sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

31 de janeiro dia de São João Bosco, Confessor

31/01 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
Visão de Dom Bosco

 João Melchior Bosco SDB (Castelnuovo d'Asti, 16 de agosto de 1815 — Turim, 31 de janeiro de 1888)Nasceu do segundo casamento de Francesco Bosco, tendo por mãe Margherita Occhiena. A família era ainda composta pelo irmão do primeiro casamento do pai, Antônio, e seu irmão mais velho, José.
   Ficou órfão de pai quando tinha apenas dois anos de idade. Diante da difícil situação econômica porque passava o norte da Itália, sua infância foi marcada pela pobreza da família.
  Começou a estudar por volta dos nove anos, aos dezesseis anos passa a frequentar a escola de Castelnuovo D'Asti e aos vinte ingressa no Seminário de Chieri, sendo ordenado sacerdote em 5 de junho de 1841, pelo bispo Luigi Fransoni. Após a ordenação, transfere-se para Turim.
  No contexto da revolução industrial na Itália, havia grande contingente de jovens sem família nas grandes cidades. Desde 1809, em Milão, a Igreja  mantinha obra assistencial para jovens denominada oratório, que se ocupava de lazer, educação e catequese. O primeiro oratório de Turim foi fundado em 1841, pelo padre Giovanni Cochi. Influenciado por essas iniciativas, São João Bosco funda em 8 de dezembro de 1841 um oratório em Turim, quando atende e ensina o jovem Bartolomeo Garelli na sacristia da Igreja de São Francisco de Assis. Em 8 de dezembro de 1844, esse oratório passa a denominar-se 'Oratório de São Francisco de Sales e em 1846 passou a ter sua sede numa propriedade de Francisco Pinardi, no bairro turinense de Valdocco.
 São João Bosco propõe a Sociedade de São Francisco de Sales, que seria vista como uma associação de cidadãos aos olhos do Estado e como uma associação de religiosos perante a Igreja. Após consultar o Papa Pio IX, Bosco recebeu de seus companheiros padres, seminaristas e leigos a adesão à Sociedade de São Francisco de Sales em 18 de dezembro de 1859 e em 14 de março de 1862, os primeiros salesianos fizeram os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência. A partir de 1863, além dos oratórios, os salesianos passam a se dedicar também aos colégios e escolas católicas para meninos e jovens. na educação infanto-juvenil e o ensino profissional, sendo um dos criadores do sistema preventivo em educação. Dedicou-se também ao desenvolvimento da imprensa católica. É o fundador da Pia Sociedade de São Francisco de Sales (1859), conhecida por salesianos, co-fundador da congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, conhecidas por irmãs salesianas em 1861, na cidade italiana de Mornese, Maria Domingas Mazzarello convida sua amiga Petronilla para juntas organizarem uma oficina de costura para meninas. Em 1863 a oficina começa a acolher meninas órfãs. O seu trabalho é superviosionado pelo Pe. Domingos Pestarino, que havia se associado aos salesianos. Com o auxílio de Pestarino, Bosco propõe às jovens que se organizem como uma congregação religiosa, com o nome de Filhas de Maria Auxiliadora e em 5 de agosto de 1872 as primeiras salesianas fazem seus votos. Maria Mazzarello foi a primeira superiora da congregação.e também fundador da Associação Internacional dos Cooperadores Salesianos que foi aprovada em 1876 pelo Papa Pio IX. O objetivo era o mesmo da Sociedade de São Francisco de Sales, a saber: o trabalho educativo e catequético junto aos meninos e aos jovens. Em sua forma de associação, tornou-se uma sociedade mista, com homens e mulheres leigos.
  Com ataques da revolução Francesa maçonica deu-se a crise da separação entre Estado e Igreja na Itália, mais mesmo assim há forte demanda por escolas católicas, fazendo com que esse tipo de instituição se dissemine rapidamente. As regras da Sociedade, chamadas de Constituições, foram aprovadas pela Igreja em 1874. Em sua morte, em 1888, a Sociedade contava com 768 membros, com 26 casas fundadas nas Américas e 38 na Europa.São João  Bosco é o padroeiro da capital federal do Brasil, Brasília.

O Sonho de São João Bosco e as semelhanças com a Aparição de Fátima.
  São João Bosco teve o sonho descrito abaixo em 1862,semelhante a Aparição de Nossa Senhora à irmã Lúcia em  Fátima, em que o Papa morre onde os Modernitas disseram ter revelado tudo é a verdade,mais ocultaram a explicação do papa de branco cai atingido.

  São João Bosco, no dia dia 30 de maio, pois, contou, seu sonho.
  É verdade que conto isso para utilidade espiritual de vocês. O sonho, eu o tive há alguns dias.
  Imaginem vocês estarem comigo numa praia do mar, ou antes, sobre um escolho isolado, e de não ver outro espaço de terra a não ser aquele que lhes está sob os pés. Em toda aquela vasta superfície das águas se via uma multidão inumerável de navios em ordem de batalha, cujas proas eram terminadas por um agudo esporão de ferro em forma de lança, que, onde era dirigido, feria e traspassava qualquer coisa. Estes navios estavam armados com canhões, carregados com fuzis e armas de todo gênero, com matérias incendiárias, e também com livros, e avançavam contra um navio muito maior e mais alto que todos eles. Por meio do esporão, tentam chocar‑se com ele, incendiá‑lo, ou ao menos causar‑lhe todo o dano possível.
    Aquela nave majestosa, ricamente adornada, era escoltada por muitas navezinhas que recebiam dela os sinais de comando e executavam manobras para se defender das frotas adversárias.
    O vento lhes era desfavorável e o mar agitado parecia favorecer os inimigos. No meio da imensa extensão do mar elevavam‑se acima das ondas duas robustas colunas, altíssimas, pouco distantes uma da outra. Sobre uma delas havia a imagem da Virgem Imaculada, em cujos pés pendia um longo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum (Auxílio dos Cristãos). Sobre a outra, que era muito mais alta e mais grossa, havia uma Hóstia de grandeza proporcional à coluna, e debaixo um outro cartaz com as palavras: Salus Credentium (Salvação dos que crêem).
  

  O Pontífice Romano, Comandante supremo da grande nau, vendo o furor dos inimigos e a má situação em que se achavam as suas fiéis navezinhas, decide reunir junto de si os pilotos dos navios auxiliares, para acordarem sobre o que se deveria fazer. Todos os pilotos sobem e se reúnem em torno do Papa. Mantêm uma reunião, mas, enfurecendo‑se cada vez mais o vento e a tempestade, eles são mandados de volta para dirigir seus próprios navios.
  Ocorrendo um pouco de calmaria, o Papa reúne pela segunda vez em torno de si todos os pilotos, enquanto a nau capitania segue o seu curso. Mas a borrasca volta espantosa. O Papa permanece no timão, e todos os seus esforços são dirigidos a levar a nau para o meio daquelas duas colunas, de cujo cimo pendem, em toda a volta delas, muitas âncoras e grossos ganchos presos a correntes.
   Os navios inimigos manobram para assaltá‑la, e empregam todos os meios possíveis para detê‑la e fazê‑la afundar, algumas com livros e escritos; outras procurando lançar a bordo as matérias incendiárias de que estão cheias; outras com os canhões, com os fuzis, e com os esporões.
   O combate se torna cada vez mais encarniçado. As proas inimigas se chocam violentamente com o navio do Pontífice, mas seus esforços e seu ímpeto se revelam inúteis. Em vão repetem o ataque e esgotam seu poder e munições. A grande nau prossegue segura e ilesa seu caminho. Ocorre por vezes que os golpes formidáveis descarregados em seus flancos abrem largas e profundas brechas, mas em seguida sopra um vento e as brechas se fecham e os furos se obstruem.
  E explodem os canhões dos assaltantes, despedaçam‑se os fuzis, e todas as outras armas e os esporões; são destruídos muitos navios que se afundam no mar. Então, os inimigos, furibundos, começam a combater com armas brancas; e com as mãos, com os punhos, com blasfêmias e com maldições.

 Eis que o Papa, ferido gravemente, cai. Os que estão junto a ele correm a ajudá‑lo e o levantam, mas o Papa é ferido pela segunda vez, cai de novo e morre.(irmã Lucia recebe a mesma profecia que os modernista tentam ocultar)

  Um grito de alegria e de vitória ressoa entre os inimigos; sobre os seus navios se dá um louco frenesi. Mas tão logo morto o Pontífice, um outro Papa o substitui em seu posto. Os pilotos reunidos o elegeram tão subitamente que a notícia da morte do Papa chegou com a notícia da eleição do Sucessor. Os adversários começam a perder o ânimo.
   O novo Papa dispersa e supera todos os obstáculos e guia o navio até as duas colunas. Chegando junto a elas, o ata com uma corrente que pendia da proa a uma âncora da coluna sobre a qual estava a Hóstia; e com uma outra corrente que pendia da popa o ata a uma outra âncora, que pendia da coluna sobre a qual estava colocada a Virgem Imaculada.
   Então, aconteceu uma grande reviravolta. Todos os navios, que até aquele momento tinham combatido a nau do Papa, fogem, se dispersam, se chocam entre si e se despedaçam. Uns naufragam e arrastam a outros. Muitas navezinhas que tinham combatido valorosamente com o Papa se aproximam das duas colunas atando‑se a elas com correntes. Muitas outras naus que por temor tinham se afastado e se encontravam a grande distância ficam prudentemente observando, até que, desaparecidos nos abismos do mar os restos de todos os navios destroçados, com grande vigor vogam em direção daquelas duas colunas, onde, chegando, se prendem aos ganchos pendentes das mesmas colunas, e aí ficam tranquilas e seguras, junto com a nau principal, sobre a qual está o Papa. No mar se produz uma grande calma.
Dom Bosco, neste ponto, interrogou Dom Miguel Rua: Que pensa o Sr. deste relato?
Dom Rua respondeu: Parece‑me que a nau do Papa seja a Santa Igreja, da qual ele é o Chefe: os navios, os homens, o mar são este mundo. Aqueles que defendem o grande navio são os bons defendem à Santa Tradição, os outros são os seus inimigos que com toda sorte de armas tentam aniquilá‑la. As duas colunas de salvação, me parece que sejam a devoção a Maria Santíssima e ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.

  Dom Rua não disse nada sobre o Papa caído e morto, e Dom Bosco calou‑se também sobre isso. Somente acrescentou: Disseste bem. É preciso somente corrigir uma expressão: as naus dos inimigos são as perseguições [à Santa Igreja]. Preparam‑se gravíssimos sofrimentos para a Igreja. O que até agora aconteceu é quase nada comparado com aquilo que deve acontecer. Os seus inimigos são figurados pelos navios, que tentam afundar, se pudessem, a nau capitania. Só restam dois meios para salvar‑se entre tanta confusão: a devoção a Maria Santíssima e à Comunhão.

 obs: Pior que a revolução Francesa maçonica de 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, é esta revolução ter conseguido entrado no seio da Santa Igreja pelo Concílio Vaticano II,esta revolução dando força aos  modernistas que estão nos mais altos posto da hierarquia. Onde tudo pode mesnos ser cátolico tradicional, se defende a doutrina dogmaticas e rotulado de fundamentalista,cismatico e etc.

 Todos devemos nos empenhar em os empregarmos e fazer com que sejam empregados em toda parte, e por todos.
Essa visão de Dom Bosco, narrada e resumida em poucas palavras, é própria para os nossos tempos. Do muito que se poderia dizer, o que nos cabe salientar aqui é que Deus está mostrando aos homens, através do sonho de Dom Bosco, que existem dois pilares, os quais nós não poderemos nunca deixar que se percam, que sejam suprimidos, que sejam eliminados, que são a EUCARISTIA(Santa Missa Trindentia que trata a Eucaristia com dignidade e toda adoração e Gloria e não a Missa modernista que agrada prostestantes e maçons) e a poderosa proteção da VIRGEM MARIA(Rezando diariamente seu Santo Rosário e meditando 15 minutos dos 15 mistério do seu Santo Rosário nos primeiros sábados do mês e não vinte mistério).
   

 Nossa Senhora pediu aos pastorzinho a meditação de 15 mistérios do Santo Rosário e não de 20 mistérios.  Os modernistas mexeram e mexem em tudo que Deus e a Virgem Maria ensinam para desviar a atenção da verdade ensinada. 
 
Mateus 24,9-13
9 Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações. 10 Muitos sucumbirão, trair-se-ão mutuamente e mutuamente se odiarão. 11 Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. 12 E, ante o progresso crescente da iniquidade, a caridade de muitos esfriará. 13 Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo.
Leitura da Epístola de São Paulo aos
Filipenses 4, 4-9.
4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus. 8 Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos. 9 O que aprendestes, recebestes, ouvistes e observastes em mim, isto praticai, e o Deus da paz estará convosco. 

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 18,1-5.
1 Neste momento os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Quem é o maior no Reino dos céus? 2 Jesus chamou uma criancinha, colocou-a no meio deles e disse: 3 Em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos céus. 4 Aquele que se fizer humilde como esta criança será maior no Reino dos céus. 5 E o que recebe em meu nome a um menino como este, é a mim que recebe.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.
 

domingo, 26 de janeiro de 2020

26 de janeiro dia de São Policarpo, Bispo e Mártir.


Le martyre de saint Polycarpe en l

   São Policarpo, converteu-se ao cristianismo no ano de 80, e teve a grande dita de ter sido discípulo do grande Apóstolo São João Evangelista, de quem recebeu o espírito e a doutrina de Jesus Cristo. Em 96 recebeu a sagração episcopal e foi-lhe confiada a diocese de Smirna. É possível que São João Evangelista no livro Apocalipse tenha-se referido a Policarpo quando escreveu: “Sei tua tribulação e pobreza, porém, és rico”, e mais adiante: “Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida”. (Apoc. 2,  9.).  O santo Bispo-mártir de Antioquia Inácio, alegrou-se muito com a visita de Policarpo, e escreveu duas epístolas importantes, uma a Policarpo e outra aos fiéis de Smirna, em que lhe dá sábios ensinamentos sobre a santa doutrina. 
  São Policarpo administrou a diocese como verdadeiro Apóstolo, com firmeza e caridade, pela palavra e pelo exemplo. De sua  autoria existe uma epístola preciosíssima aos  Filipenses, cheia do mais belos ensinamentos e sábios conselhos. No tempo de São Jerônimo esta epístola costumava ser lida publicamente nas igrejas. Muitos infiéis converteram-se ao cristianismo, e para os fiéis Policarpo era verdadeiro Pastor. Já provecto em idade, fez uma viagem a Roma, para tratar com o Papa Aniceto sobre a célebre questão da Páscoa. Em Roma encontrou muitos cristãos, que se tinham deixado enganar pelos hereges Valentim e Marcion, e conduziu-os ao caminho da verdade. Por Marcion perguntado, se  o conhecia, respondeu prontamente, que o conhecia, o filho mais velho de Satanás. De volta para a Ásia, encontrou na diocese o decreto de perseguição, publicado pelo imperador Marco Aurélio. Foi o princípio de horrores para a jovem Igreja. O governador de Smirna preludiou a perseguição, pela condenação de doze cristãos, que foram atirados às feras. Policarpo, vendo o rebanho em perigo, redobrou os esforços para conservá-lo na Fé e confortá-lo na hora da tribulação. Os cristãos, por seu turno, inquietavam-se muito pela sorte do venerável Bispo. Para salvar-lhe a vida, levaram-no a um sítio fora da cidade, onde o esconderam aos olhos dos fiscais do governo. Três dias antes da sua prisão teve a revelação do martírio que o esperava. Em sonhos viu o travesseiro rodeado de fogo e disse aos amigos: “Meus irmãos, sei  que serei condenado à morte pelo fogo. Deus seja bendito, porque se digna de dar-me a coroa do martírio”. Três dias depois se cumpriu o que tinha predito.  
  A polícia do governador descobriu-lhe o esconderijo e Policarpo, embora lhe fosse fácil efetuar a fuga, entregou-se à autoridade. No caminho para a cidade se encontrou com Herodes, juiz de paz e com Nicetas, pai do mesmo. Estes homens, sem dúvida bem intencionados, insistiram com ele para que conservasse a vida e obedecesse à lei do imperador. Depois de muito discursar, o Bispo disse: “Não farei o que me aconselhais. Nem espada, nem fogo ou qualquer outra tortura, me fará renunciar a Cristo”.
  Apresentado ao governador, este lhe perguntou se era Policarpo e ordenou-lhe que abjurasse a religião e injuriasse a Cristo. Policarpo respondeu: “Sim, sou Policarpo. Oitenta e seis anos são que completo no serviço de Jesus Cristo e Ele nunca me fez mal algum; como poderia injuriá-lo?” O governador, porém, continuou a insistir com muito empenho e disse: “Tenho as feras à minha disposição; se não obedeceres, serás atirado a elas!”  Policarpo: “Deixa-as vir!  Persisto no meu intento e não mudarei!”  O governador: “Se não tens medo das feras, temos ainda o fogo; este te porá manso!”  Policarpo: “Ameaças com um fogo que arde por algum tempo, para depois se apagar e nada sabes daquele fogo eterno, que é preparado para os ímpios. Não percas tempo!  Manda vir as feras ou faze o que quiseres. Sou cristão e não abandonarei a Cristo”.  Em dizer isto, o rosto resplandecia-lhe de satisfação, tanto que todos se admiraram, sem poder compreender, como um homem tão avançado em idade pudesse apresentar tamanho heroísmo.
  O governador mandou apregoar em alta voz: “Policarpo é cristão, como ele mesmo confessou”. Os judeus e pagãos presentes unânimes exigiram sentença de morte e pediram que fosse queimado vivo. Em poucos minutos foi preparada a fogueira. Alguns queriam que o Santo fosse amarrado num pau, para impossibilitar a fuga. Policarpo, porém, tranqüilizou-os, dizendo: “Aquele que me dá a graça de sofrer a pena do fogo, há de dar-me também força para que fique imóvel no meio das labaredas”. Ataram-lhe então as mãos nas costas e puseram fogo.
  Antes que o fogo chegasse a queimar-lhe o corpo venerável, o ancião elevou os olhos ao céu e disse: “Deus todo-poderoso, Pai de Jesus Cristo, vosso Filho Unigênito, por quem recebemos a graça de conhecer-Vos; Deus dos Anjos e das Potestades celestiais, Deus de todas as criaturas e de todo o povo dos justos, que vivem em vossa presença: graças vos dou porque me conservastes a vida até esta hora, para ser associado aos vossos mártires e participar do cálice de amargura do vosso Ungido, e na virtude do Espírito Santo ser ressuscitado para a vida eterna. Aceitei propício, em união àquele sacrifício que para vós preparastes, este meu holocausto e a mim mesmo, para que se cumpra o que me revelastes, Vós que sois Deus verdadeiro. Eu vos louvo em todas as coisas: eu vos bendigo; eu vos glorifico, pelo eterno Sumo Pontífice, Jesus Cristo, vosso dileto Filho, que convosco e o Espírito Santo é louvado e honrado por todos os séculos. Amém”.
  Apenas tinha o Santo terminado a oração, quando subiram as labaredas com todo o vigor. Deus, porém, quis manifestar o seu poder e provar que não lhe faltavam os meios de proteger seu servo no meio do fogo. As chamas subiram de todos os lados, mas – ó maravilha! – formaram como que uma abóbada por cima do Santo, sem que lhe queimassem um só cabelo. Ao mesmo tempo se espalhou um cheiro suavíssimo como se fossem queimados doces perfumes. Pavor apoderou-se dos inimigos. Mas, como quisessem ver morto o servo de Cristo, recebeu o algoz a ordem de matá-lo com a espada. Assim terminou o curso glorioso do grande Bispo que, segundo a afirmação dos judeus e pagãos, tinha sido o primeiro mestre dos cristãos e o inimigo mais implacável dos deuses. Os judeus quiseram por todo o transe evitar que o corpo do mártir, fosse entregue aos cristãos. Para este fim, mandaram dizer ao Procônsul: “Se entregares aos cristãos o corpo de Policarpo, eles abandonarão o Crucificado, para prestar honras divinas a este”. “Não sabiam” – assim se exprimem os cristãos que escreveram as atas do martírio – “que não podemos abandonar Jesus Cristo, para adorar um outro. É verdade que veneramos os mártires, mas só porque são discípulos e imitadores de Jesus Cristo, e deram ao seu Rei as provas mais claras de amor”. Para terminar a contenda entre judeus e cristãos, o capitão romano mandou lançar o corpo do mártir ao fogo. Diz ainda o protocolo: “Tiramos das cinzas os ossos, para nós mais preciosos que ouro e pedrarias, e depositamos num lugar conveniente, onde esperamos poder, com a graça de Deus, reuní-los, para festejar o dia do seu aniversário, isto é, o dia dos seu martírio”, que foi o dia 26 de janeiro de 155 ou 156. O túmulo de São Policarpo acha-se numa capela em Smirna.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.     

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

24 de janeiro dia de São Timóteo, Bispo e Mártir.

24/01 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos
 Os termos  elogiosos com que São Paulo enaltece as virtudes de seu discípulo Timóteo, são provas do alto valor do mesmo.  Nas epístolas do Apóstolo das gentes lemos expressões como: meu diletíssimo  filho, meu fiel colaborador, servo de Cristo, meu Irmão e Servo de Deus no Evangelho, que não procura  a si, mas a Cristo, Nosso Senhor – todas referentes a Timóteo.  Timóteo nasceu em Listra, na Licaônia. O pai era pagão, casado com uma hebréia, de nome Eunice, mãe de Timóteo. Eunice abraçou a religião de Cristo, quando São Paulo esteve em Listra. De sua mãe Timóteo recebeu o espírito cristão. Na sua segunda chegada a Listra, São Paulo levou consigo o jovem Timóteo, na travessia pela Ásia Menor. Timóteo tinha então apenas 20 anos. Os dois Apóstolos passaram pela Macedônia, pregaram aos Tessalonicenses, aos Filipenses e aos Beroenses.  Os judeus expulsaram a São Paulo e ficou Timóteo continuando a obra da pregação. Mais tarde o vemos em Atenas, para onde o mestre o tinha mandado. Uma cruel perseguição, que viera sobre os cristãos em Tessalônica, fez com que Timóteo para lá voltasse, para confortar e consolar os irmãos em Cristo. De Tessalônica se dirigiu a Corinto, onde novamente se encontrou com São Paulo. Coincide com esta época a composição da epístola de São Paulo aos Tessalonicenses. De Corinto continuaram a viagem e chegaram a Jerusalém e Éfeso. São Paulo mandou Timóteo e Erasto para  Macedônia, com a ordem de arrecadar subsídios para os cristãos perseguidos em Jerusalém.   Havendo-se introduzido abusos na Igreja de Corinto, para lá voltou Timóteo, acompanhado de uma carta recomendatícia do mestre. (I Cor. 16, 10). Este o esperou na Ásia, para depois em sua companhia ir a Macedônia e Acáia. Voltando para a Palestina, o Apóstolo foi preso e passou dois anos na prisão. É provável que Timóteo tenha sido seu companheiro nesta nova provação. Paulo foi levado para Roma e Timóteo posto em liberdade. Quando Paulo voltou de Roma, Timóteo já era bispo, e nesta qualidade foi pelo mestre mandado para Éfeso, donde devia governar a Igreja da Ásia Menor.  Paulo achava-se na Macedônia, quando escreveu a I.ª epístola a Timóteo. Uma segunda foi escrita em Roma, em 65. Ambas as epístolas são documentos preciosíssimos, em que o grande Apóstolo revela a amizade que o ligava ao discípulo. Convida-o com muito empenho para que o visite em Roma e lhe dê a satisfação de vê-lo mais uma vez, antes de morrer; dá-lhe instruções úteis sobre o modo como  se deve haver com os hereges; prediz novas heresias e suas conseqüências, (2 Tim. 31, 2).  Das epístolas de São Paulo deduzimos que Timóteo era muito mortificado. Sofrendo de fraqueza de estômago, o mestre aconselhava-o tomar de vez em quando um pouco de vinho. São Timóteo é considerado primeiro Bispo de Éfeso, que lá se achava quando chegou São João Evangelista para assumir a direção das Igrejas da Ásia.
    As atas do martírio de São Timóteo, que datam do quinto ou sexto século, dizem da sua morte o seguinte: No ano de 97, quando era imperador Nerva, os pagãos fizeram uma grande festa em homenagem aos deuses, e nesta ocasião organizaram um préstito, cometendo muitas indignidades. São Timóteo, vendo esta abominação, pôs-se no meio dos idólatras e verberou-lhes energicamente o procedimento escandaloso. Esta franqueza apostólica provocou uma ira  tal da parte dos pagãos, que se precipitaram contra ele e o mataram a pedradas e pauladas.

Leitura da Epístola
I Timóteo 6, 11-16
11 Mas tu, ó homem de Deus, foge desses vícios e procura com todo empenho a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão. 12 Combate o bom combate da fé. Conquista a vida eterna, para a qual foste chamado e fizeste aquela nobre profissão de fé perante muitas testemunhas. 13 Em presença de Deus, que dá a vida a todas as coisas, e de Cristo Jesus, que ante Pôncio Pilatos abertamente testemunhou a verdade, 14 recomendo-te que guardes o mandamento sem mácula, irrepreensível, até a aparição de nosso Senhor Jesus Cristo, 15 a qual a seu tempo será realizada pelo bem-aventurado e único Soberano, Rei dos reis e Senhor dos senhores, 16 o único que possui a imortalidade e habita em luz inacessível, a quem nenhum homem viu, nem pode ver. A ele, honra e poder eterno! Amém

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 14,26-33
26 Se alguém vem a mim e não odeia seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos, suas irmãs e até a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27 E quem não carrega a sua cruz e me segue, não pode ser meu discípulo. 28 Quem de vós, querendo fazer uma construção, antes não se senta para calcular os gastos que são necessários, a fim de ver se tem com que acabá-la? 29 Para que, depois que tiver lançado os alicerces e não puder acabá-la, todos os que o virem não comecem a zombar dele, 30 dizendo: Este homem principiou a edificar, mas não pode terminar. 31 Ou qual é o rei que, estando para guerrear com outro rei, não se senta primeiro para considerar se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? 32 De outra maneira, quando o outro ainda está longe, envia-lhe embaixadores para tratar da paz. 33 Assim, pois, qualquer um de vós que não renuncia a tudo o que possui não pode ser meu discípulo. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 19 de janeiro de 2020

19 de janeiro dia dos Santos Mário,Marta,Audíface e Abaco,Mártires.

 
Mártires Mário era um persa notável que se converteu com sua família Marta sua esposa, seus dois filhos os Santos Audifax e Ábacopara ao cristianismo. Vem em peregrinação a Roma no reinado de Cláudio, o Gótico (268-270), está família que pertencia à nobreza persa e foi a Roma para venerar os túmulos dos Santos Apóstolos São Pedro e São Paulo. Eles ajudaram a comunidade cristã a dar um enterro digno aos 260 mártires,cujos corpos jaziam insepultos.Reconhecidos como cristãos,foram apanhados pelos soldados do imperador Cláudio II enquanto cumpriam obra de misericordia de enterrar os mortos cumprindo o dever de cristão. Levados presos queriam obriga-los à oferecer sacrifícios aos deuses pagãos recusaram-se e não renunciaram à fé cristã. Assim foram condenados primeiro São Mário, Santo Audifax e Santo Ábaco foram martirizados e mortos por decapitados  na via Cornélia. Já Santa Marta foi condenada à morte por afogamento. Hoje, no local do ocorrido, ainda existem as ruínas de uma antiga igreja, construída para reverenciar os quatro Santos. Seu culto é ainda parte do Martirológio Romano recente.
Corneille na pista em décimo terceiro os quilômetros de Roma, o cemitério "Em Ninfas", o santo mártires Marius, Marta e Abacum Audifax. . 
 Hoje, no local do ocorrido, ainda existem as ruínas de uma antiga igreja, construída para reverenciar os quatro Santos.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

sábado, 18 de janeiro de 2020

Nossa Senhora no Sábado

18/01 Sábado
Festa de Quarta Classe 
Paramentos Brancos
nossa senhora auxliliadora
Leitura da Epístola

Tito 3,4-7
4 Mas um dia apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens. 5 E, não por causa de obras de justiça que tivéssemos praticado, mas unicamente em virtude de sua misericórdia, ele nos salvou mediante o batismo da regeneração e renovação, pelo Espírito Santo, 6 que nos foi concedido em profusão, por meio de Cristo, nosso Salvador, 7 para que a justificação obtida por sua graça nos torne, em esperança, herdeiros da vida eterna.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 2, 15-20
15 Depois que os anjos os deixaram e voltaram para o céu, falaram os pastores uns com os outros: Vamos até Belém e vejamos o que se realizou e o que o Senhor nos manifestou. 16 Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. 17 Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino. 18 Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores. 19 Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração. 20 Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dia Santo Rosário.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

17 de janeiro dia de Santo Antão, Abade.

17/01 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Brancos
   Nasceu em Fayum, no Alto Egito, perto de Heracleopolis Magna cerca do ano 251. Tinha 20 anos quando seus pais faleceram e ele herdou os bens da família. Foi nesta época que, participando do Santo Sacrificio,em 269, este jovem egípcio toma à letra o conselho que de Nosso Senhor Jesus Cristo dá um homem rico no Evangelho: “Se queres ser perfeito, vende tudo o que tens... Depois vem e segue-me” (Mateus 19, 21-22). Antão distribui todos os seus bens aos pobres e vai viver como eremita no deserto da Tebaida, na margem oriental do Nilo.
   Santo Atanásio, um bispo de Alexandria, contará mais tarde a sua vida. Traça o retrato de um recluso solitário, um orante e autor de prodígios que auto-inflige rudes provações para resistir às tentações do diabo.
Santo Antão incarna a figura emergente do eremita na história do cristianismo. Ele é considerado o “pai” dos anacoretas (do grego anakhôrein, “retirar-se).
   No Oriente parcialmente evangelizado dos séculos II e III, já havia homens e mulheres que tinham escolhido viver a radicalidade da mensagem evangélica, como era o caso das “virgens consagradas”, que faziam voto de celibato e pobreza. Mas estes fiéis não deixavam as suas comunidades de origem.

Em 305, Antão emergiu com grande vigor e saúde. Ele ficou com os eremitas por 5 anos, regulamentando o trabalho comunitário, as orações e as penitências. Depois foi para um deserto entre o Nilo e o Mar Vermelho, em um local chamada Monte Kalzim. Um monastério, chamado Diem Mar Antonios, foi erigido neste local considerado o mais antigo mosteiro do mundo. Por isso retiram-se para o deserto para aí viver continuamente em oração e penitência. Santo Antão será o seu modelo, o grande batalhador da Santa Igreja contra a heresia ariana, Santo Atanisio pedia o auxílio de Santo Antão para confirmar, confortar os mártires das perseguições que estava acontecendo na época e voltou anos mais tarde para argumentar vigorosamente contra a heresia Ariana lado a lado com Santo Atanásio, em sua diocese de Alexandria em 311, os fiéis perseguidos pelos hereges. Apesar de já centenário,Santo Antão atendeu a tão justo pedido. Sua presença naquela cidade foi de um efeito maravilhoso sobre o povo fiel. Mesmo os sacerdotes pagãos iam às Igrejas para tentar falar com o homem de Deus. Lá ele fez muitos prodígios, e Santo Atanásio reconhece que, durante o pouco tempo que Antão ali esteve, converteu à verdadeira fé mais infiéis do que tinham sido convertidos durante todo um ano. Os filósofos que vinham discutir com ele, diante de suas respostas tão pertinentes, ficavam espantados com a viveza de seu espírito e a solidez de seu julgamento. Via-se que Deus falava por sua boca.
    Santo Antão ficou conhecido como um homem bom, generoso, corajoso, com bom senso, leal e sem nenhum excesso e ostentação. Era amigo de São Paulo de Tebas, chamado de o "eremita" que recebia meio pão por dia dos corvos. 
    Diz a tradição que quando Santo Antão foi visitá-lo, os corvos trouxeram um pão inteiro. O Imperador Constantino, o Grande (323-337), era um dos milhares que procuravam Antão para ensinamentos e inspirações.Os monarcas, os príncipes este imperador Constantino escreviam-lhe cartas cheias de respeito, implorando o socorro de suas preces e pedindo a consolação de uma resposta sua. Santo Antão lhes respondia exortando-os a não se deixar ofuscar por sua dignidade, pois eram homens e teriam que prestar contas de seu poder ao Rei dos Reis. Que usassem de misericórdia e clemência para com todos, socorressem os pobres e se lembrassem de que só Jesus Cristo é o verdadeiro e eterno Rei. Constantino conservava uma dessas cartas como o seu mais caro tesouro.
    Enfim, cheio de méritos, Santo Antão entregou sua alma a Deus no dia 17 de Janeiro de 356 aos 105 anos, recomendando aos seus discípulos que escondessem seu corpo para que não fosse adorado pelos pagãos como a um deus. Deixou sua túnica para o denfensor da Santa Igreja, Santo Atanásio.
Orientações de Santo Antão:

 * "Quem não tiver sido tentado não poderá entrar no reino do céu. Se suprimires a tentação, ninguém se salvará."


* A maior obra dos homens é esta: ser capaz de manter seus pecados diante de Deus e estar preparado para a tentação até o último suspiro.
* Aquele que senta-se em solicitude e quietude  escapou de três batalhas: ouvindo, falando e vendo. Mas mesmo assim ele tem uma constante guerra: no seu próprio coração.
* O demônio teme a humildade, o bom trabalho e o jejum. Ele não consegue impedir a minha boca de falar contra ele. A ilusão do demônio logo desvanece especialmente, se o homem se arma com o Sinal da Cruz. O demônio treme ao Sinal da Cruz do Nosso Senhor, porque Ele triunfou sobre ele e o desarmou.
  *Segundo o Santo Antão, as tentações são manifestamente uma condição indispensável para se entrar no céu. É através das tentações que o homem obtém um faro do Deus verdadeiro. Sem tentação o homem estaria no perigo de apoderar-se de Deus e torna-lo inofensivo e inócuo. Pela tentação, porém, o homem experimenta existencialmente a sua distância de Deus, sente a diferença entre o homem e Deus. O homem permanece em luta constante, enquanto Deus repousa em si mesmo. Deus é amor absoluto, enquanto o homem é continuamente tentado pelo maligno.
  *Se ouvirdes atentamente a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis minha propriedade especial entre todos os povos, porque minha é a terra, e vós constituireis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa. Ex. 19,5-6.
  *Aproximai-vos de Cristo, pedra viva, eleita e estimada por Deus, também vós, como pedras vivas.
Vinde formar um templo espiritual para um sacerdócio santo, a fim de oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo.
  *Sois uma estirpe eleita, sacerdócio real, gente santa, povo trazido à salvação, para tornardes conhecidos os prodígios dAquele que vos chamou das trevas para a luz admirável. 1Pd. 2, 4-5
  *Caríssimos, não descuidemos de nossa salvação. Sabei que se alguém se entrega a Deus de todo o coração, Deus tem piedade dele e lhe concede o Espírito de conversão.
  *Sabemos que desde as origens do mundo, os que encontraram na Lei da Aliança o caminho do seu Criador foram acompanhados por sua bondade, sua graça e seu Espírito. Mas os homens, incapazes de exercerem sua inteligência segundo o estado da criação original, inteiramente privados de razão, sujeitaram-se à criatura em vez de servir ao Criador.
  *Eu vos suplico, irmãos, penetrai-vos bem da maravilhosa economia da salvação.
  *Todo ser dotado de inteligência espiritual, aquele para quem veio o Senhor, deve tomar consciência de sua própria natureza, isto é, deve conhecer-se a si mesmo.
  *Seja-vos dado tomar bem consciência da graça que Ele vos deu. Não é a primeira vez que Deus visita as suas criaturas. Ele as conduz desde as origens do mundo e, de geração em geração, mantém cada uma desperta pelos acontecimentos de sua graça. Não negligenciemos, pois, chamar a Deus dia e noite. Fazei violência à ternura de Deus. Do céu Ele vos enviará Aquele cujo ensinamento vos permitirá conhecer o que é bom para vós.
  *Filhos, é certo que nossa enfermidade e nossa humilhação são dor para os santos e causa das lágrimas e gemidos que oferecem por nós diante do Criador do Universo.
  *Compreendei bem o que vos digo e declaro: Se cada um de vós não chega a odiar o que é da ordem dos bens terrestres e a isso não renunciar de todo coração, assim como a todas as atividades que daí dependem, se não chega a elevar as mãos e o coração ao Céu para o Pai de todos nós, não é para si a salvação. Mas se fazeis o que acabo de dizer, Deus vos enviará um fogo invisível, que consumirá vossas impurezas e devolverá vosso espírito à sua pureza original. O Espírito Santo habitará em vós, Jesus permanecerá junto de nós e poderemos adorar a Deus como é devido.
  *A todos os meus irmãos muito amados, a todos vós que vos preparais para vos aproximardes do Senhor, saúdo nEle, irmãos caríssimos, vossa natureza espiritual.
  *Que Deus abra os olhos de vosso coração para que percebais os múltiplos malefícios secretos, lançados todos os dias sobre nós no decorrer do tempo. Faço votos que Deus vos dê um coração clarividente e um espírito de discernimento a fim de vos apresentardes a Ele como uma vítima pura e sem mancha.
  *Persuadi-vos bem que vosso ingresso e vosso progresso na obra de Deus não são obra humana, mas intervenção do poder divino que não cessa de vos assistir.
  *Sede, pois, vigilantes, caros filhos, não permitais que vossos olhos durmam nem que vossas pálpebras dormitem, mas clamai dia e noite a vosso Criador para que vossos pensamentos se firmem no Cristo.
  *No Senhor eu vos suplico, caros filhos, deixai-vos penetrar bem pelo que vos escrevo. Voltai vossa alma para vosso Criador. Perguntai a vós mesmos o que seria possível retribuir ao Senhor por todas estas graças. É tão grande a sua bondade que Ele quis que o próprio Sol se ponha a nosso serviço nesta habitação de trevas, assim como a Lua e as estrelas, para sustentar fisicamente um ser cuja fraqueza o condenaria a perecer. Não sofreram por nós os patriarcas? Não nos dispensaram os sacerdotes os seus ensinamentos? Não combatiam por nós os juízes e reis? Não foram mortos por nós os profetas? Não sofreram os Apóstolos perseguição por nós? E não morreu por todos nós o Filho bem amado? Agora é a nossa vez de nos dispormos a ir ao nosso Criador pelo caminho da pureza.
  *Meus caríssimos no Senhor, a vós que sois co-herdeiros dos santos, rogo que desperteis em vosso coração o temor de Deus. Preparemo-nos, pois, santamente, e purifiquemos nosso espírito para sermos puros a receber o batismo de Jesus e a nos oferecermos como vítimas agradáveis a Deus. O Espírito Consolador, recebido no Batismo, nos conduzirá a nosso estado original.
  *Caros irmãos, chamados a partilhar da herança dos santos, agora estais próximos de todas as virtudes. Todas elas vos pertencem se não vos embaraçais na vida carnal, mas permaneceis transparentes diante de Deus. É a pessoas capazes de me compreender que escrevo, a pessoas em condições de se conhecerem a si mesmos. Quem se conhece, tem a obrigação de adorar a Deus como convém.

Leitura da Epístola 

Eclesiástico 45,1-6

1. Moisés foi amado por Deus e pelos homens: sua memória é abençoada.2. O Senhor deu-lhe uma glória semelhante à dos santos; tornou-se poderoso e temido por seus inimigos.3. Glorificou-o na presença dos reis, prescreveu-lhe suas ordens diante do seu povo, e mostrou-lhe a sua glória.4. Santificou-o pela sua fé e mansidão, escolheu-o entre todos os homens.5. Pois (Deus) atendeu-o, ouviu sua voz e o introduziu na nuvem.6. Deu-lhe seus preceitos perante (seu povo) e a lei da vida e da ciência, para ensinar a Jacó sua aliança e a Israel seus decretos.



Sequência do Santo Evangelho


São Mateus 19,27-29
27. Pedro então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos tudo para te seguir. Que haverá então para nós?28. Respondeu Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.
29. E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida eterna.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

A excomunhão do Vaticano II?


O papa Francisco tem sido alvo constante da ala extrema-direita do Vaticano ao longo do seu pontificado. Os ataques são reações aos documentos publicados e declarações reformistas não só em relação à postura do fiel católico, mas à própria Cúria Romana.

      A revista Veja não entende nada sobre a religião Católica dentro da nossa doutrina não existe ala nem direita nem de esquerda. A uma única doutrina quem não segue ai aplica as excomunhões. Senão não seria mais Católica. Católico significa Universal= igual. E Una em sua doutrina. 
    Os 3 religiosos criticaram isso do Papa não defender essa unidade. E usaram a expressão herege. O que quer dizer herege? Herege é que ou quem professa uma heresia; que ou quem professa doutrina contrária ao que foi estabelecidos pela Santa Igreja como dogma, moral e Fé.
    Não sei porque o papa se ofendeu tanto com a carta "se diz que não se afasta da doutrina". Está preocupado! Faz excomunhão, será que não está pregando doutrina contraria a tradição"?

No Código de Direito Canónico  modernista prevê desde 1983  um dos seguinte caso aqui citada sobre os 3  para a pena de excomunhão:
  • Violência física contra o Papa;   
  • Cisma                                                                                                                                                                                                                               No dicionário Violência significa usar a agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico. A violência se manifesta de diversas maneiras, em guerras, torturas, conflitos étnico-religiosos, preconceito, assassinato, fome, etc.

 Perguntamos? Teve violência física contra o Papa :Então Por que então deu excomunhão? A excomunhão tem ser aplicada corretamente, não pode ser pessoal, nem visando defender seu pensamento liberal.            

 Perguntamos? Teve Cisma contra o Papa. Cisma contra a doutrina como não querer obdecer o papa matéria catedra. Eles não falaram que não obedecem o papa e sim que ele prega doutrina contraria a ensinada pela Igreja. 
Os religiosos modernistas não se separaram fizeram uma acusação do papa de pregar uma doutrina contraria a nossa Santa Religião que esta em publico. Então não fizeram cisma mais cobraram o papa que estava se  separando daquilo que a Igreja ensina.

 Quando a pessoa cisma?Um cisma é uma separação de uma pessoa ou grupo de pessoas do seio de uma organização ou movimento, geralmente religioso. 
 O termo costuma referir-se a uma divisão que acontece no âmbito de um corpo areligioso com organização e hierarquia definidas.

 Os religiosos não se separaram fizeram uma acusação do papa de pregar uma doutrina contraria a nossa Santa Religião. Então não fizeram cisma mais cobraram o papa que estava se  separando daquilo que a Igreja ensina.

Tem mais fizeram o mesmo ai cade excomunhão deles. 

Os motivos da heresia, dizem: é que o papa teria suavizado posições que, na opinião deles, vão contra os mandamentos da igreja em diferentes assuntos: os acusadores afirmam que Francisco não tem se oposto veementemente o bastante ao aborto, tem dado sinais de abertura do Vaticano a homossexuais e divorciados, e tem se aproximado de protestantes e muçulmanos.
Por exemplo, o papa organizou uma conferência no Vaticano na qual tentou relaxar as regras que impedem divorciados e pessoas em um segundo casamento de receber a Comunhão - uma vez que a igreja considera o casamento indissolúvel e o novo casamento, um adultério.
  Os modernista só se lembra da excomunhão para intimidar os fiéis, religiosos que contrariam o sua ideias liberais. 

   Sua religião é Liberalismo. 

Porque contrariar a tradição católica pode: 

Mas ai, de quem  deixar de seguir seus pesamentos, Católico-liberais.
O que é heresia?
 Excomunhão 

Rezemos Santo Rosário pelas conversão das pobres almas modernistas.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 12 de janeiro de 2020

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCL (650) - (28 de dezembro de 2019)

FALAR ALTO E CLARAMENTE!

"Roma não está mais em Roma", dizia o Arcebispo.
O lar espiritual dos católicos está hoje em outro lugar.

Se houve grandes mentes no passado, é porque elas pensaram em coisas grandes, o que significa, explícita ou implicitamente, coisas de Deus; e se elas realmente foram grandes mentes, seu pensamento não terá sido somente destrutivo. Uma dessas mentes foi certamente Shakespeare, da Inglaterra. Como católico, ele lutou contra a apostasia de seu país no momento em que ela atingia seu apogeu, por volta de 1600. Mas essa mudança da Inglaterra para o protestantismo significava para o escritor que, se ele não quisesse ser enforcado, eviscerado e esquartejado, teria de camuflar sua mensagem católica, como demonstrou Clare Asquith em seu livro lançado em 2005, “Shadowplay [Jogo de Sombras]”, onde ela elevou a literatura inglesa muito acima dos “patriotas” ingleses e dos anões da crítica literária.
Para dar apenas um exemplo, no apêndice do livro sobre o Soneto 152 de Shakespeare, ela mostra como, do começo ao fim do texto, sob a aplicação óbvia a uma mulher que Shakespeare conheceu, existe um segundo significado completo de aplicação muito mais ampla para ele mesmo como escritor que falhou em advertir seus compatriotas como deveria ter feito. Aqui estão as 14 linhas do soneto, juntamente com seu significado aparente:

In loving thee thou know’st I am forsworn
But thou art twice forsworn to me love swearing,
In act thy bed-vow broke and new faith torn,
In vowing new hate after new love bearing.
But why of two oaths’ breach do I accuse thee,
When I break twenty? I am perjured most,
For all my vows are oaths but to misuse thee,
And all my honest faith in thee is lost;
For I have sworn deep oaths of thy deep kindness,
Oaths of thy love, thy truth, thy constancy,
And, to enlighten thee, gave eyes to blindness,
Or made them swear against the thing they see.
    For I have sworn thee fair: more perjured eye,
    To swear against the truth so foul a lie.1

Sabes que ao amar-te quebro uma promessa, mas
jurando que me amas, tu quebras duas promessas: tu
abandonaste a cama do teu marido, e depois voltaste para ele
("nova fé", "novo amor") para tão logo abandoná-lo de novo.
Mas por que te acuso de quebrares dois juramentos quando
Eu quebro vinte? Sou eu o perjuro maior, pois
para teu próprio mal, eu fiz tantos juramentos sobre
tua bondade quando eu sabia que não eras boa.
Assim, jurei que tu eras muito gentil,
muito amorosa, muito sincera, muito fiel, e para pôr-te
em uma boa luz, eu me fiz ver o que eu
não vi, ou jurei que não vi o que o olho viu.
    Pois jurei que eras boa. Que terrível
    perjúrio da minha parte, quando isso é tão falso!

Curiosamente, o texto do soneto faz mais sentido em seu significado oculto, referindo-se à Inglaterra infiel, do que em seu significado aparente, que se refere à amante infiel de Shakespeare. Assim, “Merrie Englande” foi uma esposa fiel da Igreja Católica por 900 anos. Mas pelo Ato de Supremacia de Henrique VIII (1534), ("Em ato"), a Inglaterra rompeu seu matrimônio ("voto nupcial") com a Igreja Católica e tomou o protestantismo como amante. Em seguida, casou-se novamente com a Igreja Católica sob Mary Tudor (1553, "nova fé", "novo amor"), para sem seguida recair em adultério com o protestantismo sob Elizabeth I (1558, "rasgaste a nova fé", "novo ódio" pela Igreja Católica). Mas Shakespeare (1564-1616) se culpa por uma infidelidade ainda mais grave, porque no curso daqueles anos ele glorificou repetidamente ("para iluminar-te") a Inglaterra com seus infiéis governantes Tudor, por exemplo, em seus Dramas Históricos, glorificou os danos sofridos pela Inglaterra ("para teu próprio mal”), porque, como católico, sabia muito bem que o protestantismo seria a ruína da “Merrie Englande”. Com certeza!

E que dizer dos tempos de hoje? O padrão se repete: por mais de 1900 anos, os católicos do mundo estiveram fielmente casados com a verdadeira Igreja, mas com o Vaticano II (1962-1965), a maioria deles seguiu os maus líderes até chegar mais ou menos ao adultério com o mundo moderno (“quebraste o voto nupcial”). Então, o Arcebispo Lefebvre (1905–1991) levou muitos de volta à verdadeira Igreja Católica (“nova fé”, “novo amor” ou renovação da antiga fé e do antigo amor), para então ver seus sucessores à frente da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, que ele fundou em 1970, recaírem no desejo adúltero de reunião com a Roma conciliar, fundado sobre um "novo ódio" pela verdade pré-conciliar.

Qual é a conclusão? Qualquer Shakespeare entre nós, ou qualquer católico, deve falar forte e claramente, que, como tal, a Roma de Pachamama não é outra coisa que uma abominação, da qual se deve fugir.

Kyrie eleison.
________________________
1 Ao amar-te, sabes que sou perjuro,
Mas tu o és duas vezes por teu amor jurar-me,
Em ato, quebraste o voto nupcial, rasgaste a nova fé,
Ao jurares novo ódio depois de um novo amor.
Mas por que eu te acuso de quebrar dois juramentos,
Quando quebro vinte? Eu sou mais perjuro,
Pois todos os meus votos são juramentos para teu próprio mal,
E toda a minha fé sincera em ti está perdida;
Pois tantos juramentos fiz de tua imensa bondade,
Juramentos de teu amor, de tua verdade, de tua fidelidade,
E, para iluminar-te, dei olhos à cegueira,
Ou fi-los jurarem contra as coisas que viam.
    Pois jurei que és sincera: olhos mais perjuros,
    Jurei contra a verdade tão imunda mentira.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.