segunda-feira, 20 de agosto de 2018

20 de agosto dia de São Bernardo, Abade e Doutor.

20/08 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
“Deus quis que não recebêssemos nada que não passe pelas mãos de Maria”
“Por vós, Maria, temos acesso ao Filho, por vós que achaste a graça, Mãe da Salvação, para que por vós nos receba Aquele que por vós nos foi dado”.
 (São Bernardo)

 Nascido numa grande família nobre da Borgonha, no castelo de Fontaine-lès-Dijon, Bernardo foi o terceiro de sete filhos de Tescelin o Vermelho (Tescelin Sorrel) e de Aleth de Montbard. Com a idade de nove anos, é enviado para a Escola Canônica de Châtillon-sur-Seine, onde mostra um gosto particular pela literatura. Em 1112, decide entrar na Abadia de Cister, fundada em 1098 por São Roberto de Molesme, e na qual Santo Estevão Harding havia acabado de ser eleito Abade. Convence vários amigos, irmãos e parentes a ingressarem com ele na vida monástica e chega assim com outros 30 candidatos para entrar na Abadia. Em 1115, Estevão Harding envia-o jovem à frente de um grupo de monges para fundar uma nova casa cisterciense no vale de Langres, em Ville-sous-la-Ferté. A fundação é chamada "Vale Claro", ou Clairvaux – Claraval. Bernardo é nomeado Abade desta nova Abadia, e confirmado por Guilherme de Champeux, bispo de Châlons e célebre teólogo.                                                    
Os primórdios de Claraval são difíceis: a disciplina imposta por São Bernardo é bastante severa. Bernardo busca formação nas Sagradas Escrituras e nos Padres da Igreja. Ele tem uma predileção quase exclusiva pelo Cântico dos Cânticos e por Santo Agostinho. O livro e o autor correspondem às tendências da época. Muitas pessoas afluem à nova abadia e Bernardo acaba de converter toda sua família: seu pai, Tescelin, e seus cinco irmãos tornam-se monges em Claraval. Sua irmã, Umbelina, toma igualmente o hábito no priorado de Jully-les-Nonnains. A partir de 1118, novas casas são fundadas (a exemplo da Abadia Nossa Senhora de Fontenay, para evitar a superlotação de Claraval. Em 1119, Bernardo faz parte do Capítulo Geral dos Cistercienses convocado por Estevão Harding, que dá sua forma definitiva à Ordem. A Carta da Caridade, que é então redigida, é confirmada pouco depois pelo papa Calisto II. É nesta época que Bernardo escreve suas primeiras obras, tratados e homilias e, sobretudo, uma Apologia, escrita a pedido de Guilherme de Saint-Thierry, que defende os beneditinos brancos (os cistercienses segundo a cor de seu hábito) contra os beneditinos negros (cluniacenses). Pedro, o Venerável, abade de Cluny, lhe responde amigavelmente, e apesar de suas diferenças ideológicas, os dois homens tornam-se amigos. Envia igualmente numerosas cartas para incentivar à reforma o resto do clero, em particular os bispos. Sua carta ao arcebispo de Sens, Henrique de Boisrogues chamada mais tarde de De Officiis Episcoporum (Da conduta dos Bispos) é reveladora do importante papel dos monges no século XII, e das tensões entre o clero regular e secular. Em 1128, Bernardo participa do concílio de Troyes, convocado pelo papa Honório II e presidido por Matthieu d’Albano, legado do papa. Bernardo é nomeado secretário do concílio, mas ao mesmo tempo é contestado por uma parte do clero, que pensa que por ser monge, que se intromete em coisas que não são lhe concernem. Ele termina por se desculpar, mas o concílio é fortemente influenciado por sua atuação. Torna-se uma personalidade importante e respeitada na Cristandade; ele intervém em assuntos públicos, defende os direitos da Igreja contra os príncipes seculares e aconselha papas e reis. Em 1130, depois da morte de Honório II, durante o cisma de Anacleto II, é a sua voz que faz com que Inocêncio II seja aceito. Em 1132, ele consegue do papa a independência de Claraval em relação a Cluny. Nesse período de desenvolvimento das escolas urbanas, no qual os novos problemas são discutidos na forma de questões (quaestio), de argumentação e busca de uma conclusão (disputativo), São Bernardo é defensor de uma linha tradicionalista. Ele combate as posições de Abelardo, e as faz ser condenadas no concílio de Sens em 1140.                                                    
Em 1145, Claraval dá um papa à Igreja, Eugênio III. Quando o reino de Jerusalém é ameaçado, Eugênio III, ele mesmo um cisterciense, pede a Bernardo que pregue a segunda cruzada em Vézelay em 31 de março de 1146 e mais tarde em Spire. Ele o faz com tanto sucesso que o rei de França Luís VII o Jovem e o imperador do Sacro Império Conrado III tomam eles mesmos a cruz. No concílio de Reims, em 1148, ele faz uma acusação de heresia contra Gilbert de la Porre é, bispo de Poitiers. Não obtém grande sucesso e seu adversário conserva sua posição e prestígio. São Bernardo fundou 72 mosteiros, espalhados por toda Europa: 35 na França, 14 na Espanha, 10 na Inglaterra e Irlanda, 6 em Flandres, 4 na Itália, 4 na Dinamarca, 2 na Suécia e 1 na Hungria, além de muitos outros que se filiaram à Ordem. Em 1151, dois anos antes de sua morte, existem 500 abadias cistercienses. Havia 700 monges ligados a Claraval. Bernardo morre em 1153 com 63 anos.
Leitura da Epístola dos

Eclesiástico 39,6-14 
6.Desde o alvorecer aplica o coração à vigília para se unir ao Senhor que o criou, e ora na presença do Altíssimo.7.Abre sua boca para orar, e pede perdão de seus pecados,8.pois se for da vontade do Senhor que é grande, ele o cumulará do espírito de inteligência.9.Então ele espargirá como uma chuva palavras de sabedoria, e louvará o Senhor em sua oração.10.O Senhor orientará seus conselhos e seus ensinamentos, e ele meditará nos mistérios (divinos).11.Ensinará ele próprio o conhecimento de sua doutrina. Porá sua glória na lei da aliança do Senhor. 12.Muitos homens louvarão sua sabedoria: jamais cairá ela no esquecimento.13.A sua memória não desaparecerá; seu nome será repetido de geração em geração.14.As nações proclamarão sua sabedoria, a assembléia apregoará seu louvor.
Sequência do Santo Evangelho                                                                                                                  
São Mateus 5,13-19                                                            
13.Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens.14.Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha15.nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa.16.Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus.17.Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição.18.Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei.19.Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar serão declarados grandes no Reino dos céus.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

domingo, 19 de agosto de 2018

Decimo Terceiro Domingo depois de Pentecoste.

19/08 Domingo 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Verdes
Leitura da Epístola dos                                                        
Gálatas 3,16-22    
16.Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: aos seus descendentes, como se fossem muitos, mas fala de um só: e a tua descendência (Gn 12,7), isto é, a Cristo.17.Afirmo, portanto: a lei, que veio quatrocentos e trinta anos mais tarde, não pode anular o testamento feito por Deus em boa e devida forma e não pode tornar sem efeito a promessa.18.Porque, se a herança se obtivesse pela lei, já não proviria da promessa. Ora, pela promessa é que Deus deu o seu favor a Abraão.19.Então que é a lei? É um complemento ajuntado em vista das transgressões, até que viesse a descendência a quem fora feita a promessa; foi promulgada por anjos, passando por um intermediário.20.Mas não há intermediário, tratando-se de uma só pessoa, e Deus é um só.21.Portanto, é a lei contrária às promessas de Deus? De nenhum modo. Se fosse dada uma lei que pudesse vivificar, em verdade a justiça viria pela lei;22.mas a Escritura encerrou tudo sob o império do pecado, para que a promessa mediante a fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 17,11-19                                                                         
11.Sempre em caminho para Jerusalém, Jesus passava pelos confins da Samaria e da Galiléia.12.Ao entrar numa aldeia, vieram-lhe ao encontro dez leprosos, que pararam ao longe e elevaram a voz, clamando:13.Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!14.Jesus viu-os e disse-lhes: Ide, mostrai-vos ao sacerdote. E quando eles iam andando, ficaram curados.15.Um deles, vendo-se curado, voltou, glorificando a Deus em alta voz.16.Prostrou-se aos pés de Jesus e lhe agradecia. E era um samaritano.17.Jesus lhe disse: Não ficaram curados todos os dez? Onde estão os outros nove?18.Não se achou senão este estrangeiro que voltasse para agradecer a Deus?!19.E acrescentou: Levanta-te e vai, tua fé te salvou.

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

19 de setembro dia de São Januário, Bispo e Companheiros Mártires

 
 
 São Januário (também conhecido como San Gennaro),  nasceu em Nápoles, no ano 270 d.C. Em 302 foi ordenado sacerdote, e por sua piedade e virtude foi escolhido, pouco depois, para Bispo de Benevento. Sua caridade, infatigável zelo e solicitude pastoral,  socorria todos os necessitados e aflitos. Quando em 304, o imperador romano Diocleciano desencadeou em todo o Império cruel perseguição contra o Cristianismo, obrigando os fiéis a oferecer sacrifícios às divindades pagãs, São Januário teve muitas ocasiões de manifestar o valor de seu zelo, socorrendo os cristãos, não só nos limites de sua diocese, mas em todas as cidades circunvizinhas. Penetrava nos cárceres, estimulando seus irmãos na Fé e perseverança final, alcançando também, naquela ocasião, grande número de conversões. O êxito de seu apostolado não tardou a despertar atenção de Dracônio, governador da Campânia, que o mandou prender. Diante do tribunal, São Januário foi reprovado pelo pró-cônsul Timóteo, que lhe apresentou a seguinte alternativa: «Ou ofereces incenso aos deuses, ou renuncias à vida».                 
«Não posso imolar aos demônios, pois tenho a honra de sacrificar todos os dias ao verdadeiro Deus»” – respondeu com vigor o santo, referindo-se à celebração eucarística. Irado, o pró-cônsul ordenou que o santo Bispo seis clérigos de sua diocese: Santos Sósio,Próculo, Festo, Desidério, Eutíquio e Acúrcio fosse lançado imediatamente numa fornalha ardente. Mas Deus quis renovar em favor de seu fiel servo o milagre dos três jovens israelitas, atirados também nas chamas, de que fala o Antigo Testamento. São Januário e seus companheiros saiu desta prova do fogo ileso, para grande surpresa dos pagãos. O tirano, atribuindo o prodígio a artes mágicas, ordenou que São Januário e companheiros fossem conduzidos a Puzzoles, onde seriam lançados às feras na arena. No dia marcado para o suplicio, o povo lotou o anfiteatro da cidade. No centro da arena. São Januário encorajava os companheiros: «Ânimo, irmãos, este é o dia do nosso triunfo, combatamos com valor nosso sangue por Aquele Senhor, a quem devemos a vida». Mal terminara de falar foram libertados leões, tigres e leopardos famintos, que correram em direção às vítimas. Mas, em lugar de despedaçá-las, prostraram-se diante do Bispo de Benevento e começaram a lamber-lhes os pés. Ouviu-se então um grande murmúrio no anfiteatro, que reconhecia não existir outro verdadeiro Deus senão o dos cristãos. Muitos pediram clemência. Mas o pró-cônsul, cego de ódio, mandou decapitar aqueles cristãos, sendo executada a ordem na praça Vulcânia. Os corpos dos mártires foram conduzidos pelos fiéis às suas respectivas cidades. Segundo relataram as crônicas, uma piedosa mulher recolheu em duas ampolas o sangue que escorria do corpo de São Januário, quando este era transportado para Benavento. Os restos mortais do Bispo mártir foram transladados para sua cidade natal — Nápoles — em 432. No ano 820 voltaram para Benavento. Em 1497 retornaram definitivamente para Nápoles, onde repousam até hoje, em majestosa Catedral gótica. Aí se realiza o perpétuo sangue, que se dá duas vezes por ano, no sábado que antecede o primeiro domingo de maio aniversário da primeira transladação, e a 19 de setembro, festa do martírio do santo (Igreja Latina) e no dia 16 de dezembro (dia em que Nápoles foi protegido da erupção do Vesúvio). As datas da liquefação do sangue de São Januário são celebradas com grande pompa e esplendor. As relíquias são expostas ao público, e se a liquefação não se verifica imediatamente. Iniciam-se preces coletivas. Se o milagre tarda, os fiéis compenetram-se de que a demora se deve a seus pecados. Rezam então orações penitenciais, como o salmo «Miserere», composto pelo Santo Rei Davi. Quando o milagre ocorre, o Clero entoa solene «Te Deum», a multidão prorrompe em vivas. Os sinos repicam e toda a cidade se rejubila. Entretanto, sempre que nas datas costumeiras o sangue não se liquefaz, Isso significa o aviso de tristes acontecimentos vindouros, segundo uma antiga tradição nunca desmentida. O sangue de São Januário está recolhido em duas ampolas de vidro, hermeticamente fechadas, protegido por duas lâminas de cristal transparente. A ampola maior possui 60 cm cúbicos de volume; a menor tem capacidade de 25 cm cúbicos. Em geral, o sangue endurecido ocupa até a metade da ampola maior; na menor, encontra-se disperso em fragmentos. A liquefação do sangue produz-se espontaneamente, sob as mais variadas circunstâncias, independentemente da temperatura ou do movimento, o sangue passa do estado pastoso ao fluido e, até, fluidíssimo. A liquefação ocorre da periferia para o centro e vice-versa. Algumas vezes, o sangue liquefaz-se instantânea e inteiramente, ou, por vezes, permanece um denso coágulo em meio ao resto liquefeito. Altera-se o colorido: desde o vermelho mais escuro até o rubro mais vivo. Não poucas vezes surgem bolhas e sangue fresco e espumante sobe rapidamente até o topo da ampola maior. Trata-se verdadeiramente de sangue humano, comprovado por análises espectroscópicas. Há algumas peculiaridades, que constituem outros milagres dentro do milagre liquefação, há uma variação do volume: algumas vezes diminui e outras vezes aumenta até o dobro. Varia também quanto à massa e quanto ao peso. Em janeiro de 1991, o prof. G. Sperindeo utilizando-se, com o máximo cuidado, de aparelhos de alta precisão, encontrou uma variação de cerca de 25 gramas. O peso aumentava enquanto o volume diminuía. Esse acréscimo de peso contraria frontalmente o princípio da conservação da massa (uma das leis fundamentais da Física) e é absolutamente inexplicável, pois as ampolas encontram-se hermeticamente fechadas, sem possibilidade de receber acréscimo de substâncias do exterior. A notícia escrita mais antiga e segura do milagre consta de uma crônica do século XIV. Desde 1659, estão rigorosamente anotadas todas as liquefações, que já perfazem mais de dez mil!
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário


sábado, 18 de agosto de 2018

Nossa Senhora no Sábado


Epístola extraída do

Eclesiástico 24, 14-16
14 Desde o início, antes de todos os séculos, ele me criou, e não deixarei de existir até o fim dos séculos; e exerci as minhas funções diante dele na casa santa. 15 Assim fui firmada em Sião; repousei na cidade santa, e em Jerusalém está a sede do meu poder. 16 Lancei raízes no meio de um povo glorioso, cuja herança está na partilha de meu Deus; e fixei minha morada na assembléia dos santos. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 11, 27-28 
27 Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! 28 Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam! 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

18 de Agosto dia Santa Helena,Imperatriz.

  Ela nasceu em Britynia e casou-se com um general romano Constancius I Chlorus, pelos anos de 270. Constancius foi feito Cezar em 293.Logo divorciou-se de Helena e casou-se com a filha do imperador Maximiliano. Constantino tonou se imperador em 312 logo após a vitória da Ponte de Milvian e Helena foi nomeada Augusta ou Imperatriz. Ela se converteu para o catolicismo e fez vários atos de caridade, construiu várias templos e igrejas em Roma e na Terra Santa. Numa das suas viagens a terra santa, teria tido visões, que a ajudaram a descobrir a cruz na qual foi crucificado Jesus. Ela parece ter morrido na Nicomédia. O seus restos estão em um sarcófago no Museu do Vaticano. Na liturgia da igreja, Santa Helena é mostrada como uma imperadora , segurando uma cruz. A cruz foi encontrada numa cisterna no dia 3 de maio a leste do Monte Calvário.


   Santa Helena encontrando a cruz é objeto de um poema muito celebrado chamado Elene de Cynelwulf. Em 395, 65 anos após a morte de Helena, São Ambrósio de Milão fez um sermão no qual ele disse que Helena havia encontrado a cruz onde Jesus tinha sido crucificado, mas também tinha encontrado aquele que alí tinha sido morto, ou seja, Jesus. Ela, disse São Ambrósio,  tinha adorado não só o madeiro da cruz e também o Rei que ali tinha sido pregado e que assim ela havia encontrado a imortalidade. A descoberta de Santa Helena é também atestada por Rufinus e Sulpicius Severus no 4° seculo. Parte da Santa Cruz ficou em Jerusalém e parte foi levada para Roma e alguns fragmentos foram distribuídos para um grande número de Igrejas. Isto indica que Santa Helena queria que a Cruz Santa fosse de toda a Igreja Universal.   
              
  Santa Helena não é uma santa somente porque ela encontrou a cruz de Cristo. Ela amava os pobres e vestia com modéstia e humildade. Euzébio escreveu que Helena passou seus últimos anos na Palestina, continuamente amada e venerada.
 Sempre ao lado de todos na Igreja, humildemente vestida, igual as outras mulheres que estavam ali orando. Em adição a isto, ela enfeitou as Igrejas com ornamentos e decorações não esquecendo das mais simples capelas e dos pequenos vilarejos. Construiu basílicas no Monte das Oliveiras (A Eleona) e em Belém, viajando através de toda a Palestina, e era conhecida pela sua bondade com todos, pobre, soldados, e prisioneiros e muitos milagres foram a ela atribuídos. Quando ela morreu seu corpo foi solenemente levado de volta a Roma. Mãe do primeiro imperador cristão, Constantino, o Grande.
 Foi Constantino que promulgou o Édito de Milão. Graças a este decreto o cristianismo foi liberado e assim as pessoas tiveram mais acesso a verdadeira religião que tinha direito por execelência mais que as seitas. Foi o primeiro passo para que, anos mais tarde, outro imperador, Teodósio, convertido ao cristianismo, tornasse o cristianismo a religião oficial do Império Romano.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

17 de agosto dia de São Jacinto,Confessor.

17/08 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos brancos

 São Jacinto Odrowacz nasceu no ano de 1183 em Cracóvia (Polônia) e chamava-se Jacó; pertencia a uma família aristocrática e nasceu no castelo de Lanka, Cracóvia (antiga Kamien), na Silésia; depois de estudar direito canónico e teologia em Cracóvia, Praga e Bolonha, foi ordenado sacerdote e tornado cônego da catedral de Cracóvia; e que foi à Itália a acompanhar seu bispo.Certamente ele estava em Bolonha em 1221 e conheceu São Domingos, que em maio desse ano, celebrava na cidade de Emília-Romanha o segundo capítulo geral da sua Ordem. Ele decidiu se tornar um noviço dominicano e depois foi o próprio São Domingos que o enviou de volta à sua pátria com um companheiro, frei Henrique da Morávia. partiu para a Europa Oriental, sobre a qual tinha sido instruído para espalhar a Ordem: fundou mosteiros em Friesach, Cracóvia, Gdańsk e Kiev; e em nome do Papa Gregório IX, ele trabalhou para união das Igrejas do Oriente e do Ocidente. Morreu em Cracóvia; é chamado de o "Apóstolo da Polônia"; foi canonizado em 1594, pelo papa Clemente VIII e sua memória litúrgica é em 17 de agosto.


Leitura da Epístola dos 

Eclesiástico 31,8-11           
8.Bem-aventurado o rico que foi achado sem mácula, que não correu atrás do ouro, que não colocou sua esperança no dinheiro e nos tesouros!9.Quem é esse homem para que o felicitemos? Ele fez prodígios durante sua vida.10.Àquele que foi tentado pelo ouro e foi encontrado perfeito, está reservada uma glória eterna: ele podia transgredir a lei e não a violou; ele podia fazer o mal e não o fez.11.Por isso seus bens serão fortalecidos no Senhor, e toda a assembléia dos santos louvará suas esmolas.
Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 6,24-33   
24.Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza.25.Portanto, eis que vos digo: não vos preocupeis por vossa vida, pelo que comereis, nem por vosso corpo, pelo que vestireis. A vida não é mais do que o alimento e o corpo não é mais que as vestes?26.Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros e vosso Pai celeste as alimenta. Não valeis vós muito mais que elas?27.Qual de vós, por mais que se esforce, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?28.E por que vos inquietais com as vestes? Considerai como crescem os lírios do campo; não trabalham nem fiam.29.Entretanto, eu vos digo que o próprio Salomão no auge de sua glória não se vestiu como um deles.30.Se Deus veste assim a erva dos campos, que hoje cresce e amanhã será lançada ao fogo, quanto mais a vós, homens de pouca fé?31.Não vos aflijais, nem digais: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos?32.São os pagãos que se preocupam com tudo isso. Ora, vosso Pai celeste sabe que necessitais de tudo isso.33.Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DLXXVIII (578) (11 de agosto de 2018):

 
 
Deus poderá trazer ao porto a Igreja ou a Fraternidade,
Mas não o fará enquanto os homens rejeitarem Sua
bondade.
Quando a Verdade católica e a Autoridade católica
se separam, como no Vaticano II, não pode ter sido a verdade que se moveu, uma
vez que a doutrina católica não muda. Só a Autoridade é que pode ter-se movido,
e, portanto, só as autoridades da Igreja podem ser as culpadas pela separação.
Essa é mais uma razão para que se dê muito valor às autoridades que não traíram
a Verdade, como o Arcebispo Lefebvre e sua Fraternidade Sacerdotal São Pio X. É
mais uma razão para dar pelo menos mais uma olhada no que aconteceu com esta em
seu recente Capítulo Geral – terá a Fraternidade realmente voltado à trilha do
Arcebispo que ela deixou em 2012, ou a ela se aplica o provérbio francês:
“Quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as
mesmas”?
No início do Capítulo, três novos homens foram
eleitos para formar o triunvirato (corpo de três homens) que dirige a
Fraternidade, e muitos bons sacerdotes da Fraternidade respiraram aliviados e
aproveitaram uns poucos dias de verdadeira esperança para o futuro. Mas então,
no final do Capítulo, foram eleitos para o Conselho Geral da Fraternidade, onde
as decisões mais importantes são tomadas, o Superior Geral anterior junto com
seu predecessor como tal. Isto se deu pela criação de uma novidade na
Fraternidade, um novo posto de “Conselheiro”. E o coração desses bons sacerdotes
deve ter-se afundado no peito. Que esperança poderia haver agora para uma
mudança no curso desastroso da Fraternidade, da Verdade fiel para as autoridades
infiéis, quando os dois principais arquitetos deste curso foram restabelecidos
no Conselho Geral da Fraternidade?
Pelo menos um dos participantes do Capítulo teve a
garantia de que os dois “conselheiros” não viverão na sede da Fraternidade em
Menzingen, na Suíça; que eles só estarão aconselhando sobre questões
relacionadas à criação ou ao fechamento de casas da Fraternidade e à admissão ou
à expulsão de membros dela; que a criação dos “conselheiros” foi um movimento
inteligente do Capítulo porque ajudará a curar as divisões na Fraternidade.
Alguém se sente aliviado? Menzingen deve recuperar a confiança que sua política
ambígua foi perdendo durante vinte anos. Aqui está um comentarista entre muitos
que não confiam nas recentes palavras suavizadoras dos dirigentes da
Fraternidade:
Na realidade, a eleição – estabelecida de antemão – do Pe. Pagliarani como novo
Superior Geral disfarça a política também estabelecida de antemão de confirmação
do
statu quo quanto à direção futura da Fraternidade. Desavergonhadamente foram colocados ao
lado do Novo Superior mais dois assistentes, dificilmente destacáveis por sua
resistência à Roma modernista. Além disso, o Capítulo teve a ousadia de inventar
a função de dois “Conselheiros”, desconhecida nos Estatutos da Fraternidade, e
de “eleger” para o cargo os dois personagens mais favoráveis ​​a um acordo com
Roma que a Fraternidade já teve: o Pe. Schmidberger, conhecido por sua amizade
com o cardeal Ratzinger; e o Bispo Fellay, conhecido por seus “novos amigos” em
Roma e por sua dedicação em liquidar a Fraternidade para ser entregue de mãos e
pés atados aos apóstatas romanos.
O quadro que emerge não é necessariamente o da
rendição incondicional, mas que se vislumbra uma nova maneira de aproximar-se de
Roma, com um pouco mais de cautela e um pouco mais de diplomacia para com os
sacerdotes e fieis da Fraternidade. No entanto, dado que Deus tanto vê como
prevê, e que enquanto o homem propõe, é Deus quem dispõe, então outra
possibilidade é que Nosso Senhor intervenha e infunda no relativamente jovem Pe.
Pagliarani os Dons de Conselho, de Fortaleza e de Temor de Deus que ele
precisará para endireitar o curso do bote salva-vidas da Fraternidade e trazê-lo
com segurança para o porto. Que se faça a vontade de Deus!
Para ser justo, o Capítulo conseguiu mudar o
Superior Geral, que era a coisa mais importante que tinha de fazer. O Bispo
Fellay e o Pe. Schmidberger como “conselheiros” podem continuar conspirando com
os romanos para que o que resta da Fraternidade do Arcebispo se ponha sob o
calcanhar da Roma conciliar, mas o poder supremo na Fraternidade agora pertence
ao Pe. Pagliarani. Ele fará bom uso disso? Só Deus o sabe. “A caridade... tudo
crê, tudo espera” (I Cor. 13, 7). Devemos orar por ele.
 
Kyrie eleison.
             Viva Cristo Rei e Maria Rainha.                   
Rezem todos os dias o Santo Rosário


16 de agosto dia de São Joaquim, Pai da Santíssima Virgem

16/08 Quinta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Brancos

  O nome de Joaquim em hebraico significa "Deus prepara", ou "Deus estabelecerá".  Foste escolhido entre todos os entes Santo de Deus para auxiliar no cumprimento dos mistérios de Deus, sendo assim pai da Santíssima Mãe de Deus.  O dia 16 de agosto, para associar-lhe ao triunfo da filha na celebração da Assunção, no dia precedente.Em 1879, o papa Leão XIII, cujo nome de batismo era Gioacchino (versão italiana de Joaquim), estendeu sua festa a toda Igreja.

Leitura da Epístola do 

Eclesiástico 31,8-11  
8.Bem-aventurado o rico que foi achado sem mácula, que não correu atrás do ouro, que não colocou sua esperança no dinheiro e nos tesouros!9.Quem é esse homem para que o felicitemos? Ele fez prodígios durante sua vida.10.Àquele que foi tentado pelo ouro e foi encontrado perfeito, está reservada uma glória eterna: ele podia transgredir a lei e não a violou; ele podia fazer o mal e não o fez.11.Por isso seus bens serão fortalecidos no Senhor, e toda a assembléia dos santos louvará suas esmolas

Leitura da Epístola dos 

São Mateus 1,1-16  
1.Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.2.Abraão gerou Isaac. Isaac gerou Jacó. Jacó gerou Judá e seus irmãos.3.Judá gerou, de Tamar, Farés e Zara. Farés gerou Esron. Esron gerou Arão.4.Arão gerou Aminadab. Aminadab gerou Naasson. Naasson gerou Salmon.5.Salmon gerou Booz, de Raab. Booz gerou Obed, de Rute. Obed gerou Jessé. Jessé gerou o rei Davi.6.O rei Davi gerou Salomão, daquela que fora mulher de Urias.7.Salomão gerou Roboão. Roboão gerou Abias. Abias gerou Asa.8.Asa gerou Josafá. Josafá gerou Jorão. Jorão gerou Ozias.9.Ozias gerou Joatão. Joatão gerou Acaz. Acaz gerou Ezequias.10.Ezequias gerou Manassés. Manassés gerou Amon. Amon gerou Josias.11.Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no cativeiro de Babilônia.12.E, depois do cativeiro de Babilônia, Jeconias gerou Salatiel. Salatiel gerou Zorobabel.13.Zorobabel gerou Abiud. Abiud gerou Eliacim. Eliacim gerou Azor.14.Azor gerou Sadoc. Sadoc gerou Aquim. Aquim gerou Eliud.15.Eliud gerou Eleazar. Eleazar gerou Matã. Matã gerou Jacó.16.Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado Cristo.    
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário
    

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

15 de agosto dia da Assunção de Nossa Senhora.

15/08 Quarta-feira
Festa da Assunção de Nossa Senhora 
Festa de Primeira Classe
Paramentos Brancos

   A Assunção de Nossa Senhora , foi transmitida pelos cristãos oralmente e escrita por séculos. 
  Vários Santos Papas da Igreja e São João Damasceno referem que a "dormição" de Nossa Senhora (como foi chamado sua morte) foi suave e foi assistida por vários discípulo e entre eles estava São Dionísio que narrou os fatos. Contam que os Apóstolos foram levados para Jerusalém na noite anterior ao desenlace de Nossa Senhora. 
  O Apóstolo São Tomé chegou 3 dias depois e pediu para ver o corpo de Nossa Senhora, quando retiraram a pedra do túmulo, o corpo já não se encontrava lá. Os Anjos retiraram seu corpo imaculado e o transportaram ao céu, pois como seu Filho ressuscitara ao terceiro dia. Esses relatos foram encontrados nos escritos dos Santos Padres e Doutores da Igreja, dos primeiros séculos e relatados no Concílio geral de Calcedônia, em 451.     
                                            
A Assunção de Maria, dogma da Igreja proclamado em 1º de Novembro de 1950 pela Constituição Apostólica do Papa Pio XII – Munificientissimum Deus – Definição do Dogma da Assunção de Nossa Senhora em corpo e alma ao céu.

Leitura da Epístola dos 

Judite 13,22-25; 15.10                                                                    
22.Então todos, adorando o Senhor, disseram a Judite: O Senhor te abençoou com o seu poder, porque ele por ti aniquilou os nossos inimigos.23.Ozias, príncipe do povo de Israel, acrescentou: Minha filha, tu és bendita do Senhor Deus altíssimo, mais que todas as mulheres da terra.24.Bendito seja o Senhor, criador do céu e da terra, que te guiou para cortar a cabeça de nosso maior inimigo!25.Ele deu neste dia tanta glória ao teu nome, que nunca o teu louvor cessará de ser celebrado pelos homens, que se lembrarão eternamente do poder do Senhor. Ante os sofrimentos e a angústia de teu povo, não poupaste a tua vida, mas salvaste-nos da ruína, em presença de nosso Deus. 10.Quando ela lhes veio ao encontro, abençoaram-na todos a uma só voz, dizendo: Tu és a glória de Jerusalém; Tu és a alegria de Israel, tu és a honra de nosso povo.
                                 
Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 1,41-50

41.Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.42.E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.43.Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?44.Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio.45.Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!46.E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor,47.meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador,48.porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações,49.porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.50.Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem.
 


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

terça-feira, 14 de agosto de 2018

14 de agosto dia Santo Eusébio, Confessor e Vigília da Assunção

14/08 Terça-feira
 Festa de Segunda Classe da Vigília da Assunção
Paramentos Roxos
Jejum com abstinência de carne

Eusébio nasceu na ilha da Sardenha, no ano 283. Segundo a tradição depois do martírio de seu pai em testemunho de Cristo, sua mãe o levou sua irmã menor para e ele para completar os estudos eclesiásticos em Roma. Na "Urbe" foi primeiro "leitor" e depois ordenado presbítero pelo Papa Marco e consagrado bispo pelo Papa Júlio I em 15 de dezembro de 345. Eusébio nasceu na ilha da Sardenha, no ano 283. Assim, muito jovem, Eusébio entrou para o clero, sendo ordenado sacerdote. Aos poucos foi ganhando a admiração do povo cristão e do Papa Júlio I que o consagrou Bispo da diocese de Vercelli em 345.

Participou do concílio de Milão em 355, no qual os Bispos adeptos da doutrina ariana, que pregava somente a humanidade de Jesus, tentaram forçá-lo a votar pela condenação do Bispo de Alexandria, Santo Atanásio, Eusébio ficou ao lado de Atanásio defendeu a tese da "plena divindade de Jesus Cristo" frente à política ariana do imperador Constâncio II, para quem a fé ariana era politicamente mais interessante. Esta atitude custou-lhe o desterro e exílio primeiro para a Palestina e depois para a Capadócia e Tebaida. Sofreu muito nas mãos dos hereges arianos. Sua posição em favor da verdade acabou levando-o para a prisão. Sofreu castigos físicos e psicológicos.

Quando o povo cristão tomou conhecimento deste fato, ergueu-se a seu favor. Foram tantos os protestos que os hereges permitiram sua libertação. Entretanto permaneceu exilado por muito tempo. Apesar de tudo manteve sempre correspondência epistolar com a comunidade dos seus fiéis e nas suas cartas lhes pede que "saúdem também aqueles que estão fora da Igreja e que se dignam de nutrir da doutrina Católica". A sua relação com a sua diocese não se limitava aos cristãos mas se estendia a todos os que de alguma forma reconheciam a sua autoridade espiritual ou o respeitavam como homem exemplar.


Depois do exílio de seis anos, Eusébio participou do concílio de Alexandria, organizado pelo amigo, Santo Atanásio, onde ficou claro que a doutrina ariana era uma heresia. Trabalhou pela unidade da Igreja e pela eliminação das heresias. Morreu na sua diocese em 371.

Dedicou-se com grande empenho à evangelização das zonas rurais e em grande parte pagãs. Fundou uma sociedade sacerdotal inspirada no modelo monástico da qual saíram importante bispos e santos.

Por ocasião da sucessão de Constâncio por Juliano, o Apóstata foi-lhe permitido retornar à sua diocese. Educou o clero de sua diocese com observância de regras monásticas, embora vivessem no meio da cidade, porque "o bispo e o clero deve compartilhar os problemas dos cidadãos de forma crível, cultivando ao mesmo tempo uma cidadania diversa: a do céu".

Cartas de Eusébio foram publicadas na Pat. Lat de Migne. Jerônimo, em sua De Viris Illustribus (cap. 96 [3]) atribui a ele uma tradução para o latim dos comentários sobre os salmos, escrito originalmente em grego por Eusébio de Cesareia, obra que se perdeu. O Codex Vercellensis, preservado na catedral de Vercelli, é considerado o mais antigo manuscrito dos evangelhos em Latim antigo ("Codex A") e, acredita-se, foi escrito por Eusébio. Ele foi publicado por Irico (Milão 1748) e Bianchini (Roma 1749), foi reimpresso por Migne. E, por fim, uma nova edição foi publicada por Belsheim (Christiania 1894).  
                                                                                      
Depois de tantos trabalhos e  lutas, Eusébio retirou-se  para a  sua  diocese de Vercelli, onde encontrou tudo em boa ordem, graças ao zelo do clero por ele  formado. Não tardou muito que Deus  chamasse  seu fiel  servo ao bem merecido  repouso, em 370. Por causa dos grandes sofrimentos  que passou  Santo Eusébio, em defesa da fé, deu-se-lhe o título de mártir pois o Imperador  ariano Constâncio condenou a morrer de fome num quarto em sua própria casa. Foi sepultado no cemitério de São Calisto.

Leitura da Epístola dos 

Eclesiástico 24, 23-31  
23.Cresci como a vinha de frutos de agradável odor, e minhas flores são frutos de glória e abundância.24.Sou a mãe do puro amor, do temor (de Deus), da ciência e da santa esperança,25.em mim se acha toda a graça do caminho e da verdade, em mim toda a esperança da vida e da virtude.26.Vinde a mim todos os que me desejais com ardor, e enchei-vos de meus frutos;27.pois meu espírito é mais doce do que o mel, e minha posse mais suave que o favo de mel.28.A memória de meu nome durará por toda a série dos séculos.29.Aqueles que me comem terão ainda fome, e aqueles que me bebem terão ainda sede.30.Aquele que me ouve não será humilhado, e os que agem por mim não pecarão.31.Aqueles que me tornam conhecida terão a vida eterna.
Sequência do Santo Evangelho
 
São Lucas 11, 27-28 
27.Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram!28.Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!
 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário