domingo, 19 de junho de 2022

Segundo Domingo depois de Pentecoste

23/06 Domingo
Festa de Segunda Classe 
Paramentos Verdes

Intróito/Sal. 17, 19-20.
O Senhor se fez meu protetor e me levou ao mar: me salvou, porque me ama.
Ps. ib., 2-3.Eu te amarei, Senhor, minha força: O Senhor é meu forte apoio, meu refúgio e meu libertador.
V/. Glória Patri.

Coleta
Fazei, Senhor, que tenhamos sempre o temor e o amor do vosso santo nome, porque não cessais de dirigir aqueles que estabeleceis na solidez do vosso amor.

Leitura da Epístola dos

I São João 3, 13-18

13.Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia.14.Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte.15.Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino.16.Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos.17.Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus?18.Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade.

Gradual. Sal. 119, 1-2. GradualAd Dóminum, cum tribulárer, clamávi, et exaudívit me. Ao ser entregue à tribulação, clamei ao Senhor e ele me respondeu.
V/. Dómine, libera ánimam meam a lábiis iníquis, et a lingua dolósa. V/. Ó Senhor, livra a minha alma dos lábios iníquos e das línguas enganosas.
Aleluia, aleluia. Aleluia, aleluia.
V/. Sal. 7, 2. Dómine, Deus meus, in te sperávi: salvum me fac ex ómnibus persequéntibus me et líbera me. Aleluia.V/. Senhor meu Deus, em ti tenho esperado, salva-me de todos os que me perseguem e livra-me. Aleluia.
¶ Sic dicitur Allelúia cum suo Versu post Graduale in omnibus Dominicis post Pentecosten, etiam si Missa Dominicæ in Feriis adhibetur. ¶ Reza -se o Alelúia com o Verso depois do Gradual todos os domingos depois de Pentecostes, ainda que a Missa dominical se repita nos feriados.

Sequência do Santo Evangelho 

São Lucas 14, 16-24

16.Respondeu-lhe Jesus: Um homem deu uma grande ceia e convidou muitas pessoas.17.E à hora da ceia, enviou seu servo para dizer aos convidados: Vinde, tudo já está preparado.18.Mas todos, um a um, começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um terreno e preciso sair para vê-lo; rogo-te me dês por escusado.19.Disse outro: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te me dês por escusado.20.Disse também um outro: Casei-me e por isso não posso ir. 21.Voltou o servo e referiu isto a seu senhor. Então, irado, o pai de família disse a seu servo: Sai, sem demora, pelas praças e pelas ruas da cidade e introduz aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos.22.Disse o servo: Senhor, está feito como ordenaste e ainda há lugar.23.O senhor ordenou: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga todos a entrar, para que se encha a minha casa.24.Pois vos digo: nenhum daqueles homens, que foram convidados, provará a minha ceia. 

Ofertório/ Sal. 6, 5.
Volte para mim, Senhor, e salve minha alma; livra-me por tua misericórdia.

Secreta
Que esta oblação que será consagrada em honra do Teu Nome, nos purifique, Senhor, e nos conduza, dia a dia, à prática de uma vida celestial.

Comunhão/ Sal. 12, 6.
Cantarei ao Senhor que me cobriu de bênçãos e louvarei o nome do Altíssimo.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
Depois da comunhão.
Depois de ter recebido estes dons sagrados, nós vos suplicamos, Senhor, que nos concedais a graça de que, pela comunhão frequente nestes mistérios, cresçam em nós os frutos da salvação.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.