quinta-feira, 31 de maio de 2018

Festa Maria Rainha da Paz

Transferido para 09 de junho porque hoje Corpus Christi

Primeira padroeira  da Nossa Sociedade Religiosa Regina Pacis ou Escravas de Maria Rainha da Paz
e do Nosso Blog.

 A encíclica Ad Caeli Reginam (Rainha do Céu), do Papa Pio XII, de 11 de outubro de 1954 trata sobre a Realeza de Maria e a instituição Festa de Nossa Senhora Rainha, celebrada a cada dia 31 de maio com o costume de coroar-se a imagem da Virgem e da recitação pública da Consagração do Gênero Humano ao Imaculado Coração de Maria.Na mesma encíclica o Papa Pio XII escreveu: “Maria é Rainha não só por ser a Mãe de Deus, mas também por ter sido associada, pela vontade de Deus, a Jesus Cristo na obra da salvação. Isenta de qualquer culpa pessoal ou hereditária, e sempre estreitissimamente unida ao Filho, ela o ofereceu no Calvário ao Eterno Pai, sacrificando seu amor de mãe em benefício de toda a humanidade manchada pelo pecado. Por isso, assim como Jesus é Rei não só por ser o Filho de Deus, mas também por ser o nosso Redentor, assim pode-se afirmar que Maria é Rainha não só por ser a Mãe de Deus, mas também porque se associou a Cristo na redenção do gênero humano. "Maria participa da dignidade real - ensina Pio XII - porque desta união com Cristo Rei deriva para ela tão esplendente sublimidade, que supera a excelência de todas as coisas criadas. Desta mesma união com Cristo nasce aquele poder real, pelo qual ela pode dispor dos tesouros do Reino do Redentor divino". O Reino de Maria é vasto como o de seu Filho, porque nada se exclui de seu domínio.”

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

Angelus e a devoção das três Ave Maria.

Devoção das Três Ave Maria
 Saint Pope Pius X


O papa São Pio X, de santa memória, aos 5 de dezembro de 1904, outorgou uma indulgência de 300 dias a quem rezar  toda manhã, tarde e noite três vezes a jaculatória "Pela Vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma",  junto a Três Ave Maria no Angelus.
E no final do Regina Cæli reze Três Ave Maria com a jaculatória.

Ângelus (Saudação Angélica)
 
Em latim e Português


  Rezá-lo às 6h, 12h e 18h. Quem não puder guardar este horário, pode rezá-lo de manhã, a tarde e a noite.



V. Angelus Dómini nuntiávit Mariæ   V. O Anjo do Senhor anunciou a Maria,

R. Et concépit de Spíritu Sancto.         R. E Ela concebeu do Espírito Santo.

  Ave Maria grátia plena Dóminus tecum, benedícta tu in muliéribus et benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostræ. Amém.                                                   Ave Maria cheia de graça, o Senhor é con'Vosco. Bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém

 "Pela vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma".


V. Ecce ancílla Dómini                           V/ Eis a Escrava do Senhor.

R. Fiat mihi secúndum verbum tuum.    R/ Faça-se em mim segundo a Vossa palavra.

  Ave Maria grátia plena Dóminus tecum, benedícta tu in muliéribus et benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostræ. Amém.                                                  Ave Maria cheia de graça, o Senhor é conVosco. Bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém

 . "Pela vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma".


V. Et Verbum caro factum est   V. E o Verbo se fez Carne,

R. Et habitávit in nobis.              R. E habitou entre nós.

 Ave Maria grátia plena Dóminus tecum, benedícta tu in muliéribus et benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostræ. Amém.         
Ave Maria cheia de graça, o Senhor é con'Vosco. Bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém                             "Pela vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma".


V. Ora pro nobis, sancta Dei Génitrix                 V. Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,

R. Ut digni efficiámur promissiónibus Christi    R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo


Oremus.  Gratiam tuam, quæsumus Dómine, méntibus nostris infúnde: ut qui Angelo nuntiánte, Christi Filii tui incarnatioónem cognóvimus; per passiónem ejus et crucem, ad resurrectiónis glóriam perducámur. Per eúmdem Christum Dóminum nostrum. Amém.

Oremos. Infundi, Senhor, em nossas almas a Vossa graça, para que nós, que conhecemos, pela Anunciação do Anjo, a Encarnação de Jesus Cristo, Vosso Filho, cheguemos, por sua Paixão e morte na cruz, à glória da Ressurreição. Pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

Regina Cæli Rainha do Céu


 (No tempo Pascal substitui-se o Angelus)

 
Em latim e Português

  Rezá-lo às 6h, 12h e 18h. Quem não puder guardar este horário, pode rezá-lo de manhã, a tarde e a noite.


V. Regina coeli, laetare, Alleluia                           V. Rainha do Céu, alegrai-Vos, aleluia!
R: Quia quem meruisti portare, Alleluia               R. Porque aquele que merecestes trazer no seio, aleluia!

V. Resurrexit, sicut dixit, Alleluia                         V. Ressuscitou como disse, aleluia!
R. Ora pro nobis Deum, Alleluia.                      R. Rogai por nós a Deus, aleluia!

V. Gaude et laetare, Virgo Maria Alleluia!           V. Alegrai-Vos e exultai, ó Virgem Maria, aleluia!
R.: Quia surrexit Dominus vere! Alleluia!            R. Pois o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia!

V. Oremus: Deus, qui per resurrectionem Filii tui, Domini nostri Iesu Christi,mundum laetificare dignatus es:praesta, quaesumus; ut per eius Genetricem Virginem Mariam, perpetuae capiamus gaudia vitae. Per eundem Christum ominum nostrum. R. Amen!                                                                                                                         
 V. Oremos: Ó Deus, que Vos dignastes alegrar o mundo com a Ressurreição do vosso Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, concedei-nos, Vos suplicamos, a graça de alcançarmos pela proteção da Virgem Maria, Sua Mãe, a glória da vida eterna. Pelo mesmo Jesus Cristo Senhor nosso. Amém.

  
No final do Regina Cœli rezar Três Ave Maria. Ave Maria grátia plena Dóminus tecum, benedícta tu in muliéribus et benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostræ. Amém.   "Pela vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma".

 No final do Rainha do Céu rezar Três Ave Maria. Ave Maria cheia de graça, o Senhor é con'Vosco. Bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém

  "Pela vossa Imaculada Conceição, ó Maria, purificai meu corpo e santificai minha alma".



Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

 

Festa do Corpus Christi

31/05 Quinta-feira Festa do Corpus Christi
Festa de Primeira Classe 
 Paramentos Brancos 
   
 Corpus Christi é uma expressão latina que significa Corpo de Cristo, é uma festa que celebra a presença real e substancial de Cristo na Eucaristia.Realiza-se na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. A origem de Corpus Christi A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao Século XIII. A Igreja Católica sentiu necessidade de realçar a presença real do "Cristo todo" no pão consagrado. A Festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV com a Bula ‘Transiturus’ de 11 de agosto de 1264, para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes.O Papa Urbano IV foi o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège na Bélgica, que recebeu o segredo das visões da freira agostiniana, Juliana de Mont Cornillon que teve visões de Cristo demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque(Juliana de Liège, nasceu entre 1191 e 1192 . Órfã aos cinco anos, foi confiada aos cuidados das monjas agostinianas do convento-leprosário de Mont-Cornillon. "Aos 16 anos teve a primeira visão, que após repetiu-se mais vezes nas suas adorações eucarísticas. A visão apresentava a lua no seu pleno esplendor, com uma faixa escura que a atravessava diametralmente. O Senhor a fez compreender o significado disso que lhe havia aparecido).Por solicitação do Papa Urbano IV, que na época governava a igreja, os objetos milagrosos foram para Orviedo em grande procissão, sendo recebidos solenemente por sua santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico. A 11 de agosto de 1264, o Papa lançou de Orviedo para o mundo católico através da bula Transiturus do Mundo o preceito de uma festa com extraordinária solenidade em honra do Corpo do Senhor.

A festa de Corpus Christi foi decretada em 1269.

O decreto de Urbano IV teve pouca repercussão, porque o Papa morreu em seguida. Mas se propagou por algumas igrejas, como na diocese de Colônia na Alemanha, onde Corpus Christi é celebrada desde antes de 1270. A procissão surgiu em Colônia e difundiu-se primeiro na Alemanha, depois na França e na Itália. Em Roma é encontrada desde 1350.A Eucaristia é um dos sete sacramentos e foi instituído na Última Ceia, quando Jesus disse: ‘Este é o meu corpo…isto é o meu sangue… fazei isto em memória de mim’. Porque a Eucaristia foi celebrada pela 1ª vez na Quinta-Feira Santa, Corpus Christi se celebra sempre numa quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade. Neste Sacramento, no momento da Consagração, ocorre a transubstanciação, ou seja, o pão se torna carne e o vinho sangue de Jesus Cristo, em toda Santa Missa, mesmo que esta transformação da matéria não seja visível.Corpus Christi é celebrado 60 dias após a páscoa. Podendo cair entre 21 de maio e 24 de junho

São Tomás de Aquino
  O frei dominicano e doutor em Teologia Moral, Carlos Josaphat Pinto de Oliveira, relata que São Tomás compôs os textos da Missa da Solenidade e da Liturgia das Horas (comumente recitados pelos religiosos), ressaltando-se os hinos Lauda Sion e Adoro Te Devote.

São Paulo de Constantinopla, Bispo e Confessor.
  Ele naceu em Tessalônica, um presbítero de Constantinopla e um secretário do já idoso bispo Alexandre de Constantinopla, seu predecessor na sé episcopal. Assim que Alexandre morreu, os dois lados em disputa (os arianos e os ortodoxos) entraram em conflito aberto. O partido ortodoxo inicialmente prevaleceu, Paulo foi eleito e consagrado por bispos que estavam na capital imperial na Igreja da Paz, perto de onde futuramente estará a Basílica de Santa Sofia. O imperador Constâncio II tinha estado fora durante estes eventos. Assim que ele chegou, ele ficou furioso por não ter sido consultado. Ele convocou um sínodo de bispos arianos, declarou Paulo incapaz para o episcopado, banindo-o e trazendo Eusébio de Nicomédia para Constantinopla. Acredita-se que isto tenha ocorrido em 338 e Eusébio morreu três anos depois, em 341. Paulo foi logo restaurado pelo povo à sua sé, porém os arianos aproveitaram a situação. Teógnis de Niceia e Teodoro de Heracleia (junto com outros bispos arianos) consagraram Macedônio na igreja de São Paulo. E novamente a cidade estava à beira de uma guerra civil.
 O imperador estava em Antioquia quando ele soube dos fatos e ordenou Hermógenes, seu general de cavalaria, que fosse à cidade expulsar novamente Paulo. A população não queria que nada violento fosse feito com seu bispo e correu para a casa onde o general estava hospedado. Ela foi incendiada, Hermógenes foi assassinado e seu cadáver foi arrastado para fora do edifício em chamas e arrastado pela cidade em triunfo.
  Constâncio não iria deixar por menos esta rebelião contra sua autoridade. Ele cavalgou à toda velocidade de volta à Constantinopla, determinado a punir a população severamente por sua revolta. Porém, ele encontrou o povo de joelhos, com lágrimas nos olhos e se conteve de cortar metade do suprimento de milho. Porém, ele ordenou que Paulo fosse expulso imediatamente.
  Santo Atanásio, Patriarca deposto de Alexandria, estava exilado, assim como Marcelo de Ancira e Asclepas de Gaza. Paulo se juntou a eles e foram todos para Roma buscar o apoio do Papa Júlio I, que examinou o caso com profundidade e confirmou que os três estavam firmes no credo de Niceia. Por isso, os admitiu em comunhão e desposou a causa de defendê-los, escrevendo em tons fortes aos bispos do oriente. Atanásio e Paulo recuperaram assim as suas sés. Porém, os bispos do oriente responderam ao Papa de modo geral se recusando a agir como lhes fora aconselhado por ele.
 Constâncio, novamente em Antioquia, e estava mais resoluto do que nunca contra a escolha do povo de Constantinopla. Filipus, prefeito do oriente, estava lá e recebeu ordens de, novamente, expulsar Paulo e recolocar Macedônio como patriarca. Filipus não queria correr o risco de acabar como Hermógenes e nada disse ao chegar sobre uma ordem imperial.
 Num esplêndido banho público chamado Zeuxippus, junto de um palácio na costa do Helesponto, Filipus pediu que Paulo fosse encontrá-lo para discutir alguns assuntos públicos. Quando ele chegou, Filipus lhe mostrou a carta do imperador e ordenou que ele fosse secretamente enviado, por dentro do palácio, à costa e colocado num barco para ser levado de volta a Tessalônica, sua terra natal. Filipus permitiu que ele posteriormente visitasse prefeitura da Ilíria e outras províncias romanas mais remotas, mas proibiu que ele pisasse novamente no oriente.
 Nos anos finais de sua vida, ele foi levado preso para Singara, na Mesopotâmia, depois para Emesa e finalmente para Cucusus, na Armênia, onde ele morreu.

Leitura da Epístola dos



1ª Coríntios 11, 23-29

23.Eu recebi do Senhor o que vos transmiti: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão24.e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: Isto é o meu corpo, que é entregue por vós; fazei isto em memória de mim.25.Do mesmo modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim.26.Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que venha.27.Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor.28.Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice.29.Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação.

Sequência do Santo Evangelho 



São João 6, 55-58

55.Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida.56.Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.57.Assim como o Pai que me enviou vive, e eu vivo pelo Pai, assim também aquele que comer a minha carne viverá por mim.58.Este é o pão que desceu do céu. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DLXVII (567) (26 de maio de 2018)

 
ABORTO TOTALITÁRIO
Pode o Brexit proteger dos estrangeiros os litorais da Inglaterra,
Quando o próprio país mata os seus sem nenhuma trégua?

Ao comparar a vida natural com a vida sobrenatural, alguns podem pensar que à luta contra o aborto é dada importância demasiada. Em igualdade de condições, não se gastaria melhor o tempo e o esforço investidos nessa luta defendendo-se de alguma forma a vida da Graça em vez de limitar-se a preservar uma vida natural ainda por nascer? Mas na sociedade atual dificilmente essas condições são iguais.
É possível que seja dada importância em demasia à luta contra o aborto, já que é somente a vida natural que está sendo defendida, e não a vida sobrenatural. Em condições normais, o mesmo tempo e o mesmo esforço seriam mais bem gastos defendendo por qualquer meio a vida da graça do que defendendo a vida não nascida da natureza, mas na sociedade atual as condições não são normais. Acima de tudo, resta tão pouca fé em nosso mundo sem Deus, que falar do sobrenatural com a maioria das pessoas dos dias de hoje é como falar-lhes em grego: “Deus, céu, inferno, eternidade – do que raios você está falando?”. Mas se ainda lhes resta um pingo de decência, elas ainda podem conceber que é um crime transformar o santuário da vida, o ventre de uma mãe, em uma prisão de morte. Portanto, que Deus abençoe os católicos que fazem o que podem para impedir o aborto.

Mas atualmente eles estão enfrentando o Estado totalitário da Inglaterra. Um ativista antiaborto de muitos anos escreve que uma nova técnica de “aconselhamento nas ruas”, que se envolve mais diretamente com as mulheres que vêm a abortar, provocou uma reação draconiana do sistema, sem dúvida porque foi eficaz, pelo menos em curto prazo. Na primeira PSPO (Public Space Protection Order [Ordem de Proteção do Espaço Público]) do país, o Conselho local votou a favor de confinar os antiabortistas em uma área de gramado a cem metros do local onde se realizam os abortos, onde eles não devem ser mais do que quatro, e sem que lhes seja permitido: exibir cartazes maiores que o tamanho A3; mencionar aborto, bebê, mãe, feto, alma, matar, inferno ou assassinato; exibir qualquer imagem; emitir falas ou músicas amplificadas, gritar mensagens relacionadas ao aborto; e até mesmo rezar em voz alta. Essas restrições entraram em vigor em 23 de abril, e poderiam ser aplicadas mais amplamente por este Conselho local e também por outros. As multas por desafiar as restrições podem chegar a mil libras esterlinas.

O que pode-se dizer? A Inglaterra está cometendo suicídio. O Conselho local decidiu impor as restrições em 23 de abril possivelmente porque é o Dia de São Jorge, quando a Inglaterra celebra seu santo padroeiro, como se proteger o aborto fosse um ato de patriotismo ou de amor ao país! Mas o que é mais antinatural para uma mulher do que destruir o fruto de seu próprio ventre, ou mais antissocial para um homem do que encorajá-la a fazê-lo? Quão longe deve uma mulher ter chegado no caminho da autodestruição para consentir no assassinato literal de sua maternidade, o principal propósito de sua existência depois da salvação de sua própria alma. “Contudo, a mulher será salva pela geração dos filhos, se permanecer na fé, na caridade e na santidade, unidas à modéstia”, diz a Escritura (1 Tim. 2, 15), que é a Palavra não de um suposto misógino, mas de Deus.

Fiel ao seu gênio, Shakespeare se apoderou da essência da autodestruição da mulher em algumas linhas que ele coloca na boca de Lady Macbeth (Ato 1, Cena 5) enquanto ela se esforça para convencer o marido a assassinar Duncan, seu rei, primo e amigo, enquanto este estivesse como convidado sob o teto de Macbeth. Em palavras aterrorizantes, ela pede aos demônios que lhe tirem toda a ternura e compaixão feminina:

“...Vinde a mim, espíritos

Que inclinais sobre pensamentos mortais! Tirai-me aqui o sexo

E preenchei-me dos pés ao topo da cabeça,

Da mais terrível crueldade, tornai meu sangue espesso,

Bloqueai todo acesso e passagem para o remorso

Para que nenhuma investida compungida da natureza

Abale meu propósito decaído, nem mantenha paz entre

A vontade e o gesto! Vinde a meus seios maternais

E fazei de meu leite fel, seus executores de crimes...

Ela prossegue oprimindo os escrúpulos de Macbeth, e ele mata Duncan, a primeira de muitas outras vítimas.

Leitores, por favor, orem pela Inglaterra, que foi uma vez o Dote de Maria, e ainda é o objeto de seu cuidado materno.

Kyrie eleison.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

domingo, 27 de maio de 2018

São Beda, Confessor e Doutor.

  O extraordinário  São Beda foram escritas por ele mesmo no livro "História da Inglaterra", um dos mais raros e completos registros da formação do povo inglês antes do século VIII, narradas assim: "Eu, Beda, servo de Cristo e sacerdote, e monge do mosteiro de São Pedro e São Paulo, da Inglaterra, nasci neste país. Aos sete anos, fui levado ao mosteiro para ser educado pelos monges. Beda nasceu no ano 672, tendo sido educado e orientado espiritualmente pelo próprio são Bento Biscop, abade do mosteiro, que, impressionado com seus dons e inteligência, o tratava como próprio filho, na cidade de Wearmouth.
Cedo, Beda percebeu que um sermão podia ser ouvido por apenas algumas pessoas, mas podia ser lido por milhares delas e por muitos séculos.
  Por isso ele desejou escrever, e escreveu muito, sem se cansar, com cuidado e esmero no conteúdo e estilo, resultando em livros agradáveis de ler, verdadeiras obras literárias, sobre os mais variados temas, indo do teológico ao intelectual.
 Ao todo, foram sessenta obras sobre teologia, filosofia, cronologia, aritmética, gramática, astronomia, música e até medicina. Beda gostava de aprender, por isso pesquisava e estudava; e também de ensinar, por isso escrevia e dava aulas. Ajudou a formar várias gerações de monges, que, atraídos pela linguagem simples, encantadora e acessível, eram dirigidos, por meio dessas matérias, para os ensinamentos de Deus.
  O papa Gregório II chamou-o a Roma, para tê-lo como seu auxiliar, mas Beda implorou para permanecer na solidão do mosteiro, onde ficou até seus últimos momentos de vida. Só saiu por poucos dias para estabelecer as bases da Escola de York, na qual, depois, estudou e se formou o famoso mestre Alcuíno, fundador da primeira universidade de Paris.
  Ainda em vida, era chamado de "venerável Beda", ou "Beda, o Venerável". Morreu com sessenta e três anos, na paz do seu mosteiro, em Jarrow, Inglaterra, no dia 25 de maio de 735. Muitos séculos depois, pelo imensurável serviço prestado à Igreja, o papa Leão XIII, em 1899, proclamou-o santo e doutor da Igreja. São Beda, único santo inglês que possui o título de doutor da Igreja, é celebrado no dia 25 de maio.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dias o Santo.

sábado, 26 de maio de 2018

Setimo dia da Oitava de Pentecoste.

26/05 Sábado da Quatro-Têmporas de Pentecostes
Festa de Primeira Classe 
Paramentos Vermelhos

Leitura da Epístola dos

Romanos 5, 1-5
1.Justificados, pois, pela fé temos a paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.2.Por ele é que tivemos acesso a essa graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança de possuir um dia a glória de Deus.3.Não só isso, mas nos gloriamos até das tribulações. Pois sabemos que a tribulação produz a paciência,4.a paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança.5.E a esperança não engana. Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 4, 38-44
38.Saindo Jesus da sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava com febre alta; e pediram-lhe por ela.39.Inclinando-se sobre ela, ordenou ele à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se imediatamente e pôs-se a servi-los.40.Depois do pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de diversas moléstias lhos traziam. Impondo-lhes a mão, os sarava.41.De muitos saíam os demônios, aos gritos, dizendo: Tu és o Filho de Deus. Mas ele repreendia-os severamente, não lhes permitindo falar, porque sabiam que ele era o Cristo.42.Ao amanhecer, ele saiu e retirou-se para um lugar afastado. As multidões o procuravam e foram até onde ele estava e queriam detê-lo, para que não as deixasse.43.Mas ele disse-lhes: É necessário que eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão.44.E andava pregando nas sinagogas da Galiléia.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dias o Santo Rosário.

26 de maio dia de São Filipe de Neri,Confessor.

Em Roma era conhecido pelo apelido Pipo Bono. Para todos será sempre o santo da alegria. Mas Filipe Néri não é um bonachão ingênuo. Um toscano legítimo, brincalhão, sorridente, sem pelos na língua, sim, porém tem fé, caridade, sabedoria profunda, e sobre isto não brinca.
 Florentino nascido em 1515, filho de um escrivão, muito cedo órfão de mãe, Felipe não demonstra sinais precoces de vocação religiosa, ainda que frequente os Dominicanos do convento de São Marcos, aquele onde se encontra Savonarola. Com 18 anos, deixa Florença para sempre. O pai o envia a um parente comerciante em São Germano, hoje Cassino, para que aprenda aquela profissão. Nada feito. Ei-lo em Roma, em 1534: não sabe, mas ficará por lá durante toda a vida, 60 anos sem interrupção. É professor na casa de um rico florentino e estuda teologia e filosofia na Universidade da Sapienza. Mas um dia pega todos os seus livros, menos a Bíblia e Santo Tomás,. e vai vendê-los no mercado, depois dá o dinheiro aos pobres. “Se queremos dedicar-nos totalmente ao nosso próximo não devemos reservar-nos nem tempo nem espaço”. E ele quer se dedicar ao próximo de verdade.
 Tem 24 anos e se põe a trabalhar. Visita os encarcerados, conforta os doentes, socorre os indigentes. Mas ama, sobretudo, os meninos pobres, aos quais prodigaliza pão, a alegria, a companhia e a instrução religiosa. E reza, reza muito. No dia 32 de maio de 1551, vigília da festa da Santíssima Trindade e aniversário da morte na fogueira do Frei Jerônimo Savonarola, na idade de 35 anos, Filipe Néri é ordenado sacerdote. [Entra a fazer parte dos capelães da igreja de São Jerônimo da Caridade. Ali sua bondade, a simpatia, a caridade e a cultura o tornam logo o líder. Começam a se reunir, sempre mais numerosos, nobres, o povo simples, negociantes, artistas, banqueiros, sacerdotes para ler as Escrituras, meditá-las, rezar, cantar juntos; primeiro, ocupam seus pobres quartos, depois num sótão da igreja. Parece a volta às origens, aos Atos dos Apóstolos, aos primeiros cristãos. Nasce assim, por obra de São Felipe Néri, o Oratório. Daí sairão grandes homens da Igreja, como César Barônio, que será seu primeiro sucessor. Mas o Oratório não é só oração, uma espécie de monte Tabor para se refugiar. Não, os seus membros devem tornar-se samaritanos para os feridos do mundo: dessa forma, eis que se põe a prestar serviços por turno como enfermeiros no hospital próximo. São Felipe inventa também a peregrinação às sete Igrejas de Roma, a quinta-feira “gorda”, em contraposição ao carnaval: um dia inteiro de missas, pregações, cantos, orações, com merenda nos pratos. Algumas vezes os peregrinos são mais de mil. Os sucessos lhe criam desconfianças, incompreensões, invejas como sempre acontecem com os santos. Mas ele não perde o bom humor. Em 1564 sua pequena comunidade se transfere junto a igreja de São João dos Florentinos e se torna ronrona em prática uma nova ordem religiosa, também se Felipe é contrário; ele não quer regras, vínculos, separações. Chamá-los-ão Filipinos. Em 1577 vai em Santa Maria da Vallicella. Ele permanece nos seus quartinhos em São Jerônimo, até que o Papa e a saúde lhe permitem. E continua vagueando por Roma em procura dos meninos pobres. Para eles se torna mendigo. Conta-se que um nobre chateado por seus pedidos de ajuda lhe largou um bofetão. E ele: “Este é para mim, e vos agradeço. Agora dai-me alguma coisa para os meus meninos” Sempre assim Pipo Bono. Até a morte. Esta chega no dia 26 de maio de 1595, na idade de 80 anos, assistido pelo cardeal Frederico Borromeu, aquele do qual fala Manzoni nos “Promessi Sposi”. Descobrir-se-á que ele tinha um coração maior do que o normal, mas quem o conhecera já o sabia. No dia 12 de março de 1622 o Papa Gregório XV o proclama santo.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

25 de maio dia de São Gregório VII Papa e Confessor.

São Gregório
(Pontificado: 1073 a 1085) 
"Amei a Justiça e odiei a iniqüidade, eis porque morro no exílio"
25 de maio dia de São Gregório VII Papa e Confessor.
    São Gregório não só foi uma das figuras mais importantes entre os Papas da Igreja Católica, bem como foi extremamente caluniado e perseguido durante seu pontificado. É uma das figuras que mais defendeu os direitos da esposa de Cristo. O Século XI foi para a Igreja um período de grande humilhação. Não fosse ela uma instituição divina, edificada sobre a rocha, os próprios filhos tê-la-iam destruído. O Clero superior e inferior, em sua maioria, tinha esquecido de sua alta missão. A simonia (tráfico ou venda ilícita de coisas sagradas), corrupção e indisciplina, tinham tomado conta dos altos e baixos setores da Igreja. Freqüentíssimos escândalos, e os príncipes seculares, quais lobos famintos, invadiam o aprisco do Senhor. Os reis Filipe e Augusto I da França, Boleslau II da Polônia, Henrique IV, imperador da Alemanha, eram verdadeiros monstros de crueldade e imoralidade. A palma, porém, coube ao imperador, que em crueldade, devassidão e ambição não achava semelhante. Deus se amerciou de sua Igreja e deu-lhe um Papa, como as circunstâncias o exigiam. Foi no ano de 1073 que Hildebrando (depois cognominado Gregório VII), assumiu a suprema dignidade papal. Ao receber essa notícia, São Pedro Damião, contentíssimo exclamou: "Agora será calcada a cabeça miliforme da serpente peçonhenta, e será posto um termo aos negócios torpes; o falsário Simeão Mago não mais cunhará moedas na Igreja; voltará ao tempo áureo dos Apóstolos, revigorará a disciplina eclesiástica, serão derrubadas as mesas dos vendilhões..." Gregório convocou o Concílio Lateranense e renovou as antigas leis da Igreja, que existiam, sobre o celibato dos sacerdotes, contra a simonia, e fez incorrer nas censuras eclesiásticas os bispos da França, que tinham rejeitado os decretos pontifícios, como impraticáveis e irrazoáveis. Dos bispos da Alemanha, só dois tiveram a coragem de aceitar e por em execução as determinações do Papa. O mais descontente de todos foi o imperador da Alemanha, que pelas proibições do Papa, se via prejudicado no negócio mais rentosos. Wiberto, arcebispo de Ravenna, ex-chanceler do imperador na Itália, promoveu uma conspiração contra o Papa. Na estação da Missa da meia noite de Natal os conspiradores, chefiados por Cencio, invadiram a Igreja e apoderaram-se da pessoa do Papa, para levá-lo à prisão. O povo, porém, libertou seu Pastor e Cencio teria sido apedrejado, se Gregório não lhe tivesse generosamente perdoado.Um segundo Concílio foi realizado em 1075, confirmou as determinações anteriores e fez intimação ao imperador para que respondesse pelos seus crimes, sob pena de excomunhão. Henrique respondeu com um decreto elaborado por bispos alemães: "Falso monge, carregado de maldição de todos os bispos e condenado pelo nosso tribunal, desce e renuncia à cadeia apostólica, indignamente usurpada".Gregório, em vez de descer, lançou excomunhão contra Henrique e os Prelados rebeldes. Os príncipes da Alemanha, há muito cansados da tirania e arbitrariedade do imperador, reunidos na Dieta de Tribur (1076), declararam-no deposto pelo prazo de um ano, caso não procurasse ser absolvido da excomunhão, tendo-lhe sido decretado que comparecesse à grande Dieta de Augsburgo, na qual devia justificar-se diante do Papa e da nação, com audiência marcada para 02 de fevereiro de 1077. Proibiram-no que se ausentasse da Alemanha antes da celebração da Dieta. Para evitar a humilhação de ser deposto, onde às claras iriam lhe expor seus crimes, tratou de clandestinamente obter a absolvição da excomunhão, dirigindo-se ao castelo da princesa Matilde, em Canossa, onde estava o Papa Gregório. Em traje penitente, permaneceu descalço por três dias em período de rigoroso inverno, esperando obter audiência do Papa, que negou-se a recebê-lo por saber que deveria apresentar-se à Dieta. Entretanto, graças às instâncias da condessa Matilde, acabou cedendo e recebeu Henrique, que aceitou as condições impostas mediante juramento, motivo pelo qual foi absolvido e recebeu a Sagrada Comunhão. Mal saíra de Canossa, esquecendo-se das promessas, aliou-se aos príncipes e bispos inimigos do Papa e, uma vez na Alemanha, moveu guerra contra seus adversários. Reuniu um concílio de bispos rebeldes em Mogúncia (1080), os quais elegeram papa o bispo Wiberto de Ravenna, que tomou o nome de Clemente III. Rodolfo de Suábia, pereceu na batalha de Volksheim e Henrique marchou sobre Roma, para tirar vingança do Papa. Só depois de um assédio de dois anos, tomou a cidade, onde recebeu a corôa imperial das mãos do antipapa. Gregório retirou-se para Salermo, onde morreu em 25 de maio de 1085. As últimas palavras foram: "Amei a Justiça e odiei a iniquidade, eis porque morro no exílio".
 Henrique não foi feliz com as conquistas. Graves distúrbios chamaram-no para a Alemanha onde achou os filhos em franca rebelião contra o pai. Perseguido e amaldiçoado pelos filhos, Henrique teve um fim triste, ao passo que Deus glorificou por estupendos milagres o túmulo do seu fiel servo Gregório.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

24 de maio dia de Nossa Senhora Auxiliadora

 
Devoção remonta à vitória da armada cristã em 1571, comandada por Dom João da Áustria que, invocando o auxílio da Virgem, afastou o perigo maometano da Europa. Em agradecimento, Pio V, incluiu na ladainha o título de Auxiliadora dos cristãos.
 A festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi promulgada por Pio VII, no ano de 1816, tão logo foi libertado do cativeiro a ele imposto por Napoleão Bonaparte. O nome é bastante popular entre os católicos, sendo bastante usual como antroponímico. Em Porto Alegre o bairro Auxiliadora é nomeado em sua homenagem e em Campinas o Liceu Salesiano tem seu nome. O dia de Nossa Senhora Auxiliadora é comemorado em 24 de maio.
 Oração: Santíssima e Imaculada Virgem Maria, nossa carinhosa Mãe e poderoso auxílio dos cristãos, nós nos consagramos inteiramente ao vosso doce amor e ao vosso santo serviço. Consagramo-vos o entendimento com os seus pensamentos, o coração com os seus afetos, o corpo com os seus sentidos e com todas as suas forças, e prometemos querer sempre trabalhar para dar a Deus uma grande alegria: a realização e felicidade de todas as pessoas.
 Acolhei-nos todos sob o vosso manto, ó Maria Auxiliadora. Ajudai-nos a recorer a vós nas tentações, prontamente e com confiança. Fazei que a vossa lembrança tão boa, tão cara, tão amável, e a recordação do amor que tendes para com vossos devotos nos conforte, e nos faça vencedores, por meio do amor evangélico, dos inimigos do Reino, a fim de podermos, já nesta terra, viver o céu. Amém.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DLXVI (566) (19 de maio de 2018)

 
Sonhos Piedosos  – II
 * Traduzido por Leticia Fantin.


A política não pode resolver os infortúnios da Igreja.
Somente a Fé pode derrubar seus adversários mundanos.
Se há algo certo sobre a Tradição Católica e o Concílio Vaticano II é que eles são irreconciliáveis. É tentador pensar que possam ser reconciliados, certamente porque a letra dos dezesseis documentos do Concílio inclui certo número de verdades católicas. Mas o espírito do Concílio se dirige a uma nova religião centrada no homem, e, como o espírito inspirou a letra dos documentos, mesmo as verdades católicas que contém estão dominadas pelo “aggiornamento” conciliar, e tornaram-se parte deste. De fato, as verdades católicas (e a hierarquia) foram usadas pelos modernistas como transmissoras de seu veneno liberal, como um cavalo de Troia para suas heresias. Portanto, mesmo as verdades católicas estão envenenadas nos documentos conciliares. Assim, em 1990 Dom Lefebvre viu e disse que o Vaticano II estava 100% infectado pelo subjetivismo, enquanto em 2001 Dom Fellay disse que os documentos do Vaticano II são 95% aceitáveis.

É verdadeiramente tentador fazer de conta que a Tradição Católica e o Vaticano II são reconciliáveis. Por este caminho não preciso mais ficar dividido entre seguir ao mesmo tempo a Autoridade Católica e a Verdade Católica, porque desde o Concílio, como disse o Arcebispo, os católicos foram forçados ou a obedecer aos Papas conciliares e distanciarem-se da Tradição Católica, ou a separar-se da Tradição e “desobedecer” a estes Papas. Daí a tentação de fingir de um jeito ou de outro que a Tradição e o Concílio são reconciliáveis. Mas o fato de que eles são irreconciliáveis é a realidade mais importante que governa hoje a vida da Igreja, e continuará sendo assim até que a Autoridade da Igreja volte à Verdade Católica de sempre.

Neste meio tempo, entretanto, o atual Superior Geral da Fraternidade do Arcebispo, Dom Fellay, está convicto de que a Tradição Católica e os romanos conciliares podem se reconciliar entre si, e desde que aprovou o GREC em 1990, esforçou-se por reuni-los. Seu problema é que não entende como o modernismo mantém as aparências católicas para que eles atuem como um cavalo de Troia para enganar almas católicas, enquanto não há um verdadeiro cavalo católico debaixo do que aparenta ser um. Mas Dom Fellay acredita que o cavalo falso tem todos os ingredientes de um cavalo verdadeiro, de modo que, com o terno e amoroso cuidado da Fraternidade, se tornará mais uma vez um cavalo católico. Muitos tradicionalistas permitiram-se crer nesta política equivocada e seguir sua liderança em direção aos romanos conciliares, mas os romanos, de sua parte, não foram enganados. Eles jogaram com sua política fazendo aparentes concessões à Fraternidade e à Tradição (por exemplo, autorizações para confessar, ordenar e realizar matrimônio) e simulando repetidamente que ele está à beira de obter reconhecimento canônico para a Fraternidade, de modo que “só falta o selo para o acordo’. Mas, diferentemente dele, os romanos têm claro em suas mentes que a Tradição Católica é irreconciliável com o Concílio deles, e é por isso que todas as vezes em que a levaram até à beira, insistiram para que a Fraternidade se submeta ao seu Concílio.

Entretanto, a cada “concessão” que Dom Fellay aceitou para a Fraternidade, os romanos têm-no feito entrar ainda mais em sua armadilha, e ficou difícil para ele voltar atrás. A cada “concessão”, o acordo com Roma se tornou mais e mais uma realidade prática, com ou sem o “selo final”. Ao segurá-lo, por culpa própria de Dom Fellay, os romanos podem jogar com ele como um pescador joga com o peixe – pois como ele pode agora desfazer as “concessões” dadas e admitir que seus vinte anos de política foram um erro? – Mais ainda, que sua política foi um erro desde o princípio? Ao carecer da fé do Arcebispo, ele não entendeu corretamente o problema da Igreja e o “problema” da Fraternidade, e confiou na política humana para tentar resolver ambos. Mas, é claro, os romanos com dois mil anos de experiência foram os políticos mais hábeis – “Sua Excelência, basta de jogos. Por vinte anos fizemos todas as concessões, o senhor não fez nenhuma (grande mentira, já que aceitar as “concessões” conciliares é por si só fazer uma concessão a Roma). Antes de julho, ou o senhor aceita o Concílio, ou nós o excomungamos e mostramo-lo ao mundo como um fracasso. Escolha!”

Esta é sem dúvida uma versão nua e crua de como os astutos romanos podem pressionar o Superior Geral, mas ele é que nunca deveria ter mendigado à Autoridade sem Verdade. No caso da Igreja Católica, uma Autoridade sem Verdade é, com efeito, uma Autoridade ineficaz.
Kyrie eleison.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário