sábado, 23 de setembro de 2017

Sábado da Quatro Têmporas

23/09 Sábado das Têmporas
Festa de Segunda Classe
Paramentos Violeta
Leitura da Epístola do Profeta

Hebreus 9, 2-12                                                                                         
2 Consistia numa tenda: a parte anterior encerrava o candelabro e a mesa com os pães da proposição; chamava-se Santo. 3 Atrás do segundo véu achava-se a parte chamada Santo dos Santos. 4 Aí estava o altar de ouro para os perfumes, e a Arca da Aliança coberta de ouro por todos os lados; dentro dela, a urna de ouro contendo o maná, a vara de Aarão que floresceu e as tábuas da aliança; 5 em cima da arca, os querubins da glória estendendo a sombra de suas asas sobre o propiciatório. Mas não é aqui o lugar de falarmos destas coisas pormenorizadamente. 6 Assim sendo, enquanto na primeira parte do tabernáculo entram continuamente os sacerdotes para desempenhar as funções, 7 no segundo entra apenas o sumo sacerdote, somente uma vez ao ano, e ainda levando consigo o sangue para oferecer pelos seus próprios pecados e pelos do povo. 8 Com o que significava o Espírito Santo que o caminho do Santo dos Santos ainda não estava livre, enquanto subsistisse o primeiro tabernáculo. 9 Isto é também uma figura que se refere ao tempo presente, sinal de que os dons e sacrifícios que se ofereciam eram incapazes de justificar a consciência daquele que praticava o culto. 10 Culto que consistia unicamente em comidas, bebidas e abluções diversas, ritos materiais que só podiam ter valor enquanto não fossem instituídos outros mais perfeitos. 11 Porém, já veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito, não construído por mãos humanas (isto é, não deste mundo), 12 sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna.  

Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                                       
São Lucas 13,6-17
6 Disse-lhes também esta comparação: Um homem havia plantado uma figueira na sua vinha, e, indo buscar fruto, não o achou. 7 Disse ao viticultor: - Eis que três anos há que venho procurando fruto nesta figueira e não o acho. Corta-a; para que ainda ocupa inutilmente o terreno? 8 Mas o viticultor respondeu: - Senhor, deixa-a ainda este ano; eu lhe cavarei em redor e lhe deitarei adubo. 9 Talvez depois disto dê frutos. Caso contrário, cortá-la-ás. 10 Estava Jesus ensinando na sinagoga em um sábado. 11 Havia ali uma mulher que, havia dezoito anos, era possessa de um espírito que a detinha doente: andava curvada e não podia absolutamente erguer-se. 12 Ao vê-la, Jesus a chamou e disse-lhe: Estás livre da tua doença. 13 Impôs-lhe as mãos e no mesmo instante ela se endireitou, glorificando a Deus. 14 Mas o chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse ao povo: São seis os dias em que se deve trabalhar; vinde, pois, nestes dias para vos curar, mas não em dia de sábado. 15 Hipócritas!, disse-lhes o Senhor. Não desamarra cada um de vós no sábado o seu boi ou o seu jumento da manjedoura, para os levar a beber? 16 Esta filha de Abraão, que Satanás paralisava há dezoito anos, não devia ser livre desta prisão, em dia de sábado? 17 Ao proferir estas palavras, todos os seus adversários se encheram de confusão, ao passo que todo o povo, à vista de todos os milagres que ele realizava, se entusiasmava.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

Dia 23 de setembro dia São Lino, Papa e Mártir.


 São Lino  foi  o  segundo Papa da Igreja Católica, portanto, o primeiro  sucessor de São Pedro na Sé apostólica, de quem  pessoalmente recebeu o poder das chaves para guiar o rebanho de Cristo. Nasceu na localidade de Volterra,  na Toscana na Itália,  a sua mãe chamava-se Cláudia e o seu pai Herculeanus.  O decreto (que persistiu durante muito tempo) que obrigava as mulheres a cobrirem a cabeça no templo terá sido da sua autoria (baseado em São Paulo).  Antes, porém, que fosse eleito bispo, trabalhava pela salvação das almas ao lado de São Pedro, de quem era grande colaborador. Tanto foi assim que dele mesmo recebeu a missão de pregar na Gália (hoje França), a fim de levar a luz da Fé às nações pagãs. Chegando àquelas terras, estabeleceu-se em Vesontio (atual Besançon), capital do Franco Condado. Graças ao apoio que tinha do tribuno Onósio, principal magistrado que tinha por missão lutar pelas causas do povo, São Lino acabou transformando-se em um homem público, exercendo preponderante papel junto à população. Em pouco tempo tornou-se um líder influente, de grande capacidade intelectual. Dadas as circunstâncias, aproveitou o terreno para plantar as sementes da Religião Cristã, mesmo sabendo que os obstáculos, dificuldades e perseguições seriam inevitáveis. Por conseguinte, empreendeu intenso esforço para afastar o povo da idolatria e da adoração de deuses estranhos. Seus discursos eram duros, porém, verdadeiros e por isso, não tardou que acabasse sendo violentamente escorraçado da cidade. Era uma figura extremamente incômoda e inconveniente aos líderes pagãos, que diante da persuasão junto ao povo, temiam a perda de seu espaço. São Lino testemunhou a queda de alguns imperadores romanos e a destruição de Jerusalém.
Em sua última prática na cidade de Vesontio (atual Besançon), São Lino criticou e repreendeu veementemente os idólatras, feiticeiros renomados e diversos pagãos, que ofereciam sacrifícios aos  seu ídolos e seus deuses. "Cessai", disse São Lino, "cessai de render adoração a tão vis criaturas". Os líderes presentes, percebendo que estavam prestes a cair em descrédito pela força de sua palavra, gritaram ao povo, dizendo que as insolências sacrílegas proferidas por Lino, iriam provocar a ira dos deuses e caso lhe dessem ouvidos, sério castigo se precipitaria sobre o povo. Continuando a esbravejar, incitaram o povo, que acabou investindo contra o santo mediante golpes, tendo sido expulso da cidade completamente ferido e também abandonado, até mesmo por aqueles que sempre o apoiaram. Dali retornou para Roma, onde permaneceu até ser escolhido como sucessor de São Pedro. As sementes que deixou para trás, germinaram com grande vigor, tanto que passaria a ser venerado pelo povo, tempos depois, em sua primeira Sede Episcopal de Becanson.Zeferino combatido pelo papa.                                                                                
Foi martirizado em 20 de dezembro de 217.
  
 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Sexta das Quatro têmporas

 22/09 Sexta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Violeta
Leitura da Epístola do Profeta

Oséias 14, 2-10
2 Muni-vos de palavras (de súplicas) e voltai ao Senhor. Dizei-lhe: Perdoai todos os nossos pecados, acolhei-nos favoravelmente. Queremos oferecer em sacrifício a homenagem de nossos lábios. 3 O assírio não nos salvará, não mais montaremos nossos cavalos, e não mais teremos como Deus obra alguma de nossas mãos, porque só junto de vós encontra o órfão compaixão. 4 Curarei a sua infidelidade, amá-los-ei de todo o coração, (porque minha cólera apartou-se deles). 5 Serei para Israel como o orvalho; ele florescerá como o lírio, e lançará raízes como o álamo. 6 Seus galhos estender-se-ão ao longe, sua opulência igualará à da oliveira e seu perfume será como o odor do Líbano. 7 (Os de Efraim) virão sentar-se à sua sombra. Cultivarão o trigo. Crescerão com a vinha. E serão famosos como o vinho do Líbano. 8 Que terá ainda Efraim de comum com os ídolos? Eu mesmo, que o afligi, torná-lo-ei feliz. Eu sou como o cipreste sempre verde: graças a mim é que produzes fruto. 9 Quem é sábio atenda a estas coisas! Que o homem inteligente reflita nelas, porque os caminhos do Senhor são retos. Os justos andam por eles, mas os pecadores neles tropeçam.

Sequência do Santo Evangelho                                                                                                                    
São Lucas 7,36-50                                                                              

36 Um fariseu convidou Jesus a ir comer com ele. Jesus entrou na casa dele e pôs-se à mesa. 37 Uma mulher pecadora da cidade, quando soube que estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro cheio de perfume; 38 e, estando a seus pés, por detrás dele, começou a chorar. Pouco depois suas lágrimas banhavam os pés do Senhor e ela os enxugava com os cabelos, beijava-os e os ungia com o perfume. 39 Ao presenciar isto, o fariseu, que o tinha convidado, dizia consigo mesmo: Se este homem fosse profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que o toca, pois é pecadora. 40 Então Jesus lhe disse: Simão, tenho uma coisa a dizer-te. Fala, Mestre, disse ele. 41 Um credor tinha dois devedores: um lhe devia quinhentos denários e o outro, cinqüenta. 42 Não tendo eles com que pagar, perdoou a ambos a sua dívida. Qual deles o amará mais? 43 Simão respondeu: A meu ver, aquele a quem ele mais perdoou. Jesus replicou-lhe: Julgaste bem. 44 E voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não me deste água para lavar os pés; mas esta, com as suas lágrimas, regou-me os pés e enxugou-os com os seus cabelos. 45 Não me deste o ósculo; mas esta, desde que entrou, não cessou de beijar-me os pés. 46 Não me ungiste a cabeça com óleo; mas esta, com perfume, ungiu-me os pés. 47 Por isso te digo: seus numerosos pecados lhe foram perdoados, porque ela tem demonstrado muito amor. Mas ao que pouco se perdoa, pouco ama. 48 E disse a ela: Perdoados te são os pecados. 49 Os que estavam com ele à mesa começaram a dizer, então: Quem é este homem que até perdoa pecados? 50 Mas Jesus, dirigindo-se à mulher, disse-lhe: Tua fé te salvou; vai em paz.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dia Santo Rosário.

22 de setembro dia de São Tomás de Vila Nova, Bispo e Confessor.


