quarta-feira, 2 de março de 2022

Quarta-feira de cinzas.

02/03 Quarta-feira de Cinzas
Festa de Feria de Primeira Classe
Paramentos Roxos
 http://www.introibo.fr/IMG/jpg/cendres.jpg
Jejum e abstinência de carne
Façam penitência.

Meménto,homo, quia pulvis es, et in púlverem reverteris.
 “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás”(Gen 3,19)
 
 A Quarta-feira de Cinzas representa o primeiro dia da Quaresma no calendário gregoriano, podendo também ser designada por Dia das Cinzas e é uma data com especial significado para a comunidade cristã. A data é um símbolo do dever da conversão e da mudança de vida, para recordar a passageira fragilidade da vida humana, sujeita à morte. Coincide com o dia seguinte à terça-feira de Carnaval e é o primeiro dos 40 dias entre essa terça-feira e a sexta-feira (Santa) anterior ao domingo de Páscoa.
  A origem deste nome é puramente religiosa. Neste dia, é celebrada a tradicional missa das cinzas. As cinzas utilizadas neste ritual provêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. A estas cinzas mistura-se água benta. De acordo com a tradição, o celebrante desta cerimônia utiliza essas cinzas úmidas para sinalizar uma cruz na fronte de cada fiel, proferindo a frase “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás”.

Bênção das Cinzas
Feira Quarta Cinema
Quarta-feira de Cinzas
I Classis
1 ª classe
Estádio de S. Sabinam
Estação em Sainte-Sabine
¶ Ante Missam benedicuntur cineres facti de ramis olivarum sive aliarum arborum, præcedenti anno benedictis, hoc modo: ¶ Antes da Missa, as cinzas dos ramos de oliveira ou outras madeiras benzidas no ano anterior são benzidas da seguinte forma:
Em Choro, dicta Nona, Sacerdos indutus Pluviali violaceo, vel sine Casula, cum ministris similiter indutis, procedit ad benedicendurn cineres in vase aliquo super altari positos. E primo cantatur a choro sequens Antiphona: No coro, depois de Nenhum, o sacerdote, vestido de manto violeta, ou sem casula, com os ministros vestidos da mesma maneira, avança para abençoar as cinzas colocadas num receptáculo sobre o altar. E primeiro, o Coro canta:
Antífona. Sal. 68, 17.
Exáudi nos, Dómine, quóniam benígna est misericórdia tua: secúndum multitúdinem miseratiónum tuárum réspice nos, Dómine. Ouve-nos, Senhor, porque a tua misericórdia é toda doce; de acordo com a abundância da tua generosidade, olha para nós, Senhor.
Ps. ibid., 2.
Salvum me fac, Deus: quôniam intravérunt aquæ usque ad ánimam meam. Salva-me, ó Deus, porque as águas entraram na minha alma.
V/. Glória Patri. Repetidor Exáudi nos.
¶ Deinde Sacerdos in cornu Epistolæ, non vertens se ad populum, manibus iunctis (quod servatur etiam in orationibus omnium benedictionum quoad manus iunctas) diz: ¶ Então o sacerdote, do lado da Epístola, sem se voltar para o povo, de mãos postas diz:
V/. Dominus vobiscum. O senhor esteja com você.
R/. E cum spíritu tuo. E com sua mente.
Oremus. Oração Vamos rezar.
Omnípotens sempitérne Deus, porque pæniténtibus, propitiáre supplicántibus: et míttere digneris sanctum Angelum tuum de cælis, qui bene + dícat et sanctíficet hos cíneres, ut sint remédium salubre ómnibus nomen sanctum tuum humilíter implorántibus, ac semetípsos pro consciéntia su delictórum delictórum deplorántibus, vel sereníssimam pietátem tuam supplíciter obnixéque flagitántibus: et præsta per invocatiónem sanctíssimi nóminis tui; ut, quicúmque per eos aspérsi fúerint, pro redemptióne peccatórum suórum, córporis sanitátem et ánimæ tutélam percípiant. Per Christum, Dominum nostrum. V/. Um homem. Deus todo-poderoso e eterno, perdoa aqueles que fazem penitência, mostra-te favorável àqueles que te suplicam; e dignai-vos enviar do céu o vosso santo Anjo para abençoar e santificar estas cinzas, para que sejam um salutar remédio para todos aqueles que humildemente imploram o vosso santo nome e que, sabendo das suas faltas, se acusam, lamentando-se em a presença de vossa divina clemência seus atos culposos ou solicitando com insistência e súplicas vossa dulcíssima misericórdia. Fazei que, pela invocação do vosso santíssimo nome, todos aqueles sobre os quais estas cinzas foram aspergidas para a remissão dos seus pecados, recebam a saúde do corpo e obtenham a vossa protecção para as suas almas.
Oremus. Oração Vamos rezar.
Deus, qui non mortem, sed pæniténtiam desíderas peccatórum: fragilitátem condiciónis humanæ benigníssime respice; et hos cíneres, quos, causa proferéndæ humilitátis atque promeréndæ véniæ, capítibus nostris impóni decérnimus, bene + dícere pro tua pietáte dignáre: ut, qui nos cinerem esse, et ob pravitátis nostrae deméritum in púlverem reversúros cognóscimus; peccatórum ómnium véniam, et prǽmia pæniténtibus repromíssa, misericórditer cónsequi mereámur. Per Christum, Dominum nostrum. V/. Um homem. Ó Deus, que não desejas a morte dos pecadores, mas a sua penitência, considera com a maior bondade a fragilidade da natureza humana; e dignai-vos, segundo vossa misericórdia, abençoar estas cinzas que resolvemos colocar sobre nossas cabeças como sinal de humilhação e obter o perdão, para que, reconhecendo que somos apenas pó, por causa de nossas iniquidades, mereçamos obter da tua misericórdia a remissão de todos os nossos pecados e as recompensas prometidas aos que fizeram penitência.
Oremus. Oração Vamos rezar.
Deus, qui humiliatióne flécteris, et satisfactióne placáris: aurem tuæ pietátis inclina précibus nostris; et capítibus servórum tuórum, horum cínerum aspersióne contáctis, effúnde propítius grátiam tuæ benedictiónis: ut eos et spíritu compunciónis répleas et, quæ iuste postuláverint, efficaciter tríbuas; e concedeu perpetuo stabilíta et intacta manére decérnas. Per Christum, Dominum nostrum. V/. Um homem. Ó Deus, que te deixas comover pela humilhação e apaziguado pela reparação, inclina o teu ouvido favoravelmente às nossas orações e derrama a graça da tua bênção sobre os teus servos cujas cabeças terão sido tocadas pela aspersão destas cinzas, de modo que você os encha com o espírito de compunção, e que você lhes conceda o efeito do que eles justamente pediram e que eles preservem perpetuamente estável e intacto o que receberam de suas mãos.
Oremus. Oração Vamos rezar.
Omnípotens sempiterne Deus, qui Ninivítis, in cinere et cilício pæniténtibus, indulgéntiæ tuæ remédia præstitísti: concede propítius; ut sic eos imitémur hábitu, quaténus véniæ prosequámur obtido. Por Dominum. Deus todo-poderoso e eterno, que em sua indulgência providenciou um remédio para os males dos ninivitas que fazem penitência sob cinzas e cilícios; conceda-nos com bondade imitá-los de tal maneira em sua conversão que consigamos obter seu perdão.
¶ Postea Celebrans, imposito incenso in thuribulo, ter aspergit cineres aqua benedícta, dicendo Antiphonam Aspérges, sine cantu et sine Psalmo, e ter adolet incenso. ¶ Então o celebrante, tendo imposto incenso no turíbulo, borrifa as cinzas três vezes com água benta, pronunciando a antífona Espargos , sem canto nem salmo, e as incendeia três vezes.
Deinde dignior Sacerdos ex Clero accedens ad Altare, imponit cineres Celebranti non genuflexo. Si vero non adsit alius Sacerdos, ipsemet Celebrans, genibus flexis coram Altari, sibi ipsi cineres imponit in capite, nihil dicens e cantatur statim a choro: Então o mais digno dos sacerdotes do clero sobe ao altar, impõe as cinzas ao celebrante em pé. Se não houver outro sacerdote, o próprio celebrante, ajoelhado diante do altar, impõe as cinzas à própria cabeça, sem dizer uma palavra, e imediatamente o coro canta:
Antífona. Ioel. 2, 13. Antífona.
Immutémur habitu, in cinere et cilício: ieiunémus, et plorémus ante Dóminum: quia multum misericors est dimíttere peccáta nostra Deus noster. Troquemos de roupa, cubramo-nos com cinzas e cilícios, jejuemos e choremos diante do Senhor; pois nosso Deus todo misericordioso está pronto para nos perdoar nossos pecados.
Ali Antiph. Ibid., 17. Antífona.
Inter vestíbulum et altáre plorábunt sacerdótes ministri Dómini, et dicent: Because, Dómine, porque pópulo tuo: et ne claudas ora canéntium te, Dómine. Que os sacerdotes e ministros do Senhor chorem entre o vestíbulo e o altar e digam: Poupe, Senhor, poupe o seu povo e não feche a boca daqueles que cantam os teus louvores, ó Senhor.
Sequitur Responsorium: Nós encadeamos a resposta
Responsabilidade. Ester 13; Ioel. 2. Responda.
Emendémus in mélius, quæ ignoránter peccávimus: ne, subtilo præoccupáti die mortis, quærámus spátium pæniténtiæ, et inveníre non póssimus. Atténde, Dómine e miserére: quia peccávimus tibi. Eliminemos, com nosso progresso no bem, as faltas de que nos tornamos culpados por ignorância, para que, de repente, surpreendidos no dia da morte, procuremos tempo de penitência e não o encontremos. Preste atenção, Senhor, e tenha misericórdia, porque pecamos contra você.
V/. Ps. 78, 9. Adiuva nos, Deus, salutáris noster: et propter honórem nóminis tui, Dómine, líbera nos. Espere, Domine. Ajuda-nos, ó Deus, nosso salvador, e para a honra do teu nome, livra-nos, Senhor.
V/. Glória Patri. Espere, Domine. Glória ao Pai. Preste atenção, Senhor.
¶ Sacerdos vero, dum cantantur Antiphonæ et Responsorium, detecto capite, primo imponit cineres digniori Sacerdoti, a quo ipse accepit, deinde Ministris paratis, genibus flexis coram Altari, dicens: ¶ Enquanto se cantam as antífonas e o responsório, o sacerdote, com a cabeça descoberta, primeiro impõe as cinzas ao mais digno dos sacerdotes, que as havia imposto, depois aos ministros adornados, ajoelhados diante do altar, em dizendo:
Lembre-se, ó homem, que você é pó e ao pó retornará.
Gênesis 3, 19. Memento, homo, quia pulvis es, et in pulverem revertéris. Lembre-se, ó homem, que você é pó e ao pó retornará.
¶ Postea veniunt alii, primo Clerus per ordinem, deinde populus: et genibus flexis ante Altare, singulatim recipiunt cinerem a Sacerdote, ut dictum est de Ministris. Completa cinerum impositione, Sacerdos diz: ¶ Depois vêm os outros: primeiro o clero por ordem, depois o povo, e de joelhos diante do altar, cada um recebe as cinzas dos sacerdotes, como foi dito dos ministros. Terminada a imposição das cinzas, o sacerdote diz:
V/. Dominus vobiscum. O senhor esteja com você.
R/. E cum spíritu tuo. E com sua mente.
Oremus. Oração Vamos rezar.
Concéde nobis, Dómine, præsídia militiæ christiánæ sanctis inchoáre ieiúniis: ut, contra spiritáles nequítias pugnatúri, continéntiæ muniámur auxíliis. Per Christum, Dominum nostrum. Concede-nos, Senhor, entrar por jejuns santos nas fileiras da milícia cristã, para que, tendo que lutar contra os espíritos malignos, possamos receber a ajuda que a abstinência proporciona.

¶ Deinde dicitur Missa.

Intróito/Sab, 11, 24, 25 e 27.
Tens misericórdia de todos, Senhor, e não odeias nada do que fizeste, e escondes os pecados dos homens por causa do arrependimento e os perdoas, porque tu és o Senhor nosso Deus.Sal. 56, 2.Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim, porque minha alma confia em ti. V/. Glória Patri.

Coleta
Concede, Senhor, aos teus fiéis que empreendam com a devida piedade a prática destes veneráveis ​​e solenes jejuns e percorram o seu curso com uma devoção que nada pode perturbar.

Leitura da Epístola extraída do livro do

Joel, 2, 12-19
12. Por isso, agora ainda - oráculo do Senhor -, voltai a mim de todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos de luto.13. Rasgai vossos corações e não vossas vestes; voltai ao Senhor vosso Deus, porque ele é bom e compassivo, longânime e indulgente, pronto a arrepender-se do castigo que inflige.14. Quem sabe se ele mudará de parecer e voltará atrás, deixando após si uma bênção, ofertas e libações para o Senhor, vosso Deus?15. Tocai a trombeta em Sião: publicai o jejum, convocai a assembleia, reuni o povo;16. santificai a assembleia, agrupai os anciãos, congregai as crianças e os meninos de peito; saia o recém-casado de seus aposentos, e a esposa de sua câmara nupcial.17. Chorem os sacerdotes, servos do Senhor, entre o pórtico e o altar, e digam: Tende piedade de vosso povo, Senhor, não entregueis à ignomínia vossa herança, para que não se torne ela o escárnio dos pagãos! Por que diriam eles: onde está o seu Deus?18. O Senhor afeiçoou-se à sua terra, teve compaixão de seu povo;19. O Senhor respondeu ao seu povo: Vou mandar-vos trigo, vinho e óleo, e deles sereis fartos, e não vos farei mais objeto de opróbrio diante dos pagãos.
R:Deo Gracias

Gradual/Sal. 56, 2 e 4.
Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim, porque minha alma confia em ti.
V /  Ele enviou socorro do céu e me livrou; cobriu de opróbrio aqueles que me pisaram.

Trato/ Sal. 102, 10.
Senhor, não nos trates segundo os nossos pecados, e não nos castigues segundo as nossas iniqüidades.
V/. Sal. 78, 8-9.Senhor, não se lembre mais de nossas antigas iniqüidades; que suas misericórdias venham apressadamente ao nosso encontro, pois estamos reduzidos à última miséria.
V/.Ajuda-nos, ó Deus, nosso Salvador, e para a glória do teu nome, Senhor, livra-nos e perdoa-nos os nossos pecados, por amor do teu nome.


Sequência do Santo Evangelho 

São Mateus, 6,16-21
16. Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa.17. Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto.18. Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á.19. Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam.20. Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam.21. Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração.
R:Laus tibi, Christe.

Ofertório/Sal. 29.2-3.
Eu te exaltarei, Senhor, porque você me levantou e não alegrou meus inimigos sobre mim. Senhor, eu clamei a ti e tu me curaste.

Secreta
Nós vos imploramos, Senhor, que estejamos devidamente preparados para vos oferecer estes dons com os quais celebramos a instituição deste venerável sacramento.

Prefácio da Quaresma ao Sábado antes do Domingo da Paixão inclusive, dependendo dos títulos.
 
Comunhão/ Pr. 1, 2 e 3.
Aquele que medita dia e noite na lei do Senhor dará fruto a seu tempo.(Quem não pode comungar em especie, fazer comunhão espiritual)

Nosso Senhor Jesus Cristo numa aparição revelou a sóror Paula Maresca, fundadora do convento de Sta. Catarina de Sena de Nápoles, como se refere na sua vida, e lhe mostrou dois vasos preciosos, um de ouro e outro de prata, dizendo-lhe que conservava no vaso de ouro suas comunhões sacramentais e no de prata as espirituais. As espirituais com dependência exclusiva da piedade de Nosso Senhor Jesus Cristo, que alimentais nossa alma na solidão do coração.
“Meu Jesus, eu creio que estais realmente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós” (Santo Afonso Maria de Liguori)
 
Depois da comunhão.
Que os sacramentos que recebemos nos ajudem, Senhor, para que nossos jejuns sejam agradáveis ​​a Vós e sirvam para nossa cura.

¶ Então o padre diz: Rezemos. E o diácono (se cumpre o seu ofício) voltado para o povo, de mãos postas, diz: Humilhai vossas cabeças diante de Deus. Caso contrário, é o próprio padre, parado no mesmo lugar em frente ao livro e sem se voltar para as pessoas que o diz.

Lança um olhar favorável, ó Senhor, sobre aqueles que se curvam diante de tua majestade, para que aqueles que foram nutridos por teus dons divinos sejam sempre sustentados pelo socorro celestial.



Viva Cristo Rei e Maria Rainha.
Rezem todos os dias o Santo Rosário.