domingo, 12 de julho de 2020

Sexto Domingo depois de Pentecoste

12/07  Domingo 
Festa de Segunda Classe
Paramentos Verdes

Leitura da Epístola dos 

Romanos 6,3-11                                                                            
3.Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte?4.Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova.5.Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição.6.Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que seja reduzido à impotência o corpo (outrora) subjugado ao pecado, e já não sejamos escravos do pecado.7.(Pois quem morreu, libertado está do pecado.)8.Ora, se morremos com Cristo, cremos que viveremos também com ele,9.pois sabemos que Cristo, tendo ressurgido dos mortos, já não morre, nem a morte terá mais domínio sobre ele.10.Morto, ele o foi uma vez por todas pelo pecado; porém, está vivo, continua vivo para Deus!11.Portanto, vós também considerai-vos mortos ao pecado, porém vivos para Deus, em Cristo Jesus

Sequência do Santo Evangelho

São Marcos 8,1-9
1.Naqueles dias, como fosse novamente numerosa a multidão, e não tivessem o que comer, Jesus convocou os discípulos e lhes disse:2.Tenho compaixão deste povo. Já há três dias perseveram comigo e não têm o que comer.3.Se os despedir em jejum para suas casas, desfalecerão no caminho; e alguns deles vieram de longe!4.Seus discípulos responderam-lhe: Como poderá alguém fartá-los de pão aqui no deserto?5.Mas ele perguntou-lhes: Quantos pães tendes? Sete, responderam.6.Mandou então que o povo se assentasse no chão. Tomando os sete pães, deu graças, partiu-os e entregou-os a seus discípulos, para que os distribuíssem e eles os distribuíram ao povo.7.Tinham também alguns peixinhos. Ele os abençoou e mandou também distribuí-los.8.Comeram e ficaram fartos, e dos pedaços que sobraram levantaram sete cestos.9.Ora, os que comeram eram cerca de quatro mil pessoas. Em seguida, Jesus os despediu.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

12 de julho dia de São João Gualberto, Abade.

São João Gualberto, pertencia a uma família nobre e segundo filho dos Visdonini, nasceu no ano de 995 em Florença. Foi educado num dos castelos dos pais, Gualberto e dona Villa, nobres e cristãos. A mãe cuidou do ensino no seguimento de Cristo. O pai os fez perfeitos cavaleiros, hábeis nas palavras e nas armas, para administrar e defender o patrimônio e a honra da família. Mas a harmonia acabou quando o primogênito da família foi assassinado. Buscando vingar o irmão Ugo; João Gualberto saía armado e com seus homens à procura do inimigo o assassino e assume com determinação e obstinação o empenho de vingar e defender a honra ultrajada de sua família. Depois de ter procurado exaustivamente em varios os lugares, foi encontrá-lo numa Sexta-feira Santa de 1028,  único dia em que a Igreja não realiza o Santo Sacrifício da Missa, mas que foi uma ocasião em que João Gualberto, mas foi surpreendido pelo inimigo pedindo clemência e de conservação da vida, em nome do Cristo que naquele dia a Igreja venerava no mistério cruz.Naquele estante João Gualberto sacrificou o sua violenta e vingança, unindo-se aos mistérios da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, que no seu infinito amor perdoou seus crucifica dores de forma determinantes para esse contexto da vida deu sua abertura e ação de graça divina que lhe fortaleceu na renúncia ao instinto de ira e vingança. Esse pedido tocou-lhe profundamente o interior, como se fosse uma espada a penetrar-lhe a alma, de modo que João Gualberto após instantes de silêncio e de profunda introspecção, como que num êxtase místico, contempla o sentido supremo da linguagem da cruz, do gesto de Cristo na cruz, que morrendo clama ao Pai dizendo: “Pai, perdoa-lhes...” (Lc 23,34). João Gualberto depõe a espada e abraça o seu inimigo, permanecendo, alguns instantes em comoção de lágrimas  ele seguiu o exemplo do Mestre.Em seguida, foi à igreja de São Miniato, onde, aos pés do altar, ajoelhou-se diante do crucifixo de Jesus. Diz a tradição que a cruz do Cristo se inclinou sobre ele, em sinal de aprovação pelo seu ato. E foi ali que João Gualberto ouviu o chamado: "Vem e segue-me". Depois desse prodígio, ocorrido na presença de muitos fiéis, uma grande paz invadiu sua alma e ele abandonou tudo para ingressar no mosteiro beneditino da cidade  e se tornou monge. Em 1035, com a morte do abade, ele foi eleito por unanimidade o sucessor, mas renunciou de imediato quando soube que o monge tesoureiro havia subornado o bispo de Florença para escolhê-lo como o novo abade.
Indignado, passou a denunciá-los e combate-los, auxiliado por alguns monges. Mas as ameaças eram tantas que decidiu sair do mosteiro João Gualberto foi para a floresta dos montes Apeninos, numa pequena casa rústica encontrada na montanha Vallombrosa, sobre o verde Vale do Arno, seguido por alguns monges. O local começou a receber inúmeros jovens em busca de orientação espiritual, graças à fama de sua santidade. Foi assim que surgiu um novo mosteiro e uma nova congregação religiosa, para a qual João Gualberto quis manter as Regras dos monges beneditinos. Fundou em Vallombrosa um ramo novo da ordem de São Bento e combateu, pelo bom exemplo e pela pregação, a decadência do Clero de sua época.
Basílica de São Miniato (Florença), e lá movido por um profundo desejo contato com Deus através da oração, entrega-se ao Cristo crucificado.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

sábado, 11 de julho de 2020

Nossa Senhora no Sábado

11/07 Sábado
Festa de Quarta Classe
Paramentos Brancos 

Epístola extraída do

Eclesiástico 24, 14-16
14 Desde o início, antes de todos os séculos, ele me criou, e não deixarei de existir até o fim dos séculos; e exerci as minhas funções diante dele na casa santa. 15 Assim fui firmada em Sião; repousei na cidade santa, e em Jerusalém está a sede do meu poder. 16 Lancei raízes no meio de um povo glorioso, cuja herança está na partilha de meu Deus; e fixei minha morada na assembléia dos santos. 

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 11, 27-28 
27 Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! 28 Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam! 

 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

sexta-feira, 10 de julho de 2020

10 de julho dia dos Sete irmãos Martires, Santa Rufina e Secunda.

10/07 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos


  Santos Sete Irmãos (séc. II) + Roma - mártires Felicidade, uma romana mãe de sete filhos, era uma cristã fervorosa em uma época onde a perseguição aos cristãos era gratuita e sem trégua. Seus sete filhos foram criados dentro da fé cristã, as quais professavam e faziam de sua casa um ponto de encontro comunitário. Não tardou para que os soldados do imperador descobrissem o local e prendessem toda a família. Como não foram demovidos de sua fé, todos foram torturados e mortos sob formas terríveis. Santificando minha vi da: Os sete irmãos santos são exemplos de firmeza de fé, como todos os mártires. Defendo a fé que proclamo quando sou exposta a questionamentos ou a pressões. Estes sete irmãos — Januário, Felipe, Félix, Silvano, Alexandre, Vital e Marcial Januário, após ser açoitado com varas e ter padecido no cárcere, foi morto com flagelos chumbados. Félix e Filipe foram espancados e mortos a cacetadas. Silvano foi jogado num precipício. Alexandre, Vidal e Marcial foram decapitados. 

Apesar de saberem que sofreriam muito antes de morrer, todos mantiveram a firmeza na fé e não renegaram o Cristo  exortados por sua mãe Santa Felicidade, enfrentaram o martírio sob o imperador Antonino.


Santa Rufina e Segunda irmãs são duas santas mártires realmente existiu em Roma, eles são registrados em inúmeros documentos e seguras, como o "Martirológio Geronimiano ', os romanos' Routes ', o' Notícias 'William de Malmesbury, também são mencionados no famoso' Calendário Marmoreo 'de Nápoles, e finalmente no' Roman Martirológio 'que celebra tanto a 10 de julho.
A "paixão" antiga cheia na segunda metade do quinto século, coloca o martírio no tempo de Valeriano e Galieno, em 260 AC., E seguindo as narrativas hagiográficas de 'paixões' outros de pares famosos mártires romanos, tanto são apresentadas como irmãs e namoradas com dois jovens cristãos Verino Armentario e Archesilao.
Após perseguição os recorrentes contra os cristãos, os dois jovens envolvidos apostatou e, em seguida, as duas meninas prometeram virgindade a Nosso Senhor Jesus Cristo. Os dois jovens, tentou induzi-los a apostatar para continuar o suas pretenções de casamento, mas diante da negação da Segunda e Rufina, a Archesilao denunciou o conde, que se juntou a eles na milha catorze do Flaminia, enquanto elas tentaram escapar de seus perseguidores, que passou de Roma, e os entregou para o prefeito Donato Junius, que os documentos antigos mostram ser "praefectus Urbis 'em 257.
Tal como acontece com tantos mártires daquela época, as duas irmãs foram submetidas a pressões, interrogadores para apostatar e assim aceitarem as propostas de casamento, mas o rosto de sua resistência e recusa, o prefeito não teve outra escolha senão ordenar a sua morte.
Então ele levou o X milhas Archesilao da Cornelia Via em um fundo chamado Buxo (hoje Boccea) onde Rufina foi decapitada, enquanto a Segunda foi espancada até a morte.
Os corpos, como de costume, jogados às feras foram abandonados, mas certa matrona romana chamada Plautilla, que foi avisada em sonho e indicando o local do martírio e depois recolheu os corpos das mártires enterraram na a perto de seu martírio, e no mesmo sonho convidando-a Plautilla para converter-se.
O deserto de seu martírio, que foi chamado de "negra", em memória dos mártires e Rufina martírio segundo e subsequentes no mesmo lugar do santos Marcelino e Pedro.
Em seus túmulos, tão cedo quanto o século IV a basílica foi construída pelo Papa Júlio I (341-353), depois restaurada pelo Papa Adriano I (772-795), enquanto o Papa Leão IV (847-855), enriquecida com presentes.
A partir do século V toda a região do 'Lorium' a vila imperial que incluiu a Basílica das duas mártires, teve seu próprio bispo, que em 501 foi subscrito "episcopus Silvae Candidae" e mais tarde como "episcopus Sanctae Rufinae".
No tempo do Papa Calisto II (1119-1124) a diocese estava unida com a de Porto e foi chamado suburbicária de Porto e Rufina Santa. Papa Anastácio IV (1153-1154) fez mover seus corpos no Batistério de Latrão, no altar do átrio esquerdo, do lado oposto ao do ss. Cipriano e Justina, onde se encontram ainda, enquanto a antiga basílica na Via Cornelia, estava em ruínas e ainda não é capaz de identificar com precisão os restos.


Leitura da Epístola dos 

Provérbios 31,10-31                                                                                                                

10.Uma mulher virtuosa, quem pode encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor.11.Confia nela o coração de seu marido, e jamais lhe faltará coisa alguma.12.Ela lhe proporciona o bem, nunca o mal, em todos os dias de sua vida.13.Ela procura lã e linho e trabalha com mão alegre.14.Semelhante ao navio do mercador, manda vir seus víveres de longe.15.Levanta-se, ainda de noite, distribui a comida à sua casa e a tarefa às suas servas.16.Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos.17.Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços.18.Alegra-se com o seu lucro, e sua lâmpada não se apaga durante a noite.19.Põe a mão na roca, seus dedos manejam o fuso.20.Estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente.21.Ela não teme a neve em sua casa, porque toda a sua família tem vestes duplas.22.Faz para si cobertas: suas vestes são de linho fino e de púrpura.23.Seu marido é considerado nas portas da cidade, quando se senta com os anciãos da terra.24.Tece linha e o vende, fornece cintos ao mercador.25.Fortaleza e graça lhe servem de ornamentos; ri-se do dia de amanhã.26.Abre a boca com sabedoria, amáveis instruções surgem de sua língua.27.Vigia o andamento de sua casa e não come o pão da ociosidade.28.Seus filhos se levantam para proclamá-la bem-aventurada e seu marido para elogiá-la.29.Muitas mulheres demonstram vigor, mas tu excedes a todas.30.A graça é falaz e a beleza é vã; a mulher inteligente é a que se deve louvar.31.Dai-lhe o fruto de suas mãos e que suas obras a louvem nas portas da cidade.



Sequência do Santo Evangelho
                                                                                                        

São Mateus 12,46-50                                                                                                    

46.Jesus falava ainda à multidão, quando veio sua mãe e seus irmãos e esperavam do lado de fora a ocasião de lhe falar.47.Disse-lhe alguém: Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te.48.Jesus respondeu-lhe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?49.E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: Eis aqui minha mãe e meus irmãos.50.Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.


 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quinta-feira, 9 de julho de 2020

09 de julho dia de Santos Mártires de Gorkum. (Século XVI)

 09/07 Quinta-feira
Festa de Quarta Classe 
Paramentos Verdes
Quando  no século XVI as heresias  de Lutero e Calvino conseguiram insinuar-se na Holanda, lá, como na Alemanha e  na Suíça,  foram causadores de  graves distúrbios.  Os calvinistas rebelaram-se contra  o governo do rei Filipe II e, chefiados pelo  príncipe de Orange, tomaram  à força armada algumas  cidades, entre estas a  de Gorkum.O governador retirou-se  para o castelo em companhia de alguns católicos, dois párocos, onde frades franciscanos e alguns sacerdotes seculares.  Os calvinistas, senhores que se fizeram  da  cidade, forçaram o castelo  à  rendição.   Esta se efetuou sob a condição, porém,  de ser  garantido  livre  egresso a todos.  Os calvinistas, desprezando esta combinação, aprisionaram o comandante, todos  os clérigos  e dois cidadãos, dos quais um foi enforcado imediatamente. Os sacerdotes eram de preferência alvo do furor  calvinista.  Maus  tratos  revezavam com ameaças de morte e  finalmente  foram todos metidos num calabouço subterrâneo.  No dia  de  sexta-feira, lhes deram carne a  comer. Querendo eles, porém, observar a  abstinência, tiveram de suportar  toda a  sorte de sofrimentos e  injúrias.                   
Ergueram em sua presença uma força  ameaçando-os  com a morte, se não quisessem  negar a fé  no Santíssimo  Sacramento.  Ao vigário,  padre Nicolau Van Poppel um dos bandidos pôs a  arma na testa e  berrou  aos  ouvidos:  “Anda,  padre! Como é?  Tantas vezes declaraste no púlpito que estavas  pronto a  dar a vida  pela fé. Pois  então, dize! Estás mesmo  disposto?”    O padre respondeu: “Dou a minha  vida com muito prazer, se é  em testemunho da  minha  fé e  principalmente do artigo por vós  rejeitado, o da presença  real  de  Jesus  no  Santíssimo Sacramento”.  Perguntado pelos tesouros, que supunham  estarem escondidos  no castelo, padre Nicolau não soube dar informações  a respeito. O calvinista lançou-lhe então uma corda  ao pescoço, puxou-o de  um lado para o outro, até que caiu como morto.    


Chegara a vez  dos franciscanos.  Ao frei Nicásio Pick puseram o mesmo cordão ao pescoço, arrastaram-no à porta do cárcere.  Lá chegando,  meteram a  corda por cima da  porta e puxando com força, suspenderam a vítima  a  altura considerável, para imediatamente deixarem cair.  Isto praticaram com   diabólico prazer.  Afinal a  corda  rebentou e  o pobre padre caiu pesadamente ao chão, sem mais dar sinal de vida.  Para  verificar se  estava  vivo ou morto, os soldados trouxeram  velas, queimaram-lhe a testa, o nariz, as pálpebras, as orelhas,  a  boca e finalmente a língua. Como o padre não desse  mais sinal de vida, deram-lhe pontapés e  disseram com ar de desprezo:  ” É  um frade, que importa?”  Mas  o padre não estava morto, tanto que no dia seguinte os  bandidos tiveram sua satisfação de poder continuar as crueldades.Durante toda a noite  os padres  estiveram entregues  à  sanha daqueles demônios em figura  humana. Não havia nada que  abrandasse o  furor  dos  endiabrados hereges.  Davam  bofetadas  nos  religiosos, com tanta força e brutalidade, que lhes corria  o sangue pelo nariz e pela boca. O padre  Willehad, um venerável  ancião de  noventa anos, repetia a cada  bofetada  que recebia, a   jaculatória: “Deus seja louvado!”  Os algozes, sentindo-se fatigados de  tanto bater, ajoelhavam-se  diante dos padres e  entre risos de escárnio, arremedavam a confissão, proferindo nesta ocasião obscenidades e  blasfêmias  horríveis e  asquerosas. Em outra ocasião,  amarraram os  religiosos  dois  a  dois e  obrigaram-nos a  andarem em fila, imitando a procissão e  a  cantar o “Te Deum” e  tudo isto sob  a  algazarra  satânica da  soldadesca desenfreada.  Depois puseram dados nas mãos das vítimas para  assim.  à  guisa do jogo,  tirar  a  sorte quem  deles  primeiro havia de  subir  à forca.  O padre Guardião exclamou:  “Não se faz mister de jogo,  estou pronto, porque já passei por esta delícia” Os católicos de Gorkum envidaram todos os esforços para libertar os prisioneiros. Para este  fim, dirigiram  uma petição ao príncipe de Orange.   Os calvinistas  suspeitando  qualquer  reação, tiraram aos  franciscanos o  hábito e  despacharam-nos, com outros  sacerdotes, na noite de  5 a 6 de julho, para Briel, à residência do  clerofobo conde  Lumam von  Marc. A pena se nega  a  fazer a  descrição de  tudo que aqueles religiosos tiveram de sofrer, dos verdugos e  do populacho fanático.  Em  Dordrecht estava  à  espera um navio, que devia levá-los até Briel. Antes  do embarque, um bando de calvinistas arrastou os mártires a  um lugar perto do rio, onde estava  aparelhada uma forca.   Como cães  raivosos, atiraram-se sobre as pobres vítimas e  o ar  encheu-se de insultos  e vitupérios como estes:  “Eis  aí a vossa Igreja! Ide, rezai a vossa Missa”.   Em seguida, obrigaram-nos a  passarem três  vezes em volta da força, sendo a  última vez com  os joelhos no chão, sob o  canto da “Salve Rainha”. Enquanto os religiosos  se puseram a obedecer esta  ordem ridícula  e  estapafúrdia, choviam-lhes  bengaladas e pedradas  às  costas.  O padre vigário Jerônimo  de  Weert,  vendo estas indignidades, não mais se conteve  e  disse: “Que estou presenciando? Estive  entre turcos e  infiéis, mas coisa  igual a esta eu nunca vi!”  Finalmente o triste cortejo chegou a Briel. Lá o esperava o conde  Lumm, com dois  pregadores da seita e  alguns magistrados. Todos  se  empenharam  para conseguir  dos  prisioneiros  a  renúncia à  fé, em particular ao dogma  da real presença de Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento. Foram baldados os esforços. Os mártires unanimemente rejeitaram as  propostas  feitas e  preferiram  continuar na prisão.  O cárcere  que os recebeu, era  uma pocilga imundíssima. Uma ordem do príncipe de Orange, de por  em liberdade  os prisioneiros, não foi cumprida. O conde Lumm, embriagado de  ódio e  vinho, mandou-os  levar, alta noite, às  ruínas do convento Rugem, que pouco antes tinha sido incendiado pelos calvinistas.  Restara  ainda o celeiro.  O padre Guardião foi lá mesmo enforcado, depois de ter animado os irmãos  à  constância.  Depois  deles, foram estrangulados todos os companheiros. O fanatismo dos  calvinistas nem respeitou os cadáveres dos mártires.  Cortaram-lhes o nariz, as orelhas e levaram-nos como  troféus de vitória nos capacetes e chapéus. Os católicos resgataram por muito dinheiro  os  corpos dos santos irmãos e  transportaram-nos para Bruxelas.  Clemente X beatificou-os  em  1674 e Pio IX  elevou-os  à  categoria de  Santos, no ano de  1867. 




Eis os  nomes dos  gloriosos mártires de Gorkum: 






Onze deles eram franciscanos: - Nicolau Pieck, Jerônimo de Werder, Thierry de Embden, Nicário Jonhson, Wilhade de Dinamarca, Godofredo de Merveille, Antônio de Werden, Antônio de Harnário, Francisco Rodes de Bruxelas, Pedro de Asca no Brabante e Cornélio de Dorestante, no território de Ultrecht. Um dominicano, João de Colônia dois nobertinos ou premonstratenses, Adriano Janszen e Tiago Lacops João Lenartsz, que era cônego regular de Santo Agostinho e quatro padres seculares. Foram beatificados em 1675 e canonizados em 1867.


Leitura da Epístola dos 

Romanos 8,18-23
18 Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada. 19 Por isso, a criação aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus. 20 Pois a criação foi sujeita à vaidade (não voluntariamente, mas por vontade daquele que a sujeitou), 21 todavia com a esperança de ser também ela libertada do cativeiro da corrupção, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus. 22 Pois sabemos que toda a criação geme e sofre como que dores de parto até o presente dia. 23 Não só ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a redenção do nosso corpo.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 5,1-11
1 Estando Jesus um dia à margem do lago de Genesaré, o povo se comprimia em redor dele para ouvir a palavra de Deus. 2 Vendo duas barcas estacionadas à beira do lago, - pois os pescadores haviam descido delas para consertar as redes -, 3 subiu a uma das barcas que era de Simão e pediu-lhe que a afastasse um pouco da terra; e sentado, ensinava da barca o povo. 4 Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar. 5 Simão respondeu-lhe: Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos; mas por causa de tua palavra, lançarei a rede. 6 Feito isto, apanharam peixes em tanta quantidade, que a rede se lhes rompia. 7 Acenaram aos companheiros, que estavam na outra barca, para que viessem ajudar. Eles vieram e encheram ambas as barcas, de modo que quase iam ao fundo. 8 Vendo isso, Simão Pedro caiu aos pés de Jesus e exclamou: Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador. 9 É que tanto ele como seus companheiros estavam assombrados por causa da pesca que haviam feito. 10 O mesmo acontecera a Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram seus companheiros. Então Jesus disse a Simão: Não temas; doravante serás pescador de homens. 11 E atracando as barcas à terra, deixaram tudo e o seguiram.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 8 de julho de 2020

08 de julho dia de Santa Isabel Rainha de Portugal, Rainha e Viúva.

08/07 Quarta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
 

     A Cruz e os espinhos do meu Senhor são o meu cetro e a minha coroa".

  Isabel de Aragão nasceu no palácio de Aljaferia, na cidade de Saragoça, onde reinava o seu avô paterno D. Jaime I. Era filha de D. Pedro, futuro D. Pedro III, e de D. Constança de Navarra. A princesa recebeu o nome de Isabel por desejo de sua mãe em recordação de sua tia Santa Isabel da Hungria, duquesa de Turíngia. O seu nascimento veio acabar com as discórdias na corte de Aragão, pelo que o seu avô lhe chamava “rosa da casa de Aragão”.
As virtudes da sua tia-avó viriam a servir-lhe de modelo e desde muito nova começou a mostrar gosto pela meditação, rezas e jejum, não a atraindo os divertimentos comuns das raparigas da sua idade. Isabel não gostava de música, passeios, nem jóias e enfeites, vestia-se sempre com simplicidade.
  A infanta D. Isabel tornara-se conhecida em beleza discrição e santidades. As suas virtudes levaram muitos príncipes apresentavam-se a D. Pedro como pretendentes à mão da sua admirável filha. Os pais escolheram o mais próximo, D. Dinis, herdeiro do trono de Portugal, que era também o mais dotado de qualidades. Isabel estava mais inclinada a encerrar-se num convento, no entanto, como era submissa, viu no pedido dos pais, a vontade do céu. Foram assinadas a 11 de Fevereiro de 1282 as bases do contrato de casamento, e o matrimónio realizou-se na vila de Trancoso, no dia de S. João Baptista de 1282. Nos primeiros tempos de casada acompanhava o marido nas suas deslocações pelo país e com a sua bondade conquistou a simpatia do povo. Dava dotes a raparigas pobres e educava os filhos de cavaleiros sem fortuna.
   Isabel deu ao rei dois filhos: Constância, futura rainha de Castela e Afonso, herdeiro do trono de Portugal. As numerosas aventuras extraconjugais do marido humilhavam-na profundamente. Mas Isabel mostrava-se magnânima no perdão criando com os seus também os filhos ilegítimos de Dinis, aos quais reservava igual afecto. Entre seus familiares, constantemente em luta, desempenhou obra de pacificadora, merecendo justamente o apelido de anjo da paz. Desempenhou sempre o papel de medianeira entre o rei e o seu irmão D Afonso, bem como entre o rei e o príncipe herdeiro. Por sua intervenção foi assinada a paz em 1322.
  A sua vida será marcada por quatro virtudes fundamentais: a piedade, a caridade, a humildade e a inquietude pela paz. Tornou-se uma mulher de grande piedade conservando em sua vida a prática da oração e a meditação da Palavra de Deus. Buscou sempre a reconciliação e a paz entre as pessoas, as famílias e até entre nações.
   Há tempo não se falavam, porque esse rei de Aragão não aprovava o casamento de seu filho Pedro com Dona Constança. Apenas nasceu a santa menina, foram-se apagando as desavenças domésticas e houve grande harmonia naquela casa real.
  O destemido avô não ocultava sua grande predileção por essa criança e fez questão de que ela fosse educada em seu palácio, para poder gozar de sua companhia. A razão mais profunda pela qual não queria separar-se dela era o sensível influxo de bênçãos e a suavidade que emanavam de sua pessoa. Num ambiente carregado de tensões e pesados encargos, aquele precioso tesouro dulcificava os corações. Após o falecimento de Jaime I, a infanta permaneceu ainda alguns anos com seus pais. Muito em breve ela se tornaria rainha de Portugal.
  D. Isabel costumava dizer “Deus tornou-me rainha para me dar meios de fazer esmolas.” Sempre que saía do paço era seguida por pobres e andrajosos a quem sempre ajudava.
    Após a morte de seu marido, entregou-se inteiramente às obras assistenciais que havia fundado, não podendo vestir o hábito das clarissas e professar os votos no mosteiro que ela mesma havia fundado, fez-se terciária franciscana, após ter deposto a coroa real no santuário de São Tiago de Compostela e haver dado seus bens pessoais aos necessitados. Fixou residência em Coimbra, junto ao convento de Santa Clara, nos Paços de Santa Ana, de que faria doação ao convento. Mandou edificar o hospital de Coimbra junto à sua residência, o de Santarém e o de Leiria para receber enjeitados.
    Viveu uma profunda caridade sendo sempre sensível às necessidades dos pobres. Viveu o resto da vida em pobreza voluntária, dedicada aos exercícios de piedade e de mortificações.
       O povo criou à sua volta uma lenda de santidade, atribuindo-lhe diversos milagres e a santa foi canonizada em 1625.
    Foram atribuídos muitos milagres, como a cura da sua dama de companhia e de diversos leprosos. Diz-se também que fez com que uma pobre criança cega começasse a ver e que curou numa só noite os graves ferimentos de um criado. No entanto o mais conhecido é o milagre das rosas.
 Diz a tradição, durante o cerco de Lisboa, D. Isabel estava a distribuir moedas de prata para socorrer os necessitados da zona de Alvalade, quando o marido apareceu. O rei perguntou-lhe: “O que levais aí, Senhora?” Ao que ela, com receio de desgostar a D. Dinis, e, como que inspirada pelo céu respondeu: Levo rosas senhor....” E, abrindo o manto, perante o olhar atónito do rei, não se viram moedas, mas sim rosas encarnadas e frescas.

    Isabel faleceu a 4 de Julho de 1336, deixando em testamento grandes legados a hospitais e conventos.


Leitura da Epístola dos 

Provérbios 31,10-31 
0 Uma mulher virtuosa, quem pode encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor. 11 Confia nela o coração de seu marido, e jamais lhe faltará coisa alguma. 12 Ela lhe proporciona o bem, nunca o mal, em todos os dias de sua vida. 13 Ela procura lã e linho e trabalha com mão alegre. 14 Semelhante ao navio do mercador, manda vir seus víveres de longe. 15 Levanta-se, ainda de noite, distribui a comida à sua casa e a tarefa às suas servas. 16 Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos. 17 Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços. 18 Alegra-se com o seu lucro, e sua lâmpada não se apaga durante a noite. 19 Põe a mão na roca, seus dedos manejam o fuso. 20 Estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente. 21 Ela não teme a neve em sua casa, porque toda a sua família tem vestes duplas. 22 Faz para si cobertas: suas vestes são de linho fino e de púrpura. 23 Seu marido é considerado nas portas da cidade, quando se senta com os anciãos da terra. 24 Tece linha e o vende, fornece cintos ao mercador. 25 Fortaleza e graça lhe servem de ornamentos; ri-se do dia de amanhã. 26 Abre a boca com sabedoria, amáveis instruções surgem de sua língua. 27 Vigia o andamento de sua casa e não come o pão da ociosidade. 28 Seus filhos se levantam para proclamá-la bem-aventurada e seu marido para elogiá-la. 29 Muitas mulheres demonstram vigor, mas tu excedes a todas. 30 A graça é falaz e a beleza é vã; a mulher inteligente é a que se deve louvar. 31 Dai-lhe o fruto de suas mãos e que suas obras a louvem nas portas da cidade.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 13,44-52     
44 O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo. 45 O Reino dos céus é ainda semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas. 46 Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra. 47 O Reino dos céus é semelhante ainda a uma rede que, jogada ao mar, recolhe peixes de toda espécie. 48 Quando está repleta, os pescadores puxam-na para a praia, sentam-se e separam nos cestos o que é bom e jogam fora o que não presta. 49 Assim será no fim do mundo: os anjos virão separar os maus do meio dos justos 50 e os arrojarão na fornalha, onde haverá choro e ranger de dentes. 51 Compreendestes tudo isto? Sim, Senhor, responderam eles. 52 Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário
 

terça-feira, 7 de julho de 2020

Dia 07 dejulho,São Cirilo e São Metódio, Bispos e Confessores

07/07 Terça-feira
Festa de Terceira Classe 
Paramentos Brancos
Dois irmãos, unidos pelo sangue pela fé solidada. A vida desses dois santos, exemplos de testemunho de firmeza em suas vidas apostólicas.

São Cirilo
Constantino nasceu em 826 na Tessalonica, atualmente Salonico,Grécia. Seu pai era Leão, um rico juiz grego, que teve sete filhos. Constantino o caçula e Miguel o mais velho, que mudaram o nome para Cirilo e Metódio respectivamente, ao abraçarem a vida religiosa. 

Cirilo tinha catorze anos quando o pai faleceu. Um amigo da família, professor Fócio, que mais tarde ajudou seu irmão acusado de heresia, assumiu a educação dos órfãos em Constantinopla, capital do Império Bizantino. Cirilo aproveitou para aprender línguas, literatura, geometria, dialética e filosofia. De inteligência brilhante, se formou em tudo. 

Rejeitando um casamento vantajoso, ingressou para a vida espiritual, fazendo votos particulares, se tornou bibliotecário do ex-patriarca. Em seguida foi cartorário e recebeu o diaconato. Mas sentiu necessidade de se afastar, indo para um mosteiro, em Bosforo. Seis meses depois foi descoberto e designado para lecionar filosofia. Em seguida, convocado como diplomata para a polêmica questão sobre o culto das imagens junto ao ex-patriarca João VII, o Gramático. Depois foi resolver outra questão delicada junto aos árabes sarracenos que tratava da Santíssima Trindade. Obteve sucesso em ambas.

Seu irmão mais velho, que era o prefeito de Constantinopla, abandonou tudo para se dedicar à vida religiosa. Em 861, Cirilo foi se juntar a ele, numa missão evangelizadora, a pedido do imperador Miguel III, para atender o rei da Morávia. Este rei precisava de missionários que conhecessem a língua eslava, pois queria que o povo aprendesse corretamente a religião. Os irmãos foram para Querson aprender hebraico e samaritano. 

Nesta ocasião, Cirilo encontrou um corpo boiando, que reconheceu ser o papa Clemente I, que tinha sido exilado de Roma e atirado ao mar. Conservaram as relíquias numa urna, que depois da missão foi entregue em Roma. Assim, Cirilo continuou estudando o idioma e criou um alfabeto, chamado "cirílico", hoje conhecido por "russo". Traduziu a Bíblia, os Livros Sagrados e os missais, para esse dialeto. Alfabetizou a equipe dos padres missionários, que começou a evangelizar, alfabetizar e celebrar as missas em eslavo. 

Isto gerou uma grande divergência no meio eclesiástico, pois os ritos eram realizados em grego ou latim, apenas. Iniciando o cisma da Igreja, que foi combatido pelo então patriarca Fócio com o reforço de seu irmão. Os dois foram chamados por Roma, onde o papa Adriano II, solenemente recebeu as relíquias de São Clemente, que eles transportavam. Conseguiram o apoio do Sumo Pontífice, que aprovava a evangelização e tiveram os Livros traduzidos abençoados. 

Mas, Cirilo que estava doente, piorou. Pressentido sua morte, tomou o hábito definitivo de monge e o nome de Cirilo, cinqüenta dias depois, faleceu em Roma no dia 14 de fevereiro de 868. A celebração fúnebre foi rezada na língua eslava, pelo papa Adriano II, sendo sepultado com grande solenidade na igreja de São Clemente. Cirilo e Metódio foram declarados pela Igreja como "apóstolos dos eslavos".



São Metódio



Miguel, primogênito dos sete filhos do juiz grego Leão, nasceu em 814 na Tessalonica, atual Salonico, Grécia. Tinha vinte e seis anos e era prefeito de Constantinopla, capital do Império Bizantino, quando seu pai morreu. Irmão de Constantino, foi aluno de Fócio, que assumiu a educação dos órfãos. Miguel e Constantino mudaram o nome para Metódio e Cirilo, ao se consagrarem sacerdotes. 
Com a morte do pai, em 840, abandonou tudo e se recolheu no convento de Policron, no monte Olímpio, e se fez monge. Foi o imperador Miguel III quem o convocou para a missão evangelizadora da Morávia, da qual participou também seu irmão. Depois os dois foram para Roma, onde Cirilo, doente, acabou falecendo.
Metódio foi ordenado sacerdote pelo papa AdrianoII em 868 e, depois da cerimônia do sepultamento do irmão, foi nomeado delegado apostólico, consagrado bispo, e estabelecido como arcebispo para a Iugoslávia e Morávia. Uma carta, que o credenciava junto aos principados eslavos, continha a aprovação sem reservas para a liturgia na língua eslava. 
Os acontecimentos políticos impediram que Metódio retornasse a Morávia. Ficou, então nos domínios do principado iugoslavo, que tinham sido evangelizados até Áustria. Alí foram inevitáveis os desencontros entre o clero latino e o novo clero eslavo. Inclusive, Metódio foi preso, traído diante do concílio de Ratisbona e condenado ao exílio na Suécia. 
O então papa João VIII, em 878, interveio energicamente e ele foi solto, mas reprovou as suas novidades lingüísticas na liturgia. Porém, Metódio, estava fortalecido pela aprovação do papa anterior, podendo dar continuidade à evangelização iniciada. Depois de um ano de tranqüilidade, novos protestos se elevaram contra ele, sendo acusado de heresia. 
Convocado a se apresentar em Roma pelo papa João VIII, não só se justificou como o convenceu a lhe dar seu apoio. Com uma carta oficial da Santa Sé, ele foi confirmado nas funções, e autorizado a usar o eslavo na liturgia, mas pedindo que o Evangelho fosse lido em latim antes que em eslavo. Porém o imperador germânico preferia outro bispo, que celebrava a liturgia em latim. A confusão estava formada. Tudo se complicou quando surgiu uma falsa carta do papa, que dizia o oposto da anterior apresentada por Metódio. 
Em 881 a Santa Sé, negou formalmente a falsa carta. Mas isto não pôs fim à dificuldade, o clero alemão continuou sua oposição. Nesta época, Metódio, foi para Constantinopla a convite do imperador, para se juntar ao então patriarca Fócio, seu antigo professor e amigo da família. Assim, continuou com seus discípulos o seu apostolado e a tradução da Bíblia e dos Livros Litúrgicos a quem precisasse. 
Morreu em 6 de abril de 885 em Velehrad, Tchecoslováquia, onde foi sepultado na igreja da Catedral. Atualmente se ignora o local exato onde foram colocadas suas relíquias. Metódio e Cirilo são considerados pela Igreja como "apóstolos dos eslavos" e venerados no dia 14 de fevereiro, dia da morte de Cirilo.

Leitura da Epístola dos 

Hebreus 7, 23-27
23 Além disso, os primeiros sacerdotes deviam suceder-se em grande número, porquanto a morte não permitia que permanecessem sempre. 24 Este, porque vive para sempre, possui um sacerdócio eterno. 25 É por isso que lhe é possível levar a termo a salvação daqueles que por ele vão a Deus, porque vive sempre para interceder em seu favor. 26 Tal é, com efeito, o Pontífice que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado além dos céus, 27 que não tem necessidade, como os outros sumos sacerdotes, de oferecer todos os dias sacrifícios, primeiro pelos pecados próprios, depois pelos do povo; pois isto o fez de uma só vez para sempre, oferecendo-se a si mesmo.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 10,1-9
1 Depois disso, designou o Senhor ainda setenta e dois outros discípulos e mandou-os, dois a dois, adiante de si, por todas as cidades e lugares para onde ele tinha de ir. 2 Disse-lhes: Grande é a messe, mas poucos são os operários. Rogai ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe. 3 Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos. 4 Não leveis bolsa nem mochila, nem calçado e a ninguém saudeis pelo caminho. 5 Em toda casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa! 6 Se ali houver algum homem pacífico, repousará sobre ele a vossa paz; mas, se não houver, ela tornará para vós. 7 Permanecei na mesma casa, comei e bebei do que eles tiverem, pois o operário é digno do seu salário. Não andeis de casa em casa. 8 Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que se vos servir. 9 Curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: O Reino de Deus está próximo.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.