Santo Tomás de Vilanova nasceu em Fuenllana (Espanha) no ano de 1488, mas foi criado em Villanueva (Vilanova, em português) de los Infantes, de onde tomou seu nome ao entrar na Ordem dos Agostinianos. Seus pais, Alonso Tomás Garcia e Lucia Martinez de Castellanos, praticavam obras de caridade, socorrendo a toda espécie de necessitados. Tomás herdou dos pais esta virtude. Dava a seus coleguinhas mais necessitados tudo o que podia, inclusive suas próprias vestes e calçados. Um dia em que os pais não estavam em casa, chegaram seis pobres pedindo esmola. O menino, não encontrando nada para dar-lhes, foi ao galinheiro e pegou seis franguinhos, dando a cada um dos pobres um destes. E disse à mãe que, se houvesse mais um pobre, ter-lhe-ia dado também a galinha. Seguindo o exemplo da mãe, desde muito cedo começou a jejuar, não só nos dias prescritos pela Igreja mas também em outros de sua devoção. Flagelava-se e fazia outras sortes de penitências como se fosse já um adulto. Estudante modelar na universidade de Alcalá Quando tinha 15 anos seus pais enviaram-lhe à famosa Universidade de Alcalá para cursar humanidades, retórica, filosofia e teologia. Seu sucesso foi tanto que nos nove anos de estudos naquela instituição ele foi aclamado por todo mundo. No entanto, sua virtude era ainda mais notável que sua ciência. Apesar do seu sucesso, jamais perdeu a modéstia e a humildade: ele aceitava os elogios como se não fosse ele que estivesse em foco. Aos 17 anos a morte de seu pai obrigou-o a voltar temporariamente para casa a fim de pôr em ordem os assuntos domésticos. Ele recebeu de herança uma grande residência que transformou em hospital para os pobres. Sua mãe cumpriu sua vontade, encerrando-se ela mesma no hospital para passar os seus anos de viuvez a serviço dos pobres. De professor de filosofia a frade agostiniano Voltando para Alcalá passou a ensinar filosofia na Universidade. Ele tinha então 26 anos. Mas outras eram suas preocupações. Havia muito vinha ele pensando em consagrar-se inteiramente a Deus mediante a vida religiosa. Por isso, deixou as glórias do mundo pelo hábito agostiniano. Tomás fez sua profissão solene em 25 de novembro de 1517. Ordenado sacerdote algum tempo depois, celebrou sua primeira missa no dia de Natal. Ele entrou em êxtase ao cantar o Glória. Tomás conservaria para sempre uma terna devoção à Divina Infância e ao Santo Sacrifício do altar. Ele costumava dizer que é péssimo sinal para um sacerdote quando ele é visto celebrar a Missa todos os dias sem se tornar cada vez melhor. Não perdia um minuto durante o dia. Os lugares que mais frequentava eram o altar, o coro (para as orações), sua cela (uma cela em um mosteiro é o aposento de um membro da comunidade; a cela é utilizada para estudar e meditação, também), a bilbioteca (para os estudos) e a enfermaria (para cuidar dos doentes). O santo não podia ver um religioso ocioso e inútil que já o comparava a um soldado sem armas e exposto ao ataque de seus inimigos. Dizia que ter ciência e grande erudição sem a piedade é como uma espada na mão de uma criança: é uma arma que pode ferir pois não tira proveito daqueles dons de ciência para ninguém. Ele criticava também os religiosos que, sob pretexto de devoção, não se aplicavam suficientemente ao estudo. Outro São Paulo ou Elias Designado à pregação ele a fazia com tanto empenho que o consideravam um outro São Paulo (pela profundidade de sua doutrina) ou um outro Elias da nova Lei (por causa do zelo que demonstrava em seus sermões). Tomás reformou de tal maneira Salamanca que a cidade “se havia tornado um mosteiro”. Muitos jovens renunciaram ao mundo para seguir a Deus. O próprio Imperador Carlos V quis ouví-lo e acabou escolhendo-o para seu pregador. Quando Tomás pregava fora do palácio, o Rei ia disfarçado para ouví-lo. O santo não aprovava os pregadores que, para dar mostras de erudição, faziam longos e prolixos sermões. Por uma visão interior ele conhecia as necessidades espirituais de seus ouvintes e o mais admirável era que, por mais diferentes que fossem seus interlocutores, todos saíam com maior piedade após ouvir seu sermão. Preguiça e ociosidade: inimigas da virtude Tomás foi eleito prior de Burgos e Valladolid e duas vezes foi provincial da Andaluzia e uma vez de Castela. No governo de seus súditos sua mansidão de coração e o atrativo de sua pessoa constituíam poderosas armas para exercer sua autoridade. Nos seus governos, ele desejava primeiro que os oficios divinos fossem celebrados com toda a reverência e atenção possíveis; em segundo lugar, que os religiosos considerassem a meditação e a leitura espiritual como coisas invioláveis; terceiro, que a paz e a união na caridade fraterna fossem guardadas sem nenhuma alteração; e, finalmente, que ninguém fosse dominado pela preguiça ou pelo ócio, vícios que são os maiores inimigos da virtude, a ruina da alma, o destruidor da castidade e a fonte de todas as desordens. Com tais normas, ele fez florescer a observância em todas as casas sob sua jurisdição. Ou seja: promoveu uma verdadeira reforma no sentido católico do termo. Arcebispo de Valência por inspiração divina Frei Tomás relutou em aceitar ser bispo, ele teve que curvar a cabeça e conformar-se com os desígnios da Providência. Tinha então ele 56 anos. Foi nomeado no dia 10 de outubro de 1544. Conservou como arcebispo seu hábito religioso que ele mesmo remendava. O cabido da arquidiocese, pensando que ele não tivesse dinheiro para comprar roupas melhores, deu de presente quatro mil ducados para que comprasse trajes mais condizentes com seu posto. Imediatamente Tomás doou o dinheiro ao hospital, agradeceu muito ao cabido dizendo que o bem que era feito aos doentes ele o tomava como para si próprio. Começou sua administração pela visita pastoral à sua circunscrição eclesiástica pregando por toda parte, resolvendo litígios, reformando conventos e extirpando os vícios. Promoveu um sínodo para acabar com muitos abusos e reformar o clero. Extraordinária caridade e milagres. A caridade do então Dom Tomás era insuperável. Atendia diretamente no palácio inúmeros pobres. Não importava a hora do dia ou da noite em que os necessitados pediam seu auxílio. Freqüentemente acompanhava seus atos de caridade com milagres. A um paralítico que lhe pedia esmola, perguntou se preferia trabalhar e ganhar seu sustento com as próprias mãos. À resposta afirmativa, ele lhe disse: “em nome de Jesus Crucificado, deixa tuas muletas e anda.” No mesmo instante o pobre começou a andar e a agradecer. Santo Tomás de Vilanova tinha êxtases em público, o que contribuia para aumentar a veneração que por ele sentiam. Seus milagres também eram conhecidos por todo mundo. Entretanto, como ele mesmo dizia, nunca temera tanto salvar-se como desde o momento em que se tornou arcebispo. Isso, devido às responsabilidades que lhe cabiam, pelo bem das almas de todos seus diocesanos. Por essa razão, aspirava ardentemente renunciar ao cargo e voltar para sua cela de religioso. Enfim, quando ele suplicava com lágrimas a Nosso Senhor que o livrasse desse pesado fardo, o Crucificado lhe respondeu: “Tenha ânimo, que no dia do nascimento de minha Mãe virás descansar.” No dia 8 de setembro de 1555, Tomás de Vilanova recebeu o prêmio demasiadamente grande de sua fidelidade.         
      
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

21 de setembro dia de São Mateus, Apostolo e Evangelista

21/09 Quinta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Vermelhos
São Mateus Evangelista (מתי/מתתיהו, "Dom de Javé" ou "Presente de Deus", hebraico padrão e vocalização de Tibérias: Mattay ou Mattiyahu; grego da Septuaginta Ματθαιος, Matthaios; grego moderno: Ματθαίος, Matthaíos) é, pelo relato dos Padres da Igreja, o autor do Evangelho de Mateus e um dos Doze Apóstolos. Nasceu na Galiléia com o nome de Levi, filho de Alfeu(Cf Mc 2,14-17).. Seu chamado aconteceu em Cafarnaum, junto ao mar da Galiléia, onde trabalhava como Publicano, ou seja, cobrador de impostos, fato que escandalizava os Fariseus e os doutores da lei, por cobrarem impostos de pessoas desprezadas e marginalizadas, além de colaborarem com a dominação romana, cobrando impostos dos judeus e entregando-os às autoridades Romanas. Converteu-se e largou tudo para seguir Nosso Senhor com isso teve a graça de ser o Autor do primeiro Evangelho que ao que consta foi escrito na Síria (Palestina),  sendo o seu texto rico em citações do Antigo Testamento. No livro de Ezequiel, narra-se que o mesmo teve uma visão de quatro animais, os quais foram atribuídos desde cedo aos quatro Evangelistas. S.Mateus é nela simbolizado pelo animal de face humana, por ter começado seu Evangelho com a narração dos Ascendentes, segundo a carne, do Salvador. Morreu na Etiópia decapitado após muito sofrimento.                                                                                                                    
Leitura da Epístola dos         

Ezequiel 1,10-14          
10. Quanto ao aspecto de seus rostos tinham todos eles figura humana, todos os quatro uma face de leão pela direita, todos os quatro uma face de touro pela esquerda, e todos os quatro uma face de águia.   11. Eis o que havia no tocante as suas faces. Suas asas estendiam-se para o alto; cada qual tinha duas asas que tocavam às dos outros, e duas que lhe cobriam o corpo.   12. Cada qual caminhava para a frente: iam para o lado aonde os impelia o espírito; não se voltavam quando iam andando.   13. No meio desses seres, divisava-se algo parecido com brasas incandescentes, como tochas que circulavam entre eles; e desse fogo que projetava uma luz deslumbrante, saíam relâmpagos.   14. Os seres ziguezagueavam como o raio.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 9,9-13
9. Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, que estava sentado no posto do pagamento das taxas. Disse-lhe: Segue-me. O homem levantou-se e o seguiu. 10. Como Jesus estivesse à mesa na casa desse homem, numerosos publicanos e pecadores vieram e sentaram-se com ele e seus discípulos. 11. Vendo isto, os fariseus disseram aos discípulos: "Por que come vosso mestre com os publicanos e com os pecadores?" 12. Jesus, ouvindo isto, respondeu-lhes: "Não são os que estão bem que precisam de médico, mas sim os doentes. 13. Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício (Os 6,6). Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores."


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DXXXI (531) (17 de setembro de 2017)

 
A verdade deve ser amada, mas depois pela razão reconhecida,
E então, a tempo e fora de tempo, deve ser defendida.

A Escritura diz (2 Tess. 2, 9-10 da tradução da Vulgata pelo Pe. Matos Soares) que a vinda do Anticristo "é por obra de Satanás... e com todas as seduções da iniquidade para aqueles que se perdem, porque (por sua culpa) não abraçaram o amor da verdade para serem salvos. Por isso Deus lhes enviará o artifício do erro, de tal modo que creiam na mentira, para que sejam condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas se comprazeram na iniquidade”. Cada palavra precisa ser pesada.

Para o fim do mundo, do qual seguramente se pode dizer que deve incluir o século XXI, o malvado Anticristo enganará as almas que se dirigem para o Inferno, e elas estão indo para o Inferno porque não aceitam o amor da verdade como o aceitariam se se dirigissem para o céu. Porque elas não amaram a verdade, Deus as punirá com a operação do erro, com o resultado de que elas acreditarão em uma série de mentiras. Deste modo, todos os que atrairão o juízo sobre si mesmos, em vez de amarem, buscar, encontrar a verdade e crer nela, concordaram em participar do mundo perverso de mentiras fabricado pelo Anticristo e por seus agentes (que podem ser chamados de "anticristos" com "a" minúsculo), para povoar o inferno.

Observem como a condenação generalizada dos últimos tempos não começa com a recusa da verdade, mas com a recusa do amor à verdade. No mundo de mentiras fabricado pelos políticos e meios de comunicação de hoje, uma "operação de erro", como nunca antes, é tal que eu posso percebê-la como se nem sequer houvesse verdade por recusar, mas se eu me recuso a desesperar e se com um coração reto eu faço uma busca a essa verdade que eu sei não estar ao meu redor, Deus se assegurará de que eu a encontre (Mt. 7, 7-8). Por outro lado, se eu conheço uma verdade importante e a desconsidero, Deus não estará comigo. A seguir, um exemplo que poderia vir hoje de qualquer lugar do mundo ocidental.

Faleceu recentemente um advogado francês, Bernard Jouanneau, quem durante anos serviu à LICRA para processar nos tribunais franceses o professor Robert Faurisson por negar a verdade histórica das câmaras de gás da Segunda Guerra Mundial, pelas quais se considera de maneira generalizada que perderam a vida seis milhões de judeus (LICRA é a Liga contra o Racismo e o Antissemitismo que processou Dom Lefebvre por atrever-se, no final da década de 1980, a sugerir que os muçulmanos retornassem aos seus próprios países). Em uma entrevista concedida ao jornal católico francês "La Croix" de 23 de setembro de 1987, Jouanneau disse: "Se as câmaras de gás existiram, então a barbaridade dos nazistas foi inigualável. Se não existiram, então os judeus mentiram, e o antissemitismo estaria justificado. É isto o que está em jogo no debate das câmaras de gás".

A avaliação de Jouanneau é completamente correta, exceto pelo fato de que o que está em jogo é muito mais do que somente a política, pois a "holocaustianidade" é a coisa mais próxima de uma religião que muitas almas têm hoje. Auschwitz substitui o Calvário, as câmaras de gás servem de Cruz, e os Seis Milhões de judeus tomam o lugar do Redentor; em outras palavras, são Deus. E essa "holocaustianidade" é a coisa mais próxima de uma religião de Estado de muitos Estados modernos ocidentais. Portanto, seria de esperar que Estados e indivíduos modernos se interessassem seriamente pela verdade das câmaras de gás, que são o coração da "holocaustianidade". Mas o que se encontra? Um grande número desses Estados tem aprovado leis para proibir o questionamento da versão oficial das câmaras de gás. Mas desde quando leis fazem ou desfazem a verdade? Tais leis põem a própria lei em descrédito!

Aqui está uma tremenda falta de amor pela verdade e uma correspondente falta de verdade. E, com certeza, é uma "operação de erro" que nos assedia atualmente, graças à grande mídia vil. No entanto, quem ama a verdade precisa passar apenas algumas horas na internet, para que seja abalada até mesmo a fé mais emotiva nas câmaras de gás. Não é de admirar que os “licranos” e seus semelhantes estejam fazendo tudo o que podem para censurar a Internet, mas com todos os seus perigos ela continua a ser um ativo por ser vigorosamente defendido, pelo menos até e se os “licranos” conseguirem controlá-lo.

Kyrie eleison.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

Quarta-feira das Quatro têmporas

20/09 Quarta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Violeta
Leitura da Epístola do Profeta

Neemias 8, 1-10                                                                                         
1. Todo o povo se reuniu então, como um só homem, na praça que ficava diante da porta da Água, e pediu a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da Lei de Moisés, que o Senhor havia prescrito a Israel. 2. O sacerdote Esdras trouxe a lei diante da assembléia de homens, mulheres e de todas (as crianças) que fossem capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. 3. Esdras fez então a leitura da lei, na praça que ficava diante da porta da Água, desde a manhã até o meio-dia, na presença dos homens, mulheres e das (crianças) capazes de compreender; todos escutavam atentamente a leitura. 4. O escriba Esdras postou-se num estrado de madeira que haviam construído para a ocasião; a seu lado encontravam-se, à direita, Matatias, Semeías, Anias, Urias, Helcias e Maasias; à esquerda, Fadaías, Misael, Melquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mosolão. 5. Esdras abriu o livro à vista do povo todo; ele estava, com efeito, elevado acima da multidão. Quando o escriba abriu o livro, todo o povo levantou-se. 6. Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus; ao que todo o povo respondeu, levantando as mãos: Amém! Amém! Depois inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor com a face por terra. 7. E Josué, Bani, Serebias, Jamin, Acub, Seftai, Odias, Maasias, Celita, Azarias, Josabed, Hanã, Falaías e outros levitas explicavam a lei ao povo, e cada um ficou no seu lugar. 8. Liam distintamente no livro da lei de Deus, e explicavam o sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. 9. Depois Neemias, o governador, Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo, disseram a toda a multidão: Este é um dia de festa consagrado ao Senhor, nosso Deus; não haja nem aflição, nem lágrimas. Porque todos choravam ao ouvir as palavras da lei. 10. Neemias disse-lhes: Ide para as vossas casas, fazei um bom jantar, tomai bebidas doces, e reparti com aqueles que nada têm pronto; porque este dia é um dia de festa consagrado ao nosso Senhor; não haja tristeza, porque a alegria do Senhor será a vossa força.

Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                                       
São Marcos 9,16-28 
16. Ele lhes perguntou: Que estais discutindo com eles? 17. Respondeu um homem dentre a multidão: Mestre, eu te trouxe meu filho, que tem um espírito mudo. 18. Este, onde quer que o apanhe, lança-o por terra e ele espuma, range os dentes e fica endurecido. Roguei a teus discípulos que o expelissem, mas não o puderam. 19. Respondeu-lhes Jesus: Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei de aturar? Trazei-mo cá! 20. Eles lho trouxeram. Assim que o menino avistou Jesus, o espírito o agitou fortemente. Caiu por terra e revolvia-se espumando. 21. Jesus perguntou ao pai: Há quanto tempo lhe acontece isto? Desde a infância, respondeu-lhe. 22. E o tem lançado muitas vezes ao fogo e à água, para o matar. Se tu, porém, podes alguma coisa, ajuda-nos, compadece-te de nós! 23. Disse-lhe Jesus: Se podes alguma coisa!... Tudo é possível ao que crê. 24. Imediatamente exclamou o pai do menino: Creio! Vem em socorro à minha falta de fé! 25. Vendo Jesus que o povo afluía, intimou o espírito imundo e disse-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: sai deste menino e não tornes a entrar nele. 26. E, gritando e maltratando-o extremamente, saiu. O menino ficou como morto, de modo que muitos diziam: Morreu... 27. Jesus, porém, tomando-o pela mão, ergueu-o e ele levantou-se. 28. Depois de entrar em casa, os seus discípulos perguntaram-lhe em particular: Por que não pudemos nós expeli-lo?

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

20 de setembro dia de Santo Eustáquio e Companheiros Mártires

 
Segundo antiga tradição Eustáquio  um general muito distinto das tropas romanas, sob o reinado do Imperador Trajano. Ele era famoso por suas façanhas, mas pagã que foi sobretudo o mérito de generosidade para com os pobres. Isso lhe rendeu a sua qualidade de conversão. Um dia ele foi em uma caça ao veado, que viu os seus chifres no meio de uma imagem brilhante da Cruz, e ouvi uma voz que disse: "Eu sou o único que você honra, sem saber, pelo seu amor; você dar esmolas aos pobres os pobres rogaram por voçê a Mim ". Oprimido por essa aparição extraordinária, ele se dirigiu a perguntas com a voz que lhe falava, ele percebeu que era a voz do Deus cristão, e resolveu renunciar o paganismo. Em seu retorno, ele compartilhou esse prodígio com sua esposa , que lhe disse a si mesma que tinha tido uma visão. Logo toda da casa sua esposa Teopista, e os dois filhos do casal,  Agapeto e Teopisto receberam o batismo.  

Pouco depois o Senhor fez conhecido por Eustáquio, uma nova visão, tudo o que ele teria de sofrer. Na verdade, ele perdeu sua propriedade, seu trabalho, sua esposa e seus filhos foram removidos. A mendigar, ele tornou-se o servo de um rico fazendeiro. Este é o arado que os enviados do imperador Trajano, enviado para sua pesquisa, encontrou e reconheceu-lhe perguntaram a segui-lo, dizendo que o Imperador lhe daria o comando de suas tropas contra os bárbaros. Durante a expedição, Eustáquio todos providencialmente encontrou sua esposa e seus dois filhos. Depois de sua vitória, ele foi, como de costume, um triunfo. Mas se recusou a seguir o Imperador Adriano até o templo de Apolo, o que sucedeu a Eustáquio, ele foi interrogado, não negou ser cristão e assim com sua esposa e filhos foram entregue para os leões. Não é sem espanto que o tirano viu esses animais acariciar suas vítimas mesmo com fome, mas sua raiva não foi desarmada, ele ordenou que o fogo para acender um touro de bronze enorme, para jogar a quatro mártires. Eles oraram a Deus para apoiá-los na luta. Lançada no instrumento horrível, que logo fez seu último suspiro. “Quando o Imperador, três dias depois, foi ver o que restou dos mártires, ele ficou surpreso ao ver seus cabelos e corpos intacto e preservado”, Ele é grande, diz ele, o Deus cristão, Jesus Cristo o único Deus verdadeiro! " Aveu inefficace d'un cruel et ingrat persécuteur! Admissão ineficiente de um perseguidor cruel e ingrato!
Está família seria hoje seria rotulada pelos modernistas cristãos fundamentalistas. Aqui vemos uma grande Lição e exemplo para quem apoia a fumaça de satanás nesta reunião de Assis e outras que se promovem os Bispos Modernistas que antes deveriam Morrer que se ajuntarem a heresias,seitas, sociedades secretas e falsas religiões (Vejam as fotos abaixo confirmando profecia de Salete e Fatima que seria uma grande crise no interior da Santa Igreja)


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário



terça-feira, 19 de setembro de 2017

19 de setembro dia de São Januário, Bispo e Companheiros Mártires

19/09 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos 
 São Januário (também conhecido como San Gennaro),  nasceu em Nápoles, no ano 270 d.C. Em 302 foi ordenado sacerdote, e por sua piedade e virtude foi escolhido, pouco depois, para Bispo de Benevento. Sua caridade, infatigável zelo e solicitude pastoral,  socorria todos os necessitados e aflitos. Quando em 304, o imperador romano Diocleciano desencadeou em todo o Império cruel perseguição contra o Cristianismo, obrigando os fiéis a oferecer sacrifícios às divindades pagãs, São Januário teve muitas ocasiões de manifestar o valor de seu zelo, socorrendo os cristãos, não só nos limites de sua diocese, mas em todas as cidades circunvizinhas. Penetrava nos cárceres, estimulando seus irmãos na Fé e perseverança final, alcançando também, naquela ocasião, grande número de conversões. O êxito de seu apostolado não tardou a despertar atenção de Dracônio, governador da Campânia, que o mandou prender. Diante do tribunal, São Januário foi reprovado pelo pró-cônsul Timóteo, que lhe apresentou a seguinte alternativa: «Ou ofereces incenso aos deuses, ou renuncias à vida».                 
«Não posso imolar aos demônios, pois tenho a honra de sacrificar todos os dias ao verdadeiro Deus»” – respondeu com vigor o santo, referindo-se à celebração eucarística. Irado, o pró-cônsul ordenou que o santo Bispo seis clérigos de sua diocese: Santos Sósio,Próculo, Festo, Desidério, Eutíquio e Acúrcio fosse lançado imediatamente numa fornalha ardente. Mas Deus quis renovar em favor de seu fiel servo o milagre dos três jovens israelitas, atirados também nas chamas, de que fala o Antigo Testamento. São Januário e seus companheiros saiu desta prova do fogo ileso, para grande surpresa dos pagãos. O tirano, atribuindo o prodígio a artes mágicas, ordenou que São Januário e companheiros fossem conduzidos a Puzzoles, onde seriam lançados às feras na arena. No dia marcado para o suplicio, o povo lotou o anfiteatro da cidade. No centro da arena. São Januário encorajava os companheiros: «Ânimo, irmãos, este é o dia do nosso triunfo, combatamos com valor nosso sangue por Aquele Senhor, a quem devemos a vida». Mal terminara de falar foram libertados leões, tigres e leopardos famintos, que correram em direção às vítimas. Mas, em lugar de despedaçá-las, prostraram-se diante do Bispo de Benevento e começaram a lamber-lhes os pés. Ouviu-se então um grande murmúrio no anfiteatro, que reconhecia não existir outro verdadeiro Deus senão o dos cristãos. Muitos pediram clemência. Mas o pró-cônsul, cego de ódio, mandou decapitar aqueles cristãos, sendo executada a ordem na praça Vulcânia. Os corpos dos mártires foram conduzidos pelos fiéis às suas respectivas cidades. Segundo relataram as crônicas, uma piedosa mulher recolheu em duas ampolas o sangue que escorria do corpo de São Januário, quando este era transportado para Benavento. Os restos mortais do Bispo mártir foram transladados para sua cidade natal — Nápoles — em 432. No ano 820 voltaram para Benavento. Em 1497 retornaram definitivamente para Nápoles, onde repousam até hoje, em majestosa Catedral gótica. Aí se realiza o perpétuo sangue, que se dá duas vezes por ano, no sábado que antecede o primeiro domingo de maio aniversário da primeira transladação, e a 19 de setembro, festa do martírio do santo (Igreja Latina) e no dia 16 de dezembro (dia em que Nápoles foi protegido da erupção do Vesúvio). As datas da liquefação do sangue de São Januário são celebradas com grande pompa e esplendor. As relíquias são expostas ao público, e se a liquefação não se verifica imediatamente. Iniciam-se preces coletivas. Se o milagre tarda, os fiéis compenetram-se de que a demora se deve a seus pecados. Rezam então orações penitenciais, como o salmo «Miserere», composto pelo Santo Rei Davi. Quando o milagre ocorre, o Clero entoa solene «Te Deum», a multidão prorrompe em vivas. Os sinos repicam e toda a cidade se rejubila. Entretanto, sempre que nas datas costumeiras o sangue não se liquefaz, Isso significa o aviso de tristes acontecimentos vindouros, segundo uma antiga tradição nunca desmentida. O sangue de São Januário está recolhido em duas ampolas de vidro, hermeticamente fechadas, protegido por duas lâminas de cristal transparente. A ampola maior possui 60 cm cúbicos de volume; a menor tem capacidade de 25 cm cúbicos. Em geral, o sangue endurecido ocupa até a metade da ampola maior; na menor, encontra-se disperso em fragmentos. A liquefação do sangue produz-se espontaneamente, sob as mais variadas circunstâncias, independentemente da temperatura ou do movimento, o sangue passa do estado pastoso ao fluido e, até, fluidíssimo. A liquefação ocorre da periferia para o centro e vice-versa. Algumas vezes, o sangue liquefaz-se instantânea e inteiramente, ou, por vezes, permanece um denso coágulo em meio ao resto liquefeito. Altera-se o colorido: desde o vermelho mais escuro até o rubro mais vivo. Não poucas vezes surgem bolhas e sangue fresco e espumante sobe rapidamente até o topo da ampola maior. Trata-se verdadeiramente de sangue humano, comprovado por análises espectroscópicas. Há algumas peculiaridades, que constituem outros milagres dentro do milagre liquefação, há uma variação do volume: algumas vezes diminui e outras vezes aumenta até o dobro. Varia também quanto à massa e quanto ao peso. Em janeiro de 1991, o prof. G. Sperindeo utilizando-se, com o máximo cuidado, de aparelhos de alta precisão, encontrou uma variação de cerca de 25 gramas. O peso aumentava enquanto o volume diminuía. Esse acréscimo de peso contraria frontalmente o princípio da conservação da massa (uma das leis fundamentais da Física) e é absolutamente inexplicável, pois as ampolas encontram-se hermeticamente fechadas, sem possibilidade de receber acréscimo de substâncias do exterior. A notícia escrita mais antiga e segura do milagre consta de uma crônica do século XIV. Desde 1659, estão rigorosamente anotadas todas as liquefações, que já perfazem mais de dez mil!


Leitura da Epístola aos


Hebreus 10,32-38
32 Lembrai-vos dos dias de outrora, logo que fostes iluminados. Quão longas e dolorosas lutas sustentastes. 33 Seja tornando-vos alvo de toda espécie de opróbrios e humilhações, seja tomando moralmente parte nos sofrimentos daqueles que os tiveram que suportar. 34 Não só vos compadecestes dos encarcerados, mas aceitastes com alegria a confiscação dos vossos bens, pela certeza de possuírdes riquezas muito melhores e imperecíveis. 35 Não percais esta convicção a que está vinculada uma grande recompensa, 36 pois vos é necessária a perseverança para fazerdes a vontade de Deus e alcançardes os bens prometidos. 37 Ainda um pouco de tempo - sem dúvida, bem pouco -, e o que há de vir virá e não tardará. 38 Meu justo viverá da fé. Porém, se ele desfalecer, meu coração já não se agradará dele (Hab 2,3s). 

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 24,3-13
3 Indo ele assentar-se no monte das Oliveiras, achegaram-se os discípulos e, estando a sós com ele, perguntaram-lhe: Quando acontecerá isto? E qual será o sinal de tua volta e do fim do mundo? 4 Respondeu-lhes Jesus: Cuidai que ninguém vos seduza. 5 Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu o Cristo. E seduzirão a muitos. 6 Ouvireis falar de guerras e de rumores de guerra. Atenção: que isso não vos perturbe, porque é preciso que isso aconteça. Mas ainda não será o fim. 7 Levantar-se-á nação contra nação, reino contra reino, e haverá fome, peste e grandes desgraças em diversos lugares. 8 Tudo isto será apenas o início das dores. 9 Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações. 10 Muitos sucumbirão, trair-se-ão mutuamente e mutuamente se odiarão. 11 Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. 12 E, ante o progresso crescente da iniqüidade, a caridade de muitos esfriará. 13 Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

18 de setembro dia de São José de Cupertino, Confessor

18/09 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
  Ele nasceu em 17 de junho de 1603 como José Desa, em Cupertino, Diocese de Nardo, perto de Nápoles, Itália. Após varias tentativas de entrar na vida religiosa (ele era considerado ignorante e sem cultura), o "irmão burro", como as vezes era chamado, foi aceito no Convento Franciscano em Grotela onde ele foi ordenado em 1628 Teve uma das vidas mais maravilhosas e surpreendentes que se encontram no calendário litúrgico. Filho de camponeses do sul da Itália, sabia-se tão pouco dotado intelectualmente que a si mesmo dava, com humildade, o nome de Frei Asno; mas pela santidade, e pelos dons sobrenaturais que recebia, compensou largamente a pouca inteligência. Diversas vezes tentou ingressar na vida religiosa sem o conseguir, por notória incapacidade.
Só à custa de muita insistência foi admitido num convento franciscano. Quando se preparava para o sacerdócio, era ajudado sobrenaturalmente em todas as provas e exames. Certa vez, somente conseguira estudar e assimilar um frase da Escritura: “Bem-aventuradas as entranhas que te trouxeram”. Por milagre, no exame lhe pediram que explicasse exatamente essa frase, e ele se saiu maravilhosamente. É por isso considerado o patrono dos estudantes em apuros. Ordenado sacerdote, vivia arrebatado em êxtases e era objeto de fenômenos místicos extraordinários. Era comum ser visto em levitação, erguido do solo a alturas elevadas. 
Praticava milagres espantosos, curando doentes de todos os gêneros. Embora pouco inteligente, era iluminado pelo Divino Espírito Santo e dava conselhos acertadíssimos, sendo procurado, por isso, por pessoas altamente colocadas, que desejavam consultá-lo.                                                                                                                           
Até o Papa quis conhecê-lo, e aconteceu que, durante a audiência com o Pontífice, o humilde franciscano entrou num êxtase e deixou o Papa admirado. Em suma, aquele que quase não fora admitido no convento, atingiu uma santidade tão consumada e maravilhosa que se transformou numa das glórias da Ordem franciscana. (+ Itália, 1663)

Leitura da Epístola

I Coríntios 13,1-8
1. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. 2. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada. 3. Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria! 4. A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante. 5. Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.6. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. 7. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 8. A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará.

Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                                       
São Mateus 22,23-28   
23. Naquele mesmo dia, os saduceus, que negavam a ressurreição, interrogaram-no: 24. Mestre, Moisés disse: Se um homem morrer sem filhos, seu irmão case-se com a sua viúva e dê-lhe assim uma posteridade (Dt 25,5). 25. Ora, havia entre nós sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu. Como não tinha filhos, deixou sua mulher ao seu irmão. 26. O mesmo sucedeu ao segundo, depois ao terceiro, até o sétimo. 27. Por sua vez, depois deles todos, morreu também a mulher. 28. Na ressurreição, de qual dos sete será a mulher, uma vez que todos a tiveram?

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

domingo, 17 de setembro de 2017

Decimo Quinto Domingo depois de Pentecoste.

17/09 Domingo 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Verdes

Leitura da Epístola dos   
                                                                      
Gálatas 5,25-26; 6. 1-10 
25.Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito.26.Não sejamos ávidos da vanglória. Nada de provocações, nada de invejas entre nós. 1.Irmãos, se alguém for surpreendido numa falta, vós, que sois animados pelo Espírito, admoestai-o em espírito de mansidão. E tem cuidado de ti mesmo, para que não caias também em tentação!2.Ajudai-vos uns aos outros a carregar os vossos fardos, e deste modo cumprireis a lei de Cristo.3.Quem pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. 4.Cada um examine o seu procedimento. Então poderá gloriar-se do que lhe pertence e não do que pertence a outro.5.Pois cada um deve carregar o seu próprio fardo.6.Aquele que recebe a catequese da palavra, reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui.7.Não vos enganeis: de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá.8.Quem semeia na carne, da carne colherá a corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna.9.Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos, se não relaxarmos.10.Por isso, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos os homens, mas particularmente aos irmãos na fé.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 7,11-16  
1.No dia seguinte dirigiu-se Jesus a uma cidade chamada Naim. Iam com ele diversos discípulos e muito povo.12.Ao chegar perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto a ser sepultado, filho único de uma viúva; acompanhava-a muita gente da cidade.13.Vendo-a o Senhor, movido de compaixão para com ela, disse-lhe: Não chores!14.E aproximando-se, tocou no esquife, e os que o levavam pararam. Disse Jesus: Moço, eu te ordeno, levanta-te.15.Sentou-se o que estivera morto e começou a falar, e Jesus entregou-o à sua mãe.16.Apoderou-se de todos o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta surgiu entre nós: Deus voltou os olhos para o seu povo.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário

17 de setembro dia dos Estigmas de São Francisco.


Os estigmas são cada um dos cinco sinais que aparecem no corpo, nos mesmos pontos onde ocorreu a crucificação de Jesus Cristo, isto é, pés, punhos e tórax. Reproduzem as cinco chagas de Jesus.
Ano de 1213 o Conde Orlando de Chiusi oferece a São Francisco um monte chamado Alverne, para servir de eremitério, retiro e oração. É aqui que São Francisco recebe os sagrados estigmas sendo que suas marcas perduraram por dois anos. Pelo que se tem conhecimento, o primeiro estigmatizado foi São Francisco de Assis.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário