persisto no meu intento e não mudarei!”  O governador: “Se não tens medo das feras, temos ainda o fogo; este te porá manso!”  Policarpo: “Ameaças com um fogo que arde por algum tempo, para depois se apagar e nada sabes daquele fogo eterno, que é preparado para os ímpios. Não percas tempo!  Manda vir as feras ou faze o que quiseres. Sou cristão e não abandonarei a Cristo”.  Em dizer isto, o rosto resplandecia-lhe de satisfação, tanto que todos se admiraram, sem poder compreender, como um homem tão avançado em idade pudesse apresentar tamanho heroísmo.
  O governador mandou apregoar em alta voz: “Policarpo é cristão, como ele mesmo confessou”. Os judeus e pagãos presentes unânimes exigiram sentença de morte e pediram que fosse queimado vivo. Em poucos minutos foi preparada a fogueira. Alguns queriam que o Santo fosse amarrado num pau, para impossibilitar a fuga. Policarpo, porém, tranqüilizou-os, dizendo: “Aquele que me dá a graça de sofrer a pena do fogo, há de dar-me também força para que fique imóvel no meio das labaredas”. Ataram-lhe então as mãos nas costas e puseram fogo.
  Antes que o fogo chegasse a queimar-lhe o corpo venerável, o ancião elevou os olhos ao céu e disse: “Deus todo-poderoso, Pai de Jesus Cristo, vosso Filho Unigênito, por quem recebemos a graça de conhecer-Vos; Deus dos Anjos e das Potestades celestiais, Deus de todas as criaturas e de todo o povo dos justos, que vivem em vossa presença: graças vos dou porque me conservastes a vida até esta hora, para ser associado aos vossos mártires e participar do cálice de amargura do vosso Ungido, e na virtude do Espírito Santo ser ressuscitado para a vida eterna. Aceitei propício, em união àquele sacrifício que para vós preparastes, este meu holocausto e a mim mesmo, para que se cumpra o que me revelastes, Vós que sois Deus verdadeiro. Eu vos louvo em todas as coisas: eu vos bendigo; eu vos glorifico, pelo eterno Sumo Pontífice, Jesus Cristo, vosso dileto Filho, que convosco e o Espírito Santo é louvado e honrado por todos os séculos. Amém”.
  Apenas tinha o Santo terminado a oração, quando subiram as labaredas com todo o vigor. Deus, porém, quis manifestar o seu poder e provar que não lhe faltavam os meios de proteger seu servo no meio do fogo. As chamas subiram de todos os lados, mas – ó maravilha! – formaram como que uma abóbada por cima do Santo, sem que lhe queimassem um só cabelo. Ao mesmo tempo se espalhou um cheiro suavíssimo como se fossem queimados doces perfumes. Pavor apoderou-se dos inimigos. Mas, como quisessem ver morto o servo de Cristo, recebeu o algoz a ordem de matá-lo com a espada. Assim terminou o curso glorioso do grande Bispo que, segundo a afirmação dos judeus e pagãos, tinha sido o primeiro mestre dos cristãos e o inimigo mais implacável dos deuses. Os judeus quiseram por todo o transe evitar que o corpo do mártir, fosse entregue aos cristãos. Para este fim, mandaram dizer ao Procônsul: “Se entregares aos cristãos o corpo de Policarpo, eles abandonarão o Crucificado, para prestar honras divinas a este”. “Não sabiam” – assim se exprimem os cristãos que escreveram as atas do martírio – “que não podemos abandonar Jesus Cristo, para adorar um outro. É verdade que veneramos os mártires, mas só porque são discípulos e imitadores de Jesus Cristo, e deram ao seu Rei as provas mais claras de amor”. Para terminar a contenda entre judeus e cristãos, o capitão romano mandou lançar o corpo do mártir ao fogo. Diz ainda o protocolo: “Tiramos das cinzas os ossos, para nós mais preciosos que ouro e pedrarias, e depositamos num lugar conveniente, onde esperamos poder, com a graça de Deus, reuní-los, para festejar o dia do seu aniversário, isto é, o dia dos seu martírio”, que foi o dia 26 de janeiro de 155 ou 156. O túmulo de São Policarpo acha-se numa capela em Smirna.

 Leitura da Epístola

I São João 3,10-16
10 É nisto que se conhece quais são os filhos de Deus e quais os do demônio: todo o que não pratica a justiça não é de Deus, como também aquele que não ama o seu irmão. 11 Pois esta é a mensagem que tendes ouvido desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. 12 Não façamos como Caim, que era do Maligno e matou seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más, e as do seu irmão, justas. 13 Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. 14 Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. 15 Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino. 16 Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos.

Sequência do Santo Evangelho
 
São Mateus 10, 26-32

26 Não os temais, pois; porque nada há de escondido que não venha à luz, nada de secreto que não se venha a saber. 27 O que vos digo na escuridão, dizei-o às claras. O que vos é dito ao ouvido, publicai-o de cima dos telhados. 28 Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena. 29 Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai. 30 Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. 31 Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós. 32 Portanto, quem der testemunho de mim diante dos homens, também eu darei testemunho dele diante de meu Pai que está nos céus.  

domingo, 25 de janeiro de 2015

Terceiro Domingo depois da Epifania

25/01 Segundo Domingo depois da Epifania
Festa de Segunda Classe
Paramentos Verdes 



Leitura da Epístola de 

São Paulo Apóstolo aos Romanos 12,16-21
Meus irmãos: Não queirais ser sábios aos vossos olhos. Não torneis mal por mal a ninguém, procurando fazer bem, não só diante de Deus, mas também diante dos homens. Se é possível, tanto quanto depende de vós, tende paz com todos os homens. Não tireis vingança pessoal, ó caríssimos, mas dai lugar à ira de Deus, porque está escrito: a mim pertence a vingança; eu retribuirei, diz o Senhor. Antes, se o teu inimigo tem fome dá-lhe de comer; se tem sede, dá-lhe de comer; porque fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.

Sequência do Santo Evangelho segundo 

São Mateus 8, 1 -13.
Naquele tempo: Tendo Jesus descido do monte, uma grande multidão o seguiu. E eis que, aproximando-se um leproso o adorava, dizendo: Senhor, se tu queres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-o dizendo: Quero, sê purificado. E logo ficou purificado da sua lepra. E Jesus disse-lhe: Vê, não o digas a ninguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e faz a oferta que Moisés ordenou, para lhes servir de testemunho. E, tendo  entrado em Carfarnaum, aproximou-se dele um Centurião, fazendo-lhe uma súplica, e dizendo: Senhor, o meu servo jaz em casa paralítico e sofre cruelmente. E Jesus disse-lhe: Eu irei e o curarei. Mas o Centurião, respondendo, disse: Senhor, eu não sou digno que entreis na minha casa; dizei, porém, uma só palavra, e meu servo ficará curado. Pois também eu sou um homem sujeito a outro, tendo soldados às minhas ordens e digo a um: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faz isto, e ele o faz. E Jesus ouvindo isto, admirou-se, e disse para os que o seguiam: Em verdade vos digo, não achei fé tão grande em Israel. Digo-vos, porém, que virão muitos do Oriente e do Ocidente, e se sentarão com Abraão e Isaac e Jacó nos reinos dos Céus, enquanto que os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes. Então disse Jesus ao centurião: Vai, e seja-te feito conforme creste. E naquela mesma hora ficou curado o servo.