sábado, 19 de janeiro de 2019

Nossa Senhora no Sábado

19/01 Sábado
Festa de Quarta Classe 
Paramentos Brancos
nossa senhora auxliliadora
 
Leitura da Epístola

Tito 3,4-7
4 Mas um dia apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens. 5 E, não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de sua misericórdia, ele nos salvou mediante o batismo da regeneração e renovação, pelo Espírito Santo, 6 que nos foi concedido em profusão, por meio de Cristo, nosso Salvador, 7 para que a justificação obtida por sua graça nos torne, em esperança, herdeiros da vida eterna.
Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 2, 15-20
15 Depois que os anjos os deixaram e voltaram para o céu, falaram os pastores uns com os outros: Vamos até Belém e vejamos o que se realizou e o que o Senhor nos manifestou. 16 Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. 17 Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino. 18 Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores. 19 Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração. 20 Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.
...

19 de janeiro dia dos Santos Mário,Marta,Audíface e Abaco,Mártires.

 
Mártires Mário era um persa notável que se converteu com sua família Marta sua esposa, seus dois filhos os Santos Audifax e Ábacopara ao cristianismo. Vem em peregrinação a Roma no reinado de Cláudio, o Gótico (268-270), está família que pertencia à nobreza persa e foi a Roma para venerar os túmulos dos Santos Apóstolos São Pedro e São Paulo. Eles ajudaram a comunidade cristã a dar um enterro digno aos 260 mártires,cujos corpos jaziam insepultos.Reconhecidos como cristãos,foram apanhados pelos soldados do imperador Cláudio II enquanto cumpriam obra de misericordia de enterrar os mortos cumprindo o dever de cristão. Levados presos queriam obriga-los à oferecer sacrifícios aos deuses pagãos recusaram-se e não renunciaram à fé cristã. Assim foram condenados primeiro São Mário, Santo Audifax e Santo Ábaco foram martirizados e mortos por decapitados  na via Cornélia. Já Santa Marta foi condenada à morte por afogamento. Hoje, no local do ocorrido, ainda existem as ruínas de uma antiga igreja, construída para reverenciar os quatro Santos. Seu culto é ainda parte do Martirológio Romano recente.
Corneille na pista em décimo terceiro os quilômetros de Roma, o cemitério "Em Ninfas", o santo mártires Marius, Marta e Abacum Audifax. . 
 Hoje, no local do ocorrido, ainda existem as ruínas de uma antiga igreja, construída para reverenciar os quatro Santos.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

18 de janeiro dia de Santa Prisca, Virgem e Mártir.

 18/01 Quinta-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Brancos

Santa Prisca ou Priscila significa a primeira, foi uma virgem mártir, muito venerada em Roma. Sendo batizada aos 13 anos por São Pedro.Uma menina romana cujos pais eram cristãos de uma família nobre. Cláudio era o imperador nesse tempo, durante o seu reinado, os cristãos foram perseguidos não tais números como tinham sido antes disso, ainda muitas coisas cruéis foram feitas aqui e ali, ser um cristão era perigoso.   Nestes tempos maus, nem sempre muitos se atrevem a dizer o que ele realmente pensava, nem publicamente para o culto como ele acreditava ser certo. Muitos dos cristãos não tinham vergonha de esconder a sua verdadeira crença,os pagãos romanos, que estavam por toda parte buscando com ódio para os seguidores de Cristo, para torturar e matar.
Prisca pai e mãe conseguiu manter seu segredo, e não foram suspeitos de serem cristãos. Eles provavelmente iam à Igreja nas capelas secretas que os cristãos haviam cavado no fundo da terra sob a cidade. Nestes escuros, catacumbas sombrias, como eram chamados, os cristãos realizaram seu culto em baixo dos pés dos romanos, que estavam passando por cima sem suspeitar que estava acontecendo tão perto deles.Mas Prisca desprezado para usar qualquer precaução. Pequena e indefesa que ela era, ela não tinha medo de dizer a cada um o que acreditava e seguia a cruz de Cristo. Então, ela logo se tornou-se conhecida como firme cristã. E havia pessoas na cidade cruel e perversas o suficiente e bastante para odia-la em um pouco tempo deseja-lhe o mal a criança-cristã.
Essas pessoas relataram aos oficiais do imperador suas palavras corajosas da fé, e contou-lhes como ela não iria sacrificar aos deuses romanos, como as outras crianças faziam. Então,muito em breve ela foi apreendida pelos guardas e levada perante o imperador.
Cláudio olhou para a pequena cristã com surpresa por encontrá-la tão jovem. E ele pensou: "Hoje eu facilmente vou fazer que está pequena Cristã mude sua mente e me obedeça!". E ele ordenou a seus homens levá-la ao templo de Apolo e fazê-la oferecem incenso ao deus bonito da curva de prata. Assim, levando-a ao topo do Palatino, uma das sete colinas de Roma em que foi construído.
Eles primeiro passou sob um arco de mármore grande e entrou em um pátio cercado por pilares feito de 52 duas colunas de mármore. No centro deste espaço ficava o templo de Apolo, o edifício mais magnífico em toda Roma. Com portões de marfim e seus maravilhosos grupos de estátuas, seus pisos de mármore e altares embutidos com sua grinalda de flores de ouro, seu incenso respiração tripés, suas lâmpadas e vasos de prata bonitos, era um lugar muito diferente dos nus, das cavernas escuras em que os cristãos adoravam seu Deus. Na frente do templo era um grupo de quatro bois feitos de bronze, e no centro deste se queimava um fogo sobre um tripé de ouro. Este foi o altar para Apolo, o deus-sol, cujo enorme estátua dourada, em sua carruagem de quatro cavalos, estava sobre a porta do templo logo acima. Ele era a imagem de um belo jovem com uma coroa de flores da baía sobre a sua cabeça, carregando um arco na mão, com a qual Apollo foi acreditado para disparar raios de sol sobre a terra.Eles empurrou incenso na mão de Priscila e ordenou-lhe que jogue alguns grãos no fogo em honra do deus bonito de sol. Parecia uma coisa muito simples de fazer, para salvar sua vida, só de se espalhar um punhado de pó escuro sobre as chamas. Prisca adorava o sol querido, assim como qualquer um, mas ela sabia que era idolatria acreditar que ele era um deus, e perverso para adorar a sua estátua no lugar do grande Deus verdadeiro que fez o sol e tudo mais. Então Prisca se recusou a queimar o incenso.
Em seguida, o Imperador estava muito irritado, e convidou os soldados chicoteá-la até que ela obedecesse ao seu comando. Mas eles não podiam fazê-la mesmo sobre pressão da crueldade.Eles impurraram incenso na mão de Priscila e ordenou-lhe que joga-se incenso no fogo em honrra do deus pagão do sol.Mesmos os romanos de coraçaõ duro vinham ver com olhar admiravel sua bravura e seu sofrimento.As mulheres gritavam vê-la tão cruelmente maltratada e os homens gritavam: Vergonha! Vergonha!Parem de torturar esta criança.
E então aconteceu uma coisa linda, por Prisca apareceu vestida com uma túnica de sol amarelo. A maravilhosa luz brilhou em toda parte, e ela parecia se uma pequena estrela dando a luz, tão brilhantemente como seu espírito corajoso entre os homens cruéis..Parecia que nenhuma criança poderia suportar todo esse sofrimento sem ceder, eo Imperador esperava que ela daria, por que ele não queria matá-la. Mas Prisca era firme, e não fazer o sacrifício. O Imperador ficou surpreso ao encontrar uma criança tão corajosa. Ele ordenou-lhes que arrastá-la para a prisão e para mantê-la ali por muitos dias. Na prisão deixada, solitário e no frio e com fome, muitas vezes, se perguntando o que algo terrível estava para acontecer. Mas seu coração não era infeliz e sim um coração forte e corajoso, e ela não estava com medo pois a graça estava lhe auxiliando.
Depois de muito tempo, uma guarda numa manhã levou um pouco de carne o  para Prisca. Ele levou também para fora, para ela ver a luz do sol, querida, e ela estava feliz por ver o sol e o céu azul mais uma vez. Mas foi apenas por um curto período de tempo que eles deixá-la desfrutar ainda este pequeno prazer, porque trouxe para o anfiteatro, um ótimo lugar aberto, como o circo, com camadas sobre camadas de assentos sobre todos, e multidões de rostos olhando para o centro de onde ela estava.
Prisca sabia o que isto significava, pois ela tinha ouvido falar muitas vezes da forma como os cristãos foram para a arena a ser despedaçado por animais selvagens. E ajoelhando-se na areia, ela fez uma pequena oração, não sei se pode-se ser salvo das bestas ferozes, mas que posso testemunhar é o poder Deus por me dar coragem de mostrar e testemunhar a minha fé em Cristo e ensinar uma lição a estes homens e mulheres qual o Deus verdadeiro.
Em seguida, abriu-se a porta ralada de um antro, no final da arena, sai um grande leão amarelo para persegui-la e mata-la esta era intenção do cenario. Com um rugido terrível que ele correu para o centro do círculo, e ficou ali atacando sua cauda e piscando seus grandes olhos amarelos tudo sobre o lugar. Então de repente ele viu a menina em pé, parado em um lado, com as mãos postas na frente dele, olhando-o sem medo. E a grande besta caminhou suavemente até ela em suas patas acolchoadas. Ele abaixou a cabeça e lambeu seus pequenos pés descalços, e então ele se agachou ao seu lado, como um cão de St Bernard pode colocar-se a proteger a sua  protegida. E é por isso que as fotos antigas de Santa Prisca representá-la com um leão ao seu lado.
Há um grande silêncio caiu sobre a tenda lugar. O imperador e todas as pessoas se sentavam perfeitamente imóvel, pensando na visão estranha e admirar a coragem dela, pois ela estendeu a mão e foi acariciando a cabeça do leão, brincando com sua juba. Ela inclinou a cabeça e ninguém ouviu sussurro em seu ouvido: -"Meu bom amigo! Você não vai me machucar, eu sei, pois Senhor fechou sua boca, assim como ele fez as bocas dos leões em cuja Daniel foi jogado pelos homens maus. Estes homens cruéis colocaram-me à morte, mas você está mais amável do que eles.
E o leão olhou em seu rosto como se ele entende-se, e resmungou baixinho. Ele era muito gentil com ela, mas quando o carrasco veio em direção a eles, ele rosnou e eriçou e mostrou os dentes grandes, de modo que há muito tempo ninguém se atreveu a chegar perto.
Mas, mesmo o leão não poderia salvá-la da morte, que ela não tinha vontade de fugir. Por fim, eles o capturaram e o levaram. O coração do Imperador foi atenuado pela bravura Prisca, e ele queria dar-lhe mais uma chance de salvar sua vida. Eles levaram-la por muitos dias no templo pagão, e tentou de todas as maneiras para fazê-la sacrifício aos deuses e renunciar sua Fé no cristianismo. Eles persuadiu e fez suas belas promessas, eles ameaçados e diziam que iam punila. Mas ainda Prisca permaneceu firme, embora ela já estava muito desgastado e cansado e doente, porque ela tinha sofrido tanto.
Então, quando ela tinha suportado tudo pacientemente e bravamente, e eles viram que era impossível faze-la curva-la diante do deus pagão, levou-a para longe a estrada que leva ao sul do monte Palatino, para o local da execução . Este foi apenas fora do portão Ostiense, uma arcada na grande muralha que rodeava Roma, através
Il martirio di santa Prisca, affresco del XVI secolo nella chiesa omonima di Roma.
do qual a estrada levou para a cidade de óstio e para o mar. Mesmo fora desta porta, para mostrar que eles não eram mais digno de ser romanos e vivendo dentro de seus muros, os criminosos foram executados.E aqui mártires cristãos muitos perderam suas vidas. Prisca foi um deles, pois ali ela foi decapitado. E até o fim ela não chorou nem gritou nem foi de qualquer maneira com medo. E assim ela se tornou Santa Prisca, uma pequena mártir.
Em seguida, outra coisa milagre aconteceu. Quando  ela morreu uma grande águia apareceu no céu, pairando sobre o corpo de Santa Prisca no ar. E quando qualquer dos romanos aventurou perto dela a águia desceu sobre eles com gritos terríveis e bater de suas asas. E seus olhos redondos cinza parecia tão feroz e suas garras tão longa e afiada, que ninguém se atreveu a tocá-la por medo da ave. Santa Prisca tinha encontrado outro protetor em Roma cruel. E é por isso que muitas das fotos antigas de martírio Santa Prisca mostram uma grande águia pairando sobre ela.
A criatura guardou sueu corpo noite e dia, fazendo os pagão manterem a distância, até que os cristãos, que estavam esperando a chance de se aventurar, veiram em segredo na calada da noite leva-la. Eles enterraram onde os romanos não poderia encontrá-la, em seu cemitério pequeno segredo nas catacumbas. Isto é como Santa Prisca viveu e morreu.A tradição diz que ela teria sido martiriza nas primeiras execuções dos cristãos e teria enterrada nas catacumbas. Santa Prisca tem uma Igreja na Aventine Hill.
Foi construída na colina onde foi enterrada, uma Igreja dedicada a ela.
Na liturgia ela é mostrada como uma jovem cristã  com dois leões a seus pés, uma espada e uma águia perto dela.Ela foi considerada a mais antiga de romana e se tornou umas das mulheres mais venerada na Santa Igreja.
Martir romana envegelizadora descrita numa carta de São Paulo,em que falou: "Saúdem Prisca e Áquila, meus colobaboradores em Nosso Senhor Jesus Cristo, os quais expuseram suas cabeças para me salvar a vida. À isso devo render graças não somente eu, mas também todas as Igrejas dos gentios"(Rm 16,3).  
O leão  a seus pés  significa a conquista do paganismo. Ela  é venerada em Roma onde suas relíquias são guardadas na igreja de Santa Prisca e sua festa consta em calendários de 16 monastérios

   Catatumba de Prisca, em Roma.
Image


Leitura da Epístola

Romanos 12,1-5
"1. Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a ofere­cerdes vossos corpos em sacri­fício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. 2. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito. 3. Em virtude da graça que me foi dada, recomendo a todos e a cada um: não façam de si próprios uma opinião maior do que convém, mas um conceito razoavelmente modesto, de acordo com o grau de fé que Deus lhes distribuiu.*"
"4. Pois, como em um só corpo temos muitos membros e cada um dos nossos membros tem diferente função, 5. assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro."


Sequência do Santo Evangelho


São Lucas  2,1-11  
"42. Tendo ele atingido doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. 43. Acabados os dias da festa, quando voltavam, ficou o menino Jesus em Jerusalém, sem que os seus pais o percebessem. 44. Pensando que ele estivesse com os seus companheiros de comitiva, andaram caminho de um dia e o buscaram entre os parentes e conhecidos. 45. Mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém, à procura dele. 46. Três dias depois o acharam no templo, sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 47. Todos os que o ouviam estavam maravilhados da sabedoria de suas respostas. 48. Quando eles o viram, ficaram admirados. E sua mãe disse-lhe: “Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição”. 49. Respondeu-lhes ele: “Por que me procurá­veis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai?”.* 50. Eles, porém, não compreen­deram o que ele lhes dissera. 51. Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe guardava todas essas coisas no seu coração. 52. E Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens.



Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

17 de janeiro dia de Santo Antão, Abade.

17/01 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
   Nasceu em Fayum, no Alto Egito, perto de Heracleopolis Magna cerca do ano 251. Tinha 20 anos quando seus pais faleceram e ele herdou os bens da família. Foi nesta época que, participando do Santo Sacrificio,em 269, este jovem egípcio toma à letra o conselho que de Nosso Senhor Jesus Cristo dá um homem rico no Evangelho: “Se queres ser perfeito, vende tudo o que tens... Depois vem e segue-me” (Mateus 19, 21-22). Antão distribui todos os seus bens aos pobres e vai viver como eremita no deserto da Tebaida, na margem oriental do Nilo.
   Santo Atanásio, um bispo de Alexandria, contará mais tarde a sua vida. Traça o retrato de um recluso solitário, um orante e autor de prodígios que auto-inflige rudes provações para resistir às tentações do diabo.
Santo Antão incarna a figura emergente do eremita na história do cristianismo. Ele é considerado o “pai” dos anacoretas (do grego anakhôrein, “retirar-se).
   No Oriente parcialmente evangelizado dos séculos II e III, já havia homens e mulheres que tinham escolhido viver a radicalidade da mensagem evangélica, como era o caso das “virgens consagradas”, que faziam voto de celibato e pobreza. Mas estes fiéis não deixavam as suas comunidades de origem.

Em 305, Antão emergiu com grande vigor e saúde. Ele ficou com os eremitas por 5 anos, regulamentando o trabalho comunitário, as orações e as penitências. Depois foi para um deserto entre o Nilo e o Mar Vermelho, em um local chamada Monte Kalzim. Um monastério, chamado Diem Mar Antonios, foi erigido neste local considerado o mais antigo mosteiro do mundo. Por isso retiram-se para o deserto para aí viver continuamente em oração e penitência. Santo Antão será o seu modelo, o grande batalhador da Santa Igreja contra a heresia ariana, Santo Atanisio pedia o auxílio de Santo Antão para confirmar, confortar os mártires das perseguições que estava acontecendo na época e voltou anos mais tarde para argumentar vigorosamente contra a heresia Ariana lado a lado com Santo Atanásio, em sua diocese de Alexandria em 311, os fiéis perseguidos pelos hereges. Apesar de já centenário,Santo Antão atendeu a tão justo pedido. Sua presença naquela cidade foi de um efeito maravilhoso sobre o povo fiel. Mesmo os sacerdotes pagãos iam às Igrejas para tentar falar com o homem de Deus. Lá ele fez muitos prodígios, e Santo Atanásio reconhece que, durante o pouco tempo que Antão ali esteve, converteu à verdadeira fé mais infiéis do que tinham sido convertidos durante todo um ano. Os filósofos que vinham discutir com ele, diante de suas respostas tão pertinentes, ficavam espantados com a viveza de seu espírito e a solidez de seu julgamento. Via-se que Deus falava por sua boca.
    Santo Antão ficou conhecido como um homem bom, generoso, corajoso, com bom senso, leal e sem nenhum excesso e ostentação. Era amigo de São Paulo de Tebas, chamado de o "eremita" que recebia meio pão por dia dos corvos. 
    Diz a tradição que quando Santo Antão foi visitá-lo, os corvos trouxeram um pão inteiro. O Imperador Constantino, o Grande (323-337), era um dos milhares que procuravam Antão para ensinamentos e inspirações.Os monarcas, os príncipes este imperador Constantino escreviam-lhe cartas cheias de respeito, implorando o socorro de suas preces e pedindo a consolação de uma resposta sua. Santo Antão lhes respondia exortando-os a não se deixar ofuscar por sua dignidade, pois eram homens e teriam que prestar contas de seu poder ao Rei dos Reis. Que usassem de misericórdia e clemência para com todos, socorressem os pobres e se lembrassem de que só Jesus Cristo é o verdadeiro e eterno Rei. Constantino conservava uma dessas cartas como o seu mais caro tesouro.
    Enfim, cheio de méritos, Santo Antão entregou sua alma a Deus no dia 17 de Janeiro de 356 aos 105 anos, recomendando aos seus discípulos que escondessem seu corpo para que não fosse adorado pelos pagãos como a um deus. Deixou sua túnica para o denfensor da Santa Igreja, Santo Atanásio.
Orientações de Santo Antão:

 * "Quem não tiver sido tentado não poderá entrar no reino do céu. Se suprimires a tentação, ninguém se salvará."


* A maior obra dos homens é esta: ser capaz de manter seus pecados diante de Deus e estar preparado para a tentação até o último suspiro.
* Aquele que senta-se em solicitude e quietude  escapou de três batalhas: ouvindo, falando e vendo. Mas mesmo assim ele tem uma constante guerra: no seu próprio coração.
* O demônio teme a humildade, o bom trabalho e o jejum. Ele não consegue impedir a minha boca de falar contra ele. A ilusão do demônio logo desvanece especialmente, se o homem se arma com o Sinal da Cruz. O demônio treme ao Sinal da Cruz do Nosso Senhor, porque Ele triunfou sobre ele e o desarmou.
  *Segundo o Santo Antão, as tentações são manifestamente uma condição indispensável para se entrar no céu. É através das tentações que o homem obtém um faro do Deus verdadeiro. Sem tentação o homem estaria no perigo de apoderar-se de Deus e torna-lo inofensivo e inócuo. Pela tentação, porém, o homem experimenta existencialmente a sua distância de Deus, sente a diferença entre o homem e Deus. O homem permanece em luta constante, enquanto Deus repousa em si mesmo. Deus é amor absoluto, enquanto o homem é continuamente tentado pelo maligno.
  *Se ouvirdes atentamente a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis minha propriedade especial entre todos os povos, porque minha é a terra, e vós constituireis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa. Ex. 19,5-6.
  *Aproximai-vos de Cristo, pedra viva, eleita e estimada por Deus, também vós, como pedras vivas.
Vinde formar um templo espiritual para um sacerdócio santo, a fim de oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo.
  *Sois uma estirpe eleita, sacerdócio real, gente santa, povo trazido à salvação, para tornardes conhecidos os prodígios dAquele que vos chamou das trevas para a luz admirável. 1Pd. 2, 4-5
  *Caríssimos, não descuidemos de nossa salvação. Sabei que se alguém se entrega a Deus de todo o coração, Deus tem piedade dele e lhe concede o Espírito de conversão.
  *Sabemos que desde as origens do mundo, os que encontraram na Lei da Aliança o caminho do seu Criador foram acompanhados por sua bondade, sua graça e seu Espírito. Mas os homens, incapazes de exercerem sua inteligência segundo o estado da criação original, inteiramente privados de razão, sujeitaram-se à criatura em vez de servir ao Criador.
  *Eu vos suplico, irmãos, penetrai-vos bem da maravilhosa economia da salvação.
  *Todo ser dotado de inteligência espiritual, aquele para quem veio o Senhor, deve tomar consciência de sua própria natureza, isto é, deve conhecer-se a si mesmo.
  *Seja-vos dado tomar bem consciência da graça que Ele vos deu. Não é a primeira vez que Deus visita as suas criaturas. Ele as conduz desde as origens do mundo e, de geração em geração, mantém cada uma desperta pelos acontecimentos de sua graça. Não negligenciemos, pois, chamar a Deus dia e noite. Fazei violência à ternura de Deus. Do céu Ele vos enviará Aquele cujo ensinamento vos permitirá conhecer o que é bom para vós.
  *Filhos, é certo que nossa enfermidade e nossa humilhação são dor para os santos e causa das lágrimas e gemidos que oferecem por nós diante do Criador do Universo.
  *Compreendei bem o que vos digo e declaro: Se cada um de vós não chega a odiar o que é da ordem dos bens terrestres e a isso não renunciar de todo coração, assim como a todas as atividades que daí dependem, se não chega a elevar as mãos e o coração ao Céu para o Pai de todos nós, não é para si a salvação. Mas se fazeis o que acabo de dizer, Deus vos enviará um fogo invisível, que consumirá vossas impurezas e devolverá vosso espírito à sua pureza original. O Espírito Santo habitará em vós, Jesus permanecerá junto de nós e poderemos adorar a Deus como é devido.
  *A todos os meus irmãos muito amados, a todos vós que vos preparais para vos aproximardes do Senhor, saúdo nEle, irmãos caríssimos, vossa natureza espiritual.
  *Que Deus abra os olhos de vosso coração para que percebais os múltiplos malefícios secretos, lançados todos os dias sobre nós no decorrer do tempo. Faço votos que Deus vos dê um coração clarividente e um espírito de discernimento a fim de vos apresentardes a Ele como uma vítima pura e sem mancha.
  *Persuadi-vos bem que vosso ingresso e vosso progresso na obra de Deus não são obra humana, mas intervenção do poder divino que não cessa de vos assistir.
  *Sede, pois, vigilantes, caros filhos, não permitais que vossos olhos durmam nem que vossas pálpebras dormitem, mas clamai dia e noite a vosso Criador para que vossos pensamentos se firmem no Cristo.
  *No Senhor eu vos suplico, caros filhos, deixai-vos penetrar bem pelo que vos escrevo. Voltai vossa alma para vosso Criador. Perguntai a vós mesmos o que seria possível retribuir ao Senhor por todas estas graças. É tão grande a sua bondade que Ele quis que o próprio Sol se ponha a nosso serviço nesta habitação de trevas, assim como a Lua e as estrelas, para sustentar fisicamente um ser cuja fraqueza o condenaria a perecer. Não sofreram por nós os patriarcas? Não nos dispensaram os sacerdotes os seus ensinamentos? Não combatiam por nós os juízes e reis? Não foram mortos por nós os profetas? Não sofreram os Apóstolos perseguição por nós? E não morreu por todos nós o Filho bem amado? Agora é a nossa vez de nos dispormos a ir ao nosso Criador pelo caminho da pureza.
  *Meus caríssimos no Senhor, a vós que sois co-herdeiros dos santos, rogo que desperteis em vosso coração o temor de Deus. Preparemo-nos, pois, santamente, e purifiquemos nosso espírito para sermos puros a receber o batismo de Jesus e a nos oferecermos como vítimas agradáveis a Deus. O Espírito Consolador, recebido no Batismo, nos conduzirá a nosso estado original.
  *Caros irmãos, chamados a partilhar da herança dos santos, agora estais próximos de todas as virtudes. Todas elas vos pertencem se não vos embaraçais na vida carnal, mas permaneceis transparentes diante de Deus. É a pessoas capazes de me compreender que escrevo, a pessoas em condições de se conhecerem a si mesmos. Quem se conhece, tem a obrigação de adorar a Deus como convém.

Leitura da Epístola 

Eclesiástico 45,1-6

1. Moisés foi amado por Deus e pelos homens: sua memória é abençoada.2. O Senhor deu-lhe uma glória semelhante à dos santos; tornou-se poderoso e temido por seus inimigos.3. Glorificou-o na presença dos reis, prescreveu-lhe suas ordens diante do seu povo, e mostrou-lhe a sua glória.4. Santificou-o pela sua fé e mansidão, escolheu-o entre todos os homens.5. Pois (Deus) atendeu-o, ouviu sua voz e o introduziu na nuvem.6. Deu-lhe seus preceitos perante (seu povo) e a lei da vida e da ciência, para ensinar a Jacó sua aliança e a Israel seus decretos.


Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 19,27-29
27. Pedro então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos tudo para te seguir. Que haverá então para nós?28. Respondeu Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.
29. E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida eterna.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

16 de janeiro dia de São Marcelo I, Papa e Mártir.

16/01 Quarta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos 
  O Papa Marcelo I (em latim: Marcellus) foi o trigésimo papa da Igreja, exercendo sua função de maio de 308 a 309, sucedendo o Papa Marcelino, após uma considerável lacuna de tempo.
 Papa São Marcelo, romano de origem, foi eleito quando Maxêncio, consolidando-se, entreteve maiores e melhores relações com Constantino. Reorganizaram-se, então, os centros de reunião para o culto, mas, surgindo perturbações, Maxêncio não titubeou em exilar o sumo Pontífice, já que o acusavam veemente.No tempo de Diocleciano, a perseguição vinha se arrefecendo. A Igreja romana, porém, vivia num estado de tribulação. Os lugares de reunião dos fiéis haviam sido confiscados, bem como os cemitérios, de modo que a desorganização imperava.
  Conta-se de Papa São Marcelo que, tendo uma rica senhora dado sua vasta casa à comunidade cristã, para que o Papa a transformasse numa igreja, ali se reuniam frequentemente os fiéis. Ora, o imperador, dado o grande movimento que no templo se registrava, excitado por conselheiros, ordenou que a igreja se transmudasse em estrebaria dos cavalos imperiais e Marcelo em palafreneiro. 
A morte do Papa Marcelo, no exílio, ocorreu em 309, sendo imediatamente venerado como santo. 
 Enterrado na catacumba de Santa Priscila, foi o corpo, mais tarde, transladado para a igreja que lhe tomou o nome: São Marcelo, em Roma.Seus restos mortais estão sob o altar da Igreja de San Marcello al Corso, em Roma, sendo substituído pelo Papa Eusébio.


Leitura da Epístola

 I São Pedro 5,1-4, 10-11
1 Eis a exortação que dirijo aos anciãos que estão entre vós; porque sou ancião como eles, fui testemunha dos sofrimentos de Cristo e serei participante com eles daquela glória que se há de manifestar. 2 Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação; 3 não como dominadores absolutos sobre as comunidades que vos são confiadas, mas como modelos do vosso rebanho. 4 E, quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de glória.10 O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará. 11 A ele o poder na eternidade! Amém.


Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 16, 13-19
13 Chegando ao território de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? 14 Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou um dos profetas. 15 Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? 16 Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! 17 Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. 18 E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. 19 Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

15 de janeiro dia de São Paulo Eremita,Confessor.

15/01 Terça-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos 
 São Jerônimo escreveu em 400, um livro rico em detalhes sobre a vida de Paulo, a quem chamou de "príncipe da vida eremita". Ele a conheceu narrada pelo amigo são Atanásio, discípulo de santo Antonio do Deserto. Paulo nasceu no ano 228, em Tebaia, uma região próxima do rio Nilo, no Egito, cuja capital era Tebas. Foi educado pelos pais que eram da nobreza e cristãos. Porém aos catorze anos ficou órfão. Era bondoso, piedoso e amava a sua fé. Em 250 começou a perseguição do imperador Décio. Foi uma perseguição curta, mas dura e contundente, porque ordenava aos cristãos que renegassem a fé e participassem dos ritos pagãos, como sinal de lealdade ao Estado. Quem aceitasse podia viver tranquilo. Muitos aceitavam, para salvar a vida.São Paulo não rendeu homenagens aos deuses, preferiu se esconder, mostrando prudência. Porém, foi denunciado e fugiu para o deserto. Lá, encontrou umas cavernas onde, séculos atrás, os escravos da rainha Cleópatra fabricavam moedas. Escolheu uma, perto de uma fonte de água e de umas palmeiras, para ser sua moradia. Com as folhas da palmeira fazia a roupa. Os frutos eram seu alimento. E a água da fonte sua bebida. Em 251 o imperador Décio morreu num combate e a perseguição cessou. Mas, Paulo nunca mais voltou. O deserto, a solidão e a proximidade com Deus o haviam conquistado. Sentiu que sua missão era ajudar o mundo não com negócios e palavras, mas com penitências e orações, para a conversão dos pecadores. Disse são Jerônimo que quando a palmeira não tinha frutos, vinha um corvo trazendo meio pão no bico e com isso vivia o santo monge. Depois de muitos anos, foi descoberto por Santo Antonio do Deserto, ou Santo Antão, o qual foi avisado em sonho, que no deserto existia um monge mais velho do que ele.São Paulo estava na caverna, quando se encontraram. Conversavam sobre assuntos espirituais, quando um corvo pousou carregando no bico a ração dobrada: um pão inteiro. Paulo, então, contou a ele sua vida e a experiência dos noventa anos de solidão no deserto. Depois rezaram a noite toda. Pela manhã, São Paulo pediu que Santo Antão fosse buscar o manto que recebera de Santo Atanásio, pois pressentiu que seu fim estava próximo. Santo Antão ficou emocionado, porque nada havia contado sobre o manto, que ganhara do discípulo. Partiu e quando voltou, não o encontrou mais. Envolto em mistério e encantamento, ao que tudo indica, São Paulo morreu com cento e doze anos em 340, sozinho e em lugar ignorado. Foi um santo singular: não deixou escritos ou palavras memoráveis. Segundo a tradição, no século VI, foi erguido no Egito um mosteiro, em frente ao Monte Sinai, que conserva a sua antiga morada na caverna. Monge do silêncio, também conhecido como: São Paulo de Tebas. Cerca de oito séculos depois de sua morte, nasceu uma comunidade religiosa com o nome de "Ordem de São Paulo Primeiro Eremita" ou "Eremitas de São Paulo". Uma comunidade que, no início do terceiro milênio, ainda permanece viva e conhecida, tendo sua Casa Mãe, perto do Santuário Mariano de Czestochowa, na Polônia. A Igreja o celebra em 15 de janeiro, data indicada no livro de são Jerônimo

Leitura da Epístola

Filipenses 3, 7-12
7 Mas tudo isso, que para mim eram vantagens, considerei perda por Cristo. 8 Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por ele tudo desprezei e tenho em conta de esterco, a fim de ganhar Cristo 9 e estar com ele. Não com minha justiça, que vem da lei, mas com a justiça que se obtém pela fé em Cristo, a justiça que vem de Deus pela fé. 10 Anseio pelo conhecimento de Cristo e do poder da sua Ressurreição, pela participação em seus sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na morte, 11 com a esperança de conseguir a ressurreição dentre os mortos. 12 Não pretendo dizer que já alcancei (esta meta) e que cheguei à perfeição. Não. Mas eu me empenho em conquistá-la, uma vez que também eu fui conquistado por Jesus Cristo. 

Sequência do Santo Evangelho
 
São Mateus 11, 25-30
25 Por aquele tempo, Jesus pronunciou estas palavras: Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos. 26 Sim, Pai, eu te bendigo, porque assim foi do teu agrado. 27 Todas as coisas me foram dadas por meu Pai; ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-lo. 28 Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. 29 Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. 30 Porque meu jugo é suave e meu peso é leve.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DXCIX (599) (5 de janeiro de 2019)

 
 
 
  O mundo está apodrecido, rapazes, mas é indubitável: Se ele está assim por toda parte, Deus permanece imutável.  

  Se Hamlet é possivelmente a mais desconcertante, provavelmente a mais interessante, e indubitavelmente a mais moderna de todas as trinta e sete peças teatrais de Shakespeare, isto se dá por uma mesma razão: há um elefante na sala. Esse elefante é a apostasia da Inglaterra, que abandonou a Fé católica, que estava sendo triturada pelo governo inglês quando Shakespeare escreveu a peça, por volta de 1600 d.C., o que o estava levando ao desespero, porque ele era um católico devoto. Então (1) Hamlet é a mais intrigante de suas peças para a multidão de leitores pós-católicos, de aficionados por teatro e de críticos, que não têm nem ideia de que "Reforma" foi o maior desastre que já se abateu sobre a Inglaterra. (2) É a mais desconcertante das peças porque é fundamental e conflituosa em relação à Idade Média que passou e a Idade Moderna que se seguiu. (3) É a mais moderna, porque nos últimos quatrocentos anos praticamente o mundo inteiro passou a compartilhar da apostasia da Inglaterra.
(1) Mas quem se importa com a apostasia hoje em dia? Quantas pessoas sabem ao menos o que a palavra significa (um afastamento da fé católica)? Houve um tempo, como em 1600 na Inglaterra, em que o diabo perseguiu ferozmente a fé, de modo que Shakespeare teve de disfarçar a fé em suas peças para não ser enforcado, eviscerado e esquartejado. Mas hoje o Diabo destrói muito mais almas, fazendo com que elas acreditem que a religião é de tão pouca importância que qualquer um pode escolher qualquer religião que queira, ou inclusive nenhuma. E os vis meios de comunicação estão tão inundados de erros e imoralidade que a massa de pessoas não se dá mais conta destes (vejam o livro Shadowplay, de Clare Asquith, para a codificação católica em todas as obras de Shakespeare). Mas se a mãe incestuosa de Hamlet, a rainha Gertrude, realmente representa a Inglaterra cometendo incesto com o protestantismo, que o cunhado dela representa, é de estranhar que nossos contemporâneos se encontrem incapazes de perceber a melancolia do príncipe Hamlet?
 (2) A peça é fundamental e conflituosa porque, como nenhuma outra peça de Shakespeare, está suspensa entre o mundo medieval e a Nova Ordem Mundial, e porque o próprio Shakespeare estava sendo sacudido até a medula pelo aparente sucesso da erradicação da Fé em seu amado país, como se pode ler em sua obra, desde a amargura do Príncipe até quase todos os que o rodeiam, especialmente seu verdadeiro amor, Ofélia. Ora, um católico não é amargo, mas Shakespeare estava assim ao escrever Hamlet (essa amargura, porém, não durou muito). Leiam o valiosíssimo livro de John Vyvyan, The Shakespearean Ethic, se quiserem discernir o padrão moral subjacente a todas as peças teatrais que foi a gloriosa herança do Shakespeare da Inglaterra medieval. Está presente até mesmo em Hamlet, sobretudo no desprezo do Príncipe por Ofélia para abrir espaço em seu coração para a vingança. Mas em Hamlet, como em nenhuma outra obra, a corrupção da sociedade – nem mais nem menos que por apostasia – é tão terrível que o Príncipe antissocial surge como um herói absoluto, o primeiro de uma longa lista de heróis antiautoritários (cf. Hollywood) que precisam anular todo respeito natural pela autoridade social. A apostasia mata a sociedade.
(3) Assim, Hamlet é a mais moderna das peças de Shakespeare, porque é a peça que mais se afasta do modelo medieval ou se sobrepõe a ele. Shakespeare escreveu muitas obras depois dela, mas nunca mais se sentiu tentado a substituir o amor pela vingança ou a voltar do Novo para o Antigo Testamento. Ele recuperou sua calma e equilíbrio enquanto ainda escrevia magníficas peças de teatro, mas em 1611 ele abandonou o cenário e Londres, deixando os puritanos tomarem o controle da Inglaterra e levarem eventualmente todo mundo para longe de Deus. Hoje, gerações de jovens amamentados pelos anti-heróis se transformaram em anti-homens, com pouco ou nada restando neles de sua herança medieval. Mas a natureza humana não mudou, e os seres humanos ainda precisam de homens para liderá-los, e é por isso que as meninas estão tentando-se transformar em homens, e os jovens dos dois sexos desprezam cada vez mais um ao outro. Em uma frase de Macbeth, "A confusão fez sua obra-prima".
Se vocês lerem Hamlet, tenham cuidado com o Fantasma no Primeiro Ato. Se vocês são católicos, sabem que o Deus Todo-Poderoso nunca deixaria uma alma sair do Purgatório para buscar vingança. Então, de onde poderia vir o Fantasma senão do Inferno? Nesse caso, o príncipe é realmente um herói? A amargura de Shakespeare era compreensível, mas distorceu sua teologia. Rapazes, adorem e amem a Jesus Cristo, amem a Sua Mãe, rezem o seu Rosário e liderem as moças. É para isso que elas precisam de vocês. 
Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

14 de janeiro dia de Santo Hilário,Bispo,Confessor e Doutor.

14/01 Segunda-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos  
 Santo Hilário de Poitiers (ca. 300 - 368 d.C.) foi um bispo na cidade romana de Pictavium, atual Poitiers, na Gália, e é um dos Doutores da Igreja. Ele também é muitas vezes chamado de "Martelo dos Arianos" (em latim: Malleus Arianorum) e o "Atanásio do ocidente". Seu nome vem da palavra grega para "feliz" ou "alegre".


«Sobre a Santíssima Trindade»
 A união entre o Pai e o Filho
«Eu e o Pai somos um só».
Como os hereges não podem negar estas palavras, ditas de modo tão absoluto, as corrompem e as falseiam no sentido de sua impiedade, para torná-las condenáveis. Tentam limitá-las a uma simples unanimidade, como se no Pai e no Filho a unidade fosse só de vontade e não de natureza, isto é, como se fossem Eles uma só coisa, não pelo que são, mas pelo que querem. A tal interpretação adaptam, a seu modo, aquele passo dos Atos dos Apóstolos onde se diz: "a multidão dos crentes era um só coração e uma só alma". Almas e corações em número plural podem se unificar pela convergência das vontades a um único objeto. Servem-se também os hereges do que está escrito aos Coríntios: "quem planta e quem rega são um só". Nesses dois haveria unidade moral, porquanto não difere o ministério instituído para a salvação. Abusam também daquilo que disse o Senhor, quando rogou ao Pai a salvação das nações que creriam em si: "Não só por estes rogo, mas também pelos que hão de crer em mim mediante a sua palavra, a fim de que todos sejam um, assim como Tu, Pai, és em Mim e Eu em Ti; que eles também sejam um em Nós". Ora, como os homens não podem dissolver-se em Deus, nem misturar-se num conglomerado indistinto, sua unidade lhes virá só de uma vontade unânime. Quando os homens fazem o que é do agrado de Deus - argumentam - a harmonia dos espíritos os associa. Logo, concluem, não é a natureza, mas a vontade que os unifica. Ignora a sabedoria quem a Deus ignora. E como a sabedoria é o Cristo, está fora da sabedoria quem ignora o Cristo ou só o conhece através dessa gente que prefere ver no Senhor de Majestade, no Rei dos séculos e Deus Unigênito, uma simples criatura, em vez do verdadeiro Filho. E se se obstinam são ainda mais estultos na defesa de sua mentira. Deixando de lado por ora a questão da unidade do Pai e do Filho, podemos perfeitamente refutá-las com as mesmas armas que empregam. De fato, quando se diz que a alma e o coração dos fiéis eram um, pergunto se isso não acontecia pela Fé comum. Sim, pela Fé é que o coração e a alma dos fiéis eram uma só coisa. Interrogo agora se essa Fé é uma ou múltipla. Uma só, certamente, como aliás já o Apóstolo no-la assegura, pregando ser uma a Fé, um o Senhor, um o batismo, uma a esperança e um só Deus. Ora, se pela Fé, isto é, pela natureza de uma só Fé, todos eram um, como não aceitarás física a unidade dos que são um pela natureza da única Fé?Todos, na verdade, tinham renascido para a inocência, a imortalidade, o conhecimento de Deus, a Fé e a Esperança. E se essas coisas não podem divergir entre si, pois também a Esperança é uma só, e Deus é único, único é o Senhor, e único o banho regenerador,quem poderia dizer que elas são unificadas mais pelo acordo de vontade que por própria natureza? E que, igualmente, só pela vontade são unificados os que renasceram para aqueles bens? Se, porém, foram, antes, regenerados para a natureza de uma mesma vida e eternidade, (pelo que seu coração e sua alma se faziam um Só), não podemos aqui falar de mera unidade moral: muitos são um Só na regeneração da mesma natureza. Não estamos falando de nós mesmos, nem arranjamos algumas citações falsificadas, corrompendo o sentido das palavras para iludir os nossos ouvintes. Mantendo a forma da sã doutrina, só acolhemos e prezamos o que é genuíno. O Apóstolo, em verdade, ensina, ao escrever aos Gálatas, que a unidade dos fiéis lhes vem da natureza dos sacramentos: "todos os que fostes batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo; não há mais nem gentio nem grego, servo nem livre, homem nem mulher: todos sois um só em Cristo Jesus". Se, pois, tantos são um só, apesar da grande diversidade de nações, condições e sexo, quem poderá supor que isso lhes vem do mero consenso moral? Não será, antes, da unidade do sacramento, um só batismo, onde todos se revestiram do único Cristo? Que vem aqui fazer a mera concórdia das vontades, quando eles são um só, precisamente porque se revestiram do Cristo único, mediante a realidade do batismo único? Quando diz a Escritura serem um só o que planta e o que rega, não é também porque, renascidos eles mesmos de um só batismo, constituem, por sua vez, um ministério único na administração do banho regenerador? Não fazem, porventura, a mesma coisa? Não são um só, em um só? Ora, os que são um só pela mesma coisa, são assim por natureza, não apenas por vontade. Tornaram-se um, e são, ao mesmo tempo, ministros da mesma coisa e do mesmo poder. Sirvo-me sempre das alegações opostas pelos tolos, para demonstrar sua tolice. E claro: sendo a verdade firme e imutável, tudo o que uma inteligência perversa e insensata arranja para contradizê-la, vindo em sentido oposto, há de aparecer forçosamente falso e estulto. Procurando enganar-nos os heréticos arianos com o texto que diz: "Eu e o Pai somos uma só ", aduziram também outra palavra do Senhor, para levar a que se pensasse (em vez da unidade de natureza e da não diversa divindade) numa simples união de mútuo amor e concórdia de vontades. E este o texto: "para que todos sejam um só; assim como tu, Pai, és em Mim e Eu em Ti, que eles também sejam um em Nós". Exclui-se, evidentemente, das promessas evangélicas quem se exclui da fé das mesmas. O crime da inteligência ímpia faz perder a esperança, que é simples. Ora, não ter o conhecimento daquilo que constitui o objeto da Fé, merece não castigo, mas prêmio, pois o maior estipêndio da Fé é esperarmos o que não conhecemos. A última loucura da impiedade é, ou não crer nas coisas que conhece, ou corromper o conhecimento do que deve crer. Mas ainda que a impiedade mude o sentido daquelas palavras, nem por isso perdem o verdadeiro significado. O Senhor roga ao Pai para que os que crerem nele sejam um só e, como ele mesmo está no Pai e o Pai nele, também sejam neles um só. Por que vens agora introduzir a simples concórdia, a unidade de alma e coração, fundada exclusivamente na harmonia das vontades? Seria assim, com plena propriedade da expressão, se o Senhor, ao dirigir-se ao Pai, tivesse usado termos como estes: Pai, assim como nós queremos uma só coisa, também eles queiram uma coisa, e sejamos todos um só pela concórdia das vontades... Terá acaso a própria Palavra ignorado a significação das palavras? Não saberá a Verdade dizer coisas verdadeiras? Falou com astúcia a Sabedoria? Aquele que é a Força terá sido incapaz de dizer o que queria? Ora, ele falou, enunciando os puros e verdadeiros mistérios da Fé evangélica. Nem se limitou a falar para só mostrar, mas ensinou à nossa Fé nestas palavras: "que todos sejam um só; assim como tu, Pai, és um em Mim e Eu em Ti, que eles também sejam um em nós". O pedido do Cristo é, primeiro, "para que todos sejam um só"; em seguida, mostra o modelo da unidade a seguir, nestas palavras: "assim como Tu, Pai, és em Mim e Eu em Ti, que eles sejam também um em Nós". Como o Pai está no Filho e o Filho no Pai, assim todos sejam um no Pai e no Filho, segundo o modelo e a forma da sua unidade! Mas porque só ao Pai e ao Filho compete a unidade por natureza (pois Deus não pode ser de Deus, nem o Unigênito provir do Pai eterno, senão na sua original natureza), assim também, para que se ressalve ao Filho a sua essência de origem e se reconheça à sua divindade a mesma verdade da Fonte de onde ela procede, eis que o Senhor, solícito em dissipar toda dúvida à nossa Fé, se apressa a ensinar-nos nas citadas palavras a natureza dessa absoluta unidade. Segue-se, pois: "a fim de que o mundo creia que Tu Me enviaste". O mundo vai crer na missão do Filho, se todos os que crerem Nele forem um no Pai e no Filho. E como serão, logo acrescenta: "e Eu lhes darei a glória que Tu me deste". Pergunto então se glória é o mesmo que "vontade". Vontade é inclinação da mente, glória é reflexo ou dignidade da natureza. Logo, o que o Filho deu aos seus fiéis não é vontade, mas glória, aquela que Ele recebeu do Pai. Se, com efeito, tivesse dado não glória, mas vontade, já nossa Fé não teria prêmio, pois estaria obrigada por uma vontade prefixada e não livre. A doação da glória constitui o bem indicado nas palavras que se seguem: "para que sejam um como Nós o Somos". É para que sejam todos um, que a glória por Ele recebida do Pai é dada aos crentes. São todos um só na glória concedida, pois não é outra a que Ele dá senão a que Ele recebe, nem para outro fim é dada senão para que todos sejam um. E, como pela glória dada pelo Filho aos fiéis, todos são um, pergunto como há de ter o Filho uma glória menor do que a do Pai, se aos próprios crentes a glória do Filho eleva à unidade da glória do Pai. Sem o aspecto da esperança humana, a palavra do Senhor será talvez insólita, mas seguramente não é infiel. Pois, embora fosse temerário esperar isso, seria irreligioso deixar de crer no Autor tanto da Fé quanto da esperança ali contida. Bem, trataremos melhor deste assunto a seu tempo. Por ora, baste-nos ver que nossa esperança não é vã ou temerária. Concluindo: todos são um pela glória que o Filho recebe do Pai e confere aos fiéis. Afirmo a Fé e ao mesmo tempo fico sabendo a causa da unidade. Só falta compreender melhor a razão por que essa glória dada ao cristão é capaz de fundar tal unidade. Não querendo o Senhor deixar algo incerto, referiu-se a um efeito da sua ação física, quando exclamou: "para que todos sejam um, como Nós Somos um Só. Eu neles e Tu em Mim para que sejam perfeitos na unidade". Tenho vontade de perguntar agora aos que pretendem existir entre Pai e Filho unidade puramente moral, se hoje o Cristo está em nós na verdade da natureza, ou numa simples concórdia de vontades. Se, com efeito, o Verbo se fez carne e, se na Ceia do Senhor nós tomamos verdadeiramente esse Verbo-carne, como não há de permanecer ele em nós fisicamente? Nascido homem, não assumiu, de modo inseparável, a natureza mesma de nossa carne? E no mistério do seu corpo, dado a nós em comunhão, não o juntou à natureza de sua carne sua divindade eterna? Logo, todos são um só, porque no Cristo está o Pai e em nós o Cristo. Quem nega que o Pai esteja fisicamente em Cristo, deve primeiro negar que ele mesmo esteja fisicamente em Cristo e o Cristo em si. É porque em Cristo está o Pai, e em nós o Cristo, que nós somos também feitos uma só coisa. Se é verdade que Cristo assumiu a carne de nosso corpo, e que o homem nascido de Maria é Cristo; se é verdade que nós recebemos em mistério a carne de seu corpo (e por isso mesmo seremos um, pois o Pai está Nele e Ele em Nós), como ousam asseverar uma unidade puramente moral, quando pelo sacramento a propriedade natural (da Carne assumida por Cristo e por nós comida) é mistério da perfeita unidade? Não se deve falar das coisas de Deus segundo o espírito do homem e do século. Nem numa pregação violenta e imprudente. Da pureza das palavras divinas devemos excluir a perversidade de um entendimento ímpio e estranho. Leiamos simplesmente o que está escrito e entendamos o que lermos: é o modo de exercitar a perfeita Fé. Tudo que dissermos da realidade física de Cristo em nós, ou foi dele mesmo que aprendemos, ou então é ímpio e estulto o que afirmamos. Mas ele mesmo diz: "Minha carne é verdadeiramente comida e Meu sangue verdadeiramente bebida. Quem come a Minha carne e bebe o meu sangue, fica em Mim e Eu nele". Quanto à verdade da carne e do sangue, não há lugar para dúvida: é verdadeiramente carne e verdadeiramente sangue, como vemos pela própria declaração do Senhor e por nossa Fé em suas palavras. Esta carne, uma vez comida, e este sangue, bebido, fazem que sejamos também nós um em Cristo, e o Cristo em nós. Não é isto verdade? Não o será para os que negam ser Jesus Cristo verdadeiro Deus! Ele está, pois, em nós por sua carne e nós Nele, e ao mesmo tempo o que nós somos está com Ele em Deus. Jesus mesmo atesta quão realmente estejamos Nele pelo mistério da comunhão de sua carne e sangue, dizendo: "o mundo já não Me Vê; vós, porém, Me vereis, pois, Eu vivo e vós vivereis; pois Eu estou no Pai e vós em Mim, e Eu em vós". Se tencionou referir-se apenas a uma unidade de vontade, por que estabeleceu esta graduação e ordem na consumação da unidade? Não foi senão para que se cresse que Ele está em nós pelo mistério dos sacramentos, como está no Pai pela natureza da sua divindade, e nós Nele, por sua natureza corporal. Ensina-se, portanto, que pelo nosso Mediador se consuma a unidade perfeita, pois enquanto nós permanecemos Nele, Ele permanece no Pai, e, sem deixar de permanecer no Pai, permanece também em nós, e assim nós subimos até à unidade do Pai! Ele está no Pai fisicamente, segundo a origem de sua eterna natividade, e nós estamos Nele fisicamente, enquanto também está em nós fisicamente. Quão real seja esta unidade em nós, atesta-o, dizendo: "Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em Mim e Eu nele". Só aquele no qual o Senhor estiver poderá estar Nele. Ele somente assume a carne daquele que o receber. Já tinha o Senhor ensinado antes o mistério desta perfeita unidade, ao dizer: "Assim como Me enviou o Pai, que vive, e Eu vivo pelo Pai, o que comer a minha carne também viverá por Mim". Ele vive, pois, pelo Pai e do mesmo modo como vive pelo Pai nós vivemos por sua carne. Toda comparação, realmente, se emprega para determinar a forma que se quer dar a entender. Seu fim é fazer-nos atingir uma realidade segundo o modelo proposto. Esta é, pois, a causa de nossa vida: que, por sua carne, tenhamos o Cristo em nós. Nós somos corporais, mas destinados a viver por ele segundo a mesma condição em que ele vive pelo Pai. Se, portanto, vivemos por ele, fisicamente, segundo a carne, isto é, alcançando a natureza de sua carne mesma, como é que ele não tem fisicamente o Pai, segundo o espírito, se é pelo Pai que ele vive? Vive realmente pelo Pai; sua origem por geração não lhe confere uma natureza diversa, e é pelo Pai que é o que é, nunca se separando por qualquer dessemelhança sobrevinda. Por sua geração tem em si o Pai na força da mesma natureza.Se quisemos recordar tudo isto foi porque os hereges, afirmando falsamente uma simples unidade moral entre o Pai e o Filho usavam o exemplo de nossa própria unidade com Deus. Para eles, era como se, unidos ao Filho e ao Pai por mero vínculo de obséquio e vontade religiosa, estivéssemos excluídos de qualquer comunhão física pelo sacramento da carne e do sangue. Ora, a verdade é que, pela comunicação da própria honra do Filho e pela existência do próprio Filho em nós por sua carne, e de nós Nele, de modo corporal e inseparável, se tem de professar o mistério de uma unidade real e verdadeira.

"Oh Trindade eterna! Vós sois um mar sem fundo no qual, quanto mais me afundo, mais Vos encontro, e quanto mais Vos encontro, mais ainda Vos procuro. De Vós jamais se pode dizer: basta! A alma que se sacia nas Vossas profundidades, deseja-Vos sem cessar, porque sempre está desejosa de ver a luz na Vossa luz".
Santa Catarina de Sena

Leitura da Epístola

Timóteo II 4,1- 8
1 Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: 2 prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. 3 Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. 4 Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. 5 Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. 6 Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. 7 Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. 8 Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 5,13-19
13 Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha 15 nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. 16 Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. 17 Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. 18 Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei. 19 Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos céus.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 13 de janeiro de 2019

Festa Sagrada Família.

13/01 Domingo
Festa de Segunda Classe
Paramentos Brancos
 
http://guaxupe.org.br/wp-content/uploads/2015/12/icon-holy-family-high-quality-print-with-gold-cm20x25-8x10.jpg
  A Sagrada Família é o termo usado para designar a família de Jesus de Nazaré, composta segundo a Bíblia por José, Maria e Jesus. A sua festa foi estabelecida para toda Santa Igreja por Bento XV, a festa da Sagrada Família, instituída por Leão XIII, 1893 foi prescrita para o domingo na oitava da epifania. A festa tem importância muito atual por ser a família cristã ameaçada de ruiva pelo bolchevismo.
  
É um religioso canadense François de Laval , que é a origem do culto da Sagrada Família. Em 1660 , o mosteiro de São José Bessillon relatou os milagres de São José e de Santa Maria e da paróquia de Sainte-Famille no Ile d'Orleans foi fundada em 1661. 
  Em 1665 , François de Laval fundou a Confraria da Sagrada Família , uma irmandade que ainda existe em algumas paróquias do Canadá. Este culto é então derramado na Igreja Católica no século XIX , com o apoio do Papa Leão XIII .No calendário litúrgico Tridentino , a Sagrada Família é celebrada no primeiro domingo depois da Epifania , no final da época de Natal.

Sagrada Familia abençoai e fortalecei as familias nas virtudes cristãs.

Leitura da Epístola

Colossenses 3, 12-17
12 Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. 13 Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. 14 Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. 17 Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.


Sequência do Santo Evangelho
 
São Lucas 2,42-52
42 Tendo ele atingido doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. 43 Acabados os dias da festa, quando voltavam, ficou o menino Jesus em Jerusalém, sem que os seus pais o percebessem. 44 Pensando que ele estivesse com os seus companheiros de comitiva, andaram caminho de um dia e o buscaram entre os parentes e conhecidos. 45 Mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém, à procura dele. 46 Três dias depois o acharam no templo, sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 47 Todos os que o ouviam estavam maravilhados da sabedoria de suas respostas. 48 Quando eles o viram, ficaram admirados. E sua mãe disse-lhe: Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição. 49 Respondeu-lhes ele: Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai? 50 Eles, porém, não compreenderam o que ele lhes dissera. 51 Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração. 52 E Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

13 de janeiro dia de Santa Glafira, Virgem.

  Santa Glafira, Virgem(324D.C), de origem italiana e nasceu de pais cristãos, foi dedicada ao serviço da casa do imperador Licínio. Este irmão, de Constantino, o palácio seria expulsar todos os cristãos, mas, seduzidos pela beleza de Glafira, ele queria possui-la. Glafira, depois de ter resistido a ele, sabendo destas tentativa a Constancia Imperatriz Augusta ajudou Glafira a fugir disfarçondoa de homem e foi capaz de deixar o palácio. Ela foi colocado sob a proteção de Basílio, bispo de Pontus Amasea.
Licínio veio a conhecer o Glafira esconderijo. Furioso, ele deu ordens para trazer a menina do bispo, seu protetor, em cadeias. Mas antes dessa ordem poderia ser executado, Deus havia tirado a vida de seu servo fiel.
O nome aparece na Glafira Martirológio Romano dia 13 de janeiro.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário