domingo, 29 de dezembro de 2019

Domingo da oitava da Natividade.

29/12 Domingo
Festa de Segunda Classe
Paramentos Vermelhos


Leitura da Epístola

Gálatas 4, 1-7
1. Explico-me: enquanto o herdeiro é menor, em nada difere do escravo, ainda que seja senhor de tudo, 2. mas está sob tutores e administradores, até o tempo determinado por seu pai. 3. Assim também nós, quando menores, estávamos escravizados pelos rudimentos do mundo. 4. Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, 5. a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção. 6. A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! 7. Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também herdeiro por Deus."
Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 2,33-40
33. Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam. 34. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, 35. a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada transpassará a tua alma. 36. Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade avançada. 37. Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara viúva, e agora com oitenta e quatro anos não se apartava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações. 38. Chegando ela à mesma hora, louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que em Jerusalém esperavam a libertação. 39. Após terem observado tudo segundo a lei do Senhor, voltaram para a Galiléia, à sua cidade de Nazaré. 40. O menino ia crescendo e se fortificava: estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele."

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário


sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

27 de dezembro dia de São João, Apostolo e Evangelista.

27/12 Sexta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Brancos
https://sacrificiovivoesanto.files.wordpress.com/2011/12/s_joao_teologo9.jpg

     São João Evangelista ou Apóstolo São João,consta que seria solteiro e Virgem vivia com os seus pais São João Evangelista (6-103) nasceu em Batsaida na Galileia. Filho do pescador Zebedeu e de Maria Salomé, uma das mulheres que auxiliaram os discípulos de Jesus . João e seu irmão mais velho Tiago, foram convidados a seguir Jesus, logo depois dos apóstolos Pedro e André.Foi pescador de profissão, consertava as redes de pesca. Trabalhava junto com seu irmão Tiago Maior, e em provável sociedade com André e Pedro.São João era o mais novo dos 12 discípulos, tinha provavelmente 16 anos de idade à altura do seu chamado por Nosso Senor Jesus Cristo e apelidado como filho do trovão.
   Foi manifesta nos livros da Bíblia a admiração de João por Jesus. Jesus chamou-lhe o Filho do Trovão e posteriormente ele foi considerado o “Discípulo Amado”. O "Novo testamento", São João foi o apóstolo que seguiu com Nosso Senor Jesus Cristo, na noite em que foi preso e foi corajoso ao ponto de acompanhar o seu Mestre até à morte na cruz está presença, e ao alcance de Nosso Senhor Jesus Cristo, e recebeu dEle em seus últimos momentos o mais precioso dos presentes. Cristo lhe encomendou que se encarregasse de cuidar da Mãe Santíssima Maria, como se fora sua própria mãe, lhe dizendo: "Eis aí a sua mãe". E dizendo a Maria: "Eis aí a seu filho", e a Tradição da Santa Igreja interpreta São João representa também todos os fiéis  de acolhendo Santíssima Virgem como nossa Mãe e de toda a Santa Igreja.
     São João Evangelista em sua peregrinação esteve em Antioquia, por ocasião do Concílio dos Apóstolos. E após as perseguições sofridas em Jerusalém, transferiu-se com Pedro para a Samaria, onde desenvolveu uma intensa evangelização. Mudou-se para Éfeso, onde dirigiu muitas Igrejas e foi em Éfeso que escreveu o quarto Evangelho, o último dos Evangelhos Canônicos. Escreveu também as Epístolas, três cartas com mensagens sobre a vida eterna e a vida da comunhão com Deus através da fé em Cristo.
    De acordo com os Atos dos Apóstolos, o quinto livro do Novo Testamento, quando São João acompanhou Pedro na catequese dos samaritanos, foi orientado por São Paulo a desistir da imposição de práticas judaicas aos neófitos cristãos. Durante o governo de Domiciano foi exilado na ilha de Patmos, no mar Egeu, onde escreveu o Livro do Apocalipse ou Revelação, que é o último livro da Bíblia, onde narrou as suas visões e descreveu mistérios, predizendo as tribulações da Igreja e o seu triunfo final.
http://www.arautos.org/resource/view?id=19931&size=2   Conta a tradição que, antes de o imperador Domiciano exilar João, ele teria sido jogado dentro de um caldeirão de óleo fervente. Mas saiu ileso, vivo, sem nenhuma queimadura. Após muito sofrimento por todas as perseguições que sofreu durante sua vida, por pregar a Palavra de Deus entregou sua alma a Deus com 94 anos em 103, na cidade de Éfeso, onde foi sepultado.



Leitura da Epístola
Sabedoria 15,1-6
1 Mas vós, Deus nosso, sois benfazejo e verdadeiro, vós sois paciente e tudo governais com misericórdia; 2 com efeito, mesmo se pecamos, somos vossos, porque conhecemos vosso poder; mas não pecaremos, cientes de que somos considerados como vossos. 3 Porque conhecer-vos é a perfeita justiça, e conhecer vosso poder é a raiz da imortalidade. 4 Não fomos seduzidos pelas invenções da arte corruptora dos homens nem pelo vão trabalho dos pintores: borrada figura de cores misturadas, 5 cuja vista excita os desejos dos insensatos, fantasma inanimado de uma imagem sem vida que provoca a paixão! 6 Cativados pelo mal, não merecem esperar senão o mal, os que o fazem, os que o amam e os que o veneram.

Sequência do Santo Evangelho

São João 21, 19-24
19 Por estas palavras, ele indicava o gênero de morte com que havia de glorificar a Deus. E depois de assim ter falado, acrescentou: Segue-me! 20 Voltando-se Pedro, viu que o seguia aquele discípulo que Jesus amava (aquele que estivera reclinado sobre o seu peito, durante a ceia, e lhe perguntara: Senhor, quem é que te há de trair?). 21 Vendo-o, Pedro perguntou a Jesus: Senhor, e este? Que será dele? 22 Respondeu-lhe Jesus: Que te importa se eu quero que ele fique até que eu venha? Segue-me tu. 23 Correu por isso o boato entre os irmãos de que aquele discípulo não morreria. Mas Jesus não lhe disse: Não morrerá, mas: Que te importa se quero que ele fique assim até que eu venha? 24 Este é o discípulo que dá testemunho de todas essas coisas, e as escreveu. E sabemos que é digno de fé o seu testemunho.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Sexta-feira das Têmporas do Advento.(Jejum)

20/12 Sexta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos

Leitura da Epístola                                                                                                                                    
Isaías 11, 1-5 
1."Um renovo sairá do tronco de Jessé, e um rebento brotará de suas raízes. 2. Sobre ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor. 3. (Sua alegria se encontrará no temor ao Senhor.) Ele não julgará pelas aparências, e não decidirá pelo que ouvir dizer; 4. mas julgará os fracos com eqüidade, fará justiça aos pobres da terra, ferirá o homem impetuoso com uma sentença de sua boca, e com o sopro dos seus lábios fará morrer o ímpio. 5. A justiça será como o cinto de seus rins, e a lealdade circundará seus flancos." 
Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 1, 39-47
39."Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá. 40. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. 41. Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. 43. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? 44. Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. 45. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas! 46. E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor, 47. meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador," 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

19 de dezembro dia dos Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, Mártires.

19/12 Sábado
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos

    Santos Timóteo e Maura, marido e mulher, viveram no século III, quando reinava Diocleciano. Timóteo era natural de Panapeis, região da Tebáida, e grande estudioso eclesiásticoe recebeu dos pais educação esmeradamente cristã. Com apenas 20 dias de casado Timóteo e Maura é o glorioso casal que no quarto século, em 19 de dezembro, recebeu as palmas do martírio. Era o tempo das perseguições religiosas, e bem implantadas deviam ser as máximas da religião no coração da criança, que mais tarde havia de defendê-las e sustentá-las na luta contra a heresia. Desde bem cedo, existiu na alma de Timóteo o desejo ao martírio, aspiração esta que depois teve sua plena satisfação. Apareceu em Perape, Ariano, governador pagão daquela região, com o intuito de exterminar o cristianismo. Foi dado aos cristãos um determinado prazo, dentro do qual haveriam de abandonar a religião Catolica e oferecer o incenso aos ídolos. Timóteo foi um dos primeiros chamados à presença do governador. Declarando que preferia antes morrer do que se tornar apóstata, negou também a entrega dos livros de religião, dizendo a Ariano: “Os livros são meus queridos filhos; monstro seria o pai que entregasse os filhos aos inimigos”.   Esta resposta enfureceu o tirano que deu uma ordem para que as orelhas de Timóteo fossem furadas com ferro em brasa. No meio desta tortura, Timóteo continuou a louvar a Deus em alta voz. Ariano, ainda mais excitado, ordenou então que o mártir fosse pelos pés pendurado numa coluna e amarrada ao pescoço uma pedra pesada.
Houve quem suscitasse em Ariano a lembrança de Maura, jovem esposa de Timóteo, que sem dúvida teria grande influência sobre o mártir e com facilidade o moveria à renúncia da fé. Chamada Maura, esta de fato prometeu ao governador envidar todos os esforços para conservar a vida do marido. Maura era cristã, mas faltava-lhe a coragem de sofrer pela fé; além disto, tinha um grande amor ao marido, com quem estava casada havia três semanas apenas. Vendo Timóteo em tão miserável estado, fugiram-lhe as forças.  Apenas voltando a si, deram-lhe a oportunidade de falar então ao marido, que tinha sido tirado do trono. Impressionada pelo que vira, esqueceu-se Maura das obrigações de cristão, e entre soluços e lágrimas, começou a insistir com Timóteo, para que se poupasse e obedecesse às ordens do governador. Timóteo, porém, indignado com o modo da esposa, disse-lhe: “Maura, já não te conheço! És então pagã ou cristã? É esta a linguagem de uma esposa educada na religião? Em vez de animar-me, ajudar-me a levar a cruz, vens para me desviar? Queres que perca minha alma, em troca de um prazer passageiro, que me livre de um curto martírio, para sofrer penas eternas?”
    Reconhecendo Maura o erro, prostrou-se aos pés do marido, pediu-lhe perdão e conselho sobre o que devia fazer. “O que deves fazer? – respondeu Timóteo – Vai ao governador e diz-lhe que, longe de demover teu marido, estás resolvida a acompanhá-lo no martírio e morrer com ele”. Maura assustou-se com estas palavras, mas Timóteo animou-a, despertando na alma da esposa, a confiança em Deus e mostrando-lhe o exemplo de tantas outras senhoras da mesma idade, que prontamente se sujeitaram às atrocidades do martírio. Ajoelhados, em oração fervorosa, pediram a Deus força e graça para a luta. Enquanto rezavam, desfizeram-se os temores na alma de Maura. Resoluta levantou-se, dirigiu-se ao governador e comunicou-lhe que, em vez de dissuadir o marido, pronta estava para compartilhar com ele as dores do martírio. Ariano mandou que lhe fossem arrancados os cabelos, cortados os dedos e o corpo queimado com exofre e pixe. A sentença final, porém, foi que Maura, fosse como o marido, crucificada. Os patíbulos foram colocados de maneira que um visse os sofrimentos do outro.
Assim morreram os dois esposos, unidos pelos laços do matrimônio e na morte unidos por um glorioso martírio.
  
  Que Timóteo inflame os modernistas da mesma forma inflamou sua esposa na virtude da fortaleza em defender Santa Tradição Católica, e assim se converterem, para não perderem a salvação de suas almas, em troca de um prazer passageiro deste mundo, este prazer levam ao sofrimento e as penas eternas.

Leitura da Epístola

Filipenses 4,4-7
4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.


Sequência do Santo Evangelho

São João 1,19-28
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: Quem és tu? 20 Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo. 21 Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não. 22 Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo? 23 Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3). 24 Alguns dos emissários eram fariseus. 25 Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? 26 João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27 Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado. 28 Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Quarta-feira das Têmporas do Advento(Jejeum)

18/12 Quarta-feira
Festa de Segunda Classe
Paramentos Roxos



Leitura da Epístola                                                                                                                                    
Isaías 7, 10-15 
10.O Senhor disse ainda a Acaz: 11. Pede ao Senhor teu Deus um sinal, seja do fundo da habitação dos mortos, seja lá do alto. 12. Acaz respondeu: De maneira alguma! Não quero pôr o Senhor à prova. 13. Isaías respondeu: Ouvi, casa de Davi: Não vos basta fatigar a paciência dos homens? Pretendeis cansar também o meu Deus? 14. Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco. 15. Ele será nutrido com manteiga e mel até que saiba rejeitar o mal e escolher o bem."

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 1, 26-38 
26. No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27. a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. 28. Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. 29. Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30. O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32. Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33. e o seu reino não terá fim. 34. Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35. Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36. Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, 37. porque a Deus nenhuma coisa é impossível. 38. Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela."


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.

Rezem todos os dias o Santo Rosário.


18 de dezembro dia de Santo Rufo e Zósimo, Mártires

 18/12 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Roxos

Quando Santo Inácio de Antioquia foi em Filipos da Macedônia para a etapa em Roma, onde era para ser martirizado com ele santos Rufus e Zózimo originário de  Antioquia ou de Filipe, fundaram a primeira Igreja entre Judeus e Gregos. Seguindo as instruções de Santo Ignacio, os cristãos de Filipos fraterna escreveu uma carta a Antioquia. São Policarpo de Esmirna, Santo Inácio, que tinha confiou o cuidado de sua igreja, teve o cuidado de responder a elas. Em sua carta, que costumava ser lido publicamente nas igrejas da Ásia  no século IV, São Policarpo fala de Rufus e Zózimo, que teve de compartilhar a felicidade e sofrimento de cadeias Ignacio de Cristo e tinha sido glorificado por Deus a coroa do martírio por volta do ano 107, durante o reinado de Trajano. São Policarpo diz deles: "Eles não correu em vão, mas estavam armados com fé e retidão viajou para o local que havia preparado para que sofreria não amar este mundo, mas Jesus, que morreu. e foi criado por Deus para a nossa salvação ... Por isso, exorto-vos todos a viver paciência direito e exercício, de que eu vos dei o exemplo não só Inácio, Zózimo e Rufo, mas também outras pessoas que conviveram com você e como o próprio Paulo e os outros apóstolos. "


 Título encontrados no túmulo de São Rufus em "Coemieterius Maius" (ao lado de Santa Inês), em Roma. Ele foi encontrado no século XVIII, e cada vez mais apreciado como um testemunho de cristão paleohistoria. O texto diz que "Rufus o mensageiro, enterrado em 10 de dezembro" ea imagem que segue o texto é identificado com uma palma do martírio, um símbolo inconfundível para os cristãos primitivos. Hoje é no Museu do Vaticano.

Leitura da Epístola

Filipenses 4,4-7
4 Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! 5 Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. 6 Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.


Sequência do Santo Evangelho

São João 1,19-28
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar-lhe: Quem és tu? 20 Ele fez esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo. 21 Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não. 22 Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo? 23 Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3). 24 Alguns dos emissários eram fariseus. 25 Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? 26 João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. 27 Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado. 28 Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando. 

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXLVI (646) - (30 de novembro de 2019)

AMBOS...E...

Para lutar numa guerra, devo-me guarnecer,
Com boas armas, e o meu inimigo conhecer.

Se se podem dividir os números destes “Comentários”, de um modo geral, entre os que tratam do problema moderno e os que tratam da solução católica, constata-se, infelizmente, que muitos leitores tenham estado interessados ​​no problema, mas não na solução; ou na solução, mas não no problema. Isto é de lamentar-se, porque se eu conhecer o problema sem a solução, posso ficar seriamente tentado a desesperar-me, especialmente nos tempos atuais, quando Deus está dando aos seus inimigos uma permissão sem precedentes para quase destruírem a Sua Igreja. Por outro lado, se o conhecimento da solução me leva a não identificar ou a subestimar o problema, então é provável que o problema me pegue de surpresa ao contornar minhas defesas inadequadas.

São Paulo foi um caso clássico de alguém que conhecia ambos, e que captou muito bem a solução do Novo Testamento, Jesus Cristo (Rom. VII, 24–25), simplesmente porque ele mesmo havia sido um fariseu fervoroso em conformidade com o desvio dos homens pecadores da época em relação ao Antigo Testamento (1 Cor. XV, 8-10). Assim, foi somente porque São Paulo experimentou diretamente a impotência do Antigo Testamento para perdoar o pecado que ele compreendeu tão profundamente a salvação que Cristo havia trazido aos homens pelo Novo Testamento. Outro grande convertido que se beneficiou dos muitos anos de erro para tornar-se um dos maiores servidores da verdade católica da Igreja foi Santo Agostinho. Eis o porquê de os franceses dizerem: "Um convertido vale mais do que dois Apóstolos".

E aqui está o motivo pelo qual os católicos de hoje não devem desprezar o conhecimento sobre os inimigos de Deus ou sobre como eles estão lutando contra Ele, por mais vil que seja essa luta. E os não católicos serão prudentes em não desprezar a Igreja Católica, porque, por mais oprimida que pareça estar, ainda tem as únicas soluções verdadeiras para qualquer um dos problemas reais do mundo, ou seja, propriamente humanos. Todos esses problemas são o fruto envenenado do pecado que se levanta contra Deus nas almas dos homens, onde somente Deus, e não os psiquiatras, pode penetrar com Seu perdão, que Ele escolhe conceder somente por meio de Seu divino Filho, e da Igreja comprada com Seu Sangue.

Assim, sugerimos aos leitores não católicos destes “Comentários” que se interessem não somente por suas análises das artes modernas ou da política, mas também por seus argumentos que podem parecer meras disputas entre católicos, como em relação ao que está errado com o Vaticano II, ou ao fato de a Fraternidade Sacerdotal São Pio X estar seguindo cada vez mais o Vaticano II. Isso ocorre porque a Igreja Católica pode muito bem ser a única solução verdadeira dos verdadeiros problemas de todos os leitores, mas essa solução é vulnerável à constante falsificação cometida por homens pecadores, e se ela for falsificada, não será mais a solução, mas parte do problema. Ora, o Vaticano II foi o clímax lógico de muitos séculos de homens que desejavam colocar o homem no lugar de Deus, e a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, ainda que tenha sido projetada e fundada em 1970 para resistir aos erros do Vaticano II, particularmente desde 2012 caiu sob o mesmo encanto venenoso desses erros. Portanto, os não católicos que buscam soluções reais para os problemas modernos que conhecem muito bem devem seguir os argumentos sobre o Vaticano II e a Fraternidade.

Da mesma forma, aos leitores católicos destes "Comentários" sugere-se que sigam não apenas seus argumentos relativos ao Vaticano II e ao perigoso deslizamento da Fraternidade até a conformidade com o mundo moderno, mas também suas análises aprofundadas do que há de errado com este mundo. Pois, em verdade, se os líderes da Fraternidade estão deslizando dessa maneira, não é porque subestimaram o problema deste mundo? Por estarem travando uma guerra sem conhecer o inimigo, eles não estão caminhando diretamente para a derrota? Enquanto o Arcebispo Lefebvre disse uma vez que todo o Vaticano II está cheio de subjetivismo, o Bispo Fellay não disse uma vez que 95% dos textos do mesmo Vaticano II são aceitáveis? E enquanto o Arcebispo costumava dizer, de várias maneiras, que alguém precisa de uma colher longa para cear com os romanos conciliadores de hoje, não está o sucessor do Bispo Fellay seguindo o exemplo deste último de comportar-se como se ele achasse que poderia ser mais esperto que os demônios romanos? A verdadeira força do Arcebispo nunca foi sua astúcia, mas sempre foi sua fé e sua fidelidade à verdade católica. E o mesmo se aplica à Fraternidade que ele fundou. Então, que os leitores católicos destes "Comentários" não pensem que não precisam considerar as análises dos Comentários sobre a corrupção moderna, por mais desagradável que lhes possam parecer. Enterrar a cabeça na areia pode-lhes custar caro.

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXLV (64) - (23 de novembro de 2019)

O MUNDO DESLIZANDO


Todas as árvores da Amazônia batendo palmas – seria possível isto concretizar-se?
Esperem, e verão o quão facilmente Deus pode fazê-lo realizar-se!


Não é somente a Fraternidade Sacerdotal São Pio X que está deslizando, é um mundo inteiro que desliza, dentro das almas dos homens. E assim como “não se pode fazer bolsas de seda com orelhas de porcos” e “não se pode fazer tijolos sem palha”, é impossível esperar que as instituições de ontem não sejam esvaziadas pelos seres humanos de hoje, como tantos balões colapsados dos quais o ar foi expelido. Eis a interessante resposta de alguém que ainda pensa, quando lhe perguntaram o que via, em relação ao futuro, para a "Resistência", para a FSSPX, para a Igreja e para o mundo:

Quanto à “Resistência”, não haverá grande aumento no número, nem uma grande colheita de almas, porque o material adequado simplesmente não existe. Como é possível fazer algo católico em pessoas que têm pouca ou nenhuma ideia do que é verdadeiro e do que é falso, do que é certo e do que é errado, daquilo ao que realmente é necessário resistir? A verdade e o certo foram minados, e mais e mais pessoas têm deixado de acreditar que são importantes, tanto porque o homem é um animal social que toma seu colorido daqueles que o rodeiam e que hoje desistiram massivamente da verdade e do certo, como porque a vida é muito menos exigente se a verdade e o certo são insignificantes. Então eu posso seguir o fluxo, e não há nada a que eu ainda precise resistir.

Quanto à FSSPX, se o Bispo Fellay é temeroso, seu medo se estenderá para o resto da Fraternidade, e de lá para o resto da Igreja, na medida em que a Fraternidade do Arcebispo foi em seu apogeu a rigidez da espinha dorsal da Igreja. Sem essa rigidez prevalecerá um conciliarismo suave, com um Missal híbrido que mistura a Missa Tridentina com a Missa Nova, com uma “hermenêutica de continuidade” que mistura a doutrina católica com o Vaticano II, com sacerdotes e ritos duvidosos, que possibilitam uma retomada ilusória da década de 1950. E assim a Igreja terminará sem ninguém que diga a Verdade, e a “luz do mundo” emitirá apenas um brilho tênue e opcional, e o “sal da terra” será impotente para impedir a corrupção universal.

O mundo, consequentemente, estará cada vez mais degenerado, tornar-se-á cada vez mais artificial, porque a Igreja era a protetora sobrenatural, pela graça, nas almas dos homens, de tudo o que era natural na criação de Deus. E, nesta Nova Ordem Mundial, até mesmo os restos da verdadeira Igreja continuarão sendo perseguidos pela intimidação passivo-agressiva de hoje. Sob uma aparência de tolerância passiva, a realidade é a de uma pressão implacável para conformar-se: "É melhor você ser 'politicamente correto', como todo mundo, ou faremos de você um pária". A essa pressão externa corresponde uma misteriosa fraqueza da mente moderna que não pode apegar-se a nenhuma verdade. O diabo, então, entra no nível natural e desvia a mente para a esquerda, para longe de Deus, fazendo com que os católicos duvidem de si mesmos: “Quem sou eu para dizer que o Arcebispo Lefebvre estava certo? Seus inimigos eram realmente maus? Quem sou eu para julgar?”. E nesse estado de espírito, é fácil trair...

Foi o Concílio dos anos 60 que desatou a confusão nos anos 70, e teve mais meio século para espalhar-se desde então, com a FSSPX trabalhando secretamente para o inimigo nos últimos 20 anos...”.

Essa visão do futuro é sombria, mas é uma previsão realista no nível meramente humano. Felizmente, Deus é Deus, Ele realmente existe, e Seus pensamentos não são os nossos pensamentos, nem os nossos caminhos são os Seus caminhos, “Porque, quanto os céus estão elevados acima da terra, assim se acham elevados os meus caminhos acima dos vossos caminhos, e os meus pensamentos acima dos vossos pensamentos” (Isaías LV, 8-9 [tradução da Vulgata pelo Pe. Matos Soares]). Tampouco este Deus se frustrará com as maquinações dos homens: “assim será a minha palavra, que sair da minha boca; não tornará para mim vazia, mas fará tudo o que eu quero, e produzirá os efeitos para os quais a enviei. Portanto, vós saireis com alegria, e sereis conduzidos em paz; os montes e os outeiros cantarão diante de vós cânticos de louvor, e todas as árvores do país baterão palmas. Em lugar do espigue subirá a faia, e em vez da urtiga crescerá a murta; e o Senhor será nomeado como um sinal eterno, que não será tirado” (Is. LV, 11–13 [tradução da Vulgata pelo Pe. Matos Soares]).

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

16 de dezembro dia de Santo Eusébio de Verceli

  
 Santo Eusébio  da Sardenha.Nascido de nobre família da Sardenha nesta ilha nasceu ano 283 veio a Roma e aqui foi batizado pelo Papa Eusébio que lhe impôs o seu próprio nome. Durante as perseguições contra os cristãos os sobreviventes enterravam com veneração os corpos dos mártires nas catacumbas; os cristãos desciam com freqüência às catacumbas para rezar a seus familiares. Depois que o imperador Constantino deu liberdade de culto aos cristãos no ano 313, no período em que Eusébio estava em Roma, as catacumbas se tornaram centros de veneração dos santos mártires. Depois da morte do seu pai, sua mãe(Na cidade de Cagliari (Itália), há a cripta de Santa Restituta, escavada naturalmente, que Remonta ao III século a.C. e que a tradição identifica nela o lugar da prisão e martírio da santa. No século XIII a cripta foi dedicada ao culto de Santa Restituta que a tradição reconhece como mãe de Santo Eusébio)o levou para completar os estudos eclesiásticos em Roma.  Assim, muito jovem, Eusébio entrou para o clero, sendo ordenado sacerdote. Aos poucos foi ganhando a admiração do povo cristão e do Papa Júlio I que o consagrou Bispo da diocese de Vercelli em 345.
    Participou do concílio de Milão em 355, no qual os Bispos adeptos da doutrina ariana, que pregava somente a humanidade de Jesus, tentaram forçá-lo a votar pela condenação do Bispo de Alexandria, Santo Atanásio, defensor de Jesus como Homem e Deus. Ficou ao lado de Atanásio, além de discordar do arianismo que buscava erroneamente negar a divindade de Cristo considerou a votação uma covardia, pois Atanásio, sempre um fiel guardião da verdadeira doutrina católica, estava ausente e não podia defender-se. Como ficou contra a condenação, ele e outros bispos foram condenados ao exílio na Palestina , foi exilado com outros santos Bispos pelo imperador Constâncio. 

   Porém isso não o livrou da perseguição dos hereges arianos, que infestavam a cidade. Ao contrário, sofreu muito nas mãos deles. Como não mudava de posição e enfrentava os desafetos com resignação e humildade, acabou preso, tendo sido cortada qualquer forma de comunicação sua com os demais católicos. Na prisão, sofreu ainda vários castigos físicos. Contam os escritos que passou, também, por um terrível suplício psicológico.
    Quando o povo cristão tomou conhecimento do fato, ergueu-se a seu favor. Foram tantos e tão veementes os protestos que os hereges permitiram sua libertação. Contudo o exílio continuou e ele foi mandado para a Capadócia, na Turquia e, de lá, para o deserto de Tebaida, no Egito, onde foi obrigado a permanecer até a morte do então imperador Constantino, a quem sucedeu Juliano, o Apóstata, que deu a liberdade a todos os bispos presos e permitiu que retomassem as suas dioceses.
   Depois do exílio de seis anos, Eusébio foi o primeiro a participar do Concílio de Alexandria, organizado pelo amigo, santo Atanásio. Só então passou a evangelizar, dirigindo-se, primeiro, a Antioquia e, depois, à Ilíria, onde os arianos, com sua doutrina, continuavam confundindo o povo católico. Batalhou muito combatendo todos eles.
   Mais tarde, foi para a Itália, sendo recepcionado com verdadeira aclamação popular. Em seguida, na companhia de santo Hilário, bispo de Poitiers, iniciou um exaustivo trabalho pela unificação da Igreja católica na Gália, atual França. Somente quando os objetivos estavam em vias de serem alcançados é que ele voltou à sua diocese em Vercelli, onde faleceu no dia 1o. de agosto de 371.

Leitura da Epístola                                                                                                                                    
II Coríntios 1 , 3-7   
3 Bendito seja Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias, Deus de toda a consolação, 4 que nos conforta em todas as nossas tribulações, para que, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus, possamos consolar os que estão em qualquer angústia! 5 Com efeito, à medida que em nós crescem os sofrimentos de Cristo, crescem também por Cristo as nossas consolações. 6 Se, pois, somos atribulados, é para vossa consolação e salvação. Se somos consolados, é para vossa consolação, a qual se efetua em vós pela paciência em tolerar os sofrimentos que nós mesmos suportamos. 7 A nossa esperança a respeito de vós é firme: sabemos que, como sois companheiros das nossas aflições, assim também o sereis da nossa consolação.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 16, 24-27
24 Em seguida, Jesus disse a seus discípulos: Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. 25 Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, recobrá-la-á. 26 Que servirá a um homem ganhar o mundo inteiro, se vem a prejudicar a sua vida? Ou que dará um homem em troca de sua vida?... 27 Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai com seus anjos, e então recompensará a cada um segundo suas obras. 28 Em verdade vos declaro: muitos destes que aqui estão não verão a morte, sem que tenham visto o Filho do Homem voltar na majestade de seu Reino.
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

domingo, 15 de dezembro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXLIV (644) - (16 de novembro de 2019)

DESLIZAMENTO COMENTADO


A Fraternidade está seguindo o mundo.
Seu curso fatal é cada vez mais evidente.

Dois leitores dos dois últimos números destes “Comentários” (642 e 643, de 2 e 9 de novembro) fizeram observações úteis sobre o estado da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. A primeira delas foi que a Neofraternidade parece estar querendo colocar todos os tradicionalistas, dentro ou fora dela, sob sua autoridade única, e a segunda foi que as “discussões doutrinárias” entre Roma e a FSSPX serão reabertas em Roma tendo o Bispo Fellay como líder dos representantes da FSSPX. O primeiro observador comenta as constantes táticas da Revolução, e o segundo comenta sobre o destino que ameaça Don Pagliarani. Aqui está o que diz primeiro observador:

Essas duas notícias são muito ruins. Mesmo que eu pessoalmente não sinta mais falta da FSSPX, dói-me vê-la em um estado de completa rendição à Roma apóstata. Cada vez que a Revolução na Igreja dá um passo importante que pode ocasionar resistência por parte dos católicos, a Fraternidade sempre tem à sua disposição de antemão – sempre – uma posição alternativa, um beco sem saída para o qual dirige aqueles que estavam resistindo, tornando-os ineficientes. Receio que a FSSPX esteja sendo preparada por Roma para acolher todos os católicos que resistem ao apóstata Bergoglio, a fim de guiá-los na direção de Roma. É bastante fácil prever que é isso o que eles estão fazendo. Como sempre, a única arma que temos em mãos é o Rosário, para obter a Consagração da Rússia. Que Deus tenha misericórdia de nós!

Esses comentários não são "teoria da conspiração" nem "fake news". Os enganadores da Igreja e do mundo moderno, a quem Deus está concedendo atualmente um grande poder para castigá-lo pela apostasia, não são pessoas honestas que podem dar-se ao luxo de operar abertamente. Com demasiada frequência são verdadeiros inimigos de Deus, revolucionários desonestos que precisam conspirar e enganar para disfarçar o que estão fazendo. Por isso, sempre que os católicos – que são não somente simples como as pombas, mas também prudentes como as serpentes (cf. Mt. X, 16) – denunciam as artimanhas desses revolucionários, estes os acusam de serem, por exemplo, "teóricos da conspiração", o que é ainda mais enganoso, porque a acusação costuma ser verdadeira.

Por exemplo, nesse caso, quando em 1988 o Arcebispo Lefebvre estava prestes a acertar um grande golpe nos liberais ao consagrar quatro Bispos (então) fiéis para garantir que a Fraternidade sobreviveria para defender a verdadeira fé, a Roma liberal havia preparado a Fraternidade Sacerdotal de São Pedro para receber e neutralizar todos os sacerdotes da FSSPX que se opunham a essas Consagrações episcopais. Da mesma forma, quando esse observador acima sugere que em 2019 Roma está transformando a FSSPX em um refúgio para todos os católicos que se opõem ao Papa Francisco, a fim de colocar toda a sua oposição sob o controle de Roma, é muito provável que isso esteja longe de ser uma "fake news". É típico dos inimigos de Deus cometer exatamente os mesmos ardis dos quais eles acusam aqueles que os denunciam.

Quanto ao segundo observador, ele sugere que Don Pagliarani pode ser menos culpável do que o Bispo Fellay por julgar mal as intenções de Roma, mas se ele continuar a agir tal como o seu predecessor à frente da Fraternidade, é ele, Don Pagliarani, quem assumirá a responsabilidade por paralisar a defesa da Fé da Fraternidade. Tampouco se pode ser indulgente com ele indefinidamente, porque ele deve ser cada vez menos inocente se, e na medida em que, continua a agir como o Bispo Fellay. Aqui estão os comentários do segundo observador:

A notícia de que a renovação das discussões doutrinárias entre Roma e a FSSPX está sendo dirigida em Roma para a FSSPX pelo Bispo Fellay, projeta uma sombra obscura sobre seu sucessor que o escolheu para isso, Don Pagliarani. Mesmo admitindo que este último não seja tão favorável a um acordo como o é o Bispo Fellay, parece que ele está preso na mesma maneira de pensar de seu predecessor. Portanto, ou ele se liberta desse estado ou está destinado a ser marcado como aquele que sepultou a Fraternidade. Que Deus não o permita! Rezarei por ele e pela Fraternidade,  e me dirigirei para a Mãe de Deus, para que abras os olhos dele e ilumine seus dois Assistentes.

Reparem como os dois observadores veem na oração a única solução. Humanamente falando, a Fraternidade está essencialmente, ainda que não completamente, paralisada. Ao optar por juntar-se à Igreja Conciliar, ela compartilhará o destino desta.

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Comentários Eleison – por Dom Williamson Número DCXLIII (643) - (9 de novembro de 2019)

AINDA DESLIZANDO – II


Quem deu a vara para Roma golpear-nos?
Como devem rir do modo como podem tratar-nos!

Caso os leitores pensem que a conversa relatada aqui na semana passada, que ocorreu em setembro entre Dom Placide de Bellaigue, na França, e as autoridades da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, na Suíça, é insuficiente para provar que a Fraternidade continua afastando-se da defesa da verdadeira Fé, eis outra informação que nos leva à mesma conclusão: mais ou menos na mesma época em que o Superior Geral da Fraternidade (SG) deu sua entrevista reconfortante de 12 de setembro, ele presidiu a nomeação de uma Comissão de três pessoas para irem a Roma retomar aquelas discussões teológicas com os romanos conciliares que ocorreram de 2009 a 2011 sem resultado. E quais foram os três representantes da Fraternidade escolhidos para as discussões? Ninguém menos que o Bispo Fellay e os padres Pfluger e Nély, o triunvirato da Fraternidade que governou entre 2006 e 2018, quando então todos os três foram destituídos do cargo no Capítulo Geral eletivo de julho! E novamente se faz necessário um pouco de contexto.

No Capítulo Geral eletivo anterior de 2006, os 40 principais sacerdotes da Fraternidade se mantiveram fiéis, menos fiéis do que em 1994 (como admitiu uma vez o Bispo Fellay), mas ainda assim fiéis ao princípio de bom senso católico do Arcebispo Lefebvre, segundo o qual, no choque entre a Fraternidade e Roma, estavam em jogo questões tão importantes de Fé que nenhum acordo meramente prático, sem um acordo doutrinário, poderia resolver. Ora, em 2006, o Bispo Fellay já havia deixado de levar a doutrina a sério havia algum tempo. Para ele, como para o Papa Bento XVI, para todos os modernistas e para a massa dos habitantes do mundo de hoje, a verdade de Deus é menos importante do que a unidade dos homens; mas ele sabia que dentro da Fraternidade muitos membros ainda continuavam seguindo o Arcebispo em seu respeito pela verdade de Deus, e, por isso, o SG continuou a pedir ao Papa Bento XVI que mantivesse as discussões doutrinárias a fim de que a Fraternidade e Roma pudessem unir-se.

O pedido era intrinsecamente insensato desde o início, porque as doutrinas da Tradição Católica e do Vaticano II não podem mais ser unidas do que o são as doutrinas de 2 + 2 = 4 e 2 + 2 = 5. Mas tanto o Papa como o SG aparentemente esperavam que os dois lados pudessem contentar-se com 2 + 2 = quatro e meio, porque, para os dois, a união era mais valiosa do que a verdade. E assim, ocorreram “discussões doutrinárias” entre quatro representantes de cada lado, de 2009 a 2011. No entanto, em 2009 o Bispo Fellay ainda teve de nomear quatro representantes da Fraternidade que levavam a sério a verdade católica, enquanto os romanos se mantiveram inflexíveis em seu apego às antiverdades do Vaticano II, de modo que as discussões não chegaram a lugar nenhum. A unidade não pôde, então, prevalecer sobre a Verdade.

Mas no Capítulo Geral interino (não eletivo) de 2012 da Fraternidade, a opinião havia mudado entre os 40 principais sacerdotes da Fraternidade, de modo que o princípio de doutrina do Arcebispo foi abandonado primeiramente, e a Fraternidade aceitou oficialmente que a unidade deveria vir em primeiro lugar. No entanto, surgiu imediatamente um forte movimento de resistência de sacerdotes da Fraternidade, ameaçando a unidade desta. E assim, quando no Capítulo eletivo de 2018 os 40 sacerdotes ainda amavam a Verdade o suficiente para votarem para que o Bispo Fellay e seus dois assistentes saíssem do cargo, o novo SG adotou posteriormente a ideia das discussões doutrinárias com os romanos conciliares, uma ideia intrinsecamente insensata, mas sempre tão atraente quanto ter um bolo e poder deliciar-se com ele. Ele desceu para Roma, e tanto os romanos como o SG ainda deviam estar sonhando com quatro e meio, de modo que parece que as "discussões doutrinárias" estão de volta à mesa.

Mas enquanto em 2009 o Bispo Fellay teve de escolher os defensores da Verdade para representarem a Fraternidade, agora o novo SG parece ter escolhido os três oficiais da Fraternidade que presidiram o Capítulo de 2012 que colocou a unidade antes da Verdade! Então, quem está enganando quem? Se o novo SG está enganando-se a si mesmo em relação a achar que uma unidade não doutrinária é possível, ai da Fraternidade, agora e no futuro próximo! Se ele não está enganando-se a si mesmo, ele está agindo sob pressão de Roma, de Menzingen fellayzado ou de ambos? Dá no mesmo, porque o Bispo Fellay fez tudo o que pôde para colocar Menzingen e a Fraternidade sob o poder de Roma. É Roma, portanto, quem está tomando as decisões e esfregando o nariz da Fraternidade em sua própria sujeira. Honorável Pe. Pagliarani, se o senhor não gosta da ideia de ser responsável por essa sujeira, a coisa honrosa que pode fazer é renunciar!

Kyrie eleison.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo.

13 de dezembro dia de Santa Luzia, rogai por nós!

13/12 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
Paramentos Vermelhos

Deus, por vezes, manifesta seu poder através dos mais fracos. 
Luzia, uma frágil jovem de Siracusa, era forte de alma, por ser virgem. 
Deus deu-lhe o dom de vencer, não só com seus argumentos, mas também pela força, os perseguidores pagãos.


Foi dentro das fronteiras do Império Romano que, por desígnio do Altíssimo, nasceu a Santa Igreja Católica. No entanto, esse imenso poder temporal, vendo o poder espiritual nascer misteriosamente e florescer com rapidez desconcertante, mostrou-se de início intrigado e receoso, e, por fim, hostil a ponto de chegar às violências mais extremas.
Os sublimes ensinamentos cristãos contradiziam frontalmente os costumes vigentes entre aqueles homens de coração duro. Vítima de toda sorte de calúnias, a Igreja nascente viu-se alvo de sangrentas perseguições desencadeadas pelas autoridades romanas com o objetivo de sufocá-la de modo inexorável.
   No entanto, era o próprio Deus quem permitia que sua Igreja passasse pela longa prova da dor e do sacrifício. Com efeito, após cada perseguição, o Cristianismo ressurgia mais numeroso, brilhante e cheio de fé! No reinado de Diocleciano (284- 305), esse clima de horror chegou ao auge. Por um edito deste imperador, todas as igrejas deveriam ser demolidas e todos os cristãos que exerciam cargos públicos seriam obrigados a abjurar a fé em Cristo. É nesta última fase do período das grandes perseguições que surge uma alma de rara virtude: a jovem Luzia.


Voto de virgindade

  O nome Luzia tem sua origem na palavra latina "lux", e ressoa em nossos ouvidos carregado de conotações heróicas, trazendo-nos à memória uma vida cheia de luz e de glória, porque feita de sangue e dor.
  Nascida em Siracusa, e oriunda de uma família nobre e cristã, logo no desabrochar da adolescência consagrou- se a Jesus, oferecendo-Lhe a flor da sua virgindade.
   Esta promessa de castidade perfeita não era incomum nos primórdios do Cristianismo, pois o próprio Salvador chamava grande número de almas à pratica desta angélica virtude. Um dia, respondendo a uma pergunta dos discípulos sobre os pesados encargos do casamento, disse- lhes o Mestre: "Nem todos são capazes de compreender esta doutrina, mas somente aqueles a quem foi concedido do alto" (Mt 19-11). Há homens, prosseguiu Ele, que são inaptos para a vida conjugal, e outros, pelo contrário, que de livre e espontânea vontade renunciaram ao matrimônio "por amor ao Reino dos Céus" (Mt 19,12). Pela primeira vez ressoava na História o chamado cristão à virgindade, e seu eco repercutiria em almas como as de Cecília, Ágata, Inês, e tantas outras que, sobrepondo- se às leis da carne e da matéria, se lançariam alegres em vôos admiráveis de perfeição espiritual.

Intercessão de Santa Ágata


Santa Ágata recebendo de Nossa Senhora a
coroa e a palma do martírio 

  Seu pai faleceu quando ela era ainda muito menina. Sua mãe, Eutícia, embora cristã, não tinha se despojado totalmente das glórias e atrações deste mundo. Assim, desejosa de proporcionar à sua filha um futuro cheio de fama e de honra, a exortava a casar-se com um jovem rico e bem colocado, mas pagão.
   A casta Luzia - que mantinha seu voto em segredo - procurava sempre se esquivar desse assunto. Punha toda a sua confiança em Deus e aguardava uma oportunidade providencial para revelar à mãe sua resolução firme e decidida de pertencer somente a Cristo. As fervorosas orações feitas por ela nessa intenção foram prontamente atendidas: logo se apresentou uma boa ocasião.
  Apesar das atrozes perseguições aos cristãos, celebrava-se todo ano na própria Sicília a festa de Santa Ágata, a virgem da cidade de Catânia, martirizada por volta do ano 250. Os prodígios por ela operados tornaram-na tão conhecida que acorria gente de todas as partes para implorar sua intercessão. Ora, havia já alguns anos, Eutícia sofria muito de um fluxo de sangue. Por isso Luzia, que tinha grande devoção a essa virgem mártir, sua conterrânea, persuadiu a mãe a ir em peregrinação até seu túmulo para implorar a cura de tal enfermidade.
   Quando entraram na igreja, o assombro tomou conta das duas. Transcorria uma solene Celebração e naquele exato momento proclamava-se a Palavra do Santo Evangelho: "Então, uma mulher que havia doze anos padecia um fluxo de sangue, e gastara tudo quanto possuía sem ter sentido melhoras, tendo ouvido falar de Jesus, foi por detrás entre a multidão e tocou o seu manto. Imediatamente parou o fluxo de sangue e sentiu no seu corpo estar curada do mal. Jesus, conhecendo logo em Si mesmo a força que saíra d'Ele, voltado para a multidão, disse: ‘Quem tocou os meus vestidos?'.
  Os seus discípulos responderam: ‘Tu vês que a multidão Te comprime, e perguntas: Quem Me tocou?' E Jesus olhava em volta para ver quem tinha feito aquilo. Então a mulher, que sabia o que se tinha passado nela, foi prostrar- se diante d'Ele, e disse-Lhe toda a verdade. Jesus disse-lhe: ‘Filha, a tua fé te salvou; vai em paz e fica curada do teu mal'" (Mc 5, 25-34).
  Estupefatas e em extremo comovidas ao ouvirem essa passagem do Evangelho, caíram de joelhos e começaram a rezar. Assim ficaram durante muito tempo. Terminou a cerimônia, todos se retiraram, e elas, dando-se conta de que estavam sós, prostraram-se diante do sepulcro de Santa Ágata para implorar a bondade de Deus, pela intercessão da tão poderosa advogada.
  Quis, porém, o Senhor manifestar- Se a Luzia por meio de um sonho profético. Cansada pela fadiga da viagem, acabou a jovem caindo num sono profundo. Enquanto dormia, apareceulhe Santa Ágata, rodeada de um coro de anjos. Seu vestido era de uma beleza sem par, adornado de safiras e pérolas finas. Seu rosto, alegre e sereno, resplandecia como o sol enquanto ela dizia: "Minha queridíssima irmã e virgem consagrada a Deus, por que pedes pela intercessão de outrem o que tu mesma podes obter para tua mãe? Eis que ela se encontra já curada pela fé que tu tens em Jesus Cristo! Assim como Ele tornou célebre a cidade de Catânia por minha causa, tornará também gloriosa a cidade de Siracusa pela tua mediação, pois soubeste preparar no teu puro coração uma agradável morada para teu Criador".
  Ao ouvir estas palavras, levantou- se Luzia ainda mais convicta de sua consagração a Deus. Contou então à sua mãe a reconfortante visão e acrescentou que, pela graça de Deus, ela estava totalmente curada de sua enfermidade. E a jovem aproveitou a oportunidade para dizer-lhe confiante:
- Agora, minha mãe, uma só coisa te peço: em nome d'Aquele mesmo que te devolveu a saúde, deixa-me conservar minha virgindade, pertencendo somente ao nosso Criador. Repartamos entre os pobres os bens que preparaste para o meu casamento, e teremos grande tesouro no Céu!
  Eutícia se deixou convencer e, voltando a Siracusa, ambas distribuíram suas riquezas entre os mais necessitados, segundo as instruções da comunidade cristã à qual pertenciam.
  Ora, isto chegou aos ouvidos do jovem pretendente. Cheio de fúria, este foi ter com Eutícia e testemunhou, com seus próprios olhos, mãe e filha dando aos pobres suas jóias e objetos preciosos. Fora de si, correu até Pascásio, então prefeito da cidade, para acusar Luzia de praticar a religião cristã. Assim iniciou-se o processo que levaria esta Santa a brilhar no mais alto dos Céus, junto à nobre multidão dos gloriosos mártires!

Diante do tribunal

Santa Luzia diante do tribunal

  Edificante e arrebatador foi o julgamento da corajosa jovem. Refutou todos os argumentos e ameaças de Pascásio, e seu simples olhar impunha respeito. Vendo o juiz a serena segurança da prisioneira, tentou primeiramente persuadi-la com suaves palavras a oferecer sacrifícios aos deuses pagãos. Depois, ante a irredutível fé de Luzia, passou das adulações para a mais terrível ferocidade. Impávida, ela respondeu- lhe sem hesitar:
- Tu te preocupas em seguir as leis dos príncipes desta terra, enquanto eu procuro meditar dia e noite os mandamentos do Senhor. Tu te preocupas em comprazer o imperador, eu tudo faço para agradar a meu Deus, a quem consagrei minha própria virgindade.
- Pois bem - disse Pascásio - eu te farei conduzir a um lugar onde perderás tua castidade, assim o Espírito Santo te abandonará e deixarás de ser seu templo!
- A violência feita ao corpo não arranca a pureza da alma, se minha vontade não consente. Ao contrário, esta violência me proporcionará duas coroas: a da virgindade e a do martírio - respondeu a virgem.
  Imediatamente Pascásio deu aos carrascos ordem de amarrar a inocente vítima e arrastá-la até uma casa de infâmia, para ela perder a honra da virgindade antes de ser decapitada.
  Ora, o que podem todas as forças humanas contra a onipotência de Deus? Os olhos do Bom Pastor pousavam sobre sua serva fiel e por isso impediu que os verdugos conseguissem tirá-la do lugar onde se encontrava. Tentavam em vão empurrá- la: Luzia permanecia imóvel, detida por uma mão invisível. Nem mesmo várias juntas de bois, aos quais a amarraram, conseguiram removê-la.
  Obstinado no mal, Pascácio mandou levantar em volta da Santa uma enorme fogueira. Ela fitava sem medo o tirânico juiz, dizendo: "Pedirei ao Senhor que este fogo não me atinja, para que os fiéis reconheçam o poder de Deus e os infiéis fiquem ainda mais confundidos". E efetivamente as chamas também fracassaram: a jovem ficou incólume em meio às labaredas.
  Derrotado, Pascásio ordenou finalmente que a cabeça da virgem fosse cortada à espada. Uma celestial alegria transpareceu em seu semblante, ao ver que tinha chegado a hora do supremo encontro com seu Redentor. Entretanto, não morreu naquele instante. Caindo de joelhos, foi acolhida nos braços de alguns cristãos que assistiam ao seu martírio.
  Antes de falecer, a virgem mártir prognosticou o fim das perseguições de Diocleciano e Maximiano, e o início de uma era de grande paz para a Santa Igreja. Esta profecia não tardou a tornar-se realidade: apenas dois anos após sua morte, subiu ao trono Constantino o Grande, que promulgou em 313 o Edito de Milão, concedendo liberdade ao culto Cristão, em toda a vastidão do Império. Estavam, assim, largamente abertas as portas para a Igreja desenvolver-se triunfante, ao longo dos séculos.
  A gloriosa Santa Luzia entregou sua alma a Deus no ano 304 da era do Senhor. Um raio da Graça tinha pousado sobre ela. Na Igreja de Cristo luzia mais uma mártir, no Céu mais uma santa! Tu vincis inter martyres! - Tu vences, ó Cristo, pelas provas dos mártires! (Revista Arautos do Evangelho, Dez/2006, n. 60, p. 35 à 37)
   Foto abaixo: Três episódios da vida de Santa Luzia baseado na Legenda Aurea (século XIII).
   Primeira cena: Em gratidão pela cura da mãe de Santa Luzia, após uma peregrinação ao túmulo de St Agatha, ambas decidiram dar suas posses aos pobres. Segunda cena: Santa Luzia foi levada perante o cônsul de seu noivo e por conta de sua fé, foi condenada. Terceira cena: Santa Luzia sendo puxada por juntas de bois que, miraculosamente, não conseguiram movê-la.
   A Convicção dos Mártires:Filipenses 1.20-21 "Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho".
E foi em Siracusa, cidade abençoada pela presença apostólica, que, pelo ano de 281, nasceu Lúcia, que passaremos a chamar de Luzia. Lúcia significa “Luz”, em sua origem latina. Talvez o nome de seu pai, conforme a tradição romana, tenha sido Lúcio e já estaria morto quando Luzia estava com quinze anos. O nome de sua mãe é certo: Eutíquia.ueria somente isso: pertencer inteiramente, corpo e alma, a Jesus. Na Igreja antiga, a virgindade era um estado de vida cristã considerado em grau eminente pela comunidade: do mesmo modo que os mártires davam a vida por Cristo, as virgens lhe entregavam também a vida e toda a riqueza dos afetos humanos.

Leitura da Epístola

II Coríntios 10,17-18 e 11,1-2

17. Ora, quem se gloria, glorie-se no Senhor.

18. Pois merece a aprovação não aquele que se recomenda a si mesmo, mas aquele que o Senhor recomenda.1. Oxalá suportásseis um pouco de loucura de minha parte! Oh, sim! Tolerai-me.2. Eu vos consagro um carinho e amor santo, porque vos desposei com um esposo único e vos apresentei a Cristo como virgem pura.

Sequência do Santo Evangelho

São Mateus 13, 44-52

44. O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo.45. O Reino dos céus é ainda semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas.

46. Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra.47. O Reino dos céus é semelhante ainda a uma rede que, jogada ao mar, recolhe peixes de toda espécie.48. Quando está repleta, os pescadores puxam-na para a praia, sentam-se e separam nos cestos o que é bom e jogam fora o que não presta.49. Assim será no fim do mundo: os anjos virão separar os maus do meio dos justos50. e os arrojarão na fornalha, onde haverá choro e ranger de dentes.51. Compreendestes tudo isto? Sim, Senhor, responderam eles.52. Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário