sexta-feira, 19 de julho de 2024

19 de julho dia de São Vicente de Paula, Confessor

19/07 Sexta-feira
Festa de Terceira Classe
      Paramentos Brancos

  São Vicente de Paulo nasceu em uma terça-feira de Páscoa, em 24 de abril de 1581, na aldeia Pouy, sul da França. Vicente foi batizado no mesmo dia de seu nascimento. Era o terceiro filho do casal João de Paulo (Jean de Paul) e Bertranda de Moras (Bertrande de Moras), camponeses profundamente católicos. Seus seis filhos receberam o ensino religioso em casa através de Bertranda. Desde cedo destacou-se pela notável inteligência e devoção. Fez seus primeiros estudos em Dax, onde, após 4 anos, tornou-se professor. Isto lhe permitiu concluir os estudos de teologia na Universidade de Toulouse. Foi ordenado sacerdote, aos dezenove anos, em 23 de setembro de 1600. Ordenou-se padre e logo passou pela primeira provação: uma viúva que gostava de ouvir as suas pregações, ciente de que ele era pobre, deixou para ele sua herança - uma pequena propriedade e determinada importância em dinheiro, que estava com um comerciante em Marselha. No retorno desta viagem a Marselha, em 1605, o navio em que se encontrava foi atacado por piratas turcos. Pe. Vicente sobreviveu ao ataque, mas foi feito prisioneiro. Os turcos o conduziram a Túnis, onde foi vendido como escravo para um pescador, depois para um químico; com a morte deste, foi herdado pelo sobrinho do químico, que o vendeu para um fazendeiro, um renegado, que antes era católico e, com medo da escravidão, adotara a religião muçulmana. Ele tinha três esposas: uma era turca e esta, ouvindo os cânticos do escravo, sensibilizou-se e quis saber o significado do que ele cantava. Ciente da história, ela censurou o marido por ter abandonado uma religião que para ela parecia tão bonita. O patrão de Pe.Vicente arrependeu-se e propôs a ele uma fuga para a França, que só se realizou dez meses depois, já em 1607. Eles atravessaram o Mar Mediterrâneo em uma pequena embarcação e conseguiram chegar à costa francesa. De Aigues-Mortes foram para Avinhão, onde encontraram o Vice-Legado do Papa. Vicente voltou à condição de padre e o renegado abjurou publicamente, retornando à Igreja Católica. Vicente e o renegado ficaram vivendo com o Vice-Legado e, quando este precisou viajar a Roma, levou-os em sua companhia. Durante a estada na cidade, Pe. Vicente frequentou a universidade e se formou em Direito Canônico. E o renegado foi admitido em um mosteiro, onde se tornou monge. O Papa precisou mandar um documento sigiloso para o Rei Henrique IV da França e Pe. Vicente foi escolhido como fiel depositário. Devido a sua presteza, o Rei Henrique IV nomeou-o Capelão da Rainha Margarida de Valois, a rainha Margot. Pe. Vicente era encarregado da distribuição de esmolas aos pobres e fazia visitas aos enfermos no hospital de caridade em nome da rainha. Após o assassinato de Henrique IV da França, em 1610, São Vicente passou um ano na Sociedade do Oratório, fundada pelo Cardeal Pierre de Bérulle. Mais tarde, padre Bérulle foi nomeado Bispo de Paris e indicou Vicente de Paulo para vigário de Clichy, subúrbio de Paris. Vicente fundou a Confraria do Rosário e todos os dias visitava os doentes. Atendendo a um pedido de padre Berulle, partiu e foi ser o preceptor dos filhos do general das