domingo, 10 de abril de 2022

Domingo de Ramos

10/04 Domingo de Ramos
Festa de Primeira Classe
Paramentos Roxos

   Domingo de Ramos é uma festa móvel cristã celebrada no domingo antes da Páscoa. A festa comemora a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, um evento da vida de Jesus mencionado nos quatro evangelhos canônicos (Marcos 11:1, Mateus 21:1-11, Lucas 19:28-44 e João 12:12-19).
  O Domingo de Ramos é conhecido pela distribuição de ramos bentos aos fieis nesta Santa Missa. Os Ramos bentos são guardadas para serem queimadas na Quarta-feira de Cinzas do ano seguinte. Assim, o Domingo de Ramos é um resumo dos acontecimentos da Semana Santa e também sua solene abertura.

Intróito/Pr. 21, 20 e 22.
Senhor, não me afastes do teu socorro: guarda-me em defesa; livra-me da boca do leão e dos chifres dos búfalos, pois estou muito fraco e humilhado.Ps. ibid., 2.Ó Deus, meu Deus, volta o teu olhar para mim; por que você me abandonou? A voz dos meus pecados tira a salvação de mim.V/. Glória Patri.

Coleta
Deus Todo-Poderoso e Eterno, que quiseste que o nosso Salvador assumisse a carne humana e sofresse os tormentos da cruz, a fim de servir de modelo de humildade para o gênero humano, concede-nos, em tua bondade, ser seu exemplo, sempre corajoso nas provações e por isso merece participar da sua ressurreição.

Leitura da Epístola São Paulo  

Filipenses 2, 5-11
5.Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. 6.Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, 7.mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. 8.E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. 9.Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, 10.para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. 11.E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.

Gradual/  Sal. 72, 24 e 1-3.
Meu Deus, você pegou minha mão direita; guiaste-me segundo a tua vontade e me glorificaste.
V /Quão bom é o Deus de Israel para com todos os que são retos de coração. Eu estava prestes a ceder, meu pé quase escorregou, pois eu tinha inveja dos ímpios vendo a felicidade desses ímpios.

Tratados/  Ps. 21, 2-9, 18, 19, 22, 24 e 32.
Deus, Deus meus, respice in me: quare me dereliquísti? Meu Deus, meu Deus, volta o teu olhar para mim, por que me abandonaste?
V/. Longe a salúte mea verba delictórum meórum. A voz dos meus pecados tira a salvação de mim.
V/. Deus meus, clamábo per diem, nec exáudies: in nocte, et non ad insipiéntiam mihi. Meu Deus, eu choro durante o dia e você não me escuta; à noite, e não sinto nenhum alívio.
V/. Tu autem in sancto hábitas, laus Israel. No entanto, você habita em seu santuário e a você ascendem os louvores de Israel.
V/. In te speraverunt patres nostri: speraverunt, et liberásti eos. Nossos pais esperaram em ti e tu os livraste.
V/. Ad te clamaverunt, et salvi facti sunt: ​​​​in te speravérunt, et non sunt confusi. Eles confiaram em você e não foram enganados.
V/. Ego autem sum vermis, e não homo: oppróbrium hóminum et abiéctio plebis. Mas eu sou um verme e não um homem, o opróbrio dos homens e a escória do povo.
V/. Omnes, qui vidébant me, aspernabántur me: locúti sunt lábiis et moveunt caput. Todo mundo que me vê me despreza. Eles abrem os lábios e balançam a cabeça, dizendo
V/. Sperávit in Dómino, erípiat eum: salvum fáciat eum, quóniam vult eum. “Ele colocou sua confiança no Senhor, que ele o salve, pois ele o ama. »
V/. Ipsi vero consideraverunt e conspexerunt me: splitrunt sibi vestiménta mea, et super vestem meam miserunt mortem. Eles me observam e olham para mim. Partilham as minhas roupas, tiram a sorte para a minha túnica.
V/. Líbera me de ore leónis: et a córnibus unicórnium humilitátem meam. “Senhor, livra-me da boca do leão e dos chifres dos búfalos. »
V/. Qui timétis Dóminum, laudáte eum: univérsum semen Iacob, magnificáte eum. Vocês que temem ao Senhor, louvem-no, todos vocês descendentes de Jacó, cantem seus louvores.
V/. Annuntiábitur Dómino generátio ventúra: et annuntiábunt cæli iustítiam eius. A geração futura será contada sobre o Senhor. Eles virão e anunciarão o que ele realizou.
V/. Pópulo, qui nascétur, quem fecit Dóminus. Para as pessoas que vão nascer, eles vão contar o que ele fez.
8. Absoluta lectione Epistolae, ponuntur in latere Evangelii, in piano presbyterii, legilia nuda, et proceditur ad cantum vel lectionem historiae Passionis Domini, hoc modo: 8. Terminada a Epístola, coloque ao lado do Evangelho, no santuário, púlpitos descobertos, e prossiga a cantar ou ler a história da Paixão do Senhor desta maneira:
Cantatur vel legitur a ministris saltem in ordine diaconatus constitutis, qui, comitantibus duobus acolythis, vel ministrantibus, absque luminaribus et absque incenso, veniunt ante altare, ibique, super infimum gradum genuflexi, profunde inclinati, submissa voce recitant, uti moris est, Munda cor meum, ac petunt a celebrante benedictionem, dicentes Iube, domne, benedícere. Celebrans, ad eos versus, media voce responde: É cantada ou lida por ministros pelo menos ordenados diáconos, que, acompanhados por dois acólitos, ou servos, sem luzes nem incenso, chegam diante do altar onde, ajoelhados no degrau mais baixo, profundamente curvados, em voz baixa, recitam como de costume, o Purifique meu coração, e peça ao celebrante a bênção, dizendo ao Pai, por favor, abençoe. O celebrante, de frente para eles, responde em voz baixa:
Dóminus sit in córdibus vestris et in lábiis vestris: ut digne et competénter annuntiétis Evangélium suum. Em nómine Patris, e Fílii, + e Spíritus Sancti. Um homem. Que o Senhor esteja em seu coração e em seus lábios ao proclamar Seu evangelho de maneira correta e digna. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Que assim seja.
Postea, una cum acolythis, seu ministrantibus, faciunt reverentiam, et accedunt ad legilia; non dicunt Dominus vobiscum et nonsigning librum, nec seipsos, dum cantare vel legere incipiunt. Então, com os acólitos, ou servos, eles fazem a reverência e vão para os púlpitos; eles não dizem que o Senhor esteja convosco, não assinem o livro, nem eles mesmos, quando começam a cantar ou ler.
8a. Sacerdos, lecto graduali et tractu, dicit more solito, in medio altaris, Munda cor meum, Iube, Dómine, et Dóminus sit in corde meo. 8a. No rito não solene, o padre, tendo lido o gradual e o traço, diz da maneira usual: Purifica meu coração, Senhor, por favor, abençoe, e que o Senhor esteja em meu coração.
Tunc, in latere Evangelii, ad altare, legit vel cantat clara voce historiam Passionis Domini, sed non dicit Dominus vobiscum et non signat librum, nec seipsum, dum legere vel cantare incipit. Depois, do lado do Evangelho, no altar, lê ou canta em voz alta a história da Paixão do Senhor, mas não diz O Senhor esteja convosco , não assina o livro nem a si mesmo quando começa a cantar ou a ler.
9. Hic modus cantandi vel legendi servatur etiam feria III et IV, when historia Passionis Domini cantatur vel legitur. 9. Este modo de cantar ou ler também é observado às terças e quartas-feiras, quando se canta ou se lê a Paixão do Senhor.

Sequência do Santo Evangelho 

Paixão de Nosso Senhor segundo São Mateus 26,1-75 e 27, 1-66

1.Quando Jesus acabou todos esses discursos, disse a seus discípulos: 2.Sabeis que daqui a dois dias será a Páscoa, e o Filho do Homem será traído para ser crucificado. 3.Então os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo reuniram-se no pátio do sumo sacerdote, chamado Caifás, 4.e deliberaram sobre os meios de prender Jesus por astúcia e de o matar. 5.E diziam: Sobretudo, não seja durante a festa. Poderá haver um tumulto entre o povo. 6.Encontrava-se Jesus em Betânia, na casa de Simão, o leproso. 7.Estando à mesa, aproximou-se dele uma mulher com um vaso de alabastro, cheio de perfume muito caro, e derramou-o na sua cabeça. 8.Vendo isto, os discípulos disseram indignados: Para que este desperdício? 9.Poder-se-ia vender este perfume por um bom preço e dar o dinheiro aos pobres. 10.Jesus ouviu-os e disse-lhes: Por que molestais esta mulher? É uma ação boa o que ela me fez. 11.Pobres vós tereis sempre convosco. A mim, porém, nem sempre me tereis. 12.Derramando esse perfume em meu corpo, ela o fez em vista da minha sepultura. 13.Em verdade eu vos digo: em toda parte onde for pregado este Evangelho pelo mundo inteiro, será contado em sua memória o que ela fez. 14.Então um dos Doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes e perguntou-lhes: 15.Que quereis dar-me e eu vo-lo entregarei. Ajustaram com ele trinta moedas de prata. 16.E desde aquele instante, procurava uma ocasião favorável para entregar Jesus. 17.No primeiro dia dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Onde queres que preparemos a ceia pascal? 18.Respondeu-lhes Jesus: Ide à cidade, à casa de um tal, e dizei-lhe: O Mestre manda dizer-te: Meu tempo está próximo. É em tua casa que celebrarei a Páscoa com meus discípulos. 19.Os discípulos fizeram o que Jesus tinha ordenado e prepararam a Páscoa. 20.Ao declinar da tarde, pôs-se Jesus à mesa com os doze discípulos. 21.Durante a ceia, disse: Em verdade vos digo: um de vós me há de trair. 22.Com profunda aflição, cada um começou a perguntar: Sou eu, Senhor? 23.Respondeu ele: Aquele que pôs comigo a mão no prato, esse me trairá. 24.O Filho do Homem vai, como dele está escrito. Mas ai daquele homem por quem o Filho do Homem é traído! Seria melhor para esse homem que jamais tivesse nascido! 25.Judas, o traidor, tomou a palavra e perguntou: Mestre, serei eu? Sim, disse Jesus. 26.Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo. 27.Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, 28.porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados. 29.Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 30.Depois do canto dos Salmos, dirigiram-se eles para o monte das Oliveiras. 31.Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7). 32.Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galiléia. 33.Pedro interveio: Mesmo que sejas para todos uma ocasião de queda, para mim jamais o serás. 34.Disse-lhe Jesus: Em verdade te digo: nesta noite mesma, antes que o galo cante, três vezes me negarás. 35.Respondeu-lhe Pedro: Mesmo que seja necessário morrer contigo, jamais te negarei! E todos os outros discípulos diziam-lhe o mesmo. 36.Retirou-se Jesus com eles para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: Assentai-vos aqui, enquanto eu vou ali orar. 37.E, tomando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. 38.Disse-lhes, então: Minha alma está triste até a morte. Ficai aqui e vigiai comigo. 39.Adiantou-se um pouco e, prostrando-se com a face por terra, assim rezou: Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres. 40.Foi ter então com os discípulos e os encontrou dormindo. E disse a Pedro: Então não pudestes vigiar uma hora comigo... 41.Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. 42.Afastou-se pela segunda vez e orou, dizendo: Meu Pai, se não é possível que este cálice passe sem que eu o beba, faça-se a tua vontade! 43.Voltou ainda e os encontrou novamente dormindo, porque seus olhos estavam pesados. 44.Deixou-os e foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras. 45.Voltou então para os seus discípulos e disse-lhes: Dormi agora e repousai! Chegou a hora: o Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores... 46.Levantai-vos, vamos! Aquele que me trai está perto daqui. 47.Jesus ainda falava, quando veio Judas, um dos Doze, e com ele uma multidão de gente armada de espadas e cacetes, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo. 48.O traidor combinara com eles este sinal: Aquele que eu beijar, é ele. Prendei-o! 49.Aproximou-se imediatamente de Jesus e disse: Salve, Mestre. E beijou-o. 50.Disse-lhe Jesus: É, então, para isso que vens aqui? Em seguida, adiantaram-se eles e lançaram mão em Jesus para prendê-lo. 51.Mas um dos companheiros de Jesus desembainhou a espada e feriu um servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha. 52.Jesus, no entanto, lhe disse: Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão. 53.Crês tu que não posso invocar meu Pai e ele não me enviaria imediatamente mais de doze legiões de anjos? 54.Mas como se cumpririam então as Escrituras, segundo as quais é preciso que seja assim? 55.Depois, voltando-se para a turba, falou: Saístes armados de espadas e porretes para prender-me, como se eu fosse um malfeitor. Entretanto, todos os dias estava eu sentado entre vós ensinando no templo e não me prendestes. 56.Mas tudo isto aconteceu porque era necessário que se cumprissem os oráculos dos profetas. Então os discípulos o abandonaram e fugiram. 57.Os que haviam prendido Jesus levaram-no à casa do sumo sacerdote Caifás, onde estavam reunidos os escribas e os anciãos do povo. 58.Pedro seguia-o de longe, até o pátio do sumo sacerdote. Entrou e sentou-se junto aos criados para ver como terminaria aquilo. 59.Enquanto isso, os príncipes dos sacerdotes e todo o conselho procuravam um falso testemunho contra Jesus, a fim de o levarem à morte. 60.Mas não o conseguiram, embora se apresentassem muitas falsas testemunhas. 61.Por fim, apresentaram-se duas testemunhas, que disseram: Este homem disse: Posso destruir o templo de Deus e reedificá-lo em três dias. 62.Levantou-se o sumo sacerdote e lhe perguntou: Nada tens a responder ao que essa gente depõe contra ti? 63.Jesus, no entanto, permanecia calado. Disse-lhe o sumo sacerdote: Por Deus vivo, conjuro-te que nos digas se és o Cristo, o Filho de Deus? 64.Jesus respondeu: Sim. Além disso, eu vos declaro que vereis doravante o Filho do Homem sentar-se à direita do Todo-poderoso, e voltar sobre as nuvens do céu. 65.A estas palavras, o sumo sacerdote rasgou suas vestes, exclamando: Que necessidade temos ainda de testemunhas? Acabastes de ouvir a blasfêmia! 66.Qual o vosso parecer? Eles responderam: Merece a morte! 67.Cuspiram-lhe então na face, bateram-lhe com os punhos e deram-lhe tapas, 68.dizendo: Adivinha, ó Cristo: quem te bateu? 69.Enquanto isso, Pedro estava sentado no pátio. Aproximou-se dele uma das servas, dizendo: Também tu estavas com Jesus, o Galileu. 70.Mas ele negou publicamente, nestes termos: Não sei o que dizes. 71.Dirigia-se ele para a porta, a fim de sair, quando outra criada o viu e disse aos que lá estavam: Este homem também estava com Jesus de Nazaré. 72.Pedro, pela segunda vez, negou com juramento: Eu nem conheço tal homem. 73.Pouco depois, os que ali estavam aproximaram-se de Pedro e disseram: Sim, tu és daqueles; teu modo de falar te dá a conhecer. 74.Pedro então começou a fazer imprecações, jurando que nem sequer conhecia tal homem. E, neste momento, cantou o galo. 75.Pedro recordou-se do que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, negar-me-ás três vezes. E saindo, chorou amargamente.1.Chegando a manhã, todos os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo reuniram-se em conselho para entregar Jesus à morte. 2.Ligaram-no e o levaram ao governador Pilatos. 3.Judas, o traidor, vendo-o então condenado, tomado de remorsos, foi devolver aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos as trinta moedas de prata, 4.dizendo-lhes: Pequei, entregando o sangue de um justo. Responderam-lhe: Que nos importa? Isto é lá contigo! 5.Ele jogou então no templo as moedas de prata, saiu e foi enforcar-se. 6.Os príncipes dos sacerdotes tomaram o dinheiro e disseram: Não é permitido lançá-lo no tesouro sagrado, porque se trata de preço de sangue. 7.Depois de haverem deliberado, compraram com aquela soma o campo do Oleiro, para que ali se fizesse um cemitério de estrangeiros. 8.Esta é a razão por que aquele terreno é chamado, ainda hoje, Campo de Sangue. 9.Assim se cumpriu a profecia do profeta Jeremias: Eles receberam trinta moedas de prata, preço daquele cujo valor foi estimado pelos filhos de Israel; 10.e deram-no pelo campo do Oleiro, como o Senhor me havia prescrito. 11.Jesus compareceu diante do governador, que o interrogou: És o rei dos judeus? Sim, respondeu-lhe Jesus. 12.Ele, porém, nada respondia às acusações dos príncipes dos sacerdotes e dos anciãos. 13.Perguntou-lhe Pilatos: Não ouves todos os testemunhos que levantam contra ti? 14.Mas, para grande admiração do governador, não quis responder a nenhuma acusação. 15.Era costume que o governador soltasse um preso a pedido do povo em cada festa de Páscoa. 16.Ora, havia naquela ocasião um prisioneiro famoso, chamado Barrabás. 17.Pilatos dirigiu-se ao povo reunido: Qual quereis que eu vos solte: Barrabás ou Jesus, que se chama Cristo? 18.(Ele sabia que tinham entregue Jesus por inveja.) 19.Enquanto estava sentado no tribunal, sua mulher lhe mandou dizer: Nada faças a esse justo. Fui hoje atormentada por um sonho que lhe diz respeito. 20.Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram o povo que pedisse a libertação de Barrabás e fizesse morrer Jesus. 21.O governador tomou então a palavra: Qual dos dois quereis que eu vos solte? Responderam: Barrabás! 22.Pilatos perguntou: Que farei então de Jesus, que é chamado o Cristo? Todos responderam: Seja crucificado! 2O governador tornou a perguntar: Mas que mal fez ele? E gritavam ainda mais forte: Seja crucificado! 24.Pilatos viu que nada adiantava, mas que, ao contrário, o tumulto crescia. Fez com que lhe trouxessem água, lavou as mãos diante do povo e disse: Sou inocente do sangue deste homem. Isto é lá convosco! 25.E todo o povo respondeu: Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos! 26.Libertou então Barrabás, mandou açoitar Jesus e lho entregou para ser crucificado. 27.Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e rodearam-no com todo o pelotão. 28.Arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto escarlate. 29.Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara. Dobrando os joelhos diante dele, diziam com escárnio: Salve, rei dos judeus! 30.Cuspiam-lhe no rosto e, tomando da vara, davam-lhe golpes na cabeça. 31.Depois de escarnecerem dele, tiraram-lhe o manto e entregaram-lhe as vestes. Em seguida, levaram-no para o crucificar. 32.Saindo, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus. 33.Chegaram ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar do crânio. 34.Deram-lhe de beber vinho misturado com fel. Ele provou, mas se recusou a beber. 35.Depois de o haverem crucificado, dividiram suas vestes entre si, tirando a sorte. Cumpriu-se assim a profecia do profeta: Repartiram entre si minhas vestes e sobre meu manto lançaram a sorte (Sl 21,19). 36.Sentaram-se e montaram guarda. 37.Por cima de sua cabeça penduraram um escrito trazendo o motivo de sua crucificação: Este é Jesus, o rei dos judeus. 38.Ao mesmo tempo foram crucificados com ele dois ladrões, um à sua direita e outro à sua esquerda. 39.Os que passavam o injuriavam, sacudiam a cabeça e diziam: 40.Tu, que destróis o templo e o reconstróis em três dias, salva-te a ti mesmo! Se és o Filho de Deus, desce da cruz! 41.Os príncipes dos sacerdotes, os escribas e os anciãos também zombavam dele: 42.Ele salvou a outros e não pode salvar-se a si mesmo! Se é rei de Israel, desça agora da cruz e nós creremos nele! 43.Confiou em Deus, Deus o livre agora, se o ama, porque ele disse: Eu sou o Filho de Deus! 44.E os ladrões, crucificados com ele, também o ultrajavam. 45.Desde a hora sexta até a nona, cobriu-se toda a terra de trevas. 46.Próximo da hora nona, Jesus exclamou em voz forte: Eli, Eli, lammá sabactáni? - o que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? 47.A estas palavras, alguns dos que lá estavam diziam: Ele chama por Elias. 48.Imediatamente um deles tomou uma esponja, embebeu-a em vinagre e apresentou-lha na ponta de uma vara para que bebesse. 49.Os outros diziam: Deixa! Vejamos se Elias virá socorrê-lo. 50.Jesus de novo lançou um grande brado, e entregou a alma. 51.E eis que o véu do templo se rasgou em duas partes de alto a baixo, a terra tremeu, fenderam-se as rochas. 52.Os sepulcros se abriram e os corpos de muitos justos ressuscitaram. 53.Saindo de suas sepulturas, entraram na Cidade Santa depois da ressurreição de Jesus e apareceram a muitas pessoas. 54.O centurião e seus homens que montavam guarda a Jesus, diante do estremecimento da terra e de tudo o que se passava, disseram entre si, possuídos de grande temor: Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus! 55.Havia ali também algumas mulheres que de longe olhavam; tinham seguido Jesus desde a Galiléia para o servir. 56.Entre elas se achavam Maria Madalena e Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu. 57.À tardinha, um homem rico de Arimatéia, chamado José, que era também discípulo de Jesus, 58.foi procurar Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Pilatos cedeu-o. 59.José tomou o corpo, envolveu-o num lençol branco 60.e o depositou num sepulcro novo, que tinha mandado talhar para si na rocha. Depois rolou uma grande pedra à entrada do sepulcro e foi-se embora. 61.Maria Madalena e a outra Maria ficaram lá, sentadas defronte do túmulo. 62.No dia seguinte - isto é, o dia seguinte ao da Preparação -, os príncipes dos sacerdotes e os fariseus dirigiram-se todos juntos à casa de Pilatos. 63.E disseram-lhe: Senhor, nós nos lembramos de que aquele impostor disse, enquanto vivia: Depois de três dias ressuscitarei. 64.Ordena, pois, que seu sepulcro seja guardado até o terceiro dia. Os seus discípulos poderiam vir roubar o corpo e dizer ao povo: Ressuscitou dos mortos. E esta última impostura seria pior que a primeira. 65.Respondeu Pilatos: Tendes uma guarda. Ide e guardai-o como o entendeis. 66.Foram, pois, e asseguraram o sepulcro, selando a pedra e colocando guardas. 

12. Dicitur Credo 12. Dizemos o Credo

Ofertório/ Sal. 68, 21-22.
Meu coração espera humilhações e sofrimentos. Procuro alguém que me entristeça, mas em vão; um edredom, e não encontro nenhum. De comida me dão fel; e na minha sede me bebem vinagre.

Secreta
Fazei, Senhor, vos suplicamos, que este sacrifício que oferecemos a vossa divina Majestade nos obtenha a graça da devoção e nos adquira a recompensa da felicidade eterna.  Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Prefácio de Cruce; quæ dicitur usque ad Feriam V in Cena Domini inclusive, iuxta Rubricas. Prefácio à Santa Cruz .
 
Comunhão/  Mat. 26, 42.
Pai, se este cálice de sofrimento não pode passar sem que eu o beba, faça-se a tua vontade.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
Depois da comunhão.
Senhor, pela ação deste sacramento divino, que possamos ser libertos de nossos vícios e que nossos desejos legítimos sejam realizados.

18. Celebrans, in fine Missae, data benedictione more solito, omittit ultimum Evangelium, et omnes revertuntur in sacristiam. O celebrante, no final da Missa, tendo dado a bênção da maneira habitual, omite o último Evangelho e todos voltam para a sacristia.
In ceteris Missis, sine benedictione ramorum, legitur in fine sequens Evangelium, ut in benedictione ramorum: Nas outras Missas sem Bênção de Ramos, o seguinte Evangelho é lido no final, como na Bênção de Ramos.
+ Sequéntia sancti Evangélii secundum Matthǽum. Leitura do Santo Evangelho segundo São Mateus.
Matt. 21, 1-9.
In illo témpore: Cum appropinquásset Iesus Ierosólymis, et venísset Béthphage ad montem Olivéti: tunc misit duos discípulos suos, dicens eis: Ite in castellum, quod contra vos est, et statim inveniétis ásinam alligátam et pullum cum ea: sólvite et addúcite mihi: et si quis vobis áliquid dixerit, dícite, quia Dóminus his opus habet, et conféstim dimíttet eos. Hoc autem totum factum est, ut adimplerétur, quod dictum est per Prophetam, dicéntem: Dícite filiae Sion: Ecce, Rex tuus venit tibi mansuétus, sedens super ásinam et pullum, filium subtilis. Eúntes autem discípuli, fecérunt, sicut præcépit illis Iesus. Et adduxérunt asinam et pullum: et imposuérunt super eos vestiménta sua, et eum désuper sedére tecérunt. Plúrima autem turba stravérunt vestiménta sua in via: álii autem cædébant ramos de arbóribus, et sternébant in via: turbæ autem, Naquele tempo, aproximando-se de Jerusalém e chegando a Betfagé, no Monte das Oliveiras, Jesus enviou dois de seus discípulos, dizendo-lhes: "Ide à aldeia que está à vossa frente, e logo encontrareis um jumento amarrado. e um potro com ela; desamarre-os e traga-os para mim. Se alguém lhe disser algo, você dirá: O Senhor precisa deles, e imediatamente eles serão soltos. Ora, isto foi feito para que se cumprisse o que fora dito pelo Profeta: Dize à filha de Sião: Eis que o teu rei vem a ti cheio de mansidão e montado num jumento e num jumentinho, o jumentinho de quem dá à luz o jugo. Os discípulos foram e fizeram como Jesus lhes ordenou. Eles trouxeram a jumenta e o jumentinho, colocaram suas capas sobre eles e o vestiram. Muitas pessoas da multidão espalharam suas roupas pelo caminho; outros cortam galhos de árvores e os espalham pela estrada. As multidões que precediam Jesus e as que o seguiam gritavam: “Hosana ao Filho de Davi! Bem-aventurado aquele que vem em nome do Senhor! »

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.
Façam penitência.