domingo, 30 de junho de 2019

30 de junho dia de São Paulo


 El apóstol Pablo presenta su defensa ante funcionarios romanos
São Paulo (~ 10 – 67)Apóstolo nascido em Tarso, cidade principal da Cilícia, conhecido como o grande apóstolo dos gentios. Descendia de uma família hebreus da tribo de Benjamin, que haviam obtido a cidadania romana, de grandes posses e prestígio político. Seus pais, sendo como eram, fiéis à lei mosaica, o mandaram logo para Jerusalém para ser educado lá. Fariseu fervoroso, recebeu na circuncisão o nome de Saulo e teve como preceptor um dos mais sábios e notáveis rabinos daquele tempo, o grande Gamaliel, neto do ainda mais famoso Hilel, de quem recebeu as lições sobre os ensinos do Antigo Testamento. Foi este Gamaliel, cujo discurso se contém nos Atos dos Apóstolos 5. 34-39, que aconselhou o Sanedrim a não tentar contra a vida dos apóstolos. Ele possuía alguma coisa estranha ao espirito farisaico, a qual se avizinhava da cultura grega. Em seu discurso demonstrava um espirito tolerante e conciliador, característico da seita dos fariseus. Celebrizou-se por seus vastos conhecimentos rabínicos. Aprendeu o ofício de fazedor de tendas, das que se usavam nas viagens. Recebeu uma educação subordinada às tradições e às doutrinas da fé hebraica e, embora fosse filho de um fariseu, At 23, tornou-se um cidadão romano. Pelos seus dizeres na epístola aos filipenses 3. 4-7, aparentemente ocupava posição de grande influência que lhe dava margem para conseguir lucros e grandes honras. Tornou-se membro do concílio, At 26. 10, e logo depois recebeu a comissão do sumo sacerdote para perseguir os cristãos, 9. 1, 2; 22. 5. Apareceu no cenário da história cristã, como presidente da execução do diácono Estêvão (1)o protomártir do Cristianismo, a cujos pés as testemunhas depuseram suas vestimentas At 7. 58. Na Bíblia aparece então no 7º capítulo do livro Atos dos Apóstolos, guardando as vestes do diácono, que foi apedrejado, concordando, portanto, com a condenação. Depois disso, empreendeu forte perseguição aos cristãos. Na sua posição odiava a nova seita, não só desprezando o crucificado Messias, como considerava os seus discípulos um elemento perigoso, tanto para a religião como para o Estado. Este seu ódio mortal contra os discípulos de Jesus durou até ao momento da sua conversão, que aparece no 9º capítulo. Foi no caminho de Damasco que se deu a sua repentina conversão (30). Ele e seus companheiros viajavam pelos desertos da Galiléia e quando, ao meio-dia, o sol ardente estava no seu zênite, At 26. 13, repentinamente uma luz vinda do céu, mais brilhante que a luz do sol caiu sobre eles, derrubando-os. Todos se ergueram, mas ele continuou prostrado por terra. Ouviu-se então uma voz que dizia em língua hebraica: “Saulo, Saulo, porque me persegues? Dura coisa é recalcitrares contra o aguilhão (2)”. Respondeu ele então: “Quem és tu Senhor?” E veio a resposta: “Eu sou Jesus a quem tu persegues. Levanta-te e vai à cidade e aí se te dirá o que te convém fazer”. Os companheiros que o seguiam ouviam a voz sem nada ver, nem entender. Ofuscado pelo intenso clarão da luz, foi conduzido pela mão dos companheiros. Entrou em Damasco e hospedou-se na casa de Judas, onde permaneceu três dias sem ver, sem comer e nem beber, orando e meditando sobre a revelação divina. Guiado pelo Senhor, o judeu convertido Ananias, foi visitar-lhe e ao se encontrar com o grande perseguidor, recebeu a confissão da sua nova fé. Certo de sua conversão Ananias impôs-lhe as mãos, fê-lo recobrar a visão e o batisou. Batizado, foi para o deserto da Arábia, onde orou e fez penitência por três anos. A partir de então, com a juventude e a energia que o caracterizava, e para grande espanto dos judeus, começou a pregar nas sinagogas que Jesus era o Cristo, Filho de Deus vivo, 9 10-22. Regressou à Jerusalém, onde sofreu a desconfiança dos que não acreditavam na sua repentina conversão e instalou-se em Antióquia, na Síria, de onde fez três grandes viagens missionárias, ao longo de 25 anos. Pregou na Ásia Menor, Grécia e Jerusalém, até ser preso em Cesaréia (61). Levado para Roma, permaneceu dois anos sob custódia militar, gozando de relativa liberdade, suficiente para receber os cristãos e converter os pagãos. Durante esse período escreveu as cartas aos Filipenses, aos Colossenses, aos Efésios e a Filêmon. Inocentado (63) passou pela Espanha, visitou suas comunidades no Oriente, onde foi preso e novamente levado para Roma (67) sob a acusação de seguir uma religião ilegal. São desse último período as duas cartas a Timóteo e a carta a Tito. Por ordem de Nero desta vez não teve perdão e foi condenado à morte, mas por ser um cidadão romano não deve ter sido crucificado e, sim, decapitado. Além de alguns discursos a ele atribuídos, mencionados nos Atos dos Apóstolos, deixou 14 cartas dirigidas a várias comunidades convertidas e a amigos. Nas cartas que escreveu às comunidades que fundou, mostrou-se o grande teólogo empenhado em elaborar uma síntese do mistério cristão que atravessasse os tempos. esses documentos caracterizam-se por conterem valiosas regras de vida completamente atemporais, que jamais perderão seu significado se praticados para garantirem a harmonia em qualquer sociedade, em qualquer época. Também em seus ensinamentos observa-se o esclarecimento da distinção entre judaísmo e cristianismo e a difusão deste último no mundo grego. É celebrado nos dias 25 de janeiro, tradicionalmente o dia da sua conversão, e 29 de junho, o dia de sua morte. Apóstolo é considerado o apóstolo do gentios por causa da sua grande obra missionário nos países gentílicos. Ele dizia de si mesmo: “Eu trabalhei e ai de mim se não evangelizar!”, “Eu sou o menor dos apóstolos… não sou digno de ser assim chamado”.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Dia 21 de junho dia de São Luís Gonzaga, Confessor.

21/06 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe 
Paramentos Brancos.
 São Luís Gonzaga, S.J., (Mântua, 9 de março de 1568 — Roma, 21 de junho de 1591) foi um religioso italiano e santo da Igreja Católica.Filho de Ferrante Gonzaga, marquês de Castiglione e irmão do Duque de Mântua, príncipe do Sacro Império, sendo herdeiro do feudo soberano de Castiglione; seu pai gostaria que seu primogênito seguisse seus passos de soldado e comandante no exército imperial.Com apenas 5 anos de idade já marchava atrás do exército do pai, aprendendo o uso das armas com os rudes soldados. Recebeu educação esmerada e uma forte educação cristã por parte de mãe, frequentou os ambientes mais sofisticados da alta nobreza italiana.Mas aquele menino daria fama à família Gonzaga com armas totalmente diferentes e quando foi enviado a Florença na qualidade de pajem do grão-duque da Toscana, aos dez anos de idade.Luís imprimiu em sua própria vida uma direção bem definida, voltando-se à perpétua virgindade. Em sua viagem para a Espanha, onde ficou alguns anos como pajem do Infante Don Diego, filho de Filipe II, serviu-lhe para estudo da filosofia na universidade de Alcalá de Henares e a leitura de livros devotos. Após ter recebido a primeira comunhão das mãos de São Carlos Borromeu, decidiu para surpresa de todos, pela vida religiosa, entrando para a Companhia de Jesus, derrubando por terra os interesses nele depositados pelo seu pai, tendo sido eternizado na fachada da Sé Nova de Coimbra com uma estátua em sua homenagem.Luís tornou-se o modelo da pureza para todos os jovens, mesmo em meio às vaidades e tentações do seu tempo. Ele teve uma grande provação por parte do seu pai, que ao saber que desejava ser sacerdote, não só o desaconselhou, mas passou a levá-lo em festas mundanas, até que perguntou a Luís: "Ainda segue desejando ser sacerdote?" "É isto que penso noite e dia", respondeu o jovem e perseverante santo. Renunciou ao título e à herança paternas e aos catorze anos entrou no noviciado romano da Companhia de Jesus, sob a direção de São Roberto Belarmino. Esquecendo totalmente sua origem de nobreza, escolheu para si as incumbências mais humildes. São Luís Gonzaga escreveu: "Também os príncipes são pó como os pobres: talvez, cinzas mais fedidas".Algo também que marcava a espiritualidade de Luís era a pergunta que fazia a si mesmo diante de algo importante a fazer: "De que serve isto para a Eternidade?
"São Luís Gonzaga teve de ir para Roma no ano de 1590 por motivos de estudo, mas ao deparar-se com as vítimas do contagioso tifo, compadeceu-se dos que sofriam e seu envolvimento foi tanto ao ponto de pegar a doença e morrer no dia 21 de junho de 1591 (data esta que hoje se comemora o seu dia) com apenas 23 anos, em nome da caridade e pureza.São Luís Gonzaga é considerado padroeiro da juventude e dos estudantes, e seu corpo repousa na Igreja de Santo Inácio, em Roma.

Leitura da Epístola do

Eclesiástico 31,8-11
8.Bem-aventurado o rico que foi achado sem mácula, que não correu atrás do ouro, que não colocou sua esperança no dinheiro e nos tesouros! 9.Quem é esse homem para que o felicitemos? Ele fez prodígios durante sua vida. 10.Àquele que foi tentado pelo ouro e foi encontrado perfeito, está reservada uma glória eterna: ele podia transgredir a lei e não a violou; ele podia fazer o mal e não o fez.11.Por isso seus bens serão fortalecidos no Senhor, e toda a assembléia dos santos louvará suas esmolas.

Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus 22,29-40
29.Respondeu-lhes Jesus: Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus.30.Na ressurreição, os homens não terão mulheres nem as mulheres, maridos; mas serão como os anjos de Deus no céu.31.Quanto à ressurreição dos mortos, não lestes o que Deus vos disse:32.Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó (Ex 3,6)? Ora, ele não é Deus dos mortos, mas Deus dos vivos. 33.E, ouvindo esta doutrina, as turbas se enchiam de grande admiração.34.Sabendo os fariseus que Jesus reduzira ao silêncio os saduceus, reuniram-se35.e um deles, doutor da lei, fez-lhe esta pergunta para pô-lo à prova:36.Mestre, qual é o maior mandamento da lei? 37.Respondeu Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito (Dt 6,5).38.Este é o maior e o primeiro mandamento.39.E o segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18).40.Nesses dois mandamentos se resumem toda a lei e os profetas.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Novo livro: Mudança de Hábito

Um livro para os escravos de Maria, na linha da Modéstia.

Valor 6,00
Pedidos para lojinhadoconvento@gmail.com

Autora: MADAME DE GENTELLES 
ÍNDICE:
PREFÁCIO .........................................................................................................................
INTRODUÇÃO.................................................................................................................
I – O valor do tempo..........................................................................................................
II — A perda do tempo........................................................................................................
III - A primeira hora do dia ..................................................................................................
IV — A oração da manhã.....................................................................................................
V —quarto de hora de Deus ................................................................................................
VI - O sacrifício da manhã ..................................................................................................
VII — Sobre a vida regrada .................................................................................................
VIII — Regulamento de vida...............................................................................................
IX — Obrigação do trabalho ...............................................................................................
X- Sobre as consolações que nos dá o trabalho ..................................................................
XI — Dos escolhos que devemos evitar no trabalho intelectual .......................................
XII — Sobre o trabalho manual...........................................................................................
XIII — Das refeições .........................................................................................................
XIV — Das conversações...................................................................................................
XV – Qualidades das conversação......................................................................................
XVI - Defeitos a evitar nas conversações..........................................................................
XVII — Defeitos a evitar nas conversações (contin.)......................................................
XVIII — Da maneira de santificarmos nossas conversações...........................................
XIX - Das relações epistolares.........................................................................................
XX – Das leituras ............................................................................................................
XXI —que devemos ler...................................................................................................
XXII — Como devemos ler...............................................................................................
XXIII — Quais as leituras deque nos devemos abster....................................................
XXIV — Consequências das más leituras..........................................................................
XXV – Das distrações permitidas.......................................................................................
XXVI — Das provações da vida.......................................................................................
XXVII — Da prática da caridade .......................................................................................
XXVIII — Da oração da noite.......................................................................................


 Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

Novo Folheto de São José



Já são mais de 30 mil folhetos distribuídos

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

quarta-feira, 12 de junho de 2019

12 de junho dia de São João de S. Facundo. Confessor

 São João Gonzáles de Castrillo, filho de nobres e cristãos, nasceu em 1430 na cidade de Sahagún, reino de León, Espanha. Estudou na sua cidade natal com os monges beneditinos da Abadia de São Facundo, recebendo a ordenação sacerdotal em 1453.
 O Arcebispo de Burgos nomeou-o seu pajem e, depois, cônego e capelão da diocese. Depois da morte do bispo, João doou todos os seus bens, menos uma residência, onde construiu a capela de Santa Agnes, em Burgos. Devoto da Santíssima Eucaristia, celebrava a Missa diariamente, ministrando o Sacramento, pregando para a população pobre e ignorante. Esta era sua maneira de catequizar. Mas depois João afastou-se para cursar teologia na faculdade de Salamanca. Porém, antes de retornar à sua diocese, deixou sua marca nesta cidade.
 Consta dos registros oficiais que, certa vez, a comunidade se dividiu em dois partidos antagônicos e a disputa saiu do campo das idéias para chegar a uma luta de vida e morte. Entretanto, antes que a batalha iniciasse, João colocou-se entre os dois, pregou, orientou, aconselhou e um pacto de paz foi assinado entre eles para nunca mais haver derramamento de sangue. Desde então ganhou o apelido de "O Pacificador".
 O seu fervor ao celebrar o Santo Sacrifício emocionava os fiéis, que em número cada vez maior acorria para ouvir seus ensinamentos. Um fato foi relatado sobre ele e que todos aqueles que estavam dentro da igreja também presenciaram: a forma do corpo de Jesus em uma de suas consagrações. Com isto passou a ser o conselheiro espiritual de todos na cidade e todos seguiam seus conselhos.
 Em 1463 ele foi acometido de uma doença muito grave. Nesta ocasião decidiu que depois de curado entraria para uma ordem religiosa. No ano seguinte, ingressou na Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho em Salamanca. Conhecido como João de Sahagún, logo foi o noviço sênior enquanto continuava a pregar em público, tornado seus sermões cada vez mais eloqüentes e destemidos.
 Consta que durante uma de suas pregações condenava com veemência os poderosos e, ao perceber a presença de um duque que se sentiu atingido pelo discurso, disse diretamente a ele que não temia a morte, como se adivinhasse seus pensamentos.
 Chamado de Apóstolo de Salamanca, foi eleito Prior da comunidade em 1478. Ele mesmo previu a sua morte. Que ocorreu como uma conseqüência dos dons que possuía de enxergar o coração das pessoas e de aconselhá-las, para conseguir a conversão e a remissão da vida pecadora destes cristãos. Ele foi envenenado, por vingança de uma ex-amante, cujo companheiro, convertido por ele, abandonou-a para voltar à vida familiar cristã.
 São João de Sahagún morreu em 11 de junho de 1479. Venerado ainda em vida por sua santidade, depois da morte, as graças e milagres por sua intercessão continuaram a ocorrer. O seu culto foi autorizado para o dia 12 de junho, quando foi declarado Santo pela Igreja em 1690. A cidade de Salamanca considera São João de Sahagún um dos seus padroeiros.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Peregrinação da resistência



Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

10 de junho dia de Santa Margarita da Escócia,Rainha e Viuva.


   Rei da Inglaterra Edmundo II foi assassinado em 1017, Canuto II, o Grande, rei da Dinamarca, aproveitou para tentar concluir a conquista desse país, do qual já ocupava algumas províncias. E enviou para a Suécia os dois filhos do rei falecido, Edmundo e Eduardo, com o intuito de que lá fossem mortos. Mas o rei sueco não quis manchar suas mãos com sangue inocente e mandou os dois órfãos para a Hungria, onde reinava o grande Santo Estêvão. Este recebeu-os com todo afeto e se encarregou de dar-lhes uma educação segundo seu nascimento. Edmundo morreu sem sucessão, mas Eduardo, chamado “do Ultramar” ou “o Proscrito”, casou-se com Ágata, sobrinha do Imperador Santo Henrique e irmã de Gisela, esposa do rei Santo Estêvão. Desse matrimônio nasceram três filhos, Edgard, Cristina e Margarida, esta em 1046.
  Em 1041 subira ao trono da Inglaterra Santo Eduardo III, o Confessor. Logo que se firmou no trono, sabendo que seu parente vivia exilado na corte da Hungria, convidou-o a voltar com a família para a Inglaterra. Voltaram em 1054, sendo recebidos com provas de estima e afeição.
  A princesa Santa Margarida, então no início da adolescência, encantou a todos por sua piedade e modéstia. Era devotíssima da Santa Mãe de Deus e extremamente caridosa para com os pobres e necessitados.
   Santo Eduardo III, Rei da Inglaterra, parente da santa.O pai da santa faleceu em 1057, e seu irmão Edgard tornou-se assim herdeiro direto do rei santo, que não tinha descendentes. Sendo ele ainda menor de idade, e tendo nascido em terra estrangeira, colocaram no trono em seu lugar o Conde Haroldo. Guilherme, o Conquistador, atravessou o Canal da Mancha em 1066 e invadiu a Inglaterra. Na batalha de Hastings, matou Haroldo e se apoderou do trono inglês. Para subtrair-se à tirania do conquistador, Edgard e Margarida, esta com 20 anos de idade, fugiram numa embarcação pretendendo chegar à Hungria, onde sabiam que seriam bem recebidos. Mas outro era o desígnio da Providência, e durante uma tempestade o barco foi atirado às costas da Escócia.
  Nesse país foram bem recebidos pelo rei Malcolm III que, encantado com as qualidades de Margarida, propôs-lhe o matrimônio. Esta de há muito alimentava o desejo de, como sua irmã Cristina, fazer-se religiosa. Mas seu confessor fê-la ver como poderia auxiliar mais a religião subindo ao trono. Assim realizou-se no ano de 1070 o casamento e a coroação de Margarida como rainha da Escócia. Aos 24 anos de idade, foi reputada a mais formosa princesa de seu século.
  Malcolm fosse um pouco rude, tinha muito boa índole e disposição para a virtude. Sobretudo amava ternamente a rainha e tinha nela uma confiança sem limites. Assim Margarida, por uma conduta cheia de respeito e condescendência, tornou-se senhora de seu coração; e serviu-se do ascendente que tinha sobre o rei para fazer florescer a religião e a justiça, procurar a felicidade dos súditos e inspirar a seu marido os sentimentos que o tornaram um dos mais virtuosos reis da Escócia. Ela amenizou seu caráter, cultivou seu espírito, poliu suas maneiras e o inflamou de amor pela prática das máximas evangélicas. A rainha punha empenho nesse apostolado, pois não duvidava que a transformação e melhora dos costumes do povo dependiam em boa parte do exemplo do rei e da corte. Assim, toda a Escócia progrediu, tornando o reinado de Malcolm um dos mais felizes e prósperos da Escócia.
 Santa Margarida era uma rainha “piedosa e varonil ao mesmo tempo. Cavalgava gentilmente entre os magnatas, tecia e bordava entre as damas, rezava entre os monges, discutia entre os sábios, e entre os artistas planejava projetos de catedrais e de mosteiros”.
 Deus abençoou seu matrimônio com oito filhos, seis homens e duas mulheres, todos tendo seguido a senda da mãe. Dois deles –– uma filha, também Margarida, casada com o rei da Inglaterra, e um filho, Davi I, rei da Escócia –– foram elevados à honra dos altares.
 Um dos cuidados de Santa Margarida foi estabelecer em todo o reino sacerdotes virtuosos e pregadores zelosos. Um sínodo foi convocado, e as mais importantes dentre as reformas instituídas por ele foram a regulamentação do jejum da Quaresma e a observância da comunhão pascal, então quase desaparecidos, e a remoção de certos abusos concernentes ao casamento dentro dos graus de parentesco proibidos.
  A Santa rainha organizou a Igreja na Escócia. Em conseqüência, por seus conselhos, o reino foi dividido em dioceses, com demarcação bem determinada. Foram criados cabidos nas catedrais, com o correspondente clero, e estabelecidas paróquias. Atraiu ordens religiosas, principalmente da França e da Inglaterra, com vistas a contribuir eficazmente para o incremento da vida litúrgica, pois desejava o esplendor na Casa de Deus. Para isso, construiu igrejas magníficas e reformou outras, dotando-as do que havia de melhor para o serviço divino.
   A rainha queria que a corte fosse esplêndida, a fim de valorizar a autoridade real; que a nobreza se vestisse muito bem, e que os reis se trajassem com pompa. Protegeu também as ciências e as artes e fundou diversos estabelecimentos de cultura.
  Tinha muita caridade para com o próximo.Diariamente servia com suas próprias mãos a comida a nove meninas órfãs e a 24 anciãos. Durante o Advento e a Quaresma, atendia com o rei –– ambos de joelhos, por respeito a Nosso Senhor Jesus Cristo em seus membros padecentes –– a 300 pobres, servindo-lhes comida da mesa real. Também diariamente a rainha saía pelas ruas, sendo rodeada então por inúmeros órfãos, viúvas e necessitados de toda espécie, que clamavam: “Rainha santa, socorrei-nos”, “Ó nossa mãe, assisti-nos”. E ela a todos socorria, mesmo que para isso tivesse que pedir também aos membros da sua comitiva algo com o que assistir àquela gente. Regularmente visitava os hospitais para socorrer os doentes pobres. Os devedores insolventes encontravam nela seu auxílio. Resgatava cativos, não só escoceses, mas também de outras nacionalidades. Enfim, não houve miséria física ou moral que ela não tivesse socorrido.
   Santa Margarida, como todos os santos, tinha profunda humildade. Pedia freqüentemente a seu confessor que a advertisse de qualquer falta que a visse praticar. E reclamava com ele, que não encontrava o que advertir, alegando que não estava cumprindo sua missão.
  Ela dormia pouco e rezava muito. Sua alimentação era tão parca, que se restringia apenas ao necessário. Começou a sentir o organismo minado, com terríveis dores de estômago. Privava-se de qualquer passatempo fútil e fugia de tudo quanto pudesse alimentar a sensualidade. Possuía também um vivo espírito de compunção e tinha o dom das lágrimas. Guardava silêncio absoluto na igreja, por respeito à Presença Real, e bastava vê-la rezar para se conhecer como é que se pratica a oração.
  Santa Margarida observava duas Quaresmas, a do Natal e a da Páscoa, aumentando ainda mais suas austeridades.
 Capela de Sta. Margarida, no Castelo de Edimburgo
Quando a rainha estava acamada em sua última doença, teve que passar por uma prova duríssima. Tendo o rei Guilherme, o Ruivo, da Inglaterra, invadido a Northumberland escocesa, Malcolm organizou um exército para a reconquistar. A rainha lhe pediu muito que não fosse pessoalmente a essa campanha, mas ele resolveu ir com seus filhos Eduardo e Edgard, julgando que o temor da rainha se devia à bondade do seu coração.
  Quatro dias antes de sua morte, ela disse aos presentes: “Hoje talvez tenha acontecido uma grande infelicidade para a Escócia, como a que ela não via há muitos anos”. Entrementes seu filho Edgard voltou da guerra, e ela lhe pediu notícias do pai e do irmão. Temendo que a verdade lhe fosse fatal, o rapaz respondeu que estavam bem. “Ah! Meu filho, sei muito bem o que se passa; por isso não tens que negar-me a verdade”, respondeu ela. Edgar relatou então a morte de seu pai e irmão numa emboscada durante a campanha. Margarida, erguendo os olhos ao céu, exclamou: “Deus todo-poderoso, eu vos agradeço por me terdes enviado uma tão grande aflição nos derradeiros momentos de minha vida. Espero que, com vossa misericórdia, ela servirá para me purificar de meus pecados”. Enfim, sua alma se viu livre dos liames do corpo no dia 16 de novembro de 1093, aos 47 anos de idade. Tornou-se padroeira da Escócia.
 Tempos depois, ao cair esse país na heresia protestante, os católicos recolheram secretamente as relíquias da rainha santa e de seu esposo, a quem também consideravam santo, e as enviaram ao rei Filipe II da Espanha, que lhes deu um refúgio seguro no mosteiro El Escorial, que acabava de construir.Seu confessor e biógrafo diz que não é necessário constatar se ela praticou milagres, pois sua vida inteira foi um prodígio.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

sábado, 8 de junho de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXX (620)- (01 de junho de 2019)


HUONDERLAND NOVAMENTE


Sacerdotes da Fraternidade, aguentem firme!
A traição é abundante, está em toda parte.

Em 20 de maio, dia em que se encerrou o mandato de Dom Huonder como chefe da grande diocese suíça de Chur desde 2007, a questão controversa de seu futuro lugar de aposentadoria foi decidida de uma vez por todas por uma Declaração assinada conjuntamente por ele mesmo e pelo Superior Geral da Fraternidade, o Pe. David Pagliarani: o Bispo viverá na escola de meninos da Fraternidade em Wangs, no leste da Suíça. Surgiram dúvidas quanto ao lugar onde o Bispo se retiraria por causa da improbabilidade natural de um Bispo Conciliar estabelecer-se dentro de uma casa Tradicional, mas de ambos os lados do abismo doutrinário entre o Concílio Vaticano II e a Tradição Católica, prevaleceu o sonho antidoutrinário de estabelecer uma ponte sobre esse abismo. Assim, a respeito de sua decisão, o mesmo Bispo acaba de escrever: “De acordo com os desejos do Papa Francisco, eu me esforçarei ali (em Wangs) para contribuir para a unidade da Igreja”. É uma intenção honrosa, mas que não leva em conta a maldade do Vaticano II.

Mas como o mundo moderno segue adiante, e com ele a Igreja moderna, e com a Neoigreja, a Neofraternidade, o Bispo Huonder é um clérigo decente e bem-intencionado, cheio de boas intenções que podem fazer qualquer pessoa "decente" pensar que ele é uma boa companhia, e que é seguro misturar-se com ele, e é seguro colocá-lo dentro de uma escola "decente". Sem dúvida alguém pode esperar que o ambiente tradicional em Wangs lhe faça bem.

Mas, do ponto de vista de Deus e da verdadeira Igreja Católica, ele é um crente no Concílio Vaticano II, e, portanto, acredita em trabalhar com o atual Papa desse Concílio, o Papa Francisco, juntamente com todos os seguidores da Tradição que não compreendem mais a ambiguidade e a maldade objetivas desse Concílio com seus seis Papas conciliares. Com efeito, esse Concílio é profundamente ímpio, e contamina tudo o que toca (ver vários números destes “Comentários” que deverão aparecer em breve), e desvia da verdade todas as pessoas que acreditam nele. Portanto, do ponto de vista da salvação das almas – que é o ponto de vista mesmo de Deus –, o Bispo Huonder está, objetivamente falando, contaminado e desviado, não sendo adequado para a companhia dos católicos ou de uma escola católica, e ainda mais perigoso é que ele seja subjetivamente decente, bem intencionado, simpático, e assim por diante.

Nem precisa ser mais ou menos culpado do que milhares de outros Bispos “decentes” que existem desde o Vaticano II por ter-se deixado enganar por uma série de Papas Conciliares, nem precisa ser insultado como se fosse um vilão, nem precisa ser socialmente rechaçado como um pária. Mas os católicos devem evitar absolutamente qualquer tipo de contato com ele, seja social ou de qualquer outro tipo, que possa resultar em qualquer tentação de manter com ele, enquanto ele seguir crendo no Vaticano II, qualquer tipo de companhia em assuntos da Fé. E, para evitar qualquer tentação, seria necessário evitar sua companhia completamente, e então sua companhia deveria ser completamente rechaçada. Deus e a Fé devem vir em primeiro lugar, ser o fim e a coisa mais importante, pois, caso contrário, corremos o risco de perder nossas almas.

Para concluirmos, só podemos desejar a Dom Huonder em sua aposentadoria toda a graça de Deus para que compreenda a perfídia do Vaticano II, e aos internos tradicionalistas da escola da Fraternidade em Wangs só podemos desejar toda a graça de Deus para que o ajudem com seu exemplo a compreender o perigo dos “desejos” do Papa Francisco para com a Fraternidade, do qual acaba de sair à luz outro exemplo.

Chegou de Roma nos últimos dias um informe que diz que o sacerdote argentino que foi nomeado por Dom Fellay para ser o Ecônomo Geral da Fraternidade, a pedido do Papa e com o consenso do novo Superior à frente da Fraternidade, o Pe. Pagliarani, foi reintegrado à Igreja oficial, e, sempre pelo desejo do Papa Francisco, reside atualmente na Casa Santa Marta, onde vive o próprio Papa; esse sacerdote será incardinado na diocese de Roma, esperando sua possível nomeação para Bispo pelo Papa Francisco. Ainda que esse informe esteja a expor somente meias verdades, não estaria a revelar a incapacidade ou a falta de vontade dos altos funcionários da Fraternidade de entender que o Arcebispo Lefebvre lutou contra o Concílio Vaticano II por razões de Fé?

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXIX (619)- (25 de maio de 2019)


Um Mau Sinal

Sacerdotes da Fraternidade, fazemos este apelo: não se deixem enganar.
O Capítulo de julho nada pode recuperar.

Preparem-se, caros leitores, para outra má notícia. Não é o fim do mundo, mas é mais uma palha em um vento desfavorável, mais uma indicação de que o vento está soprando na direção errada quando tínhamos esperança de que pudesse ter virado na direção certa. Afinal, quando no Capítulo Geral de julho do ano passado foi eleito um novo Superior Geral, não se teve um sinal de que o controle firme dos liberais sobre a direção que estava tomando a Fraternidade estava finalmente se afrouxando? De que havia uma esperança de que o novo Superior Geral pudesse levar a Fraternidade numa direção mais sã do que a que haviam tomado os dois sucessores imediatos do Arcebispo?

Essa esperança recebeu um duro golpe quando soubemos que, pouco antes do final do Capítulo, havia-se criado junto ao órgão normal do governo da Fraternidade, que é o triunvirato de seu Superior Geral e seus dois assistentes, dois novos postos de Conselheiro para assessorar o triunvirato. E quem se nomeou para esses dois cargos? Ninguém menos que os dois Superiores Gerais anteriores! Mas, caso temêssemos que isso pudesse significar que não haveria nenhuma mudança no crescente pesadelo da Fraternidade dos últimos vinte anos, asseguraram-nos que os dois novos Conselheiros apenas assessorariam sobre a inclusão ou exclusão dos membros da Fraternidade, ou sobre a abertura ou fechamento de casas da Fraternidade. E quem quis acreditar, acreditou.

Além de afastar os temores de que no topo da Fraternidade quanto mais as coisas mudassem mais elas seguiriam sendo as mesmas, temores de que a Fraternidade ainda estava sob as garras de seus inimigos internos, informaram-nos também que o ex-Superior Geral já não estaria morando no Quartel General da Fraternidade em Menzingen, perto de Zurique, mas no seminário principal da Fraternidade em Écône, com uma cadeia de altas montanhas entre esta e Menzingen. Tal movimento assustou alguns de nós pela sombra que se lançava sobre todo o Seminário pela proximidade do antigo Superior Geral com a formação sacerdotal dos futuros sacerdotes francófonos da Fraternidade, mas pelo menos ele não estaria ofuscando seu sucessor em Menzingen. Pelo menos nesse sentido poderíamos esperar que ele deixasse para seu sucessor como Superior Geral a liberdade para determinar por si mesmo a futura política da Fraternidade. E isso é certamente o que a mudança de Menzingen para Écône pretendia-nos fazer pensar. Infelizmente, parece que mais uma vez nos fizeram de tolos.

Com efeito, a última notícia, vinda de mais de uma fonte e seguramente fácil de verificar-se, é a de que o ex-Superior Geral fez as malas em Écône e voltou para Menzingen. Parece que ele calculou que haveria pouca reação em potencial à permanência dele no Quartel General, ou que a reação havia acalmado; em todo caso, que era seguro para a aranha retornar ao centro de sua teia, porque nenhuma das moscas notaria.

Sacerdotes da Fraternidade Sacerdotal São Pio X do Arcebispo Lefebvre: em nome dele, apelamos aos senhores: acreditem se quiserem que a política de ressubmissão à Roma conciliar não é suicida para a sua Fraternidade e para o propósito para o qual ele a fundou, mas, nas palavras de Hamlet, "não passa em tua alma esse enganoso unguento", não pensem que a mudança de Superior Geral em julho fez uma diferença real nessa política. Parece que a mesma máfia de liberais segue no comando, e continua determinada – é claro, com a melhor das intenções – em desfazer o que fez o Arcebispo.

O problema é profundo, e se estende para muito além da pequena Fraternidade. Permaneçam atentos!

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

quinta-feira, 6 de junho de 2019

06 de junho dia de São Norberto. Bispo e Confessor.

06/06 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe 
Paramentos Brancos 

 Clérigo mundano e de vida pouco edificante, converteu-se repentinamente por desígnios de Deus, durante uma cavalgada no bosque, surpreendido por violente furacão, Norberto ficou aterrado com um relâmpago brilhante e como Saulo no caminho de Damasco repetiu a pergunta: "Senhor que queres que eu faça". Eis a resposta que determinou mudança radical em sua vida.Aquele episódio foi o inicio de sua conversão. Desertou dos encontros mundanos e se pôs na escola do abade beneditino de Siegburgo e dos cônegos de Klosterrath passando três anos em penitência e oração. Foi ordenado sacerdote no ano de 1115 pelo arcebispo de Colônia e iniciou sua atividade missionária itinerante. Despojou-se de tudo, doando aos pobres, ficando apenas com uma mula e dez moedas de prata, deixando em seguida para continuar suas peregrinações a pé e descalço.F undou depois a Ordem Premonstratense e foi arcebispo de Magdeburgo, na Saxônia. Combateu os erros de seu tempo e implantou no Clero as salutares reformas ordenadas por São Gregório VII. Morreu em Magdeburgo quando retornava de uma missão de paz na Itália no dia 06 de junho de 1134. Foi canonizado no ano de 1582. São Norberto é padroeiro da Boêmia.

Leitura do livro do

Eclesiástico 44, 16-27 e 45, 3-20
16.Henoc agradou a Deus e foi transportado ao paraíso, para excitar as nações à penitência.17.Noé foi julgado justo e perfeito, e no tempo da ira tornou-se o elo de reconciliação.18.Por isso foram deixados alguns na terra, quando veio o dilúvio.19.Ele foi o depositário das alianças feitas com o mundo, a fim de que ninguém doravante fosse destruído por dilúvio. 20.Abraão é o pai ilustre de uma infinidade de povos. Ninguém lhe foi igual em glória: guardou a lei do Altíssimo, e fez aliança com ele.21.O Senhor marcou essa aliança em sua carne; na provação, mostrou-se fiel. 22.Por isso jurou Deus que o havia de glorificar na sua raça, e prometeu que ele cresceria como o pó da terra.23.Prometeu-lhe que exaltaria sua raça como as estrelas, e que seu quinhão de herança se estenderia de um mar a outro: desde o rio até as extremidades da terra.24.Ele fez o mesmo com Isaac, por causa de seu pai, Abraão.25.O Senhor deu-lhe a bênção de todas as nações, e confirmou sua aliança sobre a cabeça de Jacó.26.Distinguiu-o com suas bênçãos, deu-lhe a herança, e repartiu-a entre as doze tribos.27.Conservou-lhe homens cheios de misericórdia, que encontraram graça aos olhos de toda carne.
3.Glorificou-o na presença dos reis, prescreveu-lhe suas ordens diante do seu povo, e mostrou-lhe a sua glória.4.Santificou-o pela sua fé e mansidão, escolheu-o entre todos os homens.5.Pois (Deus) atendeu-o, ouviu sua voz e o introduziu na nuvem.6.Deu-lhe seus preceitos perante (seu povo) e a lei da vida e da ciência, para ensinar a Jacó sua aliança e a Israel seus decretos.7.Exaltou seu irmão Aarão, semelhante a ele, da tribo de Levi.8.Fez com ele uma aliança eterna, deu-lhe o sacerdócio do seu povo, e cumulou-o de felicidade e de glória.9.Adornou-o com um cinto de honra, revestiu-o de um manto de glória, coroou-o com todo esse aparato majestoso. 10.Deu-lhe a longa túnica, a túnica inferior e o efod, cujas bordas eram ornadas de numerosas campainhas,11.que deviam retinir, quando ele andasse, e se ouvisse o seu som no templo, para advertir os filhos de seu povo.12.Deu-lhe uma túnica santa, tecida de ouro, de pedras preciosas e de púrpura, obra de um homem sábio, dotado de juízo e de verdade. 13.Era uma obra de artista, de fio de escarlate, com doze pedras preciosas engastadas no ouro, gravadas pelo trabalho do lapidador, em memória das doze tribos de Israel.14.Sobre sua tiara colocou uma coroa de ouro, onde estava gravado o cunho da santidade, da glória e da honra; era uma obra majestosa, adorno que encantava os olhos.15.Nunca antes dele houve coisa tão magnífica, desde o princípio do mundo.16.Nenhum estranho dele se revestiu, mas somente os seus filhos, e os filhos de seus filhos no decorrer dos tempos. 17.Os sacrifícios foram diariamente consumidos pelo fogo.18.Moisés o investiu e o ungiu com o óleo santo.19.Deus fez com ele e com sua raça uma aliança eterna, que durará tanto quanto os dias do céu, para exercer o sacerdócio, para cantar os louvores do Senhor, e abençoar solenemente o seu povo em seu nome.20.Escolheu-o entre todos os viventes para oferecer a Deus o sacrifício, o incenso e o perfume da lembrança, e para fazer a expiação em favor do seu povo.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 25,14-23

14.Será também como um homem que, tendo de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens.15.A um deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu.16.Logo em seguida, o que recebeu cinco talentos negociou com eles; fê-los produzir, e ganhou outros cinco.17.Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois.18.Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor.19.Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes contas.20.O que recebeu cinco talentos, aproximou-se e apresentou outros cinco: - Senhor, disse-lhe, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei.'21.Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.22.O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: - Senhor, confiaste-me dois talentos; eis aqui os dois outros que lucrei.23.Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 5 de junho de 2019

sábado, 1 de junho de 2019

Mês do Sagrado Coração de Jesus

Conheça agora as 12 promessas do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque:
 https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/0d/79/33/0d79337888b98f2b92ae199c535fceec.jpg
Conheça agora as 12 promessas do Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque:
1ª Promessa: “A minha bênção permanecerá sobre as casas em que se achar exposta e venerada a imagem de Meu Sagrado Coração”;
2ª Promessa: “Eu darei aos devotos de Meu Coração todas as graças necessárias a seu estado”; 3ª Promessa: “Estabelecerei e conservarei a paz em suas famílias”; 4ª Promessa: “Eu os consolarei em todas as suas aflições”;
5ª Promessa: “Serei refúgio seguro na vida e principalmente na hora da morte”;
6ª Promessa: “Lançarei bênçãos abundantes sobre os seus trabalhos e empreendimentos”;
7ª Promessa: “Os pecadores encontrarão, em meu Coração, fonte inesgotável de misericórdias”;
8ª Promessa: “As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas pela prática dessa devoção”;
9ª Promessa: “As almas fervorosas subirão, em pouco tempo, a uma alta perfeição”;
10ª Promessa: “Darei aos sacerdotes que praticarem especialmente essa devoção o poder de tocar os corações mais endurecidos”;
11ª Promessa:
“As pessoas que propagarem esta devoção terão o seu nome inscrito para sempre no Meu Coração”;

12ª Promessa: “A todos os que comunguem, nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, darei a graça da perseverança final e da salvação eterna”.


“Eis ai  estou Eu  à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei Eu em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.”
(Apocalipse 3.20)

 

Ato de desagravo ao Sagrado Coração de Jesus, por Pio IX

 Oh! dulcíssimo Jesus, cujo imenso amor aos homens não tem recebido pagamento, dos ingratos, mais que esquecido, negligenciado e menosprezado!

 Vede-nos prostrados ante vosso altar, para reparar, com especiais homenagens de honra, a frieza indigna dos homens e as injúrias com que, em todas partes, ferem vosso amantíssimo Coração.

  Mas recordando que também nós algumas vez nos manchamos com tal indignidade da qual nos doemos agora vivamente, desejamos, acima de tudo, obter para nossas almas vossa divina misericórdia, dispostos a reparar, com voluntária expiação, não apenas nossos próprios pecados, mas sim também os daqueles que, separados do caminho da salvação e obstinados em sua infidelidade, ou não querem seguir-vos como um Pastor e Guia, ou, pisando as promessas do Batismo, tem desprezado o suavíssimo jugo de vossa lei.

  Nós queremos expiar tão abomináveis pecados, especialmente a imodéstia e a desonestidade da vida e dos vestidos, os inumeráveis ataques estendidos contra as almas inocentes, a profanação dos dias festivos, as imensas injúrias proferidas contra Vós e contra vossos Santos, os insultos dirigidos a vosso Vigário e a Ordem Sacerdotal, as negligências e horríveis sacrilégios com que é profanado o mesmo Sacramento do amor e, em fim, os públicos pecados das nações que opõem resistência aos direitos e ao magistério da Igreja única por Vós fundada.
Oxalá que nos fosse dado lavar tantos crimes com nosso próprio sangue!

  Mas, entretanto, como reparação do honra divina ofendida, unindo com a expiação da Virgem vossa Mãe, dos Santos e das almas boas, Vos oferecemos a satisfação que Vós mesmo oferecestes um dia sobre a cruz ao Eterno Pai e que diariamente se renova em nossos altares, prometendo de todo coração que, em quanto nos seja possível e mediante o auxilio de vossa graça, repararemos os pecados próprios e alheios e a indiferença das almas ante vosso amor, opondo a firmeza na fé, a inocência da vida e a observância perfeita da lei, sobre tudo da caridade, enquanto nos esforçamos por impedir que sejais injuriado e por atrair a quantos possamos para que Vos sigam.

  Oh! benigníssimo Jesus! Por intercessão da Santíssima Virgem Maria Reparadora, vos suplicamos que recebais este voluntário ato de reparação; concedei-nos que sejamos fiéis a vossos mandatos e a vosso serviço até a morte e dai-nos o dom da perseverança, com o qual cheguemos felizmente a glória, onde em união com Pai e com o Espírito Santo, viveis e reinais, pois sois Deus por todos os séculos dos séculos. Amém.


Hoje também primeira sábado do mês.

Este livro abaixo excelente para meditações do Sagrado Coração.



Resumo:1.Verdadeira Devoção a Misericórdia esta noSagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria.Vai Orações, Entronização do Sagrado Coração e o 2.O livro do padre  Padre Julio Maria3.Anexos:Colocamos explicações sobre as relíquiasDialogo de Lutero com o Diabo.  Formato: 20 x 15 cm
nº de pág:132 pag's  R$8,00






Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.