domingo, 21 de dezembro de 2014

Quarto Domingo do Advento

21/12 Domingo
Festa de Primeira Classe
Paramentos Roxos

Leitura da Epístola

Filipenses 4, 4-7

4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.

Sequência do Santo Evangelho

São João 1,19-28
 
 19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: Quem és tu? 20 Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo. 21 Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não. 22 Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo? 23 Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3). 24 Alguns dos emissários eram fariseus. 25 Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? 26 João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27 Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado. 28 Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando.

21 de dezembro dia de São Tomé, Apostolo e Mártir.

O Apóstolo Tomé (hebraico ou aramaico para "gêmeo" natual da Galiléia) também foi chamado de "Dídimo" (palavra grega para "gêmeo"). Ele era ausente quando o Senhor ressuscitado apareceu aos outros apóstolos na noite da Páscoa, e se recusou a acreditar que Cristo tinha realmente aumentado até que ele tinha visto ele por si mesmo, mas quando ele viu, ele disse-lhe: "Meu Senhor e meu Deus ". (João 20:19-29)Era pescador quando Jesus o encontrou e o admitiu entre seus discípulos.
  Após Pentencoste, pregou entre os medos e os partas, povos que habitavam a Pérsia. Há também indícios de que tenha levado o Evangelho à Índia, segundo as pistas encontradas por são Francisco Xavier no século XVI. Morreu martirizado com uma lança, segundo a antiga tradição cristã.

 São Tomé o apóstolo dos partos, mas Tomé é mais conhecido como missionário na Índia.

América

   Durante os primeiros séculos da colonização na América foi descoberto que São Tomé esteve miraculosamente ao novo continente e estabelecido contato com os indígenas. Novamente, como "prova" da passagem do santo, diversos sinais tidos como pegadas seriam atribuídos a Tomé. Basicamente, a figura da mitologia indígena Sumé (um homem branco que teria visitado em tempos pré-colombianos) foi identificada e fundida com São Tomé.

Assunção de Nossa Senhora aos céus.

    Um texto da Alta Idade Média atribuído a José de Arimateia, Tomé foi a única testemunha da Assunção de Maria aos céus. Os outros apóstolos foram miraculosamente transportados a Jerusalém para observar a entrega de sua alma a Deus. Tomé, que já estava na Índia, após o sepultamento fora transportado à tumba dela, onde testemunhou o corpo da Virgem Santíssima subir aos céus, jogando-lhe seu cinto. Numa inversão à imagem de ceticismo vinculada a Tomé, os outros apóstolos é que duvidaram de seu relato até verem a tumba vazia e o cinto. O recebimento do cinto por Tomé é representado várias vezes na arte medieval e pré-Tridentina.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Sábado das Têmporas do Advento

Sábado das Têmporas 
Festa de Segunda Classe
 Paramentos Roxos
http://c7.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/B5112837c/14102323_OJct4.jpeg


Leitura da Epístola

II Tessalonicenses 2,1-8
1 No que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e nossa reunião com ele, rogamo-vos, irmãos, 2 não vos deixeis facilmente perturbar o espírito e alarmar-vos, nem por alguma pretensa revelação nem por palavra ou carta tidas como procedentes de nós e que vos afirmassem estar iminente o dia do Senhor. 3 Ninguém de modo algum vos engane. Porque primeiro deve vir a apostasia, e deve manifestar-se o homem da iniqüidade, o filho da perdição, 4 o adversário, aquele que se levanta contra tudo o que é divino e sagrado, a ponto de tomar lugar no templo de Deus, e apresentar-se como se fosse Deus. 5 Não vos lembrais de que vos dizia estas coisas, quando estava ainda convosco? 6 Agora, sabeis perfeitamente que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo. 7 Porque o mistério da iniqüidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento daquele que o detém. 8 Então o tal ímpio se manifestará. Mas o Senhor Jesus o destruirá com o sopro de sua boca e o aniquilará com o resplendor da sua vinda.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 3,1-6
1 No ano décimo quinto do reinado do imperador Tibério, sendo Pôncio Pilatos governador da Judéia, Herodes tetrarca da Galiléia, seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da província de Traconites, e Lisânias tetrarca da Abilina, 2 sendo sumos sacerdotes Anás e Caifás, veio a palavra do Senhor no deserto a João, filho de Zacarias. 3 Ele percorria toda a região do Jordão, pregando o batismo de arrependimento para remissão dos pecados, 4 como está escrito no livro das palavras do profeta Isaías (40,3ss.): Uma voz clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. 5 Todo vale será aterrado, e todo monte e outeiro serão arrasados; tornar-se-á direito o que estiver torto, e os caminhos escabrosos serão aplainados. 6 Todo homem verá a salvação de Deus.

20 de dezembro dia de São Domingos de Silos, Abade.

http://2.bp.blogspot.com/_VsL8VkjSZWw/TQ63xxmVH0I/AAAAAAAAPrg/HkIE5Za1dnc/s512/Santo_Domingo_de_Silos_(Bartolom%C3%A9_Bermejo).jpg
   São Domingos de Silos nasceu em Canhas, pequena cidade da Rioja, Espanha, no ano 1000 em Navarra, Espanha, no seio de uma família pobre e cristã. Quando menino foi pastor de ovelhas, e já se mostrava bondoso ao extremo, oferecendo leite de ovelha para alimentar os caminhantes pobres. Ao mesmo tempo gostava muito de estudar, motivo que levou seus pais a entrega-lo ao padre da paróquia onde moravam.É historicamente reconhecida a influência das ordens religiosas na formação da sociedade européia na Idade Média.O maior defensor dos valores monásticos tenha sido o religioso Domingos de Silos, que valorizava nos mosteiros o ensino não só da agricultura como dos demais ofícios e artes. 
         Criara uma escola ao lado da igreja, saiu-se tão bem, que o padre quis ordená-lo sacerdote. Antes disso, Domingos resolveu experimentar a vida de eremita na mais completa solidão há quase 18 anos, quando resolveu procurar Santo Emiliano e tornou-se noviço. para depois, enfim, entrar num convento beneditino. Ali descobriu sua verdadeira vocação, pois logo se tornou exemplo para os demais monges. Quando completou trinta anos, foi encarregado de restaurar e reabrir o mosteiro de Santa Maria há muito tempo fechado. Para isso tornou-se esmoleiro, trabalhou como operário, fez de tudo um pouco para conseguir recursos e poder receber os candidatos à vida monástica. A surpresa veio, quando entre eles estava seu próprio pai, além de alguns parentes.
erminada essa obra foi convidado a ser o abade do mosteiro de São Willian de la Cogola. Foi perseguido, porém, pelo príncipe de Navarra, que tinha a intenção de se apossar dos bens do convento. Assim, teve de se refugiar em Castela. Ali recebeu com prazer a missão de reavivar o mosteiro de São Sebastião de Silos, em Burgos, quase desabitado e em decadência total. Domingos foi abade do mosteiro por mais de trinta anos, sendo considerado seu novo fundador. Imprimiu espírito novo, atividade intensa e fecunda, tornando-o um centro de cultura e cenáculo de evangelização. erminada essa obra foi convidado a ser o abade do mosteiro de São Willian de la Cogola. Foi perseguido, porém, pelo príncipe de Navarra, que tinha a intenção de se apossar dos bens do convento. Assim, teve de se refugiar em Castela. Ali recebeu com prazer a missão de reavivar o mosteiro de São Sebastião de Silos, em Burgos, quase desabitado e em decadência total. Domingos foi abade do mosteiro por mais de trinta anos, sendo considerado seu novo fundador. Imprimiu espírito novo, atividade intensa e fecunda, tornando-o um centro de cultura e cenáculo de evangelização.Ao final da vida, era chamado de "apóstolo de Castela". Previu a data da própria morte que ocorreu a 20 de dezembro de 1073.
Após longos anos de boas obras, Domingos sentiu aproximar-se o momento da recompensa, sendo mesmo avisado pela Santíssima Virgem Maria: “Eu passei a noite inteira com a Rainha dos Anjos, disse ele um dia a seus confrades religiosos; Ela me convidou a estar ao lado dela dentro de três dias; então, logo irei ao festim celeste ao qual Ela me convidou.” De fato, ele caiu doente por três dias; seus irmãos viram sua alma subir gloriosa aos Céus.    O abade de Silos faleceu a 20 de dezembro de 1073, entre os seus numerosos filhos espirituais e assistido pelo Bispo de Burgos. Foi sepultado no claustro.São Domingos amado pelo povo e respeitado por reis e rainhas, operou em vida e também depois da morte muitos milagres, os quais provaram com clareza o quanto se encontra no Céu tão íntimo, quanto buscava ser aqui na terra. Em 1076, o Bispo de Burgos transferiu o corpo de São Domingos para a igreja de São Sebastião. E a abadia foi perdendo pouco a pouco o nome de São Sebastião para adotar o de  São Domingos. Festejado nesse dia pela Igreja como Santo Domingos de Silos, a sua popularidade é muito vasta. Depois de sua morte, o nome do Abade foi impresso na História da Espanha, ao lado de "el Cid Campeador" o libertador do povo espanhol dos invasores infiéis.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Sexta-feira das Têmporas do Advento.

19/12 Sexta-feira das Têmporas
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos


Leitura da Epístola

Efésios 2,19-22
19 Consequentemente, já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, 20 edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus. 21 É nele que todo edifício, harmonicamente disposto, se levanta até formar um templo santo no Senhor. 22 É nele que também vós outros entrais conjuntamente, pelo Espírito, na estrutura do edifício que se torna a habitação de Deus. 

Sequência do Santo Evangelho

São João 20,24-29
39 Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá. 40 Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. 41 Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42 E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. 43 Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? 44 Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. 45 Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas! 46 E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor, 47 meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, 

19 de dezembro dia dos Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, Mártires.


    Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, viveram no século III, quando reinava Diocleciano. Timóteo era natural de Panapeis, região da Tebáida, e grande estudioso eclesiásticoe recebeu dos pais educação esmeradamente cristã. Com apenas 20 dias de casado Timóteo e Maura é o glorioso casal que no quarto século, em 19 de dezembro, recebeu as palmas do martírio. Era o tempo das perseguições religiosas, e bem implantadas deviam ser as máximas da religião no coração da criança, que mais tarde havia de defendê-las e sustentá-las na luta contra a heresia. Desde bem cedo, existiu na alma de Timóteo o desejo ao martírio, aspiração esta que depois teve sua plena satisfação. Apareceu em Perape, Ariano, governador pagão daquela região, com o intuito de exterminar o cristianismo. Foi dado aos cristãos um determinado prazo, dentro do qual haveriam de abandonar a religião Catolica e oferecer o incenso aos ídolos. Timóteo foi um dos primeiros chamados à presença do governador. Declarando que preferia antes morrer do que se tornar apóstata, negou também a entrega dos livros de religião, dizendo a Ariano: “Os livros são meus queridos filhos; monstro seria o pai que entregasse os filhos aos inimigos”.   Esta resposta enfureceu o tirano que deu uma ordem para que as orelhas de Timóteo fossem furadas com ferro em brasa. No meio desta tortura, Timóteo continuou a louvar a Deus em alta voz. Ariano, ainda mais excitado, ordenou então que o mártir fosse pelos pés pendurado numa coluna e amarrada ao pescoço uma pedra pesada.
Houve quem suscitasse em Ariano a lembrança de Maura, jovem esposa de Timóteo, que sem dúvida teria grande influência sobre o mártir e com facilidade o moveria à renúncia da fé. Chamada Maura, esta de fato prometeu ao governador envidar todos os esforços para conservar a vida do marido. Maura era cristã, mas faltava-lhe a coragem de sofrer pela fé; além disto, tinha um grande amor ao marido, com quem estava casada havia três semanas apenas. Vendo Timóteo em tão miserável estado, fugiram-lhe as forças.  Apenas voltando a si, deram-lhe a oportunidade de falar então ao marido, que tinha sido tirado do trono. Impressionada pelo que vira, esqueceu-se Maura das obrigações de cristão, e entre soluços e lágrimas, começou a insistir com Timóteo, para que se poupasse e obedecesse às ordens do governador. Timóteo, porém, indignado com o modo da esposa, disse-lhe: “Maura, já não te conheço! És então pagã ou cristã? É esta a linguagem de uma esposa educada na religião? Em vez de animar-me, ajudar-me a levar a cruz, vens para me desviar? Queres que perca minha alma, em troca de um prazer passageiro, que me livre de um curto martírio, para sofrer penas eternas?”
    Reconhecendo Maura o erro, prostrou-se aos pés do marido, pediu-lhe perdão e conselho sobre o que devia fazer. “O que deves fazer? – respondeu Timóteo – Vai ao governador e diz-lhe que, longe de demover teu marido, estás resolvida a acompanhá-lo no martírio e morrer com ele”. Maura assustou-se com estas palavras, mas Timóteo animou-a, despertando na alma da esposa, a confiança em Deus e mostrando-lhe o exemplo de tantas outras senhoras da mesma idade, que prontamente se sujeitaram às atrocidades do martírio. Ajoelhados, em oração fervorosa, pediram a Deus força e graça para a luta. Enquanto rezavam, desfizeram-se os temores na alma de Maura. Resoluta levantou-se, dirigiu-se ao governador e comunicou-lhe que, em vez de dissuadir o marido, pronta estava para compartilhar com ele as dores do martírio. Ariano mandou que lhe fossem arrancados os cabelos, cortados os dedos e o corpo queimado com exofre e pixe. A sentença final, porém, foi que Maura, fosse como o marido, crucificada. Os patíbulos foram colocados de maneira que um visse os sofrimentos do outro.
Assim morreram os dois esposos, unidos pelos laços do matrimônio e na morte unidos por um glorioso martírio.
  
  Que Timóteo inflame os modernistas da mesma forma inflamou sua esposa na virtude da fortaleza em defender Santa Tradição Católica, e assim se converterem, para não perderem a salvação de suas almas, em troca de um prazer passageiro deste mundo, este prazer levam ao sofrimento e as penas eternas.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

18 de dezembro dia de Santo Rufo e Zósimo, Mártires

18/12 Quinta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos
Quando Santo Inácio de Antioquia foi em Filipos da Macedônia para a etapa em Roma, onde era para ser martirizado com ele santos Rufus e Zózimo originário de  Antioquia ou de Filipe, fundaram a primeira Igreja entre Judeus e Gregos. Seguindo as instruções de Santo Ignacio, os cristãos de Filipos fraterna escreveu uma carta a Antioquia. São Policarpo de Esmirna, Santo Inácio, que tinha confiou o cuidado de sua igreja, teve o cuidado de responder a elas. Em sua carta, que costumava ser lido publicamente nas igrejas da Ásia  no século IV, São Policarpo fala de Rufus e Zózimo, que teve de compartilhar a felicidade e sofrimento de cadeias Ignacio de Cristo e tinha sido glorificado por Deus a coroa do martírio por volta do ano 107, durante o reinado de Trajano. São Policarpo diz deles: "Eles não correu em vão, mas estavam armados com fé e retidão viajou para o local que havia preparado para que sofreria não amar este mundo, mas Jesus, que morreu. e foi criado por Deus para a nossa salvação ... Por isso, exorto-vos todos a viver paciência direito e exercício, de que eu vos dei o exemplo não só Inácio, Zózimo e Rufo, mas também outras pessoas que conviveram com você e como o próprio Paulo e os outros apóstolos. "

 Título encontrados no túmulo de São Rufus em "Coemieterius Maius" (ao lado de Santa Inês), em Roma. Ele foi encontrado no século XVIII, e cada vez mais apreciado como um testemunho de cristão paleohistoria. O texto diz que "Rufus o mensageiro, enterrado em 10 de dezembro" ea imagem que segue o texto é identificado com uma palma do martírio, um símbolo inconfundível para os cristãos primitivos. Hoje é no Museu do Vaticano.


Leitura da Epístola

Filipenses 4,4-7
4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.


Sequência do Santo Evangelho

São João 1,19-28
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: Quem és tu? 20 Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo. 21 Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não. 22 Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo? 23 Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3). 24 Alguns dos emissários eram fariseus. 25 Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? 26 João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27 Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado. 28 Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando. 

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Quarta-feira das Têmporas do Advento

17/12 Quarta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos

Leitura da Epístola

1 Leitura Isaías 2,2-5
No fim dos tempos acontecerá que o monte da casa do Senhor estará colocado à frente das montanhas, e  dominará as colinas. Para aí acorrerão todas as gentes, e os povos virão em multidão: Vinde, dirão eles, subamos à montanha do Senhor, à casa do Deus de Jacó: ele nos ensinará seus caminhos, e nós trilharemos as suas veredas. Porque de Sião deve sair a lei, e de Jerusalém, a palavra do Senhor. Ele será o juiz das nações, o governador de muitos povos. De suas espadas forjarão relhas de arados, e de suas lanças, foices. Uma nação não levantará a espada contra outra, e não se arrastarão mais para a guerra. Casa de Jacó, vinde, caminhemos à luz do Senhor. Vós rejeitastes inteiramente vosso povo, a casa de Jacó, porque ela está cheia de adivinhos do Oriente, e de agoureiros como os filisteus; ela transige com os estrangeiros. 

1 Leitura Isaías 7,10-15 
10 O Senhor disse ainda a Acaz: 11 Pede ao Senhor teu Deus um sinal, seja do fundo da habitação dos mortos, seja lá do alto. 12 Acaz respondeu: De maneira alguma! Não quero pôr o Senhor à prova. 13 Isaías respondeu: Ouvi, casa de Davi: Não vos basta fatigar a paciência dos homens? Pretendeis cansar também o meu Deus? 14 Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco. 15 Ele será nutrido com manteiga e mel até que saiba rejeitar o mal e escolher o bem.  

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 1,26-38
26 No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. 28 Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. 29 Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30 O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33 e o seu reino não terá fim. 34 Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35 Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, 37 porque a Deus nenhuma coisa é impossível. 38 Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela. 

17 de dezembro dia de São Lázaro,discípulo e amigo de Nosso Senhor Jesus Cristo.



    São Lázaro foi discípulo e amigo pessoal de Jesus. Era irmão de duas Santas mulheres que se tornaram conhecidas pelos Evangelhos: Santa Marta e de Santa Maria Madalena. Lázaro vivia com sua família no vilarejo chamado Betânia, que ficava a menos de uma hora de caminhada de Jerusalém, em Israel. Jesus, em suas andanças missionárias, anunciando o Reino de Deus, sempre ia se hospedar na casa de Lázaro. O nome Lázaro vem do grego. Em hebraico seria Eleazar, e quer dizer "Deus ajudou".
    Lázaro era estimado e respeitado pela comunidade hebraica, pela origem nobre, honestidade e religiosidade da família. Lázaro foi um personagem especial na Bíblia, pois é a única pessoa por quem Jesus chora no Novo Testamento. Lázaro foi ressuscitado por Jesus após a sua morte, a pedido de Marta, sua irmã, que foi inabalável na fé. Lázaro já estava cheirando mal. Já fazia quatro dias que estava sepultado, quando Jesus chegou para chamar-lhe à vida novamente.
Foi um dos maiores milagres de Jesus. Trata-se do último grande “Milagre” realizado por Jesus, depois do qual os sumos sacerdotes reuniram o Sinédrio e decidiram matá-lo; e decidiram matar também o próprio Lázaro, que era a prova viva da divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da vida e vencedor da morte.
    Alguns escritos muito antigos afirmam que Lázaro e suas irmãs foram para a ilha de Chipre. Lá, ele se tornou bispo de Citio, hoje Lamaca.
Sua tumba original, feita de mármore, estava localizada no local onde hoje está a igreja de São Lázaro, em Lamaca. De acordo com registros históricos, suas relíquias foram levadas para Constantinopla por ordem do imperador Leão VI, o filósofo, e várias igrejas e capelas foram erigidas em sua honra na Síria. Em 1972, porém, arqueólogos encontraram achados com inscriçõesde que seriam os restos mortais de São Lázaro. Estes restos estavam escondidos abaixo da igreja de Lamaca. Este local, hoje, está bem preservado, debaixo da igreja. Ele é um local de peregrinação e é aberto à visitação pública.
A Basílica de São Lázaro, santo padroeiro de Lamaca, construída em 890 d.C., era um templo cristão do século V, no qual existia um sarcófago com a inscrição: "Lazaro, o amigo de Cristo". Isto reforça a tradição de que ele viveu sua "segunda vida ressuscitado", em Lamaca, na ilha de Chipre.A devoção a São Lázaro era muito comum na Igreja antiga. São Lázaro começou a ser venerado já no início do cristianismo, como diz São Jerônimo, e as peregrinações eram feitas á sua casa, em Betânia, e ao túmulo de onde Jesus o ressuscitara.
    A devoção a São Lázaro era muito comum na Igreja antiga. São Lázaro começou a ser venerado já no início do cristianismo, como diz São Jerônimo, e as peregrinações eram feitas á sua casa, em Betânia, e ao túmulo de onde Jesus o ressuscitara.

Contam-se geralmente até hoje dezenove concílios. Por ordem cronológica são os seguintes:

1. Concílio de Nicéia
, em 325, reunido por Constantino sob o pontificado de S. Silvestre. Definiu contra Ário a consubstancialidade do Verbo, sancionou solenemente os privilégios das três Sés patriarcais de Roma, Alexandria e Antioquia, e estendeu a toda a Igreja o costume da Igreja romana, relativamente à data da celebração da festa da Páscoa.

2. Primeiro Concílio de Constantinopla, em 381, sendo Papa S. Dâmaso e imperador Teodósio o Grande. Definiu contra Macedônio de Constantinopla a divindade do Espírito Santo. Este concílio que não era ecumênico nem pela convocação nem pela celebração, pois o Papa não foi convidado nem a ele se associou, não adquiriu autoridade nem categoria de concílio ecumênico senão mais tarde, pelo reconhecimento e adesão da Igreja universal.

3. Concílio de Éfeso, em 431, sob o pontificado de Celestino I, no reinado de Teodósio o Moço. Definiu contra Nestório a unidade de pessoa em Cristo e a maternidade divina de Maria.

4. Concílio de Calcedônia, em 451, sendo Papa S. Leão Magno e imperador Marciano. Condenou o eutiquianismo e definiu a dualidade de natureza em Jesus Cristo. O 28º cânone deste concílio, que atribuía ao patriarca de Constantinopla o primeiro lugar depois do de Roma, nunca foi confirmado pelo Papa.

5. Segundo de Constantinopla, em 553. Condenou, como eivados de Nestorianismo, os chamados Três Capítulos, isto é, Teodósio de Mopsuest e as suas obras, os escritos de Teodoreto de Ciro contra S. Cirilo e contra o concílio de Éfeso e a carta de Ibas de Edessa injuriosa para o concílio e para S. Cirilo. Celebrado sem a participação e mesmo com a oposição do Papa Vigílio, só veio a ser ecumênico pelo subseqüente consentimento do Sumo Pontífice.

6. Terceiro de Constantinopla, em 680. Condenou o monotelismo, os seus defensores e fautores e, entre outros, o Papa Honório, acusado de negligência culpável na repressão do erro.Convocado no pontificado de Agatão,só foi confirmado por seu sucessor Leão II que aprovou o decreto conciliar,interpretando-o, pelo que se refere a Honório,no sentido que indicamos.(O caso do papa Honório(625-638)A dar credito aos adversários da infalibilidade pontifícia,o papa Honório ensinou o monotelismo em duas cartas escritas a Sérgio,patriarca de Constantinopla,e por isso papa Honório foi condenado como herege pelo Papa Leão II).

7. Segundo de Nicéia, em 787,sob a regência da imperatriz Irene no pontificado de Adriano I.Definiu contra os iconoclasta a legitimidade do culto as imagens, fazendo a tradicional distinção entre este culto de veneração e o de adoração só a Deus devido.

8. Quarto de Constantinopla, em 869-870, sob Adriano II,que pronunciou a deposição do usurpador Focio.

9. Primeiro de Latrão, em 1123, o primeiro dos concílios ecumênicos,do Papa Calisto II.Tomou medidas severas contra a simonia e o desregramento dos clérigos e aprovou a concordata de Worms,celebrada entre Calisto II E o imperador Henrique V,a respeito das investiduras.

10. Segundo deLatrão, em 1139,sob Inocêncio II,que publicou medidas disciplinares referentes ao clero.

11. Terceiro deLatrão, em 1179 sob Alexandre III, que condenou os cátaros e regulou o modo de eleger os Papas, declarando validamente eleito o candidato que tenha dois terços dos votos dos cardiais.

12. Quarto de Latrão, em 1215,sob Inocêncio II.É um dos concílios mais importantes.Condenou os Albigenses e Valdenses;fixou a legislação eclesiástica acerca dos impedimentos matrimoniais e impôs a todos os fiéis a obrigação da confissão anual e da comunhão pascal.

13. Primeiro Concílio de Lião, convocado em 1245, sob Inocêncio IV, que regulou a forma dos julgamentos eclesiásticos.

14. Segundo de Lião, convocado em 1274 por Gregório X.Restabeleceu a união com Gregos que reconhecem não só o primado do Papa, mas também o direito de recurso ao seu tribunal supremo e a legitimidade do Filioque.

15. Concílio de Viena, em 1311-1312, sob Clemente V, que decidiu a supressão da ordem dos Templários, e definiu que que alma racional é a forma substancial do corpo humano.

16. Concílio de Basileia - Ferrara - Florença,1431-1442.Foi convocado por Eugenio IV, teve como principais objetivos a reforma da Igreja e uma nova tentativa de reconciliação das Igrejas Latina e Grega.

17. Quinto de Latrão, convocado por seu sucessor Leão X até 1517. O seu principal fim foi a reforma do clero e dos fiéis.Publicou alguns decretos referentes às nomeações para os cargos eclesiástico,e ao teor de vida dos clérigos e dos leigos.

18. Concílio de Trento, convocado por Paulo II e aberto nesta cidade em 1545, transferido dois anos mais tarde para Bolonha,suspenso pouco depois,reaberto em Trento por Julio IIem 1551,interrompido de novo, para recomeçar depois e concluir sob Pio IV em 1563.Teve por fim combater os erros protestantes. É o mais célebre pelo número e importância do seu decretosdogmáticos e disciplinares.

19. Concílio do Vaticano, convocado por Pio IX, inaugurado a 8 de dezembro de 1869 e suspendido a 20 de outubro de 1870. Não pode celebrar senão quarta sessões. Nenhum dos soberanos católicos foi autorizado a fazer se representar oficialmente. Condenou na sua Constituição Dei Filius, os erros contemporâneos acerca da fé e da revelação, e definiu na Constituição Pastor Aerternos os dogmas do primado e da infalibilidade pessoal de Pedro e seus sucessores.
  
 A desobediência a dezenove Concílios, a desobediência aos documentos e à doutrina tradicional da Santa Igreja e a desobediência à Bula “Quo Primum Tempore” da Missa São Pio V fechou o céu e escancarou as portas do inferno aos que aderiram à desobediência, aceitando as novidades em nome do livre pensamento.
   Ora, a liberdade de pensamento não consiste no poder de abraçar a desobediência de erros condenados pela Santa Igreja, mas sim em obedecer livremente a verdade já revelada e transmitida a mais de 2.000 anos, e conhecida com firmeza.

   A firmeza que dá obediência nos leva a deixar aberta a porta do Céu, por isso, a Santa Missa dita em nosso Convento é a de São Pio V. Não a temos, ainda, todos os dias por não haver Sacerdotes suficientes para abraçar a Cruz do sofrimento.

   Nós, religiosas e fiéis, que juntos, oferecemos esse sofrimento em reparação ao Imaculado Coração de Maria e ao Sagrado Coração de Jesus pela conversão daqueles que ainda estão no erro e para que estes possam vir para as fileiras do combate pela verdade, para assim ir-se fechando as portas do inferno às almas dos pobres pecadores.

   Isto foi o que nossa Senhora pediu, ou melhor, para que cada sofrimento seja para reparar e salvar as almas. Se você já passa por esse mesmo sofrimento, una-se a nós pelo Triunfo do Imaculado Coração de Maria.

    Defenda a Santa Missa de Sempre porque a Santa Igreja deu-a por São Pio V para crer, ha mais de 500 anos, com verdade incontestável.*


 Que São Lazaro intercedas pelas autoridades da Santa Igreja cega pela desobediência a dezenove Concílios, a desobediência aos documentos e à doutrina tradicional da Santa Igreja e a desobediência à Bula “Quo Primum Tempore” da Missa São Pio V fechou o céu e escancarou as portas do inferno aos que aderiram à desobediência, aceitando as novidades em nome do livre pensamento.Para assim sairem de dentro do MODERNISMO, ressucitando para Santa Tradição da Santa Igreja com seus Concílios Dogmaticos e sua Doutrina de Sempre.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

16 de dezembro dia de Santo Eusébio de Verceli

16/12 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos 

   Santo Eusébio  da Sardenha.Nascido de nobre família da Sardenha nesta ilha nasceu ano 283 veio a Roma e aqui foi batizado pelo Papa Eusébio que lhe impôs o seu próprio nome. Durante as perseguições contra os cristãos os sobreviventes enterravam com veneração os corpos dos mártires nas catacumbas; os cristãos desciam com freqüência às catacumbas para rezar a seus familiares. Depois que o imperador Constantino deu liberdade de culto aos cristãos no ano 313, no período em que Eusébio estava em Roma, as catacumbas se tornaram centros de veneração dos santos mártires. Depois da morte do seu pai, sua mãe(Na cidade de Cagliari (Itália), há a cripta de Santa Restituta, escavada naturalmente, que Remonta ao III século a.C. e que a tradição identifica nela o lugar da prisão e martírio da santa. No século XIII a cripta foi dedicada ao culto de Santa Restituta que a tradição reconhece como mãe de Santo Eusébio)o levou para completar os estudos eclesiásticos em Roma.  Assim, muito jovem, Eusébio entrou para o clero, sendo ordenado sacerdote. Aos poucos foi ganhando a admiração do povo cristão e do Papa Júlio I que o consagrou Bispo da diocese de Vercelli em 345.
    Participou do concílio de Milão em 355, no qual os Bispos adeptos da doutrina ariana, que pregava somente a humanidade de Jesus, tentaram forçá-lo a votar pela condenação do Bispo de Alexandria, Santo Atanásio, defensor de Jesus como Homem e Deus. Ficou ao lado de Atanásio, além de discordar do arianismo que buscava erroneamente negar a divindade de Cristo considerou a votação uma covardia, pois Atanásio, sempre um fiel guardião da verdadeira doutrina católica, estava ausente e não podia defender-se. Como ficou contra a condenação, ele e outros bispos foram condenados ao exílio na Palestina , foi exilado com outros santos Bispos pelo imperador Constâncio. 

   Porém isso não o livrou da perseguição dos hereges arianos, que infestavam a cidade. Ao contrário, sofreu muito nas mãos deles. Como não mudava de posição e enfrentava os desafetos com resignação e humildade, acabou preso, tendo sido cortada qualquer forma de comunicação sua com os demais católicos. Na prisão, sofreu ainda vários castigos físicos. Contam os escritos que passou, também, por um terrível suplício psicológico.
    Quando o povo cristão tomou conhecimento do fato, ergueu-se a seu favor. Foram tantos e tão veementes os protestos que os hereges permitiram sua libertação. Contudo o exílio continuou e ele foi mandado para a Capadócia, na Turquia e, de lá, para o deserto de Tebaida, no Egito, onde foi obrigado a permanecer até a morte do então imperador Constantino, a quem sucedeu Juliano, o Apóstata, que deu a liberdade a todos os bispos presos e permitiu que retomassem as suas dioceses.
   Depois do exílio de seis anos, Eusébio foi o primeiro a participar do Concílio de Alexandria, organizado pelo amigo, santo Atanásio. Só então passou a evangelizar, dirigindo-se, primeiro, a Antioquia e, depois, à Ilíria, onde os arianos, com sua doutrina, continuavam confundindo o povo católico. Batalhou muito combatendo todos eles.
   Mais tarde, foi para a Itália, sendo recepcionado com verdadeira aclamação popular. Em seguida, na companhia de santo Hilário, bispo de Poitiers, iniciou um exaustivo trabalho pela unificação da Igreja católica na Gália, atual França. Somente quando os objetivos estavam em vias de serem alcançados é que ele voltou à sua diocese em Vercelli, onde faleceu no dia 1o. de agosto de 371.

Leitura da Epístola                                                                                                                                    
II Coríntios 1 , 3-7   
3 Bendito seja Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias, Deus de toda a consolação, 4 que nos conforta em todas as nossas tribulações, para que, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus, possamos consolar os que estão em qualquer angústia! 5 Com efeito, à medida que em nós crescem os sofrimentos de Cristo, crescem também por Cristo as nossas consolações. 6 Se, pois, somos atribulados, é para vossa consolação e salvação. Se somos consolados, é para vossa consolação, a qual se efetua em vós pela paciência em tolerar os sofrimentos que nós mesmos suportamos. 7 A nossa esperança a respeito de vós é firme: sabemos que, como sois companheiros das nossas aflições, assim também o sereis da nossa consolação.


Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 16, 24-27
24 Em seguida, Jesus disse a seus discípulos: Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. 25 Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, recobrá-la-á. 26 Que servirá a um homem ganhar o mundo inteiro, se vem a prejudicar a sua vida? Ou que dará um homem em troca de sua vida?... 27 Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai com seus anjos, e então recompensará a cada um segundo suas obras. 28 Em verdade vos declaro: muitos destes que aqui estão não verão a morte, sem que tenham visto o Filho do Homem voltar na majestade de seu Reino.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A missa do Papa Paulo VI obra de Deus? (V)

http://3.bp.blogspot.com/-Q3Pw3awLfbg/UCEoG0JFvgI/AAAAAAAAI8Q/2p_6CBpcj_c/s400/lutero+-+Doutor+sapient%C3%ADssimo....jpg
"Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos". (I São João 2, 19)


 Às heresias propagadas pelos protestantes hoje pregada nas igrejas modernistas foram condenada,no Concílio de Trento reafirmou a doutrina católica sobre a Santa Missa, sobretudo nas sessões XIII, em que versou sobre a presença real de Jesus Cristo na Eucarístia, e na XXII, sobre o sacrifício. Além disso, mandou elaborar uma lista de abusos cometidos na celebração da missa, a partir da qual promulgou um documento acerca das "coisas a observar e a evitar na celebração da missa". Tais abusos podem reduzir-se a avareza, irreverência e superstição.Tudo hoje aprovado pela missa do Papa Paulo VI.
Então o fim de eliminar esses abusos, era intenção do Concílio de Trento proceder à reforma dos livros litúrgicos. No entanto, como o Concílio já acontecia há vários anos, os padres conciliares decidiram, na última sessão, incumbir o Papa Pio IV dessa função. Contudo, foi Pio V que realizou tal incumbência, promulgando, em 1570, através da bula Quo primum tempore, o Missal Romano revisado. Nessa bula, Pio V esclarece que o objectivo da revisão dos livros litúrgicos era restaurar os ritos "em conformidade com a antiga norma dos Santos Padres". No entanto, como afirma a Instrução Geral do Missal Romano, documento que acompanha o Missal, "este Missal de 1570 pouco difere do primeiro impresso em 1474, o qual, por sua vez, reproduz fielmente o Missal do tempo de Inocêncio III. Além disso, se bem que os códices da Biblioteca Vaticana tenham ajudado a corrigir algumas expressões, não permitiram, naquela diligente investigação dos “antigos e mais fidedignos autores” ir além dos comentários litúrgicos da Idade Média." (IGMR 7)
O rito da missa foi posteriormente revisto por outros papas em 1604, 1634, 1888, 1920, 1955 e 1962. Estas reformas, contudo, foram pouco significativas, exceptuando algumas mais importantes:

  • Em 1604, Clemente VIII eliminou uma oração a dizer pelo sacerdote ao entrar na igreja, a palavra omnibus nas duas orações a seguir ao Confiteor, o nome do imperador no Cânon Romano e tríplice bênção da missa solene.
  • Pio XII, em 1956, restaura a Semana Santa João XXIII publica em 1960 um novo código das rubricas da Missa e insere no Cânon Romano o nome de São José. São estas modificações que dão origem ao missal de 1962, última edição do missal tridentino. 

Na bula que o acompanha,Papa João XXIII faz referência ao Concílio Vaticano II, então já convocado, que deveria propor os grandes princípios da reforma da liturgia como as dos protestantes por isto Paulo VI convocam protestante para fazer o novo missal. Esta edição tornou-se a referência para a celebração atual da missa nas igrejas modernistas.



Orações ao pé do altar que não tem na missa modernista Lutero retirou e o modernistas também.Os modernistas como não tem mais tradição como guia mais sim o pai da revolução Martinho lutero seguem como ele por isto vão observar a seguir como a Igreja sempre sempre ensino o unico culto catolico não se ve mais na missa do Papa Paulo VI:


O padre fazendo as Orações ao pé do altar,não existe mais na missa do Papa Paulo VI.
 http://www.luteranos.com.br/_arquivos//big_b407a5b31cdddb8973117377fa90747b.jpg
 Sim missa ecumênica pode pois o pai deles são o mesmo.
Luterano pegando na hostia consagrada o qual não acredita que Nosso Senhor se faz presente em Corpo,Sangue, Alma e Divindade.

Oração ao pé do altar :
  http://image.slidesharecdn.com/santamissanoritotridentino-smbolos-120127191510-phpapp01/95/santa-missa-no-rito-tridentino-smbolos-8-728.jpg?cb=1327714355
  
        Sinal da Cruz

    O sacerdote, após a procissão com os demais servidores da missa, na Missa Baixa, coloca o cálice velado no centro do altar, então fica na frente dos degraus sobre o qual está construído o altar, fazendo o sinal da cruz “ao pé do altar”. Na Missa Solene, o cálice é colocado antes da missa sobre a credência. O Missal Romano que contém todas as orações que o padre deve recitar na missa, está depositado no lado direito do altar. Na extrema direita, esquerda, e no centro estão três painéis, denominados Sacras,24 com orações que o padre deve dizer na missa, e que devido a distância do padre do Missal no momento, não podem ser feitas olhando para o mesmo.

    Salmo 43:, ("Iudica me, Deus" – “Julga-me Deus”), precedido e seguido pela antífona "Introibo ad altare Dei, ad Deum qui lætificat juventutem meam" (“Entrarei nos altares de Deus, o Deus que alegra minha juventude)”, é recitado pelo sacerdote, alternado com os servidores, que simbolicamente representam o povo. Em seguida, o sacerdote faz novamente o sinal da cruz, dizendo: "Adjuntorium nostrum in nomine Domine” (“O nosso auxílio está no nome do Senhor", em que os servidores respondem: “Qui fecit caælum et terram” ("Que fez o céu e a terra").

    Confissão ("Confiteor")

        Primeiro, o sacerdote extremamente inclinando diz o seguinte: "Confiteor Deo omnipoténti..." ("Confesso a Deus todo-poderoso"). Na confissão o sacerdote pede a intercessão da Virgem Maria, de João Batista, de Miguel Arcanjo, e de São Pedro e São Paulo, e acrescenta “et vobis, fratres”, pedindo também a congregação que reze por ele. Em seguida reza duas vezes “mea culpa” ("minha culpa"), e uma terceira vez "mea maxima culpa" ("minha máxima culpa"), bate com a mão no peito três vezes.

        Os servidores após a Confissão do padre, o abençoam dizendo: “Misereátur tui omnípotens Deus, et dimissis peccátis tuis, perdúcat te ad vitam ætérnam” ("Deus Todo-Poderoso tenha misericórdia de ti, perdoar-te dos teus pecados, e te conduza a vida eterna"). Em seguida, é a vez dos servidores de confessar seus pecados e pedir a bênção do padre. Eles usam as mesmas palavras usadas pelo sacerdote, porém pedem orações ao padre, e não a congregação, dizendo portanto “et tibi, Pater” ("e ti Padre"), no lugar de “et vobis, fratres”. O padre em seguida, responde com a mesma bênção que os servidores usaram, porém, como demonstração de seu específico cargo sacerdotal, acrescenta uma prece de absolvição: “Indulgéntiam absolutiónem, et remissiónem peccatórum nostrórum, tríbuat nobis omnípotens et miséricors Dóminus” (“Indulgência, absolvição e remissão dos nossos pecados, nos conceda o nosso Onipotente e Misericordioso Deus”)



    Então, três versículos são ditos pelo padre e os servidores, são eles “Deus, tu convérsus vivificábis nos" ("Dai-nos Senhor a vida"); “Osténde nobis Dómine, misericórdiam tuam” (“Mostra-nos, Senhor, tua misericórdia”); e “Dómine, exáudi oratiónem meam” (“Ó Senhor, ouve a minha oração”);




    Ao termina-los o padre reza pela primeira vez na missa o “Dominus vobiscum” (“O Senhor estaja convosco”), cuja resposta dos servidores é: “Et cum spíritu tuo” (“E com o teu Espírito)”, então o padre diz: "Oremus" ("Vamos orar"). Depois disso, ele vai para o altar, rezando em silêncio “Aufer a nobis, quǽsumus, Domine, iniquitátes nostras: ut ad Sancta Sanctorum puris mereámur méntibus introíre” (“Limpa-nos das nossas iniquidades Senhor, para que, com mentes puras possamos entrar dignamente no santo dos santos)", que é uma referência a Êxodo 26:33-34, I Reis 6:6-16, III Reis 6:16, I Reis 8:6, II Crônicas 3:8, Ezequiel 41:4, e outros. Ele coloca as mãos unidas sobre o altar e o beija enquanto silenciosamente reza “Oramus te, Domine, por Merita Sanctorum tuórum, quorum Reliquiae hic sunt, et omnium sanctorum: ut indúlgere dignéris Omnia peccata mea” (“Rezamos a ti Senhor, para que, pelos méritos dos teus Santos cujas relíquias estão neste altar, e de todos os santos, Deus se digne a perdoar todos os meus pecados”).

O Papa Leão XIII afirmou na encíclica “Satis Cognitum”: “Nada poderia ser mais perigoso que estes hereges que, conservando em tudo o mais a integridade da doutrina, por uma só palavra, como por uma só gota de veneno, corrompem a pureza e a simplicidade da Fé que nós recebemos da Tradição de Nosso Senhor e, depois, dos Apóstolos.”
Lutero afirmava que o seu efeito espiritual estava na participação dos membros para responder a mensagem transmitida por Deus por meio de sua Palavra.
"Mesmo que os católicos fiéis à Tradição estejam reduzidos a um punhado, são eles que são a verdadeira Igreja de Jesus Cristo.”  
 Santo Atanasio.


REZEM TODOS OS DIAS O SANTO ROSÁRIO,façam penitência.


Em reparação pelos  que não Consagraram a Rússia ao Imaculado Coração de Maria e pela Conversão dos pobres pecadores.