galés e residir no Palácio dos Gondi. Naquele período, a Marinha francesa estava em expansão e, para resolver o problema da mão-de-obra necessária para o remo, era costume a condenação às galés por delitos comuns. Vicente empenhou-se nesta missão, lutando por mais dignidade para estes prisioneiros, que viviam em condições sub-humanas. No trabalho em favor dos condenados às galés chegou até a se colocar no lugar de um deles para libertá-lo. As propriedades da família dos Gondi eram muito grandes e Pe. Vicente e a senhora de Gondi faziam visitas às famílias que residiam nestas propriedades. Foi assim que o Pe. Vicente percebeu como era necessária a confissão deste povo. Conseguiu outros padres para as confissões, pois eram muitos os que queriam esse sacramento. Pe. Vicente esteve nas terras da família Gondi por cinco anos. Foi a Paris e, mais tarde, a pedido do Pe. Berulle, voltou para a casa dos Gondi por mais oito anos. Sua piedade heróica conferiu-lhe o cargo de Capelão Geral e Real da França. Vendo o abandono espiritual dos camponeses, fundou a Congregação da Missão, que são os Padres Lazaristas, para evangelização do "pobre povo do interior". A Congregação da Missão demorou de 1625 até 12 de janeiro de 1633 para receber a Bula do Papa Urbano VIII, reconhecendo-a.Em 1643, Luís XIII pediu para ser assistido, em seu leito de morte, por Vicente, tendo morrido em seus braços. A seguir foi nomeado pela Regente Ana d'Áustria, de quem era o confessor, para o Conselho de Consciência (para assuntos eclesiásticos dessa Regência).Num apelo que o padre Vicente fez durante sermão em Châtillon, nasceu o movimento das Senhoras Damas da Caridade (Confraria da Caridade). A primeira irmã de caridade foi a camponesa Margarida Nasseau, que contou com a orientação de Santa Luísa de Marillac e que, mais tarde, estabeleceu a Confraria das Irmãs da Caridade, atuais Filhas da Caridade. De apenas quatro irmãs no começo, a Confraria conta, hoje, com centenas delas. Foi também ele o responsável pela organização de retiros espirituais para leigos e sacerdotes, através das famosas conferências das terças-feiras (Confraria de Caridade para homens).Inspirado por seu amor a Deus e aos pobres, Vicente de Paulo foi o criador de muitas obras de amor e caridade. Sua vida é uma história de doação aos irmãos pobres e de amor a Deus. Existem diversas biografias suas, mas sabemos que nenhuma delas conseguirá descrever com total fidelidade o amor que tinha por seus irmãos necessitados. Muitos acham que a maior virtude de São Vicente é a caridade, mas sua humildade suplantava essa virtude. Sempre buscava o bem da Igreja. São Vicente de Paulo foi um pai dos Pobres e um reformador do clero. Basta dizer que as Conferências Vicentinas, fundadas por Antônio Frederico Ozanam e seus companheiros, em 23 de abril de 1833, foram inspiradas por ele. Espalhadas no mundo inteiro, vivem permanentemente de seus exemplos e ensinamentos. Segundo São Francisco de Sales, Vicente de Paulo era o "padre mais santo do século". Faleceu em 27 de setembro de 1660 e foi sepultado na capela-mãe da Igreja de São Lázaro, em Paris. Foi canonizado pelo Papa Clemente XII em 16 de junho de 1737. Em 12 de maio de 1885 é declarado patrono de todas as obras de caridade da Igreja Católica, por Leão XIII. 




Seu corpo está incorrupto.

Intróito/ Sal. 36, 30-31.
Os justos florescerão como a palmeira e se multiplicarão como o cedro do Líbano: plantados na casa do Senhor: nos átrios da casa do nosso Deus.
Ps. ibid.,2. É bom louvar ao Senhor e cantar o teu nome, ó Altíssimo.
V/. Glória Patri.

Coleta
Deus, fortaleceste o Beato Vicente com coragem apostólica para evangelizar os pobres e aumentar a glória da ordem eclesiástica: faze, por favor, que honrando a sua piedade e os seus méritos, o exemplo das suas virtudes nos instrua.

Leitura da Epístola dos 

I Coríntios 4, 9-1 
9.Porque, ao que parece, Deus nos tem posto a nós, apóstolos, na última classe dos homens, por assim dizer sentenciados à morte, visto que fomos entregues em espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens.10.Nós, estultos por causa de Cristo; e vós, sábios em Cristo! Nós, fracos; e vós, fortes! Vós, honrados; e nós, desprezados!11.Até esta hora padecemos fome, sede e nudez. Somos esbofeteados, somos errantes,12.fatigamo-nos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Insultados, abençoamos; perseguidos, suportamos; caluniados, consolamos!13.Chegamos a ser como que o lixo do mundo, a escória de todos até agora...14.Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar, mas admoesto-vos como meus filhos muitos amados.

Gradual. Sal. 36, 30-31.Os iusti meditábitur sapiéntiam, et lingua eius loquétur iudícium.A boca do justo meditará em sabedoria e sua língua proferirá eqüidade.V/. Lex Dei eius in corde ipsíus: et non supplantabúntur gressus eius. V/. A lei do seu Deus está em seu coração e não será anulada.
Aleluia, aleluia. V/. Sal. 111, 1. Beátus vir, qui timet Dóminum: in mandátis eius cupit nimis. Aleluia. Aleluia, aleluia. V/. Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor e se deleita em seus mandamentos. Aleluia.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 10, 1-9      
1.Depois disso, designou o Senhor ainda setenta e dois outros discípulos e mandou-os, dois a dois, adiante de si, por todas as cidades e lugares para onde ele tinha de ir.2.Disse-lhes: Grande é a messe, mas poucos são os operários. Rogai ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe.3.Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos.4.Não leveis bolsa nem mochila, nem calçado e a ninguém saudeis pelo caminho.5.Em toda casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa!6.Se ali houver algum homem pacífico, repousará sobre ele a vossa paz; mas, se não houver, ela tornará para vós.7.Permanecei na mesma casa, comei e bebei do que eles tiverem, pois o operário é digno do seu salário. Não andeis de casa em casa.8.Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que se vos servir.9.Curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: O Reino de Deus está próximo. 

Ofertório/ Sal. 20, 2-3.
Senhor, o justo se alegrará com a tua força, e se regozijará com grande alegria, porque tu o salvaste. Você concedeu a ele o desejo de seu coração.

Secreta
Deus Todo-Poderoso, por favor, conceda-nos que esta oferta que nossa humildade apresenta a Ti em honra de seus santos pode ser agradável a Ti por causa deles, e nos purificar em nossos corpos, bem como em nossa alma.

Comunhão/ São Matheus. 19, 28 e 29.
Em verdade vos digo que, vós que deixastes tudo e me seguistes, recebereis o cêntuplo e possuireis a vida eterna.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
Oh! Não me é dado receber a santa Comunhão tantas vezes, quantas desejo. Mas, Senhor, não sois Todo-Poderoso?... Ficai em mim, como no Tabernáculo, não vos afasteis jamais de vossa pequenina hóstia…(Santa Terezinha do Menino Jesus) 

Depois da comunhão.
Nós Vos suplicamos, Deus Todo-Poderoso, concedei que, tendo recebido um alimento todo celestial e que o Beato Vicente, vosso Confessor, intercedendo por nós, possamos, graças à sua ajuda, ser equipados contra todas as adversidades.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.

quinta-feira, 18 de julho de 2024

18 de julho dia de São Camilo de Lellis, Confessor

 18/07 Quinta-feira
Festa de Terceira Classe
      Paramentos Brancos

 São Camilo de Lellis (1550-1614) nasceu em Bacchianico, cidade do reino de Nápoles, Itália, no dia 25 de maio. Na idade de 6 anos perdeu o pai, oficial do exército. Mal sabia ler e escrever alistou-se no exército e, aos 18 anos apenas, tomou parte numa campanha contra os turcos. Gravemente doente, voltou a Roma, onde foi internado no hospital dos incuráveis. A paixão, porém, pelo jogo fez com que o demitissem daquele estabelecimento. Posto na rua, doente, pobre, procurou serviço como servente de pedreiro, trabalhando em seguida numa casa que os capuchinhos estavam construindo. Uma conversa que teve com o guardião do convento, abriu-lhe os olhos. Largou do jogo, fez penitência e invocou a misericórdia divina. Camilo tinha então 25 anos. Entrou na Ordem dos Capuchinhos, onde fez o noviciado e passou depois para os Franciscanos. Estes, porém, não lhe consentiram a permanência na Ordem, por causa de uma úlcera que tinha no pé, e que pelos médicos foi declarado incurávei. Dirigiu-se ao hospital Santiago, em Roma, onde foi aceito e como não tinha dinheiro ofereceu-se para trabalhar como servente e enfermeiro. Dedicou exclusivamente ao serviço dos enfermos. Observando que os pobres doentes sofriam muitas privações, em 1582 Camilo Lellis começou a procurar pessoas que aceitassem socorrer os pobres e doentes e criou uma Irmandade que teve o apoio do Papa Sisto V. Os primeiros irmãos eram leigos, mais em seguida alguns sacerdotes se juntaram à Irmandade. Adquiriram uma casa, onde moravam em comunidade. A Irmandade deu tão certo que em pouco tempo, Camilo teve que abrir novos Institutos na Itália, Sicília e outras partes da Europa. Seguindo ainda o conselho de São Filipe Nery e o exemplo de Santo Inácio, apesar de seus 32 anos, voltou ao estudo foi ordenado Sacerdote. Por ocasião da peste em Roma, embora doente e sofrendo dores horríveis no pé, ia de casa em casa, procurando, socorrendo e consolando os pobres doentes. Numerosos são os casos, em que foi visto levando nas costas os doentes ao hospital, onde os tratava com a maior dedicação. Quando a peste chegou em Milão e Nola, Camilo acompanhou-a levando consigo a caridade e zelo apostólico. Muitos doentes recuperaram a saúde só pela palavra e oração do Sacerdote. Em 1591 o Papa Gregorio XIV reconheceu a Irmandade como uma Ordem Religiosa. Camilo era humilde e, por causa da humildade era muito querido em Roma. Chorando sempre os pecados da mocidade, dizia-se indigno de morar entre os homens e merecedor do inferno. Palavras de elogios entristeciam e irritavam-no. Não permitia que o chamasse fundador duma Ordem e depois de 27 anos de Superior, pediu que lhe tirassem este fardo, e o pusessem debaixo da obediência. Camilo era caridoso para com os outros e severo para consigo. Muito doente e desenganado pelos médicos, Camilo recebeu o Santo Viático das mãos do Cardeal Ginnásio, protetor da Irmandade. Vendo a sagrada Hóstia disse, com as lágrimas nos olhos: "Alegro-me por me terem dito que entrarei na casa do Senhor. Reconheço Senhor, que sou dos pecadores o mais indigno de receber vossa graça". Camilo de Lellis faleceu em Roma no dia 14 de 7 de 1614. Enquanto os médicos preparavam seu corpo para o sepultamento, perceberam que a úlcera de seu pé havia desaparecido. Em 1746 foi canonizado por Bento XIV. São Camilo é padroeiro dos enfermos e dos hospitais.

Relíquia de São Camilo


Intróito/ São João 15, 13.
Ninguém pode ter maior amor do que dar a vida por seus amigos.
Sal. 40, 2.Bem-aventurado aquele que tem entendimento do necessitado e do pobre: ​​o Senhor o livrará no dia mau.
V/. Glória Patri.

Coleta
Deus, concedeste a São Camilo uma caridade extraordinária para ajudar as almas na suprema luta da agonia: rogamos-te, pelos seus méritos, que espalhe em nós o espírito da tua caridade; para que possamos, na hora da morte, vencer o inimigo e alcançar a coroa celestial.

E comemorou Ss. Symphorosae et septem Filiorum eius Mm.: E nos lembramos de Sinforose e seus sete Filhos Mártires:
Oração.Deus,Senhor nos concede para celebrar o dia do nascimento no céu de seus santos mártires Sinforose e seus filhos: concede-nos a desfrutar de sua companhia em felicidade eterna.

Leitura da Epístola dos 

I São João 3, 13-18
13. Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. 14. Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. 15. Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino. 16. Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos. 17. Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus? 18. Meus filhinhos não amem com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade.

Gradual. Sal. 36, 30-31.Os iusti meditábitur sapiéntiam, et lingua eius loquétur iudícium. A boca do justo meditará em sabedoria e sua língua proferirá eqüidade.V/. Lex Dei eius in corde ipsíus: et non supplantabúntur gressus eius. V/. A lei do seu Deus está em seu coração e não será anulada.
Aleluia, aleluia. V/. Sal. 111, 1. Beátus vir, qui timet Dóminum: in mandátis eius cupit nimis. Aleluia. Aleluia, aleluia. V/. Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor e se deleita em seus mandamentos. Aleluia.

Sequência do Santo Evangelho

São João 15, 12-16     
12.Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo.13.Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos.14.Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando.15.Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai.16.Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. Eu assim vos constituí, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda.

Ofertório/Sal. 20, 2-3.
Senhor, o justo se alegrará com a tua força, e se regozijará com grande alegria, porque tu o salvaste. Você concedeu a ele o desejo de seu coração.

Secreta
A hóstia imaculada, pela qual renovamos a obra de imensa caridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, seja para nós, ó Deus e Pai Todo-Poderoso, por intercessão de São Camilo, remédio salutar contra todas as enfermidades do corpo e da alma, bem como consolação e proteção na última agonia.

Comunhão/São Matheus 25, 36 e 40.
Eu estava doente, e tu Me visitou. Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
Oh! Não me é dado receber a santa Comunhão tantas vezes, quantas desejo. Mas, Senhor, não sois Todo-Poderoso?... Ficai em mim, como no Tabernáculo, não vos afasteis jamais de vossa pequenina hóstia…(Santa Terezinha do Menino Jesus) 

Depois da comunhão.
Nós vos imploramos, Senhor, por estes alimentos celestes, que recebemos com piedade e devoção na solenidade de São Camilo, vosso Confessor: fazei que na hora de nossa morte, fortalecidos pelos sacramentos e absolvidos de todas as nossas faltas, mereceu ser recebido com alegria no seio de sua misericórdia.
 
Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário

quarta-feira, 17 de julho de 2024

17 de julho dia de São Aleixo, Confessor

17/07 Quarta-feira
Festa de Quarta Classe
Paramentos Verdes

  Santo Aleixo nasceu 350 em Roma, e era o único filho de uma família cristã rica e caridosa – seu pai era um patrício romano de nome Eufêmio e sua mãe chamava-se Aglais. Ele viveu durante o reinado do imperador Teodósio, o Grande, em 380 d.C. Desde jovem ele desejava deixar o luxo e servir a humildemente a Deus, porém seus pais já haviam organizado seu casamento, como era de costume à época. Após casar-se, durante sua noite de núpcias, antes de consumar o casamento, Santo Aleixo entregou um anel a sua noiva, dizendo-lhe “Guarde este anel e reze a Deus para que Ele esteja sempre conosco e Sua Graça nos traga uma nova vida”, e partiu da casa de seus pais em segredo em direção a caminho do Oriente. Vendeu tudo o que tinha, distribuiu seu dinheiro aos pobres e viveu, mendigando de porta em porta. Vivendo da caridade dos religiosos da igreja local, sempre rezando e participando da vida sacramental da Santa Igreja. Como era um homem de virtude e santidade, muitas pessoas vinham lhe procurar.Fixou-se em Edessa da Síria na Mesopotâmia, onde ficou por algum tempo este piedoso mendigo ao lado da Basílica do Apóstolo Tomé, repartindo com os pobres as esmolas que recebia. Diversos prodígios aconteciam com a sua presença, passou a ser chamado de "o homem de Deus" e venerado por sua santidade. Mas, teve de abandonar a cidade, porque desejava continuar no anonimato deixou Edessa. Sua intenção era ir até Tarso, para ficar na igreja de São Paulo, porém, o navio onde ele viajara foi desviado de sua rota por fortes ventos, e ele acabou aportando em outro local. Aleixo decidiu então retornar à casa de seu pai Roma, porém, após tantos anos,sofreu tanto que ficou transfigurado. Quando chegou em a casa do pai e disse: "Tende compaixão deste pobre de Jesus Cristo e permita-me ficar em algum canto do palácio". Não tendo reconhecido o próprio filho, ele o acolheu e mandou que o levasse para cuidar da cocheira dos animais. Viveu assim durante dezessete anos, na cocheira do seu próprio palácio, sendo maltratado pelos seus próprios criados e sem ser identificado pelos pais. Nesta cocheira dos animais da casa de seus pais, o santo continuava a jejuar e passava dia e noite em oração. Ele sofria troças constantes dos empregados, e as aceitava humildemente sem reclamar. Quanto estava próxima a hora de sua morte, ele pediu um pergaminho e escreveu uma carta contando quem era e quem eram seus pais, pedindo perdão a eles a à sua esposa. No dia de sua morte, Deus falou ao bispo de Roma, Inocêncio (402-417) durante a Liturgia, citando Mateus 11:28 e dizendo “Encontre na casa de Eufêmio o homem de Deus que partiu para a vida eterna, e peçam-lhe para rezar por esta cidade.” O bispo partiu a procura do “Santo Homem”, mas quando o encontraram na casa de seu pai ele já havia falecido. Seu rosto exibia uma expressão de serenidade e suas mãos fechadas seguravam sua carta, que não pôde ser retirada por ninguém. Após deitar seu corpo sobre uma cama e cobri-lo com tecidos finos, Inocêncio e a família de Eufêmio ajoelharam-se, pedindo ao santo para que abrisse suas mãos, no que suas preces foram atendidas. Ao ler a carta, todos se surpreenderam ao saber quem realmente era aquele mendigo tão humilde e bondoso. Seu corpo foi então enterrado com todas as honras na Igreja de São Pedro, em Roma, sendo transladado em 1216 para a Igreja de São Bonifácio. De seu túmulo até hoje escorre óleo de mirra, cujas propriedades milagrosas já curaram as doenças de inúmeros fiéis. Segundo uma antiga tradição romana, a casa do senador ficava no Monte Aventino. Em 1217, durante a construção da igreja dedicada à Santo Bonifácio, neste local as relíquias de Santo Aleixo foram encontradas. Por este motivo, o Papa Honório III decidiu que ela seria dedicada à Santo Aleixo. Outro grande devoto deste Santo, foi o Bispo Sérgio de Damasco, que viveu em Roma no final do século X. Ele acabou fundando o Mosteiro de Santo Aleixo, destinado aos monges gregos. No século XV, os Irmãos de Santo Aleixo o elegeram como patrono. Em 1817, a Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria o nomeou seu segundo patrono, como exemplo de paciência, humildade e de caridade a ser seguido. A Igreja manteve o dia de sua festa no dia 17 de julho, como sempre foi celebrada pela antiga tradição cristã. 


Intróito/ Sal. 47, 10-11.
Recebemos, ó Deus, a tua misericórdia no meio do teu templo: como o teu nome, ó Deus, o teu louvor se estende até aos confins da terra, a tua destra está cheia de justiça.
Ps. ibid., 2.O Senhor é grande e louvável: na cidade do nosso Deus, no seu santo monte.
V/. Glória Patri.

Coleta
Nós te suplicamos, Senhor, concede-nos, em tua bondade, a graça de pensar e agir sempre com justiça: para que, não podendo existir sem ti, possamos conformar nossa vida à tua vontade.

Leitura da Epístola dos 

Romanos 8, 12-17  
12.Portanto, irmãos, não somos devedores da carne, para que vivamos segundo a carne.13.De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis,14.pois todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.15.Porquanto não recebestes um espírito de escravidão para viverdes ainda no temor, mas recebestes o espírito de adoção pelo qual clamamos: Aba! Pai!16.O Espírito mesmo dá testemunho ao nosso espírito de que somos filhos de Deus.17.E, se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, contanto que soframos com ele, para que também com ele sejamos glorificados.

Gradual.Sal.30,3.Esto mihi in Deum protectórem, et in locum refúgii, ut salvum me fácias.Seja eu um Deus protetor e uma casa de refúgio para que você me salve.V/.Sal.70,1.Deus, in te sperávi: Dómine, non confúndar in ætérnum. Ó Deus, eu esperei em ti; Senhor: Que eu não fique para sempre confuso.Aleluia, aleluia. V/. Sal. 47, 2.Magnus Dóminus, et laudábilis valde, in civitáte Dei nostri, in monte sancto eius. Aleluia.O Senhor é grande e digno de todo louvor, na cidade do nosso Deus, no seu santo monte. Aleluia.

Sequência do Santo Evangelho

São Lucas 16, 1-9     
1.Jesus disse também a seus discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador. Este lhe foi denunciado de ter dissipado os seus bens.2.Ele chamou o administrador e lhe disse: Que é que ouço dizer de ti? Presta contas da tua administração, pois já não poderás administrar meus bens.3.O administrador refletiu então consigo: Que farei, visto que meu patrão me tira o emprego? Lavrar a terra? Não o posso. Mendigar? Tenho vergonha.4.Já sei o que fazer, para que haja quem me receba em sua casa, quando eu for despedido do emprego.5.Chamou, pois, separadamente a cada um dos devedores de seu patrão e perguntou ao primeiro: Quanto deves a meu patrão?6.Ele respondeu: Cem medidas de azeite. Disse-lhe: Toma a tua conta, senta-te depressa e escreve: cinqüenta.7.Depois perguntou ao outro: Tu, quanto deves? Respondeu: Cem medidas de trigo. Disse-lhe o administrador: Toma os teus papéis e escreve: oitenta.8.E o proprietário admirou a astúcia do administrador, porque os filhos deste mundo são mais prudentes do que os filhos da luz no trato com seus semelhantes.9.Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos.

Ofertório/Sal. 17, 28 e 32.
Tu salvarás, Senhor, os humildes, e humilharás os olhos dos soberbos; pois quem é Deus senão tu, Senhor?

Secreta
Recebe, nós te imploramos, Senhor, os bens que te oferecemos depois de tê-los recebido de tua generosidade, para que, pela virtude e operação de tua graça, esses mistérios sacrossantos nos santifiquem na condução da vida presente. às alegrias eternas.

Praefatio de sanctissima Trinitate; non vero in feriis, quando adhibetur Missa huius dominicæ, sed tunc dicitur præfatio communis. Prefácio à Santíssima Trindade  ; mas nos feriados, quando é retomada a Missa daquele domingo, reza-se o Prefácio Comum 
Praefatio de sanctissima Trinitate; non vero in feriis, quando adhibetur Missa huius dominicæ, sed tunc dicitur praefatio communis. Prefácio à Santíssima Trindade  ; mas nos feriados, quando é retomada a Missa daquele domingo, reza-se o Prefácio Comum .

Comunhão/ Sal. 33, 9.
Prove e veja quão doce é o Senhor: Bem-aventurado o homem que nele espera.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
 Oh! Não me é dado receber a santa Comunhão tantas vezes, quantas desejo. Mas, Senhor, não sois Todo-Poderoso?... Ficai em mim, como no Tabernáculo, não vos afasteis jamais de vossa pequenina hóstia…(Santa Terezinha do Menino Jesus) 
 
Depois da comunhão.
Que este mistério celeste seja para nós, ó Senhor, causa de renovação espiritual e corporal, para que, ao celebrá-lo, sintamos seus efeitos.


Